(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Biodiversity Heritage Library | Children's Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Bibliographia historica portugueza, : ou Catalogo methodico dos auctores portuguezes, e de alguns estrangeiros domiciliarios em Portugal, que tractaram da historia civil, politica e ecclesiastica d'estes reinos e seus dominios, e das nações ultramarinas, e cujas obras correm impressas em vulgar; onde tambem se apontam muitos documentos e escriptos anonymos que lhe dizem respeito."

**w*i*La 



M 





5#' 



& 



% 



V '" 



i^g^^íiv. 



.àsuaBB&aHUk 



ou 



CATALOGO METHODICO DOS AUCTORES PORTUGUEZES, 
E DE ALGUNS ESTRANGEIROS DOMICILIÁRIOS EM POR- 
TUGAL, QUE TRACTARAM DA HISTORIA CIVIL, POLI- 
TICA E ECCLESIASTICA d'eSTES REINOS E SEUS DOMÍ- 
NIOS, E DAS NAÇÕES ULTRAMARINAS, E CUJAS OBRAS 
CORREM IMPRESSAS EM VULGAR ; ONDE TAMBÉM SE 
APONTAM MUITOS DOCUMENTOS E ESCRIPTOS ANONY- 
MOS QUE LHE DIZEM RESPEITO. 



POR 



O/j^cial ãa Secretaria ãe Estado dos Negócios Estrangeiros, 
Commenãaãor da Real Ordem de Isabel a Catholica, Membro 
do Conservatório Real de Lisboa, Sfc. Sfc. Sfc, 



Na Typographu do Panorama, 



1850. 



w 



A Naçào Portugiieza lem no seu Idioma os 
mais preciosos monumentos de Historia. As 
Historias da índia compostas por João de Bar- 
ros, Diogo do Couto, Fernão Lopes de Casta- 
nheda, Affonso de Albuquerque, onde está recon- 
centrado lodo o bom gosto do verdadeiro at- 
ticismo, formam um corpo de Historia que, 
visto por todos os lados, é o mais auctorisadt>, 
o mais vasto, o mais novo e interessante que 
nunca viu o mundo até aqueiles tempos, nem 
nos modernos ha esperança de outro semelhan- 
te. Não fallo já das Chronicas dos nossos Reia 
antigos até D. Affonso V. compostas por Fer- 
não Lopes, pae da prosa portugueza, e o pri- 
meiro talvez que na Europa escreveu a Histo- 
ria dignamente ; nem na que escreveu Gomes 
Eannes de Azurara, Garcia de Rezende, Ruy 
de Pina, Damião de Góes, Duarte Nunes do 
Leão, Duarte Galvão, Pedro de Mariz, Fran- 
cisco de Andrade, Fr. Bernardo de Brilo, Fr. 
António Brandão, Fr. Luiz de Sousa, Fr. Mar- 
cos de Lisboa, o P.« João de Lucena ; afora 
os que escreveram historias fabulosas ^de Ca- 
vallaria .... Em uma palavra, a Nação Por- 
tugueza póde-se affirmar que ensinou como se 
devia escrever a Historia em lingua vulgar, 
como já disse um celebre auctor estrangeiro. 
Francisco Dias Gomes. 



iV. RARIDADE de muitos livros relativos á historia do 
nosso paiz torna-os, em grande parte, desconhecidos 
para o commum dos leitores, e até, não poucas vezes, 
para os que se occupam especialmente d'este género 
de estudos. Não só os archivos e as coUecçôes de do- 
cumentos históricos estão por examinar e conhecer, mas 
ignora-se frequentemente a existência das obras im- 



VI 



pressas em que nos foram transmittidas, pelos escrípto- 
res dos séculos passados, as memorias que constituem 
o precioso thesouro das recordações pátrias ; thesouro 
que todos os povos guardam e conservam de pães a 
filhos com um amor cioso, e que nós deixámos até cer- 
to ponto esquecido e inútil. 

E na verdade de lamentar que sendo procurados, 
Mos, vulgarisados entre nós os escriptos estranhos, 
destmados a perpetuarem ou celebrarem as recorda- 
ções memoráveis de outros povos, esqueçamos com ver- 
gonhoso desprezo as próprias riquezas históricas, levan- 
do a tal ponto este desamor das cousas domesticas, 
que mais de uma vez acontece admirarmos trajadas, ou 
antes prostituidas com adornos peregrinos, as façanhas 
maravilhosas de nossos avós, que poderiamos ler e ad- 
mirar nas paginas dos auctores portuguezes, que ou as 
presenciaram, ou n'ellas tiveram parte, ou finalmente 
as relataram por as terem bebido nas fontes legitimas. 
E de lamentar, repetimo-lo, que preferindo a historia 
alheia á do nosso paiz, ajuntemos a isso o estudar o 
pouco que sabemos d'esta em escriptores estrangeiros, 
que por via de regra adulteram e viciam, nas suas com- 
pilações, o que extrahiram d'aquelles a quem nós aliás 
.podíamos ter recorrido sem sua intervenção. 

Para trazermos pois a mocidade estudiosa e applica- 
da ao conhecimento e familiaridade dos nossos escripto- 
res sobre tão importante assumpto, resolvemos escrever 
o Catalogo que hoje entregámos ao prelo. 

Começámos este trabalho em principies de 1841, 
e quasi o haviamos concluido nos fins do seguinte anno 
de 1842: desde então temos procurado amplia-lo e 
corrigi-lo n'aquelles intervallos que nos permittiam as 
obrigações do nosso cargo, sem comtudo passarmos 
aquém da referida epocha em nossas investigações bi- 
bliographicas. 



áaàttíid^hàlãbÉÉ 



JLmM 



VII 



E apezar de conhecermos o quanto elle vae longe do 
sráu de perfeição de que é susceptível, estamos con- 
vencidos de que assim mesmo será de grande auxilio 
a quem para o diante houver de estudar ou escrever 
assumptos históricos. 

Ao douto e zeloso auctor da Bibliotheca Lusitana, 
o abbade Diogo Barbosa Machado, somos devedores de 
muitas noticias que adquirimos para a execução d este 
trabalho. Se porém lhe advertimos os descuidos, inevitá- 
veis em tao vasta como difficultosa empreza, é para 
que hajam de ser emendados em proveito commum 
pelos futuros reformadores e continuadores de uma 
obra que será sempre benemérita da Litteratura Por- 

tugueza (l). ^ , n- ^ 1 

Da Bibliotheca Histórica de José Carlos Pinto de 
Sousa pouco aproveitámos, já porque na parte biblio- 
graphica que fazia ao nosso intento é esta obra assaz 
diminuta, como porque tinhamos resolvido consultar 
nos próprios exemplares impressos todas as ohras e 
edições de que houvéssemos de dar noticia em o nosso 
Catalogo, sem fiarmos demasiado de uma auctoridade 
que reputámos desde logo pouco segura (2). 

(1) o professor régio Bento José de Sousa Farinha houvera de 
empregar mais alguma diligencia, para que o Summario que publicou 
da Bibliotheca Lusitana sahisse menos defeituoso, e para que do seu 
trabalho conseguisse o eíTeito desejado ; eis aqui como acerca do seu 
merecimento se explica um distincto escriptor nosso: «O Summario 
da Bibliotheca Lusitana seria muito útil se não contivesse tantos deíei- 
tos, erros, e omissões que tornaram desnecessária e de nenhum présti- 
mo a publicação de semelhante obra. » • j, a • 

(2) Além das obras indicadas igualmente nos servimos dos dois 
Catálogos que, nos fins do século passado, fez imprimir a Academia 
Real das Sciencias de Lisboa: o primeiro dos auctores e obras que se 
leram para a composição do único tomo do Diccionario da Lmgua 
Poriugueza mandado publicar pela mesma Academia, e o segundo 
dos livros que se hão de ler para a continuação d'aquelie Diccionario, 
os quaes, apezar de incorrectos, merecem comtudo ser consultados. De 
algum soccorro nos foram também as Memorias que deixou escriptas 
o erudito académico Aníonio Ribeiro dos Santos, para a Historia da 
Typographia Portugueza. 



rm 



Para executarmos devidamente este propósito em- 
pregámos todos os meios que estavam ao nosso alcance. 
Procedemos, como cumpria, a um rigoroso e meudo 
exame nas principaes livrarias da Capital, assim publi- 
cas como particulares, e diligenciámos quanto em nós 
coube por obter informações exactas de algumas edi- 
ções mais raras, que debalde ahi procurávamos. 

A primorosa urbanidade com que nos foram fran- 
queados os differentes depósitos litterarios a que recor- 
remos, e o valioso auxilio que nos prestaram aquellas 
pessoas que nos transmittiram os esclarecimentos de 
que carecíamos, muito contribuíram para que levásse- 
mos a cabo um trabalho que muitos haverão por pe- 
queno, e nós achámos superior ás nossas forças. Seria- 
nios taxados de ingratos se deixássemos de tributar 
ii'este logar os mais sinceros agradecimentos a quem 
de justiça são devidos. 

O methodo que seguimos na distribuição das maté- 
rias pareceu-nos o mais acommodado á natureza e íins 
do nosso Catalogo. O animo zeloso que nos moveu a 
sahir com elle a publico nos grangeará a sua benigna 
e favorável indulgência, e confiámos que nos serão re- 
levadas as faltas e imperfeições que nao pudemos ou 
Jião soubemos evitar. 



Lisboa, 24 de Dezembro de 1844 



h^^j:í4:N 



Bafah^l;^i■- -T^^-irtTti-mWí-ííTt-ii 



PARTE PRIMEIRA. 



íiiny«iff« 



PARTE PRIMEIRA 



TITULO 1." 



memorias e escriptos relativos em geral a historia 
d'estes reinos. 



F.. 



1 . Ar. António Brandão, monge de Cister, e chronista- 
mórdo Reino, natural de Alcobaça. Escreveu : Terceira Parte 
da Monarchia Lusitana^ que contém a Historia de Portugal 
desdo Conde D. Henrique até todo o reinado d^Elrei H. Affonm 
Henriques. Dedicada ao catholico rei JD. Filippe terceiro de 
Portugal, e quarto de Castella. Impressa em Lisboa, no Mos- 
teiro de S. Bernardo, por Pedro Craesbeeck. 1632. foi. Sa- 
hiu de novo : Lisboa, na Impressão Craesbeeckiana. 1690. 
foi. edição de que não fez memoria Diogo Barbosa Macha- 
do na sua Bibliotheca Lusitana^ e ultimamente : ibi, na Ty- 
pographia da Academia Real das Sciencias. 1806. dois to- 
jmos. 8. 

Quarta Parte da Monarchia Lusitana, que contêm a His- 
toria de Portugal desdo tempo d'' Mirei H. Sancho I. até to- 
do o reinado d''Elrei D. Affonso III. Dedicada ao catholico 
rei D. Filippe terceiro de Portugal, e quarto de Castella. Im- 
pressa em Lisboa, no Mosteiro de S. Bernardo, por Pedro 
Craesbeeck. 1632. foi. Sahiu pela segunda vez, addicionada 
por José Pereira Bayão : Lisboa Oriental, na Officina Ferrei- 
riana. 1725. foi. 

2. António Caetano do Amaral, sócio da Academia 
Real das Sciencias de Lisboa, d'onde era natural. E. Memorias 
para a Historia da Legislação e Costumes de Portugal. Me- 
moria I. Estado da Lusitânia até ao tempo em. que foi re- 
duzida a Provinda Ilom,ana» Sahiu no tom. 1. das Memorias 
de Litteratura Portugueza, publicadas pela Academia Real 
das Sciencias. Lisboa, na Officina da Academia. 1792. 4. e 
no tom, 1, das de foL 



25 BIBLIOGKAPHIA HISTÓRICA 

Meaioria. II. Estado civil da Lusitânia no tempo em que 
esteve sugeita aos Romanos. Sahiu no tom. 2. das Memorias de 
JLitteratura. Lisboa, na Officina da Academia Real das Scien- 
cias. 1792. 4. 

Memoria IíI. Estado civil da Lusitânia desde a entrada 
dos povos do norte até a dos Árabes. Acha-se impressa no tom. 
6. das ditas Memorias. Lisboa, na mesma Ofíicina. 1796. 4. 

Memoria IV. Estado do terreno que hoje occupa Portu- 
gal desde a invasão dos Árabes até a fundação da Monarchia 
JPortugueza. Sahiu no tom. 7. Lisboa, na Officina da Aca- 
demia. 1806. 4. 

Memoria V. Primeira epocha da Monarchia Portugueza : 
desde o Conde D. Henrique até o fim do reinado d^Elrei D. 
Fernando. Sahiu impressa no tom. 6. part. 2. das Memo- 
rias da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typogra- 
phia da Academia. 1820. foi. e continuada no tom. 7. ibi, 
na Officina da Academia. 1821. foi. 

3. D. António Caetano de Sousa, clérigo regular, eaca- 
demico da Academia Real da Historia Portugueza, natural 
de Lisboa. E. Historia Genealógica da Casa Real Portugue- 
za, desde a sua origem até o presente, com as Familias Illus- 
tres que procedem dos Reis, e dos Sereníssimos Duques de Bra- 
gança. Tom. 1. 2. 3. e 4. Lisboa Occidental, na Officina 
de José António da Silva. 1735. 1736. 1737 e 1738. 4. gran-' 
de. Tom. 5. e 6. Ibi, na Officina Silviana. 1738 e 1739. 4. 
Tom. 7. 8. 9. 10. c 11. Lisboa, na dita Officina. 1740. 1741. 
1742. 1743 e 1745. 4. Tom. 12. Part. 1. c 2. Ibi, na dita 
Officina. 1747 e 1748. 4. grande. 

Provas da Historia Genealógica da Casa Real Portugue-^ 
za, tiradas dos Instrumentos dos Archivos da Torre do Tom- 
bo, da Sereníssima Casa de Bragança, de diversas Cathedraes, 
Mosteiros, e outros particulares d"* este Reino. Tom. I. Lis- 
boa Occidental, na Officina Silviana. 1739. 4. grande. Tom» 
2. 3. 4. 5. e 6. Lisboa, na dita Officina. 1742. 1744. 1745. 
1746 e 1748. 4. grande. 

Memorias Históricas e Genealógicas dos Grandes de Portti- 
gal, que contém a origem e antiguidade de suas familias, Sçc* 
Lisboa Occidental, na Officina de António Isidoro da Fonse- 
ca. 1739. 8. grande. Lisboa, na mesma Officina. 1742. 8. 
grande. Ibi, na Officina Silviana. 1755. 4. Esta edição é a 
terceira, posto que n'ella se declare ser a segunda. 

Serie dos Reis de Portugal, reduzida a Taboas Genealógi- 
cas, com uma breve Noticia Histórica. Offerecida aElrei H. 
João V . Lisboa, na Officina Silviana. 1743. foi. 

4. António Feliciano pe Castilho, bacharel formado 



IPORYUGUEZA. ó 

em Direito, sócio de varias academias. E. Quadros Históri- 
cos de Portugal. Lisboa, iia Tjpographia da Sociedade Propa- 
gadora dos Conhecimentos Úteis. 1838. foi. max. com es- 
tampas Ivthographadas. Sahiram os primeiros oito Q-uadros : 
o ultimo é obra do Sr. Alexandre Herculano de Carvalho. 

6. António Joaôuim de Gouvea Pinto, sócio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria Estatísti- 
co'- Histórico- 3Iilit ar ^ em que resum^idamcnte se dá noticia da 
força militar terrestre que nos primeiros tempos da Monar- 
chia Portugueza se chamava Hoste, e depois se veio a chamar 
Exercito, para o fim de se conhecer debaixo de um golpe de 
vista o m,odo por que n"* aquclles primeiros tempos se fazia a 
guerra, a gente que a ella ia, a despeza que com, esta ordina- 
riamente se fazia e faz, e as reformas que se fizeram no mes- 
mo Exercito em differ entes epochas da Monarchia, Sçc, Lis- 
boa, na Tjpographia da Academia. 1832. 4. 

6. António de Moraes Silva, juiz de fora na Bahia, 
natural do Rio de Janeiro, traduziu e annotou : Historia de 
Portugal, composta em Inglez por uma Sociedade de Littera- 
tos, com as addÍ£Ões da versão franceza. Lisboa, na Officina 
da Academia Real das Sciencias. l'7iiS. três tomos. 8. Ibi, 
na dita Officina. 1802. quatro tomos. 8. Ibi, na Impressão 
Regia — a mesma edição com differente rosto — 1819 e 1828. 
quatro tomos. 8. O que n'esta Historia diz respeito ao rei- 
nado da Senhora D. Maria I. foi expressamente composto 
pelo P. José Agostinho de Macedo. 

7. P. António Pereira de Figueiredo, da Congrega- 
ção do Oratório, sócio da Academia Eleal das Sciencias de 
Lisboa, natural de Mação. E. Elogios dos Reis de Portugal, 
em latim e em poriuguez, illustrados de notas históricas e 
criticas. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1785. 4. 

Dissertações sobre a Historia antiga de Portugal. Sahiram 
impressas no tom. 9. das Mem^orias da Academia Real das 
Sciencias. Lisboa, na Officina da Academia. 1825. foi. 

8. António Ribeiro dos Santos, sócio da Academia 
Real das Sciencias de Lisboa, natural de Massarelos, extra- 
muros da Cidade do Porto. E. Memoria sobre a novidade da 
Navegação Portugueza no Século XV. Sahiu no tom. 8. 
part. 2. das Memorias de Litter atura. Lisboa, na Officina da 
Academia. 1814. 4. 

9. António Vicente de Carvalho e Sousa, traduziu 
do francez : Resumo da Historia de Portugal desde o princi- 
pio da Monarchia, por Affonso Rabbe, com uma introducção 
por Chaielain. Lisboa, na Tjpographia Rollandiana. 1836. 8* 



4 BIBLIOGRAPHU HISTÓRICA 

10. António de Villasboas e Sampaio, desembarga- 
dor da Relação do Porto, natural de Barcellos. E. Nobiliar- 
chia Portugueza, Tractado da Nobreza Hereditária c Politi- 
ca. OJferecida ao Excellentissimo Senhor B. João da Silva, 
Marquez de Gouvea, Conde de Portalegre, do Conselho de 
Estado, Sfc. Lisboa, na Officina de Francisco Villela — duas 
edições do mesmo anno e da mesma Officina — 1676. 4. Ibi, 
na de Filippe de Sousa Villela. 1708 e 1728. 4. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina Ferreiriana. 1727. 4. Lisboa, á custa 
de Manuel António Monteiro de Campos. 1754. 4. Esta ul- 
tima edição apparece com differente rosto e nova dedicató- 
ria em alguns exemplares que examinámos, um dos quaes 
ate se diz impresso em Amsterdam. O Abbade de Sever, 
Diogo Barbosa Machado, só fez memoria de três edições d'es- 
ta obra, quando já em seu tempo existiam as seis que dei- 
xamos apontadas. 

11. Balthezar de Chermont. E. Summario Chrono- 
logíco da Historia de Portugal, com os successos notáveis des- 
de o Conde D. Henrique de Borgonha até o reinado da Au- 
gustissima Rainha D. Maria I. as guerras, as batalhas, os 
sitios, leis, costumes e usos. Devidido em epochas. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1805. 4. 

12. Fr. Bernardino da Silva, religioso professo no 
Mosteiro de Alcobaça, natural de Lisboa. E. Defensão da 
Monarchia Lusitana. Pari. 1. OJferecida ao Duque D. Theo- 
dosio de Bragança, segundo do nome. Coimbra, na Officina 
de Nicolau Carvalho. 1620. 4. Part. 2. Offerecida a D. Ma- 
nuel de Moura, Marquez de Castello Rodrigo. Lisboa, por 
Pedro Craesbeeck. 1627. 4. 

13. Fr. Bernardo de Brito, chronista-mdr do Rei- 
no, natural de Almeida, chamado no século Balthesar de 
Brito de Andrade. E. Monarchia Lvsytana Composta por 
Frey Bernardo de Brito, Chronista geral, Sf Religioso da 
ordem de .s. Bernardo, proffesso no Real mosteiro de Alco- 
baça. Parte Primeira. Que contem as fiistorias de Portugal 
desde a criação do mundo te o nacimento de nosso snor Jesv 
Christo. Dirigida ao Catholico Rei Dõ Philippe II. do nome 
Rei de Espanha Emperador do Novo Mvndo Impressa no 
Insigne mosteiro de Alcobaça por mandado do R.^^^ Padre 
Geral Frey Francisco de .s. clara com licença Sf priuilegio 
Real Anno de 1597. Este titulo é aberto em chapa de metal-, 
a subscripção diz o seguinte : Estes qvatro Livros da Monar- 
chia Lusytana, forão impressos no Real Mosteiro de Alcoba- 
ça, por mãdado do Reuerendissimo Padre Frey Francisco de 
Saneia Clara, Dom Abbade do próprio Conuento, Geral Re- 



fiSàtt^ 



PORTUGUEZA. O 

formador da Ordem do g/orioso São Bernardo, per Alexan- 
dre de Sigveira, ^' António Aluarez impressores de liuros, «^ 
acabados aos dez de Janeiro, do Anno de 1597. foi. (Biblio- 
theca Nacional de Lisboa, a Real da Ajuda, e a Livraria do 
Archivo Nacional da Torre do Torabo). Sahiu pela segunda 
vez: Lisboa, na Impressão Craesbeeckiana. 1690. foi. e ul- 
timamente: ibi, na Typographia da Academia Real das 
Seiencias. 1806. quatro tomos. 8. 

Segunda Parte da Monarchia Lusitana, em que se conti- 
nuam as Historias de Portugal, desde o nascimento de Nosso 
Salvador Jesu Christo até ser dado em dote ao Conde D. 
Henrique. Dirigida ao catholico rei D. Filippe, segundo do 
nome em Portugal, e terceiro em Castella. Impressa em Lis- 
boa, no Mosteiro de São Bernardo, por Pedro Craesbeeck. 
1609. foi. Sahiu de novo: Lisboa, na Impressão Craes- 
beeckiana. 1690. foi. e ultimamente incompleta : ibi, naTy- 
pographia da Academia Real das Seiencias. 1808 e 1809. 
dois tomos. 8. 

Elogios dos Reis de Portugal, com os mais verdadeiros re- 
tratos que se puderam achar. Dirigidos ao catholico rei D, 
Filippe terceiro do nome. Impresso em Lisboa, por Pedro 
Craesbeeck. 1603. 4. Sahiram addicionados por D. José Bar- 
bosa: Lisboa Oriental, na Officina Ferreiriana. 1726. 4. 
Lisboa, na Officina de Manuel António Monteiro. 1761, 8. 
Ibi, na Typographia RoUandiana. 1786. 8. e 1825. 12. 

14. ChristovIo Rodrigues Acenheiro, bacharel for- 
mado em Direito, natural d'Evora. E. Chronicas dos Senho- 
res JReis de Portugal. Sahiram no tom. 5. da Collecção de 
Juivros Inéditos de Historia Portugueza, publicados pelaAca. 
demia Real das Seiencias. Lisboa, na Officina da Academia. 
1824. foi. 

15. Fr. Cláudio da Conceição, religioso da Provincia 
da Arrábida, e chronista-mdr do Reino, natural de Bem- 
fica. E. Gabinete Histórico. Lisboa, na Impressão Regia. 
1818 a 1831. dezesete tomos. 8. Contém a historia e suc- 
cessos de Portugal até o anno 1775. 

16. Damião Antonix) de Lemos Faria e Castro, fa- 
miliar do Santo Officio, natural de Villa Nova de Portimão. 
E. Catálogos Chronologicos das Dignidades Ecclesiasticas e 
Seculares do Reino de Portugal. Veja-se o tom. 4. da sua 
Politica Moral e Civil. Aula da Nobreza Lusitana. Lisboa, 
na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1751. 4. de pag. 411 
a 551. 

Historia antiga e moderna de Portugal. Veja-se o tom. 6. 
da dita obra, Lisboa, na mesma Officina, 1754, 4. 



b BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

Historia Geral de Portugal e suas Conquistas. Lisboa, na 
Typographia Rollandiana. nSô a 1804. vinte tomos. 8. 
e pela segunda vez: Tom. 1. e 2. Ibi, na mesma Typogra- 
phia. 1830. 8. Tom. 3. 4. c 5. Ibi, na mesma Typographia. 
1831. 8. 

17. Diogo Koí>ke, lente da Academia Polytechnica do 
Porto, d'onde era natural. E. Quadro Geral da Historia 
Portugueza^ segundo as epochas de suas revoluções nacionaes» 
Porto, na Typographia Commercial. 1840. E impresso em 
uma grande folha ao largo, sem o nome do auctor. 

18 Diogo de Mello Pereira, prior da Igreja Matriz 
da Villa de Tentúgal. E. Casa Real de Portugal, e alguns 
dos seus liamos, foi. A impressão d'esta obra ficou suspensa 
por ordem dos Filippes de Castella. O exemplar que d'ella 
vimos na Bibliotheca Nacional de Lisboa consta apenas de 
80 folhas. 

19. Diogo de Paiva de Andrade, sobrinho do celebre 
theologo do mesmo nome, natural de Lisboa. E. Exame de 
Antiguidades. Part. 1. Repartida em doze Tractados, onde 
se apuram historias, opiniões, e curiosidades pertencentes ao 
Reino de Portugal, e a outras partes, desde a Creação do 
Mundo até o anno 3403. Dirigida ao Príncipe D, Filippe, 
Lisboa, na Officina de Jorge Rodrigues. 1616. 4. 

20. D. Diogo da Piedade, cónego regrante, e professor de 
lingua franceza na Universidade de Coimbra. JE. Dialogo 
sobre a Historia de Portugal, em, portuguez e francez, para 
uso de todos aquelles que querem apprender uma das duas lín- 
guas por meio da outra. Coimbra, na Imprensa da Universi- 
dade. 1830. 3. grande. 

21. DoARTE Nunes do LeIo, natural d'Evora. E. Pri- 
m,€Íra Parte das Chronicas dos Reis de Portvgal, reforma- 
das pelo Licenciado Dvarte Nvnez do Lião, Desembargador 
da casa da Supplicação, per mandado dei Rei Dom. Philippe 
o primeiro de Portugal, da gloriosa memoria. Com licença 
da sancta Inquisição, 6ç priuilegio Real. Em Lisboa. Im- 
presso por Pedro CrasbeecJe, Anno M.DC. foi. Sahiu reim- 
pressa : Lisboa, na Officina de Francisco Villela. 1677. foi. 
et ibi, por Manuel Coelho Amado. 1774. dois tomos. 4. 

Chronicas d''Elrei D. João, de gloriosa memoria, o primei- 
ro d"* este nome, e dos Reis de Portugal o decimo ; e as dos 
Reis D. Duarte e D. Affonso V. Tiradas á luz por ordem 
do Illustrissimo e Reverendíssimo Senhor D, Rodrigo da Cu- 
nha, Arcebispo de Lisboa; e Autos do levantamento e jura- 
mentos d'*Elrei D. João IV. e do Sereníssimo Príncipe D, 
Theodosio, e Proposição das Cortes, Lisboa, por António Al- 



POnTCGDEZA. 



vares. 1643, e iiao 164;!, como so acha impresso na Bihlio- 
theca Lusitana, foi. sem o nome do auctor. Ibi, na Officina 
de José de Aquino Bulhões. 1780. dois tomos. 4. 

22. Emílio Achilles Monteverde. E. Resumo da His- 
toria de Portugal^ para uso das crianças que frequentam as 
Aulas, Lisboa, na Imprensa Nacional. 1837 el839. 8. e no 
Manual Encyclopedico do mesmo auctor. 

23. FiLippE Neri da Silva Coutinho. E. Carta Chro- 
nographiea da vida e reinado dos Aiigustos Reis de Portugal^ 
c advertências sobre a mesma Carta. É aberta em chapa de me- 
tal, e estampada em folha de grande formato. Lisboa. 1804. 
As advertências constam de um folheto de 12 paginas. 8. 

24. FilippeNeriXavier. E. Catalogo dos Reis de Por- 
tugal, C07n uma breve nogão dós factos memoráveis aconteci- 
dos no reinado de cada um. Veja-se a Folhinha Ecclesiastic a 
e Histórica para a Metropoli de Goa. Aano 1841. Part. 2. 
Pangim, na Typographia Nacional. 8. de pag. 51 a 94. 

25. Francisco de Borja Garção. Stockler, depois 
Barão daVilla da Praia, sócio da Academia Real das Scieii- 
cias de Lisboa. E. Memoria sobre a originalidade dos Des- 
cobrimentos Maritimos dos Portuguezes no Século XJ^. Sahiu 
no tom. 1. das suas Obras. Lisboa, na Tvpographia da Aca- 
demia 1805. 8. 

26. Fr. Francisco Brandão, monge de Cister, e chro- 
nista-mdr do Reino, natural de Alcobaça. E. Quinta Pat^te da 
Monarchia Lusitana, que contém^ a Historia dos primeiros 
vinte e três annos d'*Elrei D. Diniz. Offerecida^á Real Ma- 
jestade d"* Mirei D. João iF. Lisboa, na Ofíicina de Paulo 
Craesbeeck. 1650. foi, et ibi, na Officina de Domingos Ro- 
drigues. 1752. foi. 

Sexta Parte da Monarchia Lusitana, que contém a Historia 
dos últimos vinte e três annos d''Elrei D. Diniz. Offerecida 
ao Serenissimo Principe D. Pedro, Regente e Governador 
d'' estes Reinos. Lisboa, na Officina de João da Costa. 1672. 
foi. et ibi, na Officina de Domingos Rodrigues. 1751. foi. 
Da segunda edição da Q;uinta e Sexta Parte da Monarchia 
Lusitana se esqueceu Diogo Barbosa Machado. 

27. Francisco José Freire, da Congregação do Ora- 
tório, natural de Lisboa. E. Methodo breve e fácil para es- 
tudar a Historia Portugueza, formado em umas Taboas Chro- 
nologicas dos Reis, Rainhas, e Principes de Portugal, filhos 
illegitimos. Duques e Duquezas de Bragança, e seus filhos. 
Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1748. 4. 

28. Francisco José da Serra Craesbeeck de Car- 
valho, desembargador do paço, natural de Lisboa. E. Ca- 



s 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



taloyo Historioo e Chronolo^ico dos Regedores da Casa da 
Supplicagão^ depois do seu estabelecimento e fundagão. Veja- 
se o tom. 2. pag. 289 e seguintes do Repertório das Orde- 
nações e Leis do Reino. Lisboa, no Mosteiro de S. Vicente 
de Fora. 1754. foi. 

29. Francisco Leitão Ferreira, presbítero secular, 
natural de Lisboa. E. Noticias Chronologicas da Universi- 
dade de Coimbra. Part. 1. que comprehende os annos que 
discorrem desde o de Í288 até princípios do de 1537., Sahi- 
ram no tom. 9. da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. 
Real daHisl.Porí. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1729. foi. e fora da CoUecção em volumes 
separados. 

30. D. Francisco jde S.Luiz, patriarcha de Lisboa, na- 
tural de Ponte do Lima. E. Nota em. que se refuta o erro 
dos escriptores que dizem que os Portuguezes são propensos a 
ajuisar, ou suspeitar mal das suas Rainhas Viuvas^ princi- 
palmente sendo estrangeiras, ou castelhanas. Sahiu no tom. 
2. pag. 183 e seguintes da Revista JLitieraria. Porto, na 
Typographia Commercial. 1838. 8. 

3Iemoria em que se tracta da origem do nome de Portu- 
gal, e dos seus limites em diferentes epochas : quando se se- 
parou Portugal da Galliza Romana : quando se chamou Rei- 
no, € quando os seus primeiros Reis tomaram este titulo. 
Acha-se impressa no tora. 12. part. 2. das Memorias da Aca- 
demia Real das Sciencias. Lisboa, na Typographia daAca* 
demia. 1839. foi. 

Relação Chronologica Summaria das Navegações, Desco- 
brimentos, e Conquistas dos Portuguezes. Lisboa, na Imprensa 
Nacional. 1840. 24. e no tom. 6. pag. 6 e seguintes do Re- 
creio, Jornal das Familias, e na terceira edição do Manual 
Encyclopedico. pag. 601 e seguintes. 

índice Chronologico das Navegações, Viagens, Descobri- 
mentos, e Conquistas dos Portuguezes nos Paizes Ultrama- 
rinos, desde o principio do Século XV» Lisboa, na Imprensa 
Nacional. 1841. 8. 

31. D. Francisco Manuel de Mello, natural de Lis- 
boa. E. Epanaphoras de varia Historia Portugueza, em 
cinco Relações de successos pertencentes a este Reino. Lisboa, 
na Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1660». 4. et 
ibi, a despezas de António Craesbeeck de Mello. 1676. 4. 

32. Francisco Manuel Trigoso de Aragão Morato, 
sócio da Academia Real das Sciencias de Lisboa, d'onde 
era natural. E. Memoria sobre os Escrivães da Puridade dos 
Reis de Portugal, e do que a este Officio pertence, Sabiu no 



POUTUGUEZA. ^ 

tom. 12. part. 1. das Memorias da Academia Real das Scien- 
cias. Lisboa, na Typographia da Academia. 1837. foi. 

Memoria sobre os Chancelleres-móres dos Reis de Portugal y 
considerados como Primeiros Ministros do Despacho e Expe- 
diente dos nossos Soberanos. Sahiu no tom. 12. part. 2. das 
ditas Memorias. Ibi, na Typographia da Academia. 1839. 
foi. 

33. P. Francisco de Santa Maria, chronista da Con- 
gregação de S. João Evangelista, natural de Lisboa. E. Anno 
Histórico. Diário Portuguez. Noticia abbreviada de pessoas 
grandes, e cousas notáveis de Portugal. Tom, 1. Lisboa, na 
Officina de José Lopes Ferreira. 1714. foi. e pela segunda 
vez com o Tom. 2. e 3. ibi, na Officina de Domingos Gon- 
çalves. 1744. foi. Veja-se também: Anno Histórico, Diário 
Portuguez defendido e vindicado em 1746, em um Prologo 
Anti-Critico. Esta obra, composta pelo editor da primeira, o 
P. Lourenço Justiniano da Annunciação, foi clandestina- 
mente impressa em S. Bento de Xabregas, foi. 

34. Fr. Francisco do Santíssimo Sacramento, car- 
melita descalço, natural de Lisboa, chamado no século Fran- 
cisco Teixeira. E. Epitome Único da Dignidade de grande 
e maior Ministro da Puridade, e de sua muita antiguidade 
e excellencia. Dado á luz por mandado da Excellentissima 
Senhora D. Marianna de Alencastre Camará e Fasconcellos, 
Marqueza de Castello Melhor. Lisboa, na Officina de João 
da Costa. 1666. 4. 

35. D. Francisco Xavier de Menezes, quarto Conde 
da Ericeira. E. Memoria acerca do valor da Moeda de Por-- 
tugal. Sahiu impressa no tom. 4. da Hist. Geneal. da Casa 
Real Port. Lisboa Occidental, na Officina de José António 
da Silva. 1738. 4. grande, de pag. 419 a 447. íSCf" No cap. 
4. do dito tomo vem dispostos por ordem alphabetica os auc- 
tores que tractaram das moedas antigas e modernas deste 
Reino. Ahi colligiu o P. D. António Caetano de Sousa o 
que em suas obras achou impresso. No cap. 5. dá noticia de 
varias memorias manuscriptas sobre o assumpto. O cap. 6. 
contém distribuídas por ordem chronologica as leis relativas 
á moeda portugueza, e no cap. 7. se designara os valores do 
marco de oiro e prata em diflferentes epochas da Monar- 
chia. 

36. Hypolito José da Costa Pereira, natural da 
Colónia do Sacramento, deu á luz : Historia de Portugal, 
composta em Inglez por uma Sociedade de JLiiteratos, tras- 
ladada em vulgar com as notas da edição franceza, e^o tra- 
dxictor portuguez António de Moraes Silva, e coiUinilada até 



m 



bíbliogkaphia histórica 



os nossos tempos em nova edição. Londres, na Ofíiciíia de 
F. Wingrave, &c. 1809. três tom. 12. 

37. Ignacio Barbosa Machado, académico da Acade- 
mia Real da Historia Portugiieza, e chronista geral do Ul- 
tramar, natural de Lisboa. E. Fastos Políticos e Militares 
da antiga e nova Lusitânia^ em que se descrevem as acções 
memoráveis que na paz e na guerra obraram os Portuguezes 
nas_quatro partes do mundo. Tom. 1. Lisboa, na Officina 
de Ignacio Rodrigues. 1745. foi. No exemplar que hoje existe 
na Livraria do Archivo Nacional da Torre de Tombo estão 
reunidas as 280 paginas que do tom. 2. desta obra chegaram 
a impnmir-se. D'elle vimos também outro exemplar na se- 
J^cta Livraria do Sr. Conselheiro Joaquim José da Costa á& 
Macedo. Corre impresso do mesmo auctor : Vindicias Apolo- 
géticas e Criticas contra o Prologo Anti-Critico que escreveu 
o P. Doutor Lourenço Justiniano da Annunciagão, cónego 
secular do Evangelista, impugnando a Dissertação e Appen- 
dix dos Fastos Politicos e Militares da Lusitânia. Mostram- 
seos erros palmares em que cahiu o P. Francisco de Santa 
Mana no seu Anno Histórico. Pariz, na Officina de Fran- 
cisco Ambrósio Didot. 1760. foi. max. 

38. Ignacio da Costa GIdintella, vice-almirante da 
Armada Nacional, sócio da Academia Real das Sciencias de 
Lisboa. E. Annaes da Marinha Portugueza. Tom. 1. Lis-. 
boa, na Typographia da Academia. 1839. 4. Tom. 2. Ibi, 
na mesma Typographia. 1840. 4. 

39. Ignacio José de Macedo, pregador régio. E. Con- 
siderações sobre as causas da elevação e decadência da Mo- 
narchia Portugueza, desde Affonso L até D. Maria II. Lis- 
boa, na Imprensa da rua dos Fanqueiros. 1834. 4. 

40. Jacome Ratton. E. Recordações sobre occorrencias 
do seu tempo em Portugal, durante o lapso de sessenta e ires 



Lond] 



annos e meio — Maio de 1747 a Setembro de 18 W 
impresso por H. Bryer. 1813. 8. 

41 . João Pedro Ribeiro, lente de Diplomática na Uni- 
versidade de Coimbra, e sócio da Academia Real das Scien- 
cias de Lisboa. E. Memorias sobre as fontes do Código Fi- 
lippino.Part. 1. Secg. 1. — Cortes. Veja-se o tom. 2. das 
Memorias de Litteratura Portugueza. Lisboa, na Officina 
da Academia. 1792. 4. 

Dissertações Chronologicas e Criticas sobre a Historia e 
Jurisprudência Ecclesiastica e Civil de Portugal. Tom. 1. e 
2. Lisboa, na Typographia da Academia Real das Sciencias. 
1810 e 1811. 4. Tom. 3. Part. 1 - " ^' ' - '-' "^ 
í^raphia. 1813. 4. Tom. 4. Part. í 



e 2. Ibi, na dita Typo 
► e 2. Ibi, na mesma Tv- 



POltTUGUEZA. 



n 



pographia. 1819 e 1029. 4. Tom. 5. Ibi, na dita Typogra- 
pliia. 1836. 4. 

Dissertação Histórica, Jurídica, e Económica sobre a re- 
forma dos Foraes no reinado do Senhor D, Manuel. Part. 1. 
Lisboa, na Impressão Regia. 18í2. 4. 

Additainento$ e correcções á Primeira Parte da Disser- 
tação sobre a reforma dos Foraes. Constam de 28 pagi- 
nas. 4. 

Memoria sobre a subdivisão das Correições no reinado do 
Senhor D. João III. e Cadastro das Provindas a que se 
procedeu no mesmo reinado. Veja-se o num. 25. pag. 3 e 
seguintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1814. 4. e a Nota a esta Memoria, a pag. 63 do dito 
num. 

Memorias para a Historia das Inquirições dos primeiros 
reinados de Portugal. Lisboa, na Impressão Regia. 1815, 4. 

Additamentos e retoques ás ditas Memorias. Constam de 
24 paginas. 4. 

Memoria para a Historia das Confirmações Regig,is rt^este 
Reino, com. as respectivas Provas. Lisboa, na ImprsesisãQ R«- 
gia. 1816. 4. 

Memorias para a Historia do Real Arehivo, Lisboa, na 
dita Impressão. 1819. 4. 

Additamentos ás Memorias sobre o Real Arehivo. Constam 
de 7 paginas, sem nota do anno, nem do logar da impres- 
são. 4. ^ 

Reflexões Históricas. Part. 1. e 2. Coimbra, na Imprensa 
da Universidade. 1835 e 1836. 8. 

42. Fr. Joio DE Sousa, religioso da Congregação da 
Terceira Ordem, sócio da Academia Real das Sciencias de 
Lisboa, e interprete régio da lingua arábica, natural de Da- 
masco, publicou: Documentos Arábicos para a Historia Por- 
tugueza, copiados dos originaes da Porre do Pombo, e verti- 
dos em portuguez. Lisboa, na Ofíicina da Academia. 1790.4. 

43. Fti. JoAauiM DE Satíto Agostinho, sócio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa, natural de Tavira. E. 
Memoria sobre as Moedas do Reino e Conquistas. Sahiu no 
tom. 1 . das Memorias de Litter atura Portugueza, Lisboa, 
na Officina da Academia. 1792. 4. 

44. D. JoAauiM DE Azevedo, abbade reservatario de 
Sedavim. E. Epitome da Historia Portugueza. Lisboa, na 
Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1789. 8. e subsequen- 
temente : ibi, sem nota do anno da impressão. 8. 

45. JoAauiM José dA Costa de Macedo, secretario 
perpetuo da Academia Real das Sciencias de Lisboa. E. Me- 



12 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



mortas para a Historia das Navegações e Descobrimentos dos 
Portuguezes. Part. 1. Sahiu impressa no tom. 6. part. 1. 
á&s Memorias da Academia, Lisboa, na Typographia da Aca- 
demia Real das Sciencias. 1819. foi. 

Additamentos ás ditas Memorias. Sahiram no tom. U. part. 
2. Lisboa, na Typographia da Academia. 1835. foi. 

46. JoAauiM JosE Pedro Lqpes. E. Memoria sobre a 
origem^ forma e authoridade das Cartes de Portugal. Lisboa, 
na Impressão Regia. 1824. 4. Tem 16 paginas. (*) , 

47. JoAauiM JosÊ Rodrigues de Brito, lente da Fa- 
culdade de Leis na Universidade de Coimbra. E. Memoria 
sobre o valor das Moedas. E a quinta das &uãs Memorias Po- 
liticas sobre as verdadeiras bases da grandeza das Nações, e 
principalmente de Portugal. Lisboa, na Impressão Regia. 
1803. dois tomos. 4. 

48. Jorge Cesar de Figaniere, natural do Rio de Ja- 
neiro, além d'esta Bibliograpbia Histórica Portugueza, es- 
creveu : Epitome Chronologico da Historia dos Reis de Por- 
tugal, Lisboa, na Typographia da Sociedade Propagadora dos 
Conhecimentos Úteis. 1838. 8. grande. (*) D'esta pequena' 
obra, adaptada ao uso das escholas, brevemente sahirá á luz 
segunda edição, accrescentada e expurgada dos erros da pri- 
meira. 

49. D. JosE DE AlarcIo VELAsaiJEs Sarmento, na- 
tural de Penella. E. Collecção de Genealogias Reaes, em que 
Elrei D, João I. decimo Rei de Portugal, se vê por cento 
e uma linhas genealógicas ascendente d''Elrei Fidelissimo D, 
José I. vigésimo quinto Rei de Portugal. Lisboa, na Officina 
de Miguel. Manescal da Costa. 1754. foi. max. 

50. JosE Anastácio de Figueiredo, sócio da Acade- 
mia Real das Sciencias de Lisboa. E. Mem^oria sobre a ori- 
gem dos nossos Juizes de FSra. Sahiu no tom. í. das ikfemo- 
rias de Litter atura Portugueza. Lisboa, na Officina da Aca- 
demia, 1792. 4. 

51. JosE António de Sá, sócio da Academia Real das 
Sciencias de Lisboa. E. Memoria sobre a origem e jurisdic- 
ção dos Corregedores das Comarcas. Sahiu no tom. 7. das 
Memorias de Lit ter atura. Lisboa, na Officina da Academia, 
1806. 4. 

52. D. JosE Barbosa, clérigo regular, académico da 
Academia Real da Historia Portugueza, e chronista da Se- 
reníssima Casa de Bragança, natural de Lisboa. E. Cata- 
logo Chrotiologico, Histórico, Genealógico, e Critico das Rai- 
nhas de Portugal, e seus filhos. Lisboa Occidental, na Offi- 
cina de José António da Silva. 1727. 4. grande. 



POKTUGUEZA. 



13 



63. 



José Lourenço Domingues de Mendonça, tradu- 



ziu do francez : Historia de Portugal, desde o começo da Mo- 
narchia em 1095 até a epocha actual, e&cripta em alemão 
pelo Doutor Henrique Schoeffer, 'professor de Historia na 
Universidade de Gieszen, traduzida para o francez por M» 
JSodin, e vertida d'' este idioma para o poriuguez. Tom. 1. 

2. e 3. Lisboa, na T^'pographia de José Baptista Morando. 
1042. ». Continua. 

54. JosE Maria de Sousa Monteiro. E. Historia de 
Portugal desde o reinado da Senhora D. Maria I. até a 
Convenção de Évora Monte, com um resumo histórico dos 
acontecimentos mais notáveis que tem tido logar desde então 
até nossos dias. Lisboa, na Typographia de António José da 
Rocha. 1838. cinco tomos. 12. 

55. D. José Miguel Joio de Portugal, nono Conde 
de Vimioso, e terceiro Marquez de Valença, E. Elogios das 
Rainhas, mulheres dos cinco Reis de Portugal do nome de 
João. Lisboa, na Officina de Manuel Coelho Amado. 1747. 
12. Constam de 74 paginas. (©) 

Elogios das Princezas Portuguezas descendentes do primeiro 
Duque de Bragança, que tiveram^ soberania. Lisboa, na Offi- 
cina de Francisco Luiz Ameno. 1748. 12. Constam de 109 
paginas. (@) 

56. D. LuizDE Meneíes, terceiro Conde da Ericeira. E. 
Historia de Portugal Restaurado. Part. 1 . Lisboa, na Ofíi- 
cina de João Galrão. 1679. foi. et ibi, na Officina de An- 
tónio Pedroso Galrão. 1710. foi. Part. 2. Ibi, na Officina 
de Miguel Desl andes. 1698. foi. Foi reimpressa: Part. 1. 
Tom, 1. e 2. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 
1751. 4. Part. 2. Tom. 3. e 4. Ibi, na Officina dos her- 
deiros de António Pedroso Galrão. 1751. 4. edição de que 
não deu noticia o Abbade de Sever., Sahiu de novo : Part. 1. 
Tom. 1. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 1751. 
(aliás 1759, como se vê das licenças, differindo esta edição 
da que acima deixamos apontada). 4. Tom. 2. Ibi, na Offi- 
cina de António Vicente da Silva. 1759. 4. Part. 2. Tom. 

3. Ibi, na Officina de José Filippe. 1759. 4. Tom. 4. Ibi, na 
Officina de Ignacio Nogueira Xisto. 1759. 4.. 

57. Manuel António Coelho da Rocha, lente cathe- 
dratico da Universidade de Coimbra. E. Ensaio sobre a 
Historia do Governo, e da Legislação de Portugal, Coimbra, 
na Imprensa da Universidade. 1841. 8. 

58. Fr. Manuel de Figueiredo, chronista dos Cister- 
cienses de Portugal e Algarves. E. Dissertação Histórica e 
Critica para apurar o Catalogo dos Chronistas-móres do Reino 



14 



BIBLÍOGRAPHU HÍSTOBICA 



€ Ultramar, Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 
17«9. 4. Consta de 19 paginas. (*) 

Satisfação aos reparos e perguntas que fez um viajante his- 
toriador portuguez, examinando os retratos dos Augustissimos 
Monarchas Portuguezes que estão collocados na Hospedaria 
do Real Mosteiro de Alcobaça. Lisboa, na dita Officina. 
1792. 4. Dezesete paginas de impressão, sem o nome do 
auctor. (*) 

59. Manuel Francisco de Barros e Sousa da Mes- 
quita DE Macedo e Carvalhosa, segundo Visconde de 
Santarém. ÍJ. Memorias para a Historia e Theoria das Cor- 
tes Geraes que em Portugal se celebraram pelos três Estados 
do Reino. Part. 1. Lisboa, na Impressão Regia. 1827. 4. e 
pela segunda vez, com os respectivos documentos : ibi, na 
dita Impressão. 1828. 4. Part. 2. com os documentos: ibi, 
na mesma Impressão. 1828. 4. 

Quadro Elementar das relações Politicas e Diplomáticas 
de Portugal com as diversas Potencias do Mundo, desde o 
principio da Monarchia Portugueza até os nossos dias. Im- 
presso por ordem do Governo Portuguez. Tom. 1. e 2. Pariz, 
em Casa de J. P. Aillaud. 1842. 8. grande. Continua. 

60. P.Manuel Monteiro, da Congregação do Oratório, 
académico da Academia Real da Historia Portugueza, natu- 
ral^ de Lisboa. E. Elogios dos Reis de Portugal do nome de 
João, traduzidos na lingua portugueza. Lisboa, na Officina 
de Francisco da Silva. 1749. foi. Tinham sido anteriormente 
publicados pelo auctor na lingua latina. 

6K Fr. Manuel da Rocha, monge cisterciense, aca- 
démico da Academia Real da Historia Portugueza, e chro- 
nista-mor do Reino, natural de Castello Branco. E. Portu- 
gal Renascido. Tractado Histórico- Critico- Chronologico, em 
que á luz da verdade se dão manifestos os successos de Por- 
tugal no Século X, Sahiu no tom. 10. da Collecç. dos Bo- 
cum. e Mem. da Academ. Real daHist.Port. Lisboa Occi- 
dental, na Officina de José António da Silva. 1730. foi. e 
fora da Collecção em volumes separados. 

62.^ Fr. Manuel dos Santos, monge de Alcobaça, e 
chronista-mor do Reino, natural de Ourentão, termo da Villa 
de Cantanhede. E. Monarchia Lusitana. Parte VIII. Con- 
tém, a Historia e successos memoráveis do Reino de Partúgal 
no tempo d^Elrei D. Fernando ; a eleição d'Elrei D. João 
I. com outras muitas noticias de Europa : comprehende do 
anno de Christo Senhor Nosso 1367, aíe o cZe 1385. Lisboa 



Occidental, na Officina da Musica. 
erradamente escreveu Barbosa, foi. 



1727, e nao 1729, como 



PORTUGUKZA. 



15 



63. Manuel Severim de Faria, chantre da Sé d'Evora, 
natural de Lisboa. E. Noticias de Portugal. Offerecidas a 
JLlrci D. João IV» Declaram-se as grandes commodidades 
que tem para crescer em gente, industria, commercio, rique- 
zas, e forças militares por mar e terra; as origens de todos 
os appellidos, e armas dasfamilias nobres do Reino ; as moe- 
das que correram n''esta Provinda do tempo dos Romanos 
até o presente ; e se referem vários elogios de Principes e Va- 
rões illustres Portuguezes. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 
1655. foi. Sahiram de novo, addicionadas por D. José Bar- 
bosa : Lisboa Occidental, na Officina de António Isidoro da 
Fonseca. 1740. foi. e pela terceira vez: Lisboa, na Officina 
de António Gomes. 1791. dois tomos. 8. 

64. Manuel de Sousa, sócio da Arcádia de Lisboa, e 
Manuel Jose da Silveira Lara, official da Bibliotheca 
Publica da Corte, verteram na lingua materna : Historia Ge- 
ral de Portugal, por M. de la Cléde, traduzida em vulgar, 
e illustrada com muitas notas históricas, geographicas, e cri- 
ticas, e com algumas dissertações singulares, Lisboa, na Ty- 
pographia RoUandiana. 1781 a 1797. dezeseis tomos. 8. sem 
os nomes dos traductores •, e pela segunda vez: Tom. 1. e 2. 
Ibi, na mesma Typographia. 1792. 8. Tom, 9. e 10. Ibi, na 
dita Typographia. 1814. 8. 

65. Matheus de Sousa Coutinho, lente cathedratico 
da Universidade de Coimbra. E. Idéas Geraes sobre a ori- 
gem da palavra Lusitânia, povos que a habitaram, sua lin- 
gua, governo, politica, religião, Sfc. Veja-se o num. 38.part. 
2. pag. 56 e seguintes, e o num. 40. part. 2. pag. 191 e 
seguintes do Jornal de Coimbra, Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1815. 4. 

Breves Noticias da Universidade de Coimbra, contendo a 
sua fundação, e as varias mudanças locaes que soffreu, com. 
um Catalogo dos Reitores que n''ella houve desde aquellafun- 
dação até o anno de 1772. Vejam-se os num. 71 a 7'7. 
part. 2. do Jornal de Coimbra, Lisboa, na Impressão Regia. 
1819. 4. 

66. Pedro de Mariz, presbytero, natural de Coimbra. 
E. Diálogos de Varia Historia Mm que sumariamente se re- 
ferem muytas cousas antiquas de Hespanha : e todas as mais 

notauees, q em Portugal acontecerão em, suas gloriosas Con- 
quistas, antes Sf depois de ser leuantado, a Dignidade Real. 
E outras muytas de outros reynos, dignas de memoria. Com 
os Retratos de todos os Reys de Portugal. Avtor Pedro de 
Mariz. Em Coimbra Na Officina de António de Mariz. Com 
Priuilegio Real, MDLXXXXUII, 8. Este titulo é aberto 



lo BlBLIOGIUPHíA HISTÓRICA 

em chapa de metal. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). Sa- 
hiii de novo com o mesmo titulo : MBJLXXXXVII. e tam- 
bém MD LXXXXVIII. 4. edição que traz no fim as seguin- 
tes palavras : Acahouse de Imprimir^ a segunda vez, esta 
JPrimeyra parte dos Diálogos de Pearia Historia ,• ê a Ribeyra 
de Sernache dos Alhos^ em os Moinhos do acipresie^ a 8. dias 
de Abril, de 1599. Na Officina de António de Mariz, Im- 
pressor da Vniuersidade . (Bibliotíieca Publica d'Evora, Li- 
vraria do Sr, Conselheiro Macedo, e a do Ex.™" D. Fran- 
cisco de Mello Manuel). Foram reimpressos, accrescentados 
até a vida do Senhor D. João IV. por José Homem de Me- 
nezes : Lisboa, na Officina de António Craesbeeck de Mello, 
1674 (no ante-rosto traz o anno de 1672). 4. e com segundo 
supplemento até a vida d'Elrei D. João V. por Francisco 
Xavier dos Serafins Pitarra, religioso da Provincia dos Al- 
garves : Lisboa, na Officina de Manuel da Silva. 1749. dois 
tomos. 4. Ibi, nas Officinas de JoséFilippe, e de Manuel Soares. 
1758. dois tomos. 4. e ultimamente, addicionados até a Re- 
gência do Senhor D. João YI. Lisboa, na Impressão Regia. 
1806. dois tomos. 4. Esta edição é a sexta, posto qu€ n'ella 
se declare ser a quinta. 

67. Pedro de Sousa de Castello Branco, general de 
batalha, natural de Lisboa. E. Chronologia de Portugal desde 
afundagão do Reino. Veja-se o tom. 1. liv. 1. cap. 6. da 
sua tradução da obra de f^allemont intitulada : Elementos 
da Historia. Lisboa Occidental, na Officina de Miguel Ro- 
drigues. 1734. 4. e pela segunda vez: Lisboa, na Officina de 
António Vicente da Silva. 1767. 4. 

Jireve Descripgão do Reino de Portugal e suas Conquistas, 
Veja-se o liv. 2. cap. 8. do dito tom. 1. 

Catalogo dos Reis de Portugal. Veja-se o tom. 5. liv. 9. 
cap. 10. da mesma traducçao : Lisboa, na Officina de Mi- 
guel Rodrigues. 1751. 4. e pela segunda vez : ibi, na Offi- 
cina de António Vicente da Silva. 1766. 4. 

68. Fr. Rapael de Jesus, monge de S. Bento, e chro- 
nista-mor do Reino, natural de Guimarães. E. Monarchia 
Zéúsitana. Parte Sétima. Contém a vida d'' Mirei D.Affonso 
IV» por excellencia o Bravo. Lisboa, na Impressão de An- 
tónio Craesbeeck de Mello. 1683. foi. 

69. TiBURCio António Craveiro. E. Compendio da 
Historia Portugueza. Rio de Janeiro, na Typographia de 
R. Ogier. 1833. 8. 

Appendice ao Compendio da Historia Portugueza. Rio de 
Janeiro, na Typographia Americana de J, P, da Costa. 
1834, 8. 



^m^ 



PORYUGUJiZA. 



17 



70. Vasco Tinto BalsemXo de Sousa Coutinho. E^ 

iMemorias sobre alyumas antigas Cortes Portuguezas, extra- 
hidas fielmente de Manuscriptos authenticos da Bibliotheca 
lleal de Pariz. Pariz, Imprimerie de GoetschyFils et Com- 
pagnie. 1832. 4. 



7 1 . Breue Summario dos Reys de Portvgal, desdo pri- 
meyro rey dom Afonso Anrriquez atee el rey dom Joam ho 
ierceyro nosso senhor que hora reyna. Foy tirado das chro- 
nicas do Meyno. M.D.LV. Consta de oito quartos de papel 
sem números nas paginas, e não aponta o logar da impres- 
são, nem o nome do Impressor, gothico. Tem no frontispicio 
uma portada de gravura em madeira. D'eUe vimos um exem- 
plar em poder do nosso presado amigo o Sr. Francisco Adolfo 
de Varnhagen, e sabemos da existência d'outro na Biblio- 
theca Publica do Rio de Janeiro. Barbosa cita tão somente 
a segunda edição, que sahiu com este titulo : Sumario das 
Chronicas dos Reys de Portugal^ reui&to ^ Qcreçentg,do^ ^ 
em partes emendado nesta seguda impressam, em que foy apu- 
rado pellas próprias Chronicas, Mm ho qual se contem muitas 
cousas dignas de memoria Sf feytos heróicos dos ditos Reys, 
Foi Impressa em Coimbra em casa de Joam Aluarez. Im-^ 
pressor dei Rey nosso Senhor, Anno de mil ^' quinhentos ^ 
setenta, Cum WacuUaie Inquisiioris. Consta de treze folhas 
sem numeração, 4. gothico. (Bibliotheca Publica do Rio de 
JaneiTO— CoUecção de Diogo Marbosa Machado — vol. 1. e 
único das noticias genealógicas dos Reis de Portugal). 

72. Causas da elevarão da Monarehia Portugueza^ e da 
sua decadência. Lisboa, na Tjpographia de J. P. F. Telles. 
1836. 8. Tem 43 paginas. 

73. Compendio Histórico do Reino de Portugal,^ que dá 
rasão do principal terrençy rios, montes, e cidades; comos 
nomes de seus Governadores , Capitães, e grandes Reis que 
tem governado Portugal, desde o Diluvio Universal ate o 
feliz reinado do Príncipe Regente, Xíisboa, na Impressão de 
Alcobia. 1810. 8. Sahiu em nome de Bartholomeu Lamago. 

74. Dialogo sobre a Historia de Portugal, etn poriuguez 
efrancez. Lisboa, na Impressão Regia. 1807. 8, 

75. Diccionario Numismographico Lusitano, em que se 
descrevem as Moedas antigas de Portugal. Lisboa, na Im-^ 
pressão de Galhardo e Irmãos. 1835. 8. Consta de 34 pa- 
ginas. 

76. FOfCtos Memoráveis da Historia de Portugal, ou Re- 



IS 



BIBLIOGRAPHIA HISTOKICA 



»umo da .Historia deste paiz desde a antiguidade até os nos&os 
dias, ^'e. Lisboa, na Typographia Rollandiana. 1326. 8. 
com estampas. E traducção da obra de M. Diirdent, intitu- 
lada : Seautés de V Histoire du Portugal, 

77. Galeria Picturesca da Historia Portugiieza, ou vic- 
iorias, conqimtas, façanhas, e factos memoráveis da Historia 
de Portugal e do Brasil. Pariz, em Casa de J. P. Aillaiid. 
1842. 12. com estampas lithographadas. 

78. Historia de Portugal antiga e modeima, ; contém se- 
gundo a ordem, chronologica todos os factos principaes succe- 
didos em a nossa Monarchia, e suas Conquistas, desde a en- 
trada dos Carthaginezes em Hespanha até o reinado do Au- 
gusto Monarcha D, João VI. Lisboa, na Impressão de Al- 
cobia. 1819. 8. 

79. Instrucção de Principiantes , e Novo Methodo de se 
aprenderem as primeiras lettras, para uso das Escholas da 
Congregação do Oratório na Casa de Nossa Senhora das Ne- 
cessidades, ordenado pela mesma Congregação. Lisboa, na 
Officina de Miguel Rodrigues. 1750. 8. Contém uma breve 
descripção de Portugal, e ura epitome das vidas dos Senho- 
res Reis d'este Reino. Saliiu accrescentado : Lisboa, na Regia 
Officina Typographica. 1793. 8. • 

80. Instrucções que a Camará do Porto deu em 1697 aos 
seus Procuradores para com ellas requererem, nas Cortes de 
Xiishoa a reforma da Nação. Coimbra, na Imprensa da Uni- 
versidade. 1821. 8. grande. É um folheto de 16 paginas. 

81. Mappa Genealógico, Histórico, Chronologico, Diplo- 
mático, e Litterario do Reino de Portugal e seus JDominios 
antigos e actuaes. Foi impresso em Pariz, na Typographia 
de Casimir, em folha de grande formato. Vejam-se também as 
emendas e additamentos a este Mappa no tom. 5. do Recreio, 
Jornal das Famílias. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1839. 8. 

82. Memorias Históricas do Reino de Portugal, e de todos 
os seus JOominios, eom a noticia dq iodos os seus Estabeleci- 
mentos Ecclesiasticos, Civis e Militares, desde a sua origem 
até seu estado actual. Lisboa, na Impressão Regia. 1830. 4. 
A publicação d'esta obra não chegou a ultimar-se : o exem- 
plar que possuimos não excede de 64 paginas. 

83. Portugal no Século XIX, Veja-se o artigo publicado 
jno tom. 1. pag. 501 e seguintes, e continuado no tom. 2. 
pag. 1 a 28 da Revista Estrangeira, Coimbra, na Imprensa 
da Universidade. 1837. 8. É traduzido do francez. Saliiu 
também em separado ; ibi, na dita Imprensa, e no mesmo 
anno. 8. 

34. Portugal depois da Revolução de 1820, por M. Jides 



fORTUGUlíZA. 



19 



de Ladeytie. Artigo exirahido da Revida dos Dom Mun- 
dos, publicada em 15 de Julho de 1841. Lisboa, na Imprensa 
Nacional. 1841. 8. Sahiu outra traduc§ão no tom. 8. àsL Re- 
vista Litteraria^ e também em separado : Porto, na Imprensa 
da Revista. 1842. 3. 

85. Quadro (Breve) da Historia de Portugal, com um 
Catalogo dos Senhores Reis doeste Reino, Veja~se a mui cu= 
riosa Folhinha da Terceira, para o anno de 183^. Angra, 
na Imprensa do Governo. 1832. 12. de pag. 17 a 64. Esta 
Folhinha sahiu mais correcta e augmentada que a do anno 
antecedente, de que se publicaram duas edições. 

86. Summario Chronologico das Cortes antigas, com a 
integra dos Capítulos que formam as Leis fundamentaes da 
Monarchia Partugueza. Part. 1. e 2. Porto, na Imprensa 
da rua de Santo António. 1824. 8. Consta ao todo de 50 
paginas. 



20 



BlBLIOGKAPHiA HISTOÍUCA 



TÍTULO 2." 



eaRONlCAS E MBMORIAS D9S SENHORES CONDE D. HENRIQUE, È DA 
RAINHA D. THEREZA ; D. AFFONSO BENRIQUES ; D. SANCHO I. 
D. AFFONSO Ilr D. &ANCHO H. E ©E SEUS FILHOS. 



8T. ANTcyiífio DE A.LME1DA, socío da Academia Real das 
Sciencias de Lisboa. Escreveu : Memoria polemica acerca da 
verdade da jornada de Mg as Moniz a Toledo. Sahiu impressa 
no tom, II. part. 1. das Memórias da Academia Real das 
Sciencias. Lisboa, na Typographia da Academia. 1831. foi. 

Exame comparativo de Chronicas Portuguezas relativa- 
mente ao governo do Senhor Conde D. Henrique, Part. 1 , 
Sahiu no tom. 11. part. 1. das ditas Memorias, Part, 2. 
Acha-se impressa no tom. 11. part. 2. Lisboa, na Typogra- 
phia da Academia. 1835. foi. 

88. Anto^o Pereisa de Figueiredo. E. Novos teste- 
tnunhos da milagrosa apparigão de Christo Senhor Nosso a 
Mirei 15. Affonso Henriques.^ antes da famosa batalha do 
Campo de Ourique^ e exemplos parallelos que nos indusain á 
pia crença de tão portentoso caso. Lisboa, na Regia Officina 
Typographica. 1786. 4. (*) Sahiu de novo com este titulo: 
Dissertação Histórica e Critica em que se prova a milagrosa 
apparigão de Christo Senhor Nosso a Mirei D. Affonso Hen- 
riqtieSj antes da famosa batalha do Cam,po de Ourique. Agora 
novamente accrescentada com. o Atito do Juramento do mes- 
m,o Rei, em latim e portuguez^ e com varias annotações e 
auihot idades .f que devem persuadir e convencer a todos os fieis 
Portuguezes da verdade de um facto tão portentoso . Lisboa, 
na Impressão Regia. 1809. 4. D'esta obra fez especial men- 
ção o sábio e illustre bispo de Beja D. Fr. Manuel do Ce- 
náculo, no seu livro dos Cuidados Litterarios, onde de pag. 
363 a 398 deixou escriptas mui judiciosas e eruditas refle- 
xões sobre o assumpto. 

89. Dionísio Teixeira de Aguiar, familiar do Santo 
Officio. E. Relação verdadeira da apparigão de Christo Se- 
nhor Nosso no Campo de Ourique ao Santo Rei D, Affonso 
Henriques, e da batalha em que venceu cinco reis, e quatro- 
centos mil inouros. Lisboa, 1753. sem o nome do Impressor. 
4. Consta de 10 paginas. (*) Sahiu pela segunda vez; ibi, 



POUTUGUliZA. Ui 

na Ofliciuii de Francisco Borgos de Sousa. 1757. 4. Deve 
accrfiscentar-se á Uibliotheca Lusitana. 

90. BuAiiTE Galvão, secretario do Senliox D. João II. 
natural d'Evora. E. Chronica do muito alto^ e muito esfila- 
recido Frincipe D. j4ffonso Henriques, primeh'0 Rei de For- 
tiigal. Lisboa Occidental, na Ofiicina Ferreiriana — a aaaes- 
ma ediyâo — 1726 e 1^121!. foi. 

91. Duarte Hibeiro de Macedo, enviado avarias cor- 
tes da Europa, natural do Cadaval. E. Mmcimento e Genealo- 
gia do Conde D. Henrique, Pae de D. Affanso Henriques, pri- 
meiro Rei de Fortiigal. Pariz, na Officina de Roberto Cher 
villion. 1670. 12. e no tora. 2.,das suaí> Obras. Lisboa, na 
Officina de António Isidoro da Fonseca. 1.7é3. 4. et ibi, na 
Officina de António Rodrigues Galharda. 1767.. A. 

92. Fr. Fortunato de S. Boave^stura, monge de Al- 
cobaça, sócio da Academia Real das Sciencias de Lisboa. E. 
Memorias para a vida da beata Mafalda, Rainha de Cas- 
iella, reformadora do Bíosteiro de Arouca. Coimbra, na Im- 
prensa da Universidade. 1814. 8. 

93. Francisco de S. Luiz. E. Memorias Hisioticas e 
Chronologicas do Conde B. Henrique. Sáhiram mo tom. 1-2. 
part. 2. das Memorias da Academia Real dás Sciencias.. Lis- 
boa, na Typographia da Academia. 1Í539. foi. 

jB revés Reflexões sobre os quatro Capítulos inéditos daChro- 
7iica d'^Elrei D. AJJonso Henriques^ por Duarte Galvão, pu- 
blicados no tom. 2. da Revista Litteraria. Sahiram -no Fa- 
norama. Jornal hitterario. num. 129, de 19 de Outubro de 
1839. 

94. D. Francisco Ribeiro DosguimarIe*, sócio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria sobre um 
documento inédito do principio do Século XIJ. em que semos- 
tra que o Senhor Conde D. Henrique, achando-se ausente na 
Falestina, ainda não tinha voltado a Portugal em 3íaio da 
era 1141 (armo líOSj. Sahiu impressa no tom. 4. part. 2. 
das Memorias da Academia Real das Sciencias. Lisboa-, iia 
Typographia da Academia. 1816. foi. 

95. «losÉ DA Costa Coimbíia, natural da cidade do Seu 
appellido E. Manifesto singular em que a, felicidade de Por- 
tugal se admira, e pelo qual a iodos consta a prodigiosa ap- 
parigão de Christo Crucificado ao Infante D. Affonso Henri' 
quês, no sempre celebre e fecundíssimo Campo de Ourique. 
Lisboa Occidental, na Officina de Manuel Fernandes da Gos- 
ta. 1736. 4. Consta de 8 paginas. (Bibliotheca ^Nadíonal* 
Lisboa, Papeis Vários.-—). 

96. José Freire de MoNrARRoyo Mascausíihas, \so- 




BIBLIOGKAPHIA HISTÓRICA 

cio de varias A-cademias, natural de Lisboa. E. Trasladação 
solemne das gloriosas Rainhas Santa Thereza e Santa San- 
cha, Infantas de Portugal, beatificadas pela Santidade de 
Clemente XI. com a noticia da magnificência e ceremonias 
com que se celebrou este acto no Real Mosteiro de Lorvão. 
Lisboa Occidental, na Officina dePaschoal da Silva. 1720. 4. 

97. Manuel deFígueiredo. E. Provas da votivaacgão 
do primeiro Monarcha de Portugal, que na marcha para es- 
calar Santarém prometteit a Deus a fundação e dote de um 
Mosteiro Cister ciense., se pelas intercessões de S. Bernardo fi- 
casse senhor da fortaleza que ia atacar. Lisboa, na Officina 
de Francisco Luiz Ameno. 1788. 4. Consta de 15 paginas. (*) 

Dissertação Histórica- Critica para distinguir D. Pedro Jf - 
fonso, filho do Conde D. Henrique, de D. apedro Affonso, fi- 
lho d'Elrei D. Affonso Henriques. Lisboa, na Officina de 
Francisco Luiz Ameno. 1789. 4. Doze paginas de impres- 
são. (*) 

Origem verdadeira do Conde D. Henrique, Soberano in- 
dependente de Portugal, e por varonia da Casa de Borgo- 
nha Ducado, terceiro Neto de Hugo Capeio, Rei de França, 
Neto segundo de Roberto o Devoto. Lisboa, na Officina de 
Francisco Luiz Ameno. 1789. 4. (*) 

yida da Augustissima Rainha Santa Thereza, filha do 
segundo Rei de Portugal, e religiosa Cisterciense ,, escripta 
por José Pereira Bayào, supplementada com dissertações, no- 
tas, e documentos, Lisboa, na Officina de Francisco Luiz 
Ameno. 1791. 8. 

98. Matheus de Sousa Coutinho. E. Reflexões sobre 
a acclamagão do Senhor Rei D. Affonso Henriques; Cortes 
de Lamego, e causds das primeiras guerras entre Portugal 
e Hespanha. Veja-se o num. 53. part. 2. pag. 277 e se- 
guintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Regia. 
1817. 4. 

99. Pedro José de Figueiredo, professor de Rhetorica 
e Poética, sócio da Academia Real das Sciencias de Lisboa, 
d'onde era natural. E. Dissertação Histórico- Juridic a sobre 
a legitimidade da Senhora D. Thereza^ mulher do Senhor 
Conde D. Henrique, e mãe do Senhor Rei D. Affonso Hen- 
riques. Sahiu no tom. 8. part. 2. das Memorias de Littera- 
turaPortugueza. Lisboa, na Officina da Academia Real das 
Sciencias. 1814. 4. sem o nome do auctor. 

100. Pedro de Sousa Pereira, natural de Lamego. E. 
Maior Triumpho da Monarchia Lusitana, em que se prova 
a visão do Campo de Ourique, que teve e jurou o pio Rei D. 
AJfonso Hmriquesj com os três Estados em, Cortes, com que 



PORTCGUEZA. 



23 



se dá satisfação ao que sabre a mesma visão se pede por Cas- 
tella, no livro iniihdado uPhilippiís Prudenstu Lisboa, por 
Manuel da Silva. 1649. 4. 

101. RuY DE Pina, chronista-mór do Reino, e guarda- 
mdr do Real Archivo da Torre do Tombo, natural da Guar- 
da. E. Chronica do muito alto, e muito esclarecido Principe 
D. Sancho 1. segundo Rei de Portugal. Lisboa Occidental, 
na Officina Ferreiriana. 1'727. foi. 

Chronica do muito alto, e muito esclarecido Principe D. 
Affonso II. terceiro Rei de Portugal. Ibi, na dita Officina. 

1727. foi. 

Chronica do muito alto, e muito esclarecido Principe D, 
Sancho II. quarto Rei de Portugal. Ibi, na dita Officina. 

1728. foi. 

102. D. Thomaz Caetano de Bem, clérigo regular, na- 
tural de Lisboa. E. Illustração Histórica ã genealogia dos 
Reis de Portugal. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu 
Ferreira, 1789. 8. Tracta da ascendência do Conde D.Hen- 
rique. 



103. Chronica d'*Elrei D. Affonso Henriques, primei- 
ro de Portugal, em, que se dá noticia do seu nascimento, 
vida, e morte. Lisboa, na Officina de Francisco da Silva. 
1749. 8. É extrahida das Chronicas de Duarte Nunes do 
Leão. 

104. Cortes primeiras que Mirei JD. Affonso Henriques 
celebrou em Lamego aos ires Estados, depois de ser confir- 
mado pelo Summó Pontífice. Lisboa, por António Alvares. 
1641. 4. Doze paginas de impressão, em latim e pprtuguez. 
(Livraria das Necessidades, Papeis Miscel. -^~~)- Eo exem- 
plar mais antigo d'estas cortes que vimos em edição separa- 
da. Sahiram ultimamente com o mesmo titulo : Lisboa, na 
Typographia de Bulhões. 1822. 4. (*) 

105. Juramento com que Mirei D. Affonso Henriques 
confirmou a visão de Christo Nosso Salvador. Lisboa, por 
António Alvares. 1641. 4. Tem 7 folhas. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa). 

106. P^ictoriosas promessas de Christo a Portugal, na glo- 
riosa apparição ao venerável D. Affonso Henriques em, o 
Campo de Ourique, manifestadas no Auto do juram,ento do 
m>esmo Rei, descoberto no Cartório de Alcobaça no anno de 
1Ô96. Lisboa, na Officina de João Evangelista Garcez. 1803. 
4, Consta de 14 paginas. (*) 




B 



BIBLlQGRArHM HISTÓRICA 



TITULO 3/ 



CHRONICAS E MEMOBIAS DOS SENHORES D. AFFONSO III. D. DINIZ, 
E DA RAINHA SANTA ISABEL ; D. AFFONSO IV. D. PEDRO I. P. 
FERNANDO, E DE SEUS FILHOS. 



107. bn. António deEscobar, chronista da Ordem do 
Carmo, natural de Coimbra. Escreveu : A Phenix de Por- 
tugal, discursada na vida da Rainha Santa Isabel, Infanta 
de Aragão, casada com Elrei D. Diniz de Portugal. Coim- 
bra, na Impressão de Manuel Dias. 1680. 4. 

108. Diogo Affonso, secretario do Cardeal Infante D. 
'Affonso. E. Plda ^ milagres da gloriosa jRaynha sancta 
Isabel, molher do catholico Iley dõ Dinis sexto de Portugal. 
Com ho compromisso da cõfraria do seu nome, &f graças a 
ella concedidas. 31.D.LX. Traz no fim a seguinte subscrip- 
ção : Foy impressa a presente obra por mandado dos Mor- 
domos &Ç confrades da confraria da gloriosa sancta Isabel 
Maynha de Portugal. E a instãcia da senhora dona Ana de 
Meneses, Abbadessa do mostayro de sancta Clara de Coyni- 
hra ^ das senhoras dona Marta da sylua ^ dona Ambrasia 
de Castro, sancristaãs do mesmo mosteiro, pêra louuor de 
nosso senor, Sç da gloriosa Maynha sa7icta Isabel. Acabouse 
aos Xf^. dias do mes de Julho.'. De 3I.DLX. Impressa em, 
Coymbra por Joam da Barreyra, com licença dos deputados 
da sancta Inquisiçam. 4. (Bibliotlieca Publica do Rio de Ja- 
neiro). 

109. D. Fernando Corrêa de Lacerda, bispo do Por- 
to, natural do Tojal, termo de Viseu. E. Historia da vida, 
morte, milagres, canonisação e trasladação de Santa Isabel^ 
sexta Mainha de Portugal. Lisboa, por João Galrão. 1680. 
4. e pela segunda vez addicionada: Lisboa Occidental, na 
Officina de António de Sousa da Silva. 1735. 4. grande, 
edição que se omittiu na Bibliotheca lusitana. , 

110. Fr. Fernando da Soledade, chronista da Ordpm 
de S. Francisco da Provincia de Portugal, natural do Porto. 
E. Memorias dos Infantes D. Affonso Sanches, e D. Tareja 
Martins, fundadores do Real Mosteiro de Santa Clara de 
Villa do Conde. Lisboa Occidental, na Officina de António 
Manescal, 1726. 4. e na segunda edição da Terceira ^arte 



rORTlGCEZÀ. 



m 



da Historia Seráfica. Ibi, na Officiíui deDoniingos Gonçal- 
ves. 1735. foi. de pag. 24 a 69. 

II t. Fernão Lopes, chronista-mor do Reino, è gaarda- 
niór do Real Archivo, E. Chrotiica do Senhor D. Pedro I. 
oitavo liei de Portugal. Acba-se impressa no tom. 4. da 
Colleceão de Livros Inéditos de Historia Por tugueza. Lisboa, 
na OlYicina da Academia Real das Sciencias. 1816. foi. 

Chronica do Senhor D. Peruando^ nono Rei de Portugal. 
Saliiu no dito tomo, 

112. D. Francisco de S. Ltjiz. E. Noticia da Infanta 
D. Branca, filha d''Elr€Í D. Affomo III. Sahiu no Pano- 
rama, Jornal Litterario. num. 118, de 3 de Agosto dé 1839. 

113. Fr. HENRiauE DE Noronha, carmelita, natural de 
Lisboa. E. Mxcmplar Politico ideado nas acções do Sere- 
níssimo Rei D. Pedro, primeiro do nome, e oitavo dos Réis de 
Portugal. Lisboa Occidental, na Officiiia de Paschõal da 
Silva. 1723. 8. 

114. Fr. JoAauiM de Santo Agostinho. E. Meínoria 
sobre uma Chronica inédita da Conquista do Algarve. Sahiu. 
no tom. 1. das Memorias de Litter atura Portuguesa. Lis- 
boa, na Officina da Academia Real das Sciencias. 1792. 4. 

115. José dà Cunha Brochado, académico da Acade- 
mia Real da Historia Portugueza. E. Parecer acerca da 
proposta que fez o chronista-m^or do Reino Fr. Rernardodc 
Castello Branco, sobre se Elrci D. Pedro I. merecia o epitheto 
de Cruel ou de Justiçoso. Acba-se impresso no tom. 2. da 
Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa Occidental, 
na Officina de Pascboal da Silva. 1722. foi. 

116. José Pereira Bayâo, presbytero, natural de Pe- 
nacova. E. Chronica d'' Mirei D. Pedro I. d''este nome, e dos 
Reis de Portugal o oitavo, cognominado o Justiceiro, na for- 
ma em. que a escreveu Fernão Lopes, primeiro chronista-mor 
d"* este Reino ^ copiada fielmente do seu original antigo, dada á 
luz e accrescentada de novo desde o seu nascimento até ser 
Rei, e outras acções e noticias de que o auctor não trácia. 
Lisboa Occidental, na Officina de Manuel Fernandes da Cos- 
Í2L. 1735. 8, e pela segunda vez: Lisboa, na Officina de Pe- 
dro Ferreira. 1760. 4. 

117. RuY DE Pina. E. Chronica do muito alto, e fnuito 
esclarecido Principe D. Affonso III. quinto Rei de Portugal. 
Lisboa Occidental, na Officina Ferreiriana. 1728. foi. 

Chronica do muito alto, e m,uito esclarecido Principe D. 
Diniz, sexto Rei de Portugal. Ibi, na dita Officina. 1729. 
foi. 

Chronica d'^Elrei D. Affonso o quarto do nome, e seiimo 



■P 



■h I 



20 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



dos R^s de Portugal. Tirada á luz por industria de Paulo 
Craesbeeck, e na sua Officina impressa, e á sua custa, Lis- 
boa. 1653. foi. 



118. Compendio (Breve) da vida, morte, virtudes e mi- 
lagres de Santa Isabel, sexta Rainha de Portugal, e Infanta 
de Aragão. Offerecido á IllustAssima e Excellentissima Se- 
nhora D. Joanna Antónia de Noronha, Condessa de Vai de 
Reis. Lisboa, na Officina de Pedro Ferreira. 1746. 4. Cons- 
ta de 32 paginas. 

119. Relação das grandiosas festas que na Cidade de 
Coimbra fez o Illustrissimo Senhor D. João Manuel, Bispo 
Conde, á canonisagão de Santa Isabel, Rainha de Portugal» 
Coimbra, por Nicolau Carvalho. 1625. foi. 

120. Relação Histórica da segunda trasladação de Santa 
Isabel, Rainha de Portugal, em 1677. Sahiu no tom. 7. pag. 
245 e seguintes, e continuada a pag. 353 e seguintes, da. Re- 
vista Litter ar ia» Porto, na Typographia da Revista. 1841. 8. 



PORTUGUEZA. 



27 



TITULO 4." 



CHRONICAS E MEMOKIÀS DOS SENHORES D. JOÃO I. D. DUARTE, 
D. AFFONSO V. D. JOÃO II. E DE SEUS IILKOS. 



121. Fk. António da Silveira, religioso dominico, 
natural de Azurara, traduziu do italiano, e addicionou : Epi- 
totne da Vida de Santa Joanna, Princeza de Portugal^ re- 
ligiosa da Ordem de S. Domingos^ chamada vulgarmente a 
Santa Princeza. Lisboa, na Officina de Manuel Soares. ITôS. 
4. sem o nome do traductor. 

122. Damião de Góes, guarda-mór do Real Archivo, 
natural de Aléraquer. Escreveu : Chronica do Príncipe Dom 
Joam, Rei qve foi destes regnos segvndo do nome, em gve 
svmmariamente se irattam has cousas sustançiaes que nelles 
acontecerão do dia de seu nascimento atte ho em, que el Rei 
dom Afonso seu paifalegeo. Composta de nouo per Damiam, 
de Góes, Dirigida aho vnuito Tnagnanimo, Sf poderoso Rei 
dom Joam terceiro do nome. Foi vista, Sf approuada per ho 
R. P, F. Emanuel da veiga examinador dos liuros. Em 
Lisboa em casa de Francisco Corrêa, impressor do Serenís- 
simo Cardeal Infante, ahos xj dias do mes de^ Abril de 1567. 
Esta taxada esta Chronica no Regno a duzentos reaes em 
papel, éç fora delle segundo ha distancia dos lugares. Com 
Priuilegio Real. foi. ('Bibliotheca Nacional de Lisboa, Li- 
vraria do Archivo Nacional da Torre do Tombo, a do Sr. 
Conselheiro Macedo, e a do Ex.™^ D. Francisco de Melio 
Manuel). Foi reimpressa: Lisboa Occidental, na Officina 
da Musica. 1724. 8. e por ultimo com este titulo: Chronica 
do Sereníssimo Príncipe D. João. Dirigida ao muito magna' 
nimo e poderoso Rei D. João III. do nome. Coimbra, na 
Officina da Universidade. 1790. 4. 

123. D. Diogo Pinheiro, primeiro bispo do Funchal. 
E. Manifesto em. que se mostra a innocencia do Duque de 
Bragança D. Fernando II. a falta de prova, e a nullidade 
da sentença porque foi condemnado. Sahiu nas Provas da 
Hist. Geneal. da Casa Real. tom. 3. liv. 6. num. 85. 

124. D. Fernando Corrêa de Lacerda. E. Virtuosa 
vida^ e santa morte da Princesa Dt Jççtnna ,• reflexões mo- 



Í8 BIBLIOGRAl^HIA HISTÓRICA 

raes e politicas sobre sua vida e morte. Lisboa, na Impressão 
de António Craesbeeck de Mello. 1674. 4. 

125. Fernão Lopes. E. Chronica cVJElrei D. João I, 
de boa memoria, e dos Reis de Portugal o decimo. Part. 1. 
cm que se contém a defensão d-o Reino, até ser eleito Rei. 
Lisboa, á custa de António Alvares. 1644. foi. Part. 2. Em 
que se continuam as guerras com Castella, desde o principio 
do seu reinado até as pazes. Ibi, á custa do dito Impressor, 
1644. foi. 

126. D. Fernando de Menezes, segundo Conde da Eri- 
ceira. E. Pida e acções d''Mrei D. João L Offerecida á 
memoria posthuma do Sereníssimo Príncipe D. Theodosio. 
Lisboa, na Officina de João Galrão. 1677. 4. 

127. Fr. Francisco BrandIo. E. Conselho e voto da 
Senhora 1>. Filippa, filha do Infante D. Pedro, sobre as 
terçarias e guerras de Castella, com uma breve noticia d''estct 
Princeza. Dirigido a ElreiD. João IF. Lisboa, na Officina 
de Lourenço de Anveres. 1643. 4. 

128. Francisco José Freire. E. Vida do Infante D. 
Henrique. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz' Ameno. 
1758. 4. grande. Sahiu em nome de Cândido Lusitano. 

129. D. Francisco dé S. Luiz. E. Artigo sobre a ex- 
pedição de Tanger em 1437. Sahiu no tom. 4. pag. 425 e 
seguintes da Revista Litteraria. Porto, na Typograpbia Com- 
mercial. Í839. 8. 

Reflexões geraes acerca do Infante D. Henrique, e dos des- 
cobrimentos de que e lie foi auctor no Século XV. Lisboa, na 
Imprensa Nacional. 1840. 4. e no num. 11 dos A nnaes Ma- 
rítimos e Coloniaes. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1841. 8. 

130. Garcia de Rezende, pagem da escrevaninha d'El- 
reiD. Joaoll. natural d'Evora. E. Lyuro das obras de Gar- 
cia de Resêde que trata da vida e grãdissimas virtudes : e 
bõdades : magnanitno esforço: excelétes costumes e manhas é 
muy craros feitos do christianissim,o : muito alto emuyio pode- 
roso príncipe el Rey dõ João o segundo deste nome : e dos 
Meys de Portugal o trezeno de gloriosa memoria : começado 
de seu nacimSto e toda sua vida ate a ora de sua morte : 
CO outras obras que adiante sé seguem. Com Priuilegio Real. 
Tem no frontispício, por cima d'este titulo, de um lado as 
armas reaes, e do outro uma esphera. Nas sete primeiras 
folhas seguintes vem transcripto o alvará de privilegio para 
a impressão, passado em Évora a 26 de Janeiro de 1536, 
o prologo do auctor, e o discurso que tem por titulo : Fey- 
çòes : virtudes, custumes e manhas dei rey dom Joam o se- 
gundo que sancta gloria aja, A vida d'este Principe acha-se 



PORYLGUEZA. 



â9 



impressa do foi. j. a. cxxiiij. Segue em folha separada : A 
trasladação do corpo do muy católico e magnânimo e muy 
esforçado Hey dõ João o segado deste nome: da see da cida- 
de de Situes pêra o moesteiro da Batalha^ por o muy sere- 
níssimo e esclarecido senhor el Hey dom Manoel seu soccssor 
€ herdeiro nestes reynos e senhorios de Portugal. Foy visto e 
examinado pollos deputados da sancta inquisição. Uma ele- 
gante portada de gravura em madeira serve de ornato a este ti- 
tulo. A entrada dei rey dom Manoel em Castella começa a 
folhas cento e vinte e oito, e a Ida da ijfante dona Breatiz 
pêra Saboya a folhas cento e trinta e sete. O titulo da obra 
que depois d'estas se oíferece ao leitor diz o seguinte : Come- 
çasse a paixão de nosso senhor Jesu xpo toda inteira: segun- 
do os quatro euãgelistas : tirada de todos elles em lingoajS 
português ajútada e cõcertada per Garcia de resende por ser- 
uiço e louuor de deos. A tarja é composta de gravuras allusi- 
vas ao assumpto, e dispostas em quadro. Na ultima obra do 
livro, dentro de uma portada igual á primeira, estão impres- 
sas estas palavras : Começasse o sermão sobre a vinda dos 
sãctos três Heis magos. Foy visto e examinado poios deputa- 
dos da sãcta inquisição. A foi. clx. vem e&tampada a seguin- 
te subscripçao ; A louuor de deos e da gloriosa virgem nossa, 
senhora se acabou o liuro da vida e feytos dei rey dom João 
no segundo de Portugal : e. a trasladaçã do seu corpo, e a 
yda delrey dom Manoel a Castella. e a yda da yffãie dona 
-oreatiz a Saboya : e as quatro payxõcs em, húa^ e o serm,uo 
da vinda dos três reis magos feito por Garcia de resende : e 
visto e examinado poios deputados da sancta inquisição. Foy 
impresso em casa de Lvys rodriguez liureiro dei rey nosso se- 
nhor aos. xij. dias do mes de Junho de mil e qnhêtos e qua- 
renta e cinco annos. A divisa do Impressor acha-se no verso 
da mesma folha. O Abbade Barbosa nem sequer suspeitou a 
existência d'esta edição, de que vimos exemplares na Livra- 
ria do Archivo Nacional da Torre do Tombo, na do Sr, 
Conselheiro Macedo, e na do Ex.™o D. Francisco de Mello 
Manuel. E impressa em caracteres gothicos aduas columnas. 
foi. Sahiu de novo com este titulo: Livro das obras de Gar- 
cia de Ueesende, que tracta da vida Sf grandíssimas virtudes 
9' oõdades : magnânimo esforço, excelentes costumes Sf ma- 
nhas «^' muy craros feitos do christianissimo : muito alto êç 
muito poderoso principe el rey dom Joam ho segundo deste 
nome : Sf dos Reys de Portugal ho trezeno de gloriosa me- 
moria : começado de seu nacimèto Sf toda sua vida ate ha 
ora de s^la morte: c5 outras obras q adiante se segue. Vay 
mais acrescètado nouamente a este liuro húa Miscellanea ê 



w 



BlBUOGíiÀPHU MlStOBlCA 



irouas do mesmo auctor Sç hua variedade de historias, cusiii- 
mes, casos, Sf cousas que em seu têpo aecõtescerã. 1554. A 
Miscellanea é numerada sobre si, e consta de xxiij folhas. 
Tem no fim estas palavras : Foy impressa esta Miscellanea 
de Garcia de Reesende em ha cijdade Euora, em casa de 
Andree de Burgos impressor do Cardeal iffante. êçc. acca- 
bouse a ho fim de Mayo do anno do nacimento de nosso se- 
nor Jesu Christo de 1554. Segue Ha Tavoada, e conclue : 
A ítovvor de Deos e da gloriosa Virgem, nossa senhora se 
acabou ho liuro da vida èç feitos dei Rey dom Joam ho se- 
gundo de Portugal : Sf ha trasladagam do seu corpo : êf ha 
hida dei Rey dom Manoel a Castella : éf ha hida da iffante 
dona Breatiz a Saboya : feito por Garcia de Resende : Sf 
msto ^* examinado pollos deputados da sancta inquisigam. 
Poy impresso em Euora em casa de. Andree de Burgos im- 
pressor do cardeal iffante^ ao fim de Mayo. do anno de mil 
êf quinhêtos, liiij. foi. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, e a 
Real d' Ajuda, Livraria do Archivo Nacional da Torre do 
Tombo, a do Sr. Conselheiro Macedo, e a do Ex.™» D. Fran- 
cisco de Mello Manuel). Tanto n'esta edição como nas sub- 
sequentes falta a paixão e o sermão acima indicados. A que 
se lhe seguiu traz no fim estas palavras : Acahouse em lou- 
uar de Deos esta Chronica dei Rey Dom João Segundo, Rey 
que foy de Portugal. Efoy Impressa em Lisboa em casa de 
Simão Ijopez mercador de liuros. Anno Dni. 1596. foi. (Li- 
vraria do Archivo Nacional, e a do Sr. Conselheiro Macedo). 
Na dedicatória ao duque D. Álvaro de Alemcastre, escreve 
Simão Lopes : Sendo de todo gastada a Impressão da Choro- 
nica dei Rey Dom, João lio Segudo ..... determiney de a 
Imprimir segunda vez ..... do que claramente se deduz 
que já n'aquelle tempo era desconhecida a edição de 1545. 
As outras sahiram áluz: Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1607. 
foi. Ibi, por António Alvares. 1622 (e no fim I62l) foi. Ibi, 
Ba Officina de Manuel da Silva. 1752. foi D'esta também 
lião dá noticia a Bibliotheca Lusitana. O titulo da ultima 
edição diz o seguinte: Chronica dos valerosos e insignes feitos 
d"* Mirei D. João II. de gloriosa memoria, em que se refere 
sua vida, suas virtudes, seu magnânimo esforço, excellentes 
costumes, e seu christianissim,o zelo ; com outras obras que 
adiante se seguem, e vae accrescentada a sua Miscellanea. A"* 
feliz memoria do mesmo Rei D. João II. que está em, gloria» 
Coimbra, na Officina da Universidade. 1798. 4. As impres- 
sões de 1596 e 1607 não trazem a Miscellanea. 

131. Gomes Eannes de Azurara, chronista-mór do 
Reino, e guarda-m<5r da Torre do Tombo, natural da villa 



^ 



l^ORTUGUEZA, 



31 



do seu appellido. E. Ckronica d^J^llrei D. João I. de boa 
memoria, e dos Reis de Portugal o decimo. Pari. 3. Em 
que se contém a tomada de Ceuta. Lisboa, á custa de Antó- 
nio Alvares. 1644. foi. 

132. Fr. João Alvares, abbade com mendatario do Mos- 
teiro de Paço de Sousa, natural de Torres Novas. E. Ckro- 
nica dos feitos, vida, e morte do Infante Saneio Dom Fer- 
nando, que morreo em Feez. Reuisia Sf reformada agora de 
nouo pelo padre Frey Hieronymo de Ramos da Ordem dos 
Pree^adores : de mandado do Serenissimo Cardeal Jffante, 
^c. E a elle dirigida. Com Licença do Concelho geeral do 
saneio Officio, êf Ordinário. 1577. Vendese em casa de João 
Despanha. O titulo que vem transcripto no alto da primei- 
ra folha numerada diz o seguinte : Ckronica da Vida Sf fei- 
tos do muito virtuoso Sf saneio Iffante Dom Fernando, que 
morreo em terra de Mouros: scripta antiguamente por frey 
João Alurez Caualleiro da ordem de Auis, secretario do dito 
senhor, que com, elle esteue captiuo atee sua morte, ^ despois 
cinquo annos. Agora nouamente emendada Sf concertada pelo 
padre Frey Hieronymo de Ramos da Ordem, dos Preegado- 
res, por mandado do Serenissimo Cardeal Iffante, Sfc, A foi. 
J 44 está lançada a seguinte subscripção : Foy impressa esta 
Ckronica do saneio Iffante dom Fernando , filho dei Rey Dom 
João primeiro deste nome, em Lisboa per António Ribeiro. 
M.D.LXXVII. 8. Vimos dois exemplares d'esta segunda 
edição com differente rosto, em que se lêem as mesmas pa- 
lavras, posto que impressas com alguma variedade. (Livraria 
do Sr. Conselheiro Joaquim José da Costa de Macedo, e a 
do Ex.™o D. Francisco de Mello Manuel). A primeira edi- 
ção d'esta Chronica, de que não descobrimos nenhum exem- 
plar, apezar de todas as nossas diligencias, foi impressa em 
Lisboa, segundo Barbosa, por Germão Galharde. 1527. 8. 
gothico. A terceira e ultima, de que não faz memoria a Bi- 
bliotheca Lusitana, sahiu a luz : Lisboa Occidental, na Offi- 
cina de Miguel Rodrigues. 1730. 8. 

133. JosE Soares da Silva, académico da Academia 
Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. E. Memo- 
rias para a Historia de Portugal, que comprehendem o go- 
verno d''Elrei D, João 1. do anno de mil tresenios e oi- 
tenta e ires, até o anno. de mil quatrocentos e trinta e ires. 
Tom. 1, 2. 3. e 4. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1730. 1731. 173:2 e 1734. 4. grande. 

134. Fr. Manuel de Figueiredo. E. Carta a respeito 
da heroina de Aljubarrota, Brites de Almeida, que com a 
pá do seu forno matou sçtç soldados do exercito inimigo, no 

5 



m 



3S 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



dia 14 de Agosío de 1385. Lisboa, na Officina deFilippe da 
Silva e Azevedo. 1776. 4. Consta de 15 paginas. (*) 

135. Fr. Nicolau Dias, religioso dominico, natural de 
íiisboa. E. Vida da Sereníssima Princesa Dona Joana, Fi- 
lha Delrey Dom Afonso o quinto de Portugal. A qual vi- 
ueo, <Sr morreo muito sanctamente no Mosteiro de Jesv de 
Aueiro da Ordem dos Pregadores, ^ no habito da mesma 
Ordtí. Ordenada, êç concertada por o Padre Frey Nicolao 
Dias, Mestre em Saneia Theologia, da dita Ordem da Pro- 
uincia de Portugal. Fm Lisboa Com licença do supremo 
Conselho da Saneia Inquisição, Impressa por António Alua- 
re% Anno 1594. 8. (Bibliotheea Nacional de Lisboa). O Ab- 
bade de Sever, na sua Bibliotheea Lusitana, dá noticia de 
outra edição mais antiga d'esta obra, impressa em Lisboa 
pelo mesmo António Alvares. 1586, 8. ate agora porém 
nenhum exemplar d'ella pudemos ver. Foi reimpressa : Lis- 
boa, na Officina de Francisco Villela. 1674. 8. 

136. Paulo de Portalegue, cónego secular de S. João 
Evangelista, natural da cidade do seu appeliido. E. Breve 
Tractado sobre a morte do Duque de Bragança D. Fernan- 
do II. enviado á Sereníssima Duqueza sua mulher D, Isa- 
bel. Saliiu nas Provas daHist. Geneal. da Casa Real Port. 
tom. 3. liv. 6. num, 88. 

Carta escripta a certo religioso, em que se trácia da morte 
do Duque D. Fernando II. Acha-se impressa nas Chronicas 
dos Reis de Portugal, de Christovão Rodrigues Acenlieiro, 
pag. 294 e seguintes, e nas Provas da Hist. Geneal. tom. 3. 
liv. 6. num. 89. 

137. RuY DE Pina. E. Chronica do Senhor Rei D. 
Duarte. Sahiu no tom. 1. da Collecção de Livros Inéditos 
de Historia Portugueza. Lisboa, na Officina da Academia 
Real das Sciencias. 1790. foi. 

Chronica do Senhor Rei D. AJfonso V. Anda impressa no 
dito tomo. 

Chronica d''Flrei D. João II. Sahiu no tom. 2. da dita 
Collecção. Lisboa, na Officina da Academia. 1792. foi. 

138. Vasco Fernandes de Lucena, chronista-mór do 
Reino, e guarda-mór do Real Archivo, traduziu do latim : 
Oração que fez o Embaixador de Filippe o Bom, Duque de 

Borgonha, diante do mui alto, e muito virtuoso Príncipe D, 
Affonso V. Rei de Portugal, á morte do Infante D. Pedro, 
Duque de Coimbra. Sahiu nas Provas da Hist, Geneal. da 
Casa Meai. tom. 6, pag. 367 e seguintes. 



PORÍUtíUfiZA. 



3S 



TITULO ^: 



CHRO.NICAS E MEMORIAS DOS SENHORES D. MANUEL, D. JOÃO III. 
E DE SEUS FILHOS. 



139. André de Rezende, pregador d'Elrei D. João III. 
e mestre dos Infantes D. Affonso, D. Henrique, e D. Duarte, 
natural d'Evora. Escreveu: Vida do Infante D. Duarte. 
Sahiu á luz : Lisboa, na Officina da Academia Real das 
Sciencias. 1789. 8, grande, (*) e ultimamente no tom. 9. 
pag. 433 e seguintes da Revista Liiteraria. Porto, na Ty- 
pographia da Revista. 1842. 8. 

140. António DE Castilho, guarda-mor do Real Archi- 
vo, natural de Thomar. E. Elogio d'' Mirei D. João III. Anda 
com as Noticias de Portugal^ de Manuel Severim de Faria. 
Lisboa, na OMcina Craesbeeckiana. 1655. foi, de pag. 291 
a 305. e na segunda edição da mesma obra: Lisboa Occi- 
dental, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1Y40. 
foi. de pag. 381 a 395. e com os Panegyricos de João de 
JSarros. Lisboa, na Officina de António Gomes. 1*79 1. 8. 

141. Damião de Goes. E. Chronica do felicissimo Jlei 
Dom Emanvelj composta per Damiam de Goes, dividida em 
qvatro Partes, das quaes esta he ha primeira. Foi vista, Sç 
approuada per ho li. P. F. Emanuel da veiga examinador 
dos liuros. Em Lisboa em casa de Francisco correa, impres- 
sor do serenissimo Cardeal Infante, ahos xvij dias do mes de 
Julho de 1566. Esta taxada esta primeira parte no regno 
em, papel a duzentos, Sf çinquoenta reaes, ^ fora delle se- 
gundo ha distancia dos lugares onde se vender, Sf has outras 
ires partes pelo mesmo modo naquillo em que forem, taxadas. 
Com priuilegio Real. foi. 

Segvnda Parte da Chronica do felicíssimo Rei Dom Em a- 
nvel, composta per Damiam de Goes. Foi vista, ^ aprouada 
pelo R, P. F. Emanuel da veiga, examinador dos liuros. 
Em Lisboa, em, casa de Francisco correa, im,pressor do sere- 
nissimo Cardeal Infante, ahos dez dias de Sepiêhro de 1566. 
Esta taxada em papel a cento, &Ç çinquoêta reaes. Com, Pri- 
uilegio Real. foi. 

Terceira Parte da Chronica do felicissimo Rei Dom Mraa- 



u 



BIBL10UKÀl>HIA HISTÓRICA 



nvel, composta per Damiam de Góes. Foi vista, ôç aprouada 
per ho. R. P. F. Emanuel da veiga examinador dos Uuros, 
Mm luishoa em> casa de Francisco correa, impressor do sere- 
níssimo Cardeal Infante, a hos. xxiiij. dias do mes de Janeiro 
de, 1567. Esta taixada ê papel a duzentos, êf gincoenta reaes» 
Com Priuilegio Real, foi. 

Qvarta e Vitima Parte da Chronica do feligissimo Rei 
Dom Emanvel, composta per Damiam de Góes. Foi vista, Sf 
approuada por ho R. P, Frei Francisco For eiró. Em Lis- 
boa em casa de Francisco correa, Impressor do Sereníssimo 
Cardeal Infante, ahos xxv dias do mes de Julho de 1567. 
Esta taxada esta Quarta parte no Regno em, papel a duzen- 
tos, Sf ginquoenta reaes, èç fora delle segundo ha distancia dos 
lugares onde se vender. Com priuilegio Real. foi. 

Estas quatro Partes andam assignadas por mão do auctor. 
(Bibliotheca Real d' Ajuda, Livraria do Archivo Nacional 
da Torre do Tombo, a do Sr. Conselheiro Macedo, e a do 
Ex.íno 13. Francisco de Mello Manuel). Sahiu de novo com 
este titulo: Chronica do felicissimo Rei D, Manuel, de glo- 
riosa memoria. A qual por mandado do Sereníssimo Prínci- 
pe o Infante D. Henrique seu filho, o Cardeal de Portugal 
do titulo dos Santos quatro Coroados, Damião de Góes colli- 
giu e compoz de novo. Ao Excellentissimo Senhor D. Theo- 
dosio, Duque de Bragança. Lisboa, por António Alvares. 
1619. foi. Foi reimpressa : Lisboa, na Officina de Miguel 
Manescal da Costa. 1749. foi. edição de que não dá noticia 
a Bibliotheca Lusitana. Coimbra, na Officina da Universi- 
dade. 1790. dois tomos. 4. 

142. Francisco de Andrada, chronista-mór do Reino^ 
e superintendente do Real Archivo, natural de Lisboa. E» 
Chronica do muito alto., e muito poderoso Rei doestes Reinos 
de Portugal D, João III. Dirigida á Catholica Real Ma- 
gestade d''Elrei D. Filippe III. Lisboa, por Jorge Rodri- 
gues. 1613. foi. Coimbra, na Officina da Universidade. 1796. 
quatro tomos. 4, 

143. D. Francisco de S. Luiz. E. Memoria sobre a 
expedição de Vasco da Gama ao descobrimento da Índia, em 
1497. Sahiu no tom. 2. pag. 121 e seguintes da Revista 
l,itteraria. Porto, na Tjpographia Commercial. 1838. 8. 

144. P. Francisco Manuel do Nascimento, traduziu 
na lingua materna: Da Fida efeitos d''Elr€Í D. Manuel. 
XII Livros, dedicados ao Cardeal D. Henrique seu filho ^ 
por Jeronymo Osório, Bispo de Silves. Lisboa, na Impres- 
são Regia. 1804. tres tomos. 8. 

145. Joio DE Bahros, o Livio Portuguez, natural de 



^àÉÈm 



PORTUGUEZÀ, 



Sâ 



Viseu. E. Faiiegyrico a Mirei D. João III. Acha-se im- 
presso na segunda edição àa.?, Noticias de Portugal^ de Manuel 
Severim de Faria. Lisboa Occidental, na Officina de Antó- 
nio Isidoro da Fonseca. 1740. foi. de pag. 287 a 380. 

Panegyrico á mui alta e esclarecida Princeza D. Maria. 
Sahiu na primeira edição da obra acima indicada. Lisboa, 
na Officina Craesbeeckiana. 1655. foi. de pag. 306 a 342. 
e na segunda edição, de pag. 395 a 430. e na Vida delaSe- 
renissima Infanta Doría Maria ^ por Fr. Miguel Pacheco. Lis- 
boa, en la Officina de Juan de la Costa. 1675. foi. de folhas 
143 verso a 164. Estes dois Panegyricos foram reimpressos : 
Lisboa, na Officina de António Gomes. 1791. 8. 

146. José JoAaciM Soares de Barros e Vasconcel- 
LOS, socio da Academia Real das Sciencias de Lisboa. E. 
Obséquios devidos á metnoria de um respeitável Monarcha^ e 
aos créditos de um vassallo o mais benemérito. Sahiram no 
tom. 5. das Memorias de Litteratura Portugueza. Lisboa, 
na Officina da Academia Real das Sciencias. 1793. 4. O 
Monarcha é Elrei D. Manuel, o vassallo Aífonso de Albu- 
querque. 

147. D. JosE Miguel Joio de Portugal, nono Conde 
de Vimioso, e terceiro Marquez de Valença. E. Vida do 
Infante D. Luiz. Lisboa Occidental, na Officina de An to» 
nio Isidoro da Fonseca. 1735. 4. 

148. Fr. Manuel de Figueiredo. E, Bissertaqcío His- 
tórica- Critica- júpolog ética e Convincente da novissima opi- 
nião que seguiu: que o Infante D. Luiz^ Duque de JBeja^ 

fora desherdado do direito da successão do Reino pela des- 
igitaldade do casamento. Lisboa, na Officina de Francisco 
Luiz Ameno. 1788. 4. Gtuinze paginas de impressão. (») 

149. VicTORiNO José da Costa, depois Fr. Victorino 
DE Santa Gertrudes, monge de S. Bento, natural de Lis- 
boa. E. Memoria do celebrado Galeão S. João, chamado 
vulgarmente o Bota-fogo^ que rompeu afortissima cadea com 
que o renegado Barbaròxa^ rei intruso de Punes segurou a 
garganta da Goleta^ ^/oi o principal instrumento da sua ex- 
pugnação no anno de 1535. Com um extracto das Armada$ 
que sahiram d"* este Reino para a índia, e outras partes, nu- 
mero das naus, da gente de guerra, e seus capitães, Sfc. Lis- 
boa Occidental, na Officina de Pedro Ferreira. 1734. 4. 
Gtuinze paginas de impressão. A dedicatória sahiu em nome 
de António da Costa Valle, (*) Deve accrescentar-se á Bi- 
hliotheca de Barbosa. 



36 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



lõO.^ CapHolos geraes: que foram apresentados a el Rey 
dõ Johã: nosso senhor terceiro deste nome: XV Rey de Por- 
tugal : nas cortes de Torres nouas : do anuo de mil e qui- 
nhêtos e vinte e cinco. E nas Deuora : do anno de mil equi- 
nhêios e trinta e cinco : com suas repostas. JS leys que ho dito 
senhor fez sobre alguús dos ditas capitolos. As quaesforã pu- 
bricadas na Cidade de Lixboa : no ano XVII. de seu lUy- 
nado: e XXX Vil. de sua idade: a XXIX. dias do mes de 
Nouembro. Anno do nacimèto de nosso senhor Jesu christo. 
De mil e quinhêtos e trinta e oyto anos. A folhas Ixxiiij. 
verso estão as seguintes palavras : Fora impressos estes Capi- 
tolos € leys per mudado dei rey nosso senhor na cidade de 
Lixboa per Germã Galharde empremidor. E acabar ase aos. 
iij. dias do mes de Março. Anno de. M.D.xxxix. foi. gothico. O 
titulo que acima deixámos trasladado vem impresso no alto 
da primeira folha ^ no frontispicio do livro, dentro de uma 
portada de gravura em madeira, apenas se lê o seguinte : 
Capitolos de cortes. E leys que se sobre alguús delles fezeram. 
Compriuilegio real. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, a Real 
d' Ajuda, e a Livraria de Jesus). 

151. Lembrança da ida que fez o muito lllustre e Re- 
verendíssimo Senhor D. Fernando de Menezes e Vasconcellos, 
Arcebispo de Lisboa, com a muito esclarecida Infanta I). Ma- 
ria, Lrinccza de Castella, filha cVElrei D. João III. e da 
Rainha D, Catharina sua mulher, levando-a ao Rrincipe de 
Castella seu marido, por nome D. Filippe, filho do Imperador 
Carlos V. no anno de J543. Sahia nas Provas da Hist. 
Geneal. da Casa Real. tom. 3. liv. 4. num. 149. 

152. xrasladaçam dos ossos dos muyto altos e muyto pO' 
derosos, el Rey dom Manuel, e a Rainha dona Maria de 
louuada memoria : feita por o muito alto e muyto poderoso 
Rey dom Joam o. iij. deste nome seu filho, nosso senhor.'. 
Anda com o Svmmario da Pregaçam Fúnebre, que o doutor 
António Pinheiro pregador dei Rey. N. S. fez por seu man- 
dado: no dia da Trasladação dos ossos dos muito altos ^' 
muito poderosos principes el Rey dõ Manuel seu pay, Sf a 
Rainha dona Maria sua mãy de louuada memoria, derigido 
aa muyto alta Sf muyto poderosa Rainha dona Caterina, 
iV. S. Visto pela sancta Inquisição. Impresso em Lixbõa em 
casa de Germão galhard, Imprimidor dei Rey N. S. 1551. 
4. gothico. A Trasladação consta de x folhas, e é dividida 



PORTUGUEZA, 



Bf 



em quinze capítulos. (Bibliotheca Publica d'Evora, e a Li- 
vraria da Ex."^í^ Casa do Redondo). Saliiu reimpressa no 
tom. 1. da Collccçao das Obras Portugiiezas do bispo An- 
tónio Pinheiro, publicada por Bento José de Sousa Farinha. 
Lisboa, na Oflicina de Filippe da Silva e Azevedo. 1784. 8. 
posto que lhe não seja attribuida pelos nossos bibliographos , 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Título 6.° 



MSMOaiÂS D ELREÍ B. SEBASTIÃO, DO CARDEAL D. HENRIQUE, 
E DA USURPAÇÃO DOS FILIPPES DE CASTELLA. 



153. Affonso Guerreiro, prior da Igreja de S. Chris- 
tovão de Lisboa, naíurai de Almodovar. Escreveu : Das 
I^estas qve $e fizeram, na cidade de IMboa^ na entrada dei 
Mey J}, JPhilippe primeiro de Portugal. Por Medre JJfonso 
Guerreiro. Impresso com licença do Conselho Real^ Sf Ordi- 
nário. Mm Lisboa. Mm casa de Francisco Corrêa. Taxado 

rs<f empapei. Com priuilegio Real. Anno^ 1581. A subs- 
cripçao diz simplesmente : Impresso em Lixboa, em casa de 
Francisco Corrêa. Anno de 1581. 4. Consta de eincoenta e 
nove folhas sem numeração, e é dividida em quarenta e dois 
capitulos. Tem no frontispício uma tarja de gravura em ma- 
deira. (Livraria do Archivo Nacional da Torre do Tombo). 

154. Affonso de Lucena, António Vaz Cabaço, Fé- 
lix. Teixeira, e Luiz Corrêa, escreveram : AUegações de 
Direito^ qve se offereceram ao muito alto, Sf muito poderoso 
Mei Dom. Henriqve nosso Senor na causa da soccessaõ destes 
Reinos por parte da Senhora Dona Catherina sua sobrinha 

filha do Infante dom Duarte seu irmão a 22. de Outubro de 
M.D.LXXIX. Impressas com licença. Anno 1580. No fim 
do livro lê-se a seguinte declaração : . . . . foram compostas 
estas allegações pcllos Doutores Luis Corrêa lente do Decre- 
to, ^ António Vaz Cabaço lente de Véspera de leis na Vni- 
uersidade de Coimbra, Sf pellos ditos Doutor Félix Teixeira^ 
^ Liicenciado Afonso de Lucena. Impressas per António Ri- 
beiro, ^ Francisco Corrêa em Almeirim, com licença do su- 
premo Conselho da sancta Inquisição, Sf Ordinário. Aos 27. 
de Feuereiro. 1580. foi A estampa do frontispício é aberta 
em madeira. (Bibíiotheca Nacional de Lisboa, e a Real 
d' Ajuda, Livraria do Archivo Nacional, e a das Necessida- 
des). 

155. D. Aleixo de Menezes, ayo d'Elrei D.Sebastião, 
compoz : Pratica a Mirei quando cumpriu a idade de lhe 
entregarem o governo do Reino. Sahiu na Primeira Parte 
da Chronica d'este Príncipe impressa era nome de D. Ma- 
nuel de Menezes, cap. 126. pag. 367 e seguintes^ na Histo- 



Já. 



POilTUQUEZA. 



3d 



ria Sebastica, de Fr. Manuel dos Santos, liv. 1. cap. 16;; na 
obra intitulada : Portugal Cuidadoso e Lastimado, de José 
Pereira Baj^âo, liv^ í . cap. 22 :; nas Provas da Historia Ge- 
nealógica, tom. 3. liv. 4. num. 152; nas Memorias de Dio- 
go Barbosa Machado, tom. 3. liv. 1. cap. I. §. 1. e na Pki- 
losophia de Príncipes, pelo professor régio Bento José de 
Sousa Farinha tom. l, pag. 85 e seguintes. _ 

156. D. Fr. Barthoi,omeu DOS Martyres, arcebispo de 
Braga, natural de Lisboa. E. Carta á Rainha D, Catha- 
rina, escripta de Braga a 7 de Janeiro de 1561, para que 
não demitta de si a regência da Monarchia na menoridade 
de seu neto D. Sebastião, Acha-se impressa nas Memorias de 
Barbosa, tom. 1. liv. 2. cap. 3. §. 30. ©na Philosophia de 
Principes, tom. 2. pag. 50 e seguintes. 

157. Fr. Bernardo da Cruz, religioso da Terceira Or* 
dem. E. Chroniea d''Elrei D. Sebastião. Lisboa, na Impres- 
são de Galhardo e Irmãos. 1837. 8. Foi publicada pelos Srs. 
Alexandre Herculano e Costa Paiva. 

158. Diogo Barbosa Machado, abbade reservatario da 
Parochial Igreja de Santo Adrião de Sever, incansável e eru- 
dito auctor da Bibliotheca JLusitana, natural de Lisboa. E. 
Memorias para a Historia de Portugal, que comprekendem 
o governo d''JElrei D. Sebastião, único em o nom,e, e decimo 
seato entre os Monarchas Portuguezes. Tom. 1 . Do anno de 
1554 até o de 1561. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1736. 4. grande. Tom. 2. Do anno de 
1562 até o de 1567. Ibi, pelo dito Impressor. 1737. 4. Tom» 
3. Do annn de 1568 até o <ie 1574. Lisboa, na Officina Sil* 
viana. 1747. 4. Tom. 4. Do anno de 1575 até o de 1578. 
Ibi, na mesma Officina- 1751. 4. grande. 

159. D. Fernando de Menezes, embaixador á Cúria 
Romana, natural de Lisboa. E. Carta a Mirei D, Sebastião, 
escripta de Roma o l 6 c/e Setembro de 1566, persuadindo-o 
a que case com, a Archiduqueza de Áustria, e não com. a In- 
fanta de França. Sahiu nas Memorias de Barbosa, tom. 2. 

Uv. 2. cap. 26. §. 194. 

160. D. Fr. Gaspar do Casal, bispo de Leiria, natu= 
Tal de Santarém. E. Carta á Rainha D. Cathaiina, escripta 
de Leiria a 23 de Janeiro de 1561, para que não deixe a re- 
gência do Reino na menoridade d'*Elrei D. Sebastião. Sahiu 
impressa nas Memorias de Barbosa, tom. 1. liv. 2. cap. 3. 
^. B2. e na Philosophia de Príncipes^ tom. 2. pag. 28 e se- 
guintes. 

2 61. GoNÇAxo Dias DE Carvalho, natural de Guíma- 
jrães, E, Carta dirigida a Mirei Dom Sehastiam Nosso Se- 




BIBL10GRA!>HIA HISTÓRICA 

nhor, Feiia pello doutor Gonçalo diaz de Carualho^ desem- 
bargador da casa da supplicaçam, ^ deputado da mesa da 
Consciência. Impresso em JLixboa, em casa de Francisco Cor- 
rêa, Impressor do Sereníssimo Cardeal Iffante. 4. Foi reim- 
pressa na Philosophia de Principes, tom. 2. pag. 97 e se- 
guintes. 

162. Gonçalo Vaz Coutinho, natural de Santarém. E. 
Historia do Successo que na Ilha de S. Miguel houve com a 
Armada Ingleza que sobre a dita Ilha foi, sendo Governador 
ã'ella Gonçalo Paz Coutinho, Fidalgo da Casa de Sua Ma- 
gesiade, e do seu Conselho. Dirigida a D. Filippe III de 
Portugal, líisboa, por Pedro Craesbeeck. 1630. 4. Consta 
de 94 paginas. (*) 

163. D. HENRiauE, Cardeal, e depois Rei. E. Carta a 
Mirei D. Sebastião sobre a Jornada de Africa. Sahiu nas 
Memorias de Barbosa, tom. 4. liv. 2. cap. 2. §. 3. 

164. Jeronymo de Almeida, cónego da Sé d'Evora, 
natural de Canavezes. E. Relação de como foi recebido em 
Mvora, no anno de 1582, o cadáver d'Elrei D. Sebastião. 
Sahiu impressa na Historia Sebastica, de Fr. Manuel dos 
Santos, liv. 2. cap. 41. pag. 481 e seguintes. 

165. Jeronymo de Mendonça, natural do Porto. E. 
Jornada de Africa, em a gu&l se responde a Jeronymo Fran- 
qui e outros, e se tracta do successo da batalha, captiveiro, 
e dos que n''elle padeceram por não serem mouros ; com ou- 
tras cousas dignas de notar. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1607. 4. et ibi, na Officina de José da Silva Nazareth. 
1785. 8. 

166. D. Jeronymo Osório, bispo de Silves, o Cicero 
Portuguez, natural de Lisboa. E. Carta á Rainha D. Ca- 
iharina, dissuadindo-a da resolução que havia tomado de se 
ausentar doeste Reino. Outra a Elrei D. Sebastião sobre o 
seu casamento em França, Outra a este Príncipe sobre a 
Jornada de Africa. Sahiram no tom. 3. das Memorias de 
Barbosa^ no tom. 2. ádi Philosophia de Príncipes ^ no fim das 
Ordenações da índia, publicadas por António Lourenço Ca- 
minha. Lisboa, na Impressão Regia. 1807. 3. na Collecção 
que deu á luz o mesmo Caminha com o titulo de Obras Iné- 
ditas deB. Jeronymo Osório. Ibi, na Impressão Regia. 1818. 
8. e nas Cartas Portuguezas d'este illustre Prelado. Pariz, 
na Officina de P. N. Rougeron. 1819. 12. A primeira tam- 
bém jiorre impressa nas Provas da Primeira Parte da De- 
ducção Chronologica e Analytica. 

Í67. JoÂo Baptista Lavanha, chronista-mor do Rei- 
no, natural de Lisboa, E. Viagem da CathoHca Real Ma- 



 



l»ÕRTUGUÉZA. 

geiiade d^Elrei D. Filippe IT. ao Reino de Portugal, e »•<:- 
lação do solemne recebimento que n''elle se lhe fez. Madrid, 
porThomaz Junti. 1622 (e no fim 1621). foi. com estampas. 

168. D. João de Castro, filho natural de D. Álvaro 
de Castro, e neto do quarto Vicerei da índia D. Joao de 
Castro. E. Discvrso da vida do sempre bem vindo, et appa- 
recido Rey Dom Sebasiiam nosso senhor o Encuberto des do 
sete naçimêto ice o presente: feyto S^ dirigido. Por Dom 
Joam de Castro aos três Estados do Reyno de Portugal: 
comuem asaber ao da Nobreza, ao da Clerezia, Sf ao do Pouo. 
Em Paris, Por Martin Verac, morador na rua de Judas, 
M.D.C. 11. Com priuilegio de El Rey. Consta de 135 folhas 
numeradas de uma só parte, e é dividido em vinte e quatro 
capitulos. 8. (Bibliotheca Publica do Porto). 

169. JoRGK DE Sá Soutomaior, natural de Coimbra. 
E. Falia qve se fez, ao m>uyto alto e poderoso Rey dom Se- 
bastião : na entrada de Coimbra, aos treze Doutubro. de 
1570. Impressa em Coimbra Por Joam Aluarez Impressor 
dei Rey nosso senhor, aos noue de Dezêbro de 1570. 4. (Bi- 
bliotheca Publica d'Evora). Sahiu também na Historia Se- 
bnstica, pag. 199 e seguintes, e nas Memorias de Barbosa, 
tom. 3. liv. 1. cap. 26. §. 139. 

170. José Pereira Bayão. E. Portugal Cuidadoso e 
Lastimado com a vida e perda do Senhor Rei D. Sebastião' 
Historia Chronologica de suas acções, e successos d''esta Mo- 
narchia em seu tempo j suas jornadas a Africa, batalha, per- 
da, circumstancins, e consequências notáveis d^ella. Lisboa 
Occidental, naOfficina de António de Sousa da Silva. 1737. 
foi. 

17! . Luiz de Torres de Lima. E. Compendio das mais 
notáveis cousas que no Reino de Portugal aconteceram desde 
a perda d^Elrei D. Sebastião até o anno de 1627 
iras cousas tocantes ao bom governo e diversidade dos Esta- 
dos. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1630. 8. Coimbra, na 
Officina de Manuel Dias. 1654. 8. Lisboa Occidental, na 
Officina de Paschoal da Silva. 1722. 8. com uma segunda 
parte, impressa na mesma Officina. 1723. 8. as duas: Lis- 
boa, na Officina de Manuel António Monteiro. 1761. dois 
tomos. 8. 

172. D. Manuel de Menezes, chronista-mór do Reino, 
natural de Campo Maior, em seu nome publicou o Padre 
José Pereira Bayao : Chronica do muito alio, e muito escla- 
recido Principe D. Sebastião, decimo sexto Rei de Portugal, 
Primeira Parte, que contém os successos d''este Reino e CoU' 
quistas em sua menoridade, Lisboa Occidental, na Officina 





BIBLlOGRAPtílA HISTÓRICA 

Ferreiriaiia. 1730. foi. Da Segunda Parte d'esta Chronica 
sahiram apenas 169 paginas, impressas na mesma Officina e 
no mesmo anno. foi. (Livraria do Archivo Nacional da Torre 
do lombo, e a do Sr. Conselheiro Macedo). 

173. Fr. Manuel DOS Santos. E. Historia Sehasiica, 
fintem a vida do Augusto Príncipe o Senhor D, Sebastião, 
liei de Portugal, e os successos memoráveis do Reino e Con- 
quistas no seu tempo. Lisboa Occidental, na Officina de An- 
tónio Tedroso Galrão. 1735. foi. 

174. Manuel Severim de Faria. E. Relação Univer- 
sal do que succedeu em Portugal, e mais Províncias do Occi- 
dentee Oriente, de Março de 625 até todo Setembro de 626, 
Lontem muitas particularidades e curiosidades, Lisboa, por 
Criraldo da Vinha. 1626. Consta de dezeseis quartos de pa- 
pel sem numeração. 

^ Relação do que succedeu em Portugal, e nas mais Pro- 
víncias do Occidente e Oriente, desde Março de 1626 até 
Agosto de 1621 . A Gil de Nicola, Cavalleiro Francez. Évora, 
impresso por Manuel Carvalho. 1628. Consta de nove quar- 
tos de papel sem números nas paginas, Estas duas Relações 
sahiram em nome de Francisco de Abreu. De uma edição 
da primeira, que se diz impressa em Braga, por Fructuoso 
Lourenço de Basto. 1627. 4. não vimos nenhum exemplar. 

175. Miguel Leitão de Andrade, natural do Pedro- 
gam Grande. E. A Jornada de Africa d^Elrei D. Sebastião: 
erros d ella, Sfc. Responde- se ás calumnias d' alguns aucto- 
res, mostrando quão valorosamente afizeram os Poituguezes 
e as causas que houve para se cuidar ser este Rei vivo, e mo- 
vimentos que d'isso resultaram, Sfc. Veja-se o dialogo 7. 
pag. 172 e seguintes da sua Miscellanea. Lisboa, por Ma- 
theus Pinheiro. 1629, 4. 

176. Pedro JosÉ de Figueiredo. E. Carta, em res- 
posta, de certo amigo da Cidade de Lisboa a outro da Filia 
de Santarém, em que se lançam os fundamentos sobre a ver- 
dade ou incerteza da morte d^Elrei D. Sebastião na batalha 
de Alcacerquibir em Africa. Lisboa, na Officina de João Evan- 
gelista Garcez. 1808. 4. sem o nome do auctor. (*) 
-^ ^'^l'. D. Rodrigo Pinheiro, bispo do Porto, natural de 
^arcellos. E. Carta á Rainha D. Catharina, escripta do 
Porto a 13 de Janeiro de\ò6\, para que não deixe a regeu- 
íia do Reino na menoridade de seu neto D. Sebastião. Sahiu 
ms Memorias de Barbosa, tom. l. liv. 2. cap. 3. §. 31. e 
ua Fhilosophia de Príncipes, tom. 2. pag. 9 e seguintes. 

178^ D. Sebastião, decimo sexto Rei de Portugal. E. 
Mdação dú, primeira jornada que fez a Africa no anno ãe 



á 



P0RTUGDE2A. 



íò^4. Anda impressa no fim do 4. tom. das Memorias de 
Barbosa. 

Copia da Reposta damão Delrey Nosso Senhor a húa re- 
posta dei Rey de Cadella sobre a empresa em Affrica^ (cuja 
substancia vay aqui referida a letra : ) aque S. A. respondeo 
em Coruche a cinco de Janeiro de 78. Consta de ('oze quar- 
tos de papel, e não aponta o anno, nem o logar da impres- 
são. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários •^-^). 
Sahiu reimpressa no tom. 4. liv. 2. cap. l. §. 1. das Me- 
morias de Barbosa. 



179. Avto do Jvr amento que os três Estados destes Rey^ 
nos fizera em presença dei Rey nosso Senhor^ ao primeyrõ 
de Junho, de M.D. IjXXIX. E também esta aqui o Jura- 
mento que a Cidade de Lixboafez particularmente, aos qua- 
tro dias do dito mes de Junho. E outro juram.en to que o Du- 
que de Bragança fez no dito dia. E outro juramento que '» 
Senhor Dom António fez aos treze dias do dito mes de Ju- 
nho. Com licença: Impresso em Lisboa por Manoel de Jjyra. 
Consta de oito meias folhas de papel sem numeração. A gra- 
Yura do frontispício é aberta em madeira. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa). Anda também nas Provas da Primeira 
Parte da Deducção Chronologica e Analytica. 

180. Auto do Juramento que Elrei O. Filippe, segundo 
d''este nome, fez aos Três Estados d'' este Reino, e do que elles 

fizeram a Sua Magestade, do reconhecimento e acceitação do 
Principe D. Filippe, seu filho primogénito, em, lAsboa, a 14 
dias do mez de Jidho cZe 1619. jS assim o Acto das Cortes 
que a 18 dias do mesmo mez se celebrou n''ella. Lisboa, por 
Pedro Craesbeeck. 1619. Consta de 15 meias folhas de pa- 
pel numeradas de uma só parte. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa). 

181. Carta qve se mandov a camará de Lixboa en vida 
dei Rey dom Hèrrique q Deos tê, sobre a successuo destes 
reynos de Portugal. Consta de dezeseis paginas sem numera- 
ção, e é datada a 6 de Julho de 1579. 4. (Bibliotheca Real 
d Ajuda — Collecção de papeis vários relativos ao governo de 
Hespanha — tom. l). 

182. Cartas escriptas d Rainha D. Catharina quando 
durante a menoridade d^EUei D. Sebastião se quiz ratirar, 
deixando o governo d'' estes Reinos ao Cardeal Infante. Ve- 
jam-se os num, 48, 60. 52, 53. 56 e 67, 60 a 64. part, íi. 




^'S' BIBLÍOGRAPHU HISTÓRICA 

do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Regia. 1817 ç 
1818. 4. 

103. Chronica do Cardeal Rei D. Henrique, publicada 
pela Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis. Lisboa, 
na Typographia da Sociedade. 1840. 8. grande. 

184. Decreto dos Gvovernadores de Portugal, sobre ásuc- 
cessão do Heino. Consta de sete paginas sem numeração, e é 
datado de Crasto merin a jcvij . Julho. M D.LXXX. 4. (Bi- 
bliotheca Real d' Ajuda — Collecquo de papeis vários relati- 
vos ao governo de Heipanha — ^tom. 1). 

85. Instrvmentos e Escritvras dos Avtos segvintes. Auto 
do Leuantamento Sf juramento ã^el Rey nosso Senhor. Auto 
das Cortes de Tomar. Auto do Juramento do Príncipe Dom, 
Diogo nosso Senhor. Auto do Juramento do Principe Dom 
Philipe nosso Senhor. Impresso no anno de M.D. LXXXIIII, 
Constam ao todo de 24 meias folhas de papel numeradas em 
uma sd face. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

186. ()rai;ão que fez ^ disse o doctor António pinheyrona 
salla dos paços da riheyra, nas primeyras cortes que fez o 
muyio alto ^ muyto poderoso Rey dom Sebastião o primeyro 
nosso senhor, gouernando seus regnos &Ç senhorios, a muyto 
alfa Sf muito poderosa Raynha dona Caterina sua auò nossa 
senhora. Em Lixhoa. Per Joani Aluarez impressor dei Rey, 
Anno de M.D.LXIII. Com priuilegio Real. E ahi mesmo 
as sescuintes : 



Reposta do Doctor Estcuam Preto, desèbargador da casa 
da Sopricação, <^' procurador de Lixboa. 

Oracam qve fez o Doctor António Pinheyro pêra o Jura- 
mento do muyto alto &Ç muyio excelente Principe dom João 
pay dei Rey dõ Sebastião nosso seiior, pêra o qual juramêto 
chamou a cortes o muyto alto &Ç muyto poderoso Rey dom 
Joam. o lerceyro que Deos te em Almeyrim êç o dia do Jura- 
mêto em que o dito Principe recebeo da mão do muyto alto 
êÇ muyio excelente Cardeal o Iffãte dõ Henrrique seu tio o 
sacramento da confirmação na capela dos pagos da dita 
villa . 

Reposta do procurador de Lixboa leierado, quefoy o Doc- 
tor Lopo vaz, a qual por mandado dei Rey dom, Joam o ter- 
ceyro lhe fez o Doctor António pinheyro pêra elle a dizer. 

Fala que fez Frãcisco de Melo nas cortes dei Rey dom 
João o terceyro na villa de Torres nouas a xix. de Setem- 
bro. Anno de. M.D, XXV. dia de são Miguel na ygreja de 
sam Pedro. 

Reposta do Doctor Gonçalo vaz por o pouo. 

Oração q disse do Sancho de Noronha filho de, dom Fer- 



PORfUGUEZA. 



43 



nando de Faro^ nas cories que o muyto alto Sf muyto pode- 
roso Rey dom Jòão o terceyro de giorioza memoria fez em^ Al- 
meyrim, no aiuio de. M.jb.XLiiij. quãdo chamou os três es- 
tados pêra o juramento do muyto alto Sf miiyto excelète Prin- 
€Ípe dom Joam seu filho. 

Reposta de L.ixboa pello pouo^ que disse o Doctor Lnpo vaz 
desembargador da casa da suplicação Sç procurador da ci- 
dade de Lixhoa. 

Constam ao todo de vinte e seis quartos de papel sem nu- 
meração. (Livraria do Ex."^o D. Francisco de Mello Ma- 
nuel). Foram reimpressas: a primeira nas Memorias de 
Diogo Barbosa Machado, tom. 2. liv. 1. cap 12. §. 93 ^ no 
tom. 1. da Collecção das Obras Portuguezas do bispo D. 
António Pinheiro. Lisboa, na Officina de Filippe da Silva 
e Azevedo. 17ÍÍ4. 8. e nas Memorias que deu á luz o Sr. 
Vasco Pinto Balsemão. Pariz, Imprimerie de Goetschy Fils 
et Compagnie. 1832. 4. A segunda nas Memorias de Bar- 
bosa, tom. 2. liv. 1. cap. 12. §. 94. e nas impressas em 
Pariz. A terceira e quarta no tom. 1. da Collecgão acima 
indicada. A sétima e oitava nas Memorias do Sr. Balse- 



187. Patente das Mercês, Graças, e Privilégios, de qve 
elrei Dom Philippe nosso senhor fez mercê a estes seus Re- 
gnos. JE a diante vai outra Patente das respostas das Cortes 
de Tomar. Estas Patentes m,andou_ Sua Majestade que se 
posessem na Camará desta Cidade de Lisboa, Sf outras taes 
do m.esmo teor na torre do Tombo, onde stõo. Em Lis- 
boa, per António Ribeiro Impressor dei Rey Nosso Senhor, 
3I.D.LXXXIIL O titulo que se acha estampado na quinta 
folha é o seguinte : Patente, em, que vão incorporados os ca- 
pitoíos, que os três stados destes reinos appresentarão a Sua 
Majestade nas Cortes que fez na Filia de Tomar em Abril 
de M. D. LXXXÍ. E as Respostas que Sua Majestade a elles 
entam mandou dar. Constam ao todo de vinte meias folhas 
de papel sem numeração. (Bibliotheca Nacional de Lisboa), 

188. Porta e Arco Triumphal que a Nação Ingleza or- 
denou ao recebimento e entrada em Lisboa d''Elrei Filippe 
III. de Hespanha, e II. de Portugal, o anno de 1619. Im- 
presso era Lisboa, por Jorge Rodrigues. 16 19. 4. Consta de 
oito folhas sem numeração. (Livraria das NecessidadeSj Pa- 
peis Miscel. 231). [^) 

189. Relaçam do succedido na Ilha de Sam Migvel sen- 
do Governador nella Gonçalo Faz Covtinho, Com a Armada 
Real de Inglaterra, General Roberto de Morevs Conde de 
Mssexia. Anno de lõ91. Com licença, dm Saneia, ^ Gerai 



BlBLIOGUAPàlA HiStORICA 

Inquisição, Mm Lisboa em casa de Alexandre de Siqueyrtí 
Impressor deLiuros. Anno deM.B.XC.FII. Consta de oito 
quartos de papel numerados em ambas as faces. (Bibliotheca 
Publica do Rio de Janeiro — Collecção de Diogo Barbosa 
Machado — ^ol. 41. e quarto das Noticias dos Cercos). 

190. Relação das Kxeqvias d^et Rey Dom Filippe nosso 
senhor, primeiro deste nome dos Reys de Portugal. Com 
alyús sermões que neste Rey no se fizer ao. Com licença da 
S. Inquisição, Em Lisboa. Impresso por Pedro Crasbeeck. 
M.DC. 4. 

191. Relação da enfermidade e morte d"^ Mirei D. Filtp- 
pe III. e o testamento que fez, com outros graves documen- 
tos e conselhos que deu ao Principe e Infantes ," e o alevan- 
tamento de D. Filippe IV. com todas as novidades que sue- 
cederam na Corte até agora. Libboa, por Pedro Craesbeeck. 
1621. 4. Consta de quatro folhas sem numeração. (*) 

192. Reposta Que os três Estados do Reyno de Portugal 
a. s. Nobreza^ Clerezia, e Povo, mandarão a Dom Joam de 
Castro, Sobre hum Livro que lhes dirigio, sobre a vinda e 
apparecimento dei Rey Dom Sebastião. Consta de 265 pa- 
ginas, e é dividida em quatorze capítulos. O exemplar que 
•vimos na Livraria do Sr. Conselheiro Joaquim José da Costa 
de Macedo não traz folha de rosto ^ do caracter da leLtra 
porém se conhece ter sido impresso em Pariz. 8. 

193. O socedido á Armada de S. Magestade, de que he 
Capitão geral o Marquez de Santa Cruz, na batalha que 
deu á Armada que trazia Dom António nas ylhas dos Açores. 
Consta de 7 paginas, e não aponta o logar da impressão, 
nem o nome do Impressor, foL (Bibliotheca Real d'Ajuda). 



fORTUOUEZA. 



47 



TITULO 7." 



MIÇMORUS E ESCRIPTOS DO BFÍNADO DO SKNHO» ». JOÍO IIV. 



194. André de ALBuauERauE Ribafria, natural de 
Cintra. Escreveu : Relação da victoria que alcançou do Cas- 
telhano André de Albuquerque, General da Cav aliaria, e Al- 
caide-mor de Cintra, entre Arronches e Assumar, em 8 de 
Novembro de 1653. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 
1653. 4. Oito paginas de impressão. (^) 

195. António Carvalho de Parada, guarda-mór do 
Real Archivo', natural do Sardoal. E. Justificação dos Por- 
iuguezes sobre a acção de libertarem seu Reino da obediên- 
cia de Castella. Offerecida ao Serenissimo Príncipe D. Theo- 
dosio. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1643. 4. 

19G. António Fialho Ferreira, natural de Macau. E. 
Relação da viagem que, por ordem de Sua Magestade, fez 
António Fialho Ferreira d'' este Reino á Cidade de Macau 
na China, e felicissima acclamação de Sua Magestade Mirei 
D. João IV. na mesma Cidade^ e portos do Sul. Lisboa, na 
Officina de Domingos Lopes Rosa. 1643. 4. Onze paginas 
de impressão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa — Papeis Vá- 
rios f^). 

197. António Moniz de Carvalho, enviado a varias 
cortes da Europa, natural de Vianna do Minho. E. Memo- 
ria da jornada e successos que houve nas duas Embaixadas 
que Sua Magestade mandou aos reinos de Suécia e Dina- 
marca. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1642, 
e não 1641, como escreveu Barbosa. 4. Tem 26 paginas. 
(Livraria das Necessidades, Papeis Miscel. -^^^J-^g a Biblio- 
theca Nacional de Lisboa). 

198. António Paes Viegas, secretario d'estado d'EI- 
rei D. João IV. E. Manifesto de Portugal, no qual se de- 
clara o direito, as causas, e o modo que teve para exirnir-se 
da obediência d''Elrei de Castella, e tomar a voz do Serenis- 
simo D. João IV. do nome, e decimo oitavo entre os Reis 
verdadeiros d'' este Reino. Lisboa, por Paulo Craesbeeck» 
1641. 4. Consta de 42 folhas numeradas de uma só parte. 
(Livraria das Necessidades, Papeis Vários -^^)- Vimos ou- 
tra edição da luesma Officina j impressa em 34 folhas dequar- 



48 



BIBL106BÁPHIA HISTÓRICA 



to. (Bibliotheca Real d'Ajuda). Sahiu também a pag. 9 é 
seguintes da Respuesta ai Manifiesto dei Reino de Portugal 
por D. Juan Caramuel. Amberes en la Ofíicina Plantiniana 
de 13althazar Moreto. 1642. 4. O Abbade Barbosa cita ou- 
*r í^^í^lP^^f ^2o ^'e^^e Manifesto, feita em Amsterdam por 
Faulo Matheo, de que não descobrimos nenhum exemplar. 

Relação dos gloriosos successos que as armas d^Elrei D. 
João 1^. tiveram nas terras de Castella, no anno de 1644, 
ate a memorável victoria do Montijo. Lisboa, por António 
Alvares. i644, 4. sem o nome do auctor. Consta de 34 pa- 
ginas. {^) (@) ^ 

Relação dos successos que nas fronteiras d'ede Reino tive- 
ram as armas d^Elrei B. João IV. com as de Castella, de- 
pois da jornada do Montijo, até fim do anno de 1644, com 
Q victoriosa defensa d^Elvas. Lisboa, por António Alvares. 
1646, e naol644, como se acha impresso im Bíbliotkeca Lu^ 
ntana. 4. sem o nome do auctor. Tem 95 paginas. (^) 

199. P. António Rodrigues de Almada, bacharel for- 
mado em Cânones. E. Problema Académico e Histórico, em- 
que se propõe qual foi 7naior acção em os Portuguezes se o 
valor com que acclamaram o Senhor Rei D. João IV. se a 
prudência com que o seguiram acclamado. Lisboa Occiden- 
tal, na Oíficina dos herdeiros de António Pedroso Galrão. 

114:1. 4. 

200. António de Sousa de Macedo, natural do Porto. 
^. ranegjirico sobre o milagroso successo com que Deus li- 
vrou a Mirei da sacrílega traição dos Castelhanos. Lisboa, 
por Paulo Craesbeeck. 1647. 4. Consta de 25 padnas (Li» 
vrana das Necessidades, Miscel. Milit. e Polit tom. I.) 

20 1. António Veloso de Lyra, cónego da Sé do Fun- 
chal, natural da Ilha da Madeira. E. Espelho de Lusitano, 
em ochrtstal do Psalmo quarenta e ires, cuja vista repre- 
senta este Remo em três Estados : o primeiro desde seus prin> 
ctpio, com todas as suas felicidades e grandezas até á morte 
a mrei U.Joao HL; o segundo as calamidades einfortunior 
eo>neçado. em El rei D. Sebastião, e continuados por todo o 
governo castelhano; o terceiro as maravilhas obradas por 
neus em a feliz acclamação e restauração d^Elrei D. João 
J^_ com os mais raros casos n^elle succedidos, assim n'eúe 
Remo como em Castella. Lisboa, por Paulo Craesbeeck, 
164^.^4. et ibi, na Officina de Domingos Rodrigues. 1753. 
4. D esta edição deixou de fazer memoria o Abbade de Se=^ 
ver . 

«02. Ayres Varella, cónego da Sé d'Elvas, natural da 
mesma cidade. E. Sticcessos que houve nas fronteiras d'El- 



PORTUGDEZA. 49 

vat, Olivença, Campo Maior , e Ouguella, o primeiro anno 
da recuperação de Portugal, que começou em, o primeiro de 
Dezembro de 1640, e fez fim em o ultimo de Novembro de 
1641. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1642. 
4. Consta de 38 folhas. (^) (@) 

Successos que houve nasfrontfjirasd^Mlvas, Olivença^ Cam- 
po Maior,^ e (íuguelln, o segundo anno da recuperarão de 
Portugal, que começou em o primeiro de Dezembro de 1641, 
€ fez fim em o ultimo de Novembro de 1642. Lisboa, na 
Officina de Domingos Lopes Rosa. 1643. 4. Tem 112 pa- 
ginas. {^) 

503. D. Fr. Cristóvão deLisboAj bispo de Angola. Eó 
Manifesto da injustiça, cegueira, declinação presente, e fu- 
tura ruina de Casteíla, e do abono, patrocinio, e amparo di^ 
yino da justiça de Portugal, verdades todas estampadas no 
maravilhoso caso que succedeu 71* esta Cidade de Lisboa, dia 
do Corpo de Deus, em que o Senhor livrou com sua omni- 
potência a Magestade d'' El rei D. João IV. da morte que á 
traição lhe intentaram dar os Castelhanos. Lisboa, por Paulo 
Craesbeeck. 1647. 4.' sem o nome do auclor. 

204. D. Duarte, irmão d'Elrei D. João IV. E. Carta 
a um Ministro do Imperador, escripta a 6 de Agosto de 1 642^ 
quando o levaram prezo para Milão. Acha-se impressa nas 
Provas da Hist. Geneal. da Casa Meai. tora. 4. liv. 6. numi 
272. 

205. Fr. Francisco Brandão. E. Discurso Graiula- 
iorio sobre o dia da feliz restituição e acclamação da Mages- 
tade d''Elrei D. João IV. Lisboa, na Officina de Lourenço 
de Anveres. (l642). 4. (^) 

Relação do assassínio intentado por Casteíla contra a Ma- 
gestade d''Elrei D. João IP . e impedido miracidosamente . 
Lisboa^ por Paulo Craesbeeck. 1647, e não 1641, como es- 
creveu Diogo Barbosa Machado. Q-uinze paginas de im- 
pressão, sem o nome do auctor. (Bibliotlieca Nacional de 
Lisboa, Papeis Vários -'^^). 

206. Francisco LeitSo da Silva, natural de Lisboa^ 
E. Relação da morte e enterro da Magestade Sereníssima 
d'Elrei D. João IF. de gloriosa memoria. Lisboa, na Offi- 
cina de Domingos Lopes Rosa. 1656. 4. Q,uinze paginas de 
impressão. (Livraria de Jesus, Papeis Vários '^^f). 

207. Francisco Velasco de Gouvea, lente da Univer- 
sidade de Coimbra, natural de Lisboa. Em seu nome se pu- 
blicou : Justa Acclamação do Sereníssimo Rei de Portugal 
D. João IV. Traciado Analytico ordenado e divulgado em 
nome do mesmo Reino ^ em justificação de sua acção. Dirí- 



50 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



gido ao Swmtno Pontífice da Igreja Catholica, Reis, Prin- 
cipeSj Republicas, e Senhores Soberanos da Christandade . A* 
custa dos ires Estados do Reino» Lisboa, na Officina de Lou- 
renço de An veres. 1644. foi. 

208. Garcia Soares Souto Maior, natural da villa 
de Moura. E Relação do siiccesso que teve Fernão Telles 
de Menezes, General dn Província da Beira, na tomada da 

fortaleza de Elges, e Villa de Valverde, no reino de Castella. 
Lisboa, por António Alvares. 1642. 4. Consta de 5 pagi* 
nas. (^) 

Relação verdadeira da milagrosa victoria que de Castella 
alcançou o Capitão D. Henrique Henriques, em, companhia 
do terço de D, Francisco de Sousa, nos cam,pos de Moura, 
d''onde é Capitão-mór Luiz da Silva Telles, aos 14 de Março 
díel642. Lisboa, na Ofâcina de Domingos Lopes Rosa. 1642. 
4. Consta de 8 paginas, (g^) 

209. PIgnacio Mascarenhas, jesuita, natural de Mon- 
te-mór o Novo. E, Relação do successo que teve na jornada 
que fez á Catalunha, por mandado de Sua Magestade Elrei 
D. João IV. aos 7 de Janeiro de 1641. Lisboa, na Offi- 
cina de Lourenço de Anveres. 1641. 4. Consta de 16 pa- 
ginas. 

210. Joio Baptista Domingues, natural de Lisboa. E. 
Vida do Principe D. Theodosio. Lisboa, na Officina dos 
herdeiros de António Pedroso Galrão 1747. 4. 

211. JoÂo Campello de Macedo, capellao d'Elrei D. 
João IV. natural d'Obidos. E. Disposição e ordem, pelaqual 
se mostra como se celebrou o baptismo do Senhor Infante D. 
Aff onso , filho d'' Elrei D. João IV. na sua Capella Real de 
JJshoa. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1644. 4. Consta de 
20 paginas. 

212. JoAO Franco Barreto, natural de Lisboa. É. 
Relação da viagem que a França fizeram Francisco de Mel- 
lo, Monteiro-mór do Reino, e o Doutor António Coelho de 
Carvalho, indo por Embaixadores Extraordinários do m.uito 
alto, e muito poderoso Rei D. João IV. ao muito alto, e 
muito poderoso Rei de França Luiz XIII. cognominado o 
Justo, em 1641. Lisboa, na Officina de Lourenço de Anve- 
res. 1642. 4. (Livraria das Necessidades, Relações Varias 
-J-f-)' D'ella possuimos um exemplar. 

213. V. João Maraues Moreira. E. Relação da ma- 
gestosa, m,isteriosa e notável acclamação que se fez á Mages- 
tade d^ Elrei D. João IV. na Cidade do Nome de Deus, do 
grande Império da China, e festas que je fizeram pelos Se- 
nhores do governo publico y e outras pessoas no anuo de 1642. 



PORTCGCEZA 



Si 



Lisboa, na Officiua de Domingos Lopes Rosa. 1644. 4. 
Consta de 40 paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

214. João Nunes da Cunha, primeiro Conde de S.Vi- 
cente. E. Panegyrico ao Sereníssimo Rei D. João IV. res- 
taurador do Reino Lusitano. Lisboa, na Officina de Antó- 
nio Craesbeeck de Mello. 1666. 4. 

2 15. João Pinto Ribeiro, guarda-mór do Real Archi- 
vo, natural de Lisboa. E. Usurpação, Retengão, Restaura- 
ção de Portugal. Lisboa, na Ofâcina de Lourenço de Anve- 
res. 1642. 4. {^) e na 2. part. das suas Obras. Coimbra, 
na Officina de José Antunes da Silva. 1730. foi. 

Injustas successões dos Reis de Leão e de Castella, e «em* 
pção de Portugal. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1642. 4. 
e na 2. part. das saas Obras. 

Desengano ao parecer enganoso que se deu o Eírei de Cas- 
tella D. Fiiippe IV. contra Portugal. Lisboa, por Paulo 
Craesbeeck. 1645. 4. e na 2. part. das suas Obras. 

216. João Rebello Veloso. E. Aviso exhortatorio aos 
fide/issimos três Edados do felicíssimo Reino de Portugal. 

Lisboa, naOfficina de Lourenço deAnveres. 1642.4. Consta 
de 6 paginas. Refere-se á prisão do Lifante D. Duarte, 

217. João Rodrigues de Sá eISIenezes, terceiro Conde 
de Penaguião. E. Elogio funeral do Príncipe D. Theodosio. 
Relação das exéquias e lutos com que sentiu sua morte o Ex- 
cellentissimo Senhor João Rodrigues de Sá, Conde de Pena- 
guião, Camareiro-mór de Sua Mngestade, dos Conselhos de 
Estado e Guerra, e Embaixador Extraordinário em Ingla- 
terra. Escripta por um criado que assiste a sua Excellencia, 
Londres, 25 de Agosto de 1653. 4. sem o nome do Impres- 
sor. (5) 

Ultimas acções d^Elrei D. João IV. Lisboa, na Officina 
Craesbeeckiana. 1657. 4. Esta obra sahiu em nome de M* 
cente de Gusmão Soares: consta de 56 paginas. D'ella pos- 
suiraos um exemplar. 

218. João SalgAdo deAràujo, abbade de Pêra, natu- 
ral de Monção. E. Successos Militares das armas portugue- 
zas cm suas fronteiras, depois da acclamagão contra Castelloj 
com a geographia das Províncias, e nobreza d''ellas. Lisboa, 
por Paulo Craesbeeck. 1644. 4. 

2!9. P. JoÁo de Vasconcellos, jesuita, natural de Lei- 
ria. E. Restauração de Portugal prodigiosa. Lisboa, por 
António Alvares. 1643 (e no fim 1644). 4. et ibi, na Offi- 
cina de Manuel Soares Vivas. 1753. 4 edição de que não 
dá noticia a Bibliotheca Lusitana, Sabiu com o supposto 
nome de Gregório de Almeida, 




à2 



BSBLlOGBAPHlà HISTÓRICA 



220. Fk. Jorge de Carvalho, monge de S. Bento, na- 
tural de Lisboa. E. Relação verdadeira dossvccessos do Conde 
de Castcllo Melhor^ prezo na Cidade de Carthagena de ín- 
dias, e hoje hvre por particular mercê do Ceu, e favor d'Et- 
ret />. João IF, na Cidade de Lisboa. Lisboa, na Officina 
de Domingos Lopes Rosa. 1642. 4. sem o nome do auctor. 
Consta de 22 paginas. (^) 

221. Lucas de Andrade, prior de Villa Verde, natural 
de Lisboa. E. Breve Rela<^ão do sumptuoso enterro que se 

fez em \1 de Maio de í 653 ao Serenissimo Príncipe o Senhor 
D. Theodono, desde os Paços de Alcântara ao Real Con- 
vento de Belém, onde foi depositado. Lisboa, por António 
Alvares. 1653, en ao 16. 5 9, como escreveu Barbosa. 4. Consta 
de 26 paginas. (Livraria de Jesus, Papeis Vários ^^^). 

Breve Relação do que succedeu depois da morte da Sere- 
níssima Senhora D. Joanna, Infanta de Portugal. Ibi, pelo 
dito Impressor. 1654 4. Tem 15 paginas. (Livraria de Je- 
sus, Papeis Fartos -,--). 

222^ Luiz Marinho de Azevedo, natural de Lisboa. E. 
Relação verdadeira da milagrosa victoria que alcançaram os 
Fortuguezes que assistem na fronteira de Olivença, a Í^J de 
Setembro de 1641. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. 4. 
Doze paginas de impressão, sem o nome do auctor. (^) (©) 
Relação de duas vic farias que os moradores da Aldeã de 
Santo Aleixo, e das Villas de Mourão e Monsaraz alcança- 
ram dos Castelhanos, a 6 e a 16 de Outubro de 164i, e soò- 
corros que lhes mandou o General Martim ^ffonso de Mello ; 
e de outro successo na Villa de Campo Maior em o mesmo 
mez. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. 4. sem o nome do 
auctor. Consta de 8 paginas. (^) (^) 

Relação da entrada que o General Martim Affonso de Mello 
fez na Filia de Valverde, e victoria que alcançou dos Caste- 
lhanos. Lisboa, por Jorge Rodrigues. I64Í. 4. Onze paginas^ 
de impressão, sem o nome do auctor. (^) (@) 

Conimentario dos valorosos feitos qUe os Portuguezes obra- 
ram, em defensa de seu Rei e Pátria, na guerra do Alem- 
iejo. Part. 1. Dedicada a Pêro da Silva, Conde de S» 
Lourenço. Lisboa, na Officina de Lourenço de Anveres. 
1644. 4. 

223. Fr. Manuel da Conceição, agostiniano descalço, 
natural de Villa Viçosa. E. Ultimas acções da Serenissima 
Rainha D. Luiza Francisca de Gusmão. Lisboa, por Dioo-o 
Soares de Bulhões. 1666. 4. É um folheto de 33 paginas, 
sem o nome do auctor. D'elle possuimos um exemplar. 
_^24, Fr, Manuel da Cruz, religioso dominicoj natural 



PORTUOUEZiti. 



53 



de Coimbra. E. Falia que fez o P. Fr. Manuel da Cruxj 
Mestre em S. Theologia^ Deputado do S. Officio^ e das Or^ 
deus Militares na segunda instancia, Vigário Geral da Or^ 
dem dos Pregadores da índia ^ no Acto solemne em que o 
Conde João da Silva Tello e Menezes, Ficerei e Capitão Ge- 
ral do Estado da índia, depois de ter acclamado e Jurado o 
Serenissimo Rei D. João IV. jurou o Príncipe D. Theodo- 
sio, seti primogénito e herdeiro, a 20 de Outubro de 1641. 
Dedicada ao mesmo Conde Vicerei. E no fim : Impresso em 
€roa : Dezembro de 1611. 4. Consta de quatorze folhas sem 
numeração. (Bibliotheca Publica do Rio de Janeiro — CoU 
lecção de Diogo Barbosa Machado — vol. 18. e segundo dos 
Autos de Cortes). Sahiu reimpressa: Lisboa, na Officina de 
Lourenço de Anveres. 1642. 4. (Livraria do Archivo Nacio- 
nal da Torre do Tombo, Relações da Lidin. vol. 2. num. 6 ^ 
Livraria das Necessidades, Papeis Miscel.-f^-). 

22Õ. D. Manuel da Cunha, bispo d'll.ivas, e arcebispo 
eleito de Lisboa, d'oiide era natural. E. Proposta que fez 
nas Coites que se celebraram em, 18 de Setembro na Cidade 
de Lisboa, diante da Magestade d''Elrei D. João IV. Lis* 
boa, por Manuel da Silva. 1642. 4. Seis paginas de impres- 
são. (Livraria de Jesus, Papeis Vários ~-^ ; Livraria da& 
Necessidades, Papeis Miscel. -^/). 

Proposição das Cortes que se celebraram em Lisboa a 28 
de Dezembro de 164.'}, diante da Magestade d^ Mirei D. João 
IV. estando presentes os três Mstados do Reino. Lisboa, por 
Paulo Craesbeeck. 1645. 4. Consta de 6 paginas. (Livraria 
das Necessidades, Miscel. Milit. e Polit. tom. 1.). 

22Q. D. Manuel da Cunha, e Jorge de Araújo Es- 
taco, escreveraní : Pratica que I). Manuel da Cunha, Bis- 
po d^Elvas, Capellão-mór de Sua Magestade, do seu Con- 
selho de Estado, nomeado Arcebispo de Lisboa, fez no Ju,-' 
r amento do Sereníssimo Príncipe D. 4ffonso, nas Cortes 
que se celebraram em Lisboa, em 22 de Outubro de 1653, 
diante da Magestade d^ElreiD. João IV. estando presenteias 
ires Estados do Reino. — Proposição que D. Manuel da Cu- 
nha, Bispo d"* Elvas, fez nas Cortes que se celebraram em Lis- 
boa, em 23 de Outubro de Í653, diante da Magestade d' Mi- 
rei D. João IV. estando presentes os três Estados do Reino. 
— Resposta que dtu o Doutor Jorge de Araújo Estago, Fi- 
dalgo da Casa de Sua Magestade, do Conselho de sua Fa- 
zenda, e Juiz das Justificações d^lla^ como Procurador de 
Cortes da Cidade de Lisboa^ á Proposta do Juramento do 
Sereníssimo Príncipe D. Affonso, feita pelo Bispo Capellão- 
mòr} çm o Ada de Cúrte$ 4^%^ dç Outubro doanno de 1663. 



H 



BIBLIOGKAPHU HISTÓRICA 



í!l'^'!l 



— Resposta que fez o Doutor Jorge de Araújo Estaco^ Fi- 
dalgo da Casa de Sua Magestade, á Proposta feita pelo Bis- 
po Capellão-mor^ em o Acto de Curtes, que se celebraram em. 
23 de Outubro de 1653. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 
J653. 4. Constam ao todo de 22 paginas. (Bibliotheca Pu- 
blica d'Evora). A Proposição sabiii reimpressa no tom. 2». 
num. 9. da Mnemosine Lusitana. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1817. 4. 

227, Fr. Manuel Homem, religioso dominieo, natural 
de Lisboa. E. Desci ipgão da jornada e Embaixada Extraor- 
dinaria que fez a Franga D. Álvaro Pires de Castro, Conde 
de Monsanto^ Marquez de Cascaes, êçc. Offerecida ao Illus- 
tris&imo e Reverendíssimo Senhor D. Francisco de Castro^ 
Bi^po da Guarda. Pariz, por João de la Caille. 1644. 4. 
(Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

Relagào segunda das grandezas do Marquez de Cascaes, 
Conde de Monsanto, Embaixador Extraordinário a Elrei 
Christianissimo, e de sua chegada á Cidade de Nantes, e as- 
sistência n''ella até partir para Portugal. Nantes, por Guil- 
lelmo de Monnier. 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

Resurreigão de Portugal, morte faial deCastella. Nantes, 
por Guillelmo de Monnier. 4. Sahiu em nome de Fernão 
Homem de Figueiredo. 

Memoria da disposição das armas castelhanas que injusta- 
mente invadiram o Reino de Portugal no anno de 1580, 
despertadora do valor portuguez para não temer, da pru- 
dência e conselho para ordenar o presente, da prevenção e 
cautella para dispor o futuro. Lisboa, na Officina Craesbeec- 
kiana. 1655. 4. et ibi, na Officina de Miguel Manescal da 
Costa. 1763. 4. 

228. Manuel Jacome de Mesôuita, morador na ci- 
dade de Goa. E. Relação do que succedeu na Cidade de Goa ^ 
€ em todas as mais Cidades e fortalezas do Estado da índia, 
na feliz Declamação d''Elrei D. João IV. de Portugal, e 
no juramento do Principe D. Theodosio, seu muito presado 
e amado filho, conforme a ordem que a uma e outra cousa 
deu o Conde de Aveiras João da Silva Tello e Menezes, 
Vicerei e Capitão Geral do mesmo Estado. Dedicada ao 
Principe D. 'Pheodosio. Impresso no Collegio de S. Paulo 
J^úvo da Companhia de Jesus. Anno 1643, e não 1644, como 
diz Barbosa. 4. Consta de vinte e cinco folhas sem numera- 
ção. (Bibliotheca Publica d'Evora). 

229, Manuel Marques. E. Relação da viciaria que al- 
cançou em 2 de Setembro de 1641 o General Martim Affonso 
de Mellif^ nos campos da Cidade d^Elvas, contra o inimigo 



PORTUGUEZA. ^^ 

Castelhano, Lisboa, por Manuel da Silva. 1641. 4. Consta 
de 8 paginas. (^) (©) 

Relação da victoria que o Governador de Olivença , Ro- 
drigo de Miranda Henriques^ teve dos Castelhanos^ e soccor- 
ro com que lhe acudiu o General Martim Affonso de Mello, 
em 17 de Setembro de 1641. Lisboa, por António Alvares. 
1641. 4. Dezeseis paginas de impressão. (^) (^) 

Relação da victoria que alcançou o Alferes Christovão de 
Carvalho', nos campos da Villa de Olivença, contra o inimi- 
go castelhano, a 25 de Setembro de 1641. Lisboa, por An- 
tónio Alvares. 1641. 4. Tem 5 raginas. (^) 

230. Manuel Rodrigues, í aturai do logar deTeixoso. 
E. Relação do que succedeu ??• . Provinda da Beira, depois 
que chegou D. Álvaro de Abranches por Capitão General 
d''ella, e do exercito que assiste n''aquellas fronteiras. Lis- 
boa, por António Alvares. 1641. 4. Consta de 11 pagi- 
nas. (^) 

231. Fr. Matksos da Assumpção, traduziu na lingua 
materna : Historia das Revoluções de Portugal, escripta em 

franeez pelo Abbade de Vertot, da Academia Real das Ins- 
cripçôes e Beilas Lettras de Pariz, correcta e illudradacom, 
varias notas. Tom, 1. e 2. Lisboa, na Typographia Rollan- 
diana. 1315. 8. 

232. P. Nicolau da Maia de Azevedo, natural de 
Lisboa. E. Relação de tudo o que passou na feliz acclaria- 
ção do muito alto, e mui poderoso Rei D. João IP^. Ifiri- 
gida aos Fidalgos de Portugal. Lisboa, á custa de Lourenço 
de Anveres, e na sua OMcioa. Consta de 16 quartos de 
papel. (^) Sabiu pela segunda vez com a Historia da Accla- 
mação, de Roque Ferreira Lobo. Lisboa, na Ofôcina de Si- 
mão Thaddeu Ferreira. 1803. 8. 

233. Pedro Vaz Cirne de Sousa, freire da Ordem de 
Malta, natural de Guimarães. E. Relação do que tem obra- 
do Rodrigo Pereira de Soutomaior, Capitão e Alcaide-mor 
da Villa de Caminha, e da, de Valladares, no serviço de Sua 
Magcstade, depois da sua feliz acclamação e restauração 
n^este Reino de Portugal. Lisboa, na Ofâcina de Lourenço 
de Anveres. 1641. 4. Dezeseis paginas de impressão, sem o 
nome do auctor. (^) (0) 

Relação do que fez a Villa de Guimarães desde o tempo 
da feliz acclamação de Sua Magestade, até o mez de Outu- 
bro de 1641. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. 4. Doze 
paginas de impressão. (0) 

234. RoauE Ferreira Lobo. E. Historia da feliz ac- 
clamação do Senhor Rei D, João IV, com uma Serie Chro- 

8 





BlBLIOGRiPHIA HISTORICi 

nologica dos Senhores Reis de Portugal. Lisboa, na Ofíici- 
na de Simão Thaddeu Ferreira. 1803. 8. 

235. RuY DE Figueiredo de AlarcÂo. E. Relação do 
iuccesso que Ruy de Figueiredo, Fronteiro da raia de Traz- 
os-Montes, teve na entrada guefez no reino de Galliza. Lis- 
boa, por Manuel da Silva. 1641. 4. Sete paginas de impres- 
são. (^) (®) 

Segunda Relação verdadeira de alguns successos venturo- 
sos que teve Ruy de Figueiredo, Fronteiro-mór da Filia de 
Chaves, na entrada que fez e ordenou em alguns lagares do 
reino da Galliza, nos ul timos dias de Agosto, até se recolher 
á dita Filia. Ibi, pelo dito Impressor. 1G41. 4. Consta de 
8 paginas. (^) {Q)^ 

Terceira Relação do successo que teve Ruy de Figueiredo 
de Alarcão nas fronteiras de Chaves, Monte- Alegre, e Mon^ 
forte, segunda feira 9 de Setembro de 1641. Ibi, por Jorge 
Rodrigues. 1641. 4. Oito paginas de impressão, (è) (0) 

Qxiarta Relação verdadeira da victoria que o Fronteiro- 
mór de Traz-os-Montes, Ruy de Figueiredo de Alarcão, 
houve na sua fronteira, cinco legoas de Miranda, em, Rran- 
delhanes, terra de Castella, em que por sua ordem, se achou 
com elle Pedro de Mello, Capitão-mór de Miranda. Ibi, 
pelo dito Impressor. 1641. 4. Consta de 6 paginas. (^) (^) 
236. Fr. Timotheo de Seabra Pimentel, jesuita, e 
depois carmelita, natural de Lisboa. E. Exhortação Mili- 
tar, ou Lança de Achilles aos Soldados Portuguezes, pela de- 
fensão de seu Rei, Reino e Pátria, em, o presente apresto 
de guerra. Dirigida ao Sereníssimo Principe D. Theodosio» 
Lisboa, na Ofíicina Craesbeeckiana. 1650. 4. 



537. Assento feito em Cortes pelos três Estados dos Rei- 
nos de Portugal, da acclamação, restituição, e juramento 
dos mesmos Reinos ao muito alto, e muito poderoso Senhor 
Rei D. Joãolf". doeste nome. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 
1641 . 4. Consta de 14 folhas numeradas de uma só parte. 
(Livraria das Necessidades, Papeis Vários -^^)' 

238. Autos do levantamento e juramento que por os 
Grandes, Títulos Seculares e Ecclesiasticos, e pessoas que se 
acharam presentes se fez a Elrei D. João IF. na Coroa e 
Senhorio d"* estes Reinos, e do que elle fez ás mesmas pessoas 
na Cidade de Lisboa, em os 15 dias do mez de Dezembro de 
1640. M da ratificarão do juramento que os ires Estado» 



PORTtGUEZA . 



S7 



cVesies Reinos fizeram a Elrei, e do juramento, preito, c 
menagem que os mesmos três Justados fizeram ao Sereníssi- 
mo Príncipe D. Theodosio, em a Cidade de Lisboa, a 28 
dias do mez de Janeiro de 1641. JS das Cortes que fez aos 
ires Estados do tteino Elrei D. João IV. na mesma Cidade 
de Lisboa, a 29 do dito mez de Janeiro do m,esmo anno de 
1641. Lisboa, por António Alvares. 1641. Constam ao todo 
de 26 meias folhas de papel. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa). Andam também no fim das Chronicas de Duarte Nu- 
nes do Leão. 

239. Autos das Cortes que se celebraram, n''esta Cidade 
de Lisboa, em 19 de Setembro de 1642, pelo Estado dos Po- 
vos. Lisboa, por António Alvares. 1645. foi. Constam de 26 
paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

240. Capítulos Geraes apresentados a Elrei D. João IV, 
nas Cortes celebradas em Lisboa com os três Estados, em 28 
de Janeiro de 1641. Com> suas respostas de 12 de Setembro 
de 1642. Com, as replicas, respostas, e declarações d''ellas em, 
1645. Lisboa, por Paulo Craesbeeck . 1645. foi. (Bibliotheca 
Nacional de Lisboa). 

241. Capítulos das Cortes que se celebraram, em, IJsboa, 
aos 16 de Março de 1646. Constam de 4 meias folhas de 
papel, e não declaram o logar da impressão, nem o nome 
do Impressor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

242. Carta que escreveu o Embaixador Francisco de 
Sousa Coutinho á Junta de Ratisbona, no Império de Ale- 
manha, sobre a liberdade do Infante D. Duarte. Lisboa, 
na Officina de Lourenço de Anveres. 1641. 4. Consta de 8 
paginas. E vertida do original latino, datado de Stockhol- 
mo a 24 de Julho do dito anno. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa). D'esta carta ou manifesto vimos mais duas tra- 
ducções, de que adiante se faz menção. 

243. Carta que se escreveu do nosso exercito em, 23 de 
Setembro de 1643, em que se dá relação da entrada em Val- 
verde e campos de Castella, cerco de Badajoz, e tomada do 
alto da parte de Castella. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 
1643. 4. Consta de 7 paginas. (^) (0) 

244. Copia de uma Carta, em, que se dá breve noticiado 
succedído desde o dia da feliz acclamação d"* Elrei até o pre- 
sente. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1642. 4. Consta de 27 
paginas. (Q) ^ 

245. Copia de uma Carta que de Évora escreveu um 
collegial do Real Collegio da Purificação, a outro seu ami- 
go em Lisboa, em que lhe relata o recebimento de Siia Ma- 
gestade na Cidade de Évora. Lisboa, por Paulo Craesbeeck, 
1643, 4, Consta de 16 paginas. 



h8 



BIBLIOGBÁPHU HISTÓRICA 



246. Copia das Cartas que a Rainha de Suécia escreveu 
a Sua Magestade o Sereníssimo Rei jD. João IV. e á Rai- 
nha ; com a relação das armas que do reino de Suécia trouxe 
o Embaixador Francisco de Sousa Coutinho. Lisboa, por An- 
tónio Alvares. 1642. 4. Oito paginas de impressão. (^) 

247. Discurso Politico sobre o se haver de largar á Co- 
roa de Portugal angola, S. Thomé, e Maranhão, excla- 
mado aos altos e poderosos Estados de Hollanda, pelo Doutor 
Francisco de Jndrade Leitão, Embaixador Extraordinário 
nos mesmos Estados, pela Magestade d^Elrei D. João IV. e 
do seu Conselho, e seu Desembargador do Paço. Lisboa, por 
António Alvares. 1642. 4. Consta de 8 paginas. (?g) Este 
papel e o seguinte foram traduzidos dos originaes que se pu- 
blicaram em Haya na lingua latina. 

Copia das Proposições, e segunda /íllegnção, que o Doutor 
Francisco de Andrade Leitão^ Desembargador do Paço^ do 
Conselho do Serenissimo Rei de Portugal, e seu Embaixador 
Extraordinário aos altos Senhores, Ordens Geraes, e Poten- 
tes Estados das Provindas Unidas, lhes presentou, acerca da 
restituição da ClJade de S. Paulo de Loanda em Angola, 
€ da Ilha e Cidade de S. Thomé ; e acerca da Ilha, Cida- 
de, e Districto do Maranhão, e outros togares, cidades, for- 
talezas, naus € navios guerreados, usurpados e tomados pe- 
los vassallos d''elles, depois do Tractado da Paz, renovada 
com os ditos senhores Ordens Geraes em 14 de Junho de 
1642. Lisboa, na Officina de Lourenço de Anvéres. 1642. 
4. Consta de 29 paginas. (^} 

248. Discursos que se apresentaram na Cúria Romana, 
por que se mostra que o Illustrissimo e Rever endissimo Senhor 
D. Miguel de Portugal, Bispo de Lamego, havia de ser re- 
cebido n''aquella Corte como Embaixador do Sereníssimo Rei 
de Portugal D. João IV. Traduzidos do italiano em portu- 
guez. Lisboa, por António Alvares. 1642. 4. Constam de 16 
paginas, (gg) 

249. Facções venturosas que tiveram na fronteira de Al- 
meida o General Fernão Telles de Menezes, e o Mestre de 
Campo D. Sancho Manuel, contra o inimigo castelhano, em, 
2 e 4 de Novembro de Í642. Lisboa, na Officina de Domin- 
gos Lopes Rosa. 1642. 4. Oito paginas de impressão. (^) (Q) 

250. Manifesto e Protestação que fez Francisco de Sousa 
Coutinho, Commendador da Ordem, de Christo, e Alcauie- 
mor da Villa de Souzel, do Conselho d^Elrei D. João IV. 
e seu Embaixador Extraordinário ás partes Septentrionaes, 
Mnviado á Dieta de Ratisbona, sobre a liberdade do Sere- 
níssimo Senhor Infante B, Duarte^ Irmão ííeSua Real Ma- 



PORTUGUEZA. 



59 



gestade, injustamente reteuclo nas terras do Império. Tradu- 
zido de outro latino impresso na Cidade de Uolmia, em o 
reino de Suécia, Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. 4. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa). Ibi, por António Alvares. 
1641. 4. (^) Duas traducções diversas: a primeira tem 5 pa- 
ginas, e a segunda 6. 

251. Manifesto do Reino de Portugal, apresentado á San- 
tidade de Urbano VÍÍI. pelas três naçòes portugueza, fran- 
ceza, e catalan, cm que se m>ostra o direito com que Elrei 
D. João IV. possue seus Reinos e Senhorios de Portugal, e 
as r anões que ha para se receber por seu Embaixador o II- 
lustrissimo Bispo de Lamego. Dividido em doze demonstra- 
ções.^ Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1643. 
4. É traducção do que escrevera na lingua italiana PanlaL ao 
Rodrigues Pacheco. 

252. Manifesto de Sua Magestade o Senhor D. João TV. 
acerca da obediência que tinha procurado dar á Santidade 
de Urbano VIII. e de Innocencio X. e do impróprio proce- 
dimento da Corte de Roma. Consta de 32 paginas, sem nota 
do anno, nem do logar da impressão, foi. Começa: Mani- 
festo seja a toda a Christandade, êçc. Também se nos depa- 
rou um exemplar de outro que começa : Vendo a Mages- 
tade d^ Elrei D. João IV. ^c. Oito paginas de impressão» 
foi. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

253. Manifesto pela Magestade d"* Elrei D. João IV. de 
Portugal. Feito em L,isboa. Anno 1647, 4. Do caracter da 
lettra parece ter sido impresso em Roma. Consta de 40 pa- 
ginas, e começa: Em 21 de Novembro do anno passado de 
1646, Sfc. (Livraria do Archivo Nacional da Torre do Tom- 
bo). 

254. Noticia (Breve) da jornada que Monsenhor Mar- 
quez de Royllac^ Embaixador Extraordinário do Christia- 
nissimo Rei de França Euiz XIV. fez a Portugal, e Embai- 
xada que deu a Elrei D. João IV. Lisboa, na Officina de 
Domingos Lopes Rosa. 1645. 4. Consta de 12 paginas. (Li- 
vraria das Necessidades. Papeis Miscel. ^J-, e a Bibliotheca 
Nacional de Lisboa). 

255. Publico sentimento da injustiça de Alemanha ao Rei 
de Hungria, Príncipes, 0,rdens, e Senhores do Império. Cons- 
ta de 8 paginas. 4. (gg) É tradueçao de um escripto de Antó- 
nio de Sousa de Macedo a favor do Infante D. ÍDuarte, im- 
presso em Londres na lingua latina. 

256. Relação dos successos que teve a acclamação d''El- 
rei D. João IV. na Universidade de Coimbra, e das festas 
eom que foi celebrada, S&hhi jios Applausos da Universidade 



60 



BlBLIOGRAPíJlA HISTÓRICA 



i 



pela dita acclamaçao. Coimbra, por Diogo Gomes de Lou- 
reiro. 1641. 4. 

257. Relação da acclamagão que se fez na Capitania do 
Mio de Janeiro, do Estado do Brasil, e nas mais do Sul, ao 
Senhor Rei D. João IT. por verdadeiro Rei e Senhor do 
Reino de Portugal. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. 4. 
Q-uinze paginas de impressão. (*) 

258. Relação do successo que o Embaixador de Portugal 
teve em Roma com o Embaixador de Castella. Lisboa, na Of- 
fieina de Lourenço de Anveres. 1642. 4. Consta de T iDa^i- 
nas. W ^ ^ ^ 

259. Relação do baptismo di Sereníssimo Infante D. Af- 
fonso, filho d'Elrei D, João IV. Lisboa, na Officina de Do- 
mingos Lopes Rosa. 1643. 4. Oito paginas de impressão. 

260. Relação' verdadeira da jornada que fez o Marquez 
de Royllac, na Embaixada Extraordinária que trouxe, em 
nome da Ma gesta de Christianissima, a Elrci D. João IV, 
Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1645. 4. Sete paginas de 
impressão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

261. Relação do feliz successo e milagrosa victoria que 
houve o Capitão Luiz Mendes de Vasconcellos, contra o ini- 
migo castelhano, no termo da Cidade d^Elvas, em 30 de Ju- 
lho de 1641. Lisboa, por Manuel da Silva. 1641. 4. Consta 
de 7 paginas. (^) (^) 

262. Relação da entrada que o Mestre de Campo D. 
Francisco de Sousa fez na Filia de Valença deBomboy, em 
sabhado 3 de Agosto de 1641. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 
1641. 4. Consta de 5 paginas. (^) {q) 

263. Relação do encontro que o Mestre de Campo D. 
Nuno Mascarenhas teve com o inimigo em Montalvão, e da 
entrada que fez em Ferreira, a 15 de Agosto de 1641. Lisboa, 
por Manuel da Silva. 1641. 4. Consta de 7 paginas. (^) (0) 

264. Relação do feliz successo que tiveram Fr. Diogo de 
Mello Pereira de Britiandos, e Fr. Lopo Pereira de Lima, 
seu irmão, a quem o General D. Gastão Coutinho encarregou 
o Governo das armas, na entrada que se fez em Galliza pelo 
porto dos Cavalleiros, em 9 de Setembro de 1641. Lisboa, 
na Officina de Lourenço de Anveres. 1641. 4. Oito paginas 
de impressão. (^) 

265. Relação do que em substancia contém a Carta que 
o General D. Gastão Coutinho escreveu a Sua Magestade, em 

12 de Setembro de 1641, sobre a entrada que com o exercito 
da Provinda de Entre Douro e Minho fez em Galliza, se- 
gunda feira 9 do dito mez. Lisboa, por António Alvares. 

Í64I, foi. Três paginas de impressão, (^) 



PORTUQUEZA. 



61 



266. Itela(^ão de uma Carta do JDoutor Ignacio Ferreira 
do Desetnbargo d'*Elrei, e outra de um religioso do Mosteiro 
de Jiouro, em que se referem, algumas entradas que se fize- 
ram no reino de Gnlliza. Lisboa, por Jorge Rodrigues. I64t. 
4. Doze paginas de impressão, (gj) (0) 

26 7. Melação da insigne victoria que do Castelhano al- 
cançou em Brandellena o Capiião~m6r e Superintendente das 
armas de Miranda, Pedro de Mello, em companhia dó Fron- 
teiro-mór Ruy de Figueiredo, aos 25 de Outubro. Lisboa, 
na Officina de Lourenço de Anveres. 1641. 4. Consta de 
6 paginas. (^) 

268. Relação verdadeira da entrada que o exercito cas- 
telhano fez nos campos e olivaes da Cidade d''Elvas, e de 
como o General Martim Affonso de Mello o fez retirar, e os 
nossos saquearam a Villar de Rei. Lisboa, na Officina de 
Domingos Lopes Rosa. 1642. 4. Oito paginas de impres- 
são. (^) 

269. Relação do successo que teve Fernão Telles de Me- 
nezes,^ General da Provinda da Beira, nas Filias de Aldeã 
do Bispo e Castelejo, do reino de Casiella, em 30 de Maio 
de 1642. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1642. 
4. Consta de 5 paginas. (^) {Q) 

270. Relação da victoria que o Monteiro-mór Francisco 
de Mello, General da Cavallaria, alcançou dos Castelhanos 
nos campos e Filia de Alconchel, Lisboa, na Officina de 
Lourenço de Anveres. 1642. 4. Sete paginas de impres- 
são. (^) (^) 

271. Relação dos successos que o Monteiro-mór Francisco 
de Mello, General da Cavallaria, teve com os inimigos cas- 
telhanos em as Filias de Cheles e Falverde, campos de Ba- 
dajoz. Lisboa, na Officina de Lourenço de Anveres. 1642. 
4. Sete paginas de impressão. (^) (0) 

272. Relação da victoria que o General da Cavallaria 
Francisco de Mello, Monteiro-mór do Reino, teve dos Cas- 
telhanos nos campos de Badajoz, dia do glorioso Sanctiago 
de 1642. Na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1642. 4, 
Oito paginas de impressão, (g^) 

273. Relação da victoria que alcançou o Mestre de Cam- 
po D. Sancho Manuel na f^illa de Freixeneda. Lisboa, 
por Manuel da Silva. 1642. 4. Seis paginas de impres- 
são (^) (s) 

2 74. Relação dos assaltos que deu o General Fernão Tel- 
les de Menezes na Filia de Fuentes^ e em. Freixeneda. Na 
Officina de Domingos Lopes Rosa. 164^. 4. Consta de 6 
paginas, (^) 



BIBLIOGUAPHIá HISTÓRICA 



275. Meiagão da insigne victoria que o General Fernão 
Telles de Menezes alcançou dos Castelhanos, em. 22 de Agosto de 
1642. Lisboa, por Manuel da Silva. 1642. 4. Consta de 6 
paginas. (^) (0) 

276. Relação da entrada que fizeram em Galliza os Go- 
vernadores das armas do Provinda de Entre Douro e Mi- 
nho, e o Capitão-mor de Barcellos Fr. Diogo de Mello Pe- 
reira. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1642. 
4. Consta de 10 paginas. (^) (@) 

277. Relação da victoria que as armas de Sua Mages- 
tade alcançaram na Provinda da Beira, governadas pelo 
General Fernão Telles de Menezes, na entrada que fez em 
Castella, a 17 de Setembro de 1642. Lisboa, por Jorge Ro- 
drigues. 1642. 4. Oito paginas de impressão. (^) (^) 

278. Relação dos successos que o Monteiro-mór, General 
da Cavallaria, teve com os Castelhanos de Villa Nova dei 
Fresno, em 17 e IB de Setembro de 1642. Lisboa, na Offi- 
cina de Lourenço de Anveres. 1642. 4. Sete paginas de im- 
pressão. (©) 

279. Relação do successo que o Monteiro-mór Francisco 
de Mello, General da Cavallaria, teve com os Castelhanos, 
em 10 de Outubro de 1642. Lisboa, na Officina de Lourenço 
de Anveres. 1642. 4. Oito paginas de impressão, {q) 

280. Relação das victorias que o Mestre de Campo D. 
Sancho Manuel alcançou dos inimigos castelhanos, por si só 
e em companhia do General Fernão Telles de Menezes, em 
Novembro de 1642. Lisboa, por António Alvares. 1642. 4. 
Tem 4 paginas. (@) 

281. Relação da surpreza e tomada da Villa e Castella 
de Salvaterra em Galliza^ pelo Conde de Castella Melhor, 
Governador das arm^as da Provinda de Entre Douro e Mi- 
nho., no Domingo 31 de Maio de 1643. Lisboa, na Officina 
de Domingos Lopes Rosa. 1643. 4. Tem 11 paginas. (^) (©) 

Segunda entrada que fez o Conde de Castella Melhor, 
João Rodrigues de Sousa e Vasconcellos, General das ar- 
mas portuguezas da Provinda de Entre Douro e Minho, na 

Villa de Salvaterra em Galliza., chamada hoje Salvaterra 
de Portugal. Lisboa, na dita Officina. 1643. 4. Consta de 

11 paginas. (^) (0) ^ ^ 

282. Relação da victoria que o Capitão de Cavallos João 
de Saldanha da Gama alcançou dos Castelhanos, entre Cam.- 
po Maior e Albuquerque, em 12 de Junho de 1643. Lisboa, 
por Paulo Craesbeeck. 1643. 4. Oito paginas de impres- 
««o- (^) (©) 

283. Relação de como o Cardeal Spínola, General do 



PORTUGUEZA. ^ 

reino de Galliza, commetieu ao Conde de Ca&tello Melhor^ Ge- 
neral das armas de Entre Douro e Minho, na Praga de 
Salvaterra, onde foi rebatido valorosamente; e de como pas- 
saram os gallegos o rio Minho, e accommetteram Villa Nova 
da Cerveira, e os nossos alcançaram d''elles victoria, em 23 
até 28 de Setembro de 1643. Lisboa, na Officina de Do- 
mingos Lopes Rosa. 1643. 4. Oito paginas de impres- 
são. (^) (0) ^ . 

284. JHelagão summaria da entrada que o exercito de 
Sua Magestade fez em Castella, pelas fronteiras do Alemtejo, 
e dos logares que tomou e abrasou até 6 de Outubro </e 1643, 
e do que passou no sitio e entrega do Castello de AlconcheL 
Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1643. 4. 
Consta de 12 paginas. {^) (@) 

;285. Relação do sitio que o exercito de Sua Magestade 
poz a Villa Nova dei Fresno, e tudo o que n''elle passou ate 
ser rendida, e capitulações com que se entregou. Lisboa, na 
Officina d« Domingos Lopes Rosa. 1643. 4. Oito paginas 
de impressão. (^) 

286. Relação do successo que Francisco de Mello, Mon- 
ieiro-mór do Reino, General da Cavallaria, teve com os Cas- 
telhanos junto de Albuquerque, em o qual matando a mui- 
tos d''elles fez mais de cincoenta prisioneiros, e uma grande 
preza de gado. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 
1643. 4. Oito paginas de impressão. (^) 

2S7 . Relação em que se refere parte dos gloriosos suC' 
cessos que na Provinda da Beira tiveram contra Castelha- 
nos as armas de Sua Magestade, governadas por D. Álvaro 
de Abranches, seu Capitão General, nos mezes de Maio até 
Dezembro de 1643. Lisboa, por Manuel da Silva. 1644. 4. 
Tem 14 paginas. (^) (^) 

:?38. Relação de um successo notável que teve uma com- 
panhia nossa de cavallos junto á Villa de Arronches, pele- 
jando com, cinco do inimigo, em 29 de Dezembro de 1643. 
Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1644. 4. Consta de 10 pa- 
ginas. (^) (0) 

289. Relação de alguns successos que na fronteira de 
Olivença teve Francisco de Mello, General da Cavallaria, 
e de um grande estratagema quê os nossos fizeram ao ini- 
migo. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1644. 
4. Sete paginas de impressão. (^) (0) 

290. Relação dos successos que o Conde de Castello Me- 
lhor, Governador das armas de Mntre Douro e Minho, teve 
em 16, 18, c 22 de Fevereiro de 1644. Lisboa, na Officina 
de DoBãingos Lopes Rosa, 1644. 4. Doze paginas de im- 
pressão, (^) (^) ' 9 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

291, Relação verdadeira daentrepreza da Villa da Bar- 
ca^ no reino de Galliza, obrada pelas armas d''Elrei, gover- 
nadas pelo Conde de Castello Melhor, João Rodrigues de 
Vasconcellos e Sousa, na Província de Entre Bouro e Mi- 
nho, em 3 de Março de 1644. Lisboa, por Domingos Lopes 
Rosa. 1644. 4. Consta de 12 paginas. {^) (0) 

292. Relação verdadeira de um victorioso succeso que ti- 
veram as armas portuguezas no logar da Barca, fronteira 
de Filia Nova do Minho, contra as armas inimigas, no prin- 
cipio de Março de 1644. Lisboa, por Lourenço de An veres. 
1644. 4. Seis paginas de impressão. (^) 

^93. Relação da famosa resistência, e assignalada victo- 
ria que os Portuguezes alcançaram dos Castelhanos em Ou- 
guella, o anno de 1644, a 9 de Abril, governando esta Pra- 
ça o Capitão Paschoal da Costa. Lisboa, por Paulo Craes- 
beeck. 1644. 4. Consta de 7 paginas. (^) (@) 

294. Relação verdadeira da entrada que o Governador 
das armas Mathias de Albuquerque fez em Castella, no mez 
de Abril de 1644, e successo do Montijo. Lisboa, por Paulo 
Craesbeeck. 1&44. 4. Consta de 5 paginas. (^) (0) 

295. Relação do estrago de S. Felizes, Filia do Duque 
de Alva, expiíg nada pelo Governador das armas B. Rodrigo 
de Castro. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1647. 4. Consta 
de 12 paginas. (^) 

296. Relação do successo que teve a nossa cav aliaria por - 
iugueza, contra a do inimigo castelhano. Lisboa, por Antó- 
nio Alvares. 1648. foi. Duas paginas de impressão. 

297. Relação (Segunda) mais copiosa da resistência que 
os Portuguezes do presidio e moradores de Olivença fizeram 
aos Castelhanos, 7ia entrepreza que intentaram aos 18 de Ju- 
nho de 1648, e gloriosa viciaria que alcançaram. Lisboa, na 
Officma de Domingos Lopes Rosa. 1648. 4. Vinte paginas 
de impressão. (^) (0) 

293. Relação da entrada que o General das armas da 
Província da Beira, D. Sancho Manuel, fez pelos campos 
de Lona, entrando dez legoas pela terra dentro de Castella. 
Lisboa, por António Alvares. 1648. 4. Consta de 7 pao-i- 
nas. (^) ^ ^ 

299. Relação do successo que as companhias de cavallo, 
que do Minho foram soccorrer Chaves, tiveram dentro em 
Galliza. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1648. 4. Consta de 
7 paginas. (^) 

300. Relação do assalto da Filia do Sabugo por D. Ro- 
drigo de Castro, com outras dependências doeste successo, 
Lisboa, na Officina de Paulo Craesbeeck, 1649.4, Sete pagi^ 
nas de impressão, {^) 



IPORTUGUEZA. 



65 



301. Relação do successo que alcançaram oito tropas da 
cavallaria de Olivença^ contra sete companhias do inimigo 
castelhano^ em 21 de Setembro de 1649. Lisboa, na Offici- 
na de Paulo Craesbeeck. 1649. 4. Consta de 5 paginas. (^) 
^ 302. Relação da entrada que os Governadores das armas 
da Provinda da Beira, D. Rodrigo de Castro, e D. San- 
cho Manuel, fizeram por Castella, adiante de Ciudad Ro- 
drigo ires legoas. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes 
Rosa. 1649. 4. Oito paginas de impressão. (^) 

303. Relação da insigne victoria que o Governador das 
armas D. Sancho Manuel alcançou dos Castelhanos, em que 
foi morto D. Sancho de Monroy, seu Governador das ar- 
mas. Lisboa, por António Alvares. 1650. 4. Oito paginas 
de impressão. (^) 

304. Relação da entrada que nas terras do inimigo fez 
D. Rodrigo de Castro, Governador das armas no partido de 
Almeida, em 7 de Setembro de 1650. Lisboa, por Paulo 
Craesbeeck. 1650. 4. Dez paginas de impressão. (^) (^) 

305. Relação da victoria que o Conde de Atouguia, Go- 
vernador das armas na Provinda de Traz-os- Montes teve 
na campanha de Chaves contra os Castelhanos. Lisboa, ná 
Officina de Domingos Lopes Rosa. 1650. 4. Oito paginas 
de impressão. (^) 

306. Relação da victoria que sete tropas da nossa caval- 
laria tiveram de treze tropas da cavallaria castelhana, junto 
a Castcllo de Vide, em 4 de Novembro de 1650. Consta de 
8 paginas. 4. (^) 

307. Ruina da famosa e fortíssima ponte de Alcântara^ 
feita por D. Sancho Manuel, Governador das armas do Pro- 
vinda da Beira. Lisboa, por António Alvares. 1648. 4. 
Consta de 11 paginas. (^) 

308. Sentimento da fé publica, quebrantada em Alema- 
nha por industria de Castella^ na injusta retenção da pessoa 
do Sereníssimo Senhor JD. Duarte, Infante de Portugal, 
Consta de 8 paginas. 4. (Livraria das Necessidades, Papeis 
Vários -M-)- É traducção de um papel escripto e publicado 
na lingua latina pelo Doutor António Moniz de Carva- 
lho. 

309. Successo que teve o Fronteiro-mór Ruy de Figuei- 
redo de Alarcão na entrada que fez por Galliza, em, Setem- 
bro de 1642, Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1642. 4. Consta 
de 7 paginas. {^) (Q) 

310.. Traducção de uma breve Conclusão e Apologia da 
justiça d''Elrei J>. João IV. e dos m^otivos de sua feliz accla- 
mação, que fez em latim o Doutor António Moniz de Car- 




BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

valho, Desembargador da Relação do Porto, e Secretario 
das duas Embaixadas aos reinos de Suécia e Dinamarca, 
impressa na Cidade e Corte de Stochholmo, do mesmo reino 
de Suécia. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1641. Consta de 
12 quartos de papel sem numeração. (^) 

311. Tractado das victorias que alcançou Simão Pitta 
de Ortigueira, Governador do presidio de Moimenta, á or- 
dem do Fronteiro-mor Ruy de Figueiredo de Alarcão ; com 
uma relação do assalto que deu António de Queiroz Masca- 
renhas, Capitão-mor da Filia de Valladares, em alguns to- 
gares de Galliza, até Abril de 1642. Lisboa, naOfficina de 
Domingos Lopes Rosa. 1642. 4. Sete paginas de impres- 
são. (^) (0) 

312. Traslado fiel e verdadeiro de uma carta que, dot 
Villa da Ponte da Barca, mandou a Coimbra certa pessoa 
de credito e auctoridade a um seu amigo. JN^ella se dá conta 
do que até agora tem succedido pelo Porto, Castello de Lin- 
doso, e Portella de Homem, nas entradas que se fizeram, 
contra o reino de Galliza em 1641 e 1642, com feliz successo 
de nossas armas. Coimbra, por Lourenço Craesbeeck. 1642. 
4. Consta de 26 paginas. (0) 

313. Victoria que as armas portuguezas governadas pelo 
Conde de Serem, Marechal doeste Reino, alcançaram do ini- 
migo castelhano na Provinda da Beira, em 2 de Outubro 
de 1645. Lisboa, na Offieina de Domingos Lopes Rosa. 1645. 
4. Oito paginas de impressão. (^) 

314. Victor iosos successos das armas de Sua Mag estada 
Mirei D. João IV. nas fronteiras da Beira e Alemtejo, no 
mez de Outubro de 1648. Lisboa, por Manuel Gomes de 
Carvalho. 1648. 4, Doze paginas de impressão. (^) 



■É 



PORTUGUEZA. 



67 



TITULO 8/ 



MEMORIAS E ESCRIPTOS DO REINADO DO SENHOR D. AFFONSO VI. 
NOTICIAS RELATIVAS AO SENHOR D. PEDRO 11. E SEUS SERE- 
NÍSSIMOS FILHOS. 



315. D. António Alvares da Cunha, guarda-mór do 
Real Archivo, natural de Goa. Escreveu : Campanha de 
Portugal pela Provinda do Alemtejo^ na primavera do anuo 
1663, governando as armas d^aquella Província D. Sancho 
3Ianuel, Conde de Villa Flor, Offerecida á Magestade d''El' 
rei D. Affomo VI. Lisboa, na Officina de Henrique Valente 
de Oliveira. 1663. 4. Consta de 104 paginas. {^) (^) Sahiu 
reimpressa nos Applausos Académicos pelo feliz successo da 
celebre vicioria do Ameixial. Amsterdam, em casa de Jacob 
Van Velsen. 1673. 4. grande. 

Obelisco Portuguez, Chronologico, Genealógico^ e Panegy- 
rico ao mais fausto dia que em muitos séculos viu Lisboa, no 
baptismo da Sereníssima Infanta D. Isabel Maria Josefa, 
Lisboa, na Officina de António Craesbeeck de Mello. 1669. 
4. (*) 

316. António Barbosa Bacellar, desembargador da 
Casa da Supplicaçao, natural de Lisboa. E. Relação davíc- 
toria que alcançaram as armas do muito alto e poderoso Rei 
D. Affonso VI. em 14 de Janeira de 1659, contra as de 
Castelloj que tinham sitiado a Praça d^ Elvas, indo por Ge- 
neral do Exercito de Portugal o Conde de Cantanhede J). 
António Luiz de Menezes. Lisboa, na Officina de António 
Craesbeeck. 4. sem o nome do auctor. Consta de 47 pagi- 
nas. (^) (@) Foi reimpressa em 166K 4. sem o nome do 
Impressor. D'esta edição se esqueceu Diogo Barbosa Ma- 
chado na sua Bibliotheca Lusitana: consta de 2ò paginas. 
(Livraria das Necessidades, Relações e Orações Varias ^^f). 

317. António do Couto de Castelig Branco Figuei- 
roa, natural de Lisboa. E. Memorias e Observações Mi- 
litares e Politicas. Tom, 3. Referem-se todas as opera- 
ções militares e políticas de Portugal, que moveram a con- 
cluir uma liga com as Coroas de França e Casiella, e^sa- 
hindo d'*esta celebrar outra com o Império, Gram Bretanha 
e Hollanda ; os successos da guerra em que entrou com os 
9 eus alUados^ marchas de exércitos j iiiios e expugnagões de 



68 



BIBUOGRAPHIA HISTÓRICA 



praças; encontros e batalhas navaes, êçc. Lisboa Occidental, 
na Officina da Musica. 1740. 8. Chega até o fim da cam- 
panha de 1705. Os tomos 1. e 2. tractam das obrigações e 
e practicas da guerra y o 4. 5. e 6. não sahiram impres- 
sos. 

318. António Rodrigues DA Costa, académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza, natural de Setúbal. E. 
Embaixada que fez o Excellentissimo Senhor Conde de Vil- 
lar-Maior^ dos Conselhos d''Estado e Guerra, ao Sereníssimo 
Príncipe Filippe Guilhelmo, Conde Palatino do Mheno. Con- 
ducçuo da Rainha a estes Reinos, festas e applausos com que 

foi celebrada sua feliz vinda , e as augustas vodas de Suas Ma- 
jestades. Lisboa, na Officina de Miguel Manescal. 169,4. foi. 

319. António de Sousa de Macedo, compoz : Falia 
que fez no juramento de Rei do muito alto, e muito pode- 
roso D. ^ffonso VI. em quarta feira 15 de Novembro de 
1656. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 1656.4. Constada 
6 paginas. (Livraria das Necessidades, Papeis Mí&cel.~~\. 
Ibi, na Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1656. 



Var 



Sahiu também 



4. (Livraria de Jesus, Papeis , ^. .„^ ^^ 

no Auto do Levantamento . Lisboa, na Officina de Henrique 

Valente de Oliveira. 1658. foi. 

Rasão da guerra entre Portugal e as Provindas Unidas 
dos Paizes Baixos, com as vioticias da causa de que proce- 
deu, Lisboa, por João Alvares de Leão. 1657. 4. sem o no- 
me do auctor. Consta de 22 paginas (Bibliotheca Nacional 
de Lisboa). 

Proposta que o Secretario d'*Estado António de Sousa de 
Macedo fez vocalmente, por mandado de Sua Magestade, á 
Junta dos Ecclesiasticos, Cathedr áticos, e outras pessoas dou- 
tas, e Ministros dos Tribunaes, no Convento de S. Francisco 
de Lisboa, em 8 de Março á tarde de 1663. E ahi mesmo : 
Relação summaria do que tem, passado sobre a pretenção de 
se confirmarem por Sua Santidade os Bispos d''este Reino e 
suas Conquistas, nomeados por Sua Magestade. Lisboa, na 
Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1663. 4. Consta 
ao todo de 14 paginas. (Livraria das Necessidades, Relações 
e Orações Farias -^p)» 

Mercúrio Portuguez, com as novas da guerra entre Por- 
tugal € Castella. Lisboa, na Officina de Henrique Valente 
deOliveira. 4. Começa em Janeiro de 1663, e acaba em De- 
zembro de 1 066. Além dos 50 números que se publicaram nes- 
tes quatro annos sahiram mais 7, que pertencem ao immedia- 
toi estes porém são de outra mão. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa), 



l^OHTUGUEZA. 



69 



320. Bernardo Fernandes Gayo, publicou : Relação 
do magnifico e celebre mausoléu que erigiu a Santa Igreja 
Cathedral do Porto, nasfuneraes exéquias da Sereníssima Se- 
nhora D. Francisca, com a noticia dos emblemas, epitáfios 
e inscripçôes, adorno e fabrica do seu fúnebre apparato, Lis- 
boa Occidental, na Officina Joaquiniana da Musica. 1736. 
4. Consta de 10 paginas. 

Culto fúnebre, ou breve noticia do sentimento com que a 
Santa Sé Primacial de Braga testemunhou a sua magnifi- 
cência e zelo, na occasião da morte da Serenissima Senhora 
Infanta D. Francisca. Lisboa Occidental, na Officina Joa- 
quiniana de Musica. 1737. 4. Consta de 17 paginas. 

321. Christovâo Soares de Abreu, natural de Ponte 
do Lima, compoz : Oração de Christovão Soares de Abreu, 
Vereador mais aiiiigo do Senado da Camará, em presença 
das Magestades d''Elrei D. Affonso VI. e da Rainha I), 
Maria Francisca Isabel de Saboya, quando entraram na 
Cidade deluishoa, em 29 de Agosto de 1666. Lisboa, á custa 
de José Leite Pereira. 1666. 4. Sete paginas de impressão. 
(Livraria de Jesus, Papeis Vários -g^). Sahiu também no 
Portugal Restaurado, part. 2. liv. 12. 

'Ò22. D. Diogo da AnnunciaçÃo Justiniano, arcebis- 
po de Cranganor, natural de Lisboa, compoz ; Praticas nos 
dots Actos de Cortes qué Elrei Tnandou convocar, e se cele- 
brarari na Cidade de Lisboa^ em o 1. e a 4: de Dezembro 
de 1697. Lisboa, na Officina de Miguel Deslandes. 1697. 
4. Dezenove paginas de impressão. (Livraria de Jesus, Pa- 
peis Vários ^^^ • Livraria das Necessidades, Papeis Miscel. 
~rõ' 

323. Duarte Ribeiro DE Macedo. E. Discurso Politico 
que o Conde de Soure, Embaixador Extraordinário de Sua 
Magestade a Elrei Christianissimo, deu ao Cardeal Mazarino 
em S. João da I^uz, nas vistas que teve com D. Luiz de 
Haro, primeiro Ministro de Castella, quando começou a trá- 
ctar a paz. Mostra-se por vinte e sete rasõesforçosissimas como 
França, por Justiça e por conveniência, não devia fazer a 
paz sem inclusão de Portugal. Lisboa, na Officina de Hen- 
rique Valente de Oliveira. 1661. 8. (Bibliotheca Nacional 
de Lisboa, e a Livraria das Necessidades). Sahiu reimpressa 
no tom. 2. das suas Obras. Lisboa, na Officina de António 
Isidoro da Fonseca. 1743. 4. et ibi, na Officina de António 
Rodrigues Galhardo. 1767. 4. 

324. D. Fernando Corrêa de Lacerda. E. Catas- 
trophe de Portugal na deposição d'' Elrei D. Affonso VI. e 
mbrogação do Príncipe D. Pedro o unico^ Justificada nas 



io 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



calamidades publicas, escripta para justificação dos Poriugue- 
zes, Lisboa, á custa de Miguel Manescal. 1669, e não 1679, 
como escreveu Barbosa. 4. Sahiu com o supposto nome de 
Leandro Dorea Cáceres e Faria. 

325. D. Francisco de Figueiredo da Gama Lobo, 
natural de Lisboa. E. Elogio Histórico do mais perfeito In- 
fante, o Sereníssimo Senhor D. Manuel. Lisboa, na Offici- 

na de António Isidoro da Fonseca. 1744. 4. (*) 

326. Ignacio Barbosa Machado. E. Panegyrico His- 
tórico do Sereníssimo Senhor Infante D. Manuel, no qual 
se escrevem as gloriosas acções que tem obrado na paz e na 
guerra, depois que sahiu do Reino de Portugal, ó,tê o fim da 
victoriosa campanha de Hungria, do anno de 1716, e de 
como foi tractado em diversas Cortes duEuropn. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina de Paschoal da Silva. 1717. 4. 

327. JoÂo Coelho de Almeida, natural de Torres No- 
vas, compoz: Pratica que fez o Doutor João Coelho de Al- 
meida, Vereador do Senado da Camará, na entrada que 
Sua Magestade o Senhor D. Pedro II. e a Senhora Moi- 
nha Maria Sofia Isabel fizeram á Sé, em 30 de Agosto de 
1687. Lisboa, na Officina de Miguel Manescal. 1687. 4. 
Sete paginas de impressão. (Livraria de Jesus, Papeis Va- 
rias ^-1). 

328. D. JosE Barbosa. E. Elogio da Serenissima Senhora 
D. Francisca, Infanta de Portugal. Sahiu na 2. part. dos 
Accentos saudosos das Musas Portuguezas na morte da mes- 
ma Serenissima Senhora. Lisboa Occidental, na Officina de 
António Isidoro da Fonseca. 1736. 4. com o supposto nome 
de António Machado de Abreu. 

329. D. Manuel de Noronha, bispo de Viseu, natu- 
ral de Villa Verde. E. Oração que fez no primeiro dia das 
Cortes que se celebraram n''esta Cidade de L^isboa, em pre- 
sença do muito alto e Serenissimo Principe D. Pedro, quan- 
do foi jurado por Príncipe e Successor d'' este Reino, aos 27 
de Janeiro de 1668. Lisboa, na Officina de Domingos Car- 
neiro. 1668. 4. Consta de 6 paginas. (Livraria de Jesus, 
Papeis Vários ^^ ^ Livraria das Necessidades, Papeis Mis- 
cel» Huf)' Sahiu também no Auto do Juramento. Lisboa, 
por António Craesbeeck de Mello. 1669. foi. 

Oração que fez no Acto do Juramento do Serenissimo Prin", 
cipe D. Pedro., como Regente e Governador dos Reinos de 
Portugal, celebrado em Cortes n 9 de Junho de 1668. Lis- 
boa, na Officina de Domingos Carneiro. 1668. 4. Consta 
de 6 paginas. (Livraria das Necessidades, Papeis Miscel. ^J-)» 
Sahiu também no Auto do Juramento, Lisboa^ por António 
Craesbeeck de Mello, 1669, foi. 



POntUGUEZA. 



71 



330. Paulo Carneiro de Araújo, desembargador da 
Casa da Supplicaçao, natural do Porto. E. Praticas que fez 
sendo Procurador de Cortes da Cidade de Lisboa y nos Actos 
do Juramento do Sercnissimo Príncipe D. João, e primeiro 
dia de Cortes, em o í. e a 4 de Dezembro de 16&7. Lisboa, 
na Officina de Miguel Deslandes. 1697. 4. Oito paginas de 
impressão. (Livraria das Necessidades, Relações e Orações 
fiarias Í/I). 

331. Pedro Fernandes Monteiro, desembargador do 
paço, natural de Monforte. E. Pratica que fez no Juramen- 
to do Serenissimo Principe D. Pedro, como Procurador de 
Cortes de Lisboa, nas que n''ella se celebraram, em 27 de Ja- 
neiro de 1668. Lisboa, na Officina de Domingos Carneiro. 
1668. 4. Consta de 6 paginas. (Livraria de Jesus, Papeis 
Vários -J—, e a da Academia Real das Sciencias). Sahiu 
também no Aido do Juramento. Ibi, por António Craesbeeck 
de Mello. 1669. foi. 

Pratica que fez no Acto do Juramento do Serenissimo 
Principe D. Pedro, como Regente e Governador dos Reinos 
de Portugal, sendo Procurador de Cortes de Lisboa, Qias que 
n*ella se celebraram, em 9 de Junho de 1668. Lisboa, na 
Officina de Domingos Carneiro. 1668. 4. Consta de 6 pa- 
ginas. (Livraria da Academia Real das Sciencias). Sahiu 
também no Auto do Juramento, Ibi, por António Craes- 
beeck de Mello. 1669. foi. 

332. Pedro Norberto de Aucourt e Padilha, na- 
tural de Lisboa. E. Memorias da Sereníssima Senhora D. 
Isabel Luiza Josefa, que foi jurada Princeza d'' estes Reinos 
de Portugal. Lisboa, na Officina de Francisco da Silva. 
1748. 8. grande. 

333. Pedro Vaz Rego, natural de Campo Maior. E. 
Relação das festas com, que a Cidade d^Mvora celebrou as 
alegres noticias que recebeu, em 2 de Junho de 1706. Évora, 
na Officina da Universidade. 1706. 4. Dezoito paginas de 
impressão. Refere-se aos successos da campanha, e á che- 
gada das frotas e naus da índia # 

334. Sebastião da Rocha Pitta, académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza, natural da Bahia. E. 
Breve Compendio e Narração do fúnebre espectáculo que, na 
insigne Cidade da Bahia, cabeça da America Portugueza, 
se viu na morte d^Elrei D. Pedro II. de gloriosa memoria. 
Lisboa, na Officina de Valentim da Costa Deslandes. 1709, 
4. (*). 



10 



n 



BIBUOGRAPtílA HISTÓRICA 



■n 



m 



335. Auto do Levantamento e Juramento que os Gran- 
des , Títulos Seculares^ ^eclesiásticos, e mais pessoas que se 
acharam presentes, fizeram a Mirei D. AJfonso VI, na Co- 
roa d"^ estes seus Reinos e Senhorios de Portugal, em quarta 

feira á tarde 15 de Novembro de 1656. Lisboa, na Officina 
de Henrique Valente de Oliveira. 1658. foi. Consta de 42 
paginas. ( Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

336. Auto do Juramento, preito e homenagem que os três 
Estados d"* estes Reinos fizeram ao Sereníssimo Infante D. 
Fedro, de JPrincipe e Successor na Coroa d^elles, depois dos 
dias do muito alto, e muito poderoso Rei D. Affonso VI. seu 
Irmão, fallecendo sem filhos legítimos. Celebrado no primeiro 
Acto de Cortes que se fez n''esta Cidade de Lisboa, em sexta 

feira á tarde 27 de Janeiro de 1668. Lisboa, por António 
Craesbeeck de Mello. 1669. foi. Consta de 36 paginas. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa). 

337. Auto do Juramento que o Sereníssimo Príncipe D. 
Pedro fez aos três Estados doestes Reinos, de os reger e go- 
vernar no impedimento perpetuo d^Elrei D. Affonso VI. seu 
Irmão, E o Juramento, preito e homenagem que os ditos 
Estados lhe fizeram, de o reconhecerem e obedecerem como 
a Regente e Governador dos mesmos Reinos. Tudo celebra- 
do no segundo Acto de Cortes que se fez n'esta Cidade de 
Lisboa, em sabbado á tarde 9 de Junho de 1668. Lisboa, 
por António Craesbeeck de Mello. 1669. foi. Consta de 38 
paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

338. Cortes de Lisboa dos annos de 1697 e 1698. Con- 
gresso da Nobreza. Lisboa, na Tjpographia da Academia 
Real das Sciencias. 1824. foi. 

339. Bescripção do triumpho com que sahiu Santo Eloy, 
tutelar e professor da arte dos Ourives, em um magestoso 
throno de prata, que lhe fabricaram seus artífices, na pro- 
cissão de graças pelo feliz nascimento do Sereníssimo Infante 
de Portugal, D. Francisco António José Urbano, filho dos 
Aiigustissimos Reis B. Pedro II. e D. Maria Sofia Isabel. 
Lisboa, na Officina de Miguel Manescal. 1691. 4, Consta 
de 6 paginas, 

340. Funeral que se celebrou na Real Igreja de Santo 
António, da Nação Portugueza em Roma, pela. morte do 
Sereníssimo Rei de Portugal D. Pedro II. aoi 13 de Se- 
tembro de 1707. Roma^ na Officina de António de Rossi. 



PORTUGUEZA. 



73 



1707. 12. Foi reimpressa no mesmo anno, e em nome do 
mesmo Impressor. 4. 

341. Noticia (Primeira) dos gloriosos successos que tive- 
ram as armas de Sua Magestade na Provinda da JBeira, e 
particularmente do que houve junto á Villa de Monsanto^ 
em, 11 de Junho, no combate que teve covi o inimigo o exer- 
cito de Sua Magestade, mandado pelo 3ío.rquez das Minas, 
Governador das armas d''aquella Provincit Lisboa, na Of- 
fieina de Miguel Manescal. 1704. 4. Consta de 7 pagi- 
nas. (^) (^) ^ 

342. Noticia (Segunda) dos gloriosos successos que tive- 
ram as armas de Sua Magestade na Provinda da Beira, 
em que se referem as circumstancias que accresceram ao 
combate que em 11 de Junho, junto á Filia de Monsanto, 
teve com, o inimigo o exercito de Sua Magestade, mandado 
pelo Marquez das Minas, Governador das armas d''aquella 
Provinda. Lisboa, por Valentim da Costa Deslandes. 1704. 
4. Sete paginas de impressão. (^) 

243. Noticia (Segunda) dos gloriosos successos que tiveram 
as armas de Sua Magestade na Provinda da Seira, e par- 
ticularmente do destroço que os paizanos d^ella Jizeram ao 
inimigo, na fugida que fazia para Castella. Lisboa, na Offi- 
cina de Miguel Manescal. 1704. 4. Sete paginas de im- 
pressão. {^) (^) 

344. Noiicia (Terceira) dos gloriosos successos que tive- 
ram as anr^.cís de Sua Magestade, governadas pelo Marquez 
das Minas, do seu Conselho de Estado, em que se da conta 
da tomada do Castello de Monsanto. 
de Miguel Manescal. 1704. 4. Q-uatro 
são. (^) (^^) ^ ^ 

345. Noticia preliminar das primeiras operações dos exér- 
citos d''Elrd, nas Provindas do Alemtejo e Beira. Publica- 
das em 9 de Maio. Lisboa, na Officina de Miguel Manescal. 
1705. 4. Sete paginas de impressão. (0) (^) 

346. Noticia (Ultima) da expugnagão da Praga de Va- 
lença de Alcântara, e relação da de Albuquerque, rendida 
com capitulações pelo exercito da Provinda do Alemtejo, go- 
vernado pelo Conde das Galveas Diniz de Mello de Cas- 
tro, dos Conselhos de Estado e Guerra, Publicada em, 5 de 
Junho. Lisboa, na Officina de Valentim da Costa Deslan- 
des. 1705, 4. Oito paginas de impressão. (^) (^) 

347. Noticias da doença, m.orte e funeral do muito alio, 
e muito poderoso Principe JD. Pedro II. de boa memoria, 
Rei de Portugal, Lisboa, na Officina de António Pedroso 
Galrão. 1707. 4. Consta de 44 paginas» (Livraria de Jesus, 
Papeis Vários ^f-), ^ 



Lisboa, na Officina 



paginas 



de 



impres' 



74 



BIBLIOGRÃPUIA HISTÓRICA 



348. Oração na solemne Embaixada de Obediência que^ 
ew. nome do Serenisúmo Príncipe JD. Pedro, Governador 
dos Reinos de Portugal e dos Algarves, deu o seu Embai- 
xador Extraordinário o Excellentissimo Senhor D. Fran- 
cisco de Sousa, Marquez das Minas, ao nosso Santissimo Pa- 
dre Clemente X. feita em Consistório publico, em 22 de Maio 
de 1670, pelo Doutor António Vellez Caldeira, Cavalleiro 
da Ordem de Christo, Desembargador da Casa da Suppli- 
cação, e Secretario da Embaixada ; traduzida de latim em 
portuguez. Lisboa, á custa de Miguel Manescal. 1671. 4. 
Consta de 19 paginas. (Livraria de Jesus, Papeis Varios^ç^), 

349. Praticas que se fizeram nos dous Actos de Cortes 
que o Principe mandou convocar, e se celebraram na Cidade 
de Lisboa, em 20 e 22 de Janeiro de 1674. Lisboa, por An- 
tónio Craesbeeck de Mello. 1674. 4. Constam de 12 folhas. 
(Livraria de Jesus, Papeis Vários ^^ ^ Livraria das Neces- 
sidades, Papeis Miscel. -^q-). 

350. Relação daf6rm,a com que a Magestade d''Elre.ida 
Gram Bretanha manifestou a seus reinos tinha ajustado o seu 
casamento com. a Serenissima Infanta de Portugal^ a Se- 
nhora D. Catharina, como se collige das Carias originaes de 
Erancisco de Mello, Conde da Ponte, Embaixador Extraor- 
dinário a Sua Magestade Britannica. Lisboa, na Officina de 
António Craesbeeck. 1661. 4. Dezeseis paginas de impres- 
são. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). Sahiu reimpressa nas 
Provas da Hist. GeneaU tom. 4. liv. 7. num. 37. 

351. Relação diária da jornada que a Serenissima Rai- 
nha da Gram Bretanha, D. Catharina , fez de JLisboa a Lon- 
dres, indo já desposada com. Carlos II. Rei d'*aquelle reino, 
€ das festas que n''elle se fizeram até entrar em seu palácio, 
no anno de 166;?. Lisboa, na Officina de Henrique Valente 
de Oliveira. 1662, 4. Vinte e três paginas de impressão. 
(Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

352. Relação certa da victoria que tiveram as armas 
portuguezas, governadas na Provinda da Beira, no partido 
de Riba-Coa, por João de Mello, contra os Castelhanos, 
O^uatro paginas de impressão. 4. (^) 

353. Relação da victoria que o Conde de Villa Flor, JD* 
Sancho Manuel, e João de Mello, Governadores das armas 
da Provinda da Beirai ganharam aos Castelhanos, sabbado 
29 de Outubro de 1661. Lisboa, na Officina de António 
Craesbeeck. 1661. 4. Doze paginas de impressão. (^) (^) 

354. Relação dos successos de Portugal e Castella, na 
campanha de 1661. Lisboa, na Officina de António Craes- 
beeck. 1661, 4, Dezeseis pagina» de impressão. {^) (®) 



^tt 



PORTUGtKZA. 



75 



355. JRelítgão do siiccesso que tiveram m armas poriu- 
guezas, governadas por D. Sancho Manuel, Conde de Villa 
Flor, e Governador das ai-mas do partido de Castello Bran- 
co, na Provinda da Beira, em, 17 de Dezembro de 1661. 
Lisboa, na Officina de António Craesbeeck. 1662. 4. Sete 
paginas de impressão. (^) 

356. Relação do successo que as armas portuguezas tive- 
ram na Provinda da Beira, governadas por D. Sancho 
Manuel, Conde de Villa Flor. Oito paginas de impressão. 
4. {Q) 

357. Relação terceira e quarta da victoria que o Conde 
de Pilla Flor, D. Sancho Manuel, Governador das armas 
da Provinda da Beira, alcançou das armas castelhanas, a 
9, e a 10 de Agosto de 1662. Lisboa, na Officina de Do- 
mingos Carneiro. 1662. 4. Cinco paginas de impressão. (@) 

358. Relação da victoria que tiveram, as armas d'' Mirei 
de Portugal D. Affonso VI, na Provinda do Alemtejo, em 
8 de Junho de 1663, governadas pelo Conde de Villa Flor^ 
Di Sancho Manuel, n^aquella Provinda. Lisboa, na Offi- 
cina de Henrique Valente de Oliveira. 1663. 4. Oito pa- 
ginas de impressão. (^) (©) 

359. Relação da Embaixada extraordinária de Obe- 
diência enviada do Serenissimo Príncipe D. Pedro, Succes- 
sor, Governador, e Regente dos Reinos de Portugal e dos 
Algarves, ã Santidade do Papa Clemente X. dada pelo II- 
lustrissimo e Excellentissimo Senhor D. Francisco de Sousa, 
Conde do Prado, Marquez das Minas, e Em,baixador Ex- 
traordinário a Sua Santidade. Lisboa, na Officina de António 
Craesbeeck de Mello. Anno 1670. Consta de 20 quartos de 
papel. (Livraria de Jesus, Papeis Vários à^^ • Livraria das 
Necessidades, Relações Varias ^/, e a Bibliotheca Nacio- 
nal de Lisboa). 

360. Relação da entrada que Francisco de Mello, Se- 
nhor de Ficalho, e Governador da Praça de Moura, fez no 
condado de Niebla, aonde saqueou e queimou a Villa de 
Alquería, uma das melhores de todo aquelle condado. Lis- 
boa, por Valentim da Costa Deslandes. 1704. 4. Oito pa- 
ginas de impressão. (^) 

361. Relação da expugnação da Praça de Valença de 
Alcântara, ganhada por assalto pelo exercito da Provinda 
do Alemtfjo^ e de como foi destruida a Villa da Sarça pelo 
da Beira. Publicada em 14 de Maio. Lisboa, na Officina de 
Valentim da Costa Deslandes. 1705. 4. Sete paginas de 
impressão. (^) (^) 

362. Relação (Primeira) da marcha e progressos do 



à 



76 



BIBLIOGKAPHLi HISTÓRICA 



710SS0 exercito até o campo da Praga de Alcântara^ gover- 
nado pelo Marquez das Minas, dos Conselhos de Estado e 
Guerra ; e da diversão intentada pelo inimigo na Praça d'' El- 
vas. Publicada em 24 de Abril de 1706. Lisboa, nabfficina 
de António Pedroso Galrao. 4. Onze paginas de impres- 
são, (i^) (it) 

363. Relação (Segunda) verdadeira da marcha e ope- 
rações do exercito da Provinda do Alemtejo, goi>ernado pelo 
Marquez das Minas, D. António Luiz de Sousa, Governa- 
dor das armas da dita Provinda ,• rendimento da Praça de 
Alcântara, e diversão intentada pelo inimigo na Praça d''El- 
vas. Publicada em 15 de Maio de 1706. Lisboa, na Ofíiei- 
na de António Pedroso Galrao. 4. Gtuinze paginas de im- 
pressão. (^) {^) 

364. Relação (Terceira) dos gloriosos successos das ar- 
mas portuguezas, depois da expugnação e rendimento da Pra- 
ça de Alcântara, até pôr á obediência d''Elrei Catholico D. 
Carlos HL a Corte de Madrid. Publicada a 7 de Agosto de 
1706. Lisboa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1706. 
4. Gtuinze paginas de impressão. (^) (^) 

365. Relação (Quarta) dos successos das armas portu- 
guezas, progressos d''Elrei Catholico Carlos HL e dos mais 
alliados d''esta Coroa, assim em Hespanha, como em Itália, 
e índia Oriental. Publicada em 19 de Agosto de 1706. Lis- 
boa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1706. 4. Doze 
paginas de impressão. {^) (^) 

366. Relação (Quinta) das operações das armas portu- 
guezas, progressos d^Elrei Catholico Carlos HL e mais al- 
liados doesta Coroa, assim em Flandres, como no Alto-Rhe- 
no, Itália e Piemx)nte. Publicada em 4 efe Setembro de 1706. 
Lisboa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1706. 4. 
Consta de lõ paginas de impressão. (^) (^) 

367. Relação (Sexta) das operações das armas d''Elrei 
D. Pedro 11. e de Carlos IH. e mais alliados d'^esta Coroa, 
assim em Hespanha como nos Paizes Baixos, Hungria, Itá- 
lia e Piemonte. Publicada em 16 de Outubro de 1706. Lis- 
boa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1706. 4. Consta 
de 15 paginas. (^) (^) 

368. Relação (Sétima) das operações das armas d''Elrei 
D. Pedro 11. e de Carlos HL e mais alliados d''esta Coroa, 
assim em Hespanha, como nos Paizes Baixos, Alto-Rheno, 
Piemonte, èçc. Publicada em IZ de Novembro de 1706. Lis- 
boa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1706.4. Q;uinze 
paginas de impressão, {^) (^) 



iiÉÉ 



PORTUGUEZA. 



77 



TITULO 9." 



MEMOllUS DO REINADO DO SENHOR D. JOÃO V. E NOTICIAS 
DE SECS sereníssimos FILHOS. 



369. Alexandre deGusmIo, natural de Santos, Capi- 
tania de S. Paulo. Escreveu : Jtelagão da entrada publica 
que fez em Pariz^ aos 18 de Agoúo de 1715, o Excellentis- 
sirno Senhor D. Luiz da Camará^ Conde da Ribeira Gran- 
de, do Conselho d''JE,lrei de Portugal, Commendador de S. 
Pedro de Torrados, na Ordem de Christo, Alcaide-mór da 
Villa da Amieira, Mestre de Campo General, e General da 
Artilharia 7ios Exércitos de Portugal, e seu Embaixador Ex- 
traordinário á Corte de França^ reinando n''esta Monarchia 
Luiz XIV. em que se acham varias noticias concernentes ao 
ceremonial d''esta Embaixada. Pariz, na Officina de Pedro 
Emery. 1715. 4. Vinte e três paginas de impressão. (Li- 
vraria das Necessidades, Relações Varias ^~, e a Biblio- 
theca Nacional de Lisboa). 

370. AndrÊ Freire de Carvalho, natural de Lisboa, 
compoz : Oragão que disse o Doutor André Freire de Car- 
valho, Fidalgo da Casa de Sua Magestade, Juiz Conserva- 
dor da Casa da Moeda, e Vereador mais antigo do Senado 
da Camará, na presença de Suas Magestades Elrei D.João 
V. e a Rainha D.Marianna de Áustria, quando foram em 
acção de graças á Sé de Lisboa, em 22 de Dezembro de 1708. 
Lisboa, na Officina de Valentim da Costa Deslandes. 1709. 
4. Consta de 5 paginas. (Livraria de Jesus, Papeis Vários 

371. António Cergiueira Pinto. E. Relação dos fes- 
tivos applausos com que na Cidade do Porto se congratula- 
ram os felizes desposorios dos Serenissimos Senhor D. José, 
Principe do Brasil, e Senhora D. Maria Anna Victoria, 
Infanta de Casiella ; e dos Serenissimos Setihor D. Fernan- 
do, Principe das Astúrias, e Senhora D. Maria Barbara, 
Infanta de Portugal. Lisboa Occid.ental, na Officina da Mu- 
sica. 1728. 4. Q^uatorze paginas de impressão, sem o nome 
do auctor. 

372. António Isidoro da Nóbrega, natural de Lisboa. 
E. Elogio fúnebre na sentida morte do Fidelíssimo Rei oSe^ 




BIELIOGRAPHIA HISTÓRICA 

nhor D, João V. Lisboaj na Officina de Domingos Gonçal- 
ves. 1750. 4. Consta de 19 paginas. (*) 

373. Bento Morganti, beneficiado da Basilica Patriar- 
chal de Lisboa, natural de Roma. E. Descripgão fúnebre 
das exéquias que a Basilica Patriarchal de Santa Maria dedi- 
cou á m moria do Fidelíssimo Senhor Rei D. João V. Lis- 
boa, na Officina de Francisco da Silva. 1750. 4. grande, 
com estampas. Ibi, na mesma Officina, e no mesmo an- 
uo. 4. (*) 

374. Diogo Barbosa Machado. E. Relação das solem- 
nes exéquias dedicadas pelos Padres da Congregação da Mis- 

em 25 e 26 de Outubro de 1750, á saudosa memoriado 
Fidelisúmo Rei de Portugal D. João V. seu Augusto Fun- 
dador, Lisboa, na Officina de Ignacio Rodrigues. 1750. 4. 
sem o nome do auctor. Consta de 1 1 paginas. (*) 

Diogo Rangel de Macedo e ALBuauERauE, na- 
tural de Lisboa. E. Elogio Histórico e Panegyrico do muito 
alto, muito poderoso, e Fidelisúmo Rei D. João V. Lisboa, 
na Officina de José da Silva da Natividade. 1751. 4. Consta 
de 28 paginas. 

376. Fernando António da Rosa, natural de Santa- 
rém. E. Relação das insignes festas que, aos felizes e reaes 
annos da Princeza do Brasil, se fizeram no sitio da Junquei- 
ra, extra-muros de luisboa Occidental, por direcção do Du- 
que do Cadaval, felizmente executadas pela principal Nobre- 
za da Corte, em os dias 5, 8, e 12 de Julho de 1738. Lis- 
boa Occidental, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 
1738. 4. (*) 

377. P. Francisco da Fonseca, jesuíta, natural d'Evo- 
ra. E. Embaixada do Conde de Villar Maior, Fernando 
Telles da Silva, de Ljisboa á Curte de Vienna, e viagem, da 
Rainha D. Maria Anna de Áustria, de Fienna d Curte de 
Lisboa ,* com, uma summaria noticia das Provindas e Cida- 
des por onde se fez a jornada. Em Vienna, na Officina de 
João Diogo Kurner. 1717. 8. 

378. D. Francisco Innocencio de Sousa Coutinho, 
natural de Lisboa. E. Elogio fúnebre do muito alto, e mui- 
to poderoso Rei Fidelissimo JD. João V, Lisboa, na Officina 
de José da Silva da Natividade. 1750. 4. (*) 

379. Francisco Leitão Ferreira. E. Idéa Poética, 
Epithalamica, e Panegyrica, que serviu no Arco Triumphal 
que a Nação Italiana mandou levantar, na occasião em que 
as Magestades dos Sereníssimos Reis de Portugal I). João 
V, e D. Marianna de Áustria, foram á Cathedral de Lis- 

no dia de sabbado ZZ de Dezembro de 1708, Lisboa, 



PORTUGUEZA. 



79 



naOfficiíia de Valentim da Costa Deslandes. 1709. 4. Consta 
de 48 paginas. (*). 

380. D. Francisco Paulo de Portugal e Castro, 
oitavo Conde de Vimioso, e segundo Marquez de Valença. 
E. Elogio fúnebre do Serenissimo Senhor InfanU D. Carlos. 
Aelia-se impresso no tom. 16. da. Collec. dosDocum. e Mem. 
da Acad. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Offici- 
na de José António da Silva. 1736. 4. grande. 

Elogio fúnebre á morte do Serenissimo Senhor Infante 
D. Alexandre. Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 
1747. 4. 

381. D. Francisco Xavier de Menezes, quarto Con- 
de da Ericeira. E. Relação do sitio e rendimento da Praça 
de Miranda^ que mandou o Mestre de Campo General D. 
João Manuel de Noronha, pelo Coronel de Infanteria José de 
Mello. Publicada a 24 de Março de 1711. Lisboa, na Offi- 
cina de António Pedroso Galrão. 1711. 4. sem o nome do 
auctor. Oito paginas de impressão. (^) 

Relação da campanha do Alemtejo, no outono de 1712, 
com o diário do sitio e gloriosa defensa da Praça de Campo 
Maior, recopilada das memorias dos Generaes, Lisboa, na 
Officina de Miguel Manescal. 1714. 4. sem o nome do au- 
ctor. Consta de 52 paginas. (Livraria das Necessidades, Pa^ 
peis Vários ^-). (^) 

382. P. Francisco Xavier da Silva, natural de Lis- 
boa. E. Elogio fúnebre e histórico do muito alto, poderoso, 
augusto, pio, e Fidelíssimo Rei de Portugal o Senhor D. 
João V. em que se referem as acções da sua religião, pieda- 
de, clemência, justiça, e liberalidade ; as fundações tanto sa- 
gradas, como civis; os successos do tempo da guerra e da 
paz ; as victorias que as armas lusitanas alcançaram no Es- 
tado da índia no seu reinado ,• com uma relação da enfermi- 
dade, morte, e mais actos que precederam, até o deposito do 
seu real cadáver. Lisboa, na Officina Silviana. 1750. 4. 

383. Ignacio Barbosa Machado. E. Noticia da en- 
trada publica que fez na Corte de Pariz, em 18 de Agosto 
de 1715, o Excellentis&imo Senhor D. Luiz Manuel da Ca- 
mará, Conde da Ribeira Grande^ Embaixador Extraordi- 
nário á Magestade Christianissima de Lidz XIV. o Grande, 
Lisboa, na Officina de José Lopes Ferreira. 1716. 4. GLua- 
torze paginas de impressão, sem o nome do auctor. (Livra- 
ria de Jesus, Papeis Vários ^~ ^ Livraria das Necessidades, 
Relações Varias ^1, e a Bibliotheca Nacional de Lisboa) . (*) 

Relação da enfermidade, ultimas acções, morte e sepul- 
tura do muito alto e poderoso Rei o Senhor D. João V, o 

11 



11 fl 



l!' i 



|. ' ' 



9V BIBLÍOGKAPHIA HISTORICá 

pio, magnânimo, pacifico, jusio, religioso, e por declaração 
Foiílijícia o Ficletissimo á Igreja Romana. Lisboa, na Offi- 
cina de Ignaeio Rodrigues. 1750, e não I75i, como escre- 
veu Barbosa. 4. grande. Ibi, na mesma Officina, e no mes- 
mo anno. 4. Consta de 55 paginas. (*) 

384. Jacinto da Mota Fragoso. E. Relação das so- 
lemmssima^ exéquias que o Real Convento de Nossa Senhora 
e Santo António, Junto á Filia de Mafra, celebrou pela al- 
ma da sua confundadora, a Serenissima Rainha D. Maria 
Anna de Áustria, a 2 de Setembro de 1754 Lisboa, na Of- 
licina de Manuel Coelho Amado. 1754. 4. Consta de 7 pa- 
ginas. D'este auctor se esqueceu o Abbade de Sever. 

385. João Borges de Barros, cónego doutoral da Sé 
da Bahia, d^oxide era natural. E. Relação panegírica das 
honras Juneraes que, ás memorias do muito alto, e muito po- 
deroso Senhor Rei Fidelissimo D. João V, consagrou a Ci- 
dade da Bahia, Corte da America Portugueza ; com uma 
collecção de cinco Orações fúnebres, e varias poesias latinas 
e vulgares. Lisboa, na Officina Silviana. 1753 foi. 

386. P. João Chevalier, da Congregação do Oratório, 
natural de Lisboa. E. Relação das solemnes exéquias dedi- 
cadas, em 25 e 26 de Setembro de 1750, pelos Padres da 
Congregação do Oratório de S. Fillippe Neri de Lisboa, á 
defunta Magestade do Fidelissimo Rei de Portugal D. João 
F. Lisboa, na Officina de Ignaeio Rodrigues. 1751. 4. sem 
o nome do auctor. Consta de 28 paginas. (») 

387. Fr. João de S. José do Prado, religioso daPro- 
vincia da Arrábida, natural de Lisboa. E. Monumento Sa- 
cro da fabrica e solemnissima sagraçuo da Santa Basílica do 
Meai Convento que, junto a Filia de Mafra, dedicou a Nossa 
benhora e Santo António a Magestade Augusta do Magnâ- 
nimo Rei D. João V. Lisboa, na Officina de Miguel Ro- 
drigues. 1751. foi. com estampas. 

388. João de Sousa Caria, desembargador da Casa da 
bupphcação, natural de Lisboa. E. Elogio fúnebre na sen- 
iidtsnma morte da Fiddissima Rainha de Portugal D. Ma- 
rianna Josefa de Áustria. Lisboa, na Officina de Pedro Fer- 
reira. 1754. 4. Consta de 18 paginas. 

389. JoAatiM José da Silva Brandão. E. Relação 
das procissões de preces publicas que as Irmandades, Reli- 
giões, e mais Clero doesta Corte e Cidade de Lisboa fizeram 
pela satide d^Elrei D. João V, Lisboa, na Officina Joaqui- 
niana da Musica. 4. Dezeseis paginas de impressão. (*) De- 
ve accrescentar-se á Bibliotheca Lusitana. 

390. Jorge Freire de Andrade, natural d'Arruda, 



PORTDGLEZA. 



81 



compoz : Oração que^ na entrada que fizeram na Cidade de 
Lisboa os Serenissiwos Príncipes do Brasil^ os Senhores D. 
José e D. Maria Anna Pictoria^ em \2 de Fevereiro de 1729, 
disse o Doutor Jorge Freire de Andrade^ Vereador do Se- 
nado da Camará, e Juiz Conservador da Casa da Moeda. 
Lisboa Occidental^ na Oflicina da Musica. 1729. 4. Consta 
de 4 paginas. (Livraria de Jesus, Papeis Vários ^/J~)- 

391. JosE Ferreira de Mattos, thesoureiro-mór da 
Sé da Bahia, natural de Lisboa. E. Diário histórico das ce- 
lebridades que na Cidade da Bahia se fizeram, em acção de 
graças pelos felicissimos casamentos dos Serenissimos Senhores 
Príncipes de Portugal e Castella. Lisboa Occidental, iraOÍ- 
ficina de Manuel Fernandes da Costa. 1729. 4. (Bibliothe- 
ca Nacional de í/isboa. Papeis Vários ~). (*) 

392. JosÉ Freire de Montarroyo Mascarenhas. E. 
Guimarães festiva, ou relação do festejo publico com que, na 
nobilíssima Villa de Guimarães, se applaudiram os Ileaes Des- 
posorios do Sereníssimo Príncipe do Brasil, e da Sereníssima 
Senhora Infanta D. Maria Barbara, Princeza das Astú- 
rias^ no mez de Fevereiro de 1728, Lisboa Occidental, na 
Ofíicina de Pedro Ferreira. 1728. 4. Dezeseis paginas de 
impressão. 

393. JosÉ DO Nascimento Pereira da Silva. E. Elo- 
gío da Augustissima Senhora D. Maríanna de Áustria, Rai- 
nha de Portugal. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Rodrigues. 
1754. 4. Consta de 15 paginais. Falta a memoria doeste au- 
ctor na Bibliotheca Lusitana. 

394. D. Luiz Caetano de Lima, clérigo regular, aca- 
démico da Academia Real da Historia Portugueza, natural 
de Lisboa, deu á luz : Copia de uma Carta que se escreveu 
de Utrecht a Lisboa, na qual se dá noticia da solemnidade 
com que os Exceli entissim os Senhores Conde de Tarouca, e 
D. Luiz da Cunha, Plenipotenciários d'' E irei de Portugal 
no Congresso de Utrecht, celebraram o nascimento do Sere- 
níssimo Príncipe do Brasil D. Pedro. Lisboa, na Officinade 
José Lopes Ferreira. 1713. 4. Onze paginas de impressão, 
sem o nome do auctor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, 
Papeis Vários ■^). 

395. Manuel Coslho da Graça, presbytero, natural 
d' Aveiro. E. Breve Noticia das entradas que, por mar e 
terra, fizeram n''esta Corte Suas Magestades, com os Sere- 
nissimos Príncipes do Brasil e Altezas, em 12 de Fevereiro 
de 1729. Lisboa Occidental, na Ofíicina de Bernardo da 
Costa. 1729. 4. Onze paginas de impressão. 

396. Manuel da Cunha, professor de Rhetorica, naíu- 



82 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



ral de Lamego. E. llelação das exéquias que, pela alma do 
Fidelissimo Senhor Rei D. João V. celebrou na Santa Igreja 
Cathedral de Fiseuo Excellentissimo e Reverendíssimo Senhor 
B. Júlio Francisco de Oliveira, Bispo de Viseu, do Conselho 
de Sua Magestade. Lisboa, na Officina Silviana. 1751. foi. 
Consta de 23 paginas. 

397. Manuel Ferreira da Costa e Saboya, presby- 
tero, natural do Porto. E. Relação das $olemnes exéquias, 
efuneraes honras do Rei Fidelissimo D. João F. o Magnâ- 
nimo, que se fizeram na Cidade do Porto, e que na Igreja 
Cathedral da mesma Cidade celebrou o Excellentissimo e Re- 
ver endissimo Senhor B. Fr. José Maria da Fonseca e Évo- 
ra, Bispo do Porto, 4'c. Porto, na Officina Episcopal do 
Capitão Manuel Pedroso Coimbra. 1751. foi. Sahiu com o 
supposto nome de Rafael de Sá Bajesca e Montarroyo. 

398. Manuel de Figueiredo, sócio da Arcádia de Lis- 
boa. E. Elogio da Serenissima Senhora B. Maria Barbara 
de Portugal, Rainha de Hespanha. Lisboa, na Officina de 
Pedro Ferreira. 1758. 4. (*) e no tom. 1. das Obras Pos- 
thumas do auctor. Ibi, na Impressão Regia. 1804. 4. 

399. Manuel José Corrêa e Alvarenga, natural de 
Braga. E. Monumento do agradecimento ; tributo da vene- 
rarão; obelisco funeral do obsequio. Relação fiel das reaes 
exéquias que á defunta Magestade do Fidelissimo e Augu&- 
tissimo Rei o Senhor B. João V. dedicou o Boutor Mathias 
António Salgado, Vigário Collado da Matriz de Nossa Se- 
nhora do Pilar, da Villa de S. João d^Elrei, nas Minas 
Geraes da America Portugueza, Lisboa, na Officina de 
Francisco da Silva. 1751. 4. (*) 

400. Manuel Telles da Silva, terceiro Marquez de 
Alegrete. E, Historia da Academia Real da Historia Por- 
tugueza. Lisboa Occidental, na Officina de José António da 
Silva. 1727. 4. grande. 

401. D. Miguel Lucio Francisco de Portugal e Cas- 
tro, da Casa de Valença, prelado da Santa Igreja Patriar- 
chal de Lisboa. E. Elogio fúnebre d'ElreiB. João V. Veja- 
se a CoUecção das Obras que na Academia dos Occulios se 
recitaram na morte do Fidelissimo Rei B. João V. Lisboa, 
na Officina de Manuel Soares Vivas. 1750. 4. 

402. Pedro de Sousa Castello Branco. E. Relação 
do successo que teve a Armada de Veneza, unida com as 
Esquadras Auxiliares de Portugal, e outros Príncipes Catho- 
hcos, na Costa da Morêa, contra o poder Ottomano. Messi- 
na, na Officina de D. Vittorino Maífei. 1717. 4. Dezenove 
paginas de impressão. (*) Sahiu em nome de D. Inofre Chi- 



i 



m 






PORTUGUEZA. 



83 



rino, clérigo regular. Deve accrescentar-se á Bibliotheca Lm- 
sitana. 

403. Rodrigo José de Faria, natural de Braga. E. 
Relação das exeguias que, na morte d'*Elr€Í Fidelissimo o 
Senhor D. João V, mandou fazer na Cathedral de Braga 
o Sereníssimo Senhor D. José, Arcebispo e Senhor da mes- 
ma Cidade, Primaz das Hespanhas. Lisboa, naOfficina Sil- 
viana. 1751 . 4. (*) 

Relação das exéquias que, na morte da Senhora D. Ma- 
ria Anna de Áustria, mandou fazer o Sereníssimo Senhor 
D. José, Arcebispo Primaz e Senhor de Braga. Lisboa,, na 
Officina Silviana. 1^55. 4. 



404. Arco Triumphal de paz, ou Procissão solemne com 
que, em Junho de 1715, o Senado d"* Évora deu principio ás 

festas e geral contentamento, no ajuste e publicação das pa- 
zes firmadas entre os Reis de Portugal e Castella. Évora, 
na Officina da Universidade. 1715. foi. Consta de 7 pagi- 
nas. 

405. Auto do Levantamento e Juramento que os Gr andes , 
Títulos Seculares^ Ecclesiastícos^ e mais pessoas que se acha- 
ram presentes , fizeram ao muito alto, e muito poderoso Se- 
nhor D. João V. na Coroa d''estes Reinos e Senhorios de 
Portugal, em a tarde do primeiro dia do mez de Janeiro de 
1707. Lisboa, na Officina de Valentim da Costa Deslan- 
des. 1707. foi. Ibi, na Officina de Miguel Rodrigues. 1750, 
4. (*) 

406. Descripgão do Arco Triumphal que a Nação Ingle- 
za mandou levantar, na occasião em que as Magestades dos 
Sereníssimos Reis de Portugal D. João V. e B. Marianna 
de Áustria foram ã Cathedral de JLisboa. Lisboa, na Offici- 
na de Valentim da Costa Deslandes. 1708. 4. Consta de 19 
paginas. («) 

407. Descripgão das exéquias que á Fidelíssima Rainha 
de Portugal, a Senhora D. Maria Anna de Áustria, cele- 
braram os Padres Procuradores das Missões do Oriente, da 
Companhia de Jesus, no Real Collegío dos Estudos Geraes 
d'' esta Corte, nos dias 24 e 25 de Setembro de 1754. Lisboa, 
na Officina de Joaquim Tavares de Almeida. 1755. 4. (*) 

408. Eccos fúnebres das vozes saudosas que chegaram de 
Portugal ã índia, pela morte do muito alto, poderoso, e Fi- 
delíssimo Rei e Senhor D, João V. commimícados ao rnesmo 



84 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Reino de Portugal pelos Religiosos da Companhia de Jesus 
da Província de Goa. Lisboa, na Officina de Francisco da 
Silva. 1763. 4. 

409. Exéquias feitas em Roma á Magesiade Fidelíssima 
do Senhor Rei D. João V, por ordem do Fidelíssimo Senhor 
Rei D. José I. seu filho e successor. Roma, na Officina de 
João Maria Salvioni. 1751. e na de Angelo Rotili eFilippe 
Bacclielli. !752. foi. max. com estampas. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa). 

410. Noticia do apparato^ e magnificas disposições que^ 
para as solemnes exéquias de Sua Magestade Fidelíssima o 

Senhor D. João V. celebrou na sua Igreja de Nossa Senho- 
ra do Lorcto, em 14 de Janeiro de 1751, a Nação Italiana 
residente em Lisboa. Consta de 4 paginas, sem o nome do 
Impressor, foi. Sahiu de novo sem nota do logar da impres- 
são. 4. (*) 

411. Pompa fúnebre com que o Reverendo Cabido da Sé 
Primacial de Braga, Sede vacante, celebrou as exéquias do 
Senhor Infante D. Carlos, filho segundo de Suas Magesia- 
des. Lisboa Occidental, na Officina de António Corrêa Le- 
mos. 1736. 4. Sete paginas de impressão. 

412. Relação individual da batalha ecircumst anciãs que 
alcançaram as armas d^Elrei Catholico, e dos altos alliados^ 
contra o duque d"^ Anjou^ no campo de Almenára, em 27 de 
Julho de 1710, com uma copia da Carta d' Elrei Carlos III. 
enviada a Elrei D. João V. por D. Luiz Manuel, Ajudan- 
te General de Sua Magedade Catholica. Publicada a Í6 de 
Outubro. Lisboa, na Officina de António Pedroso Galrao. 
1710. 4. Onze paginas de impressão. 

413. Relação dos movimentos e acções que depois da ba- 
talha de Almenára obrou o exercito de Sua Magestade Ca- 
tholica, e da feliz victoria que ultimamente alcançou das ar- 
mas do duque d'' Anjou, junto a Saragoça^ em 20 de Agos- 
to de 1710,- com a copia de uma Carta da mesma Mages- 
iade Catholica para Ebei D. João V. Publicada a 31 de 
Outubro. Lisboa, na Officina de António Pedroso Galrao. 
11" 10. 4. Doze paginas de impressão. 

414. Relação das ultimas noticias que vieram depois de 
publicadas as de 31 de Outubro do presente nnno. Lisboa, 
na dita Officina. 1710 4. Gtaatro paginas de impressão. 

41.5. Relação das noticias que se tiveram í/as Províncias 
de Traz-os-Mimies e Alemtejo, e de Madrid. Publicada a 14 
de Fevereiro de 1711. Lisboa, na Officina de António Pe- 
droso Galrao. 1711. 4. Doze paginas de impressão. 

416, Relação verdadeira da jornada que desde Lisboa 



ãà 



mim 



PORYUGUEZA. 85 

Jex d Corte de ViennoL de Áustria o Conde de Villar-Maior, 
como Embaixador do Senhor liei D. João V^ a pedir ao 
Imperador José I. seii irmão^ e ã Imperatriz Viuva^ sua 
mãe, a Senhora D. Marianna de Áustria, para Rainha de 
Portugal ,• conduc^ão da mesma Senhora pelo Conde Embai- 
xador, primeiro a Hollanda, depois a Inglaterra^ e d''alli 

felizmente a Portugal; com uma breve descripção das terras 
por onde transitou. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz 
Ameno. 1787. 4. Consta de 28 paginas, 

417. Relação dos ariificios de fogo que se fizeram no 
Terreiro do Paço, em obsequio dos fclicissimos desposarias dos 
Serc7iissimos Senhores D. João V. e de D. Marianna de 
Áustria, Reis de Portugal. Lisboa, na Officina de Manuel 
José Lopes Ferreira. 1708. 4. Consta de 5 paginas. (*) 

418. Relação da viagem do Excellentissimo Senhor An- 
dré de Mello de Castro á Corte de Roma., pnr Enviado Ex- 
traordinário d''Elrei de Portugal D. João V. á Santidade 
do Papa Clemente XI. Paris, chez Anisson. 1709. foi. em 
francez e portuguez, com estampas. (Bibliotheca Nacional 
de Lisboa, e a Livraria do Real Archivo). 

419. Relação da grandiosa Embaixada que, em nome 
das Mngestades dos Senhores Reis de Portugal., deu na Cor- 
te de Madrid, ás Magestades dos Senhores Reis Catholicos^ 
o Excellentissimo Senhor D. Rodrigo Annes de Sá Almei- 
da e Menezes., Marquez de Abrantes, em dia de Natal, 25 
de Dezembro de 1727. Madrid, na Officina da Musica, por 
Miguel de Resola. 1728. 4. Dezeseis paginas de impressão. 
(Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Farias -^ ^ Livra- 
ria das Necessidades, Relações Varias iiZ). (*) 

420. Relação das reaes e sumptuosas exéquias que a ve- 
nerável Ordem Terceira da Penitencia celebrou, no mages- 
toso templo do Real Convento de S. Francisco da Cidade de 
Lisboa, pela alma do muito alto, poderoso, e Fidelissimo Rei 
D. João V. Consta de 1 1 paginas, e não aponta o logar da 
impressão. 4. (*) 

421. Relação das solemnes exéquias que se celebraram 
no Real Convento de Nossa Senhora e Santo António, junto 
á Filia de Mafra, pela alma do muito alio, e muito pode- 
roso Rei e Senhor D. João F. Lisboa, na Officina dos ber- 
deiros de António Pedroso Galrão. 1750. 4. Oito paginas de 
impressão. (*) 

422. Relação das exéquias que se fizeram pelofaUecimen- 
io do muito alto, poderoso, e Fidelissimo Rei de Portugal B. 
João F. que na Cathedml do Porto mandou fazer o Excel- 
leniissimo Prelado da dita Diocese. Na Officina dos herdei- 



86 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



ros de António Pedroso Galrão. 1750. 4. Oito paginas de 
impressão. (*). 

423. Relação das exéquias que se fizeram na Sé Metro- 
politana de Evora^ pela alma do muito alto, poderoso, e Fi- 
delíssimo Rei de Portugal D. João F. «s quaes mandou/a- 
zer o Excel lentissimo e Reverendíssimo Senhor D. Fr. Mi- 
guel de Távora, Prelado da mesma Metropoli. Consta de 
7 paginas, sem nota do logar da impressão. 4. (*) 

424. Relação das solemnes exéquias dedicadas pelo Ex- 
cellentissimo e Reverendíssimo D. João da Silva Ferreira 
Bispo de Tangere, Deão e Prelado da Real Capella de Vil- 
la Viçosa, em \5 e 16 de Fevereiro de 1751, á saudosa me- 
moria do Fidelíssimo Rei D. João V. Consta de 8 pa^-inas- 
sem o nome do Impressor. 4. (*) ° 

425. Relação (Breve) do app ar ato fúnebre com que a 
Congregação Real de Santo António da Nação Portugueza, 
residente na Cúria de Roma, celebrou as exéquias do pri- 
meiro Rei Fidelíssimo, o Senhor D. João V. no dia 28 da 
Maio de 1751. Sahiu com o Sermão que nas mesmas exé- 
quias pregou o Padre Mestre Pedro da Serra, da Companhia 
de Jesus. Roma, na Typographia Salomoniana. 1752.4. (*) 

426. Relação das solemnissimas exéquias que a Cathedr ai 
de Santa Maria de Belém, do Grão Pará, fez á saudosa 
memoria de seu Augusto Fundador, o Fidelíssimo Monarcha 
JD. João V. por ordem do Excellentissimo e Reverendíssimo 
Prelado da mesma Diocese, D. Fr. Miguel de Bulhões. 
liisboa, na Officina de Ignacio Rodrigues. 1752. 4. Consta 
de 23 paginas. 

427. rida, successos, e fallecimento do Rei Fidelíssimo 
B. João r. Na Officina de José da Silva. 1750. 4. Consta 
de 28 paginas. («) 



PORTUGUEZA. 



87 



TÍTULO 10." 



MEMORIAS E ESCRIPTOS DO REINADO DO SENHOR D. JOSÉ., 



428. AiíGELo Amado Melmezi. Escreveu: Relação do 
exercido militar com que as tropas de Sua Magestade Fide- 
íissimáy aquarteladas na Cidade do Porto, applaudiram os 
annos do mesmo Senhor, nos dias 5 e 6 de Junho. Lisboa, 
lia Officína de José Filippe. 1757. 4. Consta de 16 pagi- 
nas. (*) É reproducçao da que anteriormente se publicara no 
Porto sem o nome do Impressor. 4. 

429. António Pereira de Figueiredo. E. Parallelo 
de Augusto César e de D. José, o Magnânimo, Rei de Por- 
tugal. Lisboa, na Regia Ofíicina Typograpliica. 1775. 4. 
grande. 

430. Bento António de Menezes. E. Diana nos Ros- 
ques. Jornada que fizeram Suas Magestades e Altezas á Villa 
de Salvaterra, no anno de 1754. Lisboa, na Ofíicina de 
Francisco da Silva. 1754. 12. 

Diana nos Rosques. Noticia individual das jornadas que 
Suas Magestades e Altezas fizeram no anno de 1754 a Villa 
de Palma, e á Villa de Salvaterra, e n^este presente anno 
de 1755. Part. 2. Ibi, na dita Officina. 1755. 12. 

431. Damião António de Lemos Faria e Castro. 
E. Relação Panegyrica : Júbilos do Algarve na feliz entra- 
da que o lUustrissimo e Bxcellentissimo Senhor D. Rodrigo 
António de Noronha e Menezes, Governador e Capitão Ge- 
neral do mesmo Reino, fez na Cidade de Lagos, no dia pri- 
meiro de Abril de 175-1. Lisboa, na Ofíicina de Francisco 
Luiz Ameno. 1754. 4. (*) 

432. Filippe Neri Corrêa. E. Relação das festas que 
sefizeram'em Pernambuco pela feliz acclamação do mui al- 
to, e poderoso Rei de Portugal D. Josél. do" anno de 111 61 
para o de 1752, sendr> Governador e Capitão General d'^ es- 
tas Capitanias o lUustrissimo e Ei-cellentissimo Senhor Ijiiiz 
José Corrêa de Sã. Lisboa, na Officina de Manuel Soares. 
1753. 4. Vinte e duas paginas de impressão. Falta a me- 
moria d'este auctor na Bibliotheca de Barbosa. 

433. Francisco Calmon, sócio da Academia Brasilica 
dos Renascidos, E. Relação das faustissimas festas que Gele- 
ia 



88 



BIBUOGRAPHIA HISTÓRICA. 



brou a Camará da Villa de Nossa Senhora da Purificação 
e Santo Amaro, da Comarca da Sahia, pelos augustissimos 
desposorios da Serenissima Senhora D. Maria, Princeza do 
Brasil, com o Sereníssimo Se7ihor D. Pedro, Infante de Por- 
tugal. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Manescal da Costa. 
17^2. 4. Consta de 16 paginas. (*) 

434. Francisco Jose Freire. E. Memorias das prin- 
cipaes providencias que se deram, no terremoto que padeceu 
a Corte de Lisboa, no anno de 1755. Sahiram com o sup- 
posto nome de Amador Patricio de Lisboa. 1758. foi. sem 
o nome do Impressor. 

435. JoAauiM Machado de Castro, esculptor da Casa 
Real, natural de Coimbra. E. Descripção Analytica da exe- 
cução da Estatua Equestre, erigida em Lisboa á gloria do 
Senhor Rei Fidelíssimo D. José 1. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1810. 4. com estampas. 

Memoria sobre a Estatua Equestre do Senhor Rei D. José 
I. Veja-se o num. 11. pag. 351 e seguintes, e o num. 12, 
pag. 429 e seguintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1812. 4. 

436. P. JosÉ António de Sarre, académico numerá- 
rio da Academia Brasílica dos Renascidos. E. Relação do 
culto com que o Illustrissimo e Reverendíssimo Cabido Me- 
tropolitano da Cidade do Salvador, Bahia de todos os San- 
tos, applaudiu os felicíssimos desposorios da Sereníssima Prin- 
ceza do Brasil, com o Sereníssimo Infante o Senhor D. Pe- 
dro. Não traz nota do anno, nem do logar da impressão. 4. 
Consta de 18 paginas. 

437. Jose JoAauiM MilitÃo. E. Elogio fúnebre consa- 
grado á immortal memoria e eterna saudade da Augustissi- 
ma Rainha de Portugal, a Senhora D. Marianna Victo- 
ria. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1781. 
4. (*) 

438. Fr. Jose da Natividade, religioso dominico, na- 
tural de Lisboa. E. Fasto de Hymeneo, ou Historia Pane- 
gyrica dos desposorios dos Fidelíssimos Reis de Portugal D. 
José e D. Marianna Victoria. Lisboa, na Officina de Ma- 
nuel Soares. 1752. foi. 

439. D. Luiz da Cunha. E. Testamento Politico, ou 
Carta escripta de Pariz ao Sereníssimo Príncipe D. José, 
antes do seu governo. Lisboa, na Impressão Regia. 1820. 4. 
Sahiu também, por industria de António Lourenço Cami- 
nha, no livro intitulado Obras Inéditas do grande exemplar 
da Sciencia do Estado, D. Luiz da Cunha, Tom, 1, Lisboa, 
na Imprensa Nacional, 1821. 8. 



h 



PORTUGUBZA, 



89 



440. Luiz Innõceíício de Pontes Atayde e Azevedo, 
traduziu do francez : A Administração de Sebastião José de 
Carvalho e Mello, Conde de Oeiras, Marquez de Pombal, 
Secretario de Estado, e Primeiro Ministro de Sua Mages- 
tade Fidelissima o Senhor D. José I. Rei de Portugal. Tom. 
1.6 2. Lisboa, na Typographia de Luiz Corrêa da Cunha. 
1842.. 8. com estampas l^^thographadas. 

441. Manuel Ferreira da Costa e SaboyA. E. Bre- 
ve Noticia do applauso com que, na muito nobre e sempre leal 
Cidade do Porto, se festejou o feliz anniversario do nasci- 
inento do m,uito alto, e muito poderoso Rei D. José I. Re- 
fere-se ao anno de 1V57, e consta de 12 paginas. 4. sem o 
nome do auctor. Deve accrescentar-se á Bibliotheca Lusi- 
tana. 

442. Manuel Teixeira DE Carvalho, familiar do San- 
to Officio. E. Relação veridica das magnificas e sumptuosas 

festas com que a Nobreza e Clero da muito antiga e illustre 
Cidade da Guarda applaudiu as melhoras de Sua Mages- 
tade Fidelissima o Senhor D. José I. Lisboa, na Officina de 
Miguel Manescal da Costa. 1760. 4. Sete paginas de im- 
pressão. 

443. Manuel Thomaz dA Silva Freire, natural de 
Vianna do Minho. E. Succinta Relação Panegy rica da Mm" 
baixada que a Sagrada Religião de Malta, e Sua Alteza 
Eminentissima, seu Serenissimo Grão Mestre, m^andaram á 
Soberana Fidelissima Magestade do Rei D. José I. Lisboa, 
na Officina de José da Silva da Natividade. 1751. 4. Dez 
paginas de impressão. (*) 

444. Mathias Pereira de Azevedo Pinto, moço da 
camará do Infante D. Manuel, filho d'Elrei D. Pedro II. 
traduziu : Diário dos successos de Lisboa, desde o terremoto 
até o extermínio dos Jesuítas, Lisboa, na Officina de Fran- 
cisco Borges de Sousa. 1766. 8. Foi originalmente escripto 
em latim pelo P. António Pereira de Figueiredo. D'elle 
possuimos um exemplar. 



445 . Auto do Levantamento e Juramento que os Grandes, 
littilos Seculares, Ecclesiasticos, e mais pessoas que se acha- 
ram presentes, fizeram ao Fidelíssimo, muito alto, e muito 
poderoso Senhor D, José I. na Coroa d"* estes Reinos e Se- 
nhorios de Portugal, em a tarde de 7 de Setembro de 1750. 
Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1752, foi. 



90 



WBUOGRAPHIA HISTÓRICA 



/^•^^^7* j i^'"^ ^^* l^arra^ão concisa da festividade feita na 
Udade de Lisboa, na collocagão da Estatua Bguestre do Fi^ 
dehssimo Monarcha JD. José, com a exposição das figuras de 
que se orna a base em que descanga a mesma Estatua. Lis- 
boa, na Offichia de António Rodrigues Galhardo. 4. Consta 
de 11 paginas. (*) 

Segunda Parte da Carta cu Narração concisa dafestivi- 
uad^e feita na collocagão da Estatua Equestre do Fidelissimo 
e Augusttssimo Monarcha D. José I. Lisboa, na Officina de 
Francisco Sabino dos Santos. í^^ò. 4. auinze pa-inas de 
impressão. (*-) - 

447. Compendio do que passou na Corte de Morna, depois 
da chegada do correio extraordinário que levou os despachos 
relativos á abertura da communicagão com o Reino e Domí- 
nios de Portugal, e do Tribunal da Nunciatura na Corte de 
Lisboa. Lisboa, na Regia Officina Tjpographica. 1770. 4. 
Consta de 26 paginas. (*) 

448. Epanaphora Festiva, ou Relação Summaria das 
festas com que na Cidade do Rio de Janeiro, Capital do Bra- 
sil, se celebrou o feliz nascimento do Sereníssimo Principe da 
Beira. Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 1763. 4. 
Consta de 30 paginas. (*) 

449. Exposição das festividades celebradas na reedificada 
Villa Real de Santo António, no mez de Maio de 1776, em 
obsequio de se fazer publico o magnifico obelisco que, para 
perpetua memoria dos benefícios que tem recebido d^Elrei, 
levantaram na formosa Praça Real d^lla os seus onze pri- 
meiros edificantes. Lisboa, na Regia Officina Typographica. 
1776. foi. Jf ^ i" 

450. Extracto do Carro Tríumphal que o Senado dedica 
á feliz inauguração da Estatua Equestre, que no dia 6 de 
Junho de 1775 se erige na Praça publica do Commercio. 
Seis paginas de impressão, foi. 

451. Ilha Terceira Plausível, ou Relação do applauso 
com que foi ouvida e festejada na Ilha Terceira a noticiada 
restauração da saúde do Augusto Monarcha D. José 1. Lis- 
boa, na Officina de António Vicente da Silva. 1759. 4. Sete 
paginas de impressão. (*) 

452. Júbilos festivos, Epanaphora Angrense, na qual se 
relatam as reaes festas que com obsequioso culto, e generosa 
fidelidade, fizeram os Cavalheiros da muito nobre e sempre 
leal Cidade d'' Angra, da Ilha Terceira de Jesu Chrísto, pela 
restauração da saúde da preciosa vida da Fidelíssima Ma- 
gestade d'Elrcí B. José I. Lisboa, na Officina de José Fi- 
lippe, 1760. 4. Vinte paginas de impressão. 



PORTUGUEZA. 



91 



453. Narração dos applausos com que o Juiz do Povo e 
Casa dos Vinte e Quatro festejou a felicissima inauguração 
da Estatua Equestre, onde também se expõe as allegorias dos 
carros, figuras j e tudo mais concernente ás ditas festas. Lis- 
boa, na Regia Ofíicina Typographica. 1775. 4. 

454. Relação curiosa da varanda em que se celebrou a 
acclamação e exaltação ao Throno do sempre ínclito e Au- 
gusto Monarcha D. José I. e de tudo o que se admirou n'' este 

festivo e plausível acto. Lisboa, na Ofíicina de Pedro Fer- 
reira. 1750. 4. Consta de 22 paginas. (*) Sahiu também na 
CoUec. 1. dos Júbilos de Portugal pela dita acclamação. 
Ibi, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1750. 4. 

455. Relação das festas que fez Luiz Garcia de Bivar^ 
Sargento-mór de Batalha, e Governador da Nova Colónia 
do Sacramento, pela feliz acclamação do Fidelissimo Rei o 
Senhor D. José I. em 2 de Fevereiro de 1752, ófc. Lisboa, 
na Officina de Pedro Ferreira, 1753. 4. Consta de 6 pagi- 
nas. (*) 

456. Relação da magnifica e pomposa entrada que fez 
n esta Corte de Lisboa, no dia 1 1 de Junho doeste anno de 
1755, o Excellentissimo Senhor Marquez de Baschi, Embai- 
xador d''Elrei Christianissimo . Consta de 8 paginas, sem o 
nome do Impressor. (Livraria de Jesus, Papeis Vários—^), 

45 7. Relação jiossolemnes cultos que consagraram á Vir- 
gem 3Iatia Senhora Nossa, com o soberano titulo da Concei- 
ção, os Religiosos da Provinda de Santa Maria da Arrá- 
bida, pelas melhoras de Sua Magestade Fidelissima, em o 
Real Convento de Nossa Senhora e Santo António junto á 
Filia de Mafra, no dia 31 de Hezembro de 1758. Lisboa, 
na Officina de Manuel Coelho Amado. 1759. 4. Oito pa- 
ginas de impressão. 

458. Relação das festas com que a Cidade de Braga ce- 
lebrou osfaustissimosdesposorios da Sereníssima Senhora Prin- 
ceza do Brasil, com o Sereníssimo Senhor Infante D. Pe- 
dro, no anno c?el760. Lisboa, na Officina de Francisco Bor- 
ges de Sousa. 1761. 4. Consta de 14 paginas. (*) 

459. Relação do que se fez na Real Igreja de Santo An- 
tónio da Nação Portugueza em Roma, em acção de graças 
a Deus, por ter pcrservado Sua Magestade Fidelissima da 
execrando attentado temer ar iamente emprehendido contra a 
sua sagrada Pessoa, no dia 3 de Dezembro de 1769, tradu- 
zida do original impresso em Roma; e falia que o Santíssi- 
mo Padre Clemente XIV. teve em Consistório Secreto no dia 
29 de Janeiro de 1770, Lisboa, na Regia Officina Typo- 
graphica. 1770. 4. 




BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

460, Sem Rasão de entrarem em Portugal as tropas cas- 
telhanas como amigas, e rasão de serem recebidas como ini- 
migas. Manifesto reduzido ás memorias apresentadas depor- 
te a parte no anno de 1762. Impresso em Madrid, de ordem 
d''aguella Corte, nas duas linguas portugueza e castelhana, e 
reimpresso em Lisboa na língua portugueza. 4. sem o nome 
do Impressor. {*) 

461. Sentença da Alçada que Mirei Nosso Senhor man- 
dou conhecer da rebellião succedida na Cidade do Porto em 
1757, e da qual nomeou Presidente João Pacheco Pereira 
de Vasconcellos, Desembargador do Paço, e Escrivão José 
Mascarenhas Pacheco Pereira Coelho de Mello, Desembar- 
gador da Casa da Supplicação. Porto, na Offieina do Capi- 
tão Manuel Pedroso Coimbra. 1758. 4. Lisboa, na Offiei- 
na de Miguel Rodrigues. 1758. foi. 



PORTUGUEZA, 



93 



TITULO 11." 



MEMORIAS E ESCRIPTOS RELATIVOS AO REINADO DA SENHORA 
D. MARIA I. E AO DO SENHOR D. JOÃO VI. 



462. António JoAauiM da Rosa. Escreveu: Memoria 
sobre a% festas constitucionaes da Cidade de Beja. Lisboa, 
na Typographia Rollandiana, 1821. 4. (*) 

463. António Maria do Couto, professor regio de liii- 
giia grega. E. Helagão Histórica da revolução do Algarve 
contra os Franceaes, que dolosamente invadiram Portugal no 
anno de 1807,- seguida de todos os documentos authenticos, 
que justificam aparate que n''ella teve Sebastião Drago de Bri- 
to Cabreira. Lisboa, na Typographia Lacerdina. 1809. 4. 

464. António Maria Fouto Galvão Pereira. E. 
Évora no seu abatime?ito gloriosamente exaltada, ou Nar- 
ração Histórica do combate, saque, e crueldades practicadas 
pelos Fr ancezes em 29, 30, c 31 cZe Julho de 1808 na Cidade 
d''Evora, com uma breve exposição das suas antecedencias e 
consequências, para maior clareza da Historia. Lisboa, na 
Typographia Lacerdina. 1808. 4. Consta de 21 paginas. 

465. António Nicolau de Moura Stockler, publi- 
cou : Collecção de escriptos relativos á regeneração politica 
das Ilhas dos Açores, em. o anno efe 1821, ou Documentos para 
a Historia das ditas Ilhas na m>encionada epocha, Lisboa, 
na Impressão da Viuva Neves e filhos. 1822. 4. 

466. Bernardo Avelino Ferreira e Sousa. E. Me- 
lação dos festejos que á feliz acclamação do muito alto, muito 
poderoso, e Fidelíssimo Senhor D. João VI. Rei do Reino 

Unido de Portugal, Brasil, e Algarves, na noite do indelével 
efaustissimo dia 6 de Fevereiro, e nas duas subsequentes, 
com tanta cordealidade como respeito, votaram, os habitantes 
do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, na Typographia Real. 
1818. 4. (*) 

467. Fr. Cláudio da Conceição. E. Memoria Histó- 
rica da enfermidade, procissões de preces com devotíssimas 
Imagens, m>orte, e funeral do m>uito alto, muito poderoso 
Imperador e Rei o Senhor D. João VI. Lisboa, na Impres- 
são Regia. 1826. 8. 

468. Estevão Jose Rodrigues da Silva. E. Senti- 



94 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



mentos Patrióticos do muito honrado Juiz do Povo de Lis- 
boa, na occasião em que violentamente se mandou pelo go- 
verno francez proceder á supplica de um novo Rei, pelos re- 
presentantes dos três Estados da Nação, Sçc. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1808. 4. Consta de 16 paginas. (^) 

469. Francisco de Borja GarçSo Stockler, depois 
Barão da Villa da Praia. E. Cartas ao Aactor da Historia 
Geral da invasão dos Francezes em Portugal, e da restau- 
rarão doeste Reino. Rio de Janeiro, na Impressão Re^-ia. 
1813. 4. r o 

^f 470. Francisco Manuel Trigoso de Aragão Mora^ 
TO. E. Elogio Histórico da Princeza D. Maria Francisca 
Benedicia, escripto em Fevereiro de 1834. Paris, chez Paul 
Renouard. 1836. 4. com o retrato da Princeza. Do caractef 
da lettra bem se deixa ver ter sido impresso %m Lisboa, e 
não em Pariz. Sahiu sem o nome do auctor. 

471. Francisco Xavier Gomes de Sepúlveda, abbadé 
de Rebordãos. E. Memoria abbreviada e verídica dos im^ 
portantes serviços que fez á Nação o Excellentissimo Senhor 
Manuel Jorge Gomes de Sepúlveda, Tenente General, e Go- 
vernador das arma»* da Provinda de Traz-os- Montes, nà 

feliz origem e progresso da revolução que salvou Portugal, e 
que deve servir para dar^ luz^ á Historia Lusitana. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1809. Consta de 
22 paginas. (^) 

472. Ignacío de Sousa Lima e Menezes de Maga- 
lhães, natural de Braga. E. Memorias Históricas dos ap- 
plausos com que a Corte e Cidade de Lisboa celebrou o nas- 
cimento e baptismo da Serenissima Senhora Princeza da Bei- 
ra. Lisboa, na Officina de José de Aquino Bulhões 1793. 
4. (*) . ^ , 

Memorias Históricas do Serenissimo Senhor D. Ardonio, 
Principe da Beira. Part. 1. Lisboa, na Officina de Simão 
Thaddeu Ferreira. 1795. 4. (*) Part. 2. Em a qual se re- 
ferem as acções de graças pelo felicissimo nascimento de Sua 
Alteza, e as festas publicas com que este foi applaudido pelo 
Intendente Geral daPolicia da Corte e Reino de Portugal, 
e pelos fidalgos da primeira nobreza. Lisboa, na Officina de 
José de Aquino Bulhões. 1796. 4. (*) 

473. Isidoro Rodrigues Pereira.. E. Relação fiel da 
acção de patriotismo e fidelidade que a Camará e Povo da 
Cidade de S. Luiz do Maranhão practicou, em obsequio do 
muito alto e poderoso Rei o Senhor D. João VI. Lisboa, 
na Impressão de João Baptista Morando. 1822. 4. Consta 
de 11 paginas, (*) 



PORTCJGUEZA. 



95 



474. JoXo Ahtonio Monteiro e Azevedo. E. Relação 
da solemnissima festividade que, em acção de graças pela 
gloriosa restauração de Portugal^ se celebrou na Igreja Ma^ 
triz de Filia Nova deGaya, no dia 11 de Dezembro de 1808, 
precedida de Uma descripção topographica da mesma Villa. 
Porto, na Typograpliia de António Alvares Ribeiro. 1309. 
4, Consta de 47 paginas, sem o nome do auctor. Sahiu augmen- 
tada com este titulo: Descripção Topographica de Villa No- 
va de Gaya, e da solemnissima festividade gue^ em, acção de 
graças peta gloriosa restauração de Portugal, se celebrou na 
Igreja Matriz da mesma Villa, no dia 1 1 de Dezembro de 
1808. Londres, impresso porT. C. Hansard. 1813. 12. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1813. 4. 

475. João José do Souto Rodrigues. E. Memoria dos 
mais notáveis acontecimentos que houve em Leiria e seus con- 
tornos, por occanão do combate dado em 5 de Julho de Í808 
pelo exercito francez, comm andado pelo General Mar garon -^ 
e das antecedencias que o occasionaram. Consta de 20 pagi- 
nas. 4. (fl?) 

476. Fr. João Marianno de Nossa Senhora do Car- 
mo Fonseca, religioso da Provincia dos Algarves. E. Rela- 
ção abbreviada dos factos mais recommendaveis da revolução 
de Campo-Maior, em 1808. Lisboa, na Impressão Regia. 

1813. 8. 

477. JoAauiM da Nóbrega CÃo de Aboim, prelado 
patriarchal, e decano daCapella Real do Rio de Janeiro. E. 
Elogio Histórico do Serenissimo Senhor Infante D. Pedro 
Carlos de Bourbon e Bragança, Almirante General da Ar- 
mada Real Portugueza. Rio de Janeiro, na Impressão Re- 
gia. 1813. 4. (*) 

478. JoAauiM Pedro Cardoso Casado Giraldes, na- 
tural do Porto. E. Relação circumstanciada do modo com 
que se desenvolveu, se promoveu^ e se proclamou a Constitui- 
ção na Ilha da Madeira, no memorável dia 28 de Janeiro 
de 1821. Lisboa, na Typographia Rollandiana. 1821. 4. 
sein o nome do auctor. Consta de 12 paginas. {^) 

479 Fr. JoAauiM Soares, religioso dominico. E. Com- 
pendio Histórico dos acontecimentos mais celebres motivados 
pela revolução de França, e principalmente desde a entradc^ 
dos Francezes em. Portttgal, até a segunda restauração d''es- 
te, e gloriosa acclamação do Principe Regente, o Serenissi- 
m.o Senhor D. João V^I Part. 1. Coimbra, na Imprensa da 
Universidade. 1808. 4. Part. 2. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1809. 4. {^) 

480, JosÉ AccuRsio DAS Neves, E. Discurso sobre os 

13 



96 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



principaei successos da Campanha do Douro. Lisboa, na Of- 
ficina de Simão Thaddeu Ferreira. 1809.4. Consta de 28 pa- 
ginas, {m) 

Observações sobre os recentes acontecimentos das Províncias 
d'' Entre- Douro e Minho, e Traz-os- Montes. Ibi, na dita Of- 
ficina. 1809. 4. Dezoito paginas de impressão. (^-) 

Reflexões sobre a invasão dos Francezes em Portugal. Ibi, 
na dita Officina. 1809. 4. (s^^) 

Historia Geral da invasão dos Prancezes em Portugal, e 
da restauração d''esie Reino. Tom. 1. c 2. Ibi, na dita Of- 
ficina. 1810. 8. Tom. 3.4.e5. Ibi, na dita Officina. 18 11. 8. 

481. José Anastácio Falcão. E. Heróica resolução do 
Infante D. Miguel, e Manifesto dos motivos que deram ori- 
gem á regeneração do memorável dia 5 de Junho de 1823; 
no qual detalhadamente se declara a entrada triumphante de 
Sua Magesiade em hisboa. Lisboa, na Impressão da Rua 
Formosa. 1823. 4. 

482. José António de Sá. E. Demonstração Analytica 
dos bárbaros e inauditos procedimentos adoptados como meios 
àe justiça pelo Imperador dos Francezes, para a usurpação 
do Throno da Berei^issima e Auguúissima Casa de Bragan- 
ça, e da Real Coroa de Portugal, com o exame do Tracta- 
do de Foniainebleau, exposição dos Direitos Reaes, e da in' 

forme Junta dos ires Estados para supprir as Cortes. Lisboa, 
na Impressão Regia. 1810. 4. Sahiu de novo com este titu- 
ío : Defeza dos Direitos Nacionaes e Reaes da Monarchia 
Portugueza. Ibi, na dita Impressão. 1816. dois tomos. 4. 

483. JosÉ Bonifácio de Andrade e Silva. E. Elogio 
Académico da Senhora D. Maria I. recitado em Sessão Pu- 
blica da Academia Real das Sciencias de Lisboa, aos 20 de 
Março de 1817. Rio de Janeiro, na Typographia de Fran- 
cisco de Paulo Brito. 1839. 4. 

484. JosÉJoAauiM da Silva, natural d^Evora. E. Evo- 
ra lastimosa pela deplorável catastrophe do fatal triduo de 
29, 30, e31 de Julho de 1803. Memoria Histórica dos acon- 
tecimentos relativos especialmente ás Corporações EccUsiasti- 
cas de um e de outro sexo. Part. 1 . Lisboa, na nova Offi- 
cina de João Rodrigues Neves, 1809. 8. Part. 2. Ibi, na 
Impressão Regia. 1814. 8. 

485. JosÉ Manuel de Abreu, presbjtero secular. E. 
Elogio Histórico do Senhor D. José, Principe do fírasil^fal- 
lecido aos íl de Setembro de 1788. Lisboa, na Officina de 
António Gomes. 1788. 4 Consta de 12 paginas. Ibi, na 
Officina de António Rodrigues Galhardo. 8. Ibi, na Typo- 
graphia Nunesiana, 1789. 4. 



MRTUGCIKZA. 



97 



486. JosjB Maria Dantas Pereira. E. Elogio Histó- 
rico do Senhor D. Pedro Carlos de Bourbon e Bragança^ 
Infante de Hcspanha e Portugal, Almirante General da Ma- 
rinha Portugueza. Rio de Janeiro, na Impressão Regia. 
1813. 4. (*) 

487. José Maria Vasconcellos Mascarenhas. E. Jõr- 
nada d''Elrei o Senhor D. João VI. á Villa de Santarém, 
em Janeiro de 1824. Lisboa, na Impressão da Rua Formo- 
sa. 1824. 4. (*) 

488. José Sebastião de Saldanha Oliveira eDaun. 
E. Relação Histórica das Cavalhadas^ ou Torneio Real que 
se fez na Corte e Cidade de Lishoa, no anno de 1795, para 
solemnisar e festejar o nascimento de Sua Alteza Heal o Prín- 
cipe D. António. Lisboa, na Imprensa Lusitana. 1842. 4. 

Diorama de Portugal nos trinta e ires mezes Constitucio- 
naes, ou golpe de vista sobre a revolução de 1 820, a Consti-' 
tuição de 1822, a restauração de 1823, e acontecimentos pos- 
teriores^ até fim deOutubro do m,esmo anno. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1823. 4. 

489. José da Silva Lisboa, desembargador da Casa da 
SuppUcação do Rio de Janeiro. E. Memorias dos beneficias 
politicas do governo d'^Elrei D. João VI. Part. 1. c 2. Rio 
de Janeiro, na Impressão Regia. 1818. 4. 

490. Luiz António Innocencio de Moura e Lemos. 
E. Elogio fúnebre do Sereníssimo Senhor D. José, Princi- 
pe do Brasil. Lisboa, na Typographiade F. RoUand. 1788. 8. 

491. Manuel Borges Carneiro. E. Portugal regene- 
rado em 1820. Lisboa, naTypographia Lacerdina — três edi- 
ções do mesmo anno eda mesma Officina — 1820. 8. Ibi, na 
Officina de António Rodrigues Galhardo. 1821. 8. sem o 
nome do auctor. 

492. Manuel de Castro Corrêa db Lacerda. E. 
Relação da tomada de Abrantes, no dia 17 de Agosto de 
1808. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1808. 
4. Consta de 14 paginas. [f^%) 

493. Manuel JosÉ Gomes de Abreu Vidal, advoga- 
do da Casa da Supplicação. E. Analyse da Sentença profe- 
rida no Juizo da Inconfidência, em 15 de Outubro de 1817, 
contra o Tenente General Gomes Freire de Andrade., o Co- 
ronel Manuel Monteiro de Carvalho e outros, pelo crime 
d'' alta traição. Lisboa, na Typograpliia Morandiana. 1820. 

494. Fr. Matheus da Assumpção Brand-Xo, monge 
benedictino. E. Elogio necrologico do muito altoj emuiiopo 
ãeroso Imperador e Rei o S.enkor D. João VI, Recitado em 



■ 



98 



BIBLIOGRÀPHIA HISTÓRICA 



Sessão Publica da Academia Real das Sciencias de Lisboa, 
aos 10 de Setembro de 1826, Lisboa, na Typographia da Aca- 
demia. 1828. 4. (*) 

495. Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva. E. Nar- 
ração das marchas efeitos do Corpo Militar Académico^ des- 
de Z\ de Março ^ em que sahiu de Coimbra, até 12 de Maio, 
sua entrada no Porto. Coimbra, na Imprensa da Universi- 
dade. 1809. 4. Consta de 25 paginas. (^) 

496. Sebastião Xavier Botelho. E. Hiúoria verda- 
deira dos acontecimentos da Ilha da. Madeira, depois do me- 
morável dia 28 í/e Janeiro, escripta por ordem chronologica, 
Lisboa, na Officina de António Rodrigues Galhardo. 1821. 
4. (*) 

497. Theodoro JosÉBiANCARDi. E. Succcssos do Alem- 
iejo. Primeira Parte. Lisboa, na Impressão Regia. 1803.8. 
Consta de 44 paginas. 

498. Veríssimo António Ferreira DA Costa. E. Ma- 
nifesto das deligencias e meios que se empregaram em L.isboa, 
relativos á restauração da liberdade da Pátria. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1809. 4. Consta de 32 paginas, (j^) 



499. Applauso Festivo dedicado áfeliz acclamagão da Rai- 
nha Fidelíssima D. Maria I. pelo Senado da Camará da Cida- 
de de Lisboa, e relação individual da festividade de ires dias de 
combate de touros^ com exacta descripção da praça, entradas, 
danças, carros, e todo o succedido ii"* es te festejo. Lisboa, na 
Officina de Francisco Borges de Sousa. 1778. 4. Consta de 
30 paginas. (*) 

500. Auto do Levantamento e Juramento que os Grandes, 
Títulos Seculares^ Ecclesiasticos, e mais pessoas que se acha^ 
ram presentes, fizeram á muito alta, e muito poderosa Rai- 
nha Fidelíssima a Senhora D. Maria I. na Coroa d''estes 
Reinos e Senhorios de Portugal, sendo exaltada e coroada so- 
bre o Régio Throno juntamente com o Senhor Rei D. Pe^ 
dro III. na tarde do dia 13 de Maio t/e ! 777, Lisboa, na 
Regia Officina Typographica . 1780.4. grande. Ibi, names- 
ma Officina e no mesmo anno. 4. {*) 

501. Auto de toda a festividade nacional do dia 15 de 
Setembro de mil oitocentos e vinte e um, pelo Senado da Ca- 
mará. Lisboa, naTypographia Silviana. 1321. foi. Oito pa- 
ginas de impressão. 

à02. Bosquejo da Campanha de PortugaL Obra escripta 



PORTUGUEZA. 



99 



€m Londres depois da batalha do Bussaco^ addicionada já 
depois da retirada de Massena para Santarém, e traduzida 
em vulgar. Part. 1. e 2. Lisboa, na Impressão Regia. 1811. 
4. Fart. 3. Ibi, na Officina de Joaquim Rodrigues d'An- 
drade. 1811. 4. Constam ao todo de 62 paginas. 

503. Bosquejo (Pequeno) das festivas e afectuosas de- 
mondrações de cordealidade e respeito com que foi recebido^ 
na Terceira^ o Excellentissimo Governador e Capitão Gene- 
ral que Sua Magedade ultimamente se dignou conceder ás 
Ilhas dos Açores. Lisboa, na Impressão da Rua Formosa. 
1824. 4. Refere-se á chegada do Tenente General Francisco 
de Borja Garção Stockler á cidade d'Angra. Consta de 17 
paginas. > 

504. A Campanha de Portugal — 1810-1811. Londres., 
Maio de 1811. Traduzida emportuguez. Lisboa, na Impres- 
são Regia. 1811. 4. Consta de 37 paginas. (^) 

505. Carta que um amigo de Ceuta escreveu a outro does- 
ta Cidade, em a qual lhe dá uma circumstanciada noticia da 
resplandecente Embaixada que a Rainha mandou ao Impe- 
rador de Marrocos, e dos presentes que d^alli vieram para 
esta Corte. Lisboa, na Officina de António Gomes. 1791.4. 
Consta de 15 paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 



peis 



Vários 



Ti) 



506. Carta em que seda uma breve noticia do modo com 
gue Suas Magestades Sicilianas receberam a Esquadra Por- 
iugueza ; do lusimento e apparato com que ella entrou no 
porto de Nápoles, debaixo das ordens do Chefe d"* Esquadra 
José Sanches de Brito. Lisboa, na Officina de António Go- 
mes. 4. É datada a 26 de Julho de 1792, e consta de 7 pa- 
ginas. 

507. Carta de L. P. A. P. a um seu patricio da Cida- 
de da Bahia. Relação dos successos de Portugal desde a e/i- 
trada do exercito de Junot até a sua evacuação. Lisboa, na 
nova Officina de João Rodrigues Neves. 1808. 4. Tem 33 
paginas. (^.) 

508. Carta em que se participa a noticia das demonstra- 
ções de sentimento^ e honras funeraespracticadas na Cidade de 
Angra, da Ilha Terceira, Capital das dos Açores, por occa- 
sião do fallecimento da Augustissima Rainha a Senhora D. 
Maria I Lisboa, na Impressão Regia. 1817. 4. Consta de 
8 paginas. 

509. Catalogo por copia, extrahido do original das Ses- 
sões e Actas feitas pela Sociedade de Portuguezes, dirigida por 
um conselho intitulado Conselho Conservador de Lisboa, e 
instalada n''esta mesma Cidade, em 5 de Fevereiro de 1808, 



ÍOO 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



iendo-se unido oi instaladores em 21 de Janeiro do mesmo an- 
uo, para tractar da restaurarão da Palria. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 4. 

510. Declaração da revolução principiada no dia 16 de 
Junho de 1808 no Algarve, e togar d^ (Hhuo, p,do G-^ver- 
nador da Praça de Filia Real de Santo António, José Lo- 
pes de Sousa, para a restauração de Portugal, auatro pa- 
ginas de impressão. 4. (^) 

Continuação da feliz e gloriosa restauração da Comarca do 
Campo de Ourique,^ pela parte do Poente. Consta de 3 pa- 
ginas. 4. {^) 

Continuação da 7iarração dos acontecimentos que occorre- 
ram na vanguarda do Exercito do Algarve, commnndada 
pelo Tenente Coronel Sebastião Martins Mestre. Consta de 
5 paginas. 4. {r^) 

511. Bescripção das illuminaçòcs de Lisboa, pelo feliz nas- 
cimento da Augusta Princeza da Beira. Lisboa, na Officina 
de Simão Thaddeu Ferreira. 1793. 8. Tem 47 paginas. 

Bescripção da continuação das festas, e do grande fogo de 
^tificio pelo feliz nascimento da Sereníssima Princeza da 
Beira. Lisboa, na dita Officina. 1793. 8. Consta de 30 
paginas. 

512. Vescripção da maneira porque foi applaudido, na 
Capitania da Parahiba do Norte, o memorável dia 13 de 
Maio de 1803, em que fez annos o Serenissimo Príncipe Re- 
gente de Portugal. Lisboa, na Impressão Regia. 1803. 4. 
Consta de 4 paginas. (*) 

513. Descripção dos festas e luminárias com que a muito 
nobre e sempre leal Cidade de Lisboa celebrou, no dia 15 de 
Setembro de 1808 e seguintes, o arvoramento da Bandeira 
Portugueza no Castello de S. Jorge doesta Cidade, Sfc. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1808. 4. Consta de 14 paç^inas. (^) 

514. Descripção das festas com. que o Illustrissimo Sena- 
^ da Camará da Cidade do Porto celebrou a entrada dos 
Regimentos de Infanteria num. 6 e 18, no dia 15 de Agosto 
de 1814. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Consta de 27 pa- 
ginas. 

515. Descripção exacta da festa do anniversnrio de Sua 
Magestade Fidelíssima o Senhor D João VI. Rei do Reino 
Unido de Portugal, Brasil, e Algarves, em a Cidade do Por- 
to, no anno de 1818, o primeiro depois da sua gloriosa accla- 
fnação na Corte do Rio de Janeiro. Lisboa, na Impressão de 
Aleobia. 1818. 4. Treze paginas de irapresão. (*) 

516. Descripção da festa nacional com que a Sociedade 
tmstitimon&l da Sala do Risco, do Arsenal da Marinha, 



à 



PORTUGCEZA' 



101 



celebrou o primeiro anniversario do sempre memorável dial 5 
de Setembro. Lisboa, na Impressão de João Baptista Moran- 
do. 1821. 4. (*) 

517. Descripguo da pom,posa inauguração da Regia Efí- 
gie de Sua Magedade na Sala da Camará Constitucional de 
Lisboa^ em ofausti$simo dia 13 de Maio de 1823. Lisboa, na 
Regia Typographia Silviana. 1823. 4. Consta de 12 pagi- 
nas. 

518. Descripção das f estai que fizeram alguns moradores 
da Villa de Benavente^ pelo espaço de três dias, 30 e 31 de 
Julho, e 1 . de /agosto, em acção de graças, pela elevação de 
Sua DIageslade ao seu .4ugudo IVirono. Lisboa, na Typo- 
graphia Maigrense. 1823. 4. 

5 19. Diário (Primeira Parte do) que contém os succes- 
$os, acontecidos no Reino de Portugal^ pertencentes ás tro- 
pas francezas, com algumas noticias anteriores ásua entrada, 
desde 24 de Novembro de 1807, até 4 de Janeiro de 1808. 
Lisboa, na Ofâcina de António Rodrigues Galhardo. 1808.8. 

520. Ensaio Histórico, Politico, e Philosophico do estado 
de Portugal, desde o mez de Novembro de 1807, até o mez 
de Junho de 1808. Rio de Janeiro, na Impressão Regia. 8. 
Consta de 32 paginas. 

ó2 I . Epitome Histórico da occlamação do Príncipe Re- 
gente na Cidade de Braga, em, 8 de Junho de 1808, com, ot 
successos posteriores relativos á mesma acclamaçuo. Lisboa, na 
nova Officina de João Rodrigues Neves. 1809.4. Consta de 
26 paginas. Sahiu em nome de Dorindo Bracharense. (|^) 

522. Extracto dos festejos com. que o povo de Villa Vi- 
çosa celebrou oftliz nascimento da Princeza da Beira, a Se- 
nhora D. Maria Thereza. Lisboa, na Officina de José de 
Aquino Bulhões. 1793. 4. Consta de 20 paginas. 

523. A Guerra da Peninsida debaixo do seu verdadeiro 
ponto de vista, ou Carta ao Senhor Ahbade F*** a respeito 
da Historia da ultima guerra, escripta em Itália por Paga» 
ni. Lisboa, na Impressão Regia. 1320. 4. 

5.24. Historia dn Legião Portugueza cm França. Lon- 
dres, impresso por T. C. Hansard. 1814. 8. grande. Consta 
de 77 paginas. D'ella possuímos ura exemplar. 

525. Historia d''Elrei D. João VI. em que se referem os 
principaes actos e occorrencias do seu governo, bem como al- 
gumas particularidades da sua vida privada ; vertida dofran- 
cez. Lisboa, na Typograpbia Patriótica de C. J. da Silva e 
Companhia. 1838. 12. 

526. Lysia grata aos invictos e valorosos Lusitanos, ou 
Brevs Noticia dos applausos e festins com que foram recebi- 




BIBLIOGKAPHIA HISTÓRICA 

das as tropas por tuguezas quando, depois da Campanha, vol- 
taram victoriosas a esta Capital de Lisboa^ nos fins de Agos-' 
to, e princípios de Setembro de 1814. Lisboa, na Officina de 
António Rodrigues Galhardo. 1816. 8. 

527. Manifesto da Nação Portugiieza aos Soberanos e 
Povos daMuropa. L-isboa, na Imprensa Nacional. t820'. foi. 
Oito paginas de impressão. 

528. Mappa Historico-Mílitar, Politico e Moral da Ci- 
dade d"* Évora, ou exacta narração do terrível assalto que 
á mesma Cidade deu o General Loison, com um exercito de 
nove mil homens, em o fatal dia 29 de Julho' de 1808 Pari. 
l. e 2. Lisboa, na Ofâcina de António Rodrigues Galbardo\ 
1814. 4. com duas estampas. {^) 

529. Memoria dossuccessos da guerra dos Pyrineos Orien- 
taes^ entre Hespanha e Franga, exactamente ob<servados e 
examinados desde o dia do desem,barque do Exercito PortW' 
guez em Rosas, até o seu reembarque em Bnrcelona, em 28 
de Outubro de 1795. Lisboa, na Ofíicina de José de Aqui- 
no Bulhões. 1797. 8. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa " 
peis Vários jj, 

530. Memoria Histórica da invasão dos Francezes em, 
Portugal^ no anno de 1807. Rio de Janeiro, na Impressão 
Regia. 1808. 8. Tem 87 paginas. 

531. Memoria (Breve) dos estragos causados no Bispado 
de Coimbra pelo exercito francez, commandado pelo General 
Massena. Extrahida das informações que deram os Parochos. 
Lisboa^ na Impressão Regia. 1812. 4. Consta de 14 pagí- 

532. Memoria da pompa fúnebre com que o Senado da 
Camará, e o povo da Villa de Estremoz, celebraram as exé- 
quias pelo fallecimento da muito augusta, e muito excettente 
Senhora U. Maria I. Rainha de Portugal, Brasil e Al- 
garves, Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1817. 4. Consta de 17 paginas. (*) 

533. Memaria sobre a conspiração de 1817, vulgarmente 
chamada a Conspiração de Gomes Freire ; escripta e publi- 
cada por um, Por tuguez amigo da justiça e da verdade. Lon- 
dres, impresso por Ricardo e Artur Taylor. 1822. 8. Lis- 
boa, na Impressão Liberal. 1822. 4. 

534. Memorias de Braga, ou Helação Histórica e Poli- 
tica dos principaes successos acontecidos em Braga, desde o 
embarque do Príncipe Regente para o Rio de Janeiro, atê 
a feliz restauração do seu legitimo governo. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1809. 4. Trinta e duas paginas de impres- 
são, {s^) 



PORTUGUEZA- 



103 



535» Memorias da Vxlla de Chaves^ na sua gloriosa re- 
volução contra a perfídia doiyranno da Europa. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1809. 4. {i^) 

536. Memorias das principaes providencias dadas emiu- 
xiiio dos jooíjos que, pela invasão dos Francezes nas JProvn- 
eias da Seira e Extremadura, vieram refugiar-se á Capital, 
no anno de 1810. Lisboa, na Officina de António Rodrigues 
Galhardo. 1814. 4. Sahiu em nome de Cândido Justino de 
Portugal. 

537. Narração Histórica do combate, saque, e cruelda- 
des practicndas pelos Francezes na Cidade d"* Évora, e noti- 
cia do estado da Provinda do Alemtejo antes d^aquelles fa- 
ctos, ô-uinze paginas de impressão. 4. 

538. Narração dos factos acontecidos na Cidade d^ Elvas, 
desde que as tropas hespanholas, commandadas pelo General 
da Estremadura D, José Galuzo, puseram em sitio os Fran- 
cezes, que se achavam na dita Cidade, e nos Fortes de Lippe 
e de Santa Luzia, até que se retiraram pela chegada dos In- 
glezes á^juclla Cidade. Lisboa, na nova Officina de João Ro- 
drigues Neves. 1809. 4. Consta de 15 paginas. (^) 

539. Narração do que se passou na Cidade do Porto, por 
occasião da morte da Senhora D. Maria I. Rainha de Por- 
tugal, Brasil, e Algarves. Lisboa, na impressão Regia. 1816. 
4. Tem 16 paginas. (*) 

540. Narração (Simples) do que se practicou na Villa de 
Guimarães, por occasião da morte da Augusta Rainha a Se- 
nhora D. Maria I. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Q^uatro 
paginas de impressão. 

541. Narração da visita que Sua Magestade, e mais Pes- 
soas Reaea, fizeram ao Real Collegio Militar, em 28 de Ju- 
lho de 1821. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1821. 4. {*) 

542. Narração verdadeira do que se practicou na Villa 
de Estremoz, quando se proclamou Sua Magestade restituí- 
do ao seu Throno, e antigos poderes. Lisboa, na Regia Ty~ 
pographia Silviana. 1823. 4. Oito paginas de impressão. 

543. Notas ao pretendido Manifesto da Nação Portugue- 
za aos Soberanos e Povos da Europa, publicado em Lisboa 
a 15 de Dezembro de 1820. Londres, impresso na Officina 
de T. C. Hansard 1821. 12. 

Introducção ás Notas supprimidas em 1821, ou raciocínio 
sobre o estado presente e futuro da Monarchia Portuguezà. 
Londres, na dita Officina. 1823. 12. 

^ Supplemenio ou Explicação do que se acha escripio depa- 
gi7ias 53 a QO na Introducção ás Notas Supprimidas. Pa riz, 
impresso por A Béraud. 1824. 12. 

14 



104 



BIBLIOGRiPHU HISTÓRICA 



544. Noticia das solemnei e magnificas funcçães com que 
%e celebrou^ na sempre Augusta Cidade de JLisôoa, o despo^ 
sorio da Serenissima Senhora Infanta D. Marianna Vicio" 
ria^ com o Serenissima Senhor D. Gabriel^ Infante de Hes- 
panha, nos dias 11, 12 e Í3 de Abril de 1785. Lisboa, na 
Ofâcina de Domingos Gonçalves. 1775 (aliás 1735). 4. Cons- 
ta de 15 paginas. (*) 

545. Noticia das funcgões efésias com que em Madrid se 
celebrou o desposorio da Serenissima Senhora Infanta D, 
Carlota Joaquina, neta d'*Elrei Catholico, filha dos Serenís- 
simos Príncipes das Astúrias, com o Sereníssimo Senhor In- 
fante de Portugal D. João, filho dos Reis Fidelíssimos ; tra- 
duzida do seu original, impresso em Madrid. Lisboa, naOf^ 
ficina de Domingos Gonçalves. 1785. 4. Consta de 23 pagi- 
nas. (*) 

546. Noticia das festas com que a Cidade de Braga ap' 
plaudiu o nascimento da Sereníssima Princeza da Beira. Lis- 
boa, na Typographia Nunesiana. 1793. 4. Consta de 7 pa- 
ginas. 

547. Noticia das festividades com que a Praça de Almei- 
da applaudiu o iiascimenio da Serenissitna Princeza da Bei- 
ra. Lisboa, naTypographia Nunesiana. 4. Sete paginas de im- 
pressão. 

548. Noticia das festividades com que a Villa de Cea ap- 
plaudiu o nascimento da Serenissima Princeza da Beira. Lis- 
boa, na Typograpliia Nunesiana. 1793. 4. Gluatro paginas 
de impressão. 

549. Noticia das grandes festas e illumínaçôes que se fi- 
zeram em Lisboa, nos mezes de Setembro e Outubro de 1808, 
pela feliz restauração do Reino de Portugal, e entrada da 
Msquadra e Mxercito da Gram Bretanha. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1808. 4. Consta de 8 paginas. (^) 

550. Noticia das funcgões gratulatorias que b Excellen- 
iissimo e Reverendíssimo Senhor Bispo d"* Elvas, D. José Joa- 
quim da Cunha de Azeredo Coutinho, fez celebrar, por três 
dias 29 e 30 de Novembro, c 1. c/e Dezembro de 1808, na 
sua Igreja Cathedral, com o plausível motivo da restauração 
do governo do Príncipe Regente. Oito paginas de Impres- 
são. 4. (^) 

551. Notícia da festividade em acção de graças pela res- 
tauração de Portugal, na Filia de Alfarella, em 1808. Na 
Officina Nunesiana. 1809.4. Três paginas de impressão. {^) 

552. Noticia (Breve) da feliz restauração do Reino do 
Algarve, e mais successos ate o fim da marcha do Exercito 
do Sul, em auxílio da Capital, Lisboa, na nova Officina 



& 



^ORTOttCRZÀ. 



105 



de João Rodrigues Neves. 1809. 4. Consta de 36 pagi- 
nas, (.^) 

653, Noticia (Verdadeira) dá restauração do Porto ^ e 
dos combates anteriores com as tropas inglezas e portugueza», 
Lisboa, na Impressão Regia. 1809. 4. Sete paginas de im- 
pressão, {m) 

654. Noticia resumida dos acontecimentos da Ilha Ter- 
ceira^ na instalação do seu Governo Constitucional. Lisboa, 
na Offieina de António Rodrigues Galhardo. 1821.4. Cons- 
ta de 20 paginas. (*) 

555. Noticia das festividades com que na Ilha do Fayal 
se solem,nisaram os mem.oraveis dias da imtalação do seu Go" 
vernn. Lisboa, na Typographia Maigrense. 1822. 4. (*) 

ÔÔ6. Noticia (Breve) dos festejos com> que na Cidade de 

Angra^ da Ilha Terceira^ se solem,nisou a reintegração de 

Sua Magestade Fidelíssima o Senhor D. João VI. nos inau- 

f criveis direitos da sua Soberania. Lisboa, na Impressão da 

Rua Formosa. 1824. 4. Consta de \2 paginas. [?&) 

557. Observador Portuguez, Histórico e Politico de Lis- 
boa, desde o dia 27 de Novembro de 1807, em que embarcou 
para o brasil o Príncipe Regente^ e toda a Real Família, 
por motivo da invasão dos Francezes n''este Reino, até o dia 
15 de Setembro de 1808, em que foram expulsos. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1809. 4. 

6.08. Panegyrico de Sua Magestade Imperial e Real o 
Senhor D. João VI. dê Saudosa Memoria. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1826. 4. (*) 

559. Papeis Officiaes da Junta da Segurança ê Adminis- 
tração Publica da Torre de Moncorvo., onde foi proclamada 
a legitima auctoridade do Príncipe Regente, no dia 19 de 
Junho de 1808. Coimbra, na Imprensa da Universidade. 
1808. 4. Vinte paginas de impressão. {^) 

Continuação dos Papeis Officiaes da Junta da Segurança 
e Adm,irnstração Publica da Torre de Moncorvo. Coimbra, 
na Imprensa da Universidade. 1803. 4. Constam de 31 pa- 
ginas, (lii) 

560. O Pregoeiro Lusitano. Historia circumst andada da 
Regeneração Portu^ueza, desde o Porto, seu illustre berço, 
ate a ultima conclusão das Cortes ,* com vários discursos ten- 
dentes ao mesmo objecto. Part. 1. Lisboa, na Typographia 
de João Baptista Morando. 1820.4. Part. 2. Tom. 1. 2. 3. e 
4. Ibi, na nova Impressão da Viuva Neves eFilhos. 1821.4. 

661. ReJlexÕes sobre a conspirarão descuberta e castigada 
em, Lisboa, no anno de 1817. Lisboa, na Impressão Regia— ^ 
duas edições do mesmo anno, e da mesma Impressão — IsU. 8. 




BIBLIOGRAPHIA HíSTORÍCA 

562. Relação das formalidades da despedida ãa Serenís- 
sima Senhora D. Marianna Vidaria ; das particularidades 
da sua jornada, desde Villa Viçosa até Aranjuez, e da sua 
chegada e recebimento na Corte de Hespanha Lisboa, na Re- 
gia OfficinaTypographica. 1785.4. Consta de 8 paginas. (*) 

563. Relação da chegada da Sereníssima Senhora Infan- 
ta D. Carlota Joaquina a Villa Viçosa, e das circumstancias 
cjue precederam e se seguiram. Lisboa, na Uegia OffieinaTy- 
pographica. 1785. 4. auatro paginas de impressão. (*) 

564. Relação das preces publicas que fe% pela Rainha o 
Senado da Camará, Nobreza, e Povo da Villa de Setúbal, 
nos dias 17, 18 e Í9 de Fevereiro de 1792. Lisboa, na Of- 
íicina de Simão Thaddeu Ferreira. 1792. 4. 

565. Relação da celebridade com que o Excellentissimo 
€ Reverendissimo Senhor Bispo de Beja solemnisou e applau- 
diu, n''aquella Cidade, ofaustissimo nascimento da Serenis- 
sima Senhora Princeza da Beira. Lisboa, na Officina de Si- 
mão Thaddeu Ferreira. 4. Três paginas de impressão. 

566. Relação das festas practicadas na Villa de Borba, 
em applauso do faustissimo nascimento da Augusta Princeza 
da Beira. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
4. Consta de 3 paginas. 

567. Relação das festas practicadas na Praça de Chaves, 
em applauso do faustissimo nascimento da Augusta Princeza 
da Beira. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
4. Consta de 4 paginas. 

563.^ Relação da celebridade com que a Villa de Frades 
solemnisou e applaudiu ofaustissimo nascimento da Serenís- 
sima Senhora D. Maria, Princeza da Beira. Lisboa, na 
Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 4. Consta de 3 pa- 
ginas. 

569. Relação da celebridade com que a Villa da Golle- 
gan solemnisou ^ applaudiu ofaustissimo nascimento da Se- 
renissímct Senhora D. Maria, Princeza da Beira. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 4. Consta de 4 pa- 
ginas. 

570. Relação dasfestas que se fizeram na Cidade da Guar- 
da, por occasião do feliz nascimento da Sereníssima Prince- 
za da Beira. Lisboa, na Typographia Nunesiana. 1793. 4. 
Seis paginas de impressão. 

571. Relação da solemnidade com que a Villa de Ida- 
nha a Nova celebrou o faustissimo nascimento da Sereníssima 
Senhora Princeza da Beira. Lisboa, na Officina de Simão 
Thaddeu Ferreira. 4. Três paginas de impressão. 

Relação das festas practicadas na notável Víllá de 



& 



PORTUfiUEZA. 



107 



Maura, pelo Doutor Juiz de Fora, e Senadores da Camará 
da mesma Villa, em applauso e obsequio do faustissimo nas- 
cimento da Jvgusta Princeza da Beira. Lisboa, na Officina 
de Simão Tbaddeu Ferreira. 1793. 4. Consta de 3 paginas. 
67 3. Reloião do festejo puh lie o executado na Cidade de 
Ponta-Dclgada, da Ilha de S. Miguel, por occasiuo do feliz 
nascimento da Princeza da Beira, l-isboa, na Officina de 
Simão Thaddeu Ferreira. 4. Consta de 8 paginas. 

574. lielaçuo das festas que se fizeram na Cidade de 
Portalegre, por occasiuo do feliz nascimento da Sereníssima 
Princeza da Beira. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu 
Ferreira. 4. Gtuatro paginas de impressão. 

575. Relação das festividades com que na Cidade do Por- 
to se celebrou o feliz successo da Princeza do Brasil. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1793. 4. Sete pa- 
ginas de impressão. 

576. Relação da celebridade com que a Villa de Torres 
Novas solemnisou e applaudiu ofaustissimo nascimento da Se- 
renissimn Senhora D. Maria, Princeza da Beira. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 4. Consta de 4 pa- 
ginas. 

677. Relação da snlemnidade com que o Illustrissimo Fran- 
cisco d"* Almada e Mendonça, Desembargador e Corregedor 
da Cidade do Porto, fez dar principio á grande Ponte que 
Sua Magestade mandou construir sobre o Rio Ave. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 4. Consta de 4 pa- 
ginas. 

578. Relação do modo com que desempenhou o Chefe de 
Divisão Donald Campbell a commissão, de que o encarregou 
o Almirante Lord Nelson, na viagem ao porto de Tripoli, 
afim de effeituar a paz entre o Baxá d''aquella Regência, 
e a Coroa de Portugal. Impressa por ordem de Sua Alteza 
Meai. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1799. 4. 

679. Relação do brinde real celebrado em o dia 13 de 
Moio, feliz anniversario de Sua Alteza Real o Principe Re- 
gente, coroando o festejo publico pela paz geral, nos dias 10, 
11 e \2 do mesmo mez, na Cidade do Funchal, a que man- 
dou proceder o Illustrissimo e Excellentissimo D. José Ma- 
nuel da Camará, Governador e Capitão General da Ilha da 
Madeira, em 1 802. Lisboa, na Regia Officina Typographi- 
ca. 1803. 4. Consta de 22 paginas. {*) 

580. Relação da accLi mação do Príncipe Regente na 
Vil/a de Chaves. Consta de 2 paginas 4. (|§|) 

581, Relação do que se practicou em 8, João da Fcr. do 



108 



AiBLIOfiRAPHIá HISTÓRICA 



PortOf na feliz restauragão doeste Reino. Quatro paginas de 
impressão. 4. (^) ° 

582. Relação fiel e exacta do principio da revolução de 
Rraganga, e consequentemente de Portugal. Consta de4na- 
ginas. 4. {i^) Sahiu de novo: Lisboa, na Officina de João 
Evangelista Garcez. 1809. foi. Sete paginas de impressão. 
_ 583. Relação fiel e exacta da revolução de Miranda do 
JJourò. Consta de 4 paginas. 4. {^^) 

^ 584. Relação dos acontecimentos de Villa Real, relativos 
a feliz restauração de Portugal. Consta de 3 paginas. 4. M 

585. Relação circumdanciada de tudo o que aconteceu em 
a notável Villa de Thomar, desde o dia ultimo de Junho de 
1808. Consta de 4 paginas. 4. (i^) 

586. Relação do que tem succedido na Cidade da Guar- 
da, depois do feliz dia 2 de Julho de i808. Consta de 4 pa- 
ginas. 4. (li?) ^ 

587. Relação de tudo o que se practicou na Filia da Co- 
vilhan, relativamente á feliz restauração de Portugal. Cons- 
ta de 8 paginas. 4. {^%J. 

588. Relação do que obrou o Juiz de Fora da Villa do 
Fundão, Manuel Bernardo Osório, e os povos do seu Dis- 
iricto, desde que os Portvguezes principiaram a sacudir o ju- 
go pesado dos Francezes. Consta de 3 paginas. 4. (m) 

539. Relação da batalha do Vimeiro, em que foram com- 
pletamente derrotadas e vencidas as tropos fancezas, que 
commandava em chefe o General Junot. Oito paginas de im- 
pressão. 4. (^) 

590. Relação das festas que o Senado da Camará de Lis- 
boa fez celebrar, por occasiao da f diz restauração d\ste Rei- 
no. Consta de 8 paginas. 4. (n^) 

591- Relação da f micção de acção de graças celebrada na 
BasilicaPatriarchal de Santa Maria. Consta de 2 paginas. (?^) 

592. Relação das preces e solemnidades que se fizeram 
na Freguezia de S. João da Foz do Douro, pela feliz res- 
tauração do Reino de Portugal. Consta àe 2 paginas. 4. (^) 

593. Relação da funcção de acção de graças celebrada na 
^thedral de C\)imbra, pela feliz restauração do Reino de 
Portugal. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
4. Três paginas de impressão. (^|) 

594. Relação do que se obrou na Villa de Estremoz, de- 
pois que alli se recebeu a noticia da feliz restauração d"* este 

Reino. Consta de 3 paginas. 4. (^) 

595. Relação do que pr adie aram os habitantes da Cida- 
de de Lagos pela feliz restauração doestes Reinos, Três pa- 
ginas de impressão. 4. M 



ã 



rORTUflUEZA. íd§ 

696, Relação do que se practicou em Guimarães em ap~ 
plauso da feliz restauração d'*este Reino. Lisboa, na Officina 
de Joaquim Thomaz de Aquino Bulhões. 1808. 4. Consta 
de 15 paginas. {^) 

597. Relação Histórica dos principaes successos aconteci- 
dos no Reino de Portugal^ desde a entrada dos Francexes 
ri* este Reino ^ até a restauração do seu legitimo governo. Lis- 
boa, na Impressão de Alcobia. 1808. 4. (^) 

598. Relação dos successos de Amarante pela invasão dos 
Prancezes. Lisboa, na Impressão Regia. 1809. 4. Onze pa- 
ginas de impressão. (^) 

599. Relação breve e verdadeira da entrada do exerci^ 
to francez, chamado da Qironda, em Portugal, no mez de 
Novembro de 1807. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu 
Ferreira. 1809. 8. 

600. Relação das festas que se fizeram no Rio de Janei- 
ro quando o Príncipe Regente, e toda a sua Real Familia, 
chegaram pela primeira vez áquella Capital. Ajuntam^se al- 
gumas particularidades igualmente curiosas, e que dizem res- 
deito ao mesmo objecto. Lisboa, na Impressão Regia. 1810. 
4. Consta de 15 paginas. (*) 

601. Relação remettida da Ilha da Madeira, em que se 
referem os festejos públicos com que na Cidade do Funchal se 
celebrou o anniversmio natalício de Sua Alteza Real o Prín- 
cipe Regente. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Consta de 3 
paginas. 

602. Relação das festas com que os principaes Negocian- 
tes da Cidade de Coimbra celebraram a restauração do Thro- 
no dos Bourbons, e o restabelecimento do socego e Paz da Eu- 
ropa. Lisboa, na Impressão Regia. 1814. 4. Oito paginas 
de impressão. 

603. Relação do jubilo com que foi recebida a plausível 
7ioticia da Paz Geral em 1814, pelos habitantes da Ilha do 
Fayal, da Capitania dos Açores- Lisboa, na Impressão Re- * 
gia. 1814. 4. Consta de 4 paginas. 

604. Relação das festas feitas na Filia do Fundão pela 
Paz da Europa. Lisboa, na Impressão Regia. 1814. 4. Cons- 
ta de 4 paginas. 

605. Relação das exéquias celebradas na Real Basílica 
Jo Santíssimo Coração de Jesus, das Religiosas Carmelitas 
Descalças de Lisboa, no fallecimento da Fidelíssima Rainha 
D. Maria I. em os dias 22 e 2.3 de Setembro de 1816. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1816.4. Consta de .38 paginas. (*) 

606. Relação das exéquias que, nos dias 22 e 23 de Se- 
tembro efe 1816, se celebraram em Ldsboa, no Meai Convento 



110 



BIBLIOaRÂPHU HISTÓRICA 



do Saiitissinio Coração de Jesus, das Religiosas Carmelitas 
Descalças, pela sentida morte da Senhora D. Maria /. 
Rainha de Portugal, sua Fundadora Lisboa, na Impressão 
Regia. 1819. 4. Dezoito paginas de impressão. 

607. Relação das exéquias feitas pela Senhora D. Maria 
I. em Coimbra. Lisboa^ na Impressão Regia. 4. Consta de 
2 paginas. 

608. Relação do modo por que, na nofavel e antiquíssima 
Villa de Coruche, se procedeu na occasiào da quebra dos Es- 
cudos, e celebração das exéquias de Suit Magestade a Senho- 
ra D. Maria 1. Lisboa, na Officina de J. F. M. de Cam- 
pos. 4. Consta de 3 paginas. 

609. Relação do que se practicou na Cidade do Funchal, 
da Ilha da Madeira, no dia 17 de Dezembro de 1816. em^ 
que a Camará fez celebrar as fúnebres ceremonias da fracção 
dos Escudos, e reaes exéquias pela alma da Sercnissitna Rai- 
nha a Senhora JD. Maria I. Lisboa, na Impressão Regia. 4* 
Gtuatro paginas de impressão. 

610. Relação das exéquias celebradas na Igreja dos Ca' 
tholicos cm Gibraltar, por occasião da morte da Roinha a 
Senhora D. Maria I. Lisboa, na T^^pographia Laçerdina. 
1817. 4. Três paginas de impressão. 

611. Relação das exéquias da Augustissima Rainha a 
Senhora D. Maria I. celebradas pelo MxccUentissima e Re- 
verendisúmo Rispo da Guarda. Lisboa, na Impressão Regia» 
4. Consta de 2 paginas. 

612. Relação das exéquias celebradas na Villa de Gui- 
marães, pela respeitável Corporação dos Clérigos da Igreja 
do Príncipe dos Apóstolos S. Pedro, por occanão da morte 
de SuaMagestade Fidelíssima a Senhora D. Maria 1. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 4. Duas paginas de impressão. (*) 

613. Relação circumstanciada do que se practicou na Pro- 
vinda do Pará, com a infausta noticia do falleciniento da 
Rainha a Senhora D. Maria I. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1816. 4. Gluatro paginas de impressão. 

614. Relação do modo como se fez a ceremonia da que- 
bra dos Escudos, e das exéquias pelo fallecimento da Augus- 
tissima Soberana a Senhora D. Maria I. na Cidade de Pi- 
nhel. Consta de duas paginas. 4. 

615. Relação do que se fez na Corte do Rio de Janeiro 
pela morte da Augusta Rainha a Senhora D. Maria I. e do 
que também se executou n''€sta Cidade de Lisboa, no dia Sá- 
bado 20 de Julho, pela acção de quebrar os Escudos. Lisboa, 
na Impressão Regia. 1816. 4. Oito paginas de impressão. 

616. Relação de exequiai feitas na Cidade de Tavira, no 



PORTUGUEZA. 111 

Algarve, pelo fallecimenlo da Augustissima Senhora 1>. 
Maria I. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Duas paginas de 
impressão. {^) 

617. Relação do que se practicou na Cidade do Funchal, 
na Ilha da Madeira, no acto da acclamaç(7o do muito alto 
t poderoso Rei o Serenissimo Senhor D. João VI. e de tudo 
o mais que se fez em consequência da mesma solemne accla- 
mação. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Consta de 4 paginas. 

618. Relação das festas com que a Cam,ara de JLinhares, 
e com especialidade a T^lla de Fornos de Algodres, solemni^ 
sou a feliz coroação de Sua Magestade Fidelíssima o Senhor 
D, João VI. Lisboa, na Impressão Regia. 4. Gtuatro pagi- 
nas de impressão. 

619. Relação das festas que na Cidade de Silves, no Al^ 
garve, se fizeram pela noticia do consorcio de Sua Alteza o 
Príncipe Real do Reino Unido de Portugal, Brasil, e Al- 
garves, com a Sereníssima Senhora Archiduqueza Carolina 
Josefa Leopoldina. Lisboa, na nova Impressão da Viuva Ne- 
ves e Filhos. 1814. 4. Consta de 5 paginas. 

620. Cielação das festas que se fizeram no Ceará, no dia 
dos cumos de Sua Alteza o Príncipe Real do Reino Unida 
de Portugal, Brasil, e Algarves. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1814. 4. Consta de 4 paginas. 

621. Relação dos festejos que, nos dias 4, 5 e 6 de Se- 
tembro, se fizeram na Villa de Setúbal^ em obsequio ao feliz 
nascimento da Augusta Filha do Serenissimo Senhor Príncipe 
Real. Lisboa, na Impressão Regia. 1819. 4. Gtuatro pagi- 
nas de impressão. 

622. Relação da solemne acção de graças que o Corpo do 
Commercio da Cidade do Porto ordenou se rendesse ao Al- 
iissimo, no dia 22 de Outubro, pela feliz união do Suprema 
Governo do Reino com o Governo interino de Ijísboa. Coim- 
bra, na Imprensa da Universidade, 1821. 4. 

623. Relação dos successos do dia 26 de Fevereiro de 
1821, na Corte do Rio de Janeiro. Bahia, na Typographia 
da Viuva Serva e Carvalho. 4. Consta de 17 paginas. (*) 

624. Relação vinda por uma Carta fidedigna dos aconte- 
cimentos e festividades que houveram no Rio de Janeiro, no 
acto em que se proclamou n''aquella Corte a Constituição de 
Portugal. Na Officina da Viuva de Lino da Silva Godinho. 
4. Consta de 4 paginas. 

625. Relação das solemnidades practicadas como sentia 
mento publico da muito nobre, muito antiga, e sempre leal 
Cidade do Porto, na occasião da lamentada morte do muito 
alto, € muito poderoso Senhor D. João VI, Imperador do 

15 



112 



BlBLlOGRAtHlA HISTÓRICA 



Brasil, e Rei de Portugal e Algarves. Porto, na Imprensa 
de Gandra, 1826. 4. 

626. Relação da pomposa solemnidade com que o Senado 
da Camará da Filia de Estremoz fez celebrar as exéquias 
pela morte do Augusto Imperador do Brasil, e Rei de Por- 
tugal, o Senhor D. João VI. Lisboa, na Impressão Regia. 
1826. 4. Consta de 13 paginas. (*) 

627. Resumo Histórico dos successos memoráveis da res- 
tauração do Porto. Lisboa, na Typos-raphia Lacerdina. 
J809. 8. 7 Ji- 5 f 

628. Resumo dos successos da Provinda do Alemtejo, na 
feliz restauração doeste Reino, no anuo de 1808. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1810. 8. Consta de 28 paginas. 

629. Successos de Portugal, ou prodigiosa restauração da 
Lusitânia feliz. Noticia Histórica e Analytica, ou Collecção 
dos successos mais importantes acontecidos em Portugal, des- 
de que as tropas francezas entraram n^ste Reino, até que 
d elle foram expulsas, e restabelecimento do governo de Sua 
Alteza Real o Príncipe Regente. Lisboa, na Officina de Si- 
mão Thaddeu Ferreira. 1809. 4. Consta de 32 paginas, (li) 

630. Viagem sentimental á Provinda do Minho, em Ago^^ 
io € Setembro de 1809. Lisboa, na Impressão Regia. 1809. 
4. Tracta dos excessos eommettidos pelo exercito francez 
ii'aquella Provinda. (0) 



PO&TUGDEZA. 



11$ 



TITULO 12; 



Memorias e escriptos relativos ao senhor d. pedro iv. ao 
governo da usurpação, e ao reinado da senhora d. ma- 
RIA II. 



631. Albino Pimenta de Aguiar. Escreveu : Lembran^ 
ças para a historia da Junta do Porto. Pariz, na Typogra* 
phia de J. Tastu. 1829. 8. Onze paginas de impressão. 

632. D. António de Almeida Portugal, quarto Mar- 
quez de Lavradio, e sexto Conde de Avintes. E. Discurso 
repetido pelo Marquez de Lavradio D. António, Procurador 
eleito pelos povos de Torres Vedras, na primeira conferencia 
gue o braço dos Povos celebrou em S. Francisco da Cidade. 
Na Impressão Regia. foi. Consta de 4 paginas. 

633. António Feliciano de Castilho. E. Tributo 
Portuguez á Memoria do Libertador, Lisboa, na Impressão 
de Galhardo Irmãcs — três edições do mesmo anno e da 
mesma Impressão — 1836. 12. 

634. António JoAauiM de Gouvea Pinto. E. Demons- 
tração dos direitos que competem ao Sr. D Miguel sobre a 
successão da Coroa de Portugal ; legitimidade de sua accla- 
mação feita pelas Camarás do Reino, com o Clero, Nobreza^ 
e Povo^ anctoridatie doestas Cantriras, e das Cortes em Por- 
tugal a este mesmo respeito. Lisboa^ na Impressão Resia, 
1828. 4. ^ 

635. António da Silva Lopes Rocha. E. Injusta Ac- 
clamaçuo do Infante D. Miguel, ou Analyse e Refutação 
Juridicn do Assento dos chamados três Edados do Reino, de 
11 de Julho de 1828. Londres, impresso porGreenlaw. 1828. 
8. (*) 

Annotações á enormíssima Sentença que, sobre o supposto 
crime de Lesa Magestade de primeira cabeça, foi proferida 
na Cidade do Porto, no dia 21 de Agosto de 1829, condem- 
nando á morte os Portuguezes que de Londres vieram ao 
Porto no Vapor Belfast. Pariz, na Typographia de J. Tas 
tu. 1830. 8. (*) 

636. António Telles da Silva Caminha e Menezes, 
Marquez de Rezende, e Grande do Império do Brasil. E. 
Mogio Histórico de Sua Magestade Imperial o Senhor D • 



lU 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Pedro, Duque de Bragança, pronunciado na Academia Real 
das Sciencias de Lisboa, em Sessão Ordinária de 13 de Julho 
de 1836. Lisboa, na Imprensa de Cândido António da Silva 
Carvalho. 1837. 8. (*) 

637. Bernardo JosB x>e Abrantes e Castro. E. Car- 
ia do Conselheiro Abrantes a Sir PFiUiam A'' Court, sobre a 
Regência de Portugal, e a auctoridade do Senhor D. Pedro 
IV, como Rei de Portugal, e como Pae da Senhora D. Ma- 
rialL Londres, impresso por Thompson e Gill. 1827. 8. (*) 

638. Cláudio Lagrange Monteiro de Barbuda, na- 
tural de Setúbal. E. Memoria Histórico- Discriptiva das Li- 
nhãs que cobriram Lisboa em 1833, redigida de ordem supe^ 
riorem 1837. Pangim, na Typographia Commercial. 1840. 4. 

639. Dâmaso Luiz de Sousa Monteiro E. Vida dè 
D. Pedro IV. vigésimo oitavo Rei de Portugal, e primeiro 
Imperador do Brasil, escripta em resumo. Lisboa, na Tj^po- 
graphia de Galhardo Irmãos. 1838. 12. 

640. Eusébio Cândido Cordeiro Pinheiro Furta- 
do. E. Memoria Histórica de iodo o acontecido no dia eter- 
namente fausto 11 de Agosto dè 1829, em que se ganhou a 
victoria da Villa da Praia. Lisboa, na Imprensa Nacional. 
1835. 8. (*) 

641. Faustino José da Madre de Deus. E. Justifica- 
ção da dissidência portugueza contra a Carta Constitucional i 
Lisboa, na Imprensa da Rua dos Fanqueiros. 1828. 4. 

642. FiuppE Nery Soares de Avelar. E. A Legiti- 
midade da exaltação do Sr. D. Miguel ao Throno de Por- 
tugal, demonstrada por princípios de Direito NatUrál e das 
Gentes. Lisboa, na Impressão Regia. 1828. 4. 

643. D. Francisco Alexandre Lobo, bispo de Vizeu^ 
natural de Beja. E. Discurso de Proposição, recitado naí 
Cortes celebradas em 23 de Junho de 1828, na Cidade de 
Lisboa. E ahi mesmo: Resposta ao precedente Discurso. Nã 
Impressão Regia. foi. Consta ao todo de 8 paginas. 

644. D. Francisco de Almeida, Conde de Lavradio. 
E. Carta a Sua Magestade Imperial o Senhor D. Pedro, 
Duque de Bragança, Regente em nome da Rainha. Pariz, 
naOfficinaTjpographica deCasimir. 1833. 4. Sete paginas 
de impressão. 

645. Francisco Freire de Mello. E. Exercitação na 
qual se pertende provar que D. Pedro I. Imperador do Bra- 
sil, é estrangeiro para Portugal; que nenhum direito tem á 
Coroa Portugueza, e que esta pertence cio Sr. D. Miguel 
pelas Leis Fundamentaes do Estado. Lisboa, na Impressão 
Regia. 1828. 4. 



PORTUflKÍÉZA. lis 

64Í. Francisco da Gama IíobO Botelho, depois Ba- 
rão de Argamassa, e Joaôúim Antoiíio de Magalhães, 
escreveram : Jnalyse ás Observat^oes do Qefieral Saldanha^ 
publicadas em Pariz com a data de 13 de Novembro de 1829. 
Impresso por R. Greenlaw. 1830. 8. (*) Rio de Janeiro, 
na Typographia de Gueffier e Corap. 1830. 4. 

647. Francisco Manuel Trigoso de AragIo Mora- 
TO, escreveu sem accusar o seu nome: Memoria sobre asuc- 
cessuo da Coroa de Portugal, no caso de não haver descen- 
dentes de Sua Magestade Fidelíssima a Rainha D. Maria 
II. Pariz, na Typographia de Firmin Didot. 1835. 8. (*) 
Lisboa, na Typographia de Eugénio Augusto. 1836. 4. 

Observações sobre dois Opúsculos modernamente publicados^ 
um d^elles em Pariz, com o titulo de a Memoria sobre a suc- 
cessão da Coroa de Portugal, no caso de não haver descen- 
dentes de Sua Magestade Fidelissima a Rainha D. Maria 
II » e outro em Lisboa, com o titulo de « A Nova Questão 
Portugueza sobre a successão da Coroa do Reino.» Lisboa, 
na Typographia de A. J. de Paula & Comp.» 1836. 8. 
Tem 37 paginas. O Appendice ás ditas Observações sahiu 
impresso: Ibi, na mesma Typographia. 1Ô37. 8. Consta 
de 15 paginas. (*) 

648. GoiLHERME Centazzi. E. O Estudante de Coim- 
bra, ou relâmpago da Historia Portugueza, desde 1826 atê 
1838. Tom. 1. Lisboa, na Typographia Franceza e Portu- 
gueza. 1840. 8. et ibi, na Typographia de António José da 
Rocha. 1840. 12. Tom 2. e 3. Ibi, na mesma Typographia. 
1841. 12. 

649. Joio Baptista da Silva LeitSo de Almeida 
Garrett. E. Portugal na JSalança dúMuropa ^ do quetem 
sido, e do qiie ora lhe convém ser fia nova ordem de cousas 
do mundo civilisado. Londres, impresso por R. Greenlaw. 
1830. 8. 

650. Joio Baptista da SilVA Lopes. E. Historia do 
captivtiro dos prezos d'' Estado na Torre de S. Julião da Bar- 
ra de Lisboa, durante a desastrosa epocha da usurparão do 
legitimo governo constitucional d"* este Reino de Portugal ^ 
Tom. 1. e2. Lisboa, na Impreiísa Nacional. 1833. 8. Tom, 
3. e 4. Ibi, ná mesma Impressão. 1834. 8. 

651. Joio Bernardo da RochA. E. Apostillas á enov 
missima Sentença condemnatoria que sobre o supposto critite 
de rebelliuo, sedição, e m,oiim foi proferida em Itisboa, aos 
26 de Fevereiro de 1829, e aM executada no dia 6 de Mar- 
ço seguinte. Londres, impresso iia Officina de L. Thompson. 
8. sétn o nôtoé dò auctor, (è) 



ÍU 



BIBLlOCmAWIIA HMTORICA 



Appendice á Opinião Jurídica do Doutor José Ferrei 
Borges, sobre a questão da Regência. Londres, impresso por 
R. Greenlaw. 1832. 8. Consta de 38 paginas. (*) 

652. Fr. João de S. Boaventura, monge de S. Bento. 
h.. Panegyrico de Sua Magesiade Imperial o Senhor D. Pe- 
dro, Duque de Bragança, Regente em nome de Sua Ma- 
gestade Ftde/issima a Senhora D. Maria II. Rainha de 
Portugal. Lisboa, na TypograpMa de Filippe Nery. 1834. 

4. ^*j 

653. JoXo Carlos de Saldanha de Oliveira e Daun, 
IJuque de Saldanha. E. Observações sobre a Carta que os 
Membros da Junta do Porto dirigiram a Sua Magestade o 
Imperador do Brasil, em 5 de Agoúo de 1328. Pariz, na 
l^^pographia de J. Tastu. í829. 8. (*) 

654. Joio Moniz Corte Real, natural da Ilha Tercei- 
ra. E. Fatalidades do povo da Ilha Terceira r>.a sua politica 
contenda. Lisboa, na Impressão Regia. í832. 4. 

655. JoÂo Pedro Soares Llna. E. Memorias para 
servirem á historia dos factos de patriotismo e valor practi- 
cados pelo destincto e bravo Corpo Académico, que fez parte 
do Exercito Libertador. Lisboa, na Typograpiíia Lisbonen- 
se. 1837. 8. ror 

656. JoAaciM António de Lemos Seixas Castello 
Branco. E. Memoria justifica Uva em que se perteade provar 
a legitimidade dos direitos do Sr. D 3Iguel á Croa e Sce- 
ptro de Portugal, pela morte do Senhor D. João J^I. Lis- 
boa, na Imprensa da Rua dos Fanqueiros. 1831. 4. 

657. Joaquim António de iVÍagalhães. E. Breve Exa- 
me do Assento feito pelos denominados Estados do Itdno de 
Portugal, congregados em Lisboa aos 4>3 de Junho de 1828. 
Londres, impresso por R. Greenlaw. 1828. 8. (*) 

Reflexões sobre a Sentença proferida na Cidade do Porto 
contra o Marquez de Palmella e outros. Pariz, na Imprensa 
d iijppolito Tilliard. 1829. 8. 

658. JoAauiM José Pedro Lopes, traduziu do francez : 
Verdadeiros irder esses das Potencias da Europa, e do Impé- 
rio do Brasil, relativamente cios- actuaes negócios de Portu- 
gal. Lisboa, na Impressão Regia. 1829. 4. 

A Expedição de D Pedro, ou a Neutralidade fingida. 
Opúsculo traduzido do Inglez. Lisboa, na Impressão tleíjia. 
1832. 4. r & 

659. JoAauiM Rafael do Valle. E. D. Pedro IP. 
Duque de Bragança, em Portugal. Lisboa, na Typographia 
de J. B. de A. e Gouvea. 134 1. 8. Tem 27 paginas. 

660. Jo8É AaosTiNao »e Macedo, presbítero i^ecular. 



»ORTD«UEZA. íii 

E. Mefidação do monsh'uoso e revolucionário escripto, impres- 
so etn Londres^ intiiidado : « Quem ê o legitimo Rei de Por^ 
iugol?)^ Lisboa, na Impressão Regia. 18tá8. 4. 

661. José Alexandre de Campos. E. Os acontecimen- 
tos de 3íarço na Capital^ considerados nas suas causas e ef- 

feitos. Memoria dedicada aos amigos da Revoluteio de Se^ 
lembro, Lisboa, naTjpographia de M. S. M. 1838. 4. sem 
o nome do aiictor. (*) 

662. JosÉ Ferreira Borges, natural do Porto. E. Duas 
Palavras sobre o chamado a Assento dos três Estados^ juntos 
cm Cortes na Cidade de jLisftoa, feito a 1 1 de Julho de 1 828. n 
Londres, na Officiua Typographica de Bingham e Comp. 
1828. 8. sem o nome do auctor. (*) 

Observax^ões sobre um Opúsculo intitulado « Parecer de 
dois Conselheiros da Coroa Constitucional, sobre os meios de 
restaurar o governo representativo em Portugal, jí Londres, 
impresso por Bingham. 1832. 8. (*) e na segunda edição do 
Parece7'. 

Revista Critica da segunda edição do Opúsculo « Parecer 
de dois Conselheiros da Coroa Constitucional , Sfc. Londres, 
impresso por R. Greenlaw. 1832. 8. (*) 

Opinião Jurídica sobre a questão a Quem deve ser o Re- 
gente de Portugal, destruida a usurpação do Infante D. Mi- 
guel.» Londres, impresso por Bingham. 1832. 8. (*) 

Autopsia do Manifesto do Infante D. Miguel, datado em 
28 de Março de 18^2. Londres, impresso por Bingham. 1832. 
8. (*) 

663. José JoAauiM de Almeida Moura Coutinho. 
E. O Attaque da Filia da Praia na Ilha Terceira^ em 1 1 
de Agosto de 1829, no primeiro dos « Quadros Históricos 
da Liberdade Portugueza » , e a a Memoria Histórica » do 
Coronel de Engenheiros Euzebio Cândido Cordeiro Pinheiro 
Furtado, sobre a victoria da Filia da Praia, ou a gloria do 
Hatalhão de Foluntarios da Rainha revindicada por um Ca- 
pitão do mesmo Batalhão. Lisboa, na Typographia do Di- 
rector. 1840. 4. sem o nome do auctor. (*) 

664. JosÉ Liberato Freire de Carvalho. E. Ensaio 
Histórico- Politico sobre a Constitui<^ão e Governo do Reino 
de Portugal, onde se mostra ser aquelle Reino, desde a sua 
origem, uma Monarchia Representativa, e que o absolutismo 
e superstição, e a influencia da Inglaterra são as causas de 
sua actual decadência. Pariz, em casa de Hector Bossange. 
1830. 8. 

Reflexões sobre ttm paragrapho do Manifesto do Senhor 
D. Pedro, Duque de Bragança^ datado a bordo da Fragata 



ilS 



BlfiUOeiRA^HlA mSTORIGA 



Rainha de Portugal^ aos 2 de Fevereiro de 1832. Londres, 
impresso por Bingham. 1832. 8. (*) 

Ensaio politico $obre as causas que prepararam a usurpa- 
ção do Infante D. Miguel^ no anno de 1828, e com ella 
a queda da Carta Constitucional do anno 1826. Lisboa, na 
Imprensa Ne vesiana. 1840. 8. 

Memorias com o titulo de Annaes para a Historia do tem- 
po que durou a usurparão de D. Miguel. Part. 1. Lisboa, 
na Imprensa Nevesiana. 1841. 8. Part. 2. e 3. Ibi, na di- 
ta Impressão. 1842. 8. 

665. José SebastiIo deSaldanha Oliveira e Daují. 
E. Quadro Histórico -Politico dos acontecimentos mais memo- 
ráveis da Historia de Portugal^ desde a invasão dos Fran- 
cezes, no anno de 1807, até a exaltação do Sr. D. Miguel 
ao TVirono de Portugal. Lisboa, na Impressão Regia. 1829.4. 

666. José DA SixvA Passos e Manuel da Silva Pas- 
sos. E. Memorial sobre a necessidade e meios de destruir 
promptamente o Tyranno de Portugal., e restabelecer o Thro- 
no da Senhora D. Maria II. e a Carta de 1826. Pariz, na 
Imprensa de Auguste JMie. 1831. 8. Trinta e duas paginas 
de impressão. 

Segundo Memorial sobre o estado presente de Portugal, e 
como não ha rasão^ nem direito, nem força para tirar á Sc 
nhora D. Mçiria jt. sua Coroa, e a nós nossa liberdade. Pa- 
riz, na dita Impressão. 8. Consta de 16 paginas, e é datado 
de Eaubonne a 16 de Novembro de 1831. 

Breve Rasoamento a favor da Liberdade Lusitana, e da 
Excellenie Senhora D. Maria II. Duqueza do Porto, e Rai- 
nha Constitucional dos Portuguezes, no qual se mostra quaes 
são os perigos que a Liberdade e a Coroa tem a correr., e 
como se hão de evitar. Pariz, impresso por Auguste Mie. 
1832. 8. Consta de 24 paginas. 

Exame de algumas opiniões e doutrinas que os Senhores 
Filippe Ferreira de Araújo e Castro, e Silvestre Pinheiro 
Ferreira expenderam em seu Parecer, Notas, e Analyse das 
Observações e Opinião Juridica do Sr. José Ferreira Borges. 
Pariz, impresso por Auguste Mie. 1832. 8. Vinte e três pa- 
ginas de impressão. 

667. Luiz da Silva Mousinho de ALMuacERauE, es- 
creveu sem accusar o seu nome : Breve Exposição do esfor- 
ço tentado em favor da Carta Constitucional em Portugal, 
nos mezes de Julho a Outubro de 1807. Foi impressa era 
Pontevedra, no reino de Galliza, posto que o não declare, € 
consta de 30 paginas. 4. Sahiu pela segunda vez ; Lisboa, 
na Typogríiphia TijasmQnt^na, 1837. 8, {*} 



i 



P0RTU6UBZA. 119 

663. Manuel Joaquim Cardoso Castello Branco. E. 
A Kova Questão Portugueza sobre a successão da Coroa do 
Reino, Lisboa, na Impressão de Galhardo e Irmãos. 1836. 
8. (») 

669. Manuel Joaguim Pedro Codina, traduziu na lín- 
gua materna : Guerra da Successão em Portugal^ pêlo Al- 
mirante Carlos Napier, Conde do Cabo de S. Vicente. Tom. 
1. c 2. Lisboa, na Typographia Commercial. 1841. 8. 

670. Fr. Matheus dA Assumpção Brandão. E. A 
Justa acclamagão do Sr. D. Miguel, novamente defendida 
contra os Manifestos dos inimigos de Portugal. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1832. 4. 

671. Paulo Midosi. E. Quem é o legitimo Rei de Por- 
tugal ? Questão Portugueza submettida ao juizo dos homens 
imparciaes. Londres, na Officina Portugueza. 1828. 8. sem 
o nome do auctor. (*) 

672. Raymundo José da Cunha Mattos, official ge- 
neral do Exercito Brasileiro, natural de Faro. E. Memorias 
da Campanha do Senhor D. Pedro d"* Alcântara, ex-Impe- 
rador do Brasil, no Reino de Portugal, com. algumas noti- 
cias anteriores ao dia do seu desembarque. Rio de Janeiro, 
na Typograpbia Imperial e Constitucional de Seignot Plan- 
cher e Comp. 1833. dois tomos. 8. 

673. Rodrigo dA Fonseca Magalhães. E. Breves An- 
notações ao denominado Manifesto do Infante D. Miguel, 
Londres, impresso por L. Thompson, na Officina Portugue- 
za. 8. (*) Lisboa, na Impressão Regia. 1333. 8. sem o no- 
me do auctor. 

674. Rodrigo Pinto Pizarro, depois Barão da Ribeira 
de Sabrosa. E. Desembarque do Conde de Saldanha na Ilha 
Terceira, impedido pela Marinha Ingleza. Brest, na Impres- 
são de Rozais. 1829. 8. (*) 

Observações sobre alguns paragraphos da Carta, que a 
Junta Provisória da Cidade do Porto escreveu de Londres a 
Sua Magestade Imperial e Real, em data de 5 de Agosto de 
1828. Pariz, na Typographia de J. Tastu. 8. sem o nome 
do aucfor. (*) 

Norma das Regências de Portugal, appUcada á Menori- 
dade de Sua Magestade a Rainha JD. Maria II. Pariz, na 
Imprensa de M. Henri Dupuis. 1831. 8. Consta de 24 pa- 
ginas, e é datada a 25 de Dezembro. Sahiu de novo : ibi, 
na dita Impressão. 1832. 8. (*) 

675. Sebastião Xavier Botelho. E. Carta a Sua Ma- 
gestade Imperial o Duque de Bragança, Londres, impresso 
por Taylor. 8, Consta de 8 paginas, sem o nome do auctor. (*) 

16 



120 



BIBLIOGRAPBIA HISTÓRICA 



676. Silvestre Pinheiro Ferreira, e Filippe Fer- 
reira DE Araújo e Castro. E. Parecer sobre os meios de 
se restaurar o governo representativo em Portugal, por dois 
Conselheiros da Coroa Constitucional. Pariz, na OfficinaTy- 
pographica de Casimir. 1831. 8. {*) Sahiu de novo com 
varias notas, e uma analyse ás Observações do Doutor José 
Ferreira Borges: Pariz, na mesma Officina. 1832. 8. 



677. Algumas Palavras em resposta ao que certas pessoas 
teem dito e avançado acerca do Governo Portuguez, com, al- 
gumas observações tanto a respeito do estado actual de Por- 
tugal e da Europa, como da extravagante e inesperada con- 
ducta do Governo Inglez para com Portugal. Londres, na 
Typographia de G. Schulze. 1831. 8. e psla segunda vez : 
ibi, na mesma Typographia. 183^. 8. (*) 

678. Assento dos treg Estados do Reino, juntos em Cortes 
nn Cidade de Eisboa, feito à 11 de Jalho de 1828. Lisboa, 
na Impressão Regia. 1828. 4. e foi. 

679. Autos de abertura e Proposição nas Cortes de léis' 
boa, em 23 de Junho de 1828. Lisboa, na Impressão Regia. 
1823. foi. 

680. Campanhas de Portugal em 1833 e 1834. Relação 
dos principaes acontecimentos, e das operações m,ilitares d'*es- 
ta guerra, pelo Barão de St. Pardoux, extrahida do francez 
e ampliada, Lisboa, na Typographia de J. P. F. Telles. 
1836. 8. 

681. Carta curiosa da vida de D. Miguel. Lisboa, na 
Imprensa da Rua dos Fanqueiros. 1833. 8. Tem 16 paginas. 

682. O Cerco do Porto em 1832 para 1833. Por um 
Portuense. Porto, naTypographia de Faria e Silva. 1840. 8, 

683. Considerações sobre a futura expedição contra o Usur- 
pador. Escriptas a Xí de Outubro de 1831. Constam de 8 
paginas, sem o nome do Impressor. 8. (*) 

684. Demonstração dos direitos do Sr, D. Miguel á Co- 
roa de Portugal. Lisboa, na Impressão Regia. 1828. 4. 

685. Demonstração Politica, ou Ensaio dos direitos do 
Imperador do Brasil ásucccssão, e á Coroa de Portugal. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1829. 4. 

686. Descripção da solemnidade que o Clero, e todos os 
emigrados Portuguezes, que formam o Deposito de Plimouth, 

fez na Igreja Catholica d''esta Cidade, no dia 12 de Outubro 
de 1828, anniversario do glorioso nascimento de S, M, I, o 



l»ORTUGUEZÀ. 



121 



Senhor D. Pedro 1. Imperador do JBrasil. Sahiu no fim do 
Sermão que o Reverendo Marcos Pinto Soares Vaz Preto pre- 
gou no mesmo dia, na Capella Catholica de Stonehouse. 
Plimouth, na Imprensa de W. W. Arliss. 1828. 8. grande. 
Em portuguez e inglez. (*) 

687. JJescripção das festas que os bons Conimbricenses pu- 
zeram por obra, nos dias f\, 9 e 10 de Julho, em commemo- 
ração do desembarque do Exercito JAhertador nas praias do 
Mindelo, e da sua entrada na heróica Cidade do Porto em 
1832. Coimbra, na Imprensa de Trovão e Comp. 1835. 4. 
Consta de 1 1 paginas. (,*) 

688. A Dynastia e a Revolução de Setembro, ou Nova 
Exposição da Questão Portugueza da Successão. Coimbra, 
na Imprensa de Trovão e Comp. 1840. 8. 

689. Eu não sou um. rebelde, ou a Questão de Portugal 
em toda a sua simplicidade, por António Ribeiro Saraiva, 
Im,pressa em Pariz eiul828, e traduzida em portuguez, liis- 
boa, na nova Impressão Silviana. 1828. 4. 

690. Exame da Constituição de U. Pedro e dos direitos 
de D. Miguel, Traducção dofrancez. Lisboa, na Tjpogra- 
phia de Bulhões. 1828. 4. Sahiu accrescentado, e de novo 
traduzido: ibi, na Impressão Regia. 1829. 4. 

691. Falsidades do Manifesto dos revolucionários dú Por- 
to, ou Refutação Analytica de todos os erros que se contém 
no mesmo Manifesto. Lisboa, na Impressão Regia. 1828. 4. 

692. O Folheto u Quem é o legitimo Rei?» victoriosá-' 
mente vindicado das frívolas impugnações de um portuguez^ 
residente em Londres, Lisboa, na Impressão Regia. 1828, 4. 

693. Gerente e não Regente, ou veto á doutrina anti- 
constitucional do paragrapho 14. do Manifesto do Senhor D, 
Pedro de Alcântara, ex-Imperador do Brasil, publicado em 
2 de Fevereiro de 1832. É datado de Plymouth a 5 de Abril 
do dito anno, e não declara o nome do Impressor. 8, Consta 
de 11 paginas. 

694. Golpe de vista em que, em compendio, se propõem 
as rasòes e fundamentos que demonstram a legitimidade dós 
direitos do Sr, D, Miguel ao Throno de Portugal, Lisboa, 
na Impressão Regia. 1829. 4. 

695. A Guerra Civil em Portugal, o Sitio do Porto, e a 
morte de D. Pedro. Por um Estrangeiro. Impresso em Lon- 
dres. 1836. 12, 

696. A Legitima Successão comprovada pela legalidade 
dos factos. Analyse Politica. Lisboa, na Impressão de Eugé- 
nio Augusto. 1828. 4. 

697. Legitimidade da feliz Regeneração Politica de Por- 



122 



BIBLIOGRAPHU HISTÓRICA 



iugal, na successào do grande e immortal Rei o Senhor í). 
JPedro IV, Lisboa, em a nova Impressão Silviana. 1826» 
4. (*) 

698. Manifesto dos Direitos de Sua Magestade Fidelissi^ 
ma a Senhora D. Maria II. e exposição da Questão Portu- 
gueza» Londres, impresso por Richard Tajlor. 1829. 4. 
Rennes, impresso por J. M. Vatar. 1831. 8. Coimbra, na 
Imprensa da Universidade. 1836> 4. 

699. Manifesto de D. Pedro, Duque de. Bragança, Duas 
edições sem nota do logar da impressão, e sem o nome do 
Impressor. 8. Londres, impressopor Bingham. 1832. 8. Lis- 
boa, na Imprensa da Rua de Santa Catharina. 1833. 4. 

700. Manifesto de D. Miguel. Edição O/ficiaL Lisboa., 
na Impressão Regia. 1832. 4. nas duas linguas portugueza 
e franceza. Sahiu no mesmo anno, em portuguez e ingiez : 
Londres, porRedford eRobins. 4. e em portuguez: Lisboa, 
na Impressão Regia. 4. ,e 8. Londres, na Tjpographia de 
G. Schulze. 32. 

701. Memorias para a Historia do reinado do Senhor 
D. Pedro IF. como Rei da Monarchia Portugueza^ e eomo 
Regente em ^ome da Rainha a Senhora D. Maria II. sua 
Augusta Filha. Lisboa, na Tjpographia de José Baptista 
Morando.. 1834. 4. A impressão d'esta obra não chegou a 
ultimar-se : sahiram 128 paginas. 

702. D. Miguel I. Obra a mais completa sobre a legi- 
timidade e direitos do Sr, D. Miguel ao Throno de Portu- 
gal; traduzida do original francez. Lisboa, na ImpressãíU 
Regia. 1828, 4, Ibi, na mesma Impressão. 1829. 4. 

703 . Noticia Official das operações do Exercito Liberta- 
dor. Dezoito números. Foram todos impressos no Porto, ex^ 
cepto o ultimo, que se publicou em Lisboa. 4. Sahiram tam- 
bém na Chronica Constitucional daepocha. foi. menos o num, 
18. que se reimprimiu no Periódico dos Pobres de 17 de Se- 
tembro de 1833. 

7^4. Os Portuguezes e os Factos. Exposição Hislori- 
co-Chronologica. Londres, impresso por L. Thompson. 1833. 
8. 

705. Provas incontestáveis a favor da legitimidade, e do 
indispensável direito que tem á Coroa de Portugal o Senhor 
D. Pedro IV. Rei d"* estes Reinos, Imperador e Defensor 
Perpetuo do Brasil, Lisboa , na Typographia Silviana» 
1826. 8. Consta de 26 paginas. 

706. Quadros Históricos da Liberdade Portugueza, desde 
1828 até 1834. Primeiro Quadro, Attaqueda Villa da Praia, 
na Ilha Terceira, em 11 de Agosto deíS29, Lisboa, naim' 



PORTUGUEZá. 



123 



/ 



prensa Nacional, foi* max. Q-uatro paginas de impressão, 
com uma estampa. 

707. Quem é o legitimo Rei? Investigação Poliiica sobre 
o legitimo Successor á Coroa de Poriíigal. Lisboa, na Im- 
pressão de Eugénio Augusto, 1828 4 ■'» 

708. Reflexões de um amigo da legitimidade sobre Portu- 
gal, na occasião do fallecim-ento de Sua Magestade Fidelissi- 
ma o Senhor Rei D. João VI. e da legitima aecessão ao 
Throno de seti augusto Filho, o Senhor D. Pedro IV. Rei 
de Portugal e Imperador do Brasil. Lisboa, em a nova Im- 
pressão da Viuva Neves e Filhos, 1826. 8. Vinte e uma 
paginas de impressão. 

709. Rejiexôes (Breves) sobre a doutrina expendida no 
folheto intitulado « Mem^oria sobre a suceessão da Coroa de 

Portugal, no caso de não haver descendentes de Sua Mages- 
tade Fidelissima a Rainha D. Maria II. Lisboa, na Im- 
prensa Imparcial. 1836. 8. 

710. Relação dos festejos que tiveram, logar em Lisboa^ 
nos memoráveis dias 31 de Julho, 1 e 2 de Agosto de 1826, 
por occasião do Juramento prestado á Carta Constitucional , 
decretada e dada á Nação Portugueza pelo seu legitimo Rei 
o Senhor D. Pedro IV. Lisboa, na Typographia de J. F. 
BI. de Campos. 1826. 8. 

711. Relação das operações militares da expedição que, 
debaixo do commando do Chefe de Esquadra da Armada Real 
José Joaquim da Rosa Coelho, foi mandada aos Açores, as 
quaes operações se notaram desde o dia 17 de Maio de 1829, 
atê 16 de Agosto do dito anno, em que a esquadra e tropas 
se dissolveram e separaram,. Lisboa, na Impressão de João 
Nunes Esteves. 1829. 4. 

712. Relação dos successos occorridos no Tejo, e docu- 
mentos officiaes acerca das operações da esquadra franceza , 
desde 8 de Julho até 15 d"* Agosto de 1831 ,• folheto escripto 
pelo Vice Almirante Roussin, commandante da força naval 
que hostilisou a Nação Portugueza ,* annotações a esses docu- 
mentos, sua refutação e raciocínios, éçc. Lisboa, na Typogra- 
phia de José Baptista Morando. 1832. 8. 

713. Resposta de um amigo a outro, que lhe tinha man- 
dado um. folheto com o titulo a Legitimidade da feliz Rege- 
neração Politica de Portugal, na successão do grande e ime- 
morial Rei o Senhor D. Pedro IV. » refutando a doutrina 
do mesmo folheto, e demonstrando que o Infante D. Miguel 
ê o legitimo successor da Monarchia Portugueza. Lisboa, na 
Typographia de Bulhões. 1829. 4. 

714. Resumo Official das operações da expedição ás or- 



É 



124 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



dens do Excellentisúmo Duque da Terceira, desde o seu des- 
embarque no Algarve, até a sua definitiva entrada em Lis- 
boa. Consta deí2 paginas, e não aponta o logar da impres- 
são. 4. Sahiu também na Chronica Constitucional da epo- 
cha. foi. ^ 

T !*^r> ^^y^^i^ Histórica de Portugal, desde a morte de D. 
João ri. até o fallecimento do Imperador D. Pedro. Coim- 
bra, na Imprensa de Trovão e Comp. 1840. 8. 

716. Solemnidade do baptismo de Sua Alteza Sereníssima 
o Senhor Infante de Portugal Duque de Beja, quarto filho 
de Suas Magestades Fidelissimas a Senhpra D. Maria II. e 
o Senhor D. Fernando II. nascido a 16 de Março de 1842 
pelas nove horas è um quarto da manhã, no Real Paço das 
JSecessidades. Lisboa, na Imprensa Nacional, foi. Duas pa- 
ginas de impressão. 



PARTE SEGUNDA, 



PARTE SEGUNDA. 



TITULO 1." 

antiguidades; descripçâo geographica e topographica do rei- 
no DE PORTUGAL , E ILHAS ADJACENTES ; RELAÇÃO DE SUAg 
províncias, comarcas, CIDADES, VILLA3, MONUMENTOS, ETC 



'J'!*?. /i.DRi3^o Pereira Forjaz de Sampaio, socio da 
Academia Real das Sciencias de Lisboa. Escreveu : Uma 
Viagem á Serra da Lousan^ nomez de Julho cZe 1838. Coim- 
bra, na Imprensa da Universidade 1838. 4. grande. 

Memorias do Bussaco. Part. 1. Coimbra, na Imprensa 
da Universidade. 1838. 16. Pari, 2. Ibi, na Imprensa de 
Trovão e Comp. 1839. 16. 

718. Agostinho de Mendonça FalcÃo, socio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria Histórica 
sobre a Villa de Cea. Sahiu no tom. 8. part. 2. das Memo- 
rias da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typogra- 
phia da Academia. 1823. foi. 

719. Agostinho Rebello da Costa, presbjtero. E. 
Bescripção TopngrapUca e Histórica da Cidade do Portoy 
que contêm a sua origem^ situação^ e antiguidades • a magni- 
ficência dos seus Templos, Mosteiros, Hospitaes, ruas, pra- 
ças, edifícios, e fontes; o numero dos seus habitadores, o seu 
caracter, genio^ costumes, e religião que professam ,' os ap- 
pellidos das famílias illustres que nPella residem; o catalogo 
chronologico dos seus Bispos ; os governos ecclesiasíico, civil, 
militar, e politico ; o nascimento do grande rio Douro, que 
a banha, e forma a sua barra; as producçôes da natureza e 
industria, que augmentam osramos do seu commercio, e pro- 
movem as fabricas que tem estabelecidas ; os privilégios, isen- 
ções e regalias que a engrandecem ; a noticia dos homens, e 
das mulheres illustres em virtudes^ lettras, e armas, que d''ella 

17 



■1 



128 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



SUO naturaes^ Sfc. Mnrequecida com estampas e mappas cm- 
riosos, que a ornam. Porto, na Officina de António Alvares 
Ribeiro — a mesma edição — 1788 e 1789. 8. grande. 

720. Alexandre de Abreu Castanheira. E. As Ala- 
goas da Serra da Mdrella, Lisboa, na Typosçraphia da Viu- 
va Silva e filhos. 1836. 4. Vinte e seis paginas de impres- 
são. (*) 

721. André de Rezende. E. Historia da antiguidade 
da Cidade de JEuora. Fecta per meestre Andree de Reesen- 
de, E agora nesta segunda irnpressam. emendada pelo mesmo 
autor. 1576. Depois do cap. xvij. segue: Fala g meestre 
Andree de Rtesende fez aa Princepsa domna Joana nossa se- 
nora qndo logo veo a estes regnos na entrada da cijdade 
Muora, E continua : Fala ç meestre Andree de Reesende fez a 
el Rey dom Sebastiã a primeira vez q entrou en Euora. 
No fim tem a seguinte subscripçao : Foy impressa esta histo- 
ria da antiguidade da muito noble Sf sopre leal cidade de 
Euora en ha mesma cidade. Per André de Burgos, impres- 
sor ^ Caualleiro da casa do Cardeal Infante, ao primeiro 
dia de Feuereiro de. M.D.LXXFI. 8. Tem no frontispício 
uma tarja aberta em madeira, e consta ao todo de cincoenta 
e cinco folhas sem numeração. (Livraria do Real Archivo, 
a do Sr. Conselheiro Macedo, e a do Ex.""" D. Francisco de 
Mello Manuel). A primeira edição d'esta obra, de que não 
vimos nenhum exemplar, foi impressa em Évora, segundo 
Barbosa, pelo mesmo André de Burgos. 155.3. 12. A tercei- 
ra e ultima sahiu por diligencia de Bento José de Sousa Fa- 
rinha : Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1783. 8. 

722. António de Almeida. E. Reflexões acerca do Mo- 
numento que existe na Freguezia da Ermida do Concelho de 
Penafiel. Veja-se o num. 43. part. 2. pag. 49 e seguintes 
do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Regia. 1816. 4. 

Descripcão Histoi'ica e Topographica da Cidade de Pena- 
fiel. Sahiu no tom. 10. part. 2. das Memorias da Academia 
Real das Sciencias. Lisboa, na Typographia da Academia 
1830. foi. 

723. P. António Carvalho da Costa, natural de Lis- 
boa. E. Chorographia Portugueza^ e Descripcão Topographi- 
ca do famoso Reino de Portugal.^ com as noticias das funda- 
ções das Cidades^ Pillas^ e Logares que contém; varões iiíus- 
três ^ genealogias das familias nobres; fundações de Conven- 
tos; Catálogos dos Bispos; antiguidades^ maravilhas da na- 
tureza^ edificiosy e outras curiosas observações. Pom. 1. Of- 

ferecido a Mirei D, Pedro II, Lisboa, na Officina de Va- 



PORTUGUEZA. 



129 



lentiin da Costa Deslandes. 1706. foi. Tom. 2. Ojferecido 
a Elrei D. João V, Ibi, na mesma Officina. 1708. foi. 
Tom. 3. Offerecido á Sereníssima Senhora D. Marianna 
d"* Áustria^ Rainha de Portugal. Ibi, na Officina Deslande- 
siana. 1712. foi. 

724. António Coelho Gasco, natural de Lisboa. E. 
Conquista, Antiguidade^ e Nobreza damtii insigne e Ínclita Ci- 
dade de Coimbra. Sahiu por industria de António Lourenço 
Caminha: Lisboa, na Impressão Regia. 1805. 8. et ibi,»na 
mesma Impressão. 1807. 8. 

725. P. António Cori>eiro, jesuita, natural da cidade 
d'Angra. E. Historia Insulana das Ilhas a Portugal sugei- 
tas no Oceano Occidental. Lisboa Occidental, na Officina 
de António Pedroso Galrão. 1717. foi. 

726. António Dâmaso de Castro e Sousa. E. Des- 
cripção do Real Mosteiro de Belém, com a noticia da sua 

fundação. Lisboa, na Typographia de A. J. S. Bulhões, 
1837." 8. et ibi, na Typographia de A. S. Coelho. 1840. 
8. (*) _ 

Descripção do Palácio Real na Villa de Cintra ^ que alli 
teem os Senhores Heis de Portugal. Lisboa, na Typographia 
de A. S. Coelho. 1838. 8. (*) 

Descripção da Capclla de S. João Saptista, que está col- 
locada na Igreja de S. Roque de Lisboa. Veja-se a Carta 
dirigida a Salustio, amador de Antiguidades. Lisboa, na Ty- 
pographia de A. S. Coelho. 1839. 8. («) 

Memoria Histórica sobre a origem, da fundação do Meai 
Mosteiro de Nossa Senhora da Pena, que pertenceu aos Mon- 
ges da Ordem de S. Jeronymo, actualmente Palácio acastel- 
lado, situado na Serra de Cintra. Lisboa, na Typographia 
de Á. J. C. da Cruz. 1841. 8. {*) 

727. António Moniz Barreto Corte-Réal. E. Bel- 
lezas de Coimbra. Part. 1. Coimbra, na Imprensa da Uni- 
versidade. 1831. 12. 

728. António de Oliveira Freire. E. Descripção Cho- 
rographica do Reino de Portugal, que contém uma exacta 
relação de suas Províncias, Conharcas, Cidades, Villas, Fre- 
gUezías, Montes, Rios e Portos, com a sua situação, extensão 
e limites^ a qualidade de cada paiz ; as fortalezas j o nume- 
ro, costumes, e comm.ercio dos seus habitantes ,* as principaes 
dignidades ecclesiasticas ; os títulos honoríficos de sua nobreza; 
a serie e acções mais famosas de seus Reis, eludo o mais m,e- 
moravel d'' esta antiga e illustre Monarchia. Lisboa Occiden- 
tal, na Officina de Miguel Rodrigues. 1739. 4. e pela se- 
gunda vez: Lisboa, na Officina de Bernardo António de OH- 



Í30 



BIBLI06RAPHIA HISTÓRICA 



veira. I*íô5, 4. Falta a memoria d'este auctor nsi Bibliothe- 
ca Lusitana, quando era de esperar que não faltasse. 

729. António Patrício Pinto Rodrigues, deu á luz: 
Diccionario Geographico, ou Noticia Histórica de todas as 
Cidades, Filias, Rios, Ribeiras, Serras, e Portos de mar dos 
Reinos de Portugal e Algarve. Lisboa, dez tomos. 8. sem 
nota do anno da impressão, e sem o nome do Impressor. É 
extrahido do Diceionario do P.Luiz Cardoso, de que adian- 
te se faz menção, e não passa da lettra C. 

730. Bento Jose de Sousa Farinha, professor régio de 
Philosophia, deu á luz : Collecção das Antiguidades d" Évora ; 
escriptas por André de Rezende, Biogo Mendes de Vascon- 
cellos, Gaspar Estaco, Fr. Bernardo de Brito, e Manuel 
Severim de Faria. Lisboa, na Officina de Filippe da Silva 
e Azevedo. 1785. 8. 

731. Bento Morganti. E. Dissertação Histórica e Cri- 
iica sobre a Inscripgão que existe no Campo de SanVAnna da 
Cidade de Braga, e uma moeda antiga do tempo de Júlio 
César, de que faz menção o muito Reverendo Padre D. Je- 
ronymo Contador de Argole, nas Memorias que escreveu do 
mesmo Arcebispado. Lisboa, na Officina Silviana. 1742. 
4. (*) 

732. Fr. Bernardo de Brito. E- Geographia antiga 
de Lvsytania. Composta por Frey Bernardo de Brito Chro- 
nista Geral, e Religioso da ordem de S. Bernardo, Professo 
no Real Mosteiro de Alcobaça. Em Alcobaça, Impressa com 
licença da Saneia, Sf Geral Inquisição : Por António Alua- 
rez Impressor de Limos. Anno 1597. foi. Consta de 8 fo- 
lhas numeradas em uma só face. Anda com a Primeira Par- 
te da Monarchia Lusitana, e foi reimpressa cora o mesmo 
livro pela Academia Real das Sciencias : Lisboa, na Typo- 
graphia da Academia. 1806. 8. 

733. Bernardo de Brito Botelho, bacharel formado 
em Cânones, natural de Miranda. E. Historia Breve de Coim- 
bra; sua fundação, Armas, Igrejas, Collegios, Conventos, e 
Universidade. Hedicada ao Senhor Pedro Hasse Belém. Lis- 
boa Occidental, na Officina Ferreiriana. 1733.4. Consta de 
26 paginas. (*) Ignoramos o fundamento com que o Abba- 
de de Sever no tom. 4. pag. 71. col. 2. da sua Bibliotheca 
Lusitana, esquecido do que escrevera no tom. 1. pag. 528. 
col. 1. da mesm-A Bibliotheca, attribue esta obra, que errada- 
mente declara haver sido impressa em 1732, a Fr. Bento da 
Cunha, religioso trino, natural de Coimbra. 

734. ChristovIo Rodrigues de Oliveira, natural de 
Lisboa. E. Svmmario ê gve brevemente $e contem algvascov- 



PORTUGUEZA, 



131 



lai (assi ecclesiasiicas como secvlaresj qve ha na cidade da 
Lisboa. Com Priuilegio Real. No verso d'este titulo segue : 
Sendo Arcebispo da Cidade E Arcebispado de IJsboa dom 
Fernando primeiro deste nome Capellão mor dei Jley dom 
João nosso senhor o terceiro vendo o dito senhor Arcebispo o 
grande crecimenio da dita cidade E cousas delia ê cada hum, 
anno assi no spiritual como no têporal, Mandou a mim Cris- 
iouão rodriguez doliueira seu Guarda roupa no anno do na- 
cimento de nosso senhor Jesu Cristo de 1551. annos^ que me 
enformasse na verdade do rendimento do dito Arcebispado JE 
Cabido da See^ E de todas as egrcjas Collegios Mosteiros Spri- 
iaes Capellas E Cõfrarías da dita cidade, E do numero das 
casas E moradores dela E dos ojficios de cada pessoa assi de 
homcs como molheres E doutras cousas que ao diante se ve- 
rão : E que de tudo lhe desse hum Sumario No fim 

do livro tem estas palavras : Foy Impresso o presente Suma- 
rio^ em, Lixboa nouamente em casa de Germão galharde Im- 
premidor dei Rey nosso senhor. Consta de cincoenta folhas 
sem numeração. 4. A tarja ou estampa do rosto é a mesma 
que vimos em uma das edições dos Lusíadas de 1572. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa, e a Livraria do Sr. Conse- 
lheiro Macedo). Sahiu de novo, addicionado por Manuel da 
Conceição, mercador de livros : Lisboa, na Officina de Mi- 
guel Rodrigues. 1755. 4. Este addicionamento ou supple- 
mento acha-se impresso de pag. 125 a 150. 

735. Domingos Caldas Barbosa, presbjtero. E. Ues- 
cripção da grandiosa Quinta dos Senhores de Sellas, e noti- 
cia do seu melhoramento. Lisboa, na T^pographia Silviana. 
1799. 4. Consta de 87 paginas. (*) 

736. Duarte Nunes do LeIo. E. Descripção do .Reino 
de Portugal. Dirigida ao Illustrissimo e muito Excellente Se- 
nhor D. Diogo da Silva, Duque de Brancavilla, Presiden- 
te do Conselho da Coroa de Portugal. Lisboa, por Jorge Ro- 
drigues. 1610. 4. et ibi, na Officina de Simão Thaddeu Fer- 
reira. 17R5. 3. 

737. Francisco Adolfo deVarnhaqen, sócio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa, e do Instituto Históri- 
co do Rio de Janeiro, natural de S. Paulo. E. Noticia His- 
tórica e Descriptiva do Mosteiro de Belém. Lisboa, naTypo- 
graphia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis. 
1842. S. grande. 

738. Francisco Affonso de Chaves e Mello, natu- 
ral de Ponta-Delgada. E. Descripção da Ilha de S. Miguel, 
Veja-se a sua obra : Margarita Animada. Idéa Moral, Po- 
litica, e Histórica^ discursada na Vida da venerável Mar- 



132 



BIBLI06RAPHÍA HISTÓRICA 



garida de Chaves, natural da Cidade de Ponta- Delgada. Lis- 
boa Occidental, na Officina de António Pedroso Galrão. 
172Ò. 8. de pag. 195 a 357. 

739. Francisco de Almeida. Jordão, bacharel forma- 
do em Cânones. E. Melagão do Castello e Serra de Cintra, 
e do que ha que ver raro em toda ella. Contém uma descri- 
pção de Santa Eufemia, do Convento de Nossa Senhora da 
Penha, do Palácio Real e ViUa de Cintra, da Quinta de 
Penha^ Verde, dos Capuchos da Serra, da Mntta das Avelans, 
e Peninha, do Convento de SanVAnna de Gigaroz, da Quin- 
ta do Vinagre, Vargem de Coitares, Fojo, Pedra de Alvi- 
drar, Ulgueira, e Penhalonga. Lisboa, na Officina de Fran- 
cisco Luiz Ameno. 1748. 4. Consta de 35 paginas. (Biblio- 
theca Publica d''Evora.) 

740. P. Francisco da Fonseca. E. Évora Gloriosa. 
Epilogo dos quatro tomos da Évora Illustrada, que compoz 
o Reverendo Padre Mestre Manuel Fialho, da Companhia 
de Jesus. Roma, na Officina Komarekiana. 1723. foi. 

741. Francisco JosÊ de Andrade, advogado da Casa 
da Supplicação. E. Descripção da Chamusca. Part. 1, Lis- 
boa, na Officina de Miguel Manescal da Costa. 1759. 4. 
Consta de 36 paginas. (*) 

74Í?. D. Francisco de S. Luiz. E. Memoria Histórica 
sobre as obras do Real Mosteiro de Santa Maria da Victo- 
ria, chamado vulgarmente da Batalha. Sahiu no tom. 10. 
part. 1. das Memorias da Academia Real das Sciencias. 
Lisboa, na Typographia da Academia. 1827. foi. 

Escripto acerca da Estatua Equestre da Ilha do Corvo. 
Sahiu no tom. 2. pag. 61 e seguintes da Revista Littera- 
ria. Porto, na Typographia Commercial. 1838. 8. 

743. P. Francisco do Nascimento Silveira. E. Map- 
pa Breve da Eusitania Antiga, e Galliza Bracharense, no 
qual em seis Taboas Chorographicas, indispensavelmente pre- 
cisas aos geographos curiosos, se noticiam todas as Cidades e 
Povoações quefloreceram nos passados séculos, em todas asseis 
Provindas em que se devide de presente Portugal ; e junta- 
mente se nomeam os Povos que as habitaram e defenderam 
dos inimigos^ os Montes mais celebres qit a for moscam seupaiz^ 
os Rios notáveis que fecundam seus campos; os Promontórios 
e Ilhas que serviam de balisa á sua navegação ; e as Vias 
Militares que franqueavam a passagem aos Consnl.es R.'^ma- 
nos e suas tropas. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu 
Ferreira. 1804. 8. 

744. Francisco Xavier Ribeiro de Sampaio, sócio 
da Academia Real das Sciencias de Lisboa, E, Memoria so- 



PORTUaUEZA. 



133 



6re as ruínas do Mosteiro de Castro de Avelans^ c do 31onu- 
mento e Inscrip^ão lapidar que se acha na Capella-mor da 
antiga J(j>tja do mesmo Mosteiro. Anda impressa no tom. 
5. das Memorias de jLiiie ratara Portugueza. Lisboa, na Of- 
ficina da Academia Real das Sciencias. 1793. 4. Tinha sa- 
bido a pag. i 9 1 e seguintes do Jornal Mncyclopedico — Maio de 
1790. Lisboa, na Ofíicina de António Gomes. 1790. 8. 

745. Gaspar Estaco, cónego da collegiada de Guima- 
rães, natural d'Evora. Ê. Varias Antiguidades de Portugal. 
Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1625. foi. et ibi, na Ofíici- 
na dos herdeiros de António Pedroso Galrão. 1754. 4. Does- 
ta edição se esqueceu o Abbade Barbosa. 

746. Gonçalo Xavier de Alcáçova, sócio da Acade- 
mia Litúrgica Poutificia. E. Dissertarão sobre a questão: se 
a Cidade de li tj a foi a que antigamente se cham,ou a Pax 
Júlia dos Jiomonos, ou a Cidade de Badajoz, Acha-se im- 
pressa no tom. 2. da Coíhcçâo da referida Academia. Colim- 
brͣ ex Pr ceio Academise Pontiliciee. 1761. 4. 



í47. P. Ignacio da Piedadk e Vasconcellos, 



cónego 



secular da Congregação de S. João Evangelista, natural de 
Santarém. E Histoiia de Santarém Edificada^ que dá no- 
ticia da sua fundação, e das cousas mais notáveis n^ella suc~ 
cedidas, a sat)er : das fundações de todas as suas Igrejas, as- 
sim das Parochias, como dos Conventos e Ermidas • dos pro-^ 
digiosos milagres alli succedidos ; das relíquias que em si en- 
cerra ,• das í''idas de varias Santos e Beatos, e de muitas pes- 
soas dignas de memoria, assim, em virtudes, como em lettras 
e armas^ todas naturacs de Saniarevt ; e de tudo o que toca 
ao seu termo e comarca, de que se segue dar muitas noticias 
de todo o Reino. Part. 1. e 2, Lisboa Occidental. 1740. foi. 
sem o nome do impressor. 

748. D. Jeronymo Contador de Argote, clérigo re- 
gular, natural de Collares. E. Das Antiguidades da Chan- 
cellaria de Braga Os primeiros quatro livros sahiram im- 
pressos no tom. 8. da Collec. dos Docum. e Mem. da Aco- 
dem. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Officina de 
José António da Silva. 17*28. foi. e pela segunda vez, com 
um quinto livro : ibi, na Officina Silviana. 1738. 4. gran- 
de, em latim e portuguez. 

Parecer Anatómico, Histórico, Critico^ e Jurídico sobre a 
Dissertação Histórica e Critica de um,a Inscripção que existe 
no Campo de SanVAnna., na Cidade de Braga, e da figura 
gravada em uma moeda de Júlio César. Lisboa, na Officina 
de Miguel Rodrigues. 1742, 4. Sahiu com o supposto nome 
de Egydio Albornós de Macedo. (*) 



134 BIBLIOSRAFHU MISTOaiCA 

749. JoXo António de Lemos Pereira de Lacerda, 
segundo Visconde de Juromenha. E. Cintra Pinturesca, ou 
Memoria Descriptiva da Villa de Cintra, CoUares, esem ar- 
redores. Lisboa, na Typographia da Sociedade Propagadora 
dos Conhecimentos Úteis. 1838. 8. grande, sem o nome do 
auctor. 

750. João Baptista de Castro, beneficiado da Santa 
i3asihca Patriarchal, natural de Lisboa. E. Mappa de Por- 
tugal. Part. 1. Comprehendè a situação, etymologia, e cli- 
ma do Reino; memoria de algumas povoações que se extin- 
guiram ; ^ descripgão circular ,- divisão antiga e moderna ; 
montes, rios, fontes, caldas, fertilidade, mineraes, moedas, lín- 
gua, génio e costumes portugtiezes. Lisboa, na Officina de 
Miguel Manescal da Costa. 1745. 3. Part. 2 Contém, a ori- 
gem e situação dos primeiros povoadores da Lusitânia ; en- 
trada e domínio dos Phenicios, Carthaginezes, Romanos, Go- 
dos e Mouros; erecção da Monarquia Portugueza, easprin- 
cipaes a^cções de seus Augustos Monarcas, Rainhas, Prínci- 
pes, e Infantes ', governo da Casa Real, e outras noticias po- 
liticas. Ihi, na mesma. Oíúcuvâ. 1746. S. Part. 'ó. Tracta 
do estabelecimento e progressos da religião em Portugal ; das 
Ordens Militares que n\lle ejiistem, e das que se extingui- 
ram ; de todas as Ordens Religiosas, e mais Congregações, 
com a exposição dos Conventos e Mosteiros que tem cada uma, 
e annos das suas fundações :, Pontífices e Cardeaes Portugue- 
xes; Varões insignes em santidade e virtude ; Rflíquías notá- 
veis e Imageiís milagrosas. Ibi, na mesma Officina. 1747. 8. 
Part. 4. Mostra a origem das Lettras, e Universidades n^este 
Reino; os Escriptores mais fam.osos que tem havido n''elle em 



todo o género de lítteratura ; o Militar com 



os presídios, e 



fortalezas de mar e terra; os Varões mais insignes em armas, 
€ algumas víctorías assignaladas que os Portuguezes tem al- 
cançado de varias Nações. Ibi, na mesma Officina. 1749. 3. 
Part. 5. Desenha em Tabons Topngraphicas as príncípaes 
povoações da Província da Estremadura,- e descreve as par- 
tes mais essencíaes de que consta a Cidade de Lisboa. Ibi, na 
Officina de Francisco Luiz Ameno. 1758. 8. Sahiu de novo, re- 
visto e augmentado pelo auctor, com este titulo: Mappa de Por- 
tugal antigo e moderno. Tom. 1. Part. 1. c2. Contém uma 
exacta descripção geographica do Reino de Portugal, com, o 
que toca a sua Historia Secular e Politica. Lisboa, na Offi- 
cina de Francisco Luiz Ameno. 1762. 4. Tom. 2. Part. 3. 
e 4. Tracta da Historia Ecclesíastica, Litteraria, e Militar 
do Reino. Ibi, na mesma Officina. 1763. 4. Tom. 3. Part, 
5, Recopila em Taboas Topographicas as povoações princi- 



I 



PORTUGUEZi. 



m 



paes da Mstremadura, com a descripção exacta da Cidade de 
L.isboa e seu termo^ antes e depois do Terremoto ; a que se 
ajunta o Roteiro Terrestre do mesmo Reino, com as derro- 
tas pvr travessia. Ibi, na dita Officina, eno mesmo anno. 4. 
75 J. Joio Baptista DA Silva Lopes. E. Chorographia^ 
ou Memoria JLconomica, Estatística, e Topographica do Rei- 
no do Algarve. Lisboa, na Tj^pographia da Academia Real 
das Sciencias. 1841. 4. 

752. João Pedro Ribeiro. E. Blemoria acerca da Ins- 
cripção lapidar que se acha no Mosteiro do Salvador de Vay- 
rão, de Religiosas Benedictinas, no Bispado do Porto, e da 
pertendida antiguidade do mesmo Mosteiro, que d''agueUa 
Jnscrip^ão se tem procurado deduzir. Saliiii no tom. 5. das 
Blemorias de Litteratura Portugueza. Lisboa, na Officina 
da Academia Real das Sciencias. J793. 4. 

753. João Pedro Soares Luna. E. Descripção da for- 
mosa Caldeira da Ilha do Fayal. Lisboa, na Typographia de 
Eugénio Augusto. 1835. 4. Oito paginas de impressão. [^) 

754. Fr. João de Sousa. E. Memoria de quatro Ins- 
cripcões arábicas, com suas traducções. Saliiu no tom. 5. das 
Memorias de Litteratura Portugueza. Lisboa, na Officina 
da Academia Real das Sciencias. 1793. 4. 

755. JoAauiM JosÉ VarellA, sócio da Academia Real 
das Sciencias de Lisboa. E. Mem.oria Estatística acerca da 
notável Villa de Monte-mór o Novo. Acha-se impressa no 
tom. 5. part. 1. das Memorias da Academia Meai das Scien- 
cias. Lisboa, na Typographia da Academia. 1817. foi. 

756. JoAauiM José Ventura DA Silva, professor de pri- 
meiras lettras. E. Descripção Topographica da nobilissima 
Cidade de Lisboa, com um Mappa Chorographico das Paro- 
chias, e sua população. Lisboa, na Impressão de Militao José 
& Corap. 1835. 4. 

757. JoAauiM Pedro Cardoso Casado Giraldes. E;. 
EdnfisHca Historíco-Geographica do Reino de Portugal. É 
um Mappa de grande formato, em que também se acha es- 
tampada a Carta geral do Reino. Foi impresso em Pariz. 

758. Jorge Gaspar de Oliveira RolÃo. E. Breve 
Descripção Topographica da Villa d'^ Alpedrinha e seu Dis- 
tricto, na Comarca de Castello- Branco, Veja-se o num, 25. 
pag. 13 e seguintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1814. 4. 

759. JosÉAfaTONio da Silva Rego. E, Geographia Mo- 
derna de Portugal e Hespanha, precedida de um pequeno 
Tractado da Esphera e Globo Terrestre ,* ornada de varias 
passagens da Historia Natural, Politica, e Commerciqjite 

18 






136 



BIBLIOSRÂPHIA HISTÓRICA 



d'*e&tes dois Reinos, e de Taboadas das Longitudes e Latiiiir 
des. Lisboa, na Officina de J. F. M. de Campos. 1816. 8. 

760. José Diogo Mascarenhas Neto, sócio da Acade- 
mia Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria sobre anti- 
guidades das Caldas de Vizela. Sahiu no tom. 3. das Memo- 
rias de L,itteratura Portugueza. Lisboa, na Officina da Aca- 
demia Real dás Sciencias. 1792. 4. 

761. JosE JoAaciM Leal. E. Biccionário Estatístico- 
Geogrnphico do Reino de Portugal e Algarves^ óu Descri- 

pção circumstanciada de todas as Provindas, Governos Mi- 
litares, Dioceses, Comarcas, Concelhos, Vitlas, Freguezias, 
JLogarés, ou Aldeás, e mais povoações do Reino. 'Tom. l. 
Lisboa, na Typographia de Desiderio Marques Leão. 18^^. 
foi. 

762. JosjÉ Maria Daittas Pereira. ¥é. Memoria sobre 
o Resumo da Geographia 'Politica de Portugal, escripto por 
M. JBory de Saint- Finceht . Sahiu no tom. 10. part. 1. dás 
Memorias da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Ty- 
pôgraphia da Academia. 1827. foi. 

763. JbsE Martins Ferreira. E. Compêndio e Sum- 
mario das grandezas e cousas notáveis que ha entre Douro e 
Minho, e em sua Comarca, vistas pelo muito douto Ruy de 
Pina, Chronista-mór quefoi d''este Reiíio, por mandado d''El- 
rei D. João III. e agora novamente acrescentadas em algu- 
mas partes. SaKiu com o Prognostico e Lunario que para o 
anno de 1608, segundo afirma oAbbade de Sever, deu á luz 
Diogo Martins da Veiga : Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1608. 8. D'este Pro^nosííco vimos apenas um fragmento, em 
que se acha estampado por inteiro o dito Compendio : cons^ 
ta de 14 paginas. (Bibliotheca Real d'Ajuda). 

764. Lourenço de Mesquita Pímentel Souto Maior. 
E Castro. E. Mappa Chronologico do Reino de Portugal e 
seus Dominiós. Lisboa, na Impressão de J. B. Morando. 
1815. 8. Tracta das principaes terras e povoações do Reino, 
das Dioceses, Conventos, &.c. 

765. Luiz António DE Azevedo, professor régio de Grarri- 
matica e Lingua Latina. E. Dissertação Criticò-Philologico- 
Historico sobre o verdadeiro anno, manifestas causas, e at- 
iendiveis circumstancias da erecção do Tablado e Orquestra 
do antigo Theatro Romano descoberto na excavação da rua 
de S. Mamede, perto do Castello doesta Cidade, com a intel- 
ligencia da sua Inscripção em honra de Nero, e noticia ins- 
iructiva d^ outras memorias allim,esmo achadas, e atégora ap- 
parecidas. Lisboa, na nova Impressão da Viuva Neves e Fi- 
lhos. 1815, 4. com estampas. 



PORTUGUEZA. 



137 



76(3. D. Luiz Caetano de Lima. E. Geographia His- 
tórica de todos os Estados Soberanos da Europa, com, as mur 
d^anças qtie houve nos seus Dominios, especialmente pelos Tra- 
ctados de Utrecht, Rastadt, Saden, ^c. Ihm. 1. e 2. Em 
que se iracta de Portugal. Lisboq. Occidental, na Officina 
de José António da Silva. 1734 e 1736. 4. grande. 

767. P.Luiz Cardosç, da Congregação do Oratório, 
natural de Pernes, E. Diccionario Geogrophico, ou Noticia 
Histórica de todas as cidades, villas, logares e aldeãs, rios, 
ribeiras, e serras dos Reinos de Portugal e Algarve j com 
todos as cousas raras qiiie n''clles se encontram, assim antigas 
como modernas. Tom. 1. Lisboa, na Officina Silviana 1747. 
foi. Tom. 2. Ibi, na mesma Officina. 1751. foi. 

768. Luiz Duarte Villela da Silva, presbjtero se- 
cular. E. Compendio Histórico da Pllla de Celorico da J8ei-^ 
ra. Lisboa, na Officina â,e Simão Thaddeu Ferreira. 1808. 

Observações Criticas sobre alguns artigos do Ensaio Estatísti- 
co do Reino de Portugal e Algarves, publicado em Pariz por 
Adriano Balbi. Lisboa, na Impressão Regia. 1828. 4. 

769. Luiz Marinho de Azevedo. E. Primeira Parte 
da Fundaçãc^, Antiguidades, e Grandezas da mui insigne Ci- 
dade de Ijisbôa, e seus Varões lllustres em santidade, armas, 
e leilras. Cata.logo de seus. Prelados, e mais cousas Écclesias- 
ticas e Politicas, atá o anno 1147, em que foi ganhada aos 
mouros por Mirei D. Affonso Henriques, Dedicada ao ilhis- 
tre e Ínclito Senado d''eUa. Lisboa, na Officina Craesbeec- 
kiana. 1652. foi. Ibi, á custa de Luiz de Moraes. 1753. dois 



nas Officinas de Manuel 
D'estas 



tomos. 4. e no mesmo anno : ibi 

Soares, e de Dojningos Rodrigues, dois tomos. 4. 

duas edições se esqueceu Diogo Barbosa Machado na sua 

JBiibliotheca husitana. 

770. Luiz Meirelles do Canto e Castro. E. Memo- 
ria sobre as Ilhas dos Açores, e principalmente sobre a Ter- 
ceira-, considerando a educação da mocidade, a agricultura ,; 
o commercio, a administração da Fazenda Publica, e o go- 
uerno municipal. Pariz, na Imprensa de M.™^Huzard. 1334. 
4, grande. 

771. Luiz. Mendes DE Vasconcellos, natural de Lisr 
boa. E. Ho Sitio de Lisboa. Hialogo. Impresso em Lisboa, 
na Officina de Luiz Estupinan. 1608.8. Ibi, na Officina de 



1786. 8. Ibi, na Impressão Regia. 



Francisco Luiz Ameno. 
1803. 8. 

772. Luiz da Silva Mousinho de ALBUQUERauE. 



Ignacio Pitta n.E Castro Menezes, E. Obser 



iQh% 



i38 



EIBLIOGUAPHIA HISTÓRICA 



a Ilha de S. Miguel, recolhidas pela Commissão enviada á 
mesma Ilha em Agosto de 1825, e regressada em Outubro do 
mesmo anno. Lisboa, na Impressão Regia. 1826. 4. grande. 
Constam de 43 paginas. 

773. Manuel Agostinho Madeira Torres. E. Bes- 
cripgão Histórica e Económica da Filia e termo de Torres 
Vedras. Aeha-se impressa no tom. 6. part. 1. das Memorias 
da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typographia 
dã Academia. 1819. foi. e continuada no tom. 11. part. 2. 
das ditas Memorias. Ibi, na mesma Typograpbia. 1835. foi. 

774. Manuel António de Moraes Mendonça, bacha- 
rel formado em Leis. E. Memoria que contém uma breve 
descripção do Concelho de MonV Alegre, ou Barroso, sua po- 
pulação, causas que a diminuem, caracter de seus habitantes, 
producções dopaiz, quanto podem augmentar-se, Sçc. Veja-se 
o num. 16. pag. 324 eseguintes do Jornal de Coimbra. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1813. 4. 

775. Fr. Manuel do Bom Jesus, religioso franciscano. 
E. Memoria sobre q Villa de Vianna do Minho. Veja-se o 
num. 18. pag. 141 e seguintes do Jornal de Coimbra. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1813. 4. 

776. Manuel Ferreira de Seabra. E. Nota sobre al- 
guns vestígios de antiguidades que se encontram no logar da 
Junqueira, na Província de Traz-os- Montes. Veja-se o tom. 
2. num. 20. da Mnemôsine Lusitana. Lisboa, na Impressão 
Regia. 1817. 4. 

777. Fr. Manuel de Figueiredo. E. Bescripgão de 
Portugal, apontamentos e notas de sua Historia antiga e mo- 
derna, Ecclesiatica, Civil e Militar. Lisboa, na Officina de 
Francisco Luiz Ameno. 1788. 8. Esta mesma edição sabiu 
com differente rosto : ibi, naTjpograpbiaLacerdina." l 817 8. 

Supplemento á Bescripçõo de Pottngal, em satisfaçòo da 
Carta que um Prelado do Reino escreveu aoauctor. Lisboa, 
na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1788. 8. e pela se- 
gunda vez em nova edição : ibi, na Typographia Lacerdina. 
1817. 8. 

778. Manuel Gomes de Lima Bezerra. E. Os Es- 
trangeiros no Eima, ou Conversações Eruditas sobre vários 
pontos de Historia Ecclesiastica, Civil, Litteraria, Natural, 
Genealógica, Antiguidades, Geographia, Agricultura, Com- 
7nercio, Artes e Sciencias ; com uma descripção de todas as 
villas, freguezias, e togares notáveis da Ribeira Lima ; suas 
producções, industria, fabricas, edifícios, familias nobres, fi- 
lhos illu&tres em virtudes, armas, ou leitras ,• e com a Nobi- 
liarchia Portugueza de Fillasboas illustrada. Tom, 1, Coim- 



I 



P0RTU6UEZA. 



139 



bi-a, na Officina da Universidade. 1705. 4. Tum.2. Ibi, na 
dita Officina. 1791. 4. com estampas. 

779. Manuel José de Ahuiaga Brum da Silveira. 
E. Memoria Geographira, ILdaliúica^ Politica^ e Histórica 
sobre as Ilhas do Fayal e Pico. Ojferecida ao Soberano Con- 
gresso. Lisboa, na Impressão de Alcobia. 1821. 4. (*) 

780. Manuel Marques Rezende, natural de Vizeu. E. 
Espelho da Corte, em um breve mappa de Lisboa^ no qual 
epilogadamenie se mostram e retratam as suas grandezas^ e 
um abbreviado elogio e verdadeira copia dos bons costum^es de 
seus habitadores, em um Dialogo curioso. Lisboa Occidental, 
na Ofíicina da Musica. 1730. 4. Consta de 23 paginas. 

781. Martim Cardoso de Azevedo, natural d'Evora. 
E. Historia das Antiguidades d^Evora. Part. 1. onde se re- 
latam as cousas que aconteceram em. Évora, até ser tomada 
aos mouros por Giraldo, no tempo d^Elrei D. Affonso Hen- 
riques. Evora, na Officina da Universidade. 1739. 4. Sahiu 
com o supposto nome de Amador Patricio. 

782. Martinho de Mendonça de Pina e Proença, 
guarda-raor do Real Archivo, natural da Guarda. E. Dis- 
curso sobre a significação dos antiquissimos e rudes Altares 
que se acham em i)arias partes de Portugal, e que vulgar- 
mente se chamam Antas. Sahiu no tom. 13. da Collec. dos 
Docum. e Mem. da Academ. Meai da Hist, Port. Lisboa 
Occidental, na Officina de José António da Silva. 1733. foi. 

783. Fr. Nicolau de Oliveira, religioso trino, natu- 
ral de Lisboa. E. Livro das Grandezas de Lisboa. Dirigido 
a D. Pedro d"* Alcáçova, Commendador das Idanhas. Lisboa, 
por Jorge Kodrigues. 1620. 4. et ibi, na Impressão Regia. 
1804. 4. 

784. Paulo Perestrello dA Camará. E. Descripção 
Geral, de Lisbua em 1839, ou Ensaio Histórico de tudo quan- 
to esta Capital contém de mais notável, e sua Historia Po- 
litica e Litíerarin, até o tempo presente. Lisboa, na Typo- 
graphia da Academia das Bellas Artes. 1839. 12. 

Breve Noticia sobre a Ilha da Madeira, ou Memorias so- 
bre a sua Geographia, Historia, Geologia, Popographia, Agri- 
cultura, Commercio, êçc. Lisboa, na Typographia da Acade- 
mia das Bellas Artes 1841. 8. (*) 

785. Fr. Pedro de Poyares, franciscano. E, Tracia- 
do Panegyrico em louvor da Villa de Barcellos. Coimbra, 
na Officina de José Ferreira. 1672. 4. 

786. RuY Fernandes E. Descripção do terreno em. ro- 
da da Cidade de Lamego duas léguas :, suas producçôes e ou- 
tras muitas cousas notáveis, eícripta em 1531. Acha-se im- 



BIBLIOGRAPHÍA HISTÓRICA 

pressa no tom. 5. da Collecgão de Livros Inéditos de Hisio- 
ria Portugueza. Lisboa, na Ofíicina da Academia Real das 
Sciencias. 1824. foi. 

787. D. Thomaz Caetano de Bem. E. Carta aiim seu 
amigo, acerca de uns Monumentos Romonos descobertos no sir 
tio das Pedras Negras. Sahiu no fim da segunda edição dp 
Sttmmario, ja citado, de Christovão Rodrigues de Oliveira : 
Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 1755. 4. de nao-. 
153 a 176. ^ "* 

788. D. Veríssimo, cujo appeliido se ignora, cónego rer 
gukr da Congregação de Santa Cruz de Coimbra, traduziti 
do italiano, segundo escreve Barbosa : Descripção e debuxo do 
Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. No Mosteiro de Santa 
Cruz. 1541.4. D'esterarissimo opúsculo não descobrimos ne- 
nhum exemplar. Acba-se porém reproduzido na Chronica da 
Ordem dos Cónegos Regrantes, por D. Nicolau de Santa Maria. 
part. 2. liv. 7. pag. 88 e seguintes. 



789.^ Caminho da Geira, e JElstrada Militar do Gerez, e 
Antiguidades que comprehendem a Geira ,• descrevendo-se tam- 
bém o Gerez, com noticias de tudo o que n''elte ha. Veja-se o 
tom. 8. a pag. 360, 469, e 504. e o tom. 9. pag. 25 e se- 
guintes da Revista Liiteraria. Porto, na Typographia da 
Revista. 1842. 8. 

JEstatistica das Freguezias limitrophes á Estrada da Geira. 
Acha-se impressa no dito tom. 9. pag. 142 e seguintes, e 
continuada a pag. 209. 

790. Chorographia Açorica, ou Descripção Phisica, Poli- 
tica, e Histórica dos Açores. Lisboa, na Ofíicina de João Nu- 
nes Esteves. 1822. 8. 

791. Descripção da Villa de Torrão, nn Provedoria de. 
Beja. Veja-se o num. 25. pag. 54 e 55 do Jornal de Coim^ 
hra. Lisboa, na Impressão Regia. 1814. 4. 

792. Diccionario Geographico das Colónias Portuguezas, 
no qual se descrevem todas as Ilhas e porções de Continente 
que Portugal possue no Ultramar ; suas producções naturaes, 
rios, povoações, commercio, Sfc. Porto, na TypographiaCom- 
mercial. 1842. 4. 

793. Extracto de uma Descripção da Villa de JLongroi- 
va, na Provinda da Beira. Acha-se impresso no tom. 7. das 
Memorias da Academia Real das Sciencias, Lisboa, na Ty^ 
pographia da Academia. 132Í. foi. 



P0RTU6UEZA. 



141 



794. Historia antiga e moderna da sempre leal e antí- 
guissima Vilía de Amarante^ desde a sua primeira fundação 
pelos Turdetanos, iresentos e sessenta annos a7ites da vinda 
de Christo Senhor Nosso, até ser incendiada pelos Francezcs^ 
em 1009. Londres, impresso por T. C. Hansard. 1814. 8. 
grande. 

7 95. Memoria sobre a Cidade de Aveiro. Veja-se o num. 
7. pag. 22 e seguintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, na 
Impressão Regia. 18 12. 4. 

796. Memoria Hidorica sobre as Ilhas dos Açores, como 
parte componente da Monarchia Portugiieza, com idéas poli- 
ticas relativas á reforma do Governo Portiiguez, e sua nova 
Constituição. Lisboa, na Officina de António Rodrigues Ga- 
lhardo. 1821. 4. 

797. Noticia Geographica da Monarchia Portugueza. Ve- 
ja-se a já citada Folhinha da Terceira, para o anno de 1832. 
Angra, na Imprensa do Governo. 1832. 12. de pag. 65 a 125. 

798. Noticia (Breve) da Perra de Panoyas, cantão fa- 
migerado na antiguidade, do qual se formou a melhor parte 
da Comarca de Villa lleal. Coimbra, na Imprensa da Uni- 
versidade. 1836. 8. 

799. Taboa Geographico-Éstatistica Lusitana, ou Dic- 
cionai'io abbrevindo de todas as Cidades, Villas, e Freguezias 
de Portugal, com, sua população , legoas de distancia, correios, 
e feiras principaes ; e juntamente de seus rios, montanhas, ca- 
bos, portos, êçc. Porto, naTypographia Commercial. 1839.4. 



142 



BIBLIOGRAPHIA HISTOSICA 



TITULO 2. 



MEMORIAS E ESCRIPTOS RELATIVOS Â AMERICA. 



000. AndkÉ JoAO Antonil. Escreveu: Cultura e opu- 
lência do Brasil^ por suas drogas e minas ,• com varias noti- 
cias curiosos do modo de fazer o assucar, plantar e beneficiar 
o tabaco, tirar oiro das Minas, e descobrir as da prata; e 
dos grandes emolumentos que esta Conquista da émerica Me- 
ridional dá ao Reino de Portugal, com estes e <>utro% géne- 
ros e contractos reaes. Lisboa, na Officina Deslandesiana. 
1711. 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, e a Livraria das 
Necessidades). Deve accrescentar-se á Bibliotheca Lusitana. 
Sabiu reimpressa: Rio de Janeiro, na T^ypograpbia de J. 
Villeneuve e Comp. 1841. 8. 

801. António Barbosa Bagellak. E. Rdacão diária 
do sitio e tomada da forte Praça do Recife; recuperação das 
Capitanias de Itamaracá, Parahíba, Rio Grande, Ceará, e 
Ilha de Fernão de Noronha, por Francisco Barreto, Mestre 
de Campo General do Estado do Brasil, e Governador de 
Pernambuco. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 1654. 4. 
Trinta e duas paginas de impressão, sem o nome do auctor. 
(Livraria do Archivo Nacional da Torre do Tombo, Rela- 
ções do Brasil, Angola, ^c. vol. t. num. II. Livraria das 
Necessidades, Relações Fiarias ^x)- 

802. António Bernardino Pereira do Lago. E. Es- 
tatística Historico-Geographica da Provinda do Maranhão. 
Lisboa, na Tjpographia da Academia Real das Sciencias. 
1822. 4. 

803. António Caetano de Sousa. E. Catalogo dos Ar- 
cebispos da Bahia, e mais Bispos sf.us Sufraganeos. Sahiu 
impresso no tom. 1. da Collec. dos Docum. e Mem. da Aca- 
dem. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Officina de 
Paschoal da Silva. 1721. foi. 

804. António Julião da Costa, traduziu do inglez ; 
Narrativa da passagem do Pacifico ao Atlântico, atravez dos 
Andes, lias Províncias do Norte do Perit, e descendo pelo rio 
Amazonas até ao Pará, por Henrique Lister Maw. Liver- 
pool, por F. B. Wright. 1831. 8. sem o nome do traductor. 

805. Fr. António de Santa Maria JaboatÃo, cbro- 
nista da sua Ordem, natural do Rio de Janeiro. E. Orbe 
Seráfico, Novo Brasílico. Chronica dos Frades Menores da 
mais estreita e regular observância da Província do Brasil. 



t>ORTUG0EZA. 



Í43 



Pari. 1. Lisboa, na Officina de António Vicente da Silva. 
1761. foi. 

806. António Ribeiro dos Santos. E. Do Conhecimeré-^ 
to que era possível ter da existência da America^ pela tradi- 
ção dos antigos, epor motivos philosophicos. Veja-se o tom. 5. 
part. 1. das Memorias da Academia Real das Sciencias. Lis- 
boa, na Typographia da Academia. 1817. foi. 

807. António Vicente Della Nave. E. Historia do 
descobrimento e conquista do Império Mexicano, Toin. 1. 
Rio de Janeiro, na Typographia Real. 182t. 4. Tom. 2. 
Lisboa, na Impressão Regia. 18^3. 4. 

808. P. António Vieira, jesuita, natural de Lisboa. E, 
Copia de uma Carta para Elrei sobre as Missões do Seará^ 
Maranhão, Pará, e do grande Rio das Amasonas. Lisboa, 
na Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1660. 4. 
Consta de 20 paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 
Peis Vários ^). Sahiu reimpressa no tom. 14. dos seus Ser- 
mões: Lisboa, por Valentim da Costa Deslandes. 1710. 4. 

Relação da Missão da Serra de Ibiapaba, — Informação 
que deu ao Conselho Ultramarino sobre as cousas do Mara- 
nhão. — Carta ao Sereníssimo Rei D. Pedro II. acerca das 
Missões do Brasil, — Protesto feito á Camará e m>ais Nobre- 
za da Cidade do Pará, para não serem expulsos d^aquella 
Conquista os Padres Missionários da Companhia de Jesus. — 
Carta ao Serenisnmo Rei de Portugal D. Affonso VI. so- 
bre as cousas do Maranhão. Todas estas obras sahiram á luz, 
por diligencia do P. André de Barros, com este titulo : Vo- 
zes saudosas da eloquência^ do espirito, do zelo, e eminen- 
te sabedoria do P. António Vieira, da Companhia de Je- 
sus. Lisboa Occidental, na Officina de Miguel Rodrigues. 
1736. 4. 

809. Fr. Appolinario da Conceição, chronista da Pro- 
víncia da Conceição do Rio de Janeiro, natural de Lisboa. 
E. Primazia Seráfica na Região da America. Movo desco- 
brimento de Santos e Veneráveis Religiosos da Ordem Será- 
fica, que enobrecem o Novo Mando, com, suas virtudes e ac- 
ções. Lisboa Occidental, na Officina de António de Sousa da 
Silva. 1733. 4. 

810. Balthazar da Silva Lisboa. E. Memoria Topo- 
graphica e Económica da Comarca dos Ilheos. Sahiu no tom. 
9. das Memorias da Academia Real das Sciencias, Lisboa, 
na Typographia da Academia. 1825. foi. 

811. P. Bartholomeu Guerreiro, jesuita, natural de 
Almodovar. E. Jornada dos Vassallos da Coroa de Portu- 
gal, para se recuperar a Cidade do Salvador, na Bahia de 

19 



ÍU 



BÍBU0G8APHÍ.4 HISTÓRICA 



Todos OS SantoSj tomada pslos Hollandezes a Q de Maio de 
1624, e recuperada ao primeiro de Maio de 1625. Lisboa, 

por Matheus Pinheiro. 1Q25. 4. (Bibliolheca Nacional de 

Lisboa, Papeis Vários ■—). 

812. Bernardo Pereira de Berredo, governador do 
Maranhão, natural de Serpa. E. Aanaes Históricos do Esta- 
do do Maranhão^ em que se dá noticia do seu descobrimento ^ 
e tudo o mais que n''eUe tem succedido, desde o anno em que 

foi descoberto até o de 17 ÍQ. Lisboa, na Officina de Francis- 
co Luiz Ameno. 1749, foi. 

813. Daniel Garção de Mello. E. Pegas interessan- 
ies relativas á revolução effeiiuada no Pará, a fim de se unir 
á sagrada causa da Regenerarão Portugueza. Lisboa, na 
Imprensa Nacional. 1821. 8. 

814. Diogo de Campos Moreno, capitão, e sargento- 
mor do Estado do Brasil. E. Jornada do Maranhão, feita 
por Jeronymo de Albuquerque em 1614. Anda impressa no 
tom. 1. num. 4. da Collecgão de Noticias para a Historia e 
Geographia das Nações Ultramarinas. Lisboa, na Typogra- 
phia da Academia Real das Sciencias. 1812. 4. 

815. Feliciano Joaguim de Sodsa. E. Venturosos an'- 
nuncios na chegada do lllustrisnmo e Excellentissimn Senhor 
Marquez do Liavradio á Cidade do Rio de Janeiro, por Vice- 
jei e Capitão General de mar e terra do Estado do Brasil. 
Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 1771. 8. Vinte 
e nove paginas de impressão, em prosa e verso. 

Demonstração do maior jubilo no fausto dia 12 de Março 
de 1769, em que se celebravam, os felicissim,os annos do lllus- 
irissimo e Excel lentissimo Senhor Conde de Azambuja, sendo 
Vicerei e Capitão General de mar e terra do Estado do Bra- 
sil. Lisboa, na mesma Officina. 1771. 8. Dezenove paginas^ 
de impressão. 

816. Francisco Adolfo de Varnhagen. E. Reflexões 
Criticas sobre o escripto do século XVI. impresso com o titu- 
lo de íí Noticia do Brasil» no tom. 3. da Collecção de Noti- 
cias Ultramarinas, acompanhadas de interessantes noticias bi- 
bliographicas^ e importantes investigações históricas. Andam 
impressas no tom. 5. num. 2. dd. Collecção de Noticias para a 
Historia e Geographia das Nações Ultramarinas. Lisboa, 
na Typographia da Academia. 1839. 4. 

817. Francisco de Brito Freire, natural de Coruche. 
E. Relação da viagem que fez ao Estado do Brasil a Arma- 
da da Companhia, anno 1655, a cargo do General Francis- 
co de Brito Freire. Lisboa, na Officina de Henrique Valente 
de Oliveira. t657. 12. (Livraria do Sr. Conselheiro Macedo, 



POBTOGCEZi. 



i4S 



e a do Ex."*" D. Francisco de Mello Manuel). Saliiu reim- 
pressa no fim da seguinte obra do mesmo auetor. 

Nova Lvsitania. Historia da Guerra Brasílica. Década 
I. A^ purissima alma, e saudosa memoria do Sereníssimo Prín- 
cipe D. Theodosio. Lisboa, na Officina de João Galrao. 
1675. foi. 

818. Fr. Francisco deS. Joio Marcos, carmelita, na- 
tural do Porto. E. Relação da viagem que fez da Cidade de 
Ltisboa para Pernambuco, em companhia do Excellentissimo 
D. Fr. Luiz de Santa Thereza, Bispo de Pernambuco, e 
de tudo o que n'*eUa succedeu. Lisboa, na Officina de Miguel 
Rodrigues. 1742. 4. Consta de 20 paginas. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa, Papeis Vários ^-^ Livraria do Archivo Na- 
cional, Relações do Brasil, Angola, Sfc. vol. 2. num. 6). 

819. D. Francisco Manuel de Mello. E. Relação dos 
successos da Armada que a Companhia Geral do Commercio 
expediu ao Estado do Brasil, o anno de 1649, de que foi Ca- 
pitão General o Conde de Caslello Melhor. Na Officina Craes- 
beeckiana. 1650. 4. Dezeseis paginas de impressão, sem o 
nome do auctor. (Bibliotheea Nacional de Lisboa, Papeis 
Vários -^). (*) 

820. Francisco SoLANO Constâncio. K. Historia do Bra- 
sil, desde o seu descobrimento por Pedro Alvares Cabral, até 
a abdicação do Imperador D. Pedro /. Pariz, na T^pogra- 
phia de Casimir. 1839. dois tomos. 8. 

821. Francisco Tavares de Brito. E. Itenerario Geo- 
graphico^ com a verdadeira descripção dos caminhos, estra^ 
das, roças, siíios, povoações, togares, villas, rios, montes e ser- 
ras que ha da Cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro até 
as Minas do Oiro. Sevilha, na Officina de António da Sil- 
va. 1732. 8. Consta de 26 paginas. (Bibliotheea Nacional 
de Lisboa, Papeis Vários ~^), Deve accrescentar-se á Biblio- 
theea Lusitana. 

822. D. Francisco Xavier de Menezes, quarto Conde 
da Ericeira. E. Relação da victoria que os Portuguezes al- 
cançaram no Rio de Janeiro contra os Francezes, em 19 de 
Setembro de !710. Publicada em 20 de Fevereiro. Lisboa, 
na Officina de António Pedroso Galrao. 171 I. 4. sem o no- 
me do auctor. Consta de 12 paginas. (Bibliotheea Nacional 
de Lisboa, Papeis Fartos -^ ; Livraria do Archivo Nacio- 
nal, Relações do Brasil, Angola, ^c. vol. 1. num. 14). De- 
ve accrescentar-se á Bibliotheea de Barbosa. 

823. Francisco Xavier Ribeiro de Sampaio. E. Diá- 
rio da viagem que, em visita e correição das povoações da 
Capitania de S, José do Rio Negro, fez o Ouvidor e Inten^ 




BIBLIOGKAPHU HISTOHICA 

dente Geral da mesma, Francisco Xavier Ribeiro de Sam- 
paio, no anno de 1774 e 1775, ea^ornado com algumas noti- 
cias geographicas e hydrographicas da dita Capitania, com 
outras concernentes á historia civil, politica, e natural d^ella ; 
aos usos e costumes, e diversidade de nações de índios seus Aq- 
bitadores; e á sua população, agricultura e commercio. 
liisboa, na Typographia da Academia Real das Sciencias. 
1825. 4. 

824. Gabriel Soares de Sousa, natural de Lisboa. E. 
Hoteiro Geral, com largas informações de toda a costa que 
pertence ao Estado do Brasil, e descripção de muitos togares 
d elle, eipecialmente da Bahia de Todos os Santos. Sahiu sem 
o nome do auetor no tom. 3. part. 1. da Collecção de Noti- 
cias para a Historia e Geographia das Nações Ultramarinas, 
com este titulo : Noticia do Brasil ; descripção verdadeira 
da costa d^aquelle Estado, que pertence á Coroa do Reino 
de Portugal; sitio da Bahia de Todos os Santos. Lisboa, na 
Typographia da Academia Real das Sciencias. 1825. 4. 

825. Fr. Gaspar da Madre de Deus, monge bene- 
dictino. E. Memorias para a Historia da Capitania de iS<, 
Vicente, hoje chamada de S. Paido, do Estado do Brasil. 
Lisboa, na Tjpographia da Academia Real das Sciencias. 
1797. 4. 

826. Guilherme BarÃo d'Eschwege, sócio da Acade- 
mia Real das Sciencias de Lisboa. E. Noticias e Reflexões 
Estatísticas et respeito da Provinda de Minas Geraes. Acham- 
se impressas no tom. 9. das Memorias da Academia Real 
das Sciencias. Lisboa, na Tjpographia da Academia. 1825. 
foi, 

827. P. Ignacio Felizardo Fortes, natural do Rio de 
Janeiro, traduziu na lingua materna : Historia do Brasil, 
desde a sua descoberta em 1500 até 1810, escripta emfran- 
cezpor M. de Beauchamp. Tom. 1. Rio de Janeiro, na Im- 
pressão Regia. 1818.8. Tom. 2, Ibi, na dita Impressão. 
1819. 8. ^ 

828. Isidoro Francisco Guimarães. E. Memoria His- 
tórica sobre os últimos successos do Pará. Lisboa, na Typo- 
graphia de C. J. da Silva & Comp. 1836. 4. 

829. JoÂo Borges de Barros. E. Relação Summaria 
dos fúnebres obséquios que se fizeram na Cidade da Bahia, 
Corte da America Portugueza, ás memorias do Reverendíssi- 
mo Senhor Doutor Manuel de Mattos Botelho, Mbade de 
duas Igrejas, Provisor, Vigário Geral, e Governador do Bis- 
pado de Miranda. Lisboa, na Officina Silviana. 1745. 4. 

330. Joio MARauES Pinto, E. Oração oferecida, ao 



1»0RTUGL'BZA. 



147 



Illustrissimo e ILxcellentisútno Senhor L,uiz de Vasconcellos 
e Sonsa, Vicerei e Capitão General de mar e terra dos lis- 
tados do Brasil, no dia dos seus annos. Lisboa, na Officina 
de António Gomes. 1787, 4 Consta de 20 paginas. 

831. JoÂo DK Medeiros Corrêa, doutor em Cânones, 
natural de Lisboa. E. Relação verdadeira de tudo o succe- 
dido na restanra^uo da Bahia de Todos os Santos, desde o 
dia em que partiram as armadas de Sua Magestade, tê o em 
que em a dita Cidade foram arvorados seus estandartes, com 
grande gloria de Deus, exaltação do Bei e Reino, nome de 
seus vassallos, que n''esta empresa se acharam, anihilação c 
perda dos rebeldes Hollandezes alli domados. Lisboa, por Pe- 
dro Craesbeeck. 1625. 4. Dezeseis paginas de impressão, sem 
o nome do auetor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis 
Farias f-^).{^)^ 

Breve Relação dos últimos siiccessos da guerra do Brasil, 
restituição da Cidade Mauricia, hortalezas do Recife de Per- 
nambuco, e mais Praças que os Hollandezes occuparam n''a- 
quelle Estado. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 1654. 4. 
Trinta paginas de impressão, sem o nome do auetor. (Li- 
vraria do Archivo Nacional, Relações do Brasil, Angola, Sçc. 
vol. I . num. 9). 

832. JoAGuiM António Clementino Maciel, traduziu 
na língua materna : Historia da conquista do México, com a 
noticia do descobrimento, povoação e progressos da America 
Septentrúmal, conhecida pelo nome de Nova Hespanha. Tom. 
1. e 2. Lisboa, na Impressão Re^ia. 1820 8. 

833. JoAauiM JosÉ Gonçalves de Mattos Corrêa, 
secretario da Associação Maritima e Colonial. E. Discurso 
acerca da prioridade das descobertas feitas pelos Portuguezes 
nas Cosias Orientaes da America do Norte. Vejam-se os num. 
6 e 9 áo^Aitnnes Maritimos e Coloniaes. Lisboa, na Impren- 
sa Nacional. 1341. 8. 

834. JosÉ Feliciano Fernandes Pinheiro , depois 
Viscoode de S. Leopoldo, no Império do Brasil. E. Histo- 
ria nova e completa da America^ colligida de diversos aucto- 
res. Tom. i. Lisboa, na Officina da Casa Litteraria do Ar- 
co do Cego. 1800. 4. et ibi, na Impressão Regia. 1807. 4. 

Aiinaes da Cnpdantn de S. Pedro Tom. 1. Rio de Ja- 
neiro, na Impres.são Regia. 18 1 9. 4 Tom, 2. Lisboa, na 
Imprensa Nacional \{Vrz. 4. Sahiram reimpressos e addi- 
cionados, em um sd volume : Pariz, na T^pographia de Ca&i- 
mir. 1839 8. 

835. JosE Freire deMontarroyo Mascarenhas. JE. 
Os Ori%es conquistados ^^ ou Noticia da. conversão dos indomi- 




SiBUOGBAPHIA HISTÓRICA 
ios Oritt, Procazes, povos bárbaros e guerreiros do sertão 
do Brastl, novamente reduzidos á Santa Fé Catholica, e á 
obediência da Coroa Portugueza ; com a qual se descreve tam- 
õem a aspereza do sitio da sua habitação, a cegueira da sua 
idolatria, e barbaridade dos seus ritos. f,isboa, na Officina 
;tu."*T'' ^^"^'"'^ ^^^''^^- í^'6. 4. Consta de 14 paginas. 
{13ibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários -f--. Livra- 
ria de Jesus, Papeis Vários ^^ • Livraria do Archivo Na- 
cional, Uelaçòes do Brasil, Jngola, ^'c. vol. 2. num. 1). 

836 JosE Gonçalves da Fonseca. E. Navegação feita 
da Cidade do Grão Pará até a bocca^ do Rio da Madeira 
pela escolta que por este Rio subiu ás Minas de Matto Grol 
so, por ordem mui recommendada de Sua Mogestade Fide- 
Insima, no anno c/e 1749. Sahiu impressa no tom. 4. num 1 
da Collecção de Noticias para a Historia e Geographia das 
Ilações Ultramarinas. Lisboa, na Typographia da Acade- 
mia Keal das Sciencias. 1Í526. 4. 

837. D. José Joaquim da Cunha de Azeredo Cou- 
tinho, bispo de Pernambuco, e depois bispo d'Klvas, natu- 
ral do Kio de Janeiro. E. M.moria sobre a conquista do Rio 
de Janeiro por Dugué-Trouin, em 1711. Veja-se o tom. 1. 
num. 13, 15 a 18 da MnemSúne Luútana. Lisboa na 
Impressão Regia. 1816.4. Sahiu reimpressa na Gdlecção de 
alguns Manuscnptus cwiows do Excellentisdmo Bispo d'Et~ 
vat, depois Inquisidor Geral. Londres, impresso por L. Thom- 
pson. 1819. 8. r r 

838. José Joaôuim Roôubte, traduziu na língua por- 
tugueza, e annotou; Historia do descobrimento da America', 
viagens e conquistas dos primeiros nav^gantts ao Novo Mun- 
do, escripia em alemão por Campe:, precedida de uma noii^ 
cta biograpUca de seu awtor, por M. JLarennudihe. Pariz, 
na Livraria Portugueza de J. P. Aillaud. 18:íg. dois tomos, 
8. com estampas. 

839. José Rodrigues Freire. E. Relação da conquista 
do Gentio Xavante, conseguida peh Il/udrissimo e Exceílen- 
tisstmo Senhor Tristão da Cunha Mmeze^, Governador e Ca- 

pitão General da Capitania de Goyaz Lisboa na Tvpoo-^a- 
plua Nunesiana. 1790. 4. Cot.sta de 27 paginas (BiblioRie- 
ca Nacional de Lisboa, Papeis Vários -j^ ). (*) 

840. José de Sousa Azevedo Pizarro e Araújo E. 
Memorias Históricas do Rio deJonrim, e das P, ovincins an- 
nexas á juriscf^ção do Ficerei do Estado do Brasil. Tom 1. 
2. e 3. Rio de Janeiro, na Impressão Rpgia. 1820. 4. 
Tom. 4. 5. 6. e 7 Ibi, na Typographia de Silva Porto 
e Comp. 1823, 4. Tçm, B. PqvU L c2, Ibi, na mesma Ty- 



POHTIGUKZA. 149 

pographia. 1022. 4. Tom. 9. Ibi, na Impressão Nacional. 
1022. 4. 

84 1. Lopo Ccrado Gauro. E. Breve, verdadeira^ e 
auctentica re/nção das ultimai iyrannias e crueldades que os 
pérfidos HiUaudezts usaram com os moradores do Rio Gran- 
de. Acha-se impressa no Valoroso Lticideno^ de Fr. Manuel 
Calado, liv. 4. cap 6. pag. 277 e seguintes. 

842. Luiz António Rosado da Cunha, Juiz de fora no 
Rio de Janeiro E. R^loí^ão da entrada que fe% o Excellen- 
tissim,ci e íieverfndissimo Senhor D. Fr. António do Dester- 
ro Malheiro^ Bispo do !Uo de Janeiro^ em o primeiro dia do 
anno de 17 47, fiavniido sitio seis Biipo do Meino de Angola, 
d^oiide por nomeação de Sua Maçjestade e JBulla Pontificia 
foi promovido pa> a esta Diocese. Rio de Janeiro, na segun- 
da Officina de António Isidoro da Ponseca. 1747. 4. Consta 
de 20 paginas. (Livraria do Archivo Nacional, Relações do 
Brasil, Angoln, àfc. vol. 2. num, 16). 

843. P Luiz António d\ Silva e Sousa, natural do 
Serro do Frio, ejn Minas Geraes. E. Memoria sobre o des- 
cobrimento d<t Capil<inia de 'r')yaz. Veja-se o num. 76. part. 
1. áo Jr>rnal de Coimbra Lisboa, na Impressão Regia. 1819. 4, 

844. P. Luiz GoíN^çALVES dos Santos E. Memorias pa- 
ra a Historia do íieino do Brasil, divididas em ires epochas 
de felicidade , honra., e gloria; escriptas na Corte do Rio de 
Janeiro, no anuo de 1821. Tom. 1 e 2. Lisboa, na Impres- 
são Regia. 1825. 4 . 

845. P Manuel Ayres do Casal, presbjtero secular. 
E. Chorographia Brnúlica. ou Relação Historico-Geogr a pla- 
ca do Reino do Brasil. Tom. í. e 2. Rio de Janeiro, na 
Impressão Regia. 1817. 4. 

8 48. Fr. Manuel Calado, religioso da Congregação 
dos Eremitas da Serra d'Ossa, natural de Villa Viçosa, co- 
mo testemunha ocular da restauração de Pernambuco escre- 
veu : O í^aloroso Lucideno, e triumpho da Liberdade. Part, 
I . Dndica la ao Serenissimo Senhor D. Tkeodosio, Príncipe 
do Reino € Monarchia de Horlugal. Lisboa, por Paulo Craes- 
beeck. 1648 foi Eite livro foi prohibido, e tornou a appa- 
recer passados vinte annos : Lisboa, na Officina de Domin- 
gos Carííeiro. 1663. foi. sem que por isso se fizesse nova edi- 
ção, sendo que apenas lhe mudaram a folha do rosto, e lhe 
cortaram algumas approvações e licenças que á frente do li- 
vro se tinham estampado, addicionando-lhe porém o seguin- 
te : Pida a informarão que de novo se houve, e conformando- 
nos com o Decreto de 28 de Março de 1667, da Sagrada 
Congregação ad Indicera Librorum, dirigido ao Santo Offi- 



BIBLIOfiRÀPHU HISTÓRICA 

cio, acerca do livro intitulado a O Valoroso Lucidsno » . . . . 
levantámos e havemos por levantada a prohihigão que o dito 
livro atégora teve, e mandamos que possa correr livremen- 
te, Sfc. circumsfancia que não vimos referida em nenhum dos 
nossos bibliographos. 

847. Manuel Ferreira. Leonardo, natural de Lisboa. 
E. Relação da viagem e entrada que fez o Evcellentissimo e 
Reverendíssimo Senhor D. Fr, Miguel de Bulhões e Sousa, 
sagrado Bispo de Malaca, e terceiro Bispo do Grão Pará, 
para esta sua Diocese. Lisboa, na Officina de Manuel Soa- 
res. 1741). 4. sem o nome do auctor. Consta de 8 paginas. 
(Livraria de Jesus, Papeis Vários ^). 

848. Manuel Francisco da Silva e Veiga, desem- 
bargador dos aggravos da Relação do Rio de Janeiro, com- 
poz : Falia que no dia 5 de Janeiro de 1766, em que se ce- 
lebraram os annos do íllustrissimo e Excettentissimo Senhor 
D, Jntonio Alvares da Cunha, Conde do mesmo titulo^ Vice- 
rei e Capitão General do Edado do Brmil, e Governador da 
Relação da Cidade de S. Sebastião do Rio de Janevo, disse 
e ofereceu ao mesmo Senhor, em nome de todo o C>rpo da 
Relação. '— Outra que no dia 17 de Noofmhro de !76 7, em 
que tomou posse do governo da Capitmia do ftio de J,inAro 
o íllustrissimo e Excellentissim» S<^nhor O datonio ftolim 
de Moura, Conde de Azambuja, Vicp.rei e Cipitàt General 
de mar e terra do Estado do Brasil, e Gw^mndor da dita 
Relação, offereceu ao mesmo Senhor. Sahiram impressas : 
Lisboa, na Regia Ofíicina Typographici 1769. 4. 

849. Manuel Jose M^ria da Costa e Sá, sócio da 
Academia Real das Sciencias de Lisboa, e ehroiiista da Ul- 
tramar. E. Memoria da Serra que. serve de limite ao Bra- 
sil, pelo lado das Guyanas, e do Rio Branco^ que d''ella vem 
ao Rio Negro. Sahiu no tom. 10. part. 1. das Memorias da 
Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typographia da 
Academia. 1827. foi. 

850. Manuel Jose de Oliveira Bastos. E Roteiro 
dá Cidade de Santa Maria de Belém do Grãa-Pará^ pelo 
Rio Tocantins acima, até o Porto Real do Pontal, na Ca- 
pitania de Goyaz. Rio de Janeiro, na Impressão Regia. 
1811. 8. Consta de 19 paginas. D'elle possuimos um exeríi- 
plar. 

851. MiGttEL Marcèllino Veloso e Gama, ouvidor no 
Maranhão. E. Oração que recitou no dia da posse do lHaúrissi- 
mo e Ejícellentissimo Senhor Joaquim de Mello e Povoas, do 
Conselho de Sua Magestade, Brigadeiro da Cavaflaria dos 
seus Reaes Exercitas, Governador e Capitão General do Es- 



PORXUGUKZA. 



151 



traduziu na língua ma- 



iado do Maranhão. Lisboa, na Regia Officina Typographi- 
ca. 1775. 4. Consta de 23 paginas. 

852. Paulo JosÉ Miguel de Brito, governador e capitão 
general de Moçambique. E. Memoria Politica sobre a Capita- 
nia de Santa Catharina, escripta no Rio de Janeiro, no anno 
de 1816. Lisboa, na Typographia da Academia Real das Scien- 
cias. 1829. 4. et ibi, na mesma Typographia. 1332. 4. 

853. Fr. Paulo do Rosário, monge de S. Bento, na- 
tural do Porto. E. Relação breve e verdadeira da memorá- 
vel victoria que houve o Capiião-mór da Capitania do Para- 
híba, António de Albuquerque^ dos rebeldes de Hollanda, que 
com vinte naus de guerra, e vinte e sete lanchas, pretende' 
ram occupar esta Praça de Sua Magestade, trazendo n^ellas 
para o effeito dois mil homens de guerra escolhidos, afora a 
gente do mar. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1632. Consta 
de IG quartos de papel. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 
peis Vários ^). 

854. Pedro Cyriaco DA Silva, 
terna: Historia do Brasil, desde seu descobrim>ento em, 1500 
até 1810, vertida do francez, e acrescentada de muitas notas. 
Tom. 1. 2. e 3. Lisboa, na Offidna de J. F. M. de Cam- 
pos. 1817. 8. e pela segunda vez: ibi, na Typographia dé 
Desiderio Marques Leão. 1822. 1823 e 1824. 8. Tom. 4. 
Lisboa, na Ofíicina de J. F. M. de Campos. 1818. 8. et 
ibi, na Typographia de Desiderio Marques Leão. 1824. 8. 
Tom. ô. e Q. Lisboa, na Impressão de J. B. Morando. 1818. 
8. e pela segunda vez: ibi, na Typographia de Desiderio 
Marques Leão. 1826. 8. Sahiram sem o nome do traductor, 
annotados por Pedro José de Figueiredo. 

Historia do Brasil, desde 1807 até ao presente, original- 
mente composta em portuguez, para servir de continuação á 
que se publicou vertida do francez. Tom. 7. Lisboa, na Im- 
pressão deJ.B. Morando. 1819. 8. e pela segunda vez: ibi, 
na Typographia de Desiderio Marques Leão. 1827.8. Tom. 

8. Lisboa, na Impressão de J. B. Morando. 1820. 8. et ibi, 
na Typographia de Desiderio Marques Leão. 1827. 8. Tom, 

9. 10. 11. e \2. Lisboa, na mesma Typographia. 1823. 1824. 
1826 e 1834. 8^ Os dois últimos tomos foram expressamente 
escriptos por Pedro Cyriaco da Silva, os quatro primeiros 
são de outra mão. 

855. Pedro de Magalhães de Gandavo, natural de 
Braga. E. Historia da prouincia sãcta Cruz aque''vulgarme- 
te^chamnmos Brasil: feita por Pêro de Magalhães de''Gan- 
dauo, dirigida ao muito í//s' snr Dom L,ionis P* gouer- 
nador quefoy de'' Malaca êç das mais partes do Sul na In- 

20 



1S2 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



dia. No verso da folha do rosto estão as licenças para 
a impressão da obra, e em seguida estas palavras: Ven- 
dense em casa de João lopez liureiro na rua noua. A sub- 
cripção diz o seguinte : Impresso em L,isboa, na Officina de 
Ãnlonio Gonsaluez. anno de 1576.4. Consta de 43 folhas nu- 
meradas em uma só face (além do rosto, dedicatória, e pro- 
logo, que comprehendem mais cinco folhas sem numeração) 
e é dividida em quatorze capítulos. A portada do frontispí- 
cio é aberta a buril, juntamente com o titulo supra, em que 
se acham estampadas as armas dos Pereiras. D'este curioso 
e raríssimo livro existe um exemplar em Pariz na selecta 
Livraria de Mr. Ternaux Compans, e outro na Bibíiotheca 
Publica do Rio de Janeiro. 

Traciado da Terra do Brasil^ no qual se contém a infor- 
mação das cousas que ha n'^estas partes. Sahiu no tom. 4. 
num. 4. da CoUeccão de Noticias para a Historia e Geographia 
das Nações Ultramarinas. Lisboa, na Tjpographia da Aca- 
demia Real das Sciencias. 1826. 4. 

856. Pedro Vaz de Caminha, escrivão da Feitoria em 
Calecut. E. Carta a Elrei D. Manuel sobre o descobrimen- 
to da Terra de Santa Cruz, vulgarmente chamada Brasil. 
Sahiu no tom. 4. num. 3. da Collecção de Noticias para a 
Historia e Geographia das Nagôes Ultramarinas. 

857. Pedro Lopes de Sousa, um dos doze primeiros 
donatários do Brasil, e irmão do governador da Lídia Mar- 
tim Aífonso de Sousa. E. Diário da Navegação da Armada 
gue foi á Terra do Brasil ^m 1530, sob a Capitanía-môr de 
Martim Affonso de Sousa. Lisboa, na Typographia da So- 
ciedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis, 1839. 8. 
grande. Foi publicado pelo Sr. Francisco Adolfo de Var- 
nhagen. 

858. P. PRíUDENcro do Amaral, jesuita, natural do Rio 
de Janeiro. E. Catalogo dos Bispos que teve o Brasil até o 
anno de 1676, em que a Cathedral da Cidade da Bahia foi 
elevada a Metropolitana, e dos Arcebispos que n^ella tem. ha- 
vido ; com as noticias que de uns e outros poude descobrir o 
Jilustrissimo e Reverendíssimo Senhor D. Sebastião Monteiro 
da f^ide, quinto Arcebispo da Bahia, do Conselho de Sua Ma- 
gestade. Sahiu no fim das Constituições Primeiras do Arcebispa- 
do da Bahia, Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Sil- 
va. 1719. foi. Coimbra, no Real Collegio das Artes. 1720. foi. 

859. Fr. Rafael DE Jesus. E.Casírío/oLwsiíano.jPar/. I, 
Mntrepreza e restauração de Pernambuco, e das Capita- 
nias confinantes. Vários e bellicos successos entre portuguezes 
e belgasy acontecidos pelo discurso de 24 annosy e tirados de 



PORTUGUEZA. 



1S3 



noiicias, relações, e memorias certas. Offerecidos a João Fer- 
nandes Pieira, Castrioto Lusitano, Lisboa, na Impressão de 
António Craesbeeck de Mello. 1679. foi. 

860. RoMUALDO António, natural do Pará. E. Memo- 
ria dos differentes successos de uma viagem do Pará até aò 
Itio de Janeiro, repartida em três partes : a primeira con- 
tém a viagem, do Pará até Maranhão ,• a segunda a de Ma- 
ranhão até Pernam^buco ', e a terceira de Pernambuco até ao 
Mio. Veja-se o num. 30. part. 2. pag. 319 e seguintes do 
Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Regia. 1814. 4. 

861. Sebastião Francisco de Mendo Trigoso, sócio 
da Academia Real das Sciencias de Lisboa, traduziu do ita- 
liano e annotou : Cartas de Américo Vespucio a Pedro So- 
derini, Qonfaloneiro perpetuo da Republica de Florença, so- 
bre duas viagens feitas por ordem, do Serenissimo Rei de Por- 
tugal. Salnram no tom. 2. num. 4. da Collecção de Noticias 
para a Historia e Oeographia das Nações Ultramarinas. Lis- 
boa, na Typograpbia da Academia Real das Sciencias. 1812.4. 

Ensaio sobre os descobrimentos e commercio dos Portugue- 
zes nas terras Septentrionaes da America. Sahiu no tom. 8. 
part. 2. das Memorias de Litteratura Portugueza. Lisboa, 
na Officina da Academia. 1814. 4. 

862. Sebastião Gomes da Silva Berford. E. Roteiro 
e Mappa da viagem da Cidade de S. Luiz do Maranhão até 
a Corte do Rio de Janeiro, feita por ordem, do Governador 
e Capitão General d''aquella Capitania, com os Officios rela- 
tivos á mesma viagem. Rio de Janeiro, na Impressão Regia. 
1810. 8. 

8(33. Sebastião da Rocha Pitta. E. Historia da Amé- 
rica Portugueza, desde o anno de mil e quinhentos, do seu des- 
cobrimento, até o de mil setecentos vinte e quatro. Offerecida 
a Flrei D. João V. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1730. foi. 

864. Silvestre Ferreira da Silva. E. Relação do si- 
tio que o Governador de Buenos Ayres, D. Miguel de Salze- 
do, poz no anno de 1735 á Praça da Nova Colónia do Sacra- 
mento, sendo Governador da mesma Praça António Pedro de 
Vasconcellos, Brigadeiro dos Exércitos de Sua Magestade, 
com algumas Plantas necessárias para intelHgencia da mes- 
ma Relação. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 
1748. 4. 

865. Simão EstAço da Silveira. E. Relação Summa- 
ria das cousas do Maranhão. Dirigida aos pobres d''este Rei- 
no de Portugal. Lisboa, por Geraldo da Vinha. 1624. Consta 
de doze meias folhas de papel sem numeração. (Bibliotheca 



154 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Publica do Rio de Janeiro — Collecgão de Diogo Barbosa Ma- 
chado— yol. 47. e único que tracta da America). 

866. Simão Ferreira Machado, natural de Lisboa. 
^. Triumpko Eucharistico, Exemplar da Christandade Lu- 
sitana, em publica exaltação da Fé, na solemne Trasladação 
do Diviníssimo Sacramento, da Iqrcja da Senhora do Rosá- 
rio par a^ um novo Templo da Senhora do Pilar, em Filia 
Mica, Corte da Capitania das 3Iinas, aos 2á de Maio t/e 1733. 
Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 1734. 4. Refere 
a magnificência e apparato com que se fez aquella solemne 
trasladação. 

867. P. Simão de Vasconcellos, jesuíta, natural do 
Porto. E. Chronica da Companhia de Jesus do Edado do Bra- 
sil, e dogue obraram seus filhos n''esta parte do mundo. Tom. 
1. Da entrada da Companhia de Jesus nas partes do Brasil, 
e dos fundamentos que n'ellas lançaram e continuaram seus 
Religiosos, em quanto alli trabalhou o Padre Manuel da Nó- 
brega, Fundador e primeiro Provincial doesta Provinda, com 
sua vida e morte, digna de memoria ; e algumas noticias an- 
tecedentes, curiosas e necessárias das cousas d^aquelle Estado. 
Lisboa, na Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1663. 
foi. 

Noticias curiosas e necessárias das cousas do Brasil. Lisboa, 
por João da Costa. 1668. 4. É reimpressão das que o au- 
ctor havia publicado á frente da Chronica da Companhia. 



868. Áureo Throno Episcopal^ collocado nas Minas do 
Oiro, ou Noticia breve da creação do novo Bispado Maria- 
nense, de suafelicissima posse, e pomposa entrada do seu me- 
ritissimo primeiro Bispo; e da jornada que fez do Maranhão 
Q Excellentissimo e Reverendíssimo Senhor D. Fr. Manuel 
da Cruz. Com a Collecção de algumas obras Académicas, e 
outras que se fizeram na dita funcção. Lisboa, na Officina 
de Miguel Manescal da Costa. 1749. 4. (Livraria de Jesus). 
Sahiu por industria de Francisco Ribeiro da Silva, cónego 
da Se Marianense. 

869. Carta que o Vicerei do Brasil^ D. Jorge Mascarenhas, 
Marquez de Montalvão, escreveu ao Excellentissimo Conde de 
Nassau, General dos Hollandezes em Pernambuco. Lisboa, 
por Jorge Rodrigues. 1641. 4. Consta de 3 paginas. Refe- 
re-se á acclamação do Senhor D. João IV. 

870. Descripção Geographica da America Poriugueza, A 



TiTiiíTiiiiíi^iiiiiilÉiÉiii 



POIITUGUEZA. 1S5 

impressão d'esta obra nao chegou a ultimar-se. D'ella foi 
editor Fr. José Marianno da Conceição Veloso, segundocons- 
ta de uma cota de mão que vimos em um fragmento de 
202 paginas , compre4iendendo 77 capítulos da Primeira 
Parte. Do caracter da lettra se conhece ter sido impresso 
em Lisboa, na Typographia do Arco do Cego. foi. (Livraria 
do Ex.'"" D. Francisco de Mello Manuel). 

871. Ea-posigão veridica dos procedimeníos da Junta Pro- 
visória de Pernambuco, em todo o tempo do ex-Governador 
José Maria de Moura, e na entrada do seu successor. Lis- 
boa, na Impressão de João Baptista Morando. 1822. 4. Tem 
16 paginas 

372. Manifesto sobre as necessidades politicas do Mara- 
nhão, dirigido aos seus habitantes, por vm Cidadão da mes- 
ma Provinda residente em Lisboa. Lisboa, na Tjpographia 
Rollandiana. 1822. 8. Consta de 29 paginas. 

873. Memoria abbreviada em que se descreve a grande e 
importante Ilha de Cuba, seu célebre porto, e famosa Cidade 
da Havana ; e se dá resumida noticia do seu descobrimento, 
riquezas, fertilidade, Sfc. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Ro- 
drigues. 1762. 4. Consta de 34 paginas. 

874. Memorias para servirem á Historia, até o anno de 
1817, e breve noticia estatidica da Capitania do Espirito San- 
to, porção integrante do Reino do Brasil, escriptas em 1818. 
Lisboa, na Impressão Nevesiana. 1840. 8. 

875. Noticia e Justificação do titulo e boa fé com que $e 
obrou a Nova Colónia do Sacramento, das terras da Capita-^ 
nia de S. Vicente, no sitio chamado de <S. Gabriel, nas mar- 
gens do Rio da Prata. ETractado Provisional sobre o no- 
vo incidente causado pelo Governador de Buenos Ayres, ajus- 
tado n''esta. Corte de Lisboa, pelo Embaixador Extraordiná- 
rio d'' Elrei Catholico, com os Plenipotenciários de Sua Alte- 
za^ approvado, ratificado, e confirmado por ambos os Prín- 
cipes. Lisboa, na Impressão de António Craesbeeck de Mel- 
lo 1681 foi. (Bibliotheca Real d'Ajuda, e a Livraria das 
Necessidades). 

876. Noticia verdadeira do terrível contagio que desde Ou- 
tubro de 1748, atéomez de Maio de 1749, tem reduzido a no- 
tável consternação todo o sertão do Grão Pará. Lisboa, na 
Officina de Pedro Ferreira. 1749. 4. Oito paginas de im- 
pressão. 

877. Noticia fidedigna dos índios Apiacas, habitantes das 
margens dos Rios Atino e Jarano, escripta no Cuyabá em 
Fevereiro de 1819. Veja-se o num. 81. part. 2. pag. 85 a 
S7ào Jornal de Coim6ra. Lisboa, na Impressão Regia. 1819, 4. 



lo6 



BIBLIOGRÀPHU HISTOBICA 



^878. ^Relagam verdadeira dos trabalhos q ho gouernador 
dõFernãdo de souto e certos fidalgos portugueses passaram no 
descobrimeío da prouincia da Frolida. Agnra nouamtle feita 
per hú fidalgo Deluas. Foy vista porVio senor inquisidor. A 
tarja do frontespicio é aberta ern madeira. Segue no verso : 
Fernando da Silueira senhor das Serzedas, poeta grude Sf 
muy ilhistre da matéria deste liuro, em lande do seu autor. 

EPIGRAMMA. 

Quê queer ver o nouo mudo 
o Polo Áureo segúdo 
outros maares, outras terras 
façanhas grandes e guerras 
e cousas iaaes emprêder 
quespãtam e daam prazer 
pooS terror e daam dulgor 
lea por aqueste autor 
hee histooria deleitoosa 
e veera nam fahuloosa 
dyna de ser estymaada 
vsaada, lida e trataada. 

A segunda folha contém um prologo ao leitor, e na terceira 
esta lançado o titulo seguinte: Relagam do que ho adiantado 
da Frolida dom Fernãdo de Souto passou em a conquistar : 
em que decrara quê era: e assi algus dos que coetle foram r 
€ alguas particularidades e diuersidades da terra e tudo ho 
que nella viram e lhes socedco. No fim tem estas palavras : 
Foy impressa esta relagam do descoubrimento da Frolida em 
casa de andree de Burgos impressor e caualleiro da casa do 
ienhor Cordial imante, acabou se aos dez dias de Fehreiro do 
anno de mil e quinhentos e cincoenta e sete annos. na nobre 
e sempre leal cidade de Fuora. Consta de clxxx. folhas nu- 
meradas de uma só parte, e é dividida em quarenta e qua- 
tro capítulos. 8. gothico. Doeste raríssimo livro vimos um 
nítido exemplar na Livraria das Necessidades, com a indi- 
cação B -^f^' O Abbade Barbosa mostra não o ter sequer 
visto, segundo se coUige da errada informação que deixou 
exarada no tom. 4. pag. 121. col. 1. da sua Bibliotheca. A 
Academia Real das Scíencias de íyisboa já annunciou a sua 
reimpressão. 

879. Relação do exemplar castigo mandado por Deus á 
Cidade de Lima, cabeça do Peru, e á sua Custa de barla- 
vento j com os horríveis tremores de terra que succederam a 20 



POUTUGUEZA. 157 

de Outubro de 1687. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Deslan- 
des. 1688.4. Onze paginas de impressão. Vimos também ou- 
tra edição do mesmo anno, e impressa na Ofíicina de Miguel 
Manescal, 4. Consta de 8 paginas. 

880. Relação (Individual e f^erdadeira) da extrema mi- 
na que padeceu a Cidade dos Reis Lima, Capital do Reino 
do Perú^ com o horrível terremoto acontecido em a noite do 
dia 28 de Outubro de 1746, e da total assolação do Presidio 
€ Porto de Calhau, pela violenta irrupção do m,ar, que a oc- 
casionou n'*aquella bahia. Lisboa, na Ofíicina de José da 
Costa Coimbra. 1718 (aliás 1748). 4. Consta de 19 pagi- 
nas. (*) 

88 1. Relação do que aconteceu aos demarcadores Poriu- 
giiezes e Castelhanos no sertão das terras da Colónia ; óppo- 
si^'ão que os índios lhe fizei am ; rompimento de guerra que 
houve, e de como se alhanaram iodas as difficuldades . Lis- 
boa. (175.3). 4. Consta de 6 paginas. Sahiu em nome de Fé- 
lix Feliciano da Fonseca. (*) 

882. Relação curiosa do sitio do Grão Pará, terras de 
Matto-Grosso, bondade do clima, e fertilidade d''aqueltas ter- 
ras ; escripta por um curioso experiente d''aquelle paiz. Cons- 
ta de 8 paginas, e não declara o anno, nem o logar da im- 
pressão. 4. (*) 

883. Relação da chegada que teve agente de Matto-Gros- 
so, e agora se acha em companhia do Senhor D. António Ro- 
lim, desde o porto de Araritaguaba até Filia Real do Senhor 
JSoni Jesus do Cayabá. Lisboa, na Officina Silva. 1754. 4, 
Oito paginas de impressão. 

884. Relação e Noticia de vários successos acontecidos no 
Srasil. Copia de uma Carta que, por uma das Naus que pro- 
ximamente chegaram, mandou a um seu correspondente n''es- 
ta Corte Luiz Agostinho Varella, assistente no Rio de Janei- 
ro ,• com outras mais noticias, extrahidas de varias mais reco- 
piladas n'* esta Relação. Lisboa, na Ofíicina de Domingos Ro- 
drigues. 1754. 4. Oito paginas de impressão. 

885. Relação verdadeira em que se dão a ler as viciarias 
dos Pnrtuguezes contra os gentios e levantados, alcançadas 
por Gomes Freire de Andrade, nas terras visinhas da ^Nova 
Colónia, e Estados das índias de Hespanha. Lisboa, na Of- 
ficina de Domingos Rodrigues. 1757. 4. Consta de 8 pagi- 
nas. (*). 

886. Relação do festim que ao Illustrissimo e Excellen- 
iissimo Senhor D Marcos de Noronha e Brito, oitavo Conde 
dos Arcos, Marechal de Campo dos Reaes Exércitos, Grão 
Cruz da Ordem de S, Bento de Aviz, Governador e Capitão 



138 



BÍBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



General da Provinda da Bahia, Ministro e Secretario de 
Estado dos Negocias da Marinha e Ultramarinos, deram os 
subscriptores da Praça do Commercio, aos 6 de Setembro de 
Í817, por occasião de collocarem n''ella o retrato do mesmo 
Mxcellentissimo Conde, seu fundador. Bahia, na Typographia 
de Manue] António da Silva Serva. 4. 

887. Succesw da guerra de Portuguezes levantados em, Per* 
nambuco contra Hollandezes. Anno 1646. Eum folheto de ;?0 
paginas em quarto, sem nota dologar, nem do anno da im- 
pressão, e escripto em estilo mesclado de portuguez, hespa- 
nhol e italiano. Do caracter da lettra parece ter sida impres- 
so em Roma. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Fa- 
rias -Á', Livraria do Archivo Nacional, Melardes do Brasil, 
Angola, ^'c. vol. 1. num. 6). 

888. Tractado sobre a demarcação dos limites da Ame- 
rica Meridional, entre as Ministros de Suas Magestades Fide- 
líssima e Catholica, SÇc. Sahiu no tom. 7. da. Collecção de No- 
ticias para a Historia e Geographia das Nações XJltramarinas. 
Lisboa, na Typographia da Academia Real das Sciencias. 
1841. 4. 

889. Viagens de Silvério Diniz a vários paizes, em que 
se referem vários successos serias e jocosos, com instrucções mo- 
raes e dcscripções breves, tanto de terras, animaes, arvores, 
e outras cousas, como de costumes dos habitantes, especialmen- 
te do Brasil. Part. 1. Lisboa, na Impressão Regia. 18 15.8. 

890. Viagens, ao interior do Brasil, com uma exacta des- 
cripçuo das Ilhas dos Açores. Lisboa, na Impressão Regia. 
1819,4. Foram escriptas emlnglez pelo viajante John Mavre ; 
a traducção não chegou a ultimar-se. 



P0RTir«l5EZA. 



1S9 



TITULO 3. 



R1LAÇ0E8 E NOTICIAS DA ÁSIA. 



891. Affonso de Albuquerque, que primeiro se cha- 
mou Braz de Albuquerque, natural d' Alhandra. Escreveu : 
Commtntarios de Afonso Dalboquerque capitão geral Sf gouer- 
iiador da India^ collegidos por seu filho j4fonso Dalboquerque 
das próprias cartas que elle escreuia ao muyto poderoso Rey 
dõ Manuel o primeyro deste nome, em cujo tempo gouernou 
a índia. Vam repartidos em quatro partes segúdo os tempos 
de seus trabalhos. Com Privilegio Real. Traz no frontispicio 
uma portada de gravura em madeira, e por cima do titulo 
as armas dos Albuquerques. No fim tem a seguinte subscri- 
pção : Foram jmpressos estes Commentarios Dafonso Dalbo- 
querque capitam geral Sç gouernador da índia na cidade de 
íéixboa , por loam de JBarreyra jmpressor dei Rey nosso se- 
nhor. Acabaranse dejmpremir véspera de sam, Sebastiã, deza- 
noue dias do mes de laneyro da era de mil Sf quinhentos 
Sf cincoenta ^ sete annos, em cujo dia o Príncipe dõ Bas- 
tiam nosso senhor a quem esta obra vay offerecida, fez ires 
annos. foi. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livraria do Sr. 
Conselheiro Macedo, e a do Ex.""** D. Francisco de Mello 
Manuel). Sahiram pela segunda vez com este titulo : Com- 
mentarios do Grande Afonso Dalboqverqve, Capitam, Geral 
qve foy das índias Orientaes, Em tempo do m,uito poderoso 
Rey dom Manuel, o primeiro deste nome. Nouamente emen- 
dados Sç acrescentados pelo m,esmo auctor, conforme ás infor- 
mações mais certas que agora teue. f^ão repartidos em quatro 
partes segundo o tempo dos acontescimentos de seus trabalhos. 
Mm Lisboa. Com licença impresso por João de Barreira im- 
pressor dei Rey nosso senhor. Aano de 1576. Com Privilegio 
Real. foi. (Livrarias do Archivo Nacional da Torre do Tom- 
bo, das Necessidades, da Academia Real das Sciencias, e 
a do Sr. Conselheiro Macedo). Foram reimpressos : Lisboa, 
na Regia Officina Typographica. 1774. quatro tomos. 8. 

892. Álvaro Velho, escreveu, segundo se presume: 
Roteiro da viagem que em descobrimento da índia, pelo Ca- 
bo da Boa-Esperança, fez D. Vasco da Gama, em 1497. 
Porto, na Typographia Commercial. 1838. 8. Foi publica- 
do pelos Srs. Diogo Ropke e António da Costa Paiva, em 
presença do manuscripto coetâneo, exist|nte na Bibliotheca 
Publica Portuense. 

SI 



160 



BIBL106KAPHU HISTÓRICA 



893. André Ribeiro Coutinho, sargento-mdr de In- 
fanteria, natural de Lisboa. E. Relação diária da expugna- 
ção e rendimento da Praça de Sicholim, em 27 de Maio de 
1726. Lisboa Occidental, na Officina de Miguel Rodrigues. 
1728. 4. Consta de 38 paginas. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, Papeis Vários ^- Livraria das Necessidades, Pa- 
peis Vários ^- i Livraria do Archivo Nacional da Torre do 
Tombo, Relações da índia. vol. 3. num. 5). 

894. Fr. Angelo dos Serafins. E. Relação da viagem 
que o Illudrissimo Marquez de Távora^ Vicerei do Estado 
da índia, fez do porto de L,isboa até o de Moçambique^ e de- 
pois ao da Cidade de Goa, onde fez a sua entrada publica, e 
deu principio ao seu feliz governo'^ Lisboa, na Offícina de 
José da Silva da Natividade. 1751. 4. Oito paginas de im- 
pressão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários-^ :, Li- 
vraria do Archivo Nacional, /ie/ações íia /ní/ia. vol. 6. num 2). 

895. P. António de Andrade, jesuíta, natural deOlei- 
ros. E. Novo descobrimento do Grão Cathayo, ou dos reinoi 
de Thibet. Lisboa, por Matheus Pinheiro. 1626. 4. Consta 
de 15 folhas numeradas de uma só parte. {Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa, Papeis Varias -^^ , ea Livraria da Acade- 
mia Real das Sciencias). Anda também na Imagem da Vir- 
tude, em o Noviciado de Lisboa, pelo P. António Franco, 
pag. 376 e seguintes. 

896. António Caetano de Sousa. E. Catálogos dos Ar- 
cebispos de Goa, Primazes do Oriente; dos Bispos de Cochim, 
Meliapor^ China, Japão, Macau, Nankim, e Malaca; Pa- 
iriarchas de Ethiopia ; Arcebispos de Cranganor e Serra. 
Sahiram impressos no tom. 2. áaLCollec. dos Docum. e Mem. 
da Academ. Real da Flist. Pori. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina de Paschoal da Silva. 1722. foi. 

897. António de Castilho. E. Comentário do Cerco de 
Goa e Chavl, no anno de M. D. LXX. Visorey Dom Lvis 
de Ataíde Scripto por António de Castilho, Guarda mor da 
torre do Tombo, por mandado dei Rei nosso senhor. Em Lix- 
boa. M. D, LXX III. Impresso em casa de António Gon- 
saluez. Com licença da Mesa geral do Sancto officio. Com 
PreuHegio Real É dividido em dois livros, e consta ao to- 
do de 48 folhas, impressas em caracteres itálicos, e numera- 
das em uma so face. (Bibliotheca Real d'Ajuda, e a Livra- 
ria do Archivo Nacional). Sahiu reimpresso : Lisboa Occi- 
dental, na Officina Joaquiniana da Musica. 17.36. 4. Trinta 
e duas paginas de impressão. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa, Papeis Vários i^)'^(*) 



PORTUfitJEZA. 



161 



898. António Feliciano de Santa Rita Carvalho, 

monge de S. Bento, arcebispo eleito de Goa, natural de Al- 
Vações do Corgo, comarca de Villa Real. E. Resposta ao/o- 
Iheto que tem por titulo : « Addreis of the Right Rev. Daniel 
0'Connor D. D. Viçar Jpnstolic of Madras, to the Clergy 
and people of the Sec of Meliapor, » Na qual se defende o di- 
reito do Real Padroado da Coroa Portugueza, Goa, na Ty- 
pographia Nacional. 1838. 4. 

899. António Galvão, o Apostolo das Motucas, deixou 
escripto : Pr atado que compôs o nobre 6f notauel capitão An- 
tónio Galuão, dos diuersos Sf desuayrados caminhos, por onde 
nos tempos passados a pimenta 6ç espeeearia veyo da índia a* 
nossas partes, Sf assi de todos os descobrimentos antigos Sf mo- 
dernos que são feito i em a era dem,il êf quinhentos Sf cineoen- 
ia. Cõ os nomes particulares das pessoas q os fizeram, : Sf 
em, que tempos^ Sf as suas alturas, obra certo muy notável Sf 
copiosa. Foy vista Sf examinada pela santa Inquisição. Im- 
pressa em> casa de loam da Barreira im>pressor delrey nosso 
senhor, na Rua de sã Mamede. No fim tem estas palavras: 
A louuor de Deos, Sf da gloriosa Virgem Maria, se acabou 
o livro dos descobrimentos das Antilhas Sf índia. Imprimio-se 
em casa de loham da Barreira, impressor dei Rey nosso se- 
nhor. Aos quinze de Dezembro. De mil Sf quinhêtos Sf ses- 
senta Sf três Annos.8. Consta de 80 folhas numeradas de uma 
só parte, além do rosto e prologo. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, e a Livraria do Ex.'"° D. Francisco de Mello Ma- 
nuel) Sahiu reimpresso com este titulo : Practado dos des- 
cobrimentos antigos e modet nos, feitos até a era de 1550, corri 
os nomes particulares daspessoas que osfizeram, e em quetem- 
pos, e as suas alturas ; e dos desvairados caminhos por onde a 
pimenta e especiaria veio da índia ás nossas partes, obra cer- 
to mui notável e copiosa. Lisboa Occidental, na OfficinaFer- 
reiriana, 1731. foi. 

900. António João de Frias, procurador da Mitra Pri- 
macial de Goa, natural deTataulim. E. Aureola dos índios, 
Nobiliarchia Bracmana. Practado Histórico, Genealógico, 
Panegyrico, Politico e Moral. Lisboa, na Officina de Miguel 
Deslandes. 1702. foi. 

901. António Pinto Pereira, secretario do Senhor D. 
António, Prior do Crato, natural da Villa de Mogadouro. 
E. Historia da índia, no tempo em que a governou o Vice- 
rei D Luiz de Atayde. Composta por António Pinto Perei- 
ra. Ordenada e impressa por ordem de Fr. Miguel da Cruz, 
Frade da Ordem de Nosso Senhor Jesu Christo, Pheolo- 
go Pregador, Coimbra, na Impressão d& Nicolau Carva-. 



46â 



BIBLlOfiRAÍHlA MI6T0RICA 



lho — a mesma edição com differente rosto — 1616 e IfilT^ 
foi. 

902. António Rodrigues da Costa. E. Relação dos 
successos e gloriosas acções militares obradas no Estado da ín- 
dia, ordenadas e dirigidas pelo Picerei e Capitão General do 
mesmo Estado, Vasco Fernandes César de Menezes, em o an- 
no del71'á. Lisboa, na Officina de António Pedroso Galrão. 
1715. 4. sem o nome do auctor. (Livraria das Necessidades, 
Relações Varias ^f). Sahiu de novo com este titulo: Rela- 
ção dos progressos das armas portuguezas no Estado da ín- 
dia, no anno de 1713, sendo licerei e Capitão General do 
mesmo Estado Vasco Fernandes César de Menezes. Part. 1 . 
Lisboa, na Officina de Paschoal da Silva. 1716. 4. sem o. 
nome do auctor. Copsta de 22 paginas. (Bibliotheca Naciots 
nal de Lisboa, Papeis Vários ^- • Livraria das Necessidades, 
Papeis Vários ^- ^ Livraria do Archivo Nacional, Relações 
da índia. vol. 3. num. 1). D'esta segunda impressão se es- 
queceu o Abbade Barbosa. 

903. Fr. António do Sacramento, franciscano, natu- 
ral de Villa Verde. E. Viagem, e peregrinação devota que 

fez aos Santos Logares de Jerusalém, em que se obrou a nos- 
sa Redempção. Part. I. Em que se ir acta da viagem aos 
Santos Logares, e volta ao Reino, com. a relação dos succes- 
sos que n''ella houve. Lisboa, na Officina de Miguel Manes- 
cal da Costa. 1748. 4. Pari. 2. Em que se tracta da visita 
dos Santos Logares, e noticia das Indulgências que n''elles se 
ganham, com instrucções espirituaes min proveitosas para os 
leitores. Lisboa, na dita Officina. 1748. 4. 

904. António Tenreiro, natural de Coimbra. E. Iti- 
nerário de António Penrreyro Caunleyro da ordem de Chris- 
to, em que se contem como da índia veo por terra a estes 
Reynos. de Portugal Impresso em. Coimbra em casa de An- 
tónio de Maris. M.D.LX. Traz no frontispicio as armas 
reaes, e no verso da segunda folha uma estampa aberta em 
madeira. Consta de sessenta eduas folhas, dasquaes cincoen- 
ta e nove sao numeradas promiscuamente com algarismos ará- 
bigos e romanos em uma só face. A foi. Lvjx (aliás Ijx) 
estão estas palavras: Foy impressa apresente obra em amuy 
nobre cidade de Coimbra, em casa de António de Mariz., aos 
vinte dias do mes de Abril de 1560. Com licença dos senhores 
Inquisidor f.s, e Ordinário, e conclue com a Pauoada dos l.rjx 
capítulos em que a obra é dividida. 4. gothico. D'esta primeira 
e raríssima edição vimos um nitido exemplar na copiosa e se- 
lecta Livraria do Ex."° D. Francisco de Mello Manuel. 
A gegunda edição sahiu com este titulo : Itinerário De 



HB£b 



PORTCeUEZA. 



163 



jénionio Tenrreyro , que da Índia veyo per terra et este 
Reyno de Portugal. lE,m que se coniS a viagem Sf jornada 
gfez no dito caminho, Sf outras muytas terras, Sfcidades^ on- 
de esteue antes de fazer esta jornada, Sf os trabalhos q em 
esta pelegrinação passou, fio anno de mil Sç D. Sf vinte noue 
Deregido ao muyto inuictissimo licy de Portugal dom Sebas- 
tião Primeiro deste nome. Em Coimbra. Por João de Bar- 
reyra ISI.D.IjXF. e no fim : Foy impresa a presente obra 
em Coimbra. Por Joom de Barreira. Acabou se aos xx. dias 
do mes de Setembro. M.D.LXF. Consta de 102 folhas nu- 
meradas de uma só parte. 8. (Bibliotheca Publica do Porto). 
Sahiu também no fim da 4.* 5.* e 6/ edição da Peregrina- 
rão de Fernão Mendes Pinto. 

905. Balthasar Manuel de Chaves, phisico-mór do 
Estado da Índia, natural de Lisboa. E. dnnal Indico His- 
tórico, do governo do lUustrissimo e Excellentissimo Senhor 
Marquez de 'Pavora, f^icerei e Capitão General da índia, 
Lisboa, na Officina dos herdeiros de António Pedroso Gal- 
rão. 1754. 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vá- 
rios -^ •, Livraria do Archivo Nacional, Relações da índia . 
vol 6 num 9). 

906 Bartholomeu JosÉ da Silva Paes. E. Glorias de 
Portugal expressa las nos sete admiráveis triumphos^ e sete 
prodiyiosat viciorias qne, na índia Oriental, conseguiu o sem,- 
pre invicto hcroe Duarte Pacheco Pereira, contra o Çamorim 
Imperador do Malabar, e Rei de Calecut. Tiradas dasChro- 
vicas para esta Relação volante. Lisboa, na Officina de 
Domingos Rodrigues. 1754. 4. Dezeseis paginas de im- 
pressão 

907. Diogo da Costa. E. Relação das guerras da ín- 
dia, desde o anno de 1736 atê o de 1740. Lisboa, na Offici- 
na de António Isidoro da Fonseca. 1741. 4. Consta de 20 
paginas. (*) 

908. Diogo do Couto, chronista-mór do Estado da ín- 
dia, natural de Lisboa- E. Década Quarta da Ásia. Dos 

feitos qne os Portugnezes fizeram, na conquista e descobrimen- 
to das terras e mares da Oriente, em, quanto governaram a 
Índia l.opo Faz de Sampaio, e parte de iViino da Cunha, 
Lisboa, por Pedro Craesbeeck 1602. foi. 

Década Quinta da Jsia Dos feitos, Sfc. em quanto gover- 
naram o In-lia Nuno da Cunha, D.Garcia de Noronha, D, 
Eslfvào (la Gama, e Martim Affonso de Sousa. Ibi, pelo 
dito Impressor i 6 12. foi. 

Década Se.vta da ^sia D ns feitos, Sfc. em quanto gover- 
naram a Índia D, João de Castro^ Garcia de Sá^ Jorge Ca- 



164 



BIBLI06RÀPH1A HISTÓRICA 



hral, e D. Affcmo de Noronha. Ibi, pelo dito Impressor. 
1614. foi. Os poucos exemplares doesta Década, que escapa-^ 
ram ao incêndio em que se consumiu grande parte da edi- 
ção, andam sem folha de rosto -^ vimos porém alguns que a 
trazem^ de impressão mais moderna, e em que se acha estampa- 
do o titulo supra. 

Década Sétima da Ásia. Dos feitos^ Sçc. em quanto gover- 
naram a índia D. Pedro Mascarenhas, Francisco Barreto, 
D. Constantino, o Conde do Redondo, D. Francisco Couti- 
nho, e João de Mendonça. Ibi, pelo dito Impressor. 1616. 
foi. 

Década Oitava da Ásia. Dos feitos, Sçc. em quanto gover^ 
naram a índia D. Antão de Noronha, e D Luiz de Atay- 
âe. Ibi, á custa de João da Costa, eDiogço Soares. 1673. foi. 
Cinco Livros da Década Doze da Historia da índia, ti- 
rados á luz pelo Capitão Manuel Fernandes/ de Vil la Realy 
Cavalleiro Fidalgo da Casa do Serenissimo D. João IF. Rei 
de Portugal, residente na Corte de Paris, e Cônsul da Na- 
gão Portugueza nos reinos de França. Pariz. 1645. foi. sem 
o nome do Impressor. 

Todas as referidas Décadas foram reimpressas com este ti- 
tulo : Décadas da Ásia, que tractam dos mares que desco-^ 
briram, armadas que desbarataram, exércitos que vence- 
ram , e das acções heróicas e façanhas bellicas que obra- 
ram os Poriuguezes nas conqxdsias do Oriente. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina de Domingos Gonçalves. 1736. três 
tomos. foi. O 1. contém as Décadas IV. e V. O 2. a Dé- 
cada VI. O 3. a VII. a VIII. e a IX. até ahi inédita. 
Sahiram de novo, e pela primeira vez a X. Lisboa, na 
.Regia Officina Typographica. 1778 a 1788. quatorze tomos 
8. além de um copioso índice, a que se ajuntou a vida do 
auctor, escripta por Manuel Severim de Faria. N'esta edi~ 
ção se suppriu a falta da XI. com um extracto de bons auc- 
tores. E advirta-se que se a VIIÍ. e IX. correm informes, 
por falta de distribuição do seu conteúdo em dez livros, é 
porque foram feitas por Diogo do Couto paia supprimento da& 
que se lhe haviam desencaminhado. 

Observações sobre as pi incipaes causas da decadência dos 
Portuguezes ?ia Ásia, escriptaa em, forma de dialogo, com o 
Utulo de Soldado Practico. Lisboa, na Officina da Academia 
Real das Sciencias. 1790. 8. 

909. Dio©o Gomes Carneiro, chronista do Estado do 
Brasil, natural do Rio de Janeiro, traduziu na lingua ma- 
terna : Historia, da guerra dos Partaros, tm que se refere 
cowio^ n'«sítfí nossos Umpos invadiram^ o Impevix> áa China^. e 



PORTUfiUEZA. , 16í> 

ciem qxiaú todo occupado, escripta em laiim pelo Padre Mar- 
■iún IMaiiine^, da Companhia de Jesus. Lisboa, na Officina 
de Henri(^ue Valente de Oliveira. 1657. 16. (Bibliotheca 
Nacional de Lisboa, Papeis Fartos j). DMla possuimos um 
exemplar. 

9 10. Duarte Barbosa, natural de Lisboa. E. Livro 
e.m íjue dá relatado do que viu /; nuviu no Oriente. Sahiu 
impresso no tom. 2 num- 7. da CoUec^^ão de Noticias para a 
Historia e Gf.ogmphia das Nac^ões V Ur o marinas. Lisboa, na 
T^pographia da Academia Real das Sciencias. 1813. 4, 

9i I . Duarte Corrêa, familiar do Santo Officio, natu- 
ral de Alem(juer. E Reia^ão do aíevnntamento de Ximabára^ 
« de seu notável cêrco^ e de varias mortes de nossos Portu- 
çuezes pela Fé ; com outra rela<^uo da jornada que Francisco 
de Sousa de Castro fez ao Achem,^ em que também, se apon- 
tam varias mortes de Portuguezes naturaes doesta Cidade^ e 
de outras do Ueino, em defensão de nossa Santa Fé, com aL 
furnas victorias alcançadas depois da/eliz acclamagão d''El- 
reL, contra nossos iniroigos, no Estado da índia ^Jjishod, por 
Manuel da Silva. 1643. Consta ao todo de onze quartos de 
papel. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários ^ '^ 
Livraria do Archivo Nacional, Relações da índia. vol. 2. 
num. U). 

912. Fernão Lopes de Castanheda, guarda do Arehi- 
vo da Universidade de Coimbra, natural de Santarém. E. 
Historia do descobrimento Sf conquista da índia pelos Portu- 
gueses. Feyta per Fernão Lopez de Castanheda. E aprouada 
pelos senhores deputados da sancta Inquisição. A paginas 267 
estão as seguintes palavras : Foy Impresso este primeiro Li- 
vro da Historia da índia em a muyto nobre 4' leal cidade 
de Coimbra, por lohão da Barreyra Sf lohão Aluarez, em^ 
pressores dei Rey na mesma vniuersidade. Acabouse aos seys 
dias do mes de Marco. De MD. LI. 4. A estampa do fron- 
*^*Pí^^o e aberta em madeira. (Livraria das Necessidades. 
V0I.-3Y-). Foi reimpresso três annos depoi», com este titulo : 
Ho Lwro primeiro dos dez da historia do descobrimento Sç 
conquista da índia pelos Portugueses. Agora emmêdado & 
acrecentado E nestes dez littros se conte todas as milagro- 
sas façanhas que os Portugueses fizerão em Ethiopia, Arábia, 
Pérsia, E nas índias, dentro do Ganges êf fora dele, êç na 
China 4' nas Ilhas de Maluco, do tempo q dom Vasco da Ga- 
ma conde da Vidigueira Sf almirante do Mar Indico desco- 
bria as índias, ate a morte de dom loão de Castro que lafoy 
gouernador Sf visor ey Em que se contem espaço decinquoen- 
ta annos. Com priuilegio Real, No fim tem as seguintes pa- 



Iê6 



BIBLI06RAPHIA MÍSTOSICA 



lavras : Foy impresso este primeiro Livro da Historia da Ín- 
dia em a muyto nobre Sf leal cidade de Coimbra, por loão 
da Barreyra impressor dei rey na tnesma vniuersidade. Aca- 
bouse aos vinte dias do mes de lulho. De M.D.hllIl. foi. 
gothico. Sahiii terceira vez á luz, por diligencia do professoc 
Francisco José dos Santos Marrocos : Lisboa, na Officina de 
Simão Thaddeu Ferreira. 1797. dois tomos. 8. 

Historia do liuro segundo do descohrimêto Sf conquista da 
índia pelos Portugueses. Feyla pt^r Fernão lopez de Casta- 
nheda. Com priuilegio Real. Acaba : F<>y impresso este se- 
gundo liuro da historia da índia em a muyto nohr-e êf leal 
cidade de Coymbra por loão de Barreyra^ Sf I<>ão alunrez 
empressores delrey na mesma vniuersidade 4 aboa-se aos vin- 
te dias do mes de laneyro. De MD Líl. foi. 

Ho terceiro liuro da historia do descobrimento Sf conquista 
da índia, poios Portugueses Feito por Fernão lopez de Cas- 
tanheda. Com priuilegio Real. Em Coimbra. M D. IjÍI. 
Subscripção : Foy impresso este terceiro liuro da historia da 
índia em a muyto nobre Óf leal cidade de Gnmbra por loão 
de Barreyra, Sf loão Aluarez empressores delrey na mesma 
vniuersidade. Acabouse aos doze dias do mes Doutubro. De 
MD.LII. foi. 

Os liuros quarto êç quito da historia do descobrimento Sf 
cõquista da índia pelos Portugueses. Com priuilegio Real. 
.M..D.LIII. No fim tem estas palavras : Acabonse de em- 
premir a presente obra per loão da barreira e Jnã aluares 
em, a muyto nobre e sempre leal cidade de Coimbra. Ats.xv. 
dias do mes de Outubro, de MD liij. foi gothico. 

Ho sexto Liuro da historia do descobrimento Sf conquista 
da índia poios Portugueses. Feyto por Fernão Lopez de Cas- 
tanheda. Impresso em, Coymbra. Com priuilegio Real. MD. 
LIIII' Subscripção: Aqui faz fim ho seyúo libro da historia 
do descobrimêto e cõquista da índia pelos portugueses. Feyto 
por Fernão lopez de Castanheda. E impresso em a muyto no- 
bre e sempre leal cidade de Coymbra per loão de barreira 
emprem,idor da vniuersidade. Acabouse aos iij. dias do rnes 
de Feuereiro. de M.D.LIIII. foi. gothico. 

Ho seittmo liuro da historia do descobrimento e conquista 
da índia pelos Portugueses. Feyto por Femã Lopez de Cas- 
tanheda. Com priuilegio Real. 1554. Não tem subscripção. 
foi. gothico. 

Ho octavo liuro da historia do descobrimêto Sf cõquista da 
índia pelos Portugueses. Feyto por Fernão Lopez de Casta- 
nheda, que Deos tem. Impresso em Coimbra. Com Real fii- 
tiiltgio. M.D.LXL Acâba; Foy impresso este Oqíquq liuro 



PORTUGUEZA. 



167 



da hidoria da índia em a muylo nohre èç leal cidade de Coimbra^ 
por loão de Uarreyra impressor delReij na mesma vniuersidade» 
Acahouse aos vintaseys dias domes Dagosto de 1501. a/mos. foi. 
De todos estes livros existem exemplares na Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa, e na Real d^Ajiida ^ nas Livrarias do Archivo 
Nacional, e das Necessidades. Trazem no frontispício uma por- 
tada de gravura em madeira, excepto o primeiro, que tem por 
cima do titulo as armas reaes. Foram reimpressos : Lisboa, na 
Typographia Rollandiana. 1833. sete tomos. 4. edição nitida. 

913. Fernão Mendes Pinto, natural de Monte-mor o 
Velho. E. Peregrinação, em que dá conta de muitas e muito 
estranhas cousas que viu e ouviu no reino da China, no da 
Tartaria, no do Sor nau, que vulgarmente se chama Sião, no 
de Calaminhan, no de Pegú, no de Martavão, e em outros 
mudos reinos e senhorios das partes Orientaes, de que n''estas 
nossas do Occidente ha m,uito pouco ou nenhuma noticia, E 
também dá conta de muitos casos particulares que acontece- 
ram assim a elle com,o a outras m,uitas pessoas. E no fim 
d''ella tracta brevemente de algumas cousas, e da m.orte do 
Santo Padre Mestre Francisco Xavier, única luz e resplen- 
dor d''aquellas partes do Oriente, e Reitor n''ellas universal 
da Companhia de Jesus, escripta pelo mesmo Fernão Mendes 
Pinto. Dirigida á Catholica Real Magestade d^Elrei D, Fi- 
lippe III. d''este nome. Lisboa, por Pedro Cr aesbeeck. 1614, 
foi. Sahiu reimpressa : ibi, na Officina de António Craes- 
beeck de Mello. 1678. foi. Ibi, na Officina de José Lopes 
Ferreira. 1711. foi. Lisboa Occidental, na Officina Ferrei- 
riana. 1725. foi. Lisboa, na Officina de João de Aquino Bu- 
lhões. 1762. foi. e ultimamente: ibi, na Typographia Rol- 
landiana. 1829. quatro tomos. 8. 

914. FiLippE Nery Xavier. E. Catalogo dos Vice Heis 
e Governadores da Índia, e dos Bispos e Arcebispos de Goa. 
Veja-se a Folhinha Ecclesiastica e Histórica para a Metro- 
poli de Goa. Anuo 1841. Part. 2. Pangim, na Typographia 
Nacional. 8. de pag. 109 a 121. 

Bosquejo Histórico de Goa, Capital do Estado da índia. 
Veja-se a dita Folhinha. Part. 3. de pag. 123 a 200. 

915. D. Francisco de S. Luiz, deu á luz: Roteiro da 
viagem de Fernão de Magalhães. Sahiu no tom. 4. num. 2. da 
Collecção de Noticias para a Historia e Geographia das Nações 
Ultramarinas. Lisboa, na Typographia da Academia Real das 
Sciencias. 1826. 4. 

916. Francisco Raymundo de Moraes Pereira, de- 
sembargador da Relação de Goa. E. .Relação da viagem que 
do porto de Lisboa fizeram á Indim os Illustrissimos e Excel- 

22 



168 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



lentissimos Senhores Marquezes de Távora. Lisboa, na Offi- 
cina de Miguel Maneseal da Costa. 1752. 4. 

Annal Indico-JLusitano dos successos mais memoráveis j e 
das acções mais particulares do primeiro anno do felicissimo 
governo do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Francisco 
de Asãz de Távora, Marquez de Távora, Conde de S. João, 
do Conselho de Estado de Sua Magestade Fidelissima, e Ca- 
pitão General da índia, em que se dá noticia das guerras 
com que se acharam embaraçadas as Nações Europeas, com 
alguns príncipes e potentados da Ásia, desde o primeiro de Ja- 
neiro de 1751, até o ultimo de Dezembro do mesmo anno; e 
se referem as eocequias que na Cidade de Goa se fizeram na 
morte do Senhor liei D. João V. e o Auto do Juramento 
com que na mesma Cidade foi acclamado Rei de Portugal o 
Fidelíssimo Senhor D. José I. Lisboa, na Ofíicina de Fran- 
cisco Luiz Ameno. 1753. 4. Consta de 89 paginas. (Biblio- 
theca Nacional de Lisboa, Papeis Vários |). (*) 

917. Fr. Gaspar de S. Bernardino, franciscano, na- 
tural de Lisboa. E. Itinerário da índia por terra, até este 
Meino de Portugal, com a descripção de Jerusalém. Dirigido 
á Rainha de Hespanha Margarida de Áustria. Part. l. Lis- 
boa, na Ofíicina de Vicente Alvares. 1611. 4. e ultimamen- 
te: ibi, na Typographia de A. S. Coelho. 184;?. 8. 

918. Fr. Gaspar da Cruz, religioso dominico, natural 
d'Evora. E. Tractado em que se cotam muito por estêso as 
cousas da China, cõ suas particularidades, e assi do reyno 
dormuz cõposto por el. R. padre frey Gaspar da Cruz da 
ordê de sam Domingos. Dirigido ao muito poderoso Rey dom 
Sebastiam nosso seJior. Impresso com licença. 1569. Acaba: 
Foy impresso este tratado da China, na muy nobre e sempre 
leal cidade de Euora em casa de André de Burgos impressor 
e caualleiro da casa do Cardeal Iffante. Acabou se aos. xx. 
dias de Feuereiro de mil quinhentos e setenta. Tem no fron- 
tispício uma tarja aberta em madeira, e por cima do titulo 
as armas reaes : consta de oitenta e oito folhas sem numera- 
ção, e é impresso em caracteres gothicos. 4. (Livraria das 
Necessidades, a do Sr. Conselheiro Macedo, e a doEx.""* D. 
Francisco de Mello Manuel). Sahiu reimpresso no tom. 4. 
da ultima edição da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto. 

919. Ignacio Barbosa Machado. E. JVova Relação 
das importantes victorias que alcançaram as armas portu" 
giiezas na índia, e da gloriosa paz que se ajustou com alguns 
de seus inimigos logo que chegou o Ficerei do Estado, o Il- 
lustrissimo e Excellentissimo D. Luiz de Menezes, quinto Con- 
de da Ericeira, e primeiro Marquez do Louriçal, Lisboa, 



PORTUGOEZA. 169 

na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1742. 4. Saliiu 
com o supposto nome de Jacinto Machado de Sousa. Consta de 
20 paginas. (Livraria das Necessidades, Papeis Vários ^^— \ Li- 
vraria do Archivo Nacional, Relações da índia. \o\.'ò.\\\)iVa. \2). 

920. João de Barros, E. Ásia de loam de Barros, dos 
fectos que os Portugueses fizeram no descobrimento e conquis- 
ta dos mares e terras do Oriente. Impressa per Germão Ga- 

, Iharde em. hixhoa : a. xxviij. de Iiinho anno de. m. p. lij, 
foi. max. gothico. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livra- 
ria do Archivo Nacional, e a das Necessidades). 

Segunda década da Ásia de loa de Barros dos feitos que 
os Portugueses fizeram no descobrimêto e cõquista dos mares 
e terras do oriente. Impressa per Germão Galharde em Lix- 
boa. aos. xxiiij. dias de Março de. M.D.L, iij. foi. max. 
gothico. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livraria do Ar- 
chivo Nacional, e a das Necessidades). 

Deve corrigir-se a Bibliotheca Lusitana na parte que diz 
respeito á impressão d'estas duas Décadas. 

Terceira década da Ásia de loam de Barros; Dosfeytos 
que os Portugueses fizeram no descobrimento Sf conquista dos 
tnares Sf terras do Oriente. Em Lisboa Por loam de Bar- 
reira. M.D.LXIIL A estampa do frontispício é aberta em 
madeira. No fim tem as seguintes palavras : Foy impressa 
a presente obra em, Lixboa, por loam de Barreira impressor 
dei Rey nosso senhor. Acabouse aosxviij. dias dom.es de Agos- 
to. De M.D.LXIII. Em um dos exemplares que examiná- 
mos lê-se também, por omissão typographica, M.D.LIIl, 
foi. (Bibliotheca Real d' Ajuda, Livraria do Archivo Nacio- 
nal, e a de Jesus). 

Quarta Década da Ásia de João de Barros. Dedicada a 
Mirei D. Filippe II. reformada, acrescentada, e illnstrada 
com notas e taboas geographicas, por João Baptista Lavanha. 
Madrid, na Impressão Real. 1615. fòl. 

As Décadas I. II. e III. sahiram pela segunda vez á luz : Lis- 
boa, por Jorge Rodrigues. 1 628. três tomos. foi. e ai. pela ter- 
ceira vez: ibi, na Officina de Pedro Ferreira. 1752. foi. 
edição de que não ^z memoria o Abbade de Sever. 

Todas as sobreditas quatro Décadas foram reimpressas : 
Lisboa, na Regia Officina Tjpographica. 1777 e 1778. oito 
tomos. 8. além de um copioso ludice, a que se ajuntou a 
vida do auctor, escripta por Manuel Severim de Faria. 

921. D. João de Castro, quarto Vicerei da índia. E. 
Roteiro em que se contém a viagem que fizeram os Portu- 
guezes no anno c?e 1541, partindo da nobre Cidade de Goa 
até Suez, que é no fim e extremidade do Mar Roxo, com o 



170 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



sitio e pintura de todo o Sino Arábico. Dedicado ao Infante 
B.Liiiz. Pariz, na Ofíicina Typographica deCasimir. 1833. 
8. Foi tirado á luz do manuscripto original pelo Sr. António 
Nunes de Carvalho. 

922. Fr. João de Jesu Christo, franciscano. E. Via- 
gem de um peregrino a Jerusalém, e visita que fez aos Lo- 
cares Santos. Lisboa, na Impressão Regia. 1819. 8. Ibi, na 
Typographia da Academia Real das Sciencias. 1822. 8. Ibi, 
na Impressão de Eugénio Augusto. 1831. 8. Ibi, na Impres- 
são de Elias José da Costa Sanches. 1837. 4. 

923. João Ribeiro, militou na índia, e escreveu: Fa- 
talidade Histórica da Ilha de Ceilão. Dedicada á Magestade 
do Serenissimo D. Pedro II. Rei de Portugal. Sahiu no 
tom. 5. num. 1. da Collecgão de Noticias para a Historia e 
Geographia das Nações Ultramarinas Lisboa, na Typographia 
da Academia Real das Sciencias. 1836. 4. 

924. Joio Tavares de Velez Guerreiro. E. Jornada 
que o Senhor António de Albuquerque Coelho, Governador e 
Capitão Geral na Cidade do Nome de Deus de Macau na 
China, fez de Goa até chegar á dita Cidade. É impressa em 
papel chinez, e em folhas dobradas, segundo o uso das im- 
pressões da China. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, a Real 
d'Ajuda, e a Livraria das Necessidades). Sahiu de novo : 
Lisboa Occidental, na Of fiei na da Musica. 1732, e não 1721 
como diz Barbosa. 8. ' 

925. - Jorge de Lemos, natural de Goa. E. Hystoria 
dos Cercos qve em tempo de António Monis Barreto Gover- 
nador que foi dos estados da índia, os Achens, Sf laos pnse- 
rão^â fortaleza de Malaca, sendo Tristão Vaz da Peiga ca- 
pitão delia. Breuemente composta por Jorge de Lemos. Im- 
presso com licenga do supremo Conselho da sancta ^ Geral 
Inquisição. Em Lisboa Em casa de Manoel de Lyra. Anno 
de M.D.LXXXV. 4. É dividida em três partes, e consta 
ao todo de 64 folhas numeradas em uma só face, além de 
oito sem numeração. (Livraria da Ex.'"' Casa do Redondo, 
e a do Ex."'° D. Francisco de Mello Manuel). 

^~6" Fr. José de Santo António Moura, da Congre- 
gação da Terceira Ordem, e interprete régio da língua ará- 
bica, traduziu do árabe : Viagens extensas e dilatadas do cé- 
lebre Árabe Abbu-Abdallah, mais conhecido pelo nome de Ben- 
Batuta. Tom. 1. Lisboa, na Tjpographia da Academia Real 
das Sciencias. 1840. 4. 

927. José de AauiNO Guimarães e Freitas, natural 
de Minas Geraes. E. Memoria sobre Macau. Coimbra, na 
Imprensa da Universidade. 1828, 8, grande. (*) 



PORTUGUEZA, 



171 



9^8. D. José Barbosa. E. Relação da posse, e da en- 
trada p%d)lica que fez na Cidade de Goa o Illusirissimo e Ex- 
ctllentissimo Senhor D. Pedro Miguel de Almeida^ Marquez 
de CaúeJloNovo, Vicerei e Capitão General do Estado da 
índia. Lisboa, na nova Officina Silviana. 1746. 4. Sahiu 
com o supposto nome de Ambrósio Machado: consta de l8 
paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários —^ • 
Livraria das Necessidades , Papeis Vários ^-^ •, Livra- 
ria do Archivo Nacional, Relações da índia. vol. 4. 
num. l). 

929. José Freire de Montarroyo Mascarenhas. E. 
Relação dos progressos das armas portuguezas no Estado da 
Indiay no anuo de 1714, sendo Ficerei e Capitão General do 
mesmo Estado Vasco Fernandes César de Menezes, continuan- 
do os successos desde o anuo de 1713, referidos na Relação 
que se imprimiu no principio do presente. Lisboa, na Officina 
Deslandesiana. J715. 4. Vinte paginas de impressão. Part. 
3. Ibi, na Officina de Paschoal da Silva. 1716. 4. Consta 
de quinze paginas. Part. 4. Ibi, na dita Officina, enomes- 
mo anno. 4. Desoito paginas de impressão. Sahiram sem o 
nome do auctor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis 
Vários f-^ Livraria do Archivo Nacional, Relações da ín- 
dia, vol. S. num. 2. 3 e 4). 

Noticia da viagem que fez segunda vez ao Estado da índia 
o Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez do Louri' 



ça 



)rimeiros 



progressos do seu governo. Lisboa, na Offi- 



cina de Luiz José Corrêa Lemos. 1742. 4. Vinte e quatro 
paginas de impressão. (Livraria do Archivo Nacional, Re- 
lações da índia. vol. 3. num. 14). (^) 

Epanaphora Indica, na qual se dá noticia da viagem que 
o Illustrissimo e Excel lentíssimo Senhor Marquez de Castello- 
Noyofez, com o cargo de Vicerei, ao Estado da índia, e dos 
primeiros progressos do seu governo ^e se referem também os 
successos da viagem do Excellentissimo e Rever endissimo Se- 
nhor D. Fr. Lotirenço de Santa Maria, Arcebispo Metro- 
politano de Goa, Primaz da Ásia Oriental; sua chegada, enr- 
irada, e suas funcções Archiepiscopaes. Lisboa. 1746^ e nao 
174.3, como escreve Barbosa. Vimos dlias edições do mesmo 
anno, sem o nome do Impressor. A primeira traz ura pro- 
logo, que se omittiu na segunda. 

Epanaphora Indica. Part. 2. Em que se referem os pro- 
gressos que tem feito, no governo do Estado da índia Portu- 
gueza., o Riustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez de 
Castello-Novo, Vicerei do Estado, e n''elle Capitão General 
das armas portuguezas, destHtindo a Rama Chandra, ^c. 



172 



BIBLIOSIIAPHIA HISTOKICA 



príncipes poderosos no continente da índia, vinnhos de Goa. 
Lisboa. 1747. 4. sem o nome do Impressor. 

Epanaphora Indica. Part. 3. Continua-se em referir òs 
Ínclitos progressos do Illustrissimo e Excellejitissimo Senhor 
Marquez de Castello-Novo, Vicerei e Capitão General do Es- 
tado da índia Portugueza. ExpÕe-se a expugnação da For- 
taleza de Tiracol, a tomada da armada dos Bounsolós, e o 
rendimento da cidade de Rarim ; com uma Carta Topogra- 
phica da Ilha de Goa, terras adjacentes, e as novamente con- 
quistadas. Lisboa. 1748. 4. sem o nome do Impressor. 

Epanaphora Indica. Part. 4. Na qual se lerão os progres- 
sos politicos, militares, e civis que, no discurso do anno de 1747, 
fez no seu governo o Illustrissimo e Excellentissimo Marquez 
de Morna, Ficerei e Capitão General do Estado da índia, 
Lisboa. 1748. 4. sem o nome do Impressor. 

Epanaphora Indica. Part. 5. Continuam os progressos do 
governo do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez 
de Alorna, Vicerei e Capitão General do Estado da índia 
Portugueza. Expoem-se os successos do anno 1748. Lisboa. 
1750. 4. sem o nome do Impressor. Deve acrescentar-se á 
Hibliotheca Lusitana. 

Epanaphora Indica. Part. 6. Continuam-se e finalisam-se 
os progressos do governo do Illustrissimo e Excel lentíssimo Se- 
nhor Marquez de Alorna, Vicerei e Capitão General do Es- 
tado da índia Portugueza. Expoem-se as disposições que fez 
para defender o Estado da invasão que n''elle pertenderam 
fazer os Bounsolós. A gloriosa peleja de duas naus portugue- 
zas com a armada dos Maratás, e a entrega que fez do go- 
verno ao Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez de 
Távora. Lisboa, na Officina deFrancisco da Silva. 1752.4. 
Deve acrescentar-se á Bibliotheca Lusitana. 

D'estas seis Epanaphoras existem exemplares na Biblio- 
theca Nacional de Lisboa, na Livraria do Archivo Nacio- 
nal, e na da Academia Real dasSciencias. 

Noticia da viagem que fez do rio de Lisboa, na Nau Eu- 
ropa, a 23 de Fevereiro de 1752, até a Praça de Macau^ 
onde chegou a 5 de Agosto, o Doutor Francisco Xavier de 
Assiz Pacheco e Sampaio, Cavalleiro da Ordem de Christo, 
Ministro do Conselho Ultramarino, e Embaixador Extraor- 
dinário de Sua Magestade Fidelissima ao Imperador da Chi- 
na, Lisboa, na Officina de Pedro Ferreira. 1753. 4. Deze- 
seis paginas de impressão, sem o nome do auctor. (Livraria 
do Archivo Nacional, Relações da índia, vol.5. num 6). (*) 
Relação succinta Geographica e Histórica da Ilha de Am- 
boino ,• com, a noticia do formidável estrago que n''ella succe- 



PORTDGUEZA. 



173 



deu. Lisboa. 1756. 4. Oito paginas de impressão, sem o no- 
me do auctor. (*) 

Rclai^uo do verdadeiro estado da Império do Preste João 
das índias, com a noticia da sua e:itensão, culto, e costumes 
dos seus povos, extrahida de varias relações verídicas. Lis- 
boa, na Ofíicina da Gazeta. 1759. 4. Gtuinze paginas de 
impressão. (*) 

930. José Ignacio de Andrade. E. Memoria sobre a 
destruirão dos piratas da China, e o desembargue dos Ingle- 
zes na Cidade de Macau, e sua retirada. Lisboa, na Impres- 
são Regia. 1824. 8. Sahiu de novo com este titulo: Memo- 
ria dos feitos Macaenses contra os piratas da China, e da en- 
trada violenta dos Inglezes na Cidade de Macau. Lisboa, na 
Typographia Lisbonense. 1835. 8. (*) Do mesmo auctor é 
também a Memoria que sobre este assumpto corre impressa 
no tom. 2. num. 4. da Mnemosine Lusitana. Lisboa, na 
Impressão Regia. 1817. 4. 

931. JoseRoger, deu á luz : Relação dos mccessos prós- 
peros e injelizes do Illustrissimo e Exceílentissimo Senhor D, 
Luís Mascarenhas, Conde d' Alva, Vicerei nos Estados da ín- 
dia, referida a todo o tempo de seu governo, e ao acommet- 
timento da fortaleza de Pondá, aonde perdeu a vida. Lis- 
boa, na Ofíicina de Francisco Luiz Ameno. 1757. 4. Consta 
de 21 paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Va- 
rtos -^). Falta a memoria d'este auctor na Bibliotheca Lu- 
sitana. 

932. JosE DA Silva Machado, deu á luz: Relação dos 
successos da Índia, e principio do felicissimo governo do Illus-. 
trzssimo e Excdlentisúmo Senhor Conde da Ega, como tam- 
bém do grande sitio que teve a Praça de Alorna, d*c. Lis- 
boa, na Ofíicina de António Vicente da Silva. 1759. 4. Oito 
paginas de impressão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 
peis Farios ^). 

933. Leonardo Paes, vigário da Igreja de S. Thome, 
da cidade de Goa, natural de Gandaulim. E. Promptuario 
das DifiniçÔes Indicas, deduzidas de vários Chronistas da ín- 
dia, e das Historias Geniilicas. Lisboa, na Ofíicina de An- 
tónio Pedroso Galrão. 1713. 4. 

934. Lopo de Sousa Coutinho, natural de Santarém, 
pae do illustre chronista da Ordem dos Pregadores Fr. Luiz 
de Sousa. E. Eiuro primeyro do cerco de Diu, que os Tur~ 
cosposeram á fortaleza de Diu. Per Lopo de Sousa Couti- 
nho : fidalgo da casa do Inuictissimo Rey dom loam de Por- 
tugal: ho terceyro deste nome. Foy impressa apresente obra 
ê a muy nobre ^ sempre leal cidade de Coymbra per loa 



174 



BIBLÍOSRAPHIA HISTÓRICA 



Aluarez ymprimidor da Vniuersidade aos. XV. dias do mes 
de Setembro. M.D.LVI. Este primeiro livro é dividido 
em quinze capítulos, e o segando, que principia a folhas 31 
verso, consta de vinte e um. A folhas 85 verso estão lança- 
das as seguintes palavras : Acabouse a presente obra em a 
muy nobre Sf sempre leal Cidade de Coymbra per loam Al- 
ueres ympresor da vniiíercidade a. xv. dias de Setembro. 
MDLVJ. Segue depois em folha separada: Satisfaçam Sf 
mercê que el Re]f nosso senhor fez a António da Silueyra : 
Sç ê suma a todos os que em este cerco se acharam.. Começa : 
JPois qve 0$ seruiços ^ merecimentos dos fidalgos êç caualey- 

vos e acaba na pagina seguinte em forma cónica : M 

assi tenho por muy certo q Deos satisfazidor de tã reaes ho- 
bras^ acrecetarà o viuer ^' o poder ^ boas venturas a V. A. 
&Ç no fim, da longa vida lhe dará a perfeyta bSauenturanga. 
foi. A portada do frontispício é de gravura em madeira. 
Um exemplar d'este rarissimo livro possue hoje com a de- 
vida estimação o Sr. Thomaz Northon, e sabemos da exis- 
tência d'outro em Pariz, na copiosa Livraria de Mr. Ter- 
naux Compans. 

935. Manuel António i>e Meirelles, capitão enge- 
nheiro, natural de Villa Flor. E. Relação da. conquista das 
Pragas de Alorna^ Sicholim, Avat 6^ Morlim.^ Satarem., Ti- 
racol e Rarim, pelo Illustrissimo e Excelleatissimo Senhor 
D. Pedro Miguel de Almeida e Portugal, Marquez de Cas- 
iello-Novo^ Conde de Assumar^ Picerei e Capitão General da 
Índia. Part. \. e 2. Lisboa, na Officina de Manuel Coelho 
Amado. 1747. 4. 

Relação dos felizes successos da índia, desde 20 de Dezem- 
bro de 1746, até 2S do dito de 1747, no governo do Illuúris- 
simo e Excellentissimo Senhor D. Pedro Miguel de Almeida 
e Portugal, Marquez de Alorna, Conde de Assumar, Pice- 
rei e Capitão General da índia. Part. 3. Lisboa, na Offici- 
na de Francisco Luiz Ameno. 1748. 4. 

Relação dos felizes successos da índia, desde o primeiro de 
Janeiro até o ultimo de Dezembro de 1748, no governo do 
lllustrissimo e Excellentissimo Senhor D. Pedro Miguel de 
Almeida e Portugal, Marquez de Alorna., Conde de AssU- 
mar, e Vicerei da índia. Part. 4. Lisboa, na dita Officina. 
1749. 4. Deve acrescentar-se á Bibliotheca Lusitana. 

Relação dos felizes successos da índia., desde Janeiro de 
1749 até o de 1750, no governo do lllustrissimo e Excellen- 
tissimo Senhor D. Pedro Miguel de Almeida e Portugal, 
Marquez de Alorna, ^c. Part. 5. Lisboa, na dita Offici- 
na. 1750. 4. Deve acrescentar-se á Bibliotheca de Barbosa. 



«SiMMBHaÉÉà 



P0RTDGUEZ4. 



175 



Be todas estas Relações vimos exemplares na Bibliotheca 
Nacional de Lisboa (Papeis Vários ^) , ena Livraria do Ar- 
chivo Nacional ( Rda(;òes da índia. vol. 4. num. 2 a 6). 

9;}6. Manuel Felicíssimo Lousada de Araújo e Aze- 
vedo, secretario da Associação Maritima e Colonial. E. Me- 
mo/ia sobre as principaes cansas remotas da decadência dos 
Fortuguezes na Aúa. Acha-se impressa nos Annaes MariU- 
mos e Colomaes: segunda serie, num. 2. pag. 53 e seguin- 
tes. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1842. 8. 

3Iemoria Descrípiiva e Estatística das Possessões Portu- 
guezus na Ásia, e seu estado actual. Vejam-se os num. 3 a 
11. da segunda serie dos ditos Annaes. Continua. 
-.^^^V. Kl ^^^^"^^ Godinho, jesuita, natural de Montal- 
vão, ih. Kelação do novo caminho que fez por terra e mar, 
vindo da Índia para Portugal, no anno de 1663, o Padre 
Mamiel Godinho, da Companhia de Jesus, enviado ã Manes- 

*Z^l '^\^^''' ^' ^^^'"'^ ^'^' P'^"" ''"' ^^'^^'•^» António de 
Mello de Castro. A Luiz de Fasconcellos e Sousa, Conde de 
Castelo Melhor. Lisboa, na Ofíicina de Henrique Valente 
de Oliveira. 1665. 4. e ultimamente: ibi, na Typo..ra- 
phia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Ut^^eis. 
1842. 8. 

938. Manuel Godinho de Heredia, cosmographo, as- 
sistente em Goa. E. Informação da Áurea Chersoneso, ou 
Jrenmsula alem do Ganges. Sahiu áluz, por industria de An- 
tónio Lourenço Caminha, com a reimpressão das Ordena- 
ções da índia, do Senhor Rei D. Manuel. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1807. 8. 

939. Manuel Josí: Gomes Loureiro, deputado do ex- 
tincto Conselho Ultramarino. E. Memorias dos Estabeleci- 
mentos Fortuguezes a Leste do Cabo da Boa-Esperança, Lis» 
boa, na lypographia de Filippe Nery. in35. 4. 

Additamentos ás ditas Memorias, em que se referem alqu- 
mas particularidades acerca do ÍMabelecimento Fortuguez de 
Macau. Lisboa, na Typographia da Viuva Silva e Filhos. 
1 o .•) 6 . 4 . 

940. Manuel de Sousa, traduziu do francez, do P. La- 
liteau : Historiados Descobrimentos e Conquistas dos Fortu- 
guezes no Novo Mundo. Lisboa, na Officina de António Go- 
mes. 1786. quatro tomos. 8. sem o nome do traductor. 

941 . P. Manuel Xavier, jesuita, natural de Punhete. 
E. betonas do Governador da índia Nuno Alvares Botelho 
Lisboa, por António Alvares. 1633. 4. (Bibliotheca Nacio- 
nal de Lisboa, Papeis Vários^- Livraria do Archivo Na- 
cional, Relações da índia, vol. 2, num, 4). 

33 



176 



BIBLI06RAPHIA HISTÓRICA 



942. P. Mathias da Maya, jesuíta, natural d' Atalaya. 
E. Relação da conversão^ á nossa Santa Fé, da Rainha e 
Príncipe da China, e de outras pessoas da Casa Real, que se 
baptisaram o anuo de 1648 Lisboa, na Officina Craesbeec- 
kiana. 1650. 4. sem o nome do auctor. Dezeseis paginas de 
impressão. (Livraria do Arehivo Nacional, Relações da 
índia. vol. 2. num. 16, e a Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa). 

943. Miguel Rodrigues. E. Carta a Ehei D. João 
III. sobre os successos do cerco de Diu. Lisboa, na Imprensa 
Nacional. IS.*??. 4. Sahiu por diligencia do Sr. João Carlos 
Feo Cardoso de Castello Branco e Torres. 

944. Fr. PantaleIo d'Aveiro, franciscano, natural da 
cidade do seu appellido. E. Itinerário da Terra Sancta, e 
svas particvlaridndcs, composto por Frey Pantaíiam Davei- 
ro. Dirigido ao Il/ustrissimo, Sf Rcuerendissimo senhor Dom 
Miguel de Castro digníssimo Arcebispo de Lisboa Metropoli- 
tano. Com licença ^ pnuilegío Real por dez Annos. Em Lis- 
boa em casa de Simão luopez. Taxado em papel a trezentos 
reis. MD LXXXXIII. 4. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo), (a) Sahiu de 
novo com este titulo : Itinerário de Terra Sancta, e todas 
svas particvlaridades. Cõposto por Frey Pantalião Daueyro : 
Frade Menor da Ordê de S. Francisco, da Obseruãcia da 
Prouíncia dos Algarues. Dirigido ao Illustrissimo, ^ lieue- 
rendissimo Senhor Dom. Miguel de Castro, Digaissimo Arce- 
bispo de Lisboa Metropolitano. Agora nouamête acrecêtado, 
cõ mais declaração dos lugares de terra Saneia, Sf Authori- 
dades da Sagrada Fscriptura, Sf mitras curiosidades de no- 
tar. Impresso com licença do Conselho da Sancta Inquisição, 
Sf Ordinário. Em Lisboa * Por António A/uarez. Anno 
MD. LXXXXIII. Com Privilegio. 4. (Bibliotheca Nacio- 
nal de Lisboa, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). 
Foi reimpresso : Lisboa. MCCCCCC. sem o nome do Impres- 
sor. 4. (Livraria das IVecessidades) Ibi, na Officina de João 
Galrão. 1685. 4. Lisboa Occidental, na Officina de António 



(a) Não sabemos cora que fundamento o erudito \cademíco A.n- 
tonio Ribeiro dos Sanios, na sua Memoria para a Historia da Typo- 
grap'na Portugueza do Século Xf^T. inserta no tom. 8 das Mi^mo- 
rias de Lilleratura escreveu que fôra impresso em Évora, n . anuo 
de 1512, o Itinerário de Fr. Pantaleào d'Aveiro, havendo que nas 
primeiras pa<rinas do livro declara o auclor ter emprehendido a sua 
peregrihHçilo no pootifjcado de Pio IV. (1559-1565). Nào é só po- 
re'm este descuido o unic© que pudéramos citar d'esta aliás iatere«- 
sante Memoria. 



PORTUflUEZA. 



177 



Pedroso Galrao. 1721. 4. edição de que não fez memoria o 
Abbade de Sever. Tbi, na mesma Officina. 1732. 4. 

945. P. Salvador do Couto de Sampaio, natural de 
Coimbra. E. Jtttla^do dos successos victotiosos (jue, na barra 
de Goa, houve dos HoUandezes António Telles de Menezet^ 
Capitão Geral do mar da índia, nos annos de 1637 e 1638. 
Coimbra, por Lourenço Craesbeeck. 1639. foi. Consta de 
12 paginas sem numeração. (Bibliotheca Real d'Ajuda). 

946. Sebastião Francisco de Mendo Trigoso, tra- 
duziu do italiano, e annotou : Navegat^ào do Capitão Fedro 
Alvares Cabral, escripta originalmente por um Filoto Poriu- 
ffuez. Sahiu no tom. 2. num. 3. da Collecção de Noticias 
para a Historia e Geographia das Na{;ões Ultramarinas. 
Lisboa, na Typographia da Academia Real das Seiencias. 
1812. 4. 

Navegação ás índias Orientaes, escripta originalmente em 
portuguez por Thomé Lopes. Sahiu no tom. 2. num. 5. da 
dita Collecí^ão. 

Piageni ás índias Orientaes por João de JLmpoli, feitor 
de uma nau portiigueza. Anda no tom. 2. num. 6. da dita 
Collecção . 

947. Valentim Fernandes, natural dá provincia de 
Moravia, e escudeiro da Rainha D. Leonor, terceira mulher 
d'Elrei D. Manuel, traduziu do latim, deFr. Pipino de Bo- 
lonha e Pogio Florentino: Marco paulo. Ho Hum de Nyco- 
lao veneto. O tr aliado da carta de huu genoues das ditas 
terras. Tem no frontispício, por cima d'este titulo, uma es- 
phera, e por baixo, na parte inferior da folha, estas pala- 
vras : Cõ priuilegio dei Rey nosso senhor, q nenhuu foça a 
impresso m deste liuro. nê ho venda em iodollos seos regnos 
e senhorios sem liceça de Falentim. fernãdez so pena cÕieuda 
na carta do seu preuilegio. Ho preço delle. Cento e dez reoes. 
Segue no verso : Comegase a epistola sobre a tralladaçà do 
liuro de Marco paulo. Feita per Valetym fernãdez escudeyro 
da exçellentissima ttaynha Dona Lyanor. Enderençada ao 
Sereníssimo e Inuictissimo Rey e Senhor Bom Emanuf.l o 
primeiro. Rey de Portugal e dos Alguarues. daque e alem. 
mar em Africa. Senhor de Gvynee. E da conquista da na- 
ueguaçom e comercio de Ethiopia. Arábia. Pérsia, e da ín- 
dia. A numeração do volume principia ua folha novena, e 
ahi se acha lançada a seguinte rubrica geral: Comegase ho 
Liuro Primeiro de Marco paulo de Veneza das condigooes e 
custumes das geles e das terras eprouincias orientaes. À tarja 
d'esta folha é aberta em madeira. O primeiro livro consta 
de sessenta e sete capitulos, o segundo de setenta, e o ter- 



178 



BIBLÍOeiUPHIA HISTÓRICA 



ceiro de cincoenta. A foi. Ixxviij. estão impressas estas pa- 
lavras : Começase holiuro de Mcolao Veneto. (a), escripto pello 
mmj eloquêle orador Fogio florentim. Enderençado ao Sere- 
níssimo e Inuictissimo líey e Senhor JDotn Emanuel o pri- 
meiro. Rey de Portvgual e dos Alguarves. ec. Tralladado 
de latim, em lingoagem português per Faleniym fernandez 
Alemã Escudeyro da muy exçellentissima Raynha Dona Lya- 

nor. No proemio diz o traductor E por ysso consijrando 

que a 7iossa vida nom. deue passar em silencio, iomey por des- 
canso antre os grandes trabalhos corporaes que tenho por sos- 
ientamento de vida e honrra em a muy nobre arte Impres- 
sor ia. e quis ocupar ho engenho e tralladar este presente 
huro de Nycolao veneto de latim em lingoagem português 
Ho qual escreueo ho muy eloquente orador Pogio florentim. 
Secretairo do sanctissimo padre Eugénio ho quarto. . .-. A foi. 
occvj. começa : Trellado de húa carta q Jerónimo de santo 
Edeuã escreueo de Tripoli a loham jacome mayer em Ba- 
ruti. primeiro dia de setSbro. Mra de Mill e quatrocentos e 
nouenta e noue annos. A fo^ xcvHj. verso, por baixo da di- 
visa do impressor, está lançada a seguinte subscripcão : Aca- 
base ho liuro de Marco paulo. cÕ ho Uuro de Nicoíao veneto 
ou veneziano, e assi mesmo ho trallado de húa carta de huÚ 
genoues mercador, que todos escreuerÕ das índias, a seruiço 
de deos. e auisamSto daquelles q agora vam pêra as ditas 
índias Aos quaes rogo e peço humilmente q benignamete quei- 
ra emêdar e correger ho que menos acharê no escreuer. s. 
nos vocábulos das prouinçias. reinos, cidades, ylhas. e outras 
cousas muytas e nõ menos em a distada das legoas de hÚa 
Urra pêra outra. Imprimido per Falentym fer nudez ale- 
mauo (b). Em a muy nobre cidade Lyxboa. Era de Mil 
e quinhentos e dons annos. Aos quatro dias do mes de Fe- 
'ureyro. Íq\. gothico. Um nitido exemplar d'este curioso e 
rarissimo livro se conserva com a devida estimação na Bi- 
bliotbeca Nacional de Lisboa, onde o vimos, e sabemos da 
existência d'outro na Bibliotheca Publica d'Evora. O Abba- 
de Barbosa, no tom. 3. pag. 768 col. 1 . da sua Bihliotheca Lu- 
sitana., mostra não ter examinado esta obra de Valentim Fer- 
nandes, pois que além de o designar como portuguez, trazdVIla 
uma noticia confusa e pouco exacta. 



(a). Abrahão Orlelio, no seu Theatrum Orbis Terrarum, o ap- 
pellida Nicolau de Conti. 

(b). Por elle foi também impresso, em 1495, de parceria com 
Nicolau de Saxonia, o célebre livro da Fita Christi, um dos mais fa- 
mosos que produziu a Typographia Porlugueza ii'aquella edade. 



PORTUGUEZA. 179 

948. VicTORiNO José da Costa, deu á luz: Itinerário 
da viagem que fez a Jerusalém o Padre Francisco Guerreiro^ 
Ilacioneiro e Mestre de Capella da Santa Igreja de Sevilha, 
natural da Cidade de Beja. Lisboa Occidental, na Officina 
de Domingos Gonçalves. 1734. 4. Consta de 56 paginas. A 
Dedicatória do editor sahiu em nome de João de Carvalho. 
(Livraria das Necessidades, Papeis Fartos ^). 



949. CoUecgão de Memorias relativas ásf acanhas dos Por' 
iuguezes na índia. Lisboa, na Imprensa de C. A. da Silva 
Carvalho, e na Typographia de A.S. Coelho. 1839 a 1841. 
foi. ao comprido, com estampas. Sahiram 18 Memorias. 

950. Commentarios do grande Capitão Ruy Freire de 
Andrade. Em que se relatam suas proesas, do anno 1619, 
em que partiu doeste Reino por Geral do mar de Ormuz, e 
Costa da Pérsia e Arábia, até sua morte. Tirados de umas 
relações e papeis verdadeiros, por industria de Paido Craes- 
beecJc. Dirigido ao Senhor Lourenço Skytte, Assistente pela 
Rainha de Suécia na Corte de Portugal. Lisboa, por Paulo 
Craesbeeek. 1647. 4. 

95 1 . Discurso (Breve-J em que se conta a Conquista do 
Reino de Pegit, na índia Oriental, feita pelos Portuguezes, 
em tempo do Vicerei Ayres de Saldanha, sendo Capitão Sal- 
vador Ribeiro de Sousa, chamado Massinga, natural de Gui- 
marães, a quem- os naturaes de Pegú elegeram por seu Rei, 
no anno de 1600. Anda com as edições 3.* 4.* 5.* e 6.* da 
Peregrinação de Fernão Mendes Pinto. Foi traduzido do li- 
vro que escrevera em castelhano Manuel de Abreu Mousi- 
nho, ouvidor da Chancellaria de Goa, natural d'Evora, com 
este titulo ; Breve Discvrso en qve se cventa la Conquista 
dei Reyno de Pegu, en la índia de Oriente, hecha por los 
Portugueses, dende el ano de mil y seyscientos, hasta el de 
603, siendo Capitan Saluador Ribero de Soza, natural de 
Guimarães, a quien los naturales de Pegu eligieron por su 
Rey. Dirigida ai Exccllentissimo Duque de Lerma. Lisboa, 
por Pedro Craesbeeek. 1617. 8. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, e a Livraria do Archivo Nacional). 

952. Esboço Histórico do Estabelecimento de Macau, ex- 
trahido dos Registos Officiaes existentes na Torre do Tombo, 
e Secretarias deEdado. Sahiu no tom 4. pag. 559 e seguin- 
tes da Revista Liiteraria, Porto, na Typoffraphia Commer- 
cial. 1839. 8. 



1 



Í80 B1BÍI06RAPHIA HISTÓRICA 

953. Hisioria abreviada da descoberta e conquista das ín- 
dias pelos Portvgttezes, traduzida dofrancez. Lisboa, naTy« 
pographia Rollandiana. 1820. 8. 

954. Instrvcç^uo dada pelo E.vcelleniissimo Marquez de 
Alorna ao sm svccessor^ no governo doeste Estado da índia, 
O Exce/lentissimo Marquez de Távora. E abi m^smo : His- 
toria da conquista da Fraca de alorna, relatada pelo pro- 
prio conquistador. Goa, na Ty pographia do Governo. 18 36. 
4. (*) 

95 5. Instrucçôes com que Elrei D. José I. mandou pas- 
sar ao Estado da índia o Governador e Capitão General^ e 
o Arcebispo Primaz do Oriente, no anno de 1774. Pangim, 
na Ty pographia Nacional. 1841. foi. Foram publicadas e 
annotadas pelo Secretario Geral do mesmo Estado Cláudio 
Lagrange Monteiro de Barbuda. 

956. Manifesto do Governo Provisional dos Estados da 
índia Por tugueza, em Nome de Sua Magestade Fidclissima 
a Rainha Senhora D. Maria II. Goa, na TypoffraDhia do 
Governo. 18.^5. foi. J^ ^ ^ 

957. Memoria dos successos de Macau em 1808,- do de- 
sembarque das tropas britannicas em auxilio d'' esta Colónia, 
e do reembarque das mesmas; parte que tomaram os Chins 
n''este negocio, e documentos justificativos. Sahiu no tom. 1. 
num. 19 a 23, 25 e 26. ó-ã Mnemósine Lusitana. Lisboa, na 
Impressão Regia. 18 16. 4. 

958. Memoria sobre as Ilhas de Solor e Timor ^'^■ 

os num. I.e2. dos .1 nua es Maritimos eColoniaes. ..,„„, „„. 

Imprensa Nacional. 1840. 8. 

959. Noticia (Verdadeira e Exacta) dos progressos de 
Thamas Konli Khan, Schach da Pérsia, no Império do Grão 

Mogor, escriptn em 21 de Abril de 1739, e traduzida em 
portuguez. Lisboa Occidental, na Officina de António Cor- 
rêa Lemos. 1740. 4. Consta de 19 paginas. (*) 

960 Noticia admirável, e curiosa Relação do grande Im- 
pério da China. Refere-se a despedida que no mesmo Impé- 
rio fez o Embaixador Portuguez^ que chegou ao presente a 
esta Cidade, em a nau proximamente vinda de Macau, em 
O primeiro de Setembro de 1755. Lisboa, na Officina de Do- 
mingos Rodrigues. 1755. 4. Oito paginas de impressão. 

961. Noticia certa de um grande caso succedido na Ci- 
dade de Ispnham., no reino da Pérsia, a que se ajunta a des- 
cripção geographica do mesmo Reino, Lisboa. 1758. 4. Cons- 
ta de 8 paginas. 

962. Noticia (Breve) que se dá ao publico, para conso- 
la gão dos Pvrtuguezesj dos successos que aconteceram no Ms- 



Vejam-se 



Sm^^^,-;»^,- íé .hilÉ*! i.,t'. 



PORTDGUEZA. ISl 

iado da nossa índia , desde o niez de Janeiro de 1759 até o 
de 1760. Lisboa, na Ofliciíia de Pedro Ferreira. 1760. 4. 
Consta de 2í? paginas, (liibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 
peis Vários -j-^^ (*) 

963. policia verdadeira das heróicas acções dos valorosos 
Portuguezts na tomada das praças e terras no Estado da ín- 
dia^ em. cuja relação se tracta individualmente dos nomes dos 
intrépidos e constantes officiaes que assistiram ás mesmas ba- 
talhas^ como iamf)tm os oppellidos das praças e terras nova- 
mente conquistadas. Lisboa, na Officina de Domingos Gon- 
çalves. 17H5. 4. Gluinze paginas de impressão. (*) 

964. Noticia sutwnnria do Gentilismo da Ásia. Veja-se 
o tom. 1. num. 2. da Collecçuo de Noticias para a Historia e 
Geographia das Noções Ultramarinas. Lisboa, na Typogra* 
phia da Academia Real das Sciencias 18 12. 4. 

965. Ndicias acerca de Macau. Vejam-se os num. 8. 9, 
e 10. dos Annaes Maritimos e Coloniaes. Lisboa, na Impren- 
sa Nacional. 1841. 8. 

966. Refutação Analyiica de um. Manifesto do Governo 
intruso de Goa^ que se intitula Provisional dos Estados da ín- 
dia Portugueza^f em Nome de Sua Magestade Fidelissima a 
Rainha Senhora D. Maria II. datado de 2\ de Julho de 
ÍSIÒG. Bombaim, na Officina Typographica de D. Gonsal- 
ves, por José Francisco d^Aguiar. 4. 

967. Hclação da mais extraordinária^ admirável, e las- 
timosa tormenta de vento que, entre as mem,oraveis do mun- 
do, succedeu na índia Oriental, na Cidade de Baçami e seu 
districto, na era de 1618, aos 17 do mez de Maio. Lisboa, 
por Pedro Craesbeeck. 16 19. 4. Consta de 15 folhas nume- 
radas de uma só parte. (*) 

96 8. Relarão Verdadeira do baptismo do imperador de 
Ceilão, rei de Cândia, vassallo d^Elri D. João IV. Lisboa^ 
por Manuel Gomes de Carvalho. 1648. 4. Oito paginas de 
impres ão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vá- 
rios 'Çq Livraria do Archivo Nacional, Relações da índia. 
vol. 2. num. 14). 

9 69. Relação da jornada que fez o Governador António 
de Sousa Coutinho ao estreito de Ormuz, e dos successos d°'el' 
la; e batalhas que teve com a poderosa armada dos arabfo^j 
em que foram vencidos. Na Officina de Domingos Lopes Rosa. 
16 53.4. Consta de doze paginas sem numeração. (Bibliothe- 
ca Nacional de Lisboa, Papeis Vários y^ :, Livraria do Ar- 
chivo Nacional, Relações da índia. vol. 2. num. 17). (*) 

970. Relação (Summaria) dos prodigiosos feitos que ag 
armas portuguezas obraram na Ilha de Ceilão^ contra os 



182 



BIBLIÔfiRAPHlA HISTÓRICA 



Hollandezes e Chingala, no anno passado de 1655. Lisboa 
nu Officina Craesbeeckiana. 1656. 4. Consta dedezeseis pa! 
ginas sem numeração. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Fa. 
peis Farios ^- Livraria do Archivo Nacional, Relações da 
Jndia. \o\. 2. num. 18). ^ - 

^V'j ^^^"^^^^ ^^* ^^^('cessos das armas portuguezas nas 
partes da Índia, e tomada de Aycôta por lanacio Sarmento 
de Carvalho, Capitão General de mar e terra no SuL até o 
anno de 1661. Lisboa, na Officina de Dominços Carneiro. 
1663. 4. Vinte paginas de impressão. (Bibliotheca Nacional 
de Lisboa, Papeis Farios 4- Livraria das Necessidades, Pa- 
peis Miscel. ^). 

975. .Relação da viagem e successos da Armada do es- 
treito de Ormuz, e batalha do Congo. Lisboa, por António 
Craesbeeck de Mello. 1670. 4. Consta de 28 paginas. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Farios ^^ Livraria 
do Archivo Nacional, Relações da Índia. vol. 2. num. 20). 

973. Relação veridica dos successos da índia, depois que 
a ella chegou o lllustrissimo e Excellentissimo Senhor D. Luiz 
de Menezes, Conde da Ericeira, Marquez de LouricaL do 
Conselho de Sua Magestade, e segunda vez Ficerei e Capi- 

J^'íf ^"^ '^''^'^'' Esíac/o. Lisboa, na Officina Pinheirien- 
se da Musica. 1742. 4. Doze paginas de impressão. (*) 
^ 974. Relação das viciarias alcançadas na índia contra o 
immigo Maratá, sendo Ficerei Taquelle Eúado o ÍUustris- 
stmo e Excellentissimo D. Luiz Carlos Ignacio Xavier de 
Menezes, quinto Conde da Ericeira, e primeiro Marquez de 
Louriçalj com uma breve noticia da sua morte. Lisboa^ por 
Luiz José Corrêa Lemos. 1743. 4. auinze pa-inas de im- 
pressão. (*) 

975. Relação e verdadeiras noticias das ultimas acções 
millia^-es, ordenadas pelo Illustrissimo e Excellentissimo ''Se- 
nhor D. Lmz de Menezes, Marquez de Loariçal, Ficerei e 
Capitão General da Índia, e executadas por Manuel Soares 
Felho, General da Provinda de Bardez. Lisboa, 1747. 4. 
Doze paginas de impressão, sem o nome do Impressor. (*) 

976. Relação verdadeira dos felizes successos da índia, e 
mctorias que alcançaram as armas portuguezas n\i que lie Es- 
tado, em o anno de 1752, cxija noticia se divulgou pela Es- 
quadra Hollandeza que d^aquellns regiões chegou a Amster- 
dam em o presente anno de 175:5. Pari. 1. Oito paginas de 
impressão, sem o nome do Impressor. 4. (*) 

Relação dos successos da índia, no Ficr reinado do Illus- 
iríssimo e Excellentissimo Senhor Marquez de Távora, Part. 2. 



vQ"- 



rlihií]Wfí^r7i 



PORTUGUESA. 



183 



com a verdadeira noticia do succcsso que teve a nau c?e 
viagem que anchorou no porto da Bahia, em o dia 24 de 
Fevereiro de 1753. Consta de 7 paginas, sem onome do Im- 
pressor. 4. (*) 

977. Relagão de um grande com,bate e victoria que, cou' 
tra o gentio e arábio, conseguiu a armada que do porto de 
Goa sahiu de guarda-coúa em Julho de 1753, commandada 
pelo i>aíoroso ísmalcan, comm,andante de dez galias. Consta 
de 8 paginas. 4 Sahiu em nome de Félix Feliciano da Fonseca. 

9 78. lielação dos felicissimos successos obrados na Indict 
Oriental em o f^icereinado do Illustrisdmo e Excellentissimo 
Marquez de Távora, Ficerei e Capitão General d^aquelle 
Estado, extrahida de algum,as Cartas remettidas a esta Cor- 
te. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 1753. 4. 
Oito paginas de impressão. Sahiu em nome de Félix Feli- 
ciano da Fonseca. (*) 

979. Relação das proezas e victorias que na índia Orien- 
tal tem conseguido o inexplicável valor do Illusirissimo e Ex- 
cellentissimo Senhor D. Francisco de Assiz de Távora., Mar- 
quez de Távora, Conde de Alvor, Vicerei e Capitão General 
dos Estados da índia. Consta de 8 paginas, sem nota do an- 
no, nem do logar da impressão. 4. 

980. Relação das muitas e singulares victorias que contra 
o rei Sundá, e outros régulos confinantes, tem alcançado o 
incrível valor do íllustrissirno e Excellentissimo Senhor Fran- 
cisco de /hsiz e Távora, Marquez de Távora, Conde de Al- 
vor, P^icerei e Capitão General do Estado da índia. Pom^pa 
e appnrato bellico e politico com que Sua Fxcellencia foi re- 
cebido na Cidade de Goa., Sfc. Lisboa, na Ofíicina de Do- 
mingos Rodrigues. 1754. 4. Oito paginas de impressão. 

981. Relação da embaixada que o Sundá, depois de ven- 
cido das armas portuguezas, mandou ao Íllustrissirno e Ex- 
cellentissimo Marquez de Távora, Vicerei da índia, e Capi- 
tão General d'' oquelle Estado. Consta de 8 paginas, Sem nota 
do logar da impressão. 4, (*) 

982. Relação da jornada que fez ao Império da China, 
e summaria noticia da Embaixada que deu na Corte de Pe- 
him, em o primeiro de Maio de 175.'^, o Senhor Francisco 
Xavier Assiz Pacheco e Sampaio ^ escripta a um Padre da 
Companhia de Jesus, assistente cm Ei^boa, pelo Reverendo 
Padre Neuville, frnncez, da mesma Companhia., assistente no 
seu Collegio de Macau. Lisboa, na Officina dos herdeiros de 
António Pedroso Galrao. 1754. 4. Consta de 14 paginas. 
(Livraria do Archivo Nacional, Relações da índia. vol. 5, 
num. 10). (*) 

«4 



184 BlBlIÔfiRitklÀ HlfitOUICÀ 

983. Relação ou Noticia certa dos Estados da índia. Me»- 
ferem-se os progressos das armas portuguezas na Asin, como 

novamente tem tido varias contendas com o Bounsoló, Ma- 
rãtá e Mogor, e como novamente se eníprehende a restaura- 
ção da célebre Praça de Çafim. Lisboa, na Officina de Do- 
mingos Rodrigues. 1756. 4. Oito paginas de impressão. 

984. Relação marcial do plausível e afortunado succes- 
so que nas partes da Índia tiveram, as armas portuguezas^ 
contra o Bounsoló nosso inimigo, em o conjiicto com elle ha- 
vido em o dia 9 de Maio de 1758. Lisboa, na Officina de 
Francisco Borges de Sousa. 1759. 4. Oito paginas de im- 
pressão. 

985. Relação curiosa das grandezas do reino da China , 
noticia da sua situação, fortalezas, rios, e togares notáveis^ 
com toda a individuação das particidaridades do seu regimen^ 
costumes, e religião, Sfc. Lisboa, na Officina de Pedro Fer- 
reira. 1762. 4. Consta de 8 paginas. (*) 

986. Relação (Nova e Curiosa) de um, grande régulo 
usurpador de reinos alheios, que novamente se levantou na 
índia. Lisboa, na Officina de Domingos Gonçalves. 1769. 4. 
Consta de 14 paginas. 

987. Relação (Nova e Curiosa) das batalhas que os Por-^ 
tuguezes deram na Índia, e das grandes victorias que alcan- 
çaram contra o Bounsoló. Lisboa, na Officina de José da 
Silva Nazareth. 1785. 4. Gtuinze paginas de impressão. 

988. Relação (Breve) das Escripturas dos gentios da Ín- 
dia Oriental, e dos setis costumes. Sahiu impressa no tom. 1. 
num. 1. da Collecção de Noticias para a Historia e Geogra- 
phia das Nações Ultramarinas. Lisboa, na Typographia da 
Academia Real das Sciencias. 1812. 4. 

989. J^ida e acções dofam^oso e felicíssimo Seva gy da ín- 
dia Oriental. Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 
1730. 8, SahÍQ em nome de Cosme da Guarda. 



PORTOaCEZA, 



185 



TITULO 4/ 



MEMORIAS K KOTICIAS DE AFRICA. 



990. Agostinho de Gavy de Mendonça, natural de 
Mazagao. Escreveu: Historia do famoso Cerco, qve o Xarife 
pos a Fortaleza de Mazngam dcffendido Pello valeroso Ca- 
pitam Mòr delia Aluaro de Carunlho. Gouernudo neste Ileu- 
no a Sereníssima ítaynha Dona Catherina, no anno de 1562. 
Escripta por Agostinho de Gavy de Mendonça, Cidadão da 
Cidade de Lisboa, natural da dita Força. Deregida aomuy- 
to Illvstre Senhor Dom Diogo da Silua Conde de Portale- 
gre Mordomo Mor do lieyno de Portugal. Impresso com li- 
cença da Sancta Inquisição. Em Lisboa. Em casa de V^i- 
cente Aluarez. Anno 1607. 4. (Livraria do Sr. Conselheiro 
Macedo). O titulo cora que primeiro sahiu á luz esta mesma 
edição, segundo vimos de outro exemplar, pertencente á Li- 
vraria das Necessidades, diz o seguinte : Historia do famoso 
Cerco, qve o Xarife pos a Fortaleza de Mazagam deffendido 
Pello valeroso Capitam Mòr delia Rtty de Sousa de Carua- 
tho. Reynando neste Reyno a Sereníssima Raynha Dona 
Catherina primeira do nome em Portugal, na anno de 1562. 
Escripta, Sfc. como acima. 

991. André Alvares de Almada, natural de Cabo 
Verde. E. Tractado Breve dos Rios de Guiné do Cabo Ver-^ 
ãe, desde o rio do Sanagá, até aos baixos de SanVAnna. 
Porto, na Typographia Commercial. 1841. 8. Esta obra 
tinha sabido por industria de Yictorino José da Costa, 
posto que mui diversa do estilo e ordem que lhe dera 
seu auctor, com este titulo : Relação e Descripção de Guine, 
na qual se tracto das varias nações de negros que a povoam, 
dos seus costumes, leis^ ritos, ceremonias, guerras, armas, ira- 

jos ; da qualidade dos portos, e do commercio que n'^elles se 
faz: que escreveu o Capitão André Gonçalves de Almada, 
Lisboa Occidental, na Officina de Miguel Rodrigues. 17.3.^. 4. 
A dedicatória anda em nome do livreiro António da Costa 
Valle. (Livraria das Necessidades, Papeis Vários ^"H • Li- 
vraria do Archivo Nacional, Relações do Brasil, Angola, êçc. 
vol. 2. num. 3). (*) 

992. António Caetano de Sousa. E. Catalogo dos Bis- 
pos das Igrejas de Cabo Verde, S. Thomê, e Angola. Sahiu 
impresso no tom, 2, da Collec, dos Docum. e Mem. daAca^ 



1S6 



BlBLIOeRAPHU HISTÓRICA 



dem. Real da Hid. Port. Lisboa Occidental, na Officina de 
Paschoal da Silva. 1722. foi. 

993. António Martins Pereira. E. Relação da infe- 
liz e deplorável viagem que fez o Excellentissimo e Reveren- 
dissimo Bispo D. Fr. João de Faro para a sua Sé da Cida- 
de da Ribeira Grande, Ilha de Santiago de Cabo Verde. 
Lisboa, na Officina de Miguel Maiiescal da Costa. 1741. 4. 
Gluinze paginas de impressão. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa, Papeis Farios ~-^ Livraria das Necessidades, Papeis 
Varios^^'^ Livraria do Archivo Nacional, Relações do Era- 
siZ, Angola^ Sçc. vol. 2. num. 4). 

994. António de Oliveira, natural da Chamusca, tra- 
duziu do castelhano : Relação do tumulto popular que succe- 
deu em \8 de Dezembro de \^35, na Cidade do Gruo Cairo, 
Capital do antigo reino do Egypto, com morte do seu visir, 
do Juiz dos Judeus, e destruição da Judearia j com, as mortes 
€ tormentos cruéis que deram, aos Judeus^ e com todos as par- 
ticularidades d'' esta grande revolta Lisboa, na Officina Joa- 
quiniana da Musica. 4. Oito paginas de impressão. 

Relação em, que se continua a que já se deu á luz sobre o 
tum^ulto popular que succedeu na Cidade do Grão Cairo, Ca- 
pital do antigo reino do Egypto, e do êxito que teve este suc- 
cesso. Lisboa. 1755. 4. Sete paginas de impressão. j 

995. António Rodrigues da Costa. E. Conversão d''el- 
rei de Rissau, conseguida pelo Illudrissimo Senhor D. F^r. 
Victoriano Portuense, Bispo de Cabo Verde, do Conselho de 
Sua Mngestade ; e baptismo do principe D. Manuel de Por- 
tugal, filho primogénito do mesmo rei, celebrado na Capella 
Real d''esta Côrte^ sendo Padrinho Elrei D. Pedro II. Lis- 
boa, á custa de António Manescal. 1695. 4. Trinta e uma 
paginas de impressão. (Livraria do Archivo Nacional, Rela- 
ções do Brasil, Angola, éfc. vol. I. num. 13, e a Bibliothe- 
ca Nacional de Lisboa). 

996. António de Saldanha dãGamA, Conde de Porto 
Santo. E. Memoria sobre as Colónias de Portugal situadas 
na Coda Occidental d"* Africa, mandada ao Governo em 1814. 
Belera, na Typographia da Casa Pia, e impresso por seus 
alumnos. 1839. 8. Consta de 33 paginas. (*) 

997. P. Balthezar Telles, jesuíta, natural de Lis- 
boa, abbreviou, e deu á luz: Historia Geral da Ethv,pia a 
Alta, ou Preste João, e do que n^ella obraram os Padres da 
Companhia de Jesus, composta na mesm,a Ethiopia pelo Pa- 
dre Manuel d"* Mmeida, natural de Vizeu^ Provincial e Vi- 
sitador que foi na Índia, Coimbra, na Officina de Manuel 
Dias. 1660, foi, 



pôRTueiefiZi. 



187 



Ô93. Cypriano José Rodrigues das Chagas. E. Des- 
coberta e occupa(;<lo da Gtdné s6 pt^los Porivguezes, ou refu- 
tação dns modcríids prderK^òes da França áquella desco- 
berta. Lisboa, na Typoi^rapljia da Academia das Bellas Ar- 
tes. 1840 4. Gluiiize paginas de impressão. (*) 

999 D. Fernando de Menezes, segundo Conde da Eri- 
ceira. E. Untaria de Tanger^ que comprehende as noticias 
desde a sua primeira conquista até a sua ruina. Lisboa Oc- 
cidental, na Oflicina Ferreiriana. 1732. foi. 

1000. P. Francisco Alvares, natural de Coimbra. E. 
Verdadera informaram das terras do Preste loam, segundo 
vio e escreueo ho padre Francisco Aluarez capellã dei Reij 
nosso senhor. Agora nnuamête impresso por mandado do dito 
senhor em casa de Luis iiodriguez liureiro de sua alteza. 
Consta de 136 falhas numeradas de ama só parte, além do 
rosto, prologo, e Índice. No fim tem estas palavras : A hon- 
ra de deos e da gloriosa virgê noisa sTiora se acahou ho liuro 
do Preste loã das Índias em q se conta todos hos sitios das ter- 
ras, e dos tratos e comércios delias^ e do que passara na viaje 
de dom Rodrigo de (ima que foy por mandado de Diogo lo- 
pez de sequeira que enfam era gouernador na india : e assl 
das cartas e presentes que ho Preste loã m,andou a et Rey 
nosso senhor, cõ outras cousas notaiieis q hanaterra. Hoqual 
vio e escreueo, ho padre Frucisco aluarez capellã dei Rey 
nosso senhor com mui! a diligencia e verdade, Acabouse no 
anno da encarnaçam de nosso snor lesu christo a hos vinte 
dous dias de Outubro de mil e quinhentos e quarenta annos, 
foi gothico. Uma soffrivel gravura em madura, representan- 
do a entrada do embaixador D. Rodrigo de Lima, vem es- 
tampada na folha do rosto, por cima do titulo que acima 
deixamos trasladado, e no fim do livro, em folha separada, 
a devisa do Impressor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, ea 
Livraria do Ex ™° D. Francisco de Mello Manuel). 

1001. Francisco de Segiueira, deu á luz: Relação da 
grande victoria que alcam^ou contra os m,ouros o Presidio de 
Mazngão, em o dia !6 de Junho de 1754. Lisboa, na Offi- 
cina de Francisco da Silva. 1754. 4. Oito paginas de im- 
pressão. 

1002. Gomes Eannes de AzurAra. E. Chronica do des- 
cobrimento e conquista de Guiné, escripta por mandado d El- 
rei D Afonso V Este precioso livro, desconhecido de Bar- 
bosa, sahin á luz por diligencia do Sr. Visconde da Carrei- 
ra, precedido de uma introducçao, e íllustrado com algumas 
notas pelo Sr. Visconde de Santarém» Pariz, por J. P. Ail- 
laud. 1841. 4, e 8. 



JS8 



BIBLÍoeRAPHIA HISTÓRICA 



\ 



,\ 




_ -" T^, 1 ri — - ^^ ^^, tugi 

l>isboa, por Pedro Craesbeeck. 1629. 4. 

H)04. D. Jayme, quarto Duque de Bragança. E. Carta 
^ Elrei D. Manuel, em qiie relata o successo da conquista 
de Azamor, sendo General doesta expedindo. Aeha-se impres- 
sa nas Provas da Bist. Geneal. da Casa Real. tom. 4. liv. 
6. num. 106, 

1005. D. João Bermudes, patriarcha de Alexandria, 
X natural deGalliza. O titulo da obra que deu á luz, fielmente 
trasladado, diz o seguinte: Bsta he^húa hreue relação da em- 
baixada q o Patriarcha do loão Bermudez trouxe do Em- 
perador da Ethiopia, chamado vulgarmente Preste loão, ao 
christianissimo, Sf zelador dafee de Chrisio Rey de Portugal 
dom loão o terceiro deste nome : dirigida ao muy alto éç po- 
fieroso, de felicíssima esperança, Rey tãbem de Portugal dom 
Sebastião o primeiro deste nome. Èm a qual tãbem conta a 
morte^ de dom Christouão da gama: Sf dos sucessos que acon- 
tecerão aos Portugueses que forão em sua companhia. Em 
Lixboa en casa dè Francisco Corrêa Impressor do Cardai 
Inffante. Jnno de 1565, A estampa do frontispício é aberta 
em madeira. Segue no verso : Carta do Patriarcha dom loão 
Bermudez a el Hey nosso senhor. E é concebida n'estes ter- 
mos : Mvyto alto ^ muyto poderoso Rey vossa Alteza me 
disse os dias passados que folgaria de saber a verdade do que 
acontecera a hum Capitão Sf gente que me el Rey vosso auò 
que esta em gloria deu pêra leuar em socorro do Emperador 
da Ethyopia Onadinguel chamado preste loão, por desfazer 
os erros que nlguas pessoas disto escreuem, em tanto, que a <è 
o nome do dito Capitão errão, chamandolhe dom Paulo, sen- 
do elle dom Christouão seu yrmão : Sf outros escreitem., Sf di- 
zem^ algúas cousas que não passarão na verdade, nem elles as 
virão. Por tanto eu que tudo vi, lhe contarey breuemente o 
g passou nesta pequena escriptura. Nosso Senhor guarde sua 
pessoa, acrecente sua nona ydade, .^' prospere seu real esta- 
do. Amen. Em seguida estão impressas estas palavras: Foy 
examinado por o R. P. p Manoel da f^eiga, examinador 
dos liuros : por o sereníssimo Cardeal Iffanle dom Anrique 
Inquisidor geral nestes Rcynos ^'senhorios de Portugal. O 
primeiro capitulo, dos cincoenta e oito em que a obra é di- 
vidida, começa na segunda folha do livro, que já vem mar- 
cada com o numero 2:, a subscripção a folhas 80 diz simples- 
^mente : Acabouse de imprimir em Lixb<m a xx. dias de lu- 
vho em casa deírancisco correa Anno de 1565, 4, Umexeim- 



PORTTOGUEZA. 189 

piar d'este raríssimo e quasi desconhecido livro se conserva 
com a devida estimação na Livraria do Archivo Nacional 
da Torre do Tombo, onde o vimos. Falta a memoria d'este 
auctor na Jiihliotheca Lnntana. 

1€()6. João Carlos Feo Cardoso de Castello-Bran- 
00 E Torres. E. Memorias contendo a hiographia do Vice 
almirante Luiz da Moita Feo e Torres; a historia dos Go- 
vernadores e Capitães Generaes de Angola^ desde 1575 até 
182Õ,- e a desci ipção gaographiea e politica dos Reinos de 
Angola e de Benguela. Pariz, na Livraria de Fantin. 1825.8. 

1007. Fr João dos Santos, religioso dominico, natu- 
ral dU"Cvora. E. Ethiopia Oriental, e varia historia de cow 
sas notáveis do Oriente. Dirigida ao lEjccellentissitno Senhor 
D. Duarte, Margnez de Frechilla e Malagon. Part. í. e2. 
Impressa no Convento de S. Domingos d^Evora, por Ma- 
nuel de Lyra. »6()9 (e no fim 1608). foi. 

1008. Fr. João de Sousa. E Narração da arribada 
das princezas africanas ao porto (festa Capital de Lisboa ^ 
seu desembarque para terra, alojamento no Palácio das Ne- 
cessidades, ida para Q.ueluz, sen embarque e volta para Tari" 
ger. Lisboa, na Officina da Academia Real das Sciencias. 
1793. 4. Consta de 36 paginas. 

1009. JoAauíM António de Carvalho e Menezes. E. 
Memoria Geographica e Politica das Possessões Portugiiezas 
na Africa Occidental, que diz respeito aos Reinos de Angola^ 
JBenguela, e suas dependências ; origem de sua decadência, e 
atrazamenio ; suas conhecidas producções, e os meios que se 
devem applicar para o seu melhor am,ento, de que deve resul- 
tar mui grandes vantagens á Monarchia. Lisboa, na Tvpo- 
graphia Carvalhense. \í)'ò4. 8. Consta de 41 paginas. (*) 

10 i O. JoAauiivi António Ribeiro. E. Mernoria sobre 
o estado de decademia a que se acha reduzida a Provinda 
de Moçambique. Offerecida ao Soberano Congresso. Lisboa, 
naTypographia Patriótica. 1822. 4. Consta de 18 paginas. (*) 

1011. JoAGuiM Cesar de Figaniere e MorIo, natu- 
ral de Lisboa. E. Descripção de Serra- Leoa e seus contor- 
nos ,' escripta em doze Cartas, e offerecida á Sociedade Litte- 
raria Patriótica. Ijisboa, na Impressão de João Baptista Mo- 
rando. 1822. 8. Veja-se o que acerca d'esta obra se impri- 
miu no Panorama, Jornal Liiterario num, 149, de 7 de 
Março de 1840. 

1012. JoAauiM Francisco de Sá, deu áluz: Nova Re- 
lação da victoria que alcançaram as bandeiras portuguezas 
em Moçambique, e o como se houveram as companhias que 
em duas naus partiram para aquella terra, e sahiram d''es- 



I i 



190 



BIBLieeiRAPHIA HISTÓRICA 



ta Corte em o dia 16 de Abril de 1751. Lisboa, na Officina 
de "Domingos Rodrigues. 1754. 4. Consta de 8 paginas. 

1013. José Accursio das Neves. E Considerações Po- 
liticas e Commerciaes sobre os Descohii mentos e Possessões doS 
Fortugiiezes na Africa e na Ásia Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1830. 8. 

1014. Fr. José de Santo António Moura. E. Memo- 
ria sobre as Dynastias que tem ninado na Mauritânia, com 
a serie chronologica dos Soberanos de cada uma d''ellas. Sa- 
hiu impressa no tom. 10. part. l. das Memorias da Acade- 
mia Real das Sciencias» Lisboa, na Typographia da Acade- 
mia. 1827. foi. 

Historia dos Soberanos Makometanos das primeiras quatro 
Dynastias^ e de parte da quinta que reinaram, na Mauritâ- 
nia^ traduzida do árabe, e annotada. Lisboa, na Ofíicina da 
Academia. 1828. 4. 

1015. José Conrado Carlos de Chelmicki e Fran- 
cisco Adolfo de Varnhagen. escreveram : Ckorographia 
Cabo-Verdiana, ou Descripção Geographico- flislo> ica da Pro- 
vinda das Ilhas de Cabo-Í^erde e Guiné. Tom. \. e 2. Lis- 
boa, na Typographia de L. C. da Cunha. 1841. 8. 

1016. José Feliciano de Castilho. E Memoria sobre 
a Provinda das Ilhas de Cabo Verde. Sahiu incompleta nos 
cinco números que se publicaram áo Jornal da Sodtdade dos 
Ameigas das Lettras, Lisboa Ui.Hô. 4. 

1017. JosÉ Freire ds Montar-ióvo Mascarenhas. 
E. Testamento em qne di<ipnz da sua ultima v>ntade, ackan- 
do-se insinho á morte, Muley Ismael, Imperador de Marro- 
cos, com um breve resumo da sua vida. Lisboa Occidental, 
na Officina de Pedro Ferreira. (1727). 4. Oito paginas de 
impressão, sem o nome do auctor. 

Relação da embaixada que o poderoso rei de Angome, 
ICiay Chiri lironcom , senhor dos ililaladissim^s sertões de 
Guiné, m,andou ao lUustrissimo e ExcellenJisúmi Senhor D, 
JLuiz Peregrino de Atayde, Conde de Alonqnia, Governador 
€ Capitão General que foi do ftdno do /llgarve, e actnal- 
m.ente Vicerei do Eúado do Brasil , pedindo a aminade e al- 
liança do muito alto e poderoso íiei de Portugal. Lisboa, na 
Officina de Francisco da Silva — duas edições do mesmo an- 
no e da mesma Officina — 1751 4. Constam de 11 pagi- 
nas. (*) Deve acrescentar-se á Bihliolhecn Lusitana. 

1018. JosÉ JoAauiM Íjopes dr Lima E Mt^mnria so- 
bre os Felups, gentios da Guiné Portugueza Vtíja-se o num. 
3. do Jornal da Sociedade do^ Amigas dat Lf-ttras. Lisboa, 

na Typographia de José Baptista Morando, 1836. 4. 



I 



PORTUGUEZA. 



191 



1019. Luiz António de Abreu e Lima, Visconde da 
Carreira, deu á luz : Memoria sobre as Colónias de Portugal 
situadas na Costa Occidental d"* Africa^ mandada ao Governo 
pelo antigo Governador c Capitão General do Reino de An- 
gola ^ António de Saldanha da Gama ^ em, 1814 • prece- 
dida de um discurso preliminar, e augmentada de alguns 
additamentos e notas. Pariz, na Typographia de Casimir* 
1839. 8. 

1020. Luiz Félix Cruz, secretario do governo de An- 
gola. E. 31anifesto das hostilidades que a gente que serve a 
Companhia Occidental de flollanda obrou contra os vassallos 
d JElrei de Portugal no Reino de Angola^ debaixo das tregoas 
celebradas entre os Principes • e dos m,otivos que obrigaram, 
o General Salvador Corrêa de Sá e JBenavides a desalojar 
estes soldados hollandezes d''elle, sendo inandado a esta costa 
por sua Magestade adifferentefim,. Lisboa, na Officina Craes- 
beeckiana. 1651. 4. Consta de 36 paginas. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa, Papeis Farios ^i Livraria do A rcliivo Na- 
cional, Relações do Brasil, Angola^ ^c. vol. 1. num. 8). 

1021. D. Luiz de Menezes, terceiro Conde da Ericei- 
ra. E. Helação do feliz successo qUe conseguiram as arm^as 
do Sereníssimo Príncipe D. Pedro^ governadas por Francis- 
co de Pavora, Governador e Capitão General do Reino de 
Angola, contra a rebelião de D. João^ rei das Pedras e Don* 
go, no mez de Dezembro de 1671. Lisboa, á custa de Miguel 
Manescal. 4. Doze paginas de impressão, sem o nome do 
auctor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários ^-^ 
Livraria do Archivo Nacional, Kelagões do Brasil, Ango- 
la, (5fc. vol. 1. num. 12). 

1022. Manuel Coelho da Graça. E. Lacónica e fú- 
nebre noticia das exéquias que os religiosos de S. Francisco, 
do Convento de Xabregas, fizeram ao lUustrissimo Senhor O, 
Fr. José de Santa Maria de Jesus, Meretissimo Bispo das 
Ilhas de Cabo Verde, Perra firme de Guiné, e Serra Leoa, 
em o dia 20 de Junho de 1736. Lisboa Occidental, na Offi- 
cina de Pedro Ferreira. 1736. 4. Consta de 16 paginas. 

1023. Manuel Francisco de Barros eSousa da Mes- 
quita DE Macedo Leitão e Carvalhosa, segundo Vis- 
conde de Santarém. E. Memoria sobre a prioridade dos des- 
cobrimentos portuguezes na Costa d'' Africa Occidental . Pariz, 
na Livraria Portugueza de J. P. Aiilaud. 1841. B. grande. 

1024. Manuel FlENRiauES das Neves Sampaio, tra- 
duziu na lingua materna : Viagens de Gibraltar a Tanger, 
Salé, Mogador, Santa Cruz, Parudante, Moaie-Atlas e Mar- 
rocos^ compostas em Inglez por Guilherme Lamprière, tras- 

25 



192 



felBLlOGRÂ^HIA HISTÓRICA 



laãadas em vulgar^ e illustradas com addigôes e notas, Lis- 
boa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1794. 8. 

1025. Miguel de Castanhoso, natural de Santarém, 
como testemunha de vista escreveu : Historia Das cousas 
que o muy esforçado capitão Dom Christouão da Gama fez 
nos Iteynos do Preste loão, com quatrocStos Portugueses que 
consigo leuou. Impressa por loã da Barreyra. JE per elle 
dirigido ao mnyto magnifico ^ illustre senor Dõ Francisco 
de Portugal. No alto da segunda folha, onde começa a dedi- 
catória, estão impressas estas palavras : ^o Mvito Magnifico 
^ Illustre senhor dõ Francisco de Portugal, filho do Conde 
da Vidigueira, Sf Estribeira mór dei Rey nosso senhor. lo- 
hão da Barreira imprimidor . S. A obra tem principio no 
verso da terceira folha, e é dividida em vinte e nove capitu- 
los. A subscripçao, que se acha estampada no fim do livro 
a folhas 54, diz o seguinte : A louuor de Deos êf da gloriosa 
virgem^ nossa senhora se acabou de imprimir a presente obra^ 
em, casa de loão da barreyra Impressor dei Rey nosso se- 
nhor. Aos vinte ^ sete de lunho de. M.D. LXIIII. Annos. 
A portada do frontispício é gravada em madeira. 4. D'este 
raríssimo livro vimos um exemplar na copiosa e escolhida 
léivraria do Sr. Conselheiro Joaquim José da Costa de Macedo. 

1026. Pedro da Silva Corrêa. E. Feliz e glorioso suc- 
cesso da batalha que a guarnição de Mazagão teve, em 4 de 
Abril de 1763, com oito mil mouros, Sfc. Lisboa, na Officina 
de Miguel Rodrigues. 1763. 4. Gluinze paginas de impres- 
são. (*) 

1027. Raymunho JopÉ da. Cunha Mattos. E. Histo- 
ria Chronologica da iT^a de S. l?homê. Acha-se impressa no 
tom. 8. pag. 289 e seguintes, e continuada a pag. 454 e 481 
da Revista Litteraria, Porto, na Imprensa da Revista. 
1842. 8. 

Chorographia da Ilha do Príncipe. Veja-se o tom. 9. pag. 
5 e seguintes, e a continuação pag. 97 e seguintes da Revis- 
ta Liiteraria. Porto, na Typographia da Revista. 1842. 8. 

Chorographia das Ilhas de Anno-Bom, e Fernando Po. Sa- 
biu no dito tom. pag. 175 e seguintes. 

Catalogo dos Governadores, Bispos, e Ouvidores das Ilhas 
de S. Thomé e Príncipe, Ainda impresso no dito tom. pag. 
189 e seguintes. 

1028. Sebastião Francisco de Mendo Trigoso, tra- 
duziu do italiano, e annotou : Navegações de Luiz de Cada- 
inosio, a que se ajuntou a viagem de Pedro de Cintra, Ca- 
pitão portuguez, escripta pelo mesmo Ltuiz de Cadamosto, 
Andam no tom, 2, num. 1. da CoUecção de Noticias para a 



i 



PORTCGUEZA. 



193 



Historia e Geographia das Nações Ultramarinas, Lisboa, na 
Tjpographia da Academia Real das Sciencias. 1812. 4, 

Navegação de Lisboa ã Ilha de S. Thomê, escripta origi- 
nalmente por um Piloto portuguez. Sahiu no tom. 2. num. 
2. da dita Collecção. 

1029. Sebastião Xavier Botelho. E. Memoria Esta- 
iistica sobre os Dominios Portuguezes na Africa Oriental, 
Lisboa, na Tjpographia de José Baptista Morando. 1835. 8. 
grande. A Introducção tinha sabido: ibi, n^ Imprensa Na- 
cional. 1834. 8. grande. 

Segunda Parte da Memoria Êistatistica sobre os Dominios 
Portuguezes na Africa Oriental , contendo a resposta á criti- 
ca feita á dita Memoria, e inserta na Revista de Edimburgo 
num. 130, de Janeiro de 1837. Lisboa, na Typographia de 
A. J. C. da Cruz. 1837. 8. 

1030. Simão Corrêa DEMesauiTA. ^.Relação do cha- 
gue que tiveram os cavalleiros da Praça de Mazagão com os 
mouros de Aducaya e Azamor, em 7 de Dezembro de 1751. 
Lisboa, na Officina de José da Silva da Natividade. 1752. 4. 
€tuinze paginas de impressão. 



1 Ò3 1 . Catalogo dos Governadores do Reino de Angola, com 
uma previa noticia do principio da sua conquista, e do que 
n ella obraram, os Governadores dignos de memoria, Sahiu 
no tom. 3. part. 2. da Collecção de Noticias para a Historia 
e Geographia das Nações Ultramarinas. Lisboa, na Typo- 
graphia da Academia Real das Sciencias. 1826. 4. 

1032. Copia de uma Carta escripta pelo Padre Guar- 
dião do Real Convento de Mequines, e Vice Prefeito das San- 
tas Missões que nas partes da Barbaria conserva a, religiosa 
Provinda de S. Diogo, dos reverendos Padres Franciscanos 
Descalços, ao Padre Procurador d''eUes, sobre os effeitos do 
Terremoto do primeiro de Novembro de \^ 55. Lisboa, 1756.4. 
Oito paginas de impressão. (-») 

1033. Copia de uma Carta escripta por um religioso da 
Redempção de Hespanha, que assiste na Cidade de Tunes, na 
qual se dá noticia das grandes crueldades que os argelinos 
usaram com os religiosos e mais catholicos que estavam na mes- 
ma Cidade. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 
1757. 4. Consta de 8 paginas. 

1034. Descobrimentos dos Portuguezes na Costa Occiden- 
tal d"* Africa, Yeja-se o tom, 7, pag, 325 e seguintes, e a 



jl 



BIBLIOGRAPHIÁ HISTÓRICA 



continuação pag. 419 e seguintes, da Mevista Litieraria, 
Porto, na Typograpbia da Revista. 1841. 8. Sahiu também 
em separado: ibi, na Imprensa da Revista. 1842. 8. 

3035. Epitome Histórico das Ilhas de S. Thomê e Prín- 
cipe. Acha-se impresso no primeiro numero áo Memorial Ul- 
tramarino e 3Iariiimo, redigido pela Secretaria de Estado 
dos Negócios da Marinha e Ultramar. Lisboa, na Imprensa 
Nacional. 1836. 8. (*) 

1036. Memoria abhreviada da Capitania de Moçambi- 
que. Veja-se o num. 84. part. 1. pag. 222 e seguintes do 
Jornal de Coimbra. Lisboa, na imprensa Regia. 1820. 4. 

1037. Noticia certa da chegada do rei de Tunes á Ilha 
de Malta; modo pomposo com que foi recebido, ^c. Relata- 
se o como o, Cidade de Tunes, e todo o reino se vê já senhor 
reado dos argelinos. Lisboa, na Officina de Domingos Rodri- 
gues. 1756. 4. Consta de 8 paginas. 

1038. Noticia da festividade que na Ilha de Malta se ce^ 
lehrou no baptismo do rei de Tunes, na qual se refere apom-^ 
pa com que se celebrou aquelle solemne acto, ^c. Lisboa, na 
Officina de Domingos Rodrigues. 1757. 4. Oito paginas de 
impressão. 

1039. Noticia do grande choque que teve a guarnição do 
Presidio de Mazagão com os mouros estuques, e de como al- 
cançou d''elles uma falai vicioria, no dia 3 de Fevereiro de 
3753. Consta de 7 paginas, sem o nome do Impressor. 4. 

1040. Noticia do grande assalto e batalha que os mouros 
deram á Praça de Mazagão, em o mez de Junho de 1756, 
com outras cousas notáveis, modernam,ente succedidas natnes- 
ma Praça. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 
1756. 4. Oito paginas de impressão. 

1041. Noticia da grande batalha que houve na Praça de 
Mazagão, no dia 6 de Fevereiro de 1757. I>isboa. 1757. 4. 
sem o nome do Impressor. Consta de 7 paginas. 

1042. Noticia do grande assalto e batalha que os mouros 
deram á Praça de Mazagão, em o mez de Junho de 1760. 
Lisboa, na Officina de Ignacio Nogueira Xisto. 1760. 4, 
Sete paginas de impressão. 

1043. Relação do combale que tiveram, e victoria que 
conseguiram as armas portuguezas dos nobres cavalleiros de 
Mazagão, commandadas pelo Illustrissimo e F.xcelleniis%imo 
Senhor D. António Alvares da Cunha, Governador e Capi- 
tão General da dita Praça, contra os m,ouros de Aduquella^ 
chamados os alarves, os mais guerreiros da Barbaria, em o 
dia 1 de Dezembro de 1751. Lisboa, na Officina de Pedro 
Ferreira. 3 752. 4, Sete paginas de imprqssâío, (*) 



àSflHJykíÉàittbL 



PORTUGUEZl. 195 

1044. Melação do grande combate e faial peleja que ii- 
veram os soldados e cavalleiros da Praça de Mazagão, com 
os mouros de Azamor e Mequines. Lisboa, na Officina de 
Manuel Soares. 1752. 4. Doze paginas de impressão. 

1045. Relação da batalha que o Presidio de Mazagão 
teve com os mouros^ em o dia primeiro de Maio de 1153, pe- 
rigo em que se viu, e gloriosa victoria que d''elles alcançou, 
Lisboa, sem o nome do Impressor. 4. Oito paginas de im- 
pressão. (*) 

1046. Melação do grande e admirável choque que teve o 
Presidio de Mazagão, em 28 de Outubro de 1754, com os 
mouros da sua fronteira. Dada ao publico em 28 de Março 
de 1755. Oito paginas de impressão, sem o nome do Impres- 
sor. 4. 

1047. Relação do novo e admirável combate que houve 
entre o presidio da Praça de Mazagão, e os mouros estuques 
e fronteiros da dita Praça ^ e a primeira acção executada 
debaixo da ordem do Excellentissimo Governador e Capitão 
General D. José Vasques da Cunha. Lisboa, na Officina de 
António Vicente da Silva. 17Í59. 4. Oito paginas de im- 
pressão. (*) 

1048. Relação (Nova) de um grande combate que a guar- 
nição da Praça de Mazagão teve em Domingo de Ramos, 
23 de Blarço de 1766, com os alarves da Provinda de Du- 
quella ; e noticia veridica da liberdade e seguro real que o 
Imperador de Marrocos deu a Manuel de Pontes, natural 
da dita Praça, que se achava em seu poder captivo. Lisboa, 
na Officina da Viuva de Ignacio Nogueira Xisto. 1766. 4. 
Oito paginas de impressão. 

1049. Relação (Nova) da viagem que fez o corsário de 
guerra Nossa Senhora da Estreita, para Cacheu, e derrota 
que seguiu ao porto de Bissau ; capitulações de paz que ahi 
fizemos com o gentio, e combate que depois com elle tivemos. 
Part. 1. Oito paginas de impressão. 4. 

Segunda Parte da Relação do combate que deu, e victoria 
que felizmente alcançou do gentio do porto de Bissau, o nosso 
corsário de guerra Nossa Senhora da Estreita, no anno de 
1753. Gluinze paginas de impressão. 4. 

1050. Relação curiosa, e descripção geographica das ter- 
ras de Moçambique e Rios de Sena, e interesses que podem 
tirar das mesmas terras os que as povoarem, e cultivarem, Sfc. 
Lisboa. (1755). 4. sem o nome do Impressor. Consta de 7 
paginas. (*) 

1051. Relação do grande terremoto que houve na Praga 
de Mazagão^ em o primeiro de Novembro de 1755. Lis- 



196 



BIBLI06IRAPHIA HISTÓRICA 



boa. lySó. 4. sem o nome do Impressor. Consta de 8 pa- 
ginas. 

1052. Relação verdadeira da implacável pede que pade- 
ceu a Cid.ade de Marrocos^ Argel, e outras africanas, e da 
grande trovoada que a 15 de Março de 1756 experimentou 
a Barbaria, Lisboa. 1756. 4. Oito paginas de impres- 
são. (*) 



POnXUGUEZA. 

TITULO 5." 



197 



SDCCESSOS TRÁGICOS, MAUITIMOS E TERRESTRES ; RELAÇÕES DE 
NAUFRÁGIOS, TERREMOTOS, ETG. 



1053. P. AiíTONiQ Francisco Cardim, jesuíta, natu- 
ral de Vianna do Àlemtejo. Escreveu : Relação da viagem 
do Galeão S. Lourenço ^ e sua perdição nos baixos de Moxin~ 
cale^ em 3 de Setembro de 1649. Lisboa, por Domingos Lo- 
pes Rosa. 1(351. 4. Consta de vinte e sete paginas sem nu- 
meração. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários ^). 
Sahiu reimpressa na Collecçãn dos Naufrágios^ de que vimos um 
exemplar na Livraria da Academia Real das Sciencias de 
Lisboa, com a indicação ^^"^ : contém onze relações diversas. 

1054. António Pereira de Figueiredo. E. Commen- 
tario lalino e portuguez sobre o terremoto e Incêndio de Lis- 
boa, de que foi testemunha ocular. Lisboa, na Officina de Mi- 
guel Rodrigues. 1756. 8. 

1055. Bento Morganti. E. Carta de um amigo para 
outro, em que se dá succinta noticia dos efeitos do Terrem.o- 
toy succedido em o primeiro de Novembro de 1755. Lisboa, 
na Officina de Domingos Rodrigues. 1756. 4. Dezeseís pa- 
ginas de impressão. (*) 

Verdade vindicada, ou Resposta a uma Carta escripta de 
Coimbra, em que se dá noticia do lamentável successo de Lis- 
boa, no dia primeiro de Novtm.bro de 1755. Lisboa, na Of- 
ficina de Miguel Manescal da Costa. 1756. 4. Consta de 32 
paginas. (*) Sahiu em nome de José Accurcio de Tavares. 

1056. Bento Teixeira Feio, natural do Pombal. E. 
Relação do naufrágio que fizeram as Naus Sacramento e 
Nossa Senhora da /ítalaya, vindo da Índia para o Reino^ 
no Cabo de Roa-Esperança, de que era Capitão-mór l^uiz de 
Miranda Henriques, no anno de 1647. Oferecida á MageS" 
tade d'' El rei D. João IV. Lisboa, na Officina Craesbeeckia- 
iia. 1650. 4. Consfa de 52 paginas. (Livraria do Arcbivo Na- 
cional, Relações da índia. vol. 1. num. 4). Sahiu reimpressa 
na Collecção dos Naufrágios. 

1057. Bento Teixeira Pinto, natural de Pernambuco. 
E. Naufrágio que passou Jorge de Albuquerque Coelho, Ca- 
pitão e Governador de Pernambuco : e ahi mesmo : Proso- 
popêa dirigida a Jorge de Albuquerque Coelho, Capitão e Go- 
vernador de Pernambuco, Lisboa , por António Alvares. 



198 



BIBUOGRÀPHIA HISTÓRICA 



1601. 4. (Livraria das Necessidades, a da Ex."* Casa do 
Redondo, e a do Sr. Conselheiro Macedo). Sahia reimpresso 
no tom. 2^. da Historia Tragico-Maritima . 

1058. Bernardo Gomes de Brito, natural de Lisboa, 
colligiu e deu á luz : Historia Trágico- Marítima, em que se 
escrevem chronologicarnente os navfragios que tiveram as Naus 
de Portugal^ depois que se poz em exercido a navegação da 
Jndia. Tom.. 1. Lisboa Occidental, na Officina da Congre- 
gação do Oratório. 1735. 4, Tom, 2. Ibi, na dita Officina. 
1736. 4. 

1059. Caetano José da Rocha e Mello, bacharel for- 
mado em Cânones. E. Naufrágio Carmelitano, ou Relação 
do notável successo que aconteceu aos Padres Missionários Car- 
melitas Descalços, na viagem, que faziam, para o Reino de 
Angola, no anno de 1749. Refere-se o como foram, captivos 
pelos negros de Guiné, e os usos e costumes que n''aquelle gen- 
iilismo viram observar ; tracta-se dos trabalhos que padece- 
ram no tempo do captiveiro, e os meios que tiveram para o 
seu resgate. Lisboa, na Officina de Manuel Soares. 1750. 4. 
Consta de 15 paginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Pa- 
peis Vários I). D'este auctor se esqueceu o Abbade Barbosa. 

1060. Diogo do Couto. ¥i. Relação do naufrágio da Nau 
S. Thomê, na Terra dos Fumos, no anno de 1589- e dos 
grandes trabalhos que passou D. Paulo de JLima, nas terras 
da Cafraria, até síia m.orte. Anda no tom. 2. da Historia 
Trágico- Maritima, e foi extrahida da Vida de D. Paulo de 
JLima Pereira, que subsequentemente sahiu á luz : Lisboa, 
na Officina de José Filippe. 1765. 8. 

1061. Elias Alexandre e Silva, militou no Brasil, e 
escreveu : Relação ou Noticia particular da infeliz viagem 
da Nau de Sua Magestade Fidelíssima Nossa Senhora d^A- 

juda e S. Pedro de Alcântara, do Rio de Janeiro para a 
Cidade de JLisboa, no anno de 1778. Lisboa, na Regia Offi- 
cina Typographica. 1778. 4. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa, Papeis Vários |). (*) 

1062. Félix José da Costa Júnior. E. Memoria His- 
tórica do horrível Terremoto de 15 de Junho de 1841, que asso- 
lou a Villa da Praia da Victoria, da Ilha Terceira. Angra do 
Heroismo, na Imprensa da Administração Geral. 1841. 4. (*) 

1063. Francisco Vaz de Almada, militou na índia, 
e escreveu : Tractado do successo que teve a Nau S. João 
Baptista, e jornada que fez agente que d''eUa escapou, desde 
trinta etres graus no Cabo de Boa-Esperança, onde fez nau- 
frágio, até Sofala, vindo sempre marchando por terra. Lis- 
boa, por Pedro Craesbeeck. 1625. 4, Consta de 41 folhas 



PORTUftUEZA. 



199 



numeradas de uma só parte. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa, Papeis Vários ^). Sahiu reimpressa na Colherão dos 
Naufrágios. 

1064. P. Gaspar Âffonso, jesuíta, natural de Serpa. E, 
Relação da viagem e successo que teve a Nau S, Francisco, em 
que ia por Capitão Vasco da Fonseca, na Armada que foi para 
a índia, no anno de 1596. Sahiu no tom. 2. da Historia 
Trágico- Maritima. 

1065. HENRiauE Dias, criado do Senhor D. António, 
Prior do Crato. E. Relação da viagem e naufrágio da Nau 
S. Paulo, que foi para a Índia no anno de 1560, de que 
era Capitão Ruy de Mello da Camará, Mestre João Luiz, 
e Piloto António Dias, com a descripção da Ilha de Sama- 
tra. Sahiu impressa no tom. 1. da Historia Tragico-Maritima. 

1066. Joio António da Costa e Andrade, natural de 
Santarém. E. Conversação erudita; Discurso familiar ; Con- 
ferencias ascéticas, históricas, politicas, ephilosophicas sobre os 

effeitos do Terremoto do primeiro de Novembro, na Villa de 
Santarém. Lisboa, na Officina de José da Costa Coimbra. 
1756. 4. (*) 

1067. Joio Baptista Lavanha. E. Navfragio da Nao 
S. Alberto,' e itinerário da gente, qve delle sesalvov. De João 
-Baptista havanha Cosmographo mor de Sua Mageslade. De- 
dicado ao Princepe Dom Philippe Nosso Senhor. Em Lis- 
boa. Em casa de Alexandre de Siqueira. Anno 31. D. XC VII. 
Com Licença, <^' Privilegio. 8. (Livraria da Academia Real 
das Sciencias, e a do Sr. Conselheiro Macedo). Sahiu reim- 
presso no tom. 2. da Historia Trágico- Mar itima, e na Col- 
lecção dos Naufrágios, 

106r>. Joio Carvalho Mascarenhas, natural de Lis- 
boa. E. Memorável Relação da perda da Nau Conceição, 
que os turcos queimaram á vista da barra de Eisboa ,• vários 
successos das pessoas que n''ella captivaram, e descripção nova 
da Cidade de Argel, de seu governo, e cousas mui notáveis 
acontecidas nos annos de 1621 até o de 1626. Lisboa, por 
António Alvares. 1627. 4. (Livraria do Archivo Nacional, 
Relações da índia» vol. 1. num. 2, e a das Necessidades). (*) 
Sahiu reimpressa na Collecção dos Naufrágios. 

1069. JoAauiM JosÉ Moreira de Mendonça. 'K. Nar- 
ração individual do Terremoto do primeiro de Novembro de 
1755, e noticia verdadeira dos seus effeitos em Lisboa, todo 
Portugal, Algarves emais partes da Europa, Africa, e Ame- 
rica, aonde se estendeu. Sahiu no fim da sua Historia Uni- 
versal dos Terremotos que tem havido no Mundo. Lisboa, 
na Ofâcxna de António Vicente da Silva, 1758. 4. 

26 



200 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



1070. José de Cabreira. E. Naufrágio da Nau Nossa 
Senhora de Selem, feito na terra do Natal, no Cabo daJBoa- 
Esperanga. Successos que teve o Capitão José de Cabreira^ 
que n''ella passou á índia no anno de 1635, fazendo o offi- 
cio de almirante d^aquella frota, até chegar a este Reino, 
Offerecidos a Diogo Soares, do Conselho de Sua Magestade, 
e seu Secretario de Estado em Madrid. Lisboa, por Louren- 
ço Craesbeeck. 1636. 4. Consta de 32 folhas numeradas de 
uma só parte. (Livraria do Archivo Nacional, llelagões da 
índia. vol. 1. num. 3). Sahiu reimpressa na Collecgão dos 
Naufrágios. 

1071. José de Oliveira TrovSo e Sousa. E. Carta 
em que um, am,igo dá noticia a outro do lamentável successo 
de Lisboa. Coimbra, na Officina de Luiz Secco Ferreira. 
1755. 4. Refere-se ao Terremoto do primeiro de Novembro. 
Consta de 26 paginas. (*) D'este escriptor deixou de fazer 
memoria o auctor da Bibliotheca Lusitana. 

1072. Luiz António de Araújo. E. Memoria Chrono- 
logica dos trem>ores m,ais notáveis, e irrupções de fogo aconte^ 
eidos nas Ilhas dos Açores, com a relação dos tremores que 
houveram n''esta Ilha Terceira, desde 24 de Junho de 1 800, 
até 4 de Setembro immediato. Lisboa, na Typographia do 
Arco do Cego. 1801. 8. Consta de 24 paginas. (*) 

1073. Luiz Montez Mattoso, natural de Santarém. E. 
Relação do horroroso estrago e ruina succedida no Mosteiro 
das Religiosas de S. Domingos, das Donas de Santarém. 
Lisboa, em a nova Officina Silviana. 1746, e não 1742, co- 
mo diz Barbosa. 4. Consta de 7 paginas, sem o nome do 
auctor. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários ^). 

1074. P. Manuel Barradas, jesuita. E. Relação da 
viagem e successo que tiveram, as Naus Águia e Garça, vindo 
da índia para este Reino,, no anno de 1559, com, a descri- 
pção da Cidade de Columbo. Sahiu no tom. 1. da Historia 

Tragico-Maritima . 

Í075. Fr. Manuel de Figueiredo, eremita de Santo 
Agostinho, e chronista da sua Religião, natural de Campo 
Maior. E. Noticia do lastimoso estrago que, na madrugada 
do dia IQ de Setembro de 1732, padeceu a Filia de Campo 
Maior, causado pelo incêndio com que um raio, cahindo no 
armazém da pólvora, arruinou as torres do Castello, e com 
ellas as casas da Villa. Lisboa Oriental, na Officina Au- 
gustiniana. 1732. 4. Doze paginas de impressão. Sahiu era 
nome de António "Dias da Silva e Figueiredo, e foi reim- 
pressa no mesmo anno, sem o nome do Impressor. 4. (*) 

1076. Manuel Godinho Cardoso, natural de Lisboa, 



PORTUGUEZà. 



âoi 



E. Relação do naufrágio da Nau Santiago, « itinerário 
da gente que d''elle se salvou. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1602. 8. e nao 1601. 4. como escreve o Abbade de Sever. 
Consta de 64 folhas numeradas de uma só parte. (Livraria 
do Ex."° D. Francisco de Mello Manuel). Sahiu reimpressa 
no tom. 2. da Historia Tragico-Maritima, e na Collecgão 
dos Naufrágios. 

1077. Manuel de Mesguita Perestrello. E. Nau- 
frágio da Nau S. Bento, sendo Capitão Fernão Alvares Ca- 
bral, que se perdeu a 22 de Abril de 1554, na costa da Terra 
do Natal, junto do rio do Infante, em altura de trinta e dois 
graus e um terço, da banda do Sul, e dos incríveis trabalhos 
que passaram os que d''elle escaparam. Sahiu pela primeira 
vez á luz, segundo o testemunho do Abbade de Sever : Coim- 
bra, por João de Barreira. 1564. 8. edição de que nao des- 
cobrimos nenhum exemplar. Acha-se porém reimpresso no 
tora. 1. da Historia Trágico- Marítima. 

1078. Manuel Rangel. E. Relação do naufrágio da Nau 
Conceição, de que era Capitão Francisco Nobre, a qual se per- 
deu nos baixos de Pêro dos Banhos, aos 22 dias do mez de Agosto 
de 1555. Sahiu no tom. 1. da Historia Trágico- Marítima. 

1079. Fr. Manuel doSepulchro, franciscano, natural 
de Villa Nova de Portimão. E. Relação do naufrágio que 
padeceu no anno de 1636. Acha-se impressa na Historia Se- 
ráfica, de Fr. Fernando da Soledade, part. 5, liv. 4. cap. 
45. num. 1266. 

1080. P. Marcellino ba Silva Pimentel, presbytero, 
natural de Coruche. E. Relação do notável incêndio, e las- 
timoso estrago que houve no Real Convento de S. Francisco, 
em quinta feira 30 de Novembro de 1741. Lisboa, na Offi- 
cina Alvarense. 1741. 4. Doze paginas de impressão. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários 35)» 

1081. Melchior Estaco do Amaral, natural d'Evo- 
ra. E. Tractado das batalhas e successos do Galeão Santia- 
go com os Hollandezes, na Ilha de Santa Helena. JE da 
Nau Chagas com os Inglezes, entre as Ilhas dos Açores, am- 
bas Capitanias da carreira da Índia. E da causa e desastres 
porque em, vinte annos se perderam trinta e oito Naus d''el' 
la ,• com outras cousas curiosas. Dirigido ao Mxcellentissimo 
Príncipe D. Theodosio, Duque de Bragança. Lisboa, por 
António Alvares. 1604, e nao 1602, como escreve Barbosa. 4. 
Consta de 65 folhas numeradas de uma só parte. (Livraria 
do Archivo Nacional, Relações da índia. vol. 1. num. l). 
Sahiu reimpresso no tom. 2. da Historia Tragico-Maritima, 
e na Collecgão dos Naufrágios^ 



HppUpP 



202 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



1082. Miguel Tibério Pedegache, coronel de um re- 
gimento suisso de guarnição em Setúbal. E. Nova e Fiel Re- 
lagão do Terremoto que experimentou Lisboa e todo Por- 
tugal ^ no primeiro de Novembro de 1755. Lisboa, na Offi- 
cina de Blanuel Soares. 1756. 4. Consta de 23 paginas. (*-) 

1083. Fr. Nuno da Conceição, religioso da Terceira' 
Ordem, natural de Torres Vedras. E. Relação da viagem 
e successo que teve a Nau Capitania Nossa Senhora do Bom, 
Bespacho, de que era Capitão Francisco de Mello, vindo da 
índia no anno de 1630. Lisboa, na Officina de Pedro Craes- 
beeck. J631. 4. Consta de 47 paginas. Sahiu reimpressa na 
Collecgão dos Naufrágios, 



1084. Bescripgão dos tremores de terra que na ViUa da 
Praia da Victoria tiveram logar no mez de Junho de 1841, 
e dos antigos que tem havido nos Agores. Angra, na Imprensa 
de Joaquim José Soares. 32. Consta de 12 paginas. 

1085. Destruição de Lisboa, e famosa desgraça que pa- 
deceu no dia primeiro de Novembro de 1765, Lisboa. 1756.4. 
sem o nome do Impressor. Consta de 15 paginas. (*) 

1086. Historia da mui notável perda do Galeão grande 
S. João. Em' que se contam os grandes trabalhos e lastimosas 
cousas que aconteceram ao Capitão Manuel de Sousa. E o 
lamentável fim que elle e sna tmdher e filhos, e toda a mais 
da gente houveram. O qual se perdeu o anno de 1552, a 24 
de Junho, na terra do Natal, em trinta e tim graus. Lisboa, 
por António Alvares. 1625. Consta de dezeseis quartos de 
papel, sem números nas paginas. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, Papeis Vários ^). Sahiu reimpressa: ibi, pelo dito 
Impressor. 1633. 4. (*) e no tom. 1. da História Trágico- 
Maritima, e na Collecção dos Naufrágios. De uma historia 
d'este naufrágio, impressa em Lisboa no anno 1554, por João 
de Barreira, e attribuida ao guardião Álvaro Fernandes, faz 
memoria a Bibliotheca Lusitana: se é a primeira edição 
d'esta de que tractâmos, do prologo se deprehende ser outro 
o seu auctor. 

1087. Noticia do grande estrago causado por uma grande 
tormenta que houve na Filia de Vianna, e outras terras cir- 
cumvisinhas, no dia 20 do mez de Setembro do presente anno , 
Lisboa. 1758. 4. sem o nome do Impressor. Consta de 5 pa- 
ginas. (^) 

Í08S. Relação do lastimoso naufrágio da Nau Conceição, 



PORTUGVEZi. 



203^ 



chamada Algaravia a Nova, de que era Capitão Francis . 
Nobre y a qual se perdeu nos baixos de Pêro dos Banhos, em 
22 de Agosto de 1555. Sahiu na Collecção dos Naufrágios, 

1089. Relação do naufrágio da Nau Santa Maria da 
Barca, de que era Capitão D. Luiz Fernandes de Vascon- 
cellos, a qual se perdeu, vindo da Índia para Portugal, no 
anno de 1559, Sahiu no tom. 1. da Historia Tragico-Ma- 
ritima. 

1090. Relação do tremor de terra e fogo que arrebentou 
na Ilha do Fayal em 1672. Lisboa, na Officina de António 
Craesbeeck de Mello. 1673. 4. Consta de 15 paginas. (Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Vários j). 

1091. Relação do lamentável e horroroso 'Terremoto que 
sentiu, na noite do ultimo dia do mez de Março, para o pri- 
meiro de Abril de 1748, a Ilha da Madeira^ extrahida de 
outra que veio do Funchal, escripta a 17 de Abril do mesmo 
anno. Lisboa, na Officina de Pedro Ferreira. 1748.4. Oito 
paginas de impressão. 

Relação dos terriveis effeitos que causou o Terremoto que 
sentiu a Ilha da Madeira, na noite de 31 de Março de 1748. 
Part. 2. compendiada de outra que se escreveu do Funchal, 
a 17 de Maio do mesmo anno. Lisboa, na dita Officina. 
1748. 4. Sete paginas de impressão. 

1092. Relação verdadeira e individual do formidável In- 
cêndio que se ateou no Hospital Real de Todos os Santos, da 
Cidade de Lisboa, em 10 de Agosto de 1750. Lisboa, na Of- 
ficina de Manuel Soares. 1750. 4. Consta de 8 paginas. (*) 

1093. Relação do grande e deplorável Incêndio que acon- 
teceu na Cidade de Lisboa, em o dia 5 do mez de Agosto do 
antio 1753, com a particular noticia de alguns mais que tem 
acontecido, desde o anno de 1750 até o presente, Lisboa, na 
Officina do Doutor Manuel Alvares Solano do Valle. 1753,4. 
Oito paginas de impressão. (*) 

1094. Relação do estrago e catastrophe snccedido na Ilha 
de S. Jorge, e m,ais circumvisinhas. Lisboa. 1757. 4, sem o 
nome do Impressor. Consta de 7 paginas. (*) 

1095. Relação dos estragos causados pela tempestade que 
houve na noite do dia 9 de Outubro de 1803, na Cidade do 
Funchal. Lisboa, na Impressão Regia. 1804. 4. Consta de 
3 paginas. («) 

1096. Resposta á Carta de José de Oliveira Trovão e 
Sousa, em que se dá noticia do lamentável successo de Lis- 
boa. Lisboa, na Officina de Domingos Rodrigues. 1756. 4. 
Consta de 15 paginas. (*) 

1097. Theatro lamentável ; Scena funesta ; Relação ver- 




5204- 



BIBLIOSRAPHIA HISTÓRICA 



dadeira do Terremoto do primeiro de Novemhro de l'J'55, 
com a noticia do estrago que causou em JLisboa e suas visi- 
nkangas ,• ruina do Reino do Algarve, e sustos de todo Por- 
tugal, Coimbra, na Officinade Francisco de Oliveira, 1756. 4. 
Consta de 19 paginas. (*) 



i 



PORTUaCEZA. 



20S 



TITULO 6." 



VIDAS E ELOGIOS DE VARÕES ILLUSTRES PORTUGUEZES. 



1098. Álvaro Pires de Távora. Escreveu: Historia 
de Fardes Illustres do appellido Távora, continuada em os 
Senhores da Casa e Morgado de Caparica ; com a relação 
de todos os successos públicos d''este Reino e suas Conquistas^ 
desde o tempo do Senhor Rei D. João III. a esta parte. No- 
ticia de casanirnt< s, guerras, pazes, ligas, negociações, e em- 
baixadas dos Senhores Reis de Portugal, e outros de Euro- 
pa, africa, e Ásia, em gue entrevieram aquelles de quem se 
escreve. Variz, por Sebastião e Gabriel Cramoisy. 1648. foi. 

1099. D. António de Atayde. E. Copia d''hvm papel, 
em qve Dom António d'' Attayde primeiro Conde da Casta- 
nheira, deu resão de si a seusfilhbs, e descendentes. Em Ma- 
drid, na Emprema Real. M.D.XCVIII. Consta de doze fo- 
lhas sem numeração, e é datado de Lisboa a 10 de Janeiro 
de 1557. 8. grande. (Livraria das Necessidades). 

1100. António Maria do Couto. E. Memorias sobre a 
vida de Manuel Maria de Barbosa du Bocage. Lisboa, na 
Offieina de Simao Thaddeú Ferreira. 1806. 8. 

1101. António Pereira de Figueiredo. E. Elogio 
fúnebre de D. Thomaz de Lima, decimo quinto Visconde de 

Villa-lSova da Cerveira. Lisboa, na Regia Offieina Typo- 
graphica. 1781. 4. (o) 

1102. António Ribeiro dos Santos. E. Memoria da 
vida e escriptos de D. Francisco de Mello. Sahiu no tom. 7. 
das Memorias de L.iiter atura Portugueza. Lisboa, na Offi- 
eina da Academia Real das Sciencias. 1806. 4. 

Memoria da vida e escriptos de Pedro Nunes. Acha-se im- 
pressa no dito tom. 

U03. António da Silva Sampaio, beneficiado da Ba- 
sílica de Santa Maria, natural de Lisboa. E. Elogio fúne- 
bre do Doutor Manuel Pereira da Silva Leal, Cavalleiro 
da Ordem de Christo, Lente de Cânones na Universidade dà 
Coimbra, CoUegial do Collegio Pontificio, Deputado do Santo 
Officio, §çc. Lisboa, na Offieina de Francisco da Silva. 
1744. 4. (@) (o) 

1104. D. António da VisitaçXo Freire, cónego re- 
gular. E. Vida de Fr. Bernardo 'de Brito, Monge Cister- 
ciense. e Chronista-mór do Reino» Sahiu á frente da. Primeira 




206 



filBLIOGRÂPHIÀ HISTOBICi. 



Parie da Monarchia Lusitana, reimpressa pela Academia 
Real das Sciencias. Lisboa, na Typographia da Academia. 
1806. 8. ^r o r 

1105. Bartholomeu de Sousa Mexia, natural de Lis- 
boa. E. Elogio do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor D. 
Francisco Paulo de Portugal e Castro, segundo Marquez de 
Valença, sétimo Conde do Vimioso, do Conselho de Sua Ma- 
gestade, Mordomo-mór da Rainha, êçc. Lisboa, na Officina 
de Francisco Luiz Ameno. 1749. 4. Sabiu com o supposto 
nome de Máximo Vaz Botelho e Vedras. (@) 

^ Elogio do muito Reverendo Padre B. José Barbosa, Clé- 
rigo Regular. Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues 
1750. 4. Anda em nome de Thomaz Xavier Muzeda e Lo' 
bo. (@) (@) 

Elogio do Illustrissimo e Excelleniissimo Senhor D» José 
António Francisco Lobo da Silveira, decimo Barão de Al- 
vito, terceiro Conde de Oriola, e primeiro Marquez de Alvi- 
to, dos Conselhos de Estado e Guerra, e Marechal General 
dos Exércitos de Sua Magestade Fidelissima. Lisboa, na Of- 
ficina de Miguel Rodrigues. 1773. 4. 

1106. Bernardo JosÉ de Lemos Castello-Branco, 
traduziu do castelhano, de Fr. António de Escobar : O He- 
roe Portuguez : Vida, proezas, victorias, virtude., e morte do 
Excellentissimo Senhor D. Nuno Alvares Pereira, Condesta- 
vet de Portugal, tronco dos Serenissimos Reis, e de toda a 
grandeza da Europa, religioso de Nossa Senhora do Carmo, 
e fundador do seu Convento de Lisboa. Lisboa, na Officina 
de Pedro Ferreira. 1744. 8. 

^1107. Boaventura Maciel Aranha. E. Epitome da 
vida e virtudes do Excellentissimo Senhor B. Rodrigo de Mou- 
ra Telles, Arcebispo de Braga, Primaz das Hespanhas. Sa- 
hiu no fim da obra d'este auctor intitulada : Cuidados da 
vida e descuidos da morte, Lisboa, na Officina Pinheiriense 
da Musica. 1743, 4. 

1108, Braz Jose Rebello Leite, presbjtero secular, 
natural de Lisboa. E. Encómio fúnebre na morte do Illus- 
trissimo e Excellentissimo Senhor D. Francisco Xavier José 
de Menezes, quarto Conde da Ericeira. Lisboa, na Officina 
de José da Silva da Natividade. 1744. 4. (@) 

^ 1109. D.Caetano de Gouvea, clérigo regular. E. JíJío. 
gio fúnebre na morte do Senhor José Contador de Argote. 
Acha-se impresso no tom. 16. daCollec. dos Docum. e Mem, 
da Academ. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina de José António da Silva. 1736. 4. grande. 
1110. Damião António de Lemos Faria e Castro. 



PORTCGCEZA. 



207 



E. JUogio do Eniiiientissimo SenJior Nuno da Cunha de Atay^ 
de, Presbytero Cardeal da Santa Igreja Romana, do titido 
de Santa Anastasia, Inquisidor Geral dos Dominios de Por- 
iiigal, e Conselheiro de Ijlstado das Fidelisnmas Mageúades 
de D. João V. e D. José. Lisboa, na Officina de Francisco 
Luiz Ameno. 1751. 4. sem o nome do auctor. (@) (o) 

1 11 1 . Diogo Barbosa Machado. E. Mlogio fúnebre do 
lícneficiado Francisco I jeitão Ferreira. Acha-se impresso no 
tom. 15. da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Real 
da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Officina de José An- 
tónio da Silva. 1735, 4. grande. 

Elogio do Padre António Fieira. Sahiu no Supplcinento 
ás Fozes Saudosas. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz 
Ameno. 1748. 4. 

1112. Diogo do Couto. E. Fida deD.Paido de 'Lima 
Pereira, Capilão-mór das Armadas do Edado da índia, on- 
de por seu valor e esforço nas batalhas de mar e terra, de 
que sempre conseguiu gloriosas victorias, foi chamado o Her- 
cules Portuguez :, com uma descripgão desde a Terra dos Fu- 
mos até o Cabo das Correntes, para •muitos útil, e para todos 
grata. Lisboa, na Ofíicina de José Fiiippe. 1765. 8, 

1113. Diogo Rangel de Macedo e AjLBuauERauE. E. 
Elogio do Reverendíssimo Padre Mestre Fr. Feríssimo de 
Ãíima, Provincial que foi da Ordem dos Pregadores, n^este 
Reino de Portugal e suas Conquistas, Deputado do Santo 
Officio da Inquisição de Coimbra, êÇc. Lisboa, na Officina 
de Miguel Manescal da Costa. 1745. 4. (@) 

1114. Fr. Domingos Teixeira, agostiniano, natural 
de Celorico. E. Fida de D. Nuno Alvares Pereira, segundo 
Condedavel de Portugal, Conde de Ourem, Arrayolos, e Har- 
cellos, ^*e. Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 1723. 
foi. e pela segunda vez : Lisboa, na Officina de Francisco 
Luiz Ameno. 1749. 4. D'esta edição se esqueceu Diogo Bar- 
bosa Machado na sua Bibliotheca Lusitana. 

Fida de Oomes Freire de Andrade, General de Artilheria 
do Reino do Algarve, Governador e Capitão General do Ma- 
ranhão, Pará e Rio das Amasonas, no Estado do Brasil. 
Part 1. Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 1724.8. 
Part. 2. Ihi, naOfficina de António Pedroso Galrão. 1727.8. 

1115. Félix José da Costa Júnior. E. Noticia Bio- 
graphica de Francisco d'' Ornellas da Camará Paím, Fidal- 
go da Casa Real, do Conselho d''Elrei D. Afonso Fí. Com- 
mendador da Ordem de Christo, Capitão-mór Governador do 
Castello de S. João Baptista da Ilha Perccira. Angra do He- 
roismo, na Typograpliia do Angrense. 1842. 4. 

27 



208 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



1116. Fernando António da Costa de Barbosa, na- 
tural de Guimarães. E. Elogio fúnebre ão Padre João Bap- 
tista Carbone^ da Companhia de Jesus. Lisboa, na Officina 
de Miguel Manescal da Costa. 1751. 4. (@)) (©) 

Elogio de Manuel Caetano Lopes do Lavre, Fidalgo da 
Casa Real, Secretario do Conselho Ultramarino, Sfc. Lisboa, 
na Officina de Miguel Rodrigues. 1754. 4. (©) (q) 

Elogio histórico, vida e morte do Eminentissimo e Reve- 
rendíssimo Senhor Cardeal D. Thomaz de almeida, primeiro 
Patriarcha da Santa Igreja de Lisboa, Capellão-mor de Sua 
Magestade, e seu Conselheiro de Estado, Lisboa, na Officina 
de Miguel Rodrigues. 1754. 4. (iQ)) (o) 

1117. D. Fernando Corrêa de Lacerda. E. Pane- 
gyrico ao Ecccellentissimo Senhor D. António Luiz de Me- 
nezes, Marquez de Marialva, Lisboa, na Officina de João 
da Costa. 1674. 4. 

1118. FiLippE Ferreira de Araújo e Cartro. E. 
Noticia Biographica de José Aleixo Falcão íVanzeller, Lis- 
boa, na Typograpliia da Sociedade Propagadora dos Conhe- 
cimentos Úteis. 1840. 8. 

1119. FiLippE JosÉ DA Gama, académico da Acade- 
mia Real da Historia Portogueza, natural de Lisboa. E. 
Mlogio do Illustrissimo Senhor D. Fr. JBartholomeu do Pi- 
lar, primeiro Bispo do Grão Pará, do Conselho de Sua Ma- 
gestade, e Religioso que foi da Ordem de Nossa Senhora do 
Carmo, da Província de Portugal. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina de Miguel Rodrigues. 1734. 4. (@) 

Oração fúnebre na morte do Illustrissimo Senhor D. Ma- 
nuel Caetano de Sousa ^ Clérigo Regular, do Conselho de Sua 
Blagestade, e Censor da Academia Real. Lisboa Occidental, 
na Officina de José António da Silva. 1736. 4. (o) 

Mlogio na morte do Eminentissimo Senhor D. João da 
Moita e Silva, Cardeal Presbytero da Santa Igreja de Ro- 
ma, e.primeiro Ministro de Estado. Lisboa, na Officina de 
Pedro Alvares da Silva. 1743. 4. (@) 

1150. FiLippE ÊÍAciEL, académico da Academia Real 
da Historia Portogueza, natural de Lisboa. Ei. Elogio do Pa- 
dre António Simões, da, Companhia de Jesus. Sabiu no tom. 
4. da Collec. dos Dociim. e Mem,. da Academ. Lisboa Occi- 
dental, na Officina de Pascboal da Silva. 1724. foi. 

1121 Fr. Fo-rtunato de S. Boaventura. E. Memo- 
ria de algumas particularidades com que se pode acrescentar 
e corrigir o que até o presente se tem publicado sobre a vida 
e escriptos do Chronista-mor Fr, Bernardo de Brito. Sahiu 
no tom, 7, das Memorias da Academia Real das Sciencias. 



PORTUGUEZA, 



209 



Lisboa, na Typographia da Academia. 1821. foi. Vejam-se 
também os capitules 13 e 14. tit. 3. da Historia Ckronologica e 
Critica da Real Abb adia de Alcobaça^ publicada pelo auctor. 
Lisboa, na Impressão Regia. 1827. foi. 

Memoria sobre ávida do Chronista-mór Fr. António Braii' 
dão, e o que se pode acrescentar ao Catalogo dos S6us escri- 
ptos, que vem na Bibliotheca Lusitana. Sabiu no tom. 8. 
part. 2. áãs Memorias da Academia Meai das Sciencias. Lis- 
boa, na Typograpbia da Academia. 1323. foi. 

Memoria do que se pode acrescentar ao que corre impresso 
na Bibliotheca Lusitana sobre a vida e escriptos do Chronista- 
mór Fr. Francisco Brandão. Anda no tom. 10. part. 1. das 
ditas 3Iemorias. Lisboa, na Typographia da Academia. 
1827. foi. 

Elogio histórico do Chronista-mór Fr. Manuel dos Santos, 
Veja-se a introducçao da já citada Historia Chronologica e 
Critica da Real Abbadia de Alcobaça. 

1122. Francisco Alexandre Lobo. ^. Mlogio históri- 
co do Excellentissimo e Rever endissimo Bispo Inquisidor Ge- 
ral D. José Maria de Mello. Acha-se impresso no tom. 6. 
part. 1. àãs Memorias da Academia Real das Sciencias. Lis- 
boa, na Typograpbia da Academia. 1819. foi. 

Memoria histórica e critica acerca de Luiz de Camões, e 
das suas Obras. Sabiu no tom. 7. das Memorias da Acade- 
mia Real das Sciencias. Lisboa, na Typograpbia da Acade- 
mia. 1821. foi. 

Memoria histórica e critica acerca de Fr, Luiz de Sousa^ 
e das suas Obras, Anda impressa no tom. 8. part. 1. das 
ditas Memorias. Lisboa , na Typograpbia da Academia. 
1823. foi. 

Discurso histórico e critico acerca do Padre António Viei- 
ra, e das suas Obras. Coimbra, na Imprensa da Universida- 
de. 1823. foi. sem o nome do auctor. 

Resumida Noticia da vida de D. Nuno Caetano Alvares 
Pereira de Mello, sexto Duque de Cadaval. Pariz, na Ty- 
pograpbia de Casimir. 1837. 8. sem o nome do auctor. 

1123. D. Francisco de Almeida, Conde de Lavradio. 
E. Apontamentos para o Elogio histórico do Illustrissim,o e 
Excellentissimo Senhor Francisco Manuel Trigoso de Ara- 
gão Morato, do Conselho de Estado, Ministro e Secretario de 
Estado Honorário, Par do Reino, Vice Presidente da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa, êçc. Lisboa, na Typo- 
grapbia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis. 
1840. foi. 

1124. Francisco de Assiz e Sousa Vaz. E. Elogio de 



210 



BIBLIOGRAPHU HISTÓRICA 



António José de Sousa, Lente da Eschola Medico-Cirurgica 
Portuense. Saliiu no 6. num. dos Annaes da Sociedade Lit- 
teraria Portuense, Porto, na Typographia de Alvares Ribei- 
ro. 1838. 8, 

1125. Fkancisço de Borja Garção Stockler, depois 
Barão da Viila da Praia. E. Breve Noticia da vida e obras 
de Francisco Dias Gomes. Sahiu á frente das Obras Poéticas 
d'este célebre philologo. Lisboa, na Typographia da Acade- 
mia Real das Sciencias. 1799. 4. 

Elogios de José Joaquim Soares de Barros e Vasconcellos, 
Sócio da Academia Meai das Sciencias de Lisboa ; Jloherto 
Nunes da Costa, Professor Régio de Grammatica Latina^ 
Martinho de Mello e Castro, Ministro e Secretario de Esta- 
do dos Negócios da Blarinha e Ultramar ,• Bento Sanches 
dWrta, Astrónomo e Geographo ; e de Guilherme Luiz An- 
tónio de Valleré, Tenente General dos Exércitos de Sua Ma- 
gestade Fidelíssima. Andam impressos no tom. 1. das Obras 
do auctor. Lisboa, na Typographia da Academia Real das 
Sciencias. 1805. 8. O ultimo sahiu de novo, muito acrescen- 
tado, por diligencia de D. Maria Luiza de Valleré : Pa riz, 
na Ofíicina de Firmin Didot. 1808. 8. grande, era portu- 
guez e francez. 

Elogios de D. Thomaz Caetano de Bem, Clérigo Regular, 
e de Paschoal José de Mello Freire dos Reis. Andam impres- 
sos no tom. 2. Lisboa, na Typograpliia Silviana. 1826. 8. 
Este ultimo, tinha sahido : ibi, na Tjpographia da Acade- 
mia Real das Sciencias. n^O. 4. (o) 

ÍÍ26. Francisco José da Costa, professor de Philoso- 
phia. E. Elogio fúnebre consagrado á memoria do Illusiris- 
simo e Excellentissimo Senhor D. Rodrigo Xavier Telles de 
Castro da Gama Atayde e Noronha Silveira e Sousa, Blarquez 
de Niza. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1784. 4. 
1127. ^Francisco José Freire. E. Elogio de D, Fran- 
cisco Xavier Mascarenhas, Cavalleiro prcfesso da Ordem de 
Ckristo, Coronel que foi de um dos Regimentos de Marinha, 
e Commandante da Esquadra que no anno de 1740 foi para 
o Estado da índia, com patente de Sargento-mor de Bata- 
lha. Lisboa, na Ofíicina de António Isidoro da Fonseca. 
1742. 4. (^) (o) 

Elogio do muito Reverendo Padre Mestre Fr. Caetano 
</e S. José, Carmelita Descalço da Provinda de Portugal, 
Lisboa, na Ofíicina Silviana. 1745. 4. (@) (©) 

Elogio de José de Sousa, Académico Anomjmo de Lisboa, 
Lisboa, na Ofíicina de António Isidoro da Fonseca. 1745. 
4. (@) 



Real da Hist. Porf. Lisboa Occidental, na Officina 



PORTUGUEZA. 211 

Elogio do Excellentissimo e Reverendíssimo Senhor D. 
Francisco de Almeida Mascarenhas, Principal da Santa Igre- 
ja de Lisòoa, do Conselho de Sua Magesiade, éfc. Lisboa, 
na Officina de Ignacio Rodrigues. 1745. 4. (@) (o) 

Segundo Elogio na morte do Excellentissimo e Reveren- 
dissimo Senhor D, Francisco de Almeida Mascarenhas, Lis- 
boa, na Officina Silviana. 1745.4. em estilo lapidar. (@) (o) 

Elogio do Illitstrissimo e Excellentissimo Senhor D> Fran- 
cisco Paulo de Portugal e Castro, segundo Marquez de Va- 
lença, sétimo Conde de Vimioso. Lisboa, na Officina de Fran- 
cisco Luiz Ameno. 1749. 4. (@)) (o) 

1128. Francisco Leitão Ferreira. E. Elogio fune-- 
hre do Reverendissimo Padre Fr. Miguel de Santa Maria, 
Sahiu no tom. 8- da Collec. dos Docum. e Mem. da Aca- 
dein 
de José António da Silva. 1728. foi 

1129. D. Francisco de S. Luiz. E. Memoria da vida 
e escripios de Jacob de Castro Sarmento. Sahiu no 1. numt 
dos Annaes da Sociedade Litteraria Portuense. Porto, na 
Imprensa de Alvares Ribeiro. 1837. 8. 

Noticia do Ínclito varão D. Egas Moniz, de Riba do Dou- 
ro. Acba-se impressa no Panorama, Jornal Litterario, num. 
116, de 20 de Julho de 1839. 

1130. Francisco Manuel Trigoso de Aragão Mo- 
RATO. E. Index Chronologico da vida de António Pereira de 
Figueiredo. Sahiu com o catalogo das Obras de Pereira. 
Lisboa, na Officina de Siraao Thaddeu Ferreira. 1800. 4. 
sem o nome do auctor. 

Elogio histórico do Excellentissimo e Reverendíssimo D, Fr, 
Manuel do Cenáculo, Arcebispo d'' Évora. Sahiu no tom. 4. 
part. 1. das Memorias da Academia Real das Sciencias, Lis- 
boa, na Tjpographia da Academia. 1815. foi. 

Elogio histórico de João guilherme Christiano Muller, 
Acha-se impresso no tom. 4. part. 2. das ditas Memorias. 
Ibi, na Typographia da Academia Real das Sciencias. 1816. 
foi. 

1131. Fr. Francisco do Monte Alverne, religioso da 
Provincia d'Arrabida. E. Descripcão das notáveis acções 
com que se dispoz para a morte o Illustrissimo e Excellentis- 
simo Senhor D. JSuno Caetano Alvares Pereira de 3Iello, 
Conde de Tentúgal, Marquez de Ferreira, Duque de Cada- 
val, ^c, Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno, 
1784. 4. 

1132. Francisco Nunes Franklin, sócio da Academia 
Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria breve deD.Jor- 




5212 BiULioeãAPEiA mâTomcA 

ge da Costa, Cardeal de Lisboa, Saliiu impresso no tom. 8. 
part. 1. das Memorias da Academia Real das Sciencias, Lis- 
boa, na Typographia da Academia. 1823. foi. 

1133. Francisco de Paula Villaseoas. E, Elogio 
histórico do Illustrissimo e Mxcellentudmo Pedro de Mello 
Breyner. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1834, 4. sem o no- 
me do auctor. (o) 

1134. D. Francisco Pauio de Poutugai. e Castro, 
oitavo Conde de Vimioso, e segundo Marque,^ de Valença. 
E, Elogio do Padre Jeronymo de Castilho^ da Companhia de Je- 
sus, Sahiu impresso no tom. 10. da Collec. dos Doeum. e 
Mem. da Academ* Meai da Hist. Port. Lisboa Occidental, 
na Ofíicina de José António da Silva. 1730. foi. 

Elogio do Padre Pedro de Almeida, da Companhia de Jesus» 
Sahiu no tom. 11. da dita Collecgão. 

Elogio do Padre D . Manuel Caetano de Sousa. Ácha-se im- 
presso no tom. 14. Lisboa Occidental^- na Officina de José 
António da Silva. 1734. foi. 

Elogio fúnebre do Excellentissimo Senhor Manuel Telles 
da Silva, Marquez de Alegrete. Sahiu no tom. 16. Lisboa 
Occidental, na Officina de José António da Silva. 1736. 4. 
grande. 

Elogio fúnebre de Diogo de Mendonça Corte Real, Secre- 
tario de Estado. Acha-se impresso no dito tom. 

Elogio fúnebre de Belchior do Rego de Andrade, Lisboa 
Occidental, na Officina de Miguel Ptodrigues. 1738. 4. 

Elogio fúnebre do Illustri&simo e Excelleníissimo Senhor 
Conde de Tarouca João Gomes da Silva. Lisboa Occidental, 
na Officina de Miguel Rodrigues. 1739. 4. (©) . 

Segundo Elogio fúnebre do Illustrissimo e Mxcellentissimo 
Senhor Conde de Tarouca João Gomes da Silva. Ibi, na 
dita Officina 1739. 4. (o) 

Elogio ao Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez 
de Abrantes D, Rodrigo Annes de Sá. Lisboa , na dita 
Officina. 1745. 4. Devo acrescentar-se á MíbliotJieca Lusi- 
tana. 

Elogio fúnebre do Excellentissimo e Reverendissimo Senhor 
D. Alvará de Abranches, Bispo de Leiria. Lisboa, na dita 
Officina. 1746. 4. (o) 

1135. Francisco Soares Toscano, natural d'Evora. E. 
Parallelos de Principes e Varões Illustres antigos, a que mui- 
tos da nossa Nagão Portugucza se assemelharam em &uas obras, 
ditos, e feitos j com, a origem das armas de algumas Famílias 
d'* este Reino. Ao Excellentissimo Senhor D. Tiíeodosio, se- 
gundo do nome, Duque de Bragança, Évora, por Manuel 



PORTCaUEZA. 



213 



Carvalho, 1623. 4. Sahiram pela segunda vez, com ura ad- 
dicionamento de 60;Parallelos, compostos pelo Conde da Eri- 
ceira D. Francisco Xavier de Menezes : Lisboa Occidental, 
na Oflicina Ferreiriana. 1733. 4. 

1136. D. FiiANGisco Xavier de Menezes, quarto Con- 
de da Ericeira. E. JLlogio de Francisco Dionísio de Almei- 
da da Silva e Oliveira., Fidalgo da Casa Real. Sahiu no 
tom. 2. da Colhe, dos Docum. e Mem. da Academ, lleal 
da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Oflicina de Paschoal 
da Silva. 1722, foi. 

Elogio de D. Francisco de Sousa^ Capitão da Guarda Ale^ 
inan de Sua Blagestade^ Alcaide-mór da Certan e Pedró- 
gão. Sabia no tom. 9. da àiiíx Collec^ão . Lisboa Occidental, 
na Officina de José António da Silva. 1729. foi. 

Elogio fúnebre na morte do Senhor Marquez de Abrantes 
D, Rodrigo Annes de Sá Almeida e Menezes, Sahiu no tom. 
13. Ibi, na dita Officina. 1733. foi. 

Elogio do Reverendíssimo Padre D. Rafael JSluteau, Clé- 
rigo Regular. Acha-se impresso no tom. 14. Ibi, na dita 
Officina. 1734. foi. 

Juízo Histoiico do retrato e escriptos de Manuel de Faria 
e Sousa. Anda com a reimpressão do Retrato, escripto em 
castelhano por D.Francisco Moreno Porcel. Lisboa Occiden- 
tal, na Officina Ferreiriana. 1733. foi. 

Elogio fúnebre do Doutor Francisco Xavier Leitão, Me- 
dico da Camará de Sua 31agesiade, Cirurgião-môr do Rei- 
no, Sfc. Lisboa Occidental, na Officina de Miguel Rodri- 
gues. 1740. 4. {©) (o) 

Elogio fúnebre na morte do Senhor D. Fernando de Me- 
nezes^, filho do IlLustrissimo e Exceli eniissimo Senhor D. L-iiz 
Carlos de Menezes, 3Iarquez do Louriçal, e segunda vez Vi- 
cerei da índia ; com, a varonia histórica e genealógica dos Me- 
nezes da sua illustre família. Lisboa, na Officina dos her- 
deiros de António Pedroso Gaírão. 1742. 4. Sahiu em nome 
do P. Manuel de Almeida Corrêa. (©) (o) 

Elogio do Excellentissimo Senhor D. António Lidz de Sou- 
sa, Marquez das Minais, recitado na Academia Portugueza. 
Sahiu impresso nas Provas da Historia Genealógica da Casa 
Meai. tom. 6. liv. 14. num. 32. 

1137. Francisco Xavier de Oliveira, professor ré- 
gio de Rhetorica. E. Mlcgios do Condestavel D.Nimo Alva- 
res Pereira, e de AJfonso de Albuquerque. Lisboa, na Offici- 
na de João António da Silva. 1798. 8. 

1138. Gomes Eannes de Azurara. E. Chronica do Con- 
de D, Pedro de Menezes* Sahiu no tora. 2. da CoUecção de 



wmmm 



21 



BIBLI0GRÀ1»H1A HISTÓRICA 



Livros Inéditos de Historia Portugueza. Lisboa, na Officina 
da Academia Real das Sciencias. 1792. foi. 

Chronica do Conde D. Duarte de Menezes. Sabiu no tom. 
3. da dita Collecgão. Lisboa, na Officina da Academia. 
1793. foi. 

1139. Gonçalo José de Araújo e Sousa. E. Panegy- 
rico histórico da vida do Illustrissimo e Excelleniissimo Se- 
nhor D. António Soares de Noronha, Tenente General dos 
Meaes Exércitos, Encarregado do Governo das Armas da 
Corte e Provinda da Estremadura, Governador da Torre de 
S. Vicente de Belém, ^c. Lisboa, na Typographia Lacer- 
dina. 1815. 8. 

1140. Gonçalo Manuel Galvão de Lacerda, natural 
de Lisboa. E, Elogio fúnebre de José da Cunha Brochado. 
Sahiu no tom. 13. da Collec. dos Bocum. e Blem. da Aca- 
deni. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Ofâcina de 
José António da Silva. 1733. foi. 

1141. Ignacio Barbosa Machado. E. Panegyrico áim- 
mortalidade do Excellentissimo Senhor Manuel Carlos de Tá- 
vora, Conde de S. Vicente, do Conselho de Sua 31agestade, 
e General de Batalha da Armada Real, em que se louvam 
as gloriosas acções do seu animo, e se relata a insigne victo- 
ria naval que alcançou dos turcos, nos mares da Grécia. Lis- 
boa Occidental, na Officina de José Lopes Ferreira. 1718.4. 
Sahiu em nome de Valeriano da Costa Freire. 

1142. Jacinto Freire de Andrade, abbade de Santa 
Maria das Chans, natural de Beja. E. Vida de D. João de 
Castro, quarto Vicerei da índia. Impressa por ordem de seu 
Neto o Bispo D, Francisco de Castro, Inquisidor Geral n''es- 
ie .Reino, do Conselho de Estado de Sua Magestade. Lisboa, 
na Officina Craesbeeckiana. 1651. foi. Ibi, na Officina de 
João da Costa. 1671. foi. Ibi, na Officina dos herdeiros de 
Miguel Deslandes. 1703. foi. Lisboa Occidental, na Officina 
da Musica. 1722. 8. Ibi, na Officina de António Isidoro da 
Fonseca. 1736. 4. Lisboa, na Officina de Domingos Rodri- 
gues. 1747.4. edição de que não fez memoria o Abbade Bar- 
bosa. Pariz, na Officina de Francisco Ambrósio Didot. 1759. 

vl2. Ibi, na dita Officina. 1769. 12. Ibi, na Officina deStou- 
pe. 1779, 12. (D'esta mesma edição appareceram alguns exem- 
plares com differente rosto: Lisboa, na Typographia de J. 
F. M. de Campos. 1823.) Lisboa, na Officina de António 
Gomes. 1786. 8. Ibi, na Officina de Simão Thaddeu Ferrei- 
ra. 1798. 8. Ibi, na Impressão Regia. 1804. 4. Pariz, na 
Officina de J. Smith. 1818. 12. Lisboa, na Typographia 
Rollandiana. 1786. 1815. 1822. 1834, 1839. 8. Ibi, naTy- 



l>OHTUfll]EZA. 



216 



pographia da Academia Real das Sciencias. 1835. 4. enre- 
quecida de notas, auctorisadas com documentos originaes e 
inéditos, por D. Francisco de S. Luiz. Esta edição sahiu de 
novo: Pariz, em Casa de Aimé André. 1837. 12. 

1143. D. Jayme de Mello, terceiro Duque de Cada- 
val, quinto Marquez de Ferreira, sexto Conde de Tentúgal. 
E. Ultimas Ac^òes do Duque D. Nuno Alvares Pereira de 
Mello, desde 11 de Setembro de I72õ, até 29 de Janeiro dr, 
1727, em guefallecen; relação do seu enterro, e das exéquias 
que se lhe fizeram em Liíboa, e nas terras de que era dona- 
iario. Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 1730. foi. 
grande, com estampas. 

1144. Fr. Jeronymo Emiliano. E. Elogio histórico da 
vida do insigne sacerdote José de Andrade, Beneficiado na 
Igreja Parochial de Nossa Senhora da Conceição, da Cidade 
de Angra, Ilha Terceira dos Açores, e morto a li de Janei- 
ro de 1821. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1821. 4. (o) 

1145. Jeronymo EsToaoETE, advogado da Casa daSup- 
plicação. E. Elogio do Excellentissimo e Heverendissimo Se- 
nhor D. João, Arcebispo Metropolitano d'' Évora, do Conse- 
lho de Estado, Regedor da Casa da Supplicação, êfc, Lis- 
boa, na Officina Silviana. 1768. 4. (o) 

1146. Jeronymo Godinho de Niza, académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. E. 
Elogio fúnebre na morte do Se7ihor José do Couto Pestana» 
Sahiu no tom. 15. da Collec, dos Docum. e Mem, da Aco- 
dem. Real da Hist, Port. Lisboa Occidental, na Officina de 
José António da Silva. 1735. 4. grande. 

1J47. João Alvares da Costa, desembargador do Pa- 
ço, académico da Academia Real da Historia Portugueza, 
natural de Lisboa. E. Elogio do Desembargador Manuel de 
Azevedo Soares. Sahiu no tom. 11. da Collec. dos Docum. e 
Mem. da Academ. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1731. foi. 

1148. JoÂo António Bezerra de Lima. ^.Elogios do 
Padre D. Luiz Caetano de Lima, Clérigo Regular. Lisboa, 
na Officina de Manuel António Monteiro. 1759. 4. (®) (o) 

1149. João António da Costa e Andrade. E. Elogio 
do Senhor Sebastião Xavier da Gama Lobo, Fidalgo da Ca a 
Real, Commendador de S. Pedro de Trancoso na Ordem 
de Christo, êçc. Lisboa, na Officina de António Vicente da 
Silva. 1761. 4. (®) 

1150. João Baptista Felgueiras. E. Necrologia de 
Agostinho José Ereire, que foi Ministro e Secretario de Esta- 
do Honorário, Conselheiro de Estado, Par do Reino, êfc. 



t rM -yxm' ■» ífiS, ^ .- 



2í6 



BIBLIOGRAPHÍA HISTOKiCA 



liisboa, na Typographia do Examinador. «. sem o nome d« 
auctor. Sahiu de novo com este titulo : Resumo hi$torico da 
vida e trágico fim do Conselheiro de Estado agostinho José 
Freire, êçc. Lisboa, na Tjpographia Patriótica de C. J. da 
Silva e Companhia. 1837. 8. (©) 

1151. João José Pinto e Vasconcellos, natural de 
.Lamego. E. JLlogio consagrado á saudosa memoria do Senhor 
Conselheiro Joaquim Ignacio da Cruz Sobral, Thesoureirà' 
mor do Erário Régio, Provedor e Feitor-mor das Alfande- 
das do Reino, Sfc. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz 
Ameno. 1781. 4. (©) Sahiu reimpresso a pag. 1 1 1 eseguintes 
da Collecção de Peças Volantes do mesmo auctor. Ibi, na 
Typographia Nunesiana. 1790. 8. 

Elogio fúnebre do Conselheiro Anselmo José da Cruz So- 
bral. Lisboa, na Officina Nunesiana. 1802. 4. (o) 

115.2. Joio DE Medeiros Corrêa. E. Panegyrico a 
André de Albuquerque Ribafria, Alcaide-mor de Cintra, Mes- 
tre de Campo General da Provinda do Alemtejo ; com os 
Elogios que á sua morte se fizeram, Lisboa, na Officina de 
Domingos Carneiro. 1661. 4. 

1153. João de Mello e Sousa da Cunha Soutomayor, 
Visconde de Veiros. E, Opusctdo consagrado á memoria de 
José de Sousa e Mello. Lisboa, na Typographia de J. F. de 
Sampaio, 1839. 4. 

1154. Fr. Joio DE S. Pedro, religioso da Ordem de 
S. Jeronymo, natural de Lisboa. E. Theatro Eeroíno; Ab- 
cedario Histórico. Catalogo das mulheres illustres em armas, 
lettras, acções heróicas, e artes liberaes. Tom. I. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina da Musica de Theotonio Antunes Li- 
ma. 1736. foi. Tom. 2. Ibi, na Officina Silviana. 1740. foi. 
Esta obra sahiu em nome de Damião de Fróes Perim. 

115.5. João Pinto Ribeiro. E. Resposta a uma Carta 
do Doutor Simão Torresão Coelho, sobre o Elogio do mui 
valoroso, e de raras virtudes D. João de Castro, Jllustris- 
simo Governador e Vicerei da índia. Lisboa, na Officina de 
Domingos Lopes Rosa. 1642. 4. e na 2. part. das Obras do 
auctor: Coimbra, na Officina de José Antunes da Silva. 
1730. foi. Anda também na 5.* edição do panegyrico de Ja- 
cinto Freire de Andrade. Lisboa Occidental, na Officina de 
António Isidoro da Fonseca. 1736. 4. 

1156. Joio DE Sousa Caria. K. Elogio fúnebre nasen- 
iidissima morte da Illustrissima e Excellentissima Senhora 
3Iarqueza de Marialva^ Condessa de Cantanhede, D. Euge- 
nia Josefa Thereza de Assiz Mascarenhas. Lisboa. 1752. 4. 
btm o noBíe do Impressor. (@) 



PORTUGUEZA. 



217 



115T, Joio DE Sousa dos Santos Fi£itR£iRA. E. JEío- 
gio histórico do insigne Jurisconsulto portuguez Álvaro Vaz, 
ou {'^alasco^ pronunciado na Sociedade dos Advogados d''esta 
Corte. Lisboa, na Typographia da Sociedade Propagadora 
dos Conhecimentos Úteis. 1840. 4. (o) 

1158. JoÂo Xavieu de Mattos. E. Elogio fúnebre do 
Jllustrissinio e Excellentissimo Senhor D. Francisco Xavier 
Telles. Lisboa, na Officina Luisiana. 1179. 4. 

1159. Fr. JoAauiM Rodkiques. E. Mlogio do Illustris- 
sitno € Excellentissimo Senhor D. Luiz Innocencio Senedicio 
de Castro, terceiro Conde de Rezende. Lisboa, na Typogra- 
phia de António Rodrigues Galhardo. 1824. 4. (o) 

1160. JosÉ Agostinho de Macedo. E. Elogio histórico 
do lUustrissimo e Excellentissimo Ricardo Raymundo No- 
gueira, Conselheiro de Estado, Lisboa^ na Impressão Regia. 
1827. 4. 

1161. JosE António de Sá. E. Elogio fúnebre do lUus- 
trissimo e Excellentissimo Senhor D. António Rolim de Mou- 
ra, Conde de Azambuja, Tenente General dos Exércitos de 
Sua Magestade, e Governador das Armas da Corte e Estre- 
madura. Lisboa, na Officina de Filippe da Silva e Azeve- 
do. 1784. 8. 

1162. D. JosíÉ Barbosa. E. Elogio de Júlio de Mello 
de Castro, Académico da Academia Real da Historia Por- 
tugueza. Sahiu no tom. 1. da Collec. dos Docum, e Mem. 
da Academia Real. Lisboa Occidental, na Officina de Pas- 
choal da Silva. 1721. foi. e no principio da Historia Pa- 
negyrica da vida de D. Diniz de Mello de Castro, primei- 
ro Conde das Galvêas, e na Historia da Academia : Lisboa 
Occidental, na Officina de José António da Silva. 1727. 4. 
grande. 

Elogio do Excellentissimo Senhor D. João de Almeida e 
Portugal , Conde e Senhor de Assumar, Gentilhomem da 
Camará de Sua Magestade, do Conselho de Estado e Guer- 
ra. Sahiu no tom. 14. da Collec. dos Docum. e Mem. da 
Academ. Lisboa Occidental, na Officina de José António da 
Silva. 1734. foi. e fora da CoUecçao : ibi, na mesma Offi- 
cina. 1735. 4. 

Elogio fúnebre de Diogo de Mendonça Corte- Real, do Con- 
selho de Sua Magestade, e seu Secretario de Estado. Lisboa 
Occidental, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1737. 
4. (o) . 

Elogio do Rever endissimo Padre António dos Reis, da Con- 
gregarão do Oratório. Lisboa Occidental, na Officina de An- 
tónio Isidoro da Fonseca. 1738, 4. (o) 



Mi 



2Í8 



BIBLIOGKAPBfíA HISTÓRICA 



Elogio fúnebre do Desembargador Belchior do Rego dt: 
Andrade. Lisboa Occidental, na Officina de António Isido» 
ro da Fonseca. 1738. 4. (o) 

Panegyrico do Exceltentissimo e Reverendissimo Senhor 
D. Taomaz de Almeida^ Principal da Santa Igreja Occi" 
dental, do Conselho de Sua Magestade, Ibi, na dita Offici- 
na. 1739. 4. 

Elogio de D. Pedro Balihezar de Almeida de Lancasiro, 
Commendador da Ordem de Christo, Ibi, na dita Officiua. 
1741. 4. 

Epitome da vida do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor 
D. Luiz Carlos Ignacio Xavier de Menezes, primeiro Mar- 
quez do Louriçal, quinto Conde da Ericeira, do Conselho de 
Sua Magestade, duas vezes Vicerei e Capitão Geral do Es- 
tado da índia. Lisboa, na Officina de António Isidoro da 
Fonseca. 1743. 4. (o) 

Elogio do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor D. Fran- 
cisco Xavier José de Menezes, quarto Conde da Ericeira. 
Lisboa, na Officina de Ignacio Rodrigues. 1745. 4. (q) 

Elogio do Reverendissimo Padre Mestre Fr. Francisco de 
Santa Maria, Religioso Eremita de Santo Agostinho, e Pro- 
vincial d'*esta nobãissima Provinda de Portugal. Lisboa, na 
Officina Pinheiriense da Musica. 1746. 4. 

1163. José Caetano de Mesquita e GLuadros, pro- 
fessor de Rhetorica e Philosophia, natural da Figueira. E. 
Vida do Padre Fr. Luiz de Sousa, e juizo sobre os seus es- 
criptos. Sahiu á frente da segunda edição da Fida do Beato 
Henrique Suso. Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 
1764. 8. e no Tom. 1. da collecçao das 06ras do auctor. 
Ibi, na Regia Officina Typographica. 1794. 8. 

1164. tJosÉ Corrêa de Mello e Brito de Alvim Pin- 
to. E. Elogio do Senhor Joaquim José Leitão de Sousa, Moço 
Fidalgo da Casa Real, e Académico da Academia Litúrgica 
Pontificia dos Sagrados Ritos, e Historia Ecclesiastica, que 

falleceu em Coimbra a 18 de Julho de 1759. Coimbra, no 
Prelo da Academia Litúrgica Pontificia. 1761. 4. (@) e no 
tom. 3. da Collecçao da mesma Academia. Colimbrise, ex 
Proelo Academise Pontificise. 1761. 4. 

1165. JosE DA Cunha Brochado. K. Elogio de D. Fer- 
nando de Noronha, Conde de Monsanto. Sabiu no tom. 3. 
da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Real da Hist. 
Port. Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. 
1723. foi. 

Elogio de D. Fernando Masearenhat, Marquez de Fron- 
teira, dos Conselhos de Estado e Guerra, Mordomo-m6r da 



PORTLGUEZA, 



219 



Bainha, ePtaidente do Desembargo dó Paço. Sahiu no tom. 
9. da dita ColUa^ão, Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1729. foi. 

1166. D. José de Faro. E. Elogio de Simão dos San- 
tos, Cavalleiro da Ordem de Christo, Fidalgo da Casa de Sua 
Magestade, Sargento-mór de Batalha, e Governador da Pra- 
ça de Caúello de f^ide. Lisboa, na Officina de Francisco Lu ie 
Ameno. 1753, e nao 1755, como diz Barbosa. 4. (®) 

1167. José Firmino da Silva Giraldes. E. Panegy- 
rico histórico ao Illustrissimo e Excellentissimo Senhor D. Bo- 
drigo de Soitsa Coutinho, Conde de Linhares, Conselheiro de Es- 
tado, Ministro e Secretario de Estado dos Negócios Estran- 
geiros e da Guerra. Lisboa, na Impressão Regia. 1812. 4. 

1168. JosÉFreire de Montarroyo Mascaremias. E. 
Oração fúnebre á memoria do Reverendissimo Padre D. Ra-- 

fael Bliiteau, Clérigo Regular da Divina Providencia, Acha- 
se impressa no Obsequio fúnebre da Academia dos Applica- 
dos, dedicado a Bluteau. Lisboa Occidental, na Officina de 
José António da Silva. 1734. 4. 

1169. José Gomes da Cruz, académico da Academia 
Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. E, Elogio 

fúnebre do Senhor Martinho de Mendonça de Pina e Proen- 
ça, Ceiísor e Director da Real Academia da Historia Portu- 
gueza. Consta de 26 paginas. 4. sem o nome do Impressor. 
Elogio fúnebre de Manuel de Azevedo Foites, Cavalleiro 
professo na Ordem de Christo, Fidalgo da Casa de Sua Ma- 
gestade, Engenheiro-mor do Reino, Sargento-mor de Bata' 
lha, e Académico do numero da Academia Real da Historia 
Portugueza. Lisboa, na Officina de José da Silva da Nati- 
vidade. 1754. 4. (©) 

1170. JosÉ Maria Dantas Pereira. E. Elogio do Pa- 
dre Pheodoro de Almeida. Sahiu no tom. 11. part. 1. das 
Memorias da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Tv- 
pographia da Academia. 1831. foi. 

1171. D. José Mascarenhas Pacheco Pereira Coe- 
lho DE Mello, natural de Faro. E. Elogio fúnebre do Mar- 
quez de Valença D. Francisco Paulo de Portugal e Castro. 
Sahiu na Collecçuo das Obras que se recitaram na Academia 
dos Occultos, por occasião da morte d'este illustre fiidalgo. 
Lisboa, na Officina de Francisco da Silva. 1751. 4. 

1172. D. José Miouel Joio de Portugal, nono Conde 
de Vimioso, e terceiro Marquez de Valença. É. Instrucção 
que deu a seu filho D. Francisco José Miguel de Portugal, 

fundada nas acções moraes, politicas, e militares dos Condes 
de Vimioso seus ascendentes. Lisboa Occidental, na Officina 



wm 



220 



BiBLIOSEAPMIA HISTOaiCA 



de Miguel Rodrigues. I74I. 8. Contém memorias de sete 
Condes do mesmo titulo. 

Insiriic^ão que deu a seu filho D, 31anuel José de Portu- 
gal, fundada nas acções christans^ mames e polUicas dos Ec- 
clesiasiicos gue teve a sua família, Lisboa, na Officina de 
Miguel Rodrigues. 1744. 8. Contém memorias de quatro 
bispos e um arcebispo d'esta illustre casa. 

1173. José de Oliveira Trovão e Sousa. E. Elogio fú- 
nebre do Reverendíssimo Senhor Fr. Qaspar da Encarnação, 
Missionário do Faratojo, e Reformador da Cougrcfjagão dos 
Cónegos Regulares de Santo Agostinho. Coimbra, na,Òfíicina 
de Luiz Secco Ferreira. 1753. 4. (@) Falta a meoioria does- 
te auctor na Biblíotheca Lusitana, como em outro iogar ad- 
vertimos. 

1174. JuLio DE Mello de Castro, académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza, natural de Goa. E. Elo- 
gio da vida e acções de Luiz do Couto Feliz. Sahiu á frente 
do Tácito Fortuguez. Lisboa, na Officina Desiandesiana. 
1715. 4. 

Historia Panegyrica da vida de Diniz de Mello de Castro, 
primeiro Conde das Galvêas, do Conselho de Estado e Guerra 
dos Sereníssimos Reis D. Fedro II. e D. João V. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina de José Manescal. 1721. foi. Lisboa, na 
Officina de António Duarte Pimenta. 1744, e não 1745, 
como diz Barbosa. 4. Ibi, á custa de Luiz de Moraes. 1752. 
4. edição de que nao faz memoria a Biblíotheca Lusitana. 

1175. Lourenço Anastácio Mexia Galvão, natural de 
Thomar. E. Epitome Fanegyrico da vida de Lourenço Luiz 
Galvão, Fidalgo da Casa Real, Governador da Praça de Oli- 
vença, Coronel de Infanteria do Regimento de Cascaes, e Es- 
iribeiro dos tidelisúmos Reis D. João V. e D. José. Lisboa, 

na Officina de Miguel Manescal da Gosta. 1760. 4. Sahiu 
em nome de António Lucas Velaxi Mareco Gama. 

Elogio do Senhor Joaquim Ignacio da Cruz Sobral, Fi- 
dalgo da Cana Real, Cavalleiro da Ordem de Chrísto, do 
Conselho do Senhor Rei D. José I. Comelheiro da sua Real 
Fazenda, Administrador da Alfandega doesta Corte, Thesou- 
reijo-mór do Erário Régio, Alcaide-môr de Freixo de Ne- 
mão. Senhor da Filia do Sobral de Monte Agraço e seu Re- 
guengo. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 
1781.4. 

Fida do famoso heròe Luiz de Loureiro, Commendador 
de S. Thomé de Penella, da Ordem de Chrísto, do Conse- 
lho do Senhor Rei B. João III. Governador e Capitão Ge- 
fieral das Praças de Santa Crm dè Cabo de Aguer, Çafim, 



POHYUefEZA. 



221 



Maxacjuo^ AtxUla e 7'anjj'er, Adaíl-mor à^esie Heino, Lis- 
boa, na Oftícina do Simão Tíiaddeu Ferreira. 1782. 4t 

1176. Fr. Lucas de Santa Catharina, religioso do- 
niínico e chronista da sua Ordem, {natural de Lisboa. E. 
Elogio do Padre Fr. Fernando de Abreu, da Ordem dos Pre- 
dadores. Sahiu no fom. 7. da Collec. dos Docum. e Mem. da 
Acodem. Real da Hist. Port. Lisboa Occidental, na Offici- 
iia de José António da Silva. 1727. foi. 

1177. Luiz Duakte Villela da Silva. E, Mlogio da 
Jlhtstrissima e Ejicellentissima Senhora D. Margarida Telles 
da Silva, Marqiieza de Borba. Lisboa, na Impressão Regia. 
1820. 4. 

Elogio histórico do Padre Mestre Fr. José Caetano de SoU' 
ío, Carmelita da antiga e regidar Observância, Doutor Theo- 
logo pela Universidade de Coimbra, Lente Jubilado na Ca- 
deira de Véspera, Sócio da Academia Litúrgica Pontifícia, ^c, 
Lisboa, na Impressão Regia. 1829, 4. 

1178. Luiz Francisco Soares de Sousa Falcão, na- 
tural de Lisboa. E. Elogio fúnebre do Illustrissimo e Reve- 
rendíssimo Senhor Francisco Soares de Macedo, do Conselho 
de Sua Magcstade, Prelado Patriarchal da Santa Igreja de 
Lisboa. Lisboa, na Officiiia de Miguei Manescal da Costa. 



<^6.^ 4. (©) (©) 

1179. Luiz Gaspar de Casteilo-Branco. 



E. Elogio 

fúnebre de Luiz Tdanuel de Pina Coutinho, Cavalleiro Pro- 
fesso na Ordem de Christo, Fidalgo da Casa de Sua Magcs- 
tade, do seu Conselho, Ministro do Desembargo do Paço, e 
Procurador da Real Coroa. Lisboa, na Officina de Miguel 
Manescal da Costa. 1754. 4. {^) Falta a mem.oria d'este 
auctor ua Bibliotheca Lusitana. 

1 180. Luiz Marinho de Azevedo. E. Apologéticos Dis- 
cursos em defensa da fama e boa memoria de Fernão de Al- 
buquerque, Governador que foi da índio, contra o que d^elle 
escreveu D, Gonçalo de Céspedes, na Chronica d''ElreiD. Fi- 
lippe IV. de Castella, Lisboa, por Manuel da Silva. 1641.4. 

1181. D. Luiz de Menezes, terceiro Conde da Ericei- 
ra. E. Compendio Panegyrico da vida e acções do Excellen- 
íissimo Senhor Luiz Alvares de Távora, Conde de S. João, 
Marquez de Távora, Gentilhomem da Camará de Sua Alte- 
za, do Conselho de Guerra, e Governador das Armas da Pro- 
vinda de Traz~ns-Montes. Lisboa, por António Rodrigues 
de Abreu. 1674. 4. 

1182. Luiz da Motta Feo. E. Resumido relatório dos 
pequenos serviços que tem feito á pátria Luiz da Motta Feo, 

Vice Almirante da Armada Nacional, Offerecido á Nação 



222 



BIBLlOtiIlÂl'HIA HISTÓRICA 



:poriugueza. Lisboa, na Officina de António Rodrigues Ga- 
lhardo. (1821). 4. 

1183. Fr. Manuel de Santo Ambrósio, carmelita des- 
calço. E. Epitome da vida do Excellentissimo e Reverendis- 
sirÁo Senhor D. Fr. Ignacio de S. Caetano^ Confessor da 
Rainha, Arcebispo de Thessaloníca, Inquisidor Geral, e Mi- 
nistro Assistente ao Despacho do Gabinete, Lisboa, na Regia 
Officina Typographica. 179 i. 8. 

1184. D. Manuel Caetano de Sousa, clérigo regalar, 
e censor da Academia Real da Historia Portugueza, natural 
de Lisboa. E. Elogio fúnebre do Reverendissimo Padre Ma- 
nuel de Sá, da Companhia de Jesus, nomeado Palriarcha de 
Ethiopia. Sahiu no tom. 8. da Collec. dos Docum. e Mem. 
da Academ, Lisboa Occidental, na Officina de José António 
da Silva. 1723. foi. 

1185. P. Manuel DE Campos, jesuita, académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza. E. Elogio fúnebre do 
Reverendo Padre Mestre Er. Pedro Monteiro, Sahiu no tom. 
15. da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa. Occi- 
dental, na Officina de José António da Silva. 1735. 4. grande. 

1186. Fr. Manuel do Cenáculo Villasboas, religioso 
da Terceira Ordem, e depois bispo de Beja, natural de Lis- 
boa. E. Elogio fúnebre do Padre Fr. Joaquim de S. José, 
Doutor Tkeologo Conimbricense, Definidor Geral da Reli- 
gião Franciscana.) e Provincial da Terceira Ordem de Por- 
tugal. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1767. 
4. Sahiu em nome de Joaquim Rodrigues Pimenta. (®) 

1187. Manuel da Cunha de Andrade e Sousa Ba- 
CELLAR. E. Elogio encomiástico da vida e acções, lettras e ca- 
racter do Reverendissimo Padre Mestre Francisco de Santa 
Maria, Cónego Secidar, Chronista e Geral da Sagrada Con- 
gregação de S. João Evangelista, êçc. Lisboa Occidental, na 
Officina de António Isidoro da Fonseca. 1739. 4. (,§) 

Epitome histórica e panegyrica da vida, acções e morte do 
Excellentissimo e Reverendissimo Senhor D. António Men- 
des de Carvalho, primeiro Bispo da Cidade d'*Elvas. Lisboa, 
na Officina de Pedro Ferreira. 1753. 4. 

1188. Manuel Ferreira Leonardo. E. Elogio fúne- 
bre do Reverendissimo Padre Mestre Fr. Francisco de San- 
ta Maria, Religioso de Santo Agostinho, Prior Provincial, e 
JBibliothecario-mór do Convento de Nossa Senhora da Graça. 
Lisboa, na Officina Pinheiriense da Musica. 1745.4. (6) (o) 

Elogio histórico, panegyrico, encomiástico e fúnebre as sau- 
dosas memorias do Eminentissimo e Reverendissimo Senhor 
D. João da Moita e Silva, Cardeal Presbytero da Santa 



i'0«Tll<StEZA. '2'2ó 

Tqreja Romana, e priuieiro Minidro Universal da Coroa 
Fortugueza. Lisboa, na Oflicinade Pedro Alvares da Silva. 
1748. 4. {i3) 

Elogio fúnebre, panegyrico, laudaiorio e encomiástico do 
insigne Pintor Victor ino Manuel da Serra. Lisboa, na Offi- 
cina de Pedro Alvares da Silva. 1748. 4. Sahiu em nome de 
Jeronvmodo Andrade. (@) (O) Deve corrigir-se o logar da 
Bíbliotheca Lusitana em que, por descuido do amanuense 
ou do impressor, se poz o anno 1728 por 17 18, 

1189. Manuel de Figueiredo. E. Mlogio do Senhor 
D. Fernando António de Lima Telles da Silva. Lisboa, na 
Impressão Imperial e Real. 1808. 8. Anda no tom. 1. das 
Obras Fosihiimas, publicadas por Francisco Coelho de Fi- 
gueiredo, irmão do auctor. 

1190. Manuel Francisco da Silva e Veiga. E. Elo- 
gio do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor José de Seabra 
da Silva, do Conselho de Sua Magestade Fidelissima^ seu 
Ministro e Secretario de Estado. Lisboa, na Regia Officina 
Typograpbica. 1772. 4. (O) 

1191. Manuel José Maria da Costa e Sá. E. Elo- 
gio do Doutor Alexandre Rodrigues Ferreira. Sahiu no 
tom. 5. part. 2. das Memorias da Academia Real das Scien- 
cias. Lisboa, na Typographia da Academia. 1818. foi. 

Elogio histórico de Sebastião Fra7icisco de Mendo Trigoso 
Homem de Magalhães. Anda no tom. 9. das ditas MewíoWas. 
Lisboa, na Typograpbia da Academia. 1825. foi. 

1192. P. Manuel Monteiro. E. Elogio do muito Re- 
verendo Padre Mestre António de Faria, da Congregação 
do Oratório de Lisboa, e n''ella Preposito em três triennios , 
Deputado da Junta das Missões, Examinador das três Or- 
dens Militares, e Synodal do Patriarchado, Lisboa, na Of- 
ficina de Miguel Manescal da Costa. 1746. 4. Sahiu em 
nome de Diogo Soares de Meirelles. (@) (O) 

1193. Fr. Manuel da Rocha. E. Elogio do Doutor 
Manuel Pereira da Silva Leal. Sahiu no tora. 13. da Col- 
lec. dos Docum. e 3íem. da Academ. Real da Hist. Port. 
Lisboa Occidental, na Officina de José António da Silva. 
1733. foi. 

1194. Manuel Severim de Faria. E. Vidas de 
João de Barros, Diogo do Couto, e Luiz de Camões. Ve- 
jam-se os seus Discursos Vários. Évora, por Manuel Carva- 
Hio. 1624.4. Lisboa, na Officina de António Gomes. 1791. 

íi>i, na Impressão Regia. 1805. 8. 

Clogio do Doutor Fr. Bernardo de Brito, Religioso de 
..r, e Chronhta-mór. Sahiu com 'ds Noticias de Poringal, 



224 



BIBLIOGRAPHIA UISTOKICA 



^ ^^^. M.^Lj lia. vfmi.iiici utj /^.uLoiuo isKioro Gd l^oiíseca. 
1740. foi. de pag, 430 a 440, e com os Panegy ricos de Joãt 
de Barrou Lisboa, naOfâcina de António Gomes. 1791. 8. 



1195. 



líisboa, na Officiníi Craesbeeckiana. 1655. fol.de pa^;-. 278 
a 288. Ibi, na Ofíicina de António Isidoro da Fonseca, 

Toão 
_ 8. 
Manuel Tavares, da Congregação do Ora- 
tório,^ natural de I^isboa. E. Portugal iÚustrado pelo sexo 
feminino: Noticia histórica de muitas heroinas portuijuexas 
que floresceram em virtude, lettras e armas. Tom. i. Lis- 
boa Qccide ntal, na Ofíicina de Pedro Ferreira. J734. s. 
Sahiu eni noiííe de Diogo Maiuiel Ayres de Azevedo, irmuu 
do auctor. 

1196. Manuel Telles da Silva, terceiro Marquez de 
Alegrete. E. Elogio de António Rodrigues efe Costa, Sahiu 
jio tom. lí.da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Real 
da Hist. Fort. Lisboa Occidental, na Officin^ de José An- 
tónio da Silva. 1731. foi. 

1197. Manuel Teh.es da Silva, seicto Conde de Villar 
Maior. E. Elogio fúnebre do Padre D. José Barbosa, Cle-r 
rigo Regular, Chronista da Serenissima Casa de Bragança. 
Lisboa, na Officinade Igii^cio Rodrigues. 1751. 4. (@) (Q) 

1198. D. Mai^uel do Tojal da Silva, clérigo regular, 
académico da Academia Real da Historia Portugueza, na- 
tural de Lisboa. E. Elogio fúnebre do Reverendíssimo Pa- 
dre Doutor Fr. Bernardo de Castello Branco. Sahiu no 
tom. 6. da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa 
Occidental, na Officina de José António da Silva. 1726. foi. 

1199. Miguel Lopes Caldeira e Artur, académico 
da Academia Real da Historia Portugueza, e da dos Árca- 
des de Roma. E. Elogio fúnebre do Senhor Francisco de 
Mello, quarto Senhor da Filia de Ficalho, Commendador 
das Cammendas de S. Martinho de Pinhel, e S. Pedro das 
Gouveas, na Ordem de Chr isto. Lisboa, na Officina de Fran- 
cisco Luiz Ameno. 1752. 4. (©) 

1200. Miguel Lopes Ferreira, escrivão dos Contos 
do Reino, natural de Lisboa, traduziu do castelhano, de 
António Pereira Lima : Vida e acções de Sua Alteza Sere- 
nissima Fr. Luiz Mendes de Vasconcellos, Grão Mestre da 
Sagrada Religião de Malta. Lisboa Occidental, na Offici- 
na Ferreiriana. 1731. 4. sen\ o nome do traductor. 

1201. Miguel Martins de Araújo, natural de Lis- 
boa. E. Mlogio de José Pegado da Silva e Azevedo, Pres- 
bytero Olisiponense, Doutor na Faculdade dos Sagrados Ca- 
nories, e Oppositor ás suas Cadeiras na Universidade de 
Coimbra. Coimbra, na Officina de Luiz Secco Ferreiril. 
ITõl. 4. (®) 



P0RTUGUE2A. 

FJogio de Alexandre de Gusmão, Chvallciro professo na 
Ordem de Christo, Fidalgo da Casa Beal, e Académico dó 
numero da Academia Meai da Historia Porttigueza. Lisboa, 
na Officina de Joso da Costa Coimbra. 1754. 4. (@) 

1202. Miguel de MouRA, natural de Lisboa. E. Vida 
do Secretario de Estado Miguel de Moura. Anda no fim da 
Chronica do Cardeal Rei D. Henrique. Lisboa, na TypO" 
graphia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis. 
1840. 8. grande. Tinha sabido no primeiro num. do perió- 
dico intitulado : O Despertador Nacional, impresso em Coim- 
bra no mez de Janeiro de 1821. 4. 

1203. Nicolau Pedro de Oliveira. E. Compendiada 
vida do Mxcellcntissimo e Reverendíssimo Senhor D. Eusé- 
bio LiUciano Carvalho Gomes da Silva, Bispo de NanMín* 
Lisboa, na Regia Officina Typographica. 1792. 4. 

1204. Pedro José de Figtieíkedo. E. Metratos e Elo- 
gios doi Varões e Donas que illustraram a Nação Poriugue- 
%o em virtudes, lettras, armas, cartes^ assim nacionaes, co- 
nto estranhos; tanto antigos, como modernos. Tom. 1. Lis^ 
boa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1817. 4. 

1205. D. Pedro Miguel de Almeida Portugal, pri^ 
meiro Marquez de Alorna, terceiro Coíide de Assumar, aca- 
démico da Academia Real da Historia Portugueza. E. Elo-^ 
gio fúnebre do Excellentissimo Senhor Fernando Telles da 
Silva, Marquez de Alegrete. Sahiu no tom. 14. da Collec. 
dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa Occidental, na Of-^ 
ficina de José António da Silva. 17.^4. foi. 

1206. Rodrigo Pinto Pizarro, depois Barão da Ri-^ 
beira de Sabrosa. E. Noticias Biographicas de Francisco 
Homem de Magalhães Pizarro, do Conselho de Sua Mages^ 

da Or- 
dem de Christo, Marechal de Campo dos Reaes Exércitos^ 
Governador e Capitão General nomeado do Blaranhão. Rio 
de Janeiro, na impressão Regia. 1819. 4. sem o nome do 
auctor. (D) 

1207. HoGERio Barbuda Telles. E. IfJogia fúnebre e 
hiitorico na morte do Senhor José Wrancisco da Cruz Alagoa, 
Thesoitreiro^mor que foi do Erário Régio, Director da Real 
Fabrica das Sedas, Sfc. Lisboa, na Officina de José da Silva 
Nazarefh. 1763. 4. (O) 

1208. RoMUALDo Glohysio Freire. E. Elogio do 
Emincntisnnio e Reverendissimo Senhor Nuno da Cunha de 
Atayde . Cardeal Presbytero do Titulo de Santa Anastasia, 
(lo Coiisclho de Estado /le Sua Magestade Fidelissima , e In- 
quisidor Geral dos Reinos e Senhorios de Portugal, Sahiu 



22Ô 



BIBUOGRAPHIA HISTÓRICA 



com a descripçao fúnebre das exéquias que a Inquisição de 
Goa dedicou á memoria do referido Cardeal. Lisboa, iiaOf- 
ficina de Miguel Manescal da Costa. 1753. 4. (O) 

1209. Sebastião Francisco bs Mendo Trigoso. E. 
Elogio histórico de Fr, João de Sousa. Sahiu no tom. 4. 
part. 1. das Memorias da Academia Meai das Sciencias. 
Lisboa, na Typograpbia da Academia. 1815. foi. 

Elogio histórico do Conde da Barca. — Noticia histórica 
da vida e escriptos de António Caetano do Amaral. Sahiram 
no tom. 8. part. 2. das ditas Memorias. Lisboa, na Typo- 
graphia da Academia Real das Sciencias. 1323. foi. 

1210. Sebastião Jose de Carvalho e Mello, Conde 
de Oeiras, e depois Marquez de Pombal. E. Elogio de D. 
L.IIÍZ Carlos Ignacio Xavier de Menezes., quinto Conde da 
Ericeira^ primeiro Marquez do Lourigal, que falleceu em 
Goa a 12 de Junho de 1742. Não traz" nota do anno, nem 
do logar da impressão, coratudo do caracter da lettra se co- 
nhece ter sido impresso em Londres. Consta de 1 6 paginas, foi. 
(Livraria das Necessidades). Sahiu de novo : Lisboa, na Of- 
ficinade Miguel Rodrigues. 1757. 4. (q) (O) e no tom. 1. 
das Carias e Obras Selectas do auctor : Lisboa, na Typo- 
grapbia Morandiana. 1820.8. Ibi, na Typograpbia de De- 
siderio Marques Leap. 1823. 8. 

1211. Sebastião da Rocha Pitta. E. Summario da 
vida e morte da Ex-cellentissima Senhora D. Leonor Josefa 
de Vilhena .f e das exéquias que na Cidade da Bahia consa- 
grou ás suas memorias a Senhora D\ Leonor Josefa de Me- 
nezes, esposa de Gonçalo Ravasco Cavalcanti e Albuquerque., 
Fidalgo da Casa de Sua '3Iagestade, Commendador da Or- 
dem de Christo, Alcaide-môr da Cidade de Cabo- Frio ^ Se- 
cretario do Estado e Guerra do Brasil. Offerecido á Excel- 
lentissima Senhora D. Maria Francisca Bonifacia de Vilhe- 
na. Lisboa Occidental, na Officina de António Pedroso Gíal- 
rão. 1721. 4. 

1212. P. Theodoro de Almeida, da Congregação do 
Oratório, natural de Lisboa. E. Elogio da Illustrissima e 
Excellentissima Senhora D. Anna Xavier de As&iz iWasca- 
renhas., Baroneza de Alvito^ e Condessa de Oriola. Lisboa, 
na Officina de Bíiguel Rodrigues. 1758. 4. Sahiu em nome 
de Dorotheo d'A.lmeida. (@) (O) Foi reimpresso; Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1803. 8. 

1213. Theodosio de Santa Martha, cónego secular 
da Congregação de S. Joao Evangelista, natural de Lisboa. 
E. Elogio histórico da Illustrissima e Excellentissima Casa 
de Cantanhede Marialva.^ Chefe dos esclarecidos JMenezes 



€ Telles. 
foi. 



PORTUGUEZA. 

Lisboa, na Ofílcina de Manuel Soares Vivas. 



1214. fítographia do Illnstrissimo e Excellenitsdmo Se- 
nhor Francisco Simões Margiochi. Lisboa, na Imprensa Na- 
cional, li) 38. 4. grande. Consta de 8 paginas. 

1215. lilographia ou principaes factos históricos da vida 
e carreira publica de Manuel Gonçalves de Miranda, Mi- 
nistro € Secretario de Estado dos Negócios da Marinha e Do- 
minios Ultramarinos, fallecido em 5 de Abril de 1841. Lis- 
boa, na Typograpbia de A. S. Coelho. 1841. foi. Consta 
de 2 paginas. 

1216. Biographia (Breve) de 1>. Francisco Gomes de 
Avellar, Bispo do Jígarve, publicada pela Sociedade Pro- 
pagadora dos Conhecimentos Vteis. Lisboa, na Typograpbia 
da Sociedade. 1842. 16. 

1217. Coronica do condestabre de puríugall Niino a lua- 
rez Percyra : principiador da casa g agora he do Duque 
de Br aguça sem mudar da antigiudade de suas palauras 
nem stillo, E deste (Condestabre procedem agora o Empe- 
rador e em todolos Ileynos de xpaos de Muropa ou os Beys 
ou as raynhas delles ou ambos. No verso da folha do rosto 
vem estampado o retrato do Condestavel, aberto em madei- 
ra. A subscripção do livro diz o seguit^te : Acabou se de em- 
premir acronica do condestabre de Portugal: 1)5 Nunal- 
urez Pereyra na cidade de íiixbõri. a seis dias do mes de 
NouSbro na era de mill e '(inhêtos e vinte e seis anos per Ger- 
mã Galharde empremidor. Consta de LXVI. folhas nume- 
radas de uma so parte, alem das quatro pertencentes á Ta- 
rioada dos oitenta capítulos em que a obra é dividida. O 
exemplar que vimos lui Eibliofíieca Nacional de Lisboa é 
impresso em pergaminho, foi. gothico. D"* esta mesma edição 
existo um exemplar em papel na Livraria do Archivo Nacio- 
nal, e outro na do Sr. Conselheiro Joaquim José da Costa de 
?i3 acedo. Saliiu de novo com este titulo : Coronica do Condees- 
iiibre de Portugal! dom Nuno afurez Pereyra principiador 
da casa de Brajãça. Sem. muxlar dãtignidade de suas pala- 
uras nê estilo. E deste CôJeesíabre procede agora elrey dom 
Johã terceyro tiosso senhor : e o Emperador : e nos mays dos 
reynos de christãos de Europa os íleys : ou lleynhas : ou 
Cibos, Subscripção; Acnhoii se de empremir acronica do con- 
deestabre de Portugal I)õ Nunoalurez Pereyra na cidade de 



228 
Lixhõa : 




BIBLlOGRáPHIA HISTÓRICA 



Cf. xxx. dias do mes de Oytuhro no ãno de mill e 
(jnhêtos e cincoenta e quatro annos per Germã Galharde em- 
primidor. foi. gothico. Traz iiofrontisficio uma tarja aberta 
em madeira. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, e a Livraria do 
Archivo Nacional). Foi reimpressa : Lisboa, por António Al- 
vares. 1623. foi. Esta edição é dedicada ao Duque de Bra- 
gança D. Theodosio, segundo do nome. 

í^íB. Elogio académico do Eminentissimo e Rever en- 
disnmo Senhor Cardeal de Almeida, Primeiro Patriarcha 
de Lisboa. Coimbra, iio Real CoUegio das Artes. 1754. 4. 
(@) (O) _ 

121^. Eloç}w de D. entorno José de Noronha, quinto 
Conde dó Filia Verde. Lisboa, na Ofíicina de Miguei .Ro- 
drigues. 1755. 4, e no mesmo anno : ibi, na Officina de 
Francisco da Silva. 4. 

220. Elogio ou breve epitome da vida, acções, e mor- 
te do Senhor Manuel João da Cruz e Costa, Sargento-môr 
e Governador da Praça Segura, fronteira ao Reino de Cas- 
tella, na Provinda da Beira. Lisboa, na Offícina de Igna- 
eio Nogueira Kisto. 1761. 4. 

1221. Elogio á memoria do Excellenlisnmo e Reveren- 
ãissimo Senhor D. Fr. João Rafael de Mendonça, Monge 
da Congregação de S. Jerónimo, professo no Real 3Iosteiro 
de Belém, e Bispo do Porto, que morreu aos 6 de Junho de 
17Í73. Porto, na Ofíicina de António Alvares Ribeiro. 1794. 8. 

i;f22. Elogio do Illustrissimo e Excellentissimo Senhor 
Sehadrão José de Carvalho e Mello, Marquez de Pombal, 
Conde de Oeiras, Conselheiro de Estado dos Negócios do 
Reino, e do Despacho Universal; Secretario de Estado da; 
Real Casa de Bragança : Inspector Geral e Presidente do 
l Erário-^ Logar Tenente de Sua Magestade e Refor- 
mador da Univerndade de Coimbra; Alcaidc-mor da Cida- 
de de Lamego^ êçc. Rio de Janeiro. 1811. 4 

1223. Ml irgix) histórico dít vida do Excellentissimo e Re- 
verendíssimo 1>. António José Cordeiro, segundo Bispo da 
Igreja de Aveiro. Vej,a-se o nura. 22. pag. 1 79 e seguintes 
do Jornal de Coimbra. Lisboa, na Impressão Regia. 1813.4. 

1224. Elogio histórico de Luiz do R.ecjo Barreto. Coim- 
bra, na Imprensa da Universidade. 182^. 4. (O) 

1225. 31emoria Biographicn do Excellentissimo D. Ma- 
nuel de Aguiar, Bispo de Leiria. Veja-se o num. 44. part. 
2. pag. 73 e seguintes do Jornal de Coimbra. Lisboa, dííí 
Impressão Regia. 1816. 4. 

1226. Memoria Biographica do Doutor Joaquim Ma- 
Andrade, Fice-Reitor que foi da Universidade de 



PORTIGUEZ». 

(MÍnihra^ Lente de Astronomia na mesma Universidade ; fal- 
Itcido cm Londres em 2(5 de Março de 1830, e sepultado em 
3 de Abril na Capella Catholica de 3Ioorfields. Acha-se im- 
pressa no tom. 2. pag. 149 e seguintes da Revista Littera- 
ria. I'orto, na Typographia Commercial. 1838. 8. 

1227. Memoria JBiographica do Conselheiro de Estado 
Honorário José Ferreira Borges. Sahiu no tom. 1. da Re- 
vista Lilteraria. Porto, na Typographia Commercial. 1828. 8. 

1228. Memorias Biographcas do lUustrissimo e Excel- 
lentissimo Senhor Fisconde de Montalegre. Lisboa, na Im- 
pressão Regia. 1812. 4. 

1229. Retratos e Biographias das Personagens Illustres 
de Portugal. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1840 e 1841. 
ibl. Sahiram 18 biographias. 

1230. Fida de Francisco Galvão^ Fidalgo da Serenissi- 
via Casa de Bragança, e Estribeiro do Senhor Duque D. 
IVieodosio II. Pae do Senhor Rei D. João IF. Lisboa, 
na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1783. 8. Consta de 
'^9 paginas. 



PARTE TERCEIRA. 

TITULO í." 



BIEMORIÃS ECCLESIA5TICAS DAS DIFFERENTES DIOCESES DO REINO 
E ILHAS ADJACENTES ; CATALOGO DE SEUS BISPOS, ETC. 



Í231. xLntonio de Almexda. Escreveu: Serie dos 
JBispos do Porto, e d^aquellas pessoas a quem falsamente se 
prodigalisou o titulo de Bispo na m,esm,a Diocese, no periodo 
do prim,eiro Século da Igreja atêofim, do sétimo Século. Ssl- 
hiu impressa no tom. 9. pag. 318 e seguintes, e continua- 
da apag, 428 e seguintes, da Revista JLitteraria» Porto, na 
Typographia da Revista. 1842. 8. 

1232. D. António Caetano de Sousa. E. Catalogo 
dos Bispos da Igreja do Funchal. Sahiu no tom. 1. da Col- 
lec. dos Docum,. e Mem. da Academ. Real da Hist. Porf, 
Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. 1721. foi. 

Catalogo dos Bispos da Igreja de S. Salvador da Cidade 
de Angra. Anda impresso no tom. 2. da dita CoUecgão, Ibi, 
na mesma Officina. 1722. foi. 

1233. António Pereira de Figueiredo. E. Demons- 
tração Theologica, Canónica, e Histórica do direito dos Me- 
tropolitanos de Portugal para confirm,arem e mandarem sa- 
grar os Bispos suffraganeos, nomeados por Sua Magestade ^ 
e do direito dos Bispos de cada Provinda para confirmarem 
e sagrarem os seus respectivos Metropolitanos, também no- 
meados por Sua Magestade, ainda fora do caso de rotura 
com a Corte de Roma. Lisboa, na Regia Officina Typogra- 
phica. 1769. 4. Veneza, por Bruno Ardenti. 1771. 4. Does- 
ta segunda edição, de que nos deu noticia o catalogo das 
Obras de Pereira, não vimos nenhum exemple 

Portuguezes nos Concilios Geraes j ido é : Relação dos Em- 
baixadores, Prelados, e Doutores Portuguezes que tem assistido 



234 



BIBLIOCIRáPHIA BISTORICÍl 



nos Concílios Geraes do Occidenie^ desãos primeiros Latera- 
nenses até o novíssimo Tridentino, Lisboa, na Officina de 
António Gomes. 1787. 4. (*) 

Novos retoques aos Portuguezes nos Concilios Geraes, Lis- 
boa, na dita Officina. 1788.4. Dez paginas de impressão. (*) 

1234. Fr. AppolinArio da Conceição. E. Demons- 
tração Histórica da primeira e real Parochia de Lisboa, de 
que € singular Patrona e Titidar Nossa Senhora dos Mar- 
tyres. Tom., 1, Em que se tracta da sua origem e antigui- 
dade^ e se mostra a sua primazia a respeito das mais Paro- 
chias da mesma Cidade, Lisboa, na Officina de Ignacio Ro- 

driges. 1750. 4. 

1235. Caetano José da Silva Souto Maior, acadé- 
mico da Academia Real da Historia Portugueza, natural de 
Olivença. E. Catalogo dos Bispos de Leiria. Sahiu no tom. 
2. da Collec. dos Docum. e Mem. da Acodem. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina de Paschoal da Silva. 1722. foi. 

1236. Fr. Fernando de Abreu, religioso dominico, 
académico da Academia Real da Historia Portugueza, na- 
tural do Porto. E. Catalogo dos Bispos de Miranda. Sahiu 
no tom. I. da Collec. dos Docum. eMem. da Academ.JAs- 
boa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. I7^í. foi. 

1237. D. Fernando da EkcarnaçSo, cónego regular, 
sócio da Academia Litúrgica Pontificia. E. Dissertação em 
que se persuade terem, havido Metropolitanos em, Portugal 
nos quatro prim^eiros Séculos da Igreja. Sahiu no tom. 1. da 
Collecção da dita Academia. Colimbrise, ex Proelo Acade- 
mise Pontifíciae. 1760. 4. 

Dissertação sobre a forma dos Templos regularmente usa- 
da nos primeiros Séculos da Igreja, comprehendendo os da 
nossa Lusitânia. Veja-se o tom. 2. da dita Collecção. 

1238. D. Fernando de Noronha, nono Conde de 
Monsanto, académico da Academia Real da Historia Portu- 
gueza. E. Catalogo dos Bispos da Igreja de Portalegre. Sa- 
hiu impresso no tom. 1. da Collec. dos Docum.. e Mem. da 
Academ. Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Sil- 
va. 1721. foi. 

1239. D. Francisco de Almeida Mascarenhas, da 
Casa de Assumar, principal da Santa Igreja Patriarchal de 
Lisboa. E. Censura de uma opinião do Padre Quesnel, que 
no livro intitulado u Discipline de VEglise, tirée du Nouvean 
Testamento pertende provar que a disciplina Ecclesiadica 
das Igrejas de Hespanhafoi dependente das de França. Exa- 
minam-se os seus fundamentos, e se tnostra a falsidade d''es(a 
asserção. Acha-se impressa no tom. 11. da Collec. dos Do- 



PORTUGUEZA, 



235 



ctim. c Mem. da Academ. Real da Hiú, Port, Lisboa Oc- 
cidental, na Officina de José António da Silva. 1731. foi. 
Sahiu também em separado ; ibi, na mesma Officina, e no 
mesmo anno. 4. grande. 

Primeira Dissertação Critica conira as Memorias para a 
Historia do Bispado da Guarda, sobre alguns pontos da Dit- 
ciplina Ecclesiastica de Hespanha. Anda no tom. 1.3. da 
Collec, dos Docum. e Mem: da Acndem. Lisboa Occidental, 
na Officina de José António da Silva. 1733. foi. e fora da 
Collecçao : ibi na mesma Officina, e no mesmo anno. 8. 
grande. 

Apparaio para a Disciplina e Ritos Ecclesiasticós de Por- 
tugal. Part. 1. Na qual se irada da origem e fundação dos 
Patriarchados de Roma, Alexandria, e Antiochia ; e se des- 
creve com especialidade o Patriarchado da Occidente, mos- 
trando que as Igrejas de Hespanha lhe pertenciam por di- 
reito particular ; e por occasião doesta maieria se disputam 
bastantes questões pertencentes á Disciplina JEcclesiasiica, cu- 
riosas e não vulgares. Tom 1. e 2. Lisboa Occidental, na 
Officina de José António da Silva. 1735. 4. grande. Tom, 
3. e 4. Ibi, na dita Officina. 1736 e 1737. 4. grande. 

1240. Francisco Leitão Ferreira. E. Dissertação 
Apologética, em que se defende a verdade do primeiro Con- 
cilio Bracharense, descoberto e dado á luz por Fr. Berna r- 
do de Brito, Monge da Ordem de S. Bernardo, e Chronista 
Geral. Sabiu no tom. 3. dsL Collec. dos Docum. e Mem. da 
Academ. Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Sil- 
va. 1723. foi. 

Catalogo Chronologico-Crilico dos Bispos de Coimbra. Acha- 
se impresso no tom. 4. da dita Collecçao. Ibi, na mesma 
Officina. 1724. foi. 

1241. D. Francisco de S. Luiz. E. Discurso em que 
summariamente se mostram os motivos que Sua Magestade 
tem para não conceder o Real Exequatur á chamada Bulia 
de Confirmação do Padre António Pereira, no cargo de Vi- 
gário Capitular da Igreja Bracharense. Lisboa, na Impren- 
sa Nacional. 1B39. 4. Consta de 16 paginas, e nao accusa 
o nome de seu auctor. 

1242. D. Francisco de Nossa Senhora, cónego regu- 
lar. E. Dissertação sobre qual foi o primeiro Bispo de Bra- 
ga. Veja-se o tom. 3. da Collecçao da Academia Litúrgi- 
ca Poniificia. Colimbrice, ex Proelo Academia Liturgicíe. 
1761. 4. 

1243. Francisco Xavier da Serra Craesbeeck, aca- 
démico da Acadenria Real da Historia Portugueza. E. Catalo- 



236 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



go dos religiosissimos DD. Abbades do antigo Mosteiro de Santa 
Maria de Guimarães, de Religiosos e Religiosas de S. Ben- 
to; e dos lUustrissimos DD. Priores do mesmo Mosteiro, e 
da insigne , antiga e real Collegiada doesta Filia, conserva- 
da com o titulo de Nossa Senhora da Oliveira. Anda im- 
presso no tom. 6. da Collec. dos Docum. e Mem. da Aca- 
dem. Lisboa Occidental, na Officina de José António da 
Silva. 1726. foi. 

1244. Gabriel Pereira de Castro, natural de Bra- 
ga. E. Monomachia sobre as Concordias que fizeram os Reis 
com os Prelados de Portugal, nas duvidas da jurisdicção Ec- 
clesiastica e Temporal. Lisboa Occidental, por José Francis- 
co Mendes. 1738. foi. 

1245. Gaspar Clemente Botelho, cónego daSéd'El- 
vas, traduziu do italiano: Relação de verdadeiras rasõesem 

favor do Estado Ecclesiastico d"* este Reino de Portugal, feita 
em Roma no principio do anno corrente, superabundante ás que 
alli haviam feito pelo mesmo Reino, no anno de 1642, os 
Bispos de Lamego e eleito d^Elvas; pelo Doutor Nicolau 
Monteiro, Prior da Collegiada de Cedofeita, Agente do mes- 
mo Estado n''aquella Cúria, eleito Bispo de Portalegre. Lis- 
boa, por Paulo Craesbeeck. 1645. 4. Dezeseis paginas de im- 
pressão. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

1246. Ignacio de Carvalho e Sousa, académico da 
Academia Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. 
E. Catalogo dos Bispos d''Elvas. Saliiu no tom. 1. da Col- 
lec. dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa Occidental, na 
Officina de Paschoal da Silva, 1721. foi. 

1247. D. Jerónimo Contador de Argote. E. Memo- 
rias para a Historia Ecclesiastica do Arcebispado de Braga, 
Primaz das Hespanhas. Titulo T. Da Geographia do Arce- 
bispado P~)imaz de Braga, e da Geographia antiga da Pro- 
vinda Bracharense. Tom. l. Lisboa Occidental, na Ofíi- 
na de José António da Silva. 1732. 4. grande. Tom. 2. Ibi, 
na dita Officina. 1734. 4. Tom. 3. Lisboa, na Officina Sil- 
viana. 1744. 4. Titulo II. Dos Arcebispos que occuparam 
a Cadeira Primaz de Braga, e Concílios que celebraram. 
Tom. 1. Lisboa, na Officina Siiviana. 1747. 4. grande. 
I)'este tom. deixou de fazer menção o Abbade de Sever. 

1248. P. Joio CoL, congregado e académico da Aca- 
demia Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. E. 
Catalogo dos Prelados da Igreja de Fizeu. Sabiu impresso 
no tom. 2. da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. 
Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. 1722. 
foi. 



Sf^'í 



PORTCGUEZA. 



237 



1249. Joao Duarte Bet.trâo, presbj^tero secular, natu- 
ral da Villa do Pedrógão do Crato. E. Breve Tractado da 
actual Disciplina da Igreja Lusitana, sobre a alternativa 
dos Benefícios Ecclesiasticos. Lisboa, na Impressão Regia. 
1817. 4. 

1250. JoSo Ltjiz de Magalhães. E. Obelisco augus- 
to • Theatro trágico na morte do Serenissimo Senhor D. Jo- 
sé^ Arcebispo de Braga : relação de sua morte e enterro, 
Coimbra, na Officina de António Simões Ferreira. 1756. 4. 
Deve accrescentar-se á Bibliotheca Lusitana. 

1251. João Mendes da Fonseca, cónego prebendado 
da Catbedral de Lamego. E. Memoria Chronologica dos 
JExcellentissimos Prelados que tem existido na Cathedral de 
Lamego, desde afim do quarto Século. Lisboa, na Officina 
de António Rodrigues Galhardo. 1789. 4. 

1252. D. JoÂo DE Nossa Senhora da Porta, cónego 
regular, arcebispo d'Evora, e regedor da Justiça. E. Disser- 
tação sobre as vestes de que usaram os Sacerdotes na Litur- 
gia, nos primeiros seis Séculos da Igreja : se eram determi- 
nadas e peculiares, ou vestidos communs e quotidianos. Acha- 
se impressa no tom. 2. da Collecgão da Academia Litúrgica 
Pontifícia. Colimbriffi ex Proelo Academiíe Pontificise. 176 1 . 4. 

1253. Joio Pinto Ribeiro. E. Relação feita ao Pon- 
Ufice sobre a confirmação dos Bispos de Portugal. Veja-se a 
2. part. das suas Obras : Coimbra, na Officina de José An- 
tunes da Silva. 1730. foi. Tinha sabido com este titulo: 
A'* Santidade do Monarcha Ecclesiastico Innocencio X. expõe 
Portugal as causas de seu sentimento, e de suas esperan- 
ças. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1646. 4. 

1254. José Corrêa de Mello e Brito de Alvim 
Pinto. E. Dissertação : — Se o primeiro Bispo d^JEvora 

foi S. Maneio? Sahiu no tom. 3. da CoUecção da Acade- 
mia Litúrgica Pontifícia. Colimbriae, ex Prcelo Academise 
Liturgicíe. 1761. 4. 

1255. JosE Freire de Montarroyo Mascarenhas. E. 
Relação da magnificência, pompa, e applauso com que foi 
recebido pelos seus Diocesanos o Mxcellentissimo e Reveren- 
díssimo Senhor D. Lourenço de Santa Maria e Mello, ex- 
Arcebispo Primaz de Goa, Bispo de todo o Reino do Algar- 
ve^ do Conselho de Sua Magestade Fidelíssima. Com uma 
breve noticia da jornada que Sua Excellencia fez de Lisboa 
para aquelle Reino. Lisboa, na Officina de Pedro Ferreira. 

i753. 4. Dezeseis paginas de impressão. (*) 

1256. José Ignacio da Rocha Peniz. E. Breve His- 
toria, Critica na qual se mostra quando e como os Senhores 



238 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Méis de Portugal adquiriram a prerogaiiva de nomearem os 
S.ispos dos seus Reinos. Veja-se o num. 13. pag. 9 e seguin- 
tes do Jornal de Coimbra» Lisboa, na Impressão Regia. 
1813. 4. 

1257. P. Luiz Cardoso. E. Portugal Sacro-Profano, 
ou Ca talogo Alphabeiico de todas as Freguezias dos Reinos de 
Portugal e Algarves :; das Igrejas com seus Oragos ; do ti- 
tido dos Parochos, e annual rendimento de cada uma ; dos 
Padroeiros que apresentam, juntamente com as legoas de dis- 
tancia da Metropolido Reino, e da Cidade principal e cabe- 
ça do Bispado, com o numero dos fogos. Part. 1., Lisboa, 
na Officina de Miguel Manescal da Costa — a mesma edi- 
ção— 1757 e 1767. 8. Part. 2. e 3, Ibi, na dita Officina 
1768. 8, Sahiu com o supposto nome de Paulo Dias de 
Niza. 

1258. Luiz Duarte Villela da Silva. E. Memorias 
Históricas da Insigne e Real Collegiada de Santa Maria de 
Alcáçova, da Villa de Santarém, Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1B17. 4. (*) 

1559. D. Manuel Caetano de Sousa. E. Catalogo 
Histórico dos Summ,os Pontífices, Cardeaes, Arcebispos e Bis- 
pos Portuguezes que tiveram Dioceses, ou Titulos de Igrejas 
fora de Portugal, e suas Conquistas ^ com a noticia topogru' 
phica das Cidades de que J oram Prelados. Sahiu no tom 5. 
da Collec. dos Docum. e Mem. da Academ. Real da Hist, 
Port. Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. 
1725. foi. 

1260. D. Manuel da Encarnação, cónego regular. E. 
Dissertação : — Quando começou a Liturgia Musarabica nas 
Hespanhas ? Quanto tempo persistiu ? jE se ainda agora du- 
ra? Sahiu no tom. 3. da Collecção da Academia Liturgia 
ca Pontificia. Colimbrise, ex Proelo Academise Liturgicse. 
1761. 4. 

126 1. Manuel Fernandes, natural d'Evora. E. Svm- 
maria Recapitvlaçam da antiguidade da Sê de Lamego, 
Bispos, ^' Christandade delia ; Sf da sua nobreza. Composta 
pello Doutor Manoel Fernandez Cónego, Sf Leytor da escri- 
ptura sagrada, na mesma Sê: Sf tirada do capitolo trinta óf 
cinco da sua Poriugueza Miscellanea, Com licença impressa, 
emLisboa, Por Manoel de Lyr a, 1596. Consta de quinze folhas 
sem numeração. 4. A gravura do frontispicio é aberta em 
madeira. (Bibliotheca Publica do Rio de Janeiro). 

1262. Manuel Ferreira da Costa Saboya, E. Fiel 
Narração da passagem que fez pelo Bispado e Cidade do Por- 
to, nos dias 30 de Septembro, primeiro e segundo de Outu- 



PORTUGUEi^A, 



23<> 



bro de 1759, o Sereníssimo Senhoi' D. Gaspar, Prima» das 
Hespanhas, Arcebispo e Senhor de Braga. Porto, na Offi- 
cina de Francisco Mendes Lima. 1760. 4. Consta] de 20 
paginas. 

r^63. Fii. Manuel DE Figueiredo. F,. Introducguo pa- 
ra a Historia Ecclesiaslica do Bispado Lamecense, Lisboa, 
na Officiíui de Francisco Luiz Ameno. 1787. 8. Consta do 
50 paginas. 

1264. P. Manuel Monteiro. E. Je r ar chia Episcopal ; 
Tractado TVieologico, Juridico^ e Histórico, dividido em duas 
Partes: primeira do que pertence á pessoa e dignidade de Bis- 
po, sua eleição^ confirmação, sagração, preeminências e obri- 
gações : segunda dos Corepiscopos e Bispos titulares, suas re- 
galias e poderes ; das Dioceses de Portugal e Conquistas •, des- 
cripçuo de seus territórios, e catalogo de seus Bispos. jToíH. 1. 
Lisboa, na Ofíicina de Francisco da Silva. 1746. foL Sa- 
hiu em nome de Francisco Xavier Freire de Andrade. 

1255. Manuel Pereira da Silva Leal, académico da 
Academia Eleal da ílisíoria Portugueza, natural de Lisboa. E. 
Catalogo dos Bispos da Idnnha e Guarda. Sahiu no tom. 2. 
da Collec^ dos Docum. eMsm, da Academ. Lisboa Occiden- 
tal, na OíliGina de Paschoal da Silva. 1722. foi. 

Dissertação Exegética- Critica, em que se prova ser fabulo- 
so e supposto o Concilio que descobriu e deu á luz F>'. Ber- 
nardo de Britoy Chronista-mSr que foi d''este Beino, e com 
o nome de primeiro attribuiii á Santa Igreja Bracharense^ 
principal Metropolitana de Galliza.e Primaz das Hespanhas. 
Sahiu no tom. 3. da Collec. dos Docum. e 3Iem. da Aca- 
dem. Lisboa Occidental, na Ofíicina de Pascboal da Silva. 
1723. foi. e no fira das Mem.para a Hist. Medes, do Bispado 
da Guarda. Lisboa Occidental, na Ofôcina de José António 
da Silva. 1729. 4. grande. 

Catalogo dos Cónegos Magidraes e Doutoraes que a Uni- 
versidade apresenta nas Sés d''este Reino. Sahiu no tom. 5. 
da dita Collecção. Lisboa Occidental, na Ofíicina de Pas- 
choal da Silva. 1725. foi. 

Memorias para a Historia Ecclesiaslica do Bispado da 
Guarda. Part. 1. Comprehende em dois tomos o que per- 
tence áquelle Bispado, em quanto a Sê Episcopal residiu na 
Cidade da Idnnha^ desde a sua fundação aié ser extincta pe- 
los mouros. Tom. i. Lisboa Occidental, na Ofíicina de Jo- 
sé António da Silva. 1729, e nao 1724, como escreve Bar- 
bosa. 4. grande. 

126G. P. Manuel Rodrigues Leitão, desembargador 
da Casa da Siipplicaçao, c depois da Congregação do Orato- 

31 



no 



BIBLIOGUAPHIA HISTÓRICA 



Cita 

que 



no, natural de Lisboa. E. Traciado Analytico e Apologéti- 
co sobre os provimentos dos Bispados da Coroa de Portugal. 
Justifica-se o procedimento do Senhor Rei D. João IV. e do 
Senhor Rei D. Affonso PI. seu filho, com a Sê Apostólica. 
IJisboa, na Ofíicina Deslandesiana. 1715. foi. Barbosa 
segunda edição de Lisboa, referida ao anno de ITÔO, 
não vimos. 

.1^67. Manuel Sevkrim de Faria. E. Discurso sobre 
a origem e grande antiguidade das vestes que usa por habito 
ecclesiastico ^ o Clero de Portugal. Ê o quinto dos seus Dis- 
cursos Farios. Évora, por Manuel Carvalho. 1624. 4. Lis- 
boa, na Ofíicina de António Gomes. 1791. 8. Ibi, na Im- 
pressão Regia. IS05. 8. 

1260. D. Miguel da ExcaiínaçIo, cónego regular, só- 
cio da Academia Litúrgica Pontifícia, E. Dissertação Bis- 
iorica : — Se desde o Século XII. nas eleições dos Éispos da, 
L.imtania se ajuntava o consentimento dos Reis. Coimbra, 
na Typographia da Academia. 1764. 4. 

1269. D. Nicolau Monteiuo, cónego regrante, e de- 
pois bispo do Porto, d'onde era natural. E. Balidos das Igre^- 
Jas de Portugal ao Supremo Pastor^ Summo Pvniifice Ro- 
mano, pelos Três Estados do Reino. Impresso em Pariz, por 
Sebastião e Gabriel Cramoisj. 1653. 8. sem o nome do 
anctor. 

1270. Fii. Plácido be Andrade Bahroco, religioso 
da ierceira Ordem. E. Dissertação sobre a origem das ves- 
ies sagradas. Lisboa, na Ofíicina Typograpbica. 1791. 4. 

1271. D, Rodrigo da Cunha, bispo de Portalegre, e 
do Porto- arcebispo de Braga, e de Lisboa. E. Catalogo e 
Histoiía dos Bispos do Porto. Porto, por João Rodrigues. 
1623. foi. Snbiu de novo, illustrado por António Cerqueira 
Pinto, com este titulo : Catalogo dos Bispos do Porto, com- 
poúo pelo líhistiisdmo D. Rodrigo da Cunha, n''esta segun- 
da impressão addicionado, e com snpplemento de varias me^ 
monas ecdesiasticas d''es!a Diocese no discurso de onze Sécu- 
los. Porto, na Ofucina Prototypa Episcopal. 1742. foi. 

Historia Ecciesiastica dos Arcebispos de Braga, e dos San- 
tos e Varões lílustres que floresceram ri^este Arcebispado. 
Part. í. Braga, por Manuel Cardoso. 1634. foi. Part. :?. 
ibi, pelo dito Impressor. 16 35. foi. 

Historia Ecciesiastica dá Igreja de Lisboa, vida e acções 
de seus Prelados e Varões eminentes em santidade que n^ella 
floresceram. Tom. 1. Contém duas Partes: primeira dafun- 
daçuo de Lisboa até ser ganhada aos mouros por Elrei D. 
Ajfonso Henriques-.^ segunda do temno do mesmo Rei até o 



poutugueza. 



241 



reinado d^Klrei D. João J. cm que foi levantada em Me- 
tropolitana. Lisboa, por Manuel da Silva. 1G42. foi. 

1272. Thaddeu Luiz António Lopes da Fonseca Car- 
valho E Camões, natural de Guimarães. E. Breve Narra- 
ção da entrada e progressos que o Serènissimo Senhor D. Jo- 
sé, Arcebispo e Senhor de Braga <, Primaz das HcspanhaSf 
fez na muito notável Filia de Guimarães, desde o dia 10 de 
Dezembro de 1746. Saliiu no livro intitulado: Guimarães 
Agradecido ,• applauso métrico qtie a celebre Academia da 
muito notável Filia de Guimarães recitou, na presença e em 
louvor do Serènissimo Senhor D. José, Sfc Coimbra, no 
Real CoUegiodas Artes. 1747. 4. 

1273. D. Thomaz Caetano de Beâi. E. Noticia pré- 
via da Collecção dos Concilios celebrados pela Igreja Lusita- 
na, c mais pertencentes em suas Conquistas, Lisboa, na Oíâ- 
cina de Miguel Manescal da Costa. 17/>7. 4. 

Dissertação sobre a origem dos Metropolitanos na Lusita- 
nia. Acha-se impressa no tom. 1. da Collecção da Academia 
luiturgica Pontifícia, ColimbriíE, ex Proelo Academias Pon- 
tificiae. 1760. 4. 

12'f4. Fr. Vicente Salgado, da Congregação da Ter- 
ceira Ordem, natural de Lisboa. E. Memorias Ecclesiaiti^ 
cas do Reino do Algarve. Tom, I. Lisboa, na Regia Offi- 
cina Typograpbica. 1706. 8. 



1275. Discurso em que se pertende mostrar ter sido ca- 
nónica a deputação do Arcebispo Primaz Eleito, para Vi- 
gário Capitular da Diocese de Braga. Lisboa, no Imprensa 
Nacional. Í84l. 4. Tem 23 paginas, 

1276. Dissertação Critica e Apologética da aidhenticidade do 
primeiro Concilio Bracharense, celebrado em 41 \, vendicada 
contra os vãos esforços que para provar a sua supposição fi- 
zeram Gaspar Estaco, o Padre Macedo, o Doutor Manuel 
Pereira da Silva Leal, e ultimamente um sábio moderno, 
Lisboa, na Regia Officina Typograpbica. 1773.4. Sabia em 
nome de Lusitano Philopatrio. 

1277. Exame sobre a legitimidade canónica dos Vigários 
Capitidares de Vizeu, desde a fuga do Bispo até o presente. 
Lisboa, na Imprensa Nacional. 1839. 4. Consta de 16 pa- 
ginas. 

1278. Memoria sobre a união perpetua da Parochial 
Igreja de Carnide ao Priorado do Convento de Nossa Senho- 



242 



BIDLI06RAPHIA HISTOlRICA 



ra da Luz. Consta de 7 paginas, sem nota do anno^ neni 
úo logar da impressão. 4. 

la^ro. Noticia prévia e relação da jornada que o Excel- 
ientissimo e Reverendíssimo Senhor Bispo do Porto, D. Fr. 
José Maria da Fonseca e Évora, fez á Cidade d' Évora, ma 
pátria, em Maio de 1741. Sahiu impressa na Collecgão dos 
Jpplaitsos consagrados ao mesmo prelado na jornada, ingres- 
so, e assistência que fez na dita Cidade. Lisboa, na Offici- 
naSilviana. 1741. 4. grande. 

1280. Noticia damagnifica entrada que o Sereníssimo Se- 
nhor D. Gaspar, arcebispo Primaz das Hespanhas, deu na 
Cidade de Braga, no dia 23 de Outubro de 1759 ,• e se re^ 

ferem também as grandes festas que alli se fizeram com este 
motivo. Lisboa, na Officina de Francisco Borges de Sousa. 
1759. 4. Sete paginas de impressão. (*) 

1281. Relação do recebimento e festas que se fizeram, na 
Augusta Cidade de Braga, á entrada do Illustrissimo e Re- 
verendíssimo Senhor D. Rodrigo da Cunha, Arcebispo e Se- 
nhor d^lla, Primaz das Hespanhas. Dedicado a Diogo Lo- 
pes de Sousa, Conde de Miranda. Braga, porFractuoso Lou- 
renço de Basto. 1627. 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, 
Papeis Farios -^■^). 

1282. Relação verdadeira das festas que fez a augusta 
Cidade de Braga^ no recebimento do Illustrissimo Senhor D, 
Rodrigo da Cunha, Arcebispo Primaz e Senhor d^ella. Sa- 
biu sem folha de rosto ^ parece porém haver sido impressa 
r.o Porto em 1627. Consta de 77 paginas. 4. (Bibliotheca 
Nacional de Lisboa). 

1283. Relação da entrada que o Sereníssimo Senhor D. 
José de Bragança, Arcebispo Primaz, fez na Cidade de Bra- 
ga, aos 23 de Julho de !74i. impressa á custa de João Fer- 
reira. 4. Consta de 19 paginas. 

1284. Relação da chegada a este Reino do Excellentissi- 
mo e Reverendíssimo Senhor D. Fr, José Maria da Fonse- 
ca e Évora, Digníssimo Bispo do Porto. Sahiu na Collec- 
ção dos Applausos com que a mesma foi celebrada em Lisboa, 
no anno de 1740. Lisboa, na Officina Silviana. 1742. 4. 



grande, 



1285. Relação da solcmne entrada que, na Cidade de 
Miranda, fez o Excellentí&símo e Reverendíssimo Senhor D. 
Diogo Marques Blaurato, Bispo da mesma Diocese, em 21 
de Outubro de 1742. Porto, na Officina Episcopal. 1742.4. 
Consta de 13 paginas. 

1286. Relação da solemne entrada publica que na Cida- 
de do Porto fez, em o dia 5 de Maio de 1743, o Excellen- 



PORTUGUEZA. 

iisiimo c Reverendissimo Senhor D. Fr. José Maria da Fon- 
seca e Évora, Bispo da mesma Cidade. Porto, na Officina 
Prototypa Episcopal. 1743. 4. Consta de 22 paginas. (*) 
Sahiu reimpressa na CoUecção dos Applausos que ao mesmo 
prelado foram consagrados na sua cíiegada áquella Diocese. 
Lisboa, na Ofíicina Silviana. 1745. 4. grande. 

1287. Jtclagão de como a Congregação de S. Sento de 
Coimbra celebrou a eleição que Sua Alteza Real o Príncipe 
Jiegenie fez do Doutor Fr. Joaquim de Santa Clara para 
Arcebispo d^ Évora. .Lisboa, na Impressão Regia. 4. Consta 
de 2 paginas. 

1288. Relação das solemnes cjequias celebradas na Ca- 
thedral de Coimbra pelo eterno descanço do EccccIUniissimo e 
Reverendissimo Senhor D. Frpncisco de Lemos de Faria 
Pereira Coutinho, Bispo de Coimbra, Conde de Arganil, do 
Conselho de Sua Magestade, Reformador Reitor da Univer- 
sidade, mandadas fazer pelos Estudantes e mais pessoas do 
Corpo Académico. Coimbra, na Imprensa da Universidade. 
1822. 4, Consta de 8 paginas. 

1289. Serie Chronologica dos Prelados conhecidos da Igre- 
ja de Braga, desde a fundação da mesma igreja até o pre- 
sente tempo, precedida de tuna breve noticia de Braga anti- 
ga, e r-gidda de um Catalogo dos Bispos Titulares, Coadju- 
tores do Arcebispado. Coimbra, na Imprensa da Universida- 
de. 1Í330. 8. 



244. 



BIBUOGRÁPHU HISTÓRICA 



Título %^ 

CHRONICAS E MEMORIAS DAS ORDENS RELIGIOSAS; FUNDAÇÕES DE 

C0NVEi\TOS, ETC. 



1290. Fk. António Caetano de S. Boaventura, fran- 
ciscano, natural de Lisboa. Escreveu: Paraizo Místico da 
Sagrada Ordem dos Frades Menores. Porto, na Officina 
Episcopal de Manuel Pedroso Coimbra. 1750. foi. Tractaem 
compendio da origeip e progressos d'esta Ordem. 

1291. Fr. António da Encarnação, religioso domini- 
CO, natural d'Evora. E. Addição á fundação do Convento de 
S. Domingos de Bemfica. Veja-se oliv. 2. cap. ia. da Se- 
gunda Parte da Historia de S, Domingos. Lisboa, na Ofa- 
cina de Henrique Valente de Oliveira. 1662. foi. Ibi, na 
Officina de António Rodrigues Galhardo. 1767. foi. 
^1292. P. António Franco, jesuita, natural de Montal- 
vão. E. Imagem da Virtude em o Noviciado da Companhia 
de Jesus do Real CoUegio do Espirito Santo d''Evora, do 
Meino de Portugal; na qual se contém a fundação d'esia 
Santa Casa, vida de seu fundador, e mais servos de Deus- 
que n^ella ou foram Mestres ou Discípulos. Lisboa, na Offi- 
cina Deslandesiana. 1714. foi. 

Imagem da virtude em c Noviciado da Companhia de Je- 
sus na Corte de Lisboa ; em que se contém a fundação da 
Casa, e os religiosos de Virtude que em Lisboa foram Novi- 
ços. Coimbra, no Real Collegio das Artes. 17 17. foi. 

Imagem da Virtude em o Noviciado da Companhia de Je- 
sus no Meai CoUegio de Jesus de Coimbra, em Portugal ; na 
qual se contém as vidas e santas mortes de muitos homens de 
grande virtude que n^aqueUa Santa Casa se criaram ^ Tom\ 
1^ Évora, na Officina da Universidade. 1719. foi. Tom. 2. 
Coimbra, no Real Collegio das Artes. 1719. foi. 

1293. Fr. António da Piedade, chronista da sua»Or- 
dem, natural de Santarém. E. Espelho de Penitentes, e 
Ckronica da Provinda de Santa Blaria d' Arrábida, da re- 
gular e mais estreita observaiicia da Ordem do Seráfico Pa- 
triarcha S. Francisco, no indittdo Capucho. Tom. 1. Lisboa 
Occidental, na Officina de José António da Silva. 172B.fo]. 
1294. Fr. António da Purificação, cíironista da 
sua Ordem, natural do Porto. E. Chronica da antiquíssima 
Província de Portugal da Ordem dos Eremitas de Santo 



POKTOGUEZA. 



215 



Agostiníío^ Bispo de flyponia, e principal Doutor da Igreja. 
.Fart, 1. Lisboa, por Manuel da Silva. 1612. foi. Part. 2. 
Ibi, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1656. foi. 

1295. Fr. Appolinario da Conceição. E. Claustro 
Franciscano credo 720 domínio da Curo a Poriíujueza. Expõc' 
se sita origem, e estudo presente • a de seus Conventos e Mos- 
teiros ^ annos de suas fundações ^ numero de hospicios, pre- 
feituras, recolhimentos, parochias, e missões, dos quaes se dá 

individual noticia ; e do numero de seus religiosos, religiosas, 
terceiros e terceiras, que tnveni collegiadamente, tanto em 
Portugal, como em suas Conquistas. Lisboa Occidental, na 
Ofâcina de António Isidoro da Fonseca. 1740. 4. 

1296. P. Balthezak Tklles. E. Chronica da Compa- 
nhia de Portugal, e do que fizeram nas Conquistas d'*este 
Mcino os religiosos que na mesma Provinda entraram, nos 
annos em que viveu Santo Ignacio de l^oyola. Part. 1. Na 
qual se contém os princípios doesta Provinda, no tempo em que 
a fundou e governou o Padre Mestre Simão Rodrigues. Lis- 
boa, por Paulo Craesbeeck. 1645. foi. Part. 2. Na qual se 
contém as vidas de alguns religiosos mais assignalados que 
na mesma Provinda entraram, nos annos em que viveu San- 
to Ignacio de Loyola ^ com o summario das vidas dos Sere- 
9iissimos Heis D. João III. e 'D. Henrique, fundadores eiu' 
signes bemfeitores d''esía Provinda. Lisboa, pelo dito Impres- 
sor. 1647. foi. 

1597. Fr. Belchior de Samt-Anna, clironista da sua 
Ordem, natural do Grajal. E. Chronica de Carmelitas Des- 
calços, particular do Reino de Portugal, e Provinda de S. 
Filippe, Tom. 1. Lisboa, na Ofiicina de Henrique Valente 
de Oliveira. 1657. foi. 

1298. Fr. Bernakdo de Brito. E. Primeira Parte 
da Chronica de Cister, onde se contam as cousas ptincipaes 
d°'eita Religião, com muitas antiguidades assim do Reino de 
Portugal, como de outros muitos da Christandade. Lisboa, 
por Pedro Craesbeeck. 1602. foi. e pela seo;unda vez: Lis- 
boa Occidental, naOffieinade Paschoal da Silva. 1720. foi. 
Wejam-se também : Erros Históricos de Fr. Bernardo de 
Brito, na Chronica de Cister, correctos em 1834, por Antó- 
nio de Almeida, e impressos no tom. 12. part. 1. das Me- 
morias da Academia Eealdas Sciencias. 113. Jjhhoa, Typogra- 
pbia da Academia. 1837. foi. 

Historia da fundação do Mosteiro de S. Pedro e S. Pau- 
lo ue Arouca, e da santa vida de seus primeiros fundadores y 
e das maravilhas que Nosso Senhor obrou em seus principias. 
Sahiu com as Memorias para a vida de beata Mafalda^ 



246 



BIBLiaSKiPHIA íilSTOaíCA 



publicadas por Fr. Fortunato de S. Boaventura: Coimbra, 
na Imprensa da Universidade. 1814. 8. 

1299. Fr. ChíiistovIo Osório, religioso trino, natu- 
ral de Lisboa. E. Pancarpia, Prosas hi%toticas e Ululares de 
varões collocados e illustres da Ordem da Saniissinia Trin- 
dade^ com algumas excallencias d''eHa. Lisboa, por Pedra 
Craesbeeck. 1628. 8. 

1300. Fr. Estevão de Sant^Angelo, provincial dos 
Carmelitas, natural de Lisboa, traduziu na lingua materna 
e addicionou : Jardim Carmelitano ; Historia chronologica e 
geographica ; ^^oiicias sagradas, domedicas e estranhas da 
Religião Carm^elitana. Composta na lingua italiana pelo R, 
P. tr. Egidio Leoindeíicáto. Pari. 1. 2. 3. e 4. Lisboa, 
Occidental, na Ofâcina Silviana. 1741. foi. 

1301. Fr. Fernando da Soledade. E. Historia Se- 
ráfica Chronologica da Ordem de S. Francisco, na Provin- 
da de Portugal. Part. 3. Refere os seus progressos em 
tempo de f>2 annos, do de 1448 aié o de 1500. Lisboa, na 
Ofíicina de Manuel e José Lopes Ferreira. 1705. foi. Sa- 
hiu novamente eseripta, emendada, e accresceníada: Lisboa 
Occidental, na Ofíicina de Domingos Gonçalves. 1735. foi. 
Part. 4. Itefere os seus progressos cm tempo de 68 annos, do 
de 1501 até 1568. Lisboa, na Ofíicina de Manuel e José Lo- 
pes Ferreira. 1709. foi. e pela segunda vez, accrescentada 
e emendada : Lisboa Occidental, na Ofíicina de Domingos 
Gonçalves. 1737. foi. edição de que nao fez metnoria o Ab- 
bade de Sever. Part. 5 .Refere os seus progressos etn tempo de ^4& 
annos, Jo dei 569 até o de 1715. Lisboa Occidental, na Offi- 
cina de António Pedroso Galrao. í721. foi. 

1302. Fr. Fortunato ds S. Boaventura. E. Histo- 
ria Chronologica e Critica da Real Abhadia de Alcobaça, da 
Congregação Cislerciense de Portugal., para servir de con- 
tinuação á Alcobaça Illusirada do Chronista-mor Fr. Ma- 
nitel dos Santos. Lisboa, na Impressão Regia. 1827. foi. 

1303. D. Francisco de Santa Maria. E. OCeuaber- 
to na Terra. Historia das Sagradas Congregações dos Cóne- 
gos Seculares de S. Jorge, em Alga de Veneza, e de S.João 
Mvangelida em Portugal. Lisboa, na Officina de Manuel 
Lopes Ferreira. 1697. foi. 

1304. Fr. Francisco de Santiago, franciscano, natu- 
ral de Barcellos. E. Chronica da Santa Provinda de .Nossa 
Senhora da Soledade, da mais estreita e regular observância 
do Seráfico Padre S. Francisco do institido dos Descalços, 
no Reino de Portugal. Tom. 1. Lisboa, na Ofíicina de Mi. 
guel Manescal da Costa, 1762, foi. 



PORTBfiBEíA. 247 

1»06. Fit. HENRiauE DE Santo António, chronista da 
Congregação de S. Paulo, natural de Cascaes. E. Chronica 
doa Eremitat da Sena d'*Ossaf no Reino de Portugal, edos 
^ue floresceram em lodosos mais Mrmos da Christandade, dos 
qxiaet nos seguintes séculos se formou a Congregação dos Po- 
bres de Jesu Chrisio, e muito depois a sagrada de S. Paulo, 
primeiro Eremita, chamada dos Eremitas da Serra d''Ossa, 
Tom. 1. Lisboa, na Officina de Francisco da Silva. 1746. 
foi. Tom, 2. Ibi, na mesma Officina. 1752. foi. 

1306. Fr. Jerónimo de Belém, franciscano, natural 
da Villa dos Arcos de Valdevez. E. Chronica Seráfica da 
Santa Provinda dos Algar ves, da regular observância do Se- 
ráfico Padre S. Francisco ,* em que se tracta da sua origem^ 
progressos, e fundação de seus Conventos . Part, 1. Lisboa, na 

Officina deignacio Rodrigues. 1750. foi. Part. 2. 3.c4.Ibi, 
noMosteiro de S. Vicente de Fora. 17.53. 1755 e 1758. foi. 
Supp ! emento á Terceira Parte da Chronica Seráfica. Lis- 
boa, no Mosteiro de S. Vicente de Fora. 1757. foi. 

1307. Fr. Jeronymo de S. José, religioso trino, na- 
tural de Guimarães. E. Historia Chronologica da esclareci- 
da Ordem da Santissima Trindade, Hedempção de CaptivoSy 
da Província de Portugal. Tom. 1. Lisboa, na Officina de 
Simão Thaddeu Ferreira. 1789. foi. Tom. 2. Ibi, na dita 
Officina. 1794. foi. Veja-se também : Appendix de algumas 
cousas mais notáveis que occorreram a esta nova Historia 
Chronologica da Ordem da Santissima Trindade de Portugal» 
Lisboa, na Imprensa Regia. 1280 (aliás 1820). foi. Dezeseis 
paginas de impressão. 

1308. Fr. João do Sacramento, chronista da sua Or- 
dem, natural de Lisboa. E. Chronica de Carmelitas Descal- 
ços, particular da Provinda de S. Filippe, do Reino de Por- 
tugal e suas Conquistas, Tom. 2. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina Ferreirenciana. 1721. foi. 

1309. D. José Barbosa. E. Historia da fundação do 
Real Convento do Santo Christo, de Religiosas Capuchinhos 
Erancezas ; vidas de suas fundador as, e de algumas religio- 
sas insignes em virtudes, Lisboa, na Officina de Francisco 
Luiz Ameno. 1748. 4. 

1310. Fr. José DE Jesus Maria, chronista da sua 
Religião, natural da Villa dos Arcos de Valdevez. E. Chro- 
nica da Provinda de Santa Maria da Arrábida, da regular 
e mais estreita observância da Ordem do Seráfico Patriar- 
€ha S. Francisco. Tom. 2. Lisboa Occidental, na Officina 
de José António da Silva. 1737. foi. Vimos também um exem- 
plar tfesta mesma edição com o titulo seguinte : Espelho de 

32 



248 



BIBLIOfiRAPHIA HISTÓRICA 



Penitenéei, e Chronica das vidas dos Santos, em que se mani- 
festam as vidas de muitos varões de abalisadas virtudes, e ou- 
trai que pelas verdades da Fê Catholica sacrificaram as vi- 
das; aonde se mostram ás fundagões de algumas Provindas 
que floresceram em Santidade, por seu auctor Fr. Francis- 
co de Monforte, Religioso Menor . Lisboa, na Officína do 
Doutor Manuel Alvares Solano. 1754. foi. Este mesmo 
titulo se nos deparou também em utti exemplar da segunda edi- 
ção da Chronica dá Provinda da Piedade^ por Fr. Manuel 
de Monforte, de quem adiante se faz memoria. 

131 1. Fr. José Dlí Jesus Mauia, chronista da §ua Or- 
dem, natural de Almendra, no bispado de Lamego. E. Ckro. 
nica de Carmelitas Descalços^ pariicidar da Provinda de S. 
Filippe, dos Reinos de Portugal, Algarve, e suas Co7iquistas- 
Tom. 3. Lisboa, na Ofíicina de Bernardo António de Oli- 
veira. 1753. foi. 

1312. Fr. José Pereira t)E Sant'Anna, chronista ge- 
ral da sua Ordem, natural do Rio de Janeiro. E. Chronica 
dos Carmelitas^ dá antiga e regular observância n''esies Rei- 
nos de Portugal, Algarves^ e seus Domiiiios. Tom. 1. Lis- 
boa, na Officina dos herdeiros de Atitonio Pedroso Galrão. 
1*745. foi. Tom. 2. Ibi, na dita OMcina. 1751. foi. 

1313. JosE DE Seabra da Silva^ em seu nome corre 
impresisa : Deducção Chronologica e Analytica. Part. I. Na 
qual se inanifestám, pela successiva serie de cada um dos rei- 
nados da Monarchia Portugueza, que decorreram desde o Se- 
nhor Rei D, João Ifl. até o presente, os horrorosos estragos 
que a Companhia denominada de Jesus fez em Portugal, e 
iodos os seus Domínios, por um plano e systema por ella inal- 
teravelmente seguido, desde que entrou n''este Reino, até 
que foi d'' ella proscripta e expulsa, pela justa, sabia, e pro- 
vidente Lei de 3 de Setembro de 1759. Lisboa, na Of- 
ficina de Miguel Manescal da Costa. 1767. foi. Part. 2. 
Na qual se manifesta o que successiva mente passou nas diffe- 
rehtes epochas da Igreja sobre a censura, prohibição, e im- 
pressão dos livros ; demonstrando-se os intoleráveis prejuisos 
qUe com o abuso d''ellas se tem feito ã mesma Igreja de Deus, 
a todas as Monar chias, a todos os Estados Soberanos, e ao soce ^ 
gà publico de todo o Universo. Lisboa, na dita Officina. 1768. 
foi. N'este mesmo anno, e ha dita Officina se imprimiram 
as Provas da 1. e 2. part. foi. e de novo toda a obra em 
cinco tomos. 8. 

1314. Fr. Leão de S. Thomaz, monge de S. Bento, 
e chronista da sua Religião, natural de Coimbra. E. Bene- 
dictina lusitana. Tom. 1, Coimbra, na Officina de Diogo 



rORTCGVEZA. 

Gome» de Loureiro. 1644. foi. Tom* «. Ib, na Officina 
de Manuel de Carvalho. 1651. foi. 

1315 Fr. Locas DE Santa Catharina. E. Quarta Par- 
te da Historia de S. Domingos, particular do Reino e Con- 
quistas de Portugal. Lisboa Occidental, na Officina de José 
António da Silva. 1733. foi. e pela segunda vez: Lisboa, 
na Officina de António Rodrigues Galhardo. 1*767. foi. 

1316. Fr. Luiz de Jesus, agostinho descalço, natural 
de Cabrella. Historia Miscellanea, que comprehende a fun- 
dação dos Religiosos Descalços de Santo Agostinho na Filia 
de Santarém, Sfc. Lisboa Occidental, na Officina de Pedrp 
Ferreira. 1734. 4. ^ 

Í317. Fr. Luiz de Sousa, religioso dorainico, e chró- 
nista da sua Ordem, natural de Santarém. E. Primeira 
Parte da Historia de S. Domingos, particular do Reino e 
Conquistas de Portugal, por Fr. Luiz de Cacegas, da mesma 
Ordem e Provinda, e Chronista d''ella ; reformada em estilo 
e ordem, e ampliada em successos e particularidades. Impres- 
sa no Convento de S. Domingos de Bemfica, por Giraldo 
da Vinha. 1623. foi. Part. 2. Lisboa, na Officina de Hen- 
rique Valente de Oliveira. 1662, e não 1626, como se acha 
impresso na Bibliotheca Lusitana, foi. Part. 3. Ibi. na Of- 
ficina de Domingos Carneiro. 1678. foi. Foram reimpres- 
sas; Lisboa, na Officina de António Rodrigues Galhardo. 
1767. três tomos. foi. 

1318. Fr. Manuel de S. Caetano Damásio. E. 
Thebaida Portugueza . Compendio Histórico da Congregação 
dos Monges Pobres de Jesu Christo da Serra d^ Ossa, chama- 
da depois de S. Paulo, primeiro Eremita, em Portugal. Pom. 
1. e 2. Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1793. 8. 

1319. Fr. Manuel da Esperança, provincial dosfran- 
ciscanos, natural do Porto. E. Historia Seráfica da Ordem 
dos Frades Menores de S. Francisco, na Provinda de Por- 
tugal. Part. 1. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 1656, 
foi. Part. 2. Ibi, na Officina de António Craesbeeck de 
Mello. 1666. foi. 

1320. Fr. Manuel de Figueiredo. E. Mappa nomi- 
nal de todos os Abbades de Alcobaça, Geraes da Congregação 
de S. Bernardo \ com todas as declarações, e circumstancias 
que os fazem conhecidos. Lisboa, na Officina de Francisco 
Luiz Ameno. 1789. 4. (*-) 

1321. Fr. Manuel de Santa Luzia, trino. E. iVbòiVíar- 
chia Prinitaria. Catalogo de varões illustres em lettras, vir- 
tudes e nascimento, filhos por profissão da Ordem da Saniis- 



2S0 



BlBLiefiRAPHlA >IfST0RIC4 



sima Trindade^ da Provineia de Portugal, Tom, 1. Lisboa, 
na Officina de Miguel Manescal da Costa. 1766. 8. 

1322. Fr. Manuei, de Maria Santíssima, missionário 
apostólico, E. Historia da fundação do Real Convento e 
Seminário de Varatojo ; cotn a compendiosa noticia da vida 
do venerável Padre Fr, António das Chagas, e de alguns 
varõesillustres, filhos do mesmo Convento e Seminário. Tom. 
1. Porto, na Officina de António Alvares Ribeiro. 1799. 8. 
Tom. 2. Ibi, na dita Officina. 1800. 8. 

1323. Fr. Manuel de Monforte, chronista da sua Reli- 
gião, naturalda Villado seu appellido. E. Chronica da Pro- 
vinda da Piedade^ primeira capucha de toda a Ordem, e re- 
gular observância do Seráfico Padre S, Francisco. Lisboa, 
íia Officina de Miguel Deslandes. 1G96. foi. Ibi, na Offici- 
na de Miguel Manescal da Costa. 1751. foU Desta edição 
se esqueceu Diogo Barbosa Machado. 

1324. P. Manuel Monteiro. E. Historia da fundação 
ílo Real Convento do Louriqal, de Religiosas Capuchas ,• e 
vida da venerável Maria do Lado, sua primeira instituidora, 
e de algumas religiosas que falleceram no mestno Convento 
eom opinião de virtude, Lisboa, na Officina de Francisco da 
Silva. 1750. 4. 

1325. Manuel de Oliveira Feiireira, chronista ge- 
íal da Terceira Ordem, natural do Porto. E. Compendio 
geral da Historia da venerável Ordem, Terceira de S. Fran- 
cisco. Porto, na Officina do Capitão Manuel Pedroso Coim- 
bra. 1752. foi. 

1326. Fr. Manuel de Sá, provincial e chronista da Or- 
dem do Carmo, natural de Lisboa. E. Memorias Históricas 
dos Illustrissimos Arcebispos, Bispos, e Escriptores Portugue- 
acs da Ordem de Nossa Senhora do Carmo, reduzidas a ca- 
talogo alfabético. Lisboa Oriental, na Officina Ferreiriana. 
1724. 4. 

Memorias Históricas da Ordem de Nossa Senhora do Car- 
m,o, da Província de Portugal. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina de José António da Silva. 1727. 4. 

1327. Fr. Manuel DOS Santos. E. Alcobaça lUustrada. 
Noticias € Historia dos Mosteiros e Monges insignes Cistercien- 
ses da Congregação de Santa Maria de Alcobaça, da Ordem 
de S. Bernardo, n''estes Reinos de Portugal e Algarves. 
Part. 1. Contém a fundação, progressos gloriosos, privilégios, 
regalias e jurisdicção do Real Mosteiro de Alcobaça, cabtça 
da Congregação, no tempo de seus Abbades perpétuos, e Ad- 
ministradores Commendatarios, até á morte do Cardeal Rei D. 
Henrique y com imiitas noticias antigas e modernas do Reino, 



PORTUGHEZi. 

€ Sereníssimos Reis de Portugal. Coimbra, na Offiffina^de 
Bento Secco Ferreira. 1710. foi. 

1328. Fr. Marcos de Lisboa, ou de Bbthatíia, fran- 
ciscano, e depois Bispo do Porto, natural de Lisboa. E. 
meira Parte das Chronicas da ordem dos frades Menores do 
ser aphico padre sam Francisco, seu instituidor &f primeiro mi- 
nistro geral. Qve se pode chamar, feitas patrum dos Meno- 
res. Conta dos principios Sf primeiros sanctos padres desta sa- 
grada religiam. NouamSte copilada Sf ordenada dos antigos 
liuros Sf memoriaes da ordem, per frei Marcos de JLisboa 
frade menor da prouincia de Portugal. Contem esta Pri- 
meira Parte dez liuros emquehe diuisa, pêra mayor clareza 
da hystoria, Como na volta desta folha se vera. Com Privi- 
legio Real por dez annos. Subscripção: Imprimiose esta obra 
tm. Lisboa em casa de Joannes Blauio de Colónia, Sf aea- 
bouse a. xxx. de Março, anno 1557. Vendese em casa de 
Joam de Borgonha liureiro, taxada a duzentos ^ vinte re€$ 
empapei. A gravura do frontispicio é aberta em madeira, 
foi. gothico. (Bibliotheca Publica d'Evora, e a Livraria do 
Ex.mo D. Francisco de Mello Manuel). Sahiu pela segunda 
vez com este titulo: Primeira parte das Chronicas da ordêdos 
frades Menores do ser aphico Padre sam Francisco, seu ins- 
tituidor, Sf primeiro ministro geral. Que se pode chamar 
Fitas patrií, dos Menores. Copilada Sf tomada dos antigos 
liuros Sf memoriaes da ordem, per frey Marcos de Lisboa 
frade Menor, da prouincia de Portugal. Agora segunda vex. 
per elle reuista ^ emendada. Com Priuilegio Real. Traz no 
lim as armas reaes , e por baixo a seguinte subscripçâp : 
Foy impressa esta obra em a muy nobre Sf sempre leal ci- 
dade de Lixh:)a em casa da Manuel Joam, Sf acabou se aos. 
XX. dias de Feuereiro de. 15f)6. foi. gothico. A estam- 
pa do frontispicio é aberta em madeira. (Livraria do Ex."^o 
D. Francisco de Mello Manuel). A terceira edigao diz o 
seguinte ; Primeira Parte das Chronicas da Ordem dos 
Frades 3Ienores do Seraphico Padre Sam Francisco, seu ins- 
tituidor, Sf primeiro Ministro geral: que se pode chamar 
Fitas patrum dos Menores. Copilada Sf tomada dos antigos 
liuros Sf memoriaes da ordem, per Frey Marcos de Lisboa 
frade Menor, da prouincia de Portugal. Sfc. Impressa com 
licença do conselho geral da sancta Liquisigão, Sf do Ordiná- 
rio. 15 87. A custa de Joam de Espanha <^' Miguel de Are- 
nas Liureiros. E no fim : Foy impressa em Lisboa, per An- 
tónio Ribeyro. Anno de 1587. foi. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, Livraria do Archivo Nacional, e a do Ex."i" J). 
Francisco de Mello Manuel). ., 




è5^ BIBLlOáRiPHIA HISTÓRICA 

Farie Segvnda dat Oironicai da Ordem dos frades meno^ 
res Sf das outras ordês segunda êf terceira, instituídas na igre- 
ja per o sanctissimo Padre sam Francisco. Comprehende a 
Historia do qiie aeonteceo em tempo de vintequatro Ministros 
geraes, que sòcederam ao Padre sam Francisco, te os princi' 
pios da reformaçam da obscruancia na ordem, per spaço de 
cento Sf cincoenta annos. Nouamente copilada Sf ordenada 
dos antigos Liuros Sf Hystoriadores i5f memoriaes da ordem, 
perfrey Marcos de Lisboa frade menor da prouincia de Por- 
tugal da obseruãcia, peragíoria de nosso Senhor «^ de seus 
sanctos, Sf edificaram das Almas. He repartida esta parte em 
dez Liuros pêra mays clareza da Hystoria. Com PriuHegiok 
Vendese a quatorze vintes e papel, è casa de Joã de Borgo- 
nha. No fim tem estas palavras : Acabouse a presente obra 
de imprimir im Lisboa em casa de Joannes Blauio impressor 
dei Rey nosso Senhor, a custas de Joam de Borgonha Li- 
ureiro dei Rey nosso Senhor 6f vendese em a rua noua em 
casa do dito Joam de Borgonha. Anuo de mil quinhentos ses- 
senta Sf dous a. xxv. Dabril. A estampa do frontispício é 
aberta em madeira, foi. gothico. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, e a Publica d'Evora :; líivraria do Archivo Nacio- 
nal, e a do Ex,™o D. BVancisco de Mello Manuel). 

£stas duas Partes, com a terceira (que se imprimiu em 
castelhano : En Salamanca En casa de Alexandra de Cano- 
tia, Ano, M.D.LXX. foi.) sahiram de novo, por indus- 
tria de Fr. Luiz dos Anjos, religioso da Província dos Al- 
garves : Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1615. três tomos, 
foi. Deve corrigir-see addieionar-se a Bibliotheca Lusitana, 
na parte que diz respeito á impressão d'estas Chronicas. 

1329. Soror Maria Baptista, natural de Lisboa. E. 
Livro da fundação do Mosteiro do Salvador, da Cidade de 
Lisboa, e de alguns casos dignos de memoria que n^elle acon- 
teceram, Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1618. 8. 

1330. Maria Benta imCeu, religiosa professa. E. Jar- 
dim do Ceu, plantado no Convento de Nossa Senhora da Con- 
ceição de Braga, em que se tracta das memorias da funda- 
ção d'' este pritneiro Convento do Beino, dedicado á Conceição 
purissima de Nossa Senhora, e se ejpõe a vida da venerável 
D, Beatri» da Silva, fundadora d'' esta Ordem, e as de 
Oidras religiosas illustres em santidade, que no referido Con- 
vento floresceram, desde o anno de 1629 até o de 1764. Lis- 
boa, na Ofíicina de Manuel Coelho Amado. 1766. 4. 

1331. Soror Maria Magdalena de S. Pedro, natu- 
ral de Lisboa. E. Noticias fielmente relatadas dos custosos 
meios por onde veio a este Reino de Portugal a Religião 



POhTKfiUEZA. 



25S 



JJnijiiana, que se intitula a Ordem de S. Salvador ; e da 
prodigiosa fundação^ e milagroso$ aitgmentos do Convento de 
j^íossa Senhora da Conceição de Dlarvilla^ o qual teve o teu 
principio a \Q de Março de 1660^ e se seguem varias rela- 
ções das virtudes e boa opinião co7n que n^elle falleceram al- 
gumas religiosas^ e insignes bemfeitoras» Lisboa, na Offici- 
na de Miguel Manescal da Costa. 1745. 4. 

1332. Fr. Martinho do Amor de Deus, chronistada 
9iia Ordem, natural de Lisboa. E. JEsehola de Penitencia; 
Caminho de perfeição ,- Estrada segura para a vida eterna. 
Clironica da Santa Provinda de Santo António^ da regular e 
estreita observância da Ordem do Seráfico Patriarcha S» 
Francisco^ no instituto Capucho, n'«í« Reino de Portugal» 
Tom. 1. Lisboa Occidental, na Officina dos herdeiros de 
António Pedroso Galrão. 1740. foi. 

1333. D. Nicolau de Sa-nta Maria, chronistada Con- 
gregação de Santa Cruz de Coimbra, natural de Lisboa. E. 
Chronica da Ordem dos Cónegos Regrantes^ do Patriarcha, 
Santo Agostinho. Part. \. e 2. Lisboa, na Officina de João 
da Costa. 1668. foi. 

1334. Fr. Pedro de Jesus Mabia José, chronista da 
sua Religião, natural de Vianna do Minho. E. Chronica da 
Santa e Real Provinda da Immaculada Conceição de Por- 
tugal, da mais estreita e regular observância do Serafim cha- 
gado S. Francisco. Tom. I. Lisboa, na Officina de Mi^ 
guel Munescal da Costa. 1754. foi, e pela segunda vez : ibi, 
na mesma Officina. 1760. foi. Tom. 2. Ibi, na dita Offi- 
cina. 1760. foi. 

1335. Fr. Pedro Monteiro, religioso dominico, aca- 
démico da Academia Real da Historia Portugueza, natural 
de Lisboa. E. Claustro Dominicano. Lanço Primeiro. Tra- 
cto dos Arcebispos e Bispos que teve a Religião Dominicana 
em Portugal e suas Conquistas, e de alguns Portuguezes que 
o foram em outros Reinos; dos Confessores e Pregadores dai 
Pessoas Reaes, Sfc. Lisboa Occidental, na Officina de An- 
tónio Pedroso Galrão. 1729. 4. 

Claustro Dominicano. Lanço Terceiro, Contemos Lentei 
d''esta Ordem que leram na Universidade de Coimbra ; algunt 
religiosos d''eUa que sendo Portuguezes também foram Len- 
tes públicos nas XJniversidades de outros Reinos. Os que to- 
maram os graus de Mestres em Artes, Bacharéis, Presenta- 
dos. Doutores e Mestres em Theologia ; os Escriptores que 
n''ella tem havido, e alguns religiosos que tiveram occupa- 
ções graves na Corte de Roma. Lisboa Occidental, na Offi- 
cina de Anionio Pedroso Galrão. 1734. 4. 



284 



fitBLIÕSiiÁPHIA HISTOniCÀ 



O Lanço Segundo^ em que se dava noticia dos Inquisido- 
res Geraes, Deputados do Supremo Conselho da Inquisição, 
&c., não chegou a imprimir-se n'este formato, por isso que 
as noticias que d'elles colligira o auctor tinham sahido nos 
primeiros tomos da Colleeção dos Documentos e Memorias da 
Academia Real^ como adiante severa. 

1336. Fr. Simão Coelho, chronistadasua Religião, na- 
tural de Lisboa. E. Primeira parte do Compèdio de Chroni- 
ca% da Ordem da muito bemauenturada sempre virgem Ma- 
ria do monte do Carmo agora nouamète copillado 

per Frei Simão Coelho, Mestre em IVieologia, professo da 
dita Ordem, 6f Moesteiro de nossa Senhora do Carmo de 
Lixboa. Declarase nelle a miiy antiga instituiçam óf con- 

firmaçam desta sagrada Religião, cõ as mais preeminências 
que conforme a direito tem, a dinidade de seu titulo, os fei" 
tos heróicos Sf sanctidade de algus Religiosos delia. Sumaria' 
mete a vida de muitos delles. Mxpoense muitas authoridadet 
da sagrada Scriptura. Traaense muitos ditos de doctissimos 
barões, assi antigos como modernos. Tratãose muitas materiai 
moraes mui proucitosas ás almas, Sfmuy dinas de se saberem, 
jiússinãose alguas descripçôes de prouincias, cidades, rios, Sf 
tnontes. PoS se primeiro a Regra como texto, pêra q confor- 
me a ella se siga ordenadamente a exposiçam,, com o que 
mais se ouuver de tratar. Per António Gonçalvez Impresso 
com licença, Sf authoridade da saneia Inquisição Sf Ordiná- 
rio, Sf do R. P. M. Frei João Baptista Geral da dita Or- 
dê. 1572. A estampa do frontispicio é de gravura em ma- 
deira, foi. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, e a Livraria da 
Archivo Nacional). 

1337. Fr. Thomaz DE AauiNO, monge benedictino, na- 
tural de Lisboa. E. Elogios dos Reverendissimos Padres DD. 
Abbades Geraes da Congregação Benedictina, do Reino de 
Portugal, e Principado do Brasil. Porto, na Officina de 
Francisco Mendes Lima. 1767. 4. 

1330. D. Thomaz Caetano de Bem. E. Memorias His- 
tóricas Chronologicas da Sagrada Religião dos Clérigos Regu- 
lares em Portugal e suas Conquistas, na índia Oriental, 
Tom. 1. Lisboa, na Regia Officina Typographica. 1792. 
foi. Tom.. 2. Ibi, na dita Officina. 1794. foi. 

1339. Fr. Vicente Salgado. E. Compendio Histórico 
da Congregação da Terceira Ordem de Portugal. Lisboa, 
Ba Ofâcina de Simão Thaddeu Ferreira, 1793. 8. 



rOfeTOGUIZA. 



fíi^ 



1340. Crónica da funãaçam do moeúeyro de tani Picen- 
te dos Cónegos regrantes : da hordem do aurelio doctor seio 
Aiignúinho: ê a cidade de Lixboa. Depois do prologo segue 
a rubrica geral n'estes termos: Começasse a crónica da fun- 
daram do moesteyrode sam Ficente da cidade de Lixboa: a 
qualfoy imprimida per mandado Dehey nosso senhor i e ema 
própria lingua antiguaem q foy achada. Asubscripção diz o 
«eguinle : Imprimiasse em o moesieyro de saneia Cruz da ci- 
dade de Coimbra: anno de nossa redençam. 1538. Trar no 
frontispício ura portal de gravura em madeira, e no fim, em 
folha separada, a divisa do Mosteiro. Consta ao todo de vin- 
te e quatro folhas sem numeração. 4. gothico. íBibliotheca 
Publica d'Evora, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). 
E versão livre da Chronica latina attribuida a Fernão Pe- 
res, e impressa no Jppendix da Terceira Parte da Monar- 
chia Lusitana. 

1341. Fundação da Ordem da Viiilaçcio em Portugal. 
Lisboa, na Officina de António Rodrigues Galhardo. 1782. 
8. Consta de 27 paginas. 

1342. Memoria sobre à existência do Real Mosteiro de 
Santa Cruz de Coimbra. Lisboa, na Imprensa de Cândido 
António da Silva Carvalho. 1839. 8. (*) 

1343. Noticia {Breve) da fundação e progressos da Con- 
gregação das Filhas da Caridade de S. Ficente de Paulo e 
do seu estabelecimento em Portugal. Lisboa, naTjpographia 
de Desiderio Marques Leão. 1825. 4. Consta de 4 paginas. 

1344. Noticia Histórica das Ordens Religiosas e Congre- 
cjaçôes que existem em Portugal, com uma collecção geral 
de estampas, que representam as mesmas Ordens e Congre- 
gações •, e noticia da epocha da sua introducção ou creoção 
nestes Reinos; a invocação, situação, e anno da fundação 
dos seus Mosteiros e Conventos. Lisboa, na Typoo-rapbia^de 
Bulhões. 1831. 4. Sahiram três folhetos. * 



33 











f 




1^^^ 




<^56 




BIBLIOGRAPMA 

TITULO 


HISTÓRICA 
3.^ 








HISTORIAS 


R 


RELAÇÕES DAS IMAGENS 


; QUE SE VENEHAM 


EM 


POR- 








TUGAL, E SUAS CONQUISTAS. 







1345. Fk. Agostinho de SantaMaria, agostinho des- 
calço, natural de Estremoz. Escreveu : Santuário Mariano» 
Tom, 1. Comprehende a Historia das Imagens de Nossa Se^ 
nhora que se veneram na Corte e Cidade de JLisboa. Lisboa, 
na Officina de António Pedroso Galrao. lí^OT. 4. Tom. 2. 
Comprehende a Historia das Imagens de Nossa Senhora que 
se veneram no Arcebispado de Lisboa. Ibi, na dita Officina. 
1707. 4. Tom. 3. Contém a Historia das Imagens que se 
veneram nos Bispados da Guarda, Lamego^ Leiria, e Por^ 
ialegre, suffraganeos do Arcebispado de Lisboa ; Priorado 
do Crato ^ e Prelazia de Thomar, Ibi, na dita Officina. 
1711. 4. Tom. 4. Comprehende a Historia das Imagens 
que se veneram no Arcebispado Primaz de JBraga, e nos 
.Bispados seus suffraganeos. Ibi, pelo dito Impressor. 1712.4. 
Tom. 5. Comprehende a Historia das Imagens que se 
veneram nos Bispados do Parto ^ Vizeu, e Miranda. Ibi, pe- 
lo dito Impressor. 1716. 4. Tom. 6. Contém a Historia^ 
das Imagens que se veneram iio Arcebispado d''Evora, e nos 
Bispados do Algarve e Elvas, seus suffraganeos. Ibi, pelo 
dito Impressor. 1718, e não 1716, como escreVe Barbosa. 4 # 
Tom. 7. Contém um Supplemenio aos seis tomos antecedentes. 
Ibi, pelo dito Impressor. 1721. 4. 7om> 8. Cotitétn a His- 
toria das Imagens de Nossa Senhora, e das milagrosamente 
apparecidas na índia Oriental, e mais Conquistas de Portu- 
gal, Ásia Insular, AJrica^ e Ilhas Filippinas. Ibi, pelo di- 
to Impressor. 1720. 4. Tom. 9. Comprehende a Historia 
das Imagens de Nossa Senhora milagrosamente apparecidas e 
manifestadas no Arcebispado da Bahia, e mais Bispados de 
Pernambuco, Parahíba, Bio Grande, Maranhão , e Grão 
Pará. Ibi, pelo dito Impressor. 1722. 4. Tom. 10. e ulti- 
mo. Contém a Historia das Imagens que se veneram, em. to' 
do o Bispado do Bio de Janeiro e Minas, eein todas as Ilhas 
do Oceano. Ibi, pelo dito Impressor. 1723. 4. 

1346. António CERaiJEiBA Pinto. E. Historia da pro- 
digiosa Imagem de Christo Crucificado que, com ó titulo de 
Bom Jtsiis de Bouças, se venera no logar de Matosinhos, na 
I^iisitania ; em que se referem notáveis antiguidades d''este 



PORTUGUKZA. 



257 



-Rtfííio. Lisboa Occidental, na Ofíicina de António Isidoro 
da Fonseca. 1737. 4. 

1347. António Coelho de Frbitas, natural de Coim- 
bra. E. Tractndo dn veneranda e prodigiosa Imagem do Se- 
nhor de Bougas de Matosinhos, em que se contém o manifes- 
to da Procissão solemne em que foi levada á Cidade do Por- 
to, pela neceasidade das doenças, em 2 de Abril de i696i 
Coimbra, na Ofíicina de José Ferreira. 1699. 8. 

1348. P. António Cordeiro. E. Loreto Lusitano ; Vir- 
gem Senhora da Lapa,, residência milagrosa do Real Colle- 
gio de Coimbra, da Companhia de Jesus. Lisboa Oriental, 
na Offlcina de Filippe de Sousa Villela. 17 19. foi. 

1349. i*. António Leite, jesuita, natural de Lisboa. E. 
Historia da apparicão e milagres da Virgem da Lapa. 
Coimbra, na Impressão de Diogo Gomes de Loureiro. 1G39. 8. 

13Ó0. António Lourenço Caminha. E. Verdadeira 
Origem e antiguidade da venerável Imagem do Senhor dos 
Passos da 6rraça. Lisboa, na Ofâcina Nunesiana. 1799. 8. 
Consta de 22 paginas. 

1351. Amtonio de Sousa Tavares, desembargador do 
paço, natural de Lisboa. E. Devoção da Santa Imagem de 
Christo Crucificado, siia na Capella Meai do Castcllo de Lis- 
boa. Lisboa, na Ofíicina de Lourenço de Anveres. 1642. 4. 
sem o nome do auctor. Consta de 37 paginas. 

1352. Bento Jose Machado. E. O Novo Romeiro da 
Nazarcth, Relação hiúorica do maravilhoso modo porque a 
devota Imagem da Senhora viera dar ao Pendão em 1810, 
para escapar aosFrancezes • sua trasladação para a Capella 
Meai de Queluz, e de indo o succedido a este respeito até ser 
resiituida á sua Igreja em 1812. Lisboa, na Impressão Re- 
gia. 1815. 8. 

1353. Fu. Carlos ds Mello, prior do convento da Pe- 
nba de França, natural da Villa de Soure, publicou: Águia 
na Penha, renovada 7ias Memorias de seus princípios, acha- 
das na Livraria da mesma Senhora da Penha de França. 
Lisboa, na Ofíicina de Valentim da Costa Deslandes. 1707.8. 

1354. Fr. Cláudio da Conceição, E. Memoria do 
que aconteceu ao Santo Milagre de Santarém pela invasão 
dos Francezes n''aquella Villa, emomez de Outubro de 1810. 
Lisboa, na Impressão Regia. 1811. 8. 

Memoria da prodigiosa Imagem da Senhora do Cabo ; des- 
cripção do iriumpho com, que os festeiros, e mais povo de Bem- 
fica, a conduziram, á sua Parochia em 1816, para a festeja- 
rem em 1817. P«íL 1. Lisboa, nalmpressào Kegia. 18 17. 8. 

Memoria da prodigiosa Imagem da Senhora do Cabo ^ des- 



2^8 BIBLlOaUAPHlA HIÍ5TÔRICA 

^ipçào do augmento da sua fabrica pelos nossos augustos So- 
beranos, e mais festeiros da mesma Senhora. Part. 2. Ibi, 
na dita Impressão. 1817. 8. 

^Blemoria de uma Lapa descoberta no dia 28 de Maio de 
1822, na ribeira de Jamor, Freguezia de Carnaxide; e os 
mats acontecimentos que depois se lhe seguiram. Lisboa, na 
Imprensa Nacional. 1822. 8. Consta de 13 pa-inas, sem o 
nome do aiictor. 

Continuarão da Blemoria de uma Lapa descoberta na 
rtbetra de Jamor. Lisboa, na dita Impressão. 1822. 8. 

1355. P. Fkancisco Pereira da Cruz. E. Tapogra- 
phia da esclarecida e nobre Freguezia do Salvador de Arvo- 
re, e antiguidade da milagrosa Imagem de Nossa Senhora da 
y%lla de Azurara, junto a Filia do Conde. Lisboa, na Offi- 
cina de José Filippe. 175í). 4. Consta de 15 paginas 

1356. P. José da Conceição, cónego secular da Con- 
gregação de S. João Evangelista. E. Noticia da milagrosa 
Imagem de Nossa Senhora das Barracas^ sita na Lameda 
de Beato António. Lisboa, na Officina junto a S. Bento de 
Xabregas. 1761. 8. 

1.^57. D. Josí: Dantas Barbosa, vigário geral da Vil- 
la d'Obidos, e depois Arcebispo de Lacedemonia, natural 
de Lisboa. E. Noticia Previa da antiguidade da Imagem 
do Senhor Jesus da Pedra, junto á mia d' Óbidos. Sabiu 
Gom o Sermão que pregou Fr. Dionísio Mattoso, na funcção 
de se lançar a primeira pedra para a nova Igreja em que 
foi collocada a dita Imagem. Lisboa, na Officina de Miguel 
Fiodrigues. 1743. 4. 

135,a. Fa, Joskda Natividade. E. Alemo7-sa histórica 
da milagrosa Imagem do Senhor dos Passos, sita no Real 
Convénio de S. Domingas de Lisboa, e da creação e pro- 
gressos da sua Irmandade. Lisboa, na Officina Alvarense. 
1747. 8. 

X3f)U. P. LLi5f Montez Mattoso. E. Historia do Senhor 
Mouhftdo de (Jdivelfas. Noi^o descobrimento dologar onde foi 
escondido, e cxnltat-ão do Padrão que em memoriado sacrile- 
go roubo ,ea:€cuiado na noite de 10 de Maio de 1671, se co- 
locou no mesmo logar., em ô de Novembro de 1744,- com uma 
breve noticia dos roubos e desacatos feitos ao Santissimo Sa- 
cramento n'esie Reino de Portugal. Lisboa, na Officina de 
Fedro Ferreira. 1745. 4. Consta de 16 paginas. 

1360. Manueí. Alvares Pegas, advogado da Casa da 
SupplicaçSo, natural de Estremoz. E. Tractado Histórico e 
Jurídico sobre o secrilego furto, e execrarei sacrilégio que se 
ftz em a Parvchiaí Igreja de Odiveítas, termo da Cidade de 



PORTUUUEZA. 359 

Jéishoa, na noite de 10 para 11 do mcz de Maio de 167t. 
Madrid, por Roque Rico de Miranda. 1678. 4. Lisboa, na 
Officina Deslandense. 1710. 4. 

1361. Manuel António Vieira de Araújo, natural 
de Braga. E. Descripgão do prodigioso augusto Santuário do 
Jíoni Jesus do 3Ionte, da Cidade de Braga, antigamente 
nomeado de Santa Cruz. Lisboa, na Officina de António 
Rodrigues Galhardo. 1793. 8. Alguns exemplares d'esta 
mesma edição sahiram com diííerente rosto, ecom o seguin- 
te titulo : Particularidades e origem do admirável Santuá- 
rio do Bom Jesus do Monte, eortramuros da Cidade de Bra- 
ga. Lisboa, na Officina de Simão Thaddcu Ferreira, e tam- 
bém na de Filippe da Silva e Azevedo. 1803. 8. 

1362. Fr. Manuel de Sant'Anna Braga, menor ob- 
servante, e lente de Historia Ecclesiastíca. E. Historia Cri- 
tica e apologética do Santíssimo Milagre da Filia de Santa- 
rém, Lisboa, na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 
1803. 8. 

1363. Manuel dk Brito AlÃo, natural da Pedernei- 
ra. E. antiguidade da Sagrada Imagem de Nossa Senhora 
de Nazareth-^ grandezas de seu sitio, casa, e Jurisdição real, 
sita junto á Villa da Pederneira. Lisboa, por Pedro Craes- 
beeck. \&2^. 4. Ibi, na Officina de João Galrão. 1684. 4. 

Prodigiosas Historias, e miraculosos successos acontecidos na 
Caia de Nossa Senhora de Nazareth. Part. 2. Lisboa, por 
Lourenço Craesbeeck. 1637. 4. 

1364. Fr. Manuel de Figueiredo. E. Dissertação 
Histórica- Ciitic a ^m que claramente se mostram fabtdosos os 

factos com' que está enredada a vida de Rodrigo, rei dos Go- 
dos : qjie este Monarcha na batalha de Guadalete morreu : 
que são apocriphas as perigrinagSes da Imagem milagrosa 
de Nossa Senhora, venerada no termo da Filia da Peder- 
neira: que não é verdadeira a doação que muitos crêem f em 
á mesma Senhora D. Fuás Roupinha, Governador de Por- 
to de MSs. Lisboa, na Officina de Filippe da Silva e Aze- 
vedo. 1786. foi. D'ella possuimos um exemplar. 

Segunda Dissertação Histórica e Critica em que se mostra 
morreu na batalha de Guadalete Rodrigo, rei dos Godos, e 
ultimo dos que reinaram na Hespanha. Lisboa, na Officina 
Patriarchal. 1793. 4. (-*)' 

1365. Manuel Simões Roussado. E. Breve Relação 
da milagrosa Imagem de Nossa Senhora da Nazareth, e de 
alguns successos relativos a ella ,- como veio para a Real Ca- 
pella de Queluz, e como foi tradadada á sua antiga e Real 

Igreja. Lisboa, na Impressão de Alcobia. 1813. 4. Ibi, na 



260 



BIBLIOQRAPHIA HISTÓRICA 



Typographia de António Lino de Oliveira. 1836. 8. Vinte 
paginas de impressão. 

1366. Manuel Tavares de Carvalho, natural do 
Porto. E. Relação e Discurso sobre a insigne e notável Pro- 
cissão em que foi levada á Cidade do Porto, em. 1644, a Sa- 
grada Imagem do Santo Ckristo de Bouças ; onde se conta 
da antiguidade, memorias da sua milagrosa vinda, e successo, 
depois quesahiuna praia dologar de Matosinhos ; com outras 
maravilhas merecedoras de se dar noticia d''ellas. Coimbra, 
na Ofíieina de Diogo Gomes de Loureiro. 1645. 4. 

1367. P. Matheus Rijíeiro, natural da Lisbx)a. E. 
Compendio Historial do principio^ progresso, e augmentos da 
Casa da Virgem Nossa Senhora do Livramento, edificadano 
Campo d''Azoeira, Freguezia de S. Pedro dos Grilhões, ter- 
mo da Filia de Torres Vedras. Lisboa, na Ofíieina de Mi- 
guel Manescal. 1632. 3. Deve acrescentar-se á Bibliotheca 
JLusitana, 

1368. Pedro de Mariz. E. Historia admirável do San- 
itssim.o Milagre de Santarém, que aconteceu na Igreja do 
Protomartyr Santo Mdevão, em o Santíssimo Sacramento 
do Altar, cujas reliquias milagrosas se conservain n'*ella ha 
345 annos, com muitas circumstancias maravilhosas j cotn o 
retrato e relação da Imagem do Santo Crucifixo que na mes- 
ma Villa está; e mais os famosos milagres que as historia» 
notam, e que moveram ao Papa Urbano a instituir a Festcí 
de Corpus Chrisii, e outros muitos do mesmo argumento, 
Lisboa, por Pedro Craesbesck. 1612. 4. 

1369. Fr. RoauE do Soveral, religioso da Ordem de 
Christo. E. Historia do insigne appareeimcnto de Nossa Se- 
nhora da Luz, e suas obras maravilhosas. Lisboa, por Pe- 
dro Craesbeeck. 1610. 4. 

1370. VicTORiNO JosE DA CosTA- E. A Estrella d& 
Oceano Poriuguez. Relação Histórica do apparecimento da 
milagrosissima Imagem da Virgem Mãe de Deus e Senhora 
Nossa, que se venera com o titulo de Nazareih, junto á Vil- 
la da Pedreneira. Lisboa Occidental, na Ofíieina de Pedro 
Ferreira. 1732. 4. Consta de 8 paginas. Sahiu com o sup- 
posto nome de António Lopes. 



137 1. Descripguo de um prodigio raro, e descoberto em, 
nma Lapa, no dia 2 8) de Maio de 1822, na ribeira do rio 
de Jamor, Freguezia de S, Romão de Carnaxide, e vários 



rORTUfiUÊZA, 



261 



aeonlecimetiios que depois $e tem seguido. Na Officina das fi- 
lhas de Lino da Silva Godinho. 1822. 8. 

1372. Narração da descoberta da Imagem de Nossa Senho- 
ra da Conceição da livchtty em o dia 3 ide Maio de 1822, na 
ribeira de Jamor, Freguetaia de Carnaaide^ termo de Oeiras, 
a duas legoas de Lisboa ,* com a descripção do que se tem pas- 
sado até 29 de Agosto de 1824, eiíi que na Cidade do Porto 
se collocou uma copia da mesmo milagrosa Imagem., na Igre- 
ja do Real Collegio da Graça c Meninos Or/uos. Porto, na 

Imprensa de Gandra. 1824. 8. 

1373. Noticia da apparição da milagrosa Imagem de 
Nossa Senhora do Rosário^ que se venera na Ermida do to- 
gar de Villa Franca do Rosário y Fregue&ia de Enchara do 
Bispo. Lisboa, na Typographia de José Baptista Morando. 
1831. 3. Oito paginas de impressão. 

1374. Relação abbreviada em que se mostra a antigui- 
dade da Senhora d'' Arrábida» Lisboa, iia Officina de An- 
tónio Gomes. 1791, 4. Cousta de 16 paginas. 



262 



BIBLIOCRAPHU HISTÓRICA 



TÍTULO 4." 

KELAÇOES DE FESTAS PELAS CANONISAÇOEg DE SANTOS; 
PROCISSÕES, ETC. 



1375. Alberto Pereira Rei, presbytero secular, natu- 
ral dos Açores. Escreveu : Breve Noticia das festas do Im^ 
perador, e vôdo que em honra e louvor do Espirito. Santo 
costumam fazer muitas Cidades, Filias, ou togares doeste 
Meino de Portugal^ e tlhas adjacentes ,• e do principio da sua 
Irmandade. Lisboa, na Ofíicina dos herdeiros de António 
Pedroso Galrão. 1753. 8. Falta a memoria d'este auctor na 
JBibliotheca JLusitana. 

1376. AuBRÉ DE Barros, jesuita, académico da Acade- 
mia Real da Historia Portugueza, natural de Lisboa. E. Vox 
em Roma, Meco em Lisboa, na canonisação de S. Francis^ 
CO Regis, da Sagrada Companhia de Jesus ; solemnidade com 
que o festejou a Casa Professa da mesma Companhia. Lisboa 
Occidental,^ na Officina da Musica. 1739. 4. 

1377. António Pedro Ribeiro, natural de Olivença. E. 
Triumpho Sagrado que a Venerável Ordem Terceira de 
Nossa Senhora do Monte do Carmo, sita no Real Hospital 
de S. João de Deus, da notável Villa de Olivença, cnnsa-^ 
grou á mesma Senhora, em o dia 16 de Julho de 1734. Lis- 
boa Occidental, na Officina de Pedro Ferreira. 1734. 4. 
Consta de 22 paginas. 

1378. Diogo Borges Pacheco, natural de Braga. E. 
Triumpho do Amor Divino, e extracto das festas que na Ci^ 
dade de Braga consagrou ao Santíssimo Sacramento o Illus- 
irissimoe Exceli cntissimo Senhor D. Rodrigo de Moura Tel- 
les, Arcebispo e Senhor de Braga, Primaz das Hespanhas. 
Lisboa, na Officina Deslandesiana. 1714. 4. 

1379. P. Diogo Margiues Salgueiro, capellao do Real 
Mosteiro de Santos. E. Relação das festas que a Religião da 
Cornpanhia de Jesus fez em a Cidade de Lisboa, na beatifi- 
cação do Padre Francisco de Xavier, segundo Padroeiro da 
mesma Companhia, e primeiro Apostolo dos reinos de Japão ^ 
em Dezembro cícldSO. Lisboa, por João Rodrigues. 1621. 8. 

1380. P. Diogo Soares, jesuita, natural de Lisboa. E. 
Pobreza vencedora e applaudida, ou triumpho com que os 
Terceiros pobres da nobre e sempre iUustre Villa do Redon- 
do , na provinda do Alemtejo, celebraram a nova traslada- 



PORTUGUEZA. 

^ão do seu grande Patriarcha S. Francisco^ a 3 de Julho 
de 1723. Évora, íia Ofíicina da Universidade. 17^3. 4. 
Dez paginas de impressão, sem o nome do auctor. 

1*81. Francisco Coelho de Carvalho, natural de 
Viãfeu. E. Retagão breve das festas que se celebraram na Ci- 
dade de f^izeii^ feitas cm louvor da Pirgem Nossa Senhora 
do Pranto, em 1746. Lisboa, na Officina de José da Silva 
da Natividade. 1747. 4. Dezeseis paginas de impressão. 

1382. Fk. Fkancisco da Porcicncuxa, franciscano. E. 
Relação das festas com que os Religiosos Menores do CaU" 
vento de S. Francisco da Cidade de Lisboa, da Provinda de 
Portugal, celebraram a canonisagão de S. José Cupertino, 
nos dias, 27, 28 e 29 de Setembro de 1773. Lisboa, na Offi- 
cina de Manuel Coelho Amado. l'^4. 8. 

1383. Gaspar dos Reis, natural de Leiria. E. Rela- 
cam, dosolenne recebimento das Santas Reliquias, que farão 
leuadas da See de Coimbra, ao Real Mmteyro de êantá 
Cruz. He carta coriosa, qve se Mscreueo da Fniuersídade ã 
hum amigo. Per Gaspar dos Reis de hcyria, Bacharel Ca- 
nonista. Mm Coimbra. Em Casa de António de Mariz, Com 
licença da Sala Inquisicuo, 4' Ordinário. Anno, 1596. 8. 
Alguns exemplares d'esta mesma edição tinham sabido com 
òiitro rosto, onde em logar do nome do auctor se lia sim- 
plesmente : Per hvm Sacerdote Canonista, 

1384. Ignacio Barbosa BÍachado. E. Historia Criti- 
co-Chronologica da instituição da festa, procissão e oficio do 
Corpo Santíssimo de Ckristo. 'Expòe-se uma distincla e pa- 
negyrica relação da magnificência, ornato, e sumptuosos edi- 
fícios com que n'esta Corte de Lisboa, por ordem cíe Sua Ma- 

gestade, a celebraram os Ecclesiasiicos e Seculares, em 8 de 
Junho de Í719. Lisboa, na Ofílcina de Francisco Luiz Ame- 
no. .1759. foi, 

1385. P. JoXo Chevalier. E. Relação das magnificas 
festas com que na Cidade de Lisboa foi applaudida a cano- 
nisagão de S Camíllo de LeUis, fundador da Congregação 
dos Clérigos Regulares, Ministros dos Enferm.os. Lisboa, na 
Officina de Francisco da Silva. 1747. 4. sem o nome do 
auctor. 

138Ô. P. JoAO de Gusmão, jesuíta, natural de Almo- 
dovar. E. Relação da^ festas coni que o Collegio e Universi- 
dade da Companhia de Jesus, da Cidade d^Evnrn, appía 
diu a canonisagão dos dois gloriou>s Santos Luiz Gonzaga e 
Stanislau Kostha da mesma Companhia , em Novembro de 
1727. Évora, na Officina da Universidade. 1730, e ^ 
1727, como escreve Barbosa. 4. sem o nome do asilor. 

34 




264 



BIBLIOGKAPHIA HISTOilíCi 



1387. João de Oliveira, natural de Braga. E. JKc- 
In^ào das festas com que o Collegio de S. Paulo da Compa-- 
nhia de Jesus, da Cidade de Braga, celebrou em um soíem^ 
ne triduo a canonkaçào dos seus gloiiosos Santos Luiz Qqfi' 
zaga e Stanislau Kostha, em Julho de 17^7, sendo Reitbxo 
muito Reverendo Padre Blestre Bento Viegas. Lisboa Oc- 
cidental, na Officina da Musica. 1728, 4. 

1388. D. João Theotonio de Almeida^ presbj^tero^ 
natural de Lisboa. E. Relação das festas que se fizeram em 
Villa Nova de Gaya, em à de Maio de 1739, á Sagrada 
Imagem de Jesus Crucificado. Coimbra, na Ofíicina de 
Francisco de Oliveira. 1740. 4. 

138í>, JoAayini Rokerto da Silva, natural de Lisboa, 
traduziu do castelhano : Áielação da solemne Procissão do 
Corpo de Deus que, aos 5 de Setembro de 1582, fez a Ir^ 
mandade do Santíssimo Sacramento, da Freguezia de S* 
Julião d'' esta Cidade, em acção de graças pela victoiia que 
as nossas arnias alcançaram no mestno iempo da Annada 
Franceza ; com a noticia da fundação e antiguidade da mes^ 
ma Freguezia. Lisboa Occidental, na Ofíicina de José An-' 
tonio da Siív.a. 173|. 4. Consta de 20 paginas. («) 

1390. P. JoHttR Ca»iíal, Jesuita, natural de Tornos. E. 
Relação Geral das festas que fez a Religião da Companhia 
de Jesus^ na Provinda de Portugal ^ na canonisação dos glo- 
riosos Santo Ignacio de Loyolo, seu fundador, e S. Fran- 
cisco Xavier, apostolo da índia Oriental, no anno de 1622* 
Lisboa, por Pedro Craesbeeck. l 6Í?3. 4. sem o nom^doauctor. 
13&1. D. .losÉ Bakbosa. E. Carta em que se dá noticia 
das festa* que n ^msa Senhora da Piedade fizeram os Du^ 
quês, na sua QMinta de Cintra j a 10, 11 e 12 de Setembro 
de 1720, acripta pelo Irmão Pedro da Conceição^ Frmitão 
de Nossa Senhora da Feninha, ao Irmão Braz Jorge da 
Âmni giira, Mimitão ile Nossa Senhora da Penha de Fi an^ 
ça. Consta de 1 1 pa" iiias, e luna deel;>ía o legar da impres- 
são, nem o nona» ãa lii>prt&sor. 4. (*) 

1392, B. José Dantas Bakkosa. E. Breve Noticia^ 
ou Fiel Relação da dedicação do Altar e Igroja do Senhor 
Jesus da Pedra, juntou fifln d" ObiJos ; e da trasladação da 
•milagrosa Imagem do mesmo Senhor, que se celebrou da sua 
antiga Capella para a nova Igrtja, em o dia 30 de Abril 
de 1747. Lisboa, iia Officiua de Fr;íncísco da Silva. 1740. 
4. sem o nome do auctor. 

1393. P. José Leite i>a Costa, natural de Braga. E. 
Desempenho Festivo, ou iriumphal apparaio com que os {Ilus- 
tres Bracharenses. pelas ruas da Augtisla Btaga, tiraram a 



* POUTBGIJlíZA. 265 

pttblico, no anno de 1723, o Soberano Corpo de Christo Sa- 
cramentado. Lisboa Occidental, na Officina de António Pe- 
droso Galrâo. 1729. 4. 

1394. D. Leonardo de S.JosÉ. cónego regular, natu- 
ral de Lisboa. E. aureola da Corte Santa. Triduo dos pa- 
negyricos sacros, e felizes triuwphos celebrados, com magesio- 
sa pompa, em o Real Mosteiro de S. Vicente de fora de Lis- 
boa, da augusta Religião dos Cónegos Regrantes do grande 
Patriarcha Santo Agostinho, na solemne beatificação do tri^ 
umphante Martyr S. Pedro de Arbués, em J 7 de Setembro 
de 1672. Lisboa, na Officina de João da Costa. 1674. 4. 

1395. P. Luiz Gonzaga, jesuíta, natural de Lisboa. E. 
Relação das festas que os Padres da Companhia de Jesus, da 
Casa Professa de S. Roque, em a Cidade de fÀsboa, fizeram 
na beatificação do Padre João Francisco Regis, Sacerdote 
Professo da mesma Companhia. Lisboa, na Officina de Pas- 
choal da Silva. 1717. 4. sem o nome do auctor. Consta de 
27 paginas; (*) 

1396. P. Manuel de Campos, conago da Sé de Faro, 
natural de Lisboa. E. Relaçam do solenne recebimento que 
*efez em Lisboa ás santas relíquias q se leuãram ã igreja de 
S. Roque da com,panhia de lesv aos. 25. de laneiro de 
1688. Pello Licenciado Manoel de Campos. Impresso cm 
Lisboa per António Ribeiro. 1588. 8. (Bibliotheca Nacío^ 
nal de Lisboa), 

1397. Fr. Manuel das Chagas, carmelita, natural de 
Lisboa. E. Festas que o Real Convento do Carmo de Lisboa 

fez á canonisação de Santo André Corsino, Bi<ipo da Cidade 
de Fêsula^ e Religioso da sua Ordem, em Setembro de 1029, 
Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1G32. 8. 

1508. Fr. Manuel de Sá. E. ^"riumpho Carinelitano 
do Real Convento do Carmo de Lisboa^ na canonisação de 
S. João da Cruz, Religioso Professo da Observância, no 
seu Convento de Sant^Anna de Medina, e df^pois Pae da re- 
forma Carmelitana. Lisboa Occidental, na Officina de Mi- 
guel Rodrigues. 1727. 4. sem o nome do auctor. Consta 
de 16 paginas. (*) O auctor da fíihliolhcca Lusitana attri- 
bue também este escripto a Jos0 Freire de Montarrovo 
Mascarenhas. 

Memorias Históricas, Panegyricas e 31et ricas do 
culto com que, no Renl Convénio de Nossa Senhora 
nm de Lisboa^ se celebrou a cnnonisncõc do glorioso 
S. João da Cruz. Lisboa Occideiita!, na Oifícina 
guel Rodrigues. 1728. 4. 

1399. PantaleÃo ua Silva, ijaturulJo Purfo. 



sagrado 

do Car- 

Doido r 

do Mi- 

E. He: 



266 BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA ♦ 

Iqção summaria do sentimento com que os moradores da Ci-» 
dade do Porto celebraram a nova do sacrílego desacato que se 
ftz a Bens Sacramentado, na Igreja da Fregvezia de Odi- 
vell.as. Lisboa, na Officina de António Craesbeeck de Mello. 
16TI. 4. Dezoito paginas de impressão. . 

1400. D. Pedro Arraes de Mendonça, cónego re^ 
grante de Santo Agostinho, natiiral de Lisboa. E. lielg^ão 
das festas que a notável Filia de Fianna /e? na entrada e 
recebimento da Sagrada Reliquia do glorioso S. Tkeotonio^^ 
primeiro Prior do Real Mosteiro de Santa Cmn de Coim- 
bra, dos Cónegos Regulares de Santo Agostinho, no seu Mo&- 
ieiro,^ que os mesmos Omegos de novo lhe edificaram na mes- 
ma Villa de Vianna, celebradas em 5, 6, 7 e S de Agosto 
de 1642. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Rosa. 1643^ 
4. sem o nome do auctor. 

1401. Fr. Sebastião Sarmento, religioso da Ordem 
de Christo, natural de Braga. E. Triumpho da Resurrei- 
ç^ão de Christo Senhor Nosso, que se fez na Filia de Abran- 
tes em o seu próprio dia. Lisboa Occidffntaly pa Officina de 
pasehoal da Silva. 1719. 4. Coastade 45 pagiiia,^. ...j V 



^140^. Applauso Mariano; Triumpho Seráfico; Breve e. 
Mcvacta Rtla(;ão em que se declara e manifesta o solemnis- 
simo é vistoso culto com que, no dia 1 4 de Julho, se hade ce- 
lebrar a. collocaçõo da gloriosíssima Imagem de Nossa- Senho- 
ra do Patrocínio na Capella (ia Igr-eja de Nossa Séhorq de 
Jesus, dos Religiosos da Sagrada Ordem Terceira d''esta 
Corte. Lisboa, na Officina do Domingos Gonçalves. 1748.4. 
Oito paginas de impressão. (*) 

1403. Carta que um. amigo de Lisboa escreveu a outro. 
da Provinda da Beira, em a qual lhe dá circumstanciada 
noiícui do modocom que se fez o trasladação do Santíssimo Sa- 
cramenta, da Freguc.zia de Nosxa Senhora da Encarnação, 
para a sua nova Igreja Lisboa, na Officipa de Simão Thad- 
deu Ferreira, i784.'4. Consta de IT) paginas. 

Resposta ã Carta que v.m amigo de Lisboa escreveu a ou- 
tro da Província da Beira sot>re atradadarão do Santíssimo 
Sacramento^ e da Imageni de Nossa Senhora da ILncarna- 
(jão ; com uma copia de ovira <m. que se dá individual noti- 
cia doesta solem-nc fancção. Lisboa, na mesma Officina. 
Í784. 4. Dexeseis pagioys de impressão. 

1404. Ccq € Terra sagradamcute renovados pela assisten- 



1'011T€«IJE2A. 



267 



aia do Santissinto Sacramento^ na Procissão que no anno de 
1688 lhe solemnisou a devoção, igualmente piedosa que ília- 
ynijica^ de sua nobilíssima Irmandade^ sila na Igreja JParp- 
chiai de S. Mamede^ da illustre, antiga e sempre leal Cidade 
d^Mvora. Évora, na Offiòina da Universidade. 1688. foi. 
Consta <ie 15 paginas. 

;405. Descnpção da Vrocissão da Virgem de Monte Car- 
meio, sita na Igreja do Convento do Carmo, da Cidade <i'jp- 
poroy no terceiro Domingo de Julho de 1655. Lisboa, na 
Oftiicina de Domingos Lopes Rosa. 1655. foi. Oito paginas 
de impressão. 

1406. Uescripção da solemne festividade que, em honra 
€ louvor da Immaculada Conceição de Nííssa Senhora, cele- 
braram o Juiz e mais Mordomos da mcsm,a festividade, no 
Çonvtsnto das Religiosas de Santa Apolónia, no dia 8 de De- 
zemèro dle 1 8 17, em acção de graças pelos relevantissimo» 
beneficios que este Reino tem. recebido por intercessão da sua, 
Augiistissima Padroeira . Lisboa, na Impressão Regia . 1318.4. 

1407. Jlesposoiios Eucharidicos celebrados entre Deus 
Sacramentado, e a alma cathoUc.a de ioda a Cidade d''Evo- 



ra, na solemnidade do Co 



rpo 



de Deus. 



que 



Jidz, Mordo- 



mos, e mais Irmandade do Saniissimo Sacramento lhe consa- 
graram, na Igreja Parochiql de Santo Antão , Domingo 
primeiro de Agosto de 1688. Lisboa, na Officina de Miguel 
Deslandes. 1688. foi. Consta de 18 paginas. 

1408. Extracto da Procissão da Virgem da Encarnação^ 
sita na Parochial Igreja de S. 3f/3mede da Cidade d"* Évora, 
no anno de 1655. Onze paginas de impressão, foi. 

1409. Extracto da Procissão da. Virgem da Encarnação, 
êiia na Igreja Parochial de S. Mamede da Cidade dPEvora, 
aos 2:j de Julho de 165 6. Lisboa, na Oíficina Craesbeeckia- 
na. 1656. 4. Consta de 24 paginas. 

1410. Extracto da magestosa Procissão que a devoção 
dos Mordomos da Irmandade cio Sanfissimo Sacramento, 
sita na Igreja Parochial de Santo Antão da Cidade d''Evo- 
ra, em demonstração de seu affecio, e em desempenho de seu 
amor, determinaram fazer na festa de Corpus Christi da dita 
Parochia, Domingo 13 Jidho de 1687. Évora. 1687. foi. 
Doze paginas de impressão. 

1411. Extracto do Acroama Euchárisiipo, isto é da pom- 
posa Procissão em louvor de C/??-isío Sacrameidado ria Cida- 
de d"* Évora, a 14 de Julho de 1697, pela muito nobre c pia 
Irviar.dade do San{.i<;simo, sita na Parochial de S, Mamede. 
Évora, na Ofíicina da Universidade. Í61)7. foi. Cinco pa- 
ginas de impressão. . 



2^68 



filBLlOGSAPHlA HISTÓRICA 



1412. Extraclo da Procissão da Virgem da EncarnaçcíOf 
sita na Igreja Parockialde S. Mamede da Cidade d' Évora, 
aos 4 de Maio de 1710. Eborae, ex Typographioe Academiíe. 
S710. foi. Três paginas de impressão. 

1413. Extracto (Breve) do triumpho que a Augusta Jira^ 
ga preparou^ em obsequio dq Saniissimo Sacramento, para o 
dia 27 de Maio de 1731. Coimbra, no Collegio das Artes. 
173t. 4. Dezeseis paginas de impressão. 

1414. Extracto da soUmne Procissão com que os Religio- 
sos do grande Patriarcha S. Domingos applaudiram a con 
nouisaçuQ de Santa Catkarina de Ricciis, Religiosa Professa 
da mesma Sagrada Ordem, em 20 de Agosto de 1747. Oito 
paginas de impressak). 4. 

1415. Extracto da solem nidadc com que se hade applau- 
dir no Hospital Real de Todos o? Santos a canonisação de 
5. Camillo de Leliis, Fundador dos Clérigos Regulares, Mi^ 
ntstros dos Enfermos. Lisboa. 4. sem o anno da irapresíaq. 
Consta de 8 paginas. (*) 

1416. Festas que a Confraria do Saniissimo Sacramento,, 
da Igreja Matriz de Filia Viçosa, lhe ordenou o primeiro 
dia de Agosto í/e 1635. Consta de 24 paginas, sem nota do 
logar da impressão. 4. 

1417. O Forasteiro admirado. Relação Panegyrica do 
triumpho efésias que celebrou o Real Convento do Carmo de 
Lisboa, pela canonisação da Seráfica Virgem Santa Maria 
Magdalena de Pazzi, Religiosa da sua Ordem. Lisboa, na 
Oflicina de António Rodrigues de Abreu. 1672. foi. 

1418. Forma da Procissão de Passo que, na Cidade do 
Porto, se celebrou em 25 de Julho de 1747, em obsequio do 
preclarissimo Portuguez Santo António de Lisboa. Porto, na 

Gfíicina Episcopal de Manuel Pedroso Coimbra. 1747. 4. 
Oito paginas de impressão. 

1411). Narração ( Recopilaiiva) do notório jubilo efestivel 
apptauso com que a Communidade de S. Francisco da Villa 
de Moura agradeceu a IJeus o grande beneficio que, por de- 
claração do Santíssimo Padre Renedicto XIII. fez á Igreja, 
determinando para ser canonisado o Santo Jacobo da Mar-. 
ca, filho observante da Religião Seráfica, Lisboa, na Gfíici- 
na de Pedro Ferreira. 1727. 4. Onze paginas de impressão. 

1420. Noticia f Breve J da Procissão que., cm obsequio da 
Divinissimo Sacramento, fizeram qs religiosas do Convento 
de Santa Clara, da Cidade d'' Évora, em dia de Corpo de 
Deus d tarde., no anno de 17 iO. fívora, na OíTicina da Uni-r 
versidade. 17 10. foi. Seis paginas de impressão. 

1421. Noticia ( PrologeiicaJ do cucharislico triumpho com 



POBTLGUEZA. 

que a Augusta Braga se desempenhou, para maior venera- 
ção do Saniissimo Sacramenio^ em 7 de Junho <íe 1733. Coim- 
bra, na Officina á& António Simões Ferreira. 17 33. 4. 
Consta de 1 (i paginas. 

14*^2. Procissão do Santissimo Sacramento, ordenada pez 
Ia sua Confraria da Igreja Matrix de Villa Viçosa, em o 
quarto Domingo de Jidho de 1633. Consta de 19 paginas. 4. 

1423. Relação dasf^tas quefexo Real Convento de Nos- 
*a Senhora do Carmo de Lisboa, ã canonisaçuo do glorioso 
Santo André Corsino, Religioso da dita Ordem, e Bispo da 
Cidade de Fesula. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 16^9. 8. 
Consta de 16 paginas. 

1424. Relação (Breve) da sumptuosa festa que a sempre 
leal e muito nobre PVln de Abrantes dedicou á gloriosa Re- 
surreição de Christo Nosso Redemptor, na Igreja Parochial 
de S. João Baptista, no anno de lH 13. Lisboa, na Officina de 
António PeJroso Galrão. 1713. 4. Consta de 30 paginas. 

1425. Relação das festas do Collegio do Espirito Santo da 
Cidade d^ Évora, na beatificggão do venerável Padre João 
Francisco Regis, da Companhia de Jesus. Évora, na Offici- 
na da Universidade. 1717. 4. 

1426. Relação das festas da Casa Professa de S. Roque 
da Cidade de Lisboa Occidental, nas canonisaçães dos dois il- 
lustrcs Santos Luiz Gonzaga e Stanisla^u Kostlca da Compa- 
nhia de Jesus. Lisboa Occidental, na Officina de Manuel 
Fernandes da Costa. 1728. 4. 

1427. Relação do apparato iriumphal, e Procissão solenv- 
ne com que os Padres da Companhia de Jesus, do Collegio 
d''Evora, applaudiram publicamente aos gloriosos S. Luiz 
Gonzaga e Staniãau Kostha^ da m^esma Compank 
mente canonisados pelo Santissimo Padre Benedicto XIIL 
Evora, na Officina da Universidade. 17»>8. 4. 

1428. Relação sumtnaria das festas que, ema eanonisação 
dos gloriosos Santos Litiz Gonzaga e Stanislau KostJca, cele- 
braram os Padres da Companhia de Jesus do Collegio de San- 
tarém. Lisboa Occidental, na Officina de José António da 
Silva. 172». 4. 

1429. Relação dos fedivos applausos com que os Vizeenses 
celebraram a trasladação da Imagem de Nossa Senhora do 
(^armo, da Ermida em que estava para a nova Capella que 
lhe edificaram os seus filhos Terceiros. Lisboa Occidental, nu 
Officina de Miguel Rodrigues. 1738. 4. Dezeseis paginas de 
impressão. 

1430. Relação das festas que se fizeram em obsequio da 
coHocação da Imagem da Madre de Deus, na rforntadimmo 




iUlÉ 



270 



BIBLlOaRAPHlA HISTÓRICA 



Mosieiro das suas Religiosas, filhas de S. Francisco^ iugeHa$ 
á Província dos Religiosos Observantes de Portugal, na ViU 
la de Guimarães •, e principio da devoção da mesma Madre 
de Deus na dita f^illa. Onze paginas de igipressão, sem o 
nome do irqpressor. 4, 

1431. Relação da solemnissitha elevação e exposição do 
Sagrado Corpo do milagroso S. Torcaío, Bispo Martyr , gue 
se conserva e venera na Igreja Patifthial, c antigo Mosteiro' 
do mesmo Santo, junto á Filia de Guimarães. Lisboa, na 
Officina Nunesiana. Í805. 4. Duas paginas de impressãt). 

1432. Relação' dc£ pompa e m.agnificencia com qne^os Pa- 
dres da Congregação do Oratório de S. Filippe Nery, dá 
Villa de Estremoz, soleínnisaram a trasladação dã devota Ima- 
gem de Santa Isabel, Rainha de Portugaí, para a sua Real 
Capella. Lisboa, na Impressão Regia. 1808. 4. Q.uatorze" 
paginas de impressão. (*) 

1433. Sumptuosa e magnifica ostentação de gloria inefá- 
vel, com festivas e singulares competências entre a Igreja Mi~- 
litante e Triumphanie, ordenadh em solemne Procissão que 
o nobilissimo Senado da Camará, Clero, NohtUíza', e Povo d(t 
notável Villa de Monte-mór o Novo, em dtvlda acçuo de gra- 
ças pela canonisação gloriosa do esclarecido Patriarcha S. 
João de Dem, deu á luz aos 19 de Agoúo de 1691. Évora, 
na Officina da Universidade. 1691. foi. Consta de 21 pa- 
ginas. 

1434. Trin^mpho com que o CoUegio de Santo Antão dá 
Companhia de Jesus, da Cidade de ÍJsboa, celebrou a bea- , 
tificação do Santo Padre Francisco Xavier, da mesma Com- 
panhia, a 4 de Dezembro de 1620. Lisboa, por João Ro- 
drigues. 4. Consta de 12 paginas. 

1435. Triumpho Carmelitano que o lie aí Convento d(y 
Carmo de Liaboa fez em a canonhcicão da glorio<;a Virgem' 
Santa Maria Magdalena de Pazzi/íÁshçyà, na Oriicina de 
Domingos Carneiro. 16G9. 4.Di>zeseis paginas de impressão. 

1436. Triumpho Sagrado com. que a Imagem: da glorio- 
sissima Rainha de Portugal Santa Isabel foi trasladada, da 
Igreja da Congregação do Oratório da Filta de ÍCdremoz,- 
para a sua magnificamente rí^ed ficada á cinta de Sua M<i- 
gestade, de quem é a dita Igreja, e peia diligencia e cuidadt 
dos devotos da mf.sma Santa. Lisboa, na Officina de Antó- 



nio Pedroso Gal 
pressão. 



rao. 17 1.5. 4. Vint< 



e três pagiíias de \m- 



Í*OftTUGUÈZA. 

TITULO n: 



27 i 



ítELAÇÕKS DAS MISSUES : CARTAS EDIFICANTES) ETC. 



1437. D. Atvóíiso Meííijes, natural do logar de Santo 
Aleixo, termo da villa de Moura. D'elle corre impressa: 
Carta do Patriarcha de Elhiopia D. Affonso Mendes cs- 
cripta de sua própria mão ao muiio Reverendo Padre Mu^ 
cio Viteleschi^ Prepositp Geral da Companhia de Jesus ,• na 
qual se contém o que Sua Illustrissima Senhoria, com os de^ 
mais Padres da Companhia, que andam n''aquelle grande 
Império, fizeram de servido de Deus^ e bem das almas, o 
anno £/el629. Impressa á cuda de Lopo Rodrigues Mendes^ 
parente do mesmo Patriarcha. Lisboa, por Mathias Rodri- 
gues. 1631. 4. Consta de 44 folhas numeradas de uma só 
parte. (Livraria do Archivo Nacional^ e a das Necessi- 
dades). 

1438. Fr. Agostinho de Santa Maria. Escreveu: 
Historia da fundação do Real Convento de Santa Mónica, da 
Cidade de Goa, corte do Estado da índia, e do Império Lu- 
sitano no Oriente, ^c, Lisboa^ na Ofíicina de AntonioPe* 
droso Galrão. 1699. 4. 

Rosas do Japão, Cândidas Açucenas^ e Ramalhete de 
fragrantes e peregrinas flores, colhidas no Jardim da Igreja 
do Japão, sem que os espinhos da infidelidade e idolatria as 
podessem murchar, ^c. Lisboa, na Òfficína de António Pe- 
droso Galrão. 1709. 4. 

Rosas do Jopão e da Cochinchina, Cândidas Açucenas, e 
Ramalhete de fragrantes e peregrinas flores^ colhidas nos Jar- 
dins da Igreja do Japão e da Cochinchina, §fc. Part. 2. Lis- 
boa Occidental, na Officina de Pedro Ferreira. 1724. 4. 

1439. P. Amador Rebello, jesuíta^ natural de Mezao- 
frio. E. Algvns Capitvlos tirados das Cartas que vieram ede 
anno de 1.588. dos Padtes da Companhia de lesv que andam 
nas partes da índia. China, lapão, Sf Reino de Angola, im- 
pressos pêra se poderem com mais facilidade cõnmnicar a 
muitas pessoas que os pedem. Collegidos por Oj^Padre Ama- 
dor Rebello da mesma Companhia, procurador geral das 
prouincias da índia, Sf Brasil. Sfc. Em Lisboa, Impressos 
com. licença do Conselho geral da sancta Inquisição, ^ do 
Ordinário. Per António Ribeyro. 1588. 8. Constam de 64 
folhas numeradas de uma só parte. (Bibliothcca Nacional 

35 



272 DIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

de Lisboa, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). D^el- 
les possuimos um nitido exemplar. 

Compendio de alg^as Cartas qve esie anno de 97. vierão 
dos Padres da Companhia de iesv, que residem na Índia, 
Sf corte do ,grão Mogor, ^ nos Reinos da China, Sf lapão, 
Sf no Brasil, em que se contem, varias cousas. Cotlegidas por 
o padre Amador ííebello da mesma companhia. Em Lisboa. 
Com licença do santo Ojficio, Ordinário, Sf Desembargadores 
do Paço. Por Alexandre de Siqueira, impressor ^de Ijurq^ 
Anno de M.D.XC.FIII. 8. Consta de 240 paginas* ^I^iv-RaE^ 
íia do Archivo Nacional). ' • v ,'-,> 

1440. Fr. António de Santo Agostinho, commissario 
geral da Terra Santa, iiatiiralde Lisboa, fez imprimr: lie^ 
lação verdadeira do celeherrimo triumpho e victoria que con- 
seguiu a Religião Franciscana, recuperando os Santos Lo^ 
gares de Jerusalém, usurpados pela nação grega scismatica, 
em virtude de um mandado imperial que deu o sultão Soli- 
mão, a 20 de Abril de 1690. Lisboa, na Offieina de Mi- 
guel Deslandes. 169 í. 4. Consta de 23 paginas. 

1441. António Coelho. E. Memorias verdadeiras de 
dois lastimosos casos succedidos em Guiné, a 22 de Fevereiro 
de 1'7'42, e em 26 de Abril de 1743, em dois Religiosos Mis' 
sionarios da Santa Provinda da Soledade, da mais estreita 
e regular Observância do Seráfico Patriarcha S* Francisco ^ 
assistentes no Hospicio de Nossa Senhora da Conceição da 
Ilha de Bissau. Lisboa, na Ofíicina de Pedro Ferreira. 
1749. 4. Oito paginas de impressão. Deve accrescentar-se á 
Jiiblioiheca ILusitana, 

1442. Fii. António da Encaknaçâo, deu á luz: Bre- 
ve Relação das cousas que, n'' estes a nn os próximos, fizéram- 
os Religiosos da Ordem dos Pregadores, e dos prodígios que 
succederam nas christandades do Sul, que correm por sua 
conta na índia Oriental. Lisboa, na Offieina de Henrique 
Valente de Oliveira. 1665. 4 (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, Papeis Vários -^^ç-, a Livraria das Necessidades). 

1443. P. António Francisco Cardim. E. Relação da 
gloriosa morte de quatro embaixadores portuguezes da Cido" 
de de Macau, Coni ciucoenia e sete christãos da sua compa- 
nhia, degolados iodos pela Fé de Chrislo em Nangasaqni, 
Cidade do Japão, a S de Agosto de 1640, com todas as cir- 
cumstancias da sua embaixada., tirada de informações verda- 
deiras, e testemunhas de vista. Lisboa, na Offieina de Lou- 
renço de Anveres. 1643. 4. Consta de vinte e quatro folhas 
sem numeração. (Livraria do Archivo Nacional, Relações 
da índia. vol. 2. num. 7). Sahiu reimpressa no fim da seguintfe 
obra do mesmo aiictor. 



PORTLGUKZA 273 

Elogios c ramalhete de fiares, borrifado com o sangue dos 
Religiosos da Companhia de Jesus, a quem os tt/rannos da 
Império do Japuo tiraram as vidas, por ódio da Fé Calho- 
Uca, com o Catalogo de todos os Religiosos e Seculares que, 
por ódio da mesma Fé, foram mortos n^aquellc Império até o 
dnno de 1640. Lisboa, por Manuel da Silva. 1650. 4. com 
estampas. ^ 

1441. Fr. António de Gouvea, religioso de Santo Agos- 
tinho, natural de Beja. E. Jornada do Arcebispo de Goa D. 
Fr. Aleixo de Menezes, Primaz da índia Oriental, Religio- 
so da Ordem de Santo Agostinho, quando foi ás Serras do 
Malabar, lagares em que moram os antigos Christãos de 5- 
T/iomé, e os tirou de muitos erros e heresias em que estavam, 
e reduziu a nossa Santa Fé Calholica, e obediência da Santa 
Igreja Romana, da qual passava de mil annos que estavam 
apartados. Recopilada de diversos tractados de pessoas de au- 
ctoridade, que a tudo foram presentes; com a noticia de mui- 
tas cousas notáveis da índia. Coimbra, na Ofíicina de Dio- 
go Gomes Loureiro. 1606. foi. 

Relação Bfeve de algumas cousas mais notáveis que os Re- 
ligiosos de Santo Agostinho fizeram na Pérsia, em serviço da 
Santa Igreja Romana, e de sua Magestade, até o anno pas- 
sado de 1607, que mandou fazer o Padre Provincial de San- 
to Agostinho. Lisboa, por Vicente Alvares. 1609. 8. sem o 
nome do auctor. Consta de 31 folhas numeradas em uma so 
face. 

Relação em que se tractam as guerras e grandes viciarias 
que alcançou o grande rei da Pérsia Xá Abbas do Grão Fur- 
co Blahomet, e seu filho Acmet, as quaes resultaram das em- 
■bailadas que, por mandado da Calholica e Real Magestade 
d'Elrei D. Filippe II.de Portugal, fizeram alguns^ Religio- 
sos da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho á Pérsia. 
Dirigida ao Illustrissimo e Reverendissimo Senhor D. br. 
Aleixo de Menezes, Arcebispo de Goa, Primaz e Governador 
da índia Oriental. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1611. 4. 

1445. P. Bartholomeu Guerreiro. E. Gloriosa Co- 
roa de esforçados Religiosos da Companhia de Jesus mortos 
pela Fé Calholica, nas Conquistas dos Reinos da Coroa de 
Portugal. Lisboa, por António Alvares. 1642. foi. 

1446. Fr. Caetano da Piedade, commissario geral da 
Terra Santa, fez imprimir: Relação fidelisnm.a dos execran- 
dos estragos, e saerilegos roubos que os gregos scismaticos fize- 
ram no Santissimo Sepulchro de Nosso Senhor Jesu Christo 
em Jerusalém, e da perseguição que padeceram os Religiosos 
Menores da Observância de S. Francisco, guardas e defenso- 



ún 



BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



res doi Lagares Santos, n^aquella barbara invasão do dia 2 
de Abril de 1757. Lisboa, na Officina de Francisco Borges 
de Sousa. 1758. 4. Consta de 31 paginas. 

Relação fidelissima das continuas vexações e grandes iyran- 
nias, roubos e tormentos que continuamente padecem, os Re- 
ligiosos de S. Francisco cm Jerusalém, e Conventos perten- 
centes á Terra Santa, de que elles mo guardas e defensores, 
Continuam-se todos ossuccessos acontecidos desde a ultima Re- 
lação do anno de 1758, até o presente de 1762. Lisboa, na 
Ofâcina de Francisco Borges de Sousa. 1763. 4 Consta de 
56 páginas. 

1447. Fr. Domingos do Espirito Santo, eremita de 
Santo Agostinho, natural de Lisboa. E, Rreve Relação das 
christandades que os Religiosos de Satito agostinho ieem á sua 
conta nas partes do Oriente, e do frudo que n'ellas se faz, 
tirada principalmente das Cartas que n'estes annos de lá se 
escrevem, em que se contém cousas mui notáveis. Lisboa, por 
António Alvares. 1630. 8. sem o nome do aiictor. Consta 
de 84 folhas numeradas de uma só parte. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa, eaLivrar/a do Sr. Conselheiro Macedo). O 
Abbade de Sever não deu notícia d'esta obra que, segundo 
vimos de uma cota de mão, exarada em um dos ditos exem- 
plares, é certamente do auctor des/gnado. 

1448. P. Fernão Guerreiro, jesuíta, natural de Al- 
modovar. E. Relação Anmtal das cousas que fizeram os Pa- 
dres da Companhia de Jesus na índia e Japão, nos annos de 
600 e 601, edo processo da conversão e christandade d'*aquel- 
las partes ; tirada das Cartas geraes que de lá vieram. Di- 
vidida em dois Livros : um das causas da índia, e outro do 
Japão. Evor a, e não Lisboa, (como escreve Barbosa), por Ma- 
nuel de Lyra. 1603. 4. 

Relação Annal das cousas que fizeram os Padres da Com- 
panhia de Jesus nas partes da índia Oriental, e no Brasil, 
Angola, Cabo Verde e Guiné, nos annos de 602 e 603, e 
do processo da conversão e christandade d'' aquellai partes \ ti- 
rada das Cartas dos mesmos Padres que de lá vieram. Divi- 
dida em quatro Livros : o primeiro do Japão • o segundo da 
China e Maluco ; o terceiro da índia ; o quarto do Brasil, 
Angola e^Guiné. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1605. 4. 

Relação Annual das cousas que fizeram os Padres da Com- 
panhia de Jesus nas partes da índia Oriental, e em algumas 
outras da conquista d'' este Reino, nos annos de 604 e 605, e 
do processo da conversão e christandade d^aquellcs partes; 
tirada das Cartas dos mesmos Padres que de lá vieram. Di- 
vidida em quatro Livros: o primeiro do Japão., o segundo da 



P0UTU6UEZA. 



275 



China ; lerceÀrr da índia ; quarto da Ethiopia e Guiné, Lis- 
boa, impresso por Pedro Craesbeeck. 1607. 4. 

Jtelação Annal daa cousas que fizeram os Padres da Com' 
panhia de Jesus nas partes da Índia Oriental, e em algumas 
outras da conquista d''físte Reino, nos annos de 606 c 607, e 
do processo da conversão e christandade d''aqueUas partes ,• ti- 
rada das Cartas dos mesmos Padres que de lã vieram. De- 
vidida em quatro lAvros : o primeiro da provinda de Japão 
€ China; o segundo da provinda do Sul '^ o terceiro da provinda 
do Norte ; o quarto da Guiné e Brasil. Lisboa, por Pedro Craes- 
beeck. 1609. 4. 

lielação Annal das cousas que fizeram os Padres da Com.- 
panhia de Jesus nas partes da Lídia Oriental, e em algumas 
outras da conquista d'' este Meino, nos annos de 607 e 608, e 
do processo da conversão e christandade d'^Qquellas partes^ 
com n-íais uma addigão á Relação de Ethiopia. ^Pirado tudo 
das Cartas dos mesmos Padres que dela vieram. Dividida em 
cinco Livros: o primeiro da provinda de Goa, em que secon^ 
iém as Missões de Monomotapa, Mogor e Ethiopia :, o segundo 
da provinda de Cochim, em que se contém as cousas do Ma- 
labar, Pegú e Maluco ; o terceiro das provindas de Japão e 
China ; o quarto em que se referem as cousas de Guiné e Ser^ 
ra Leoa ,• o quinto em que se contém uma addigão d Relação 
de Ethiopia. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1611. 4. 

1449. P. FuANcisco Rangei,, jesuíta, natural do Porto. 
E. Carta para o Padre Provincial de Portugal, em que st 
refere o martyrio de cinco religiosos, e se contam oídros ca- 
sos memoráveis. Lisboa, na Officina de Domingos Lopes Ro- 
sa. 1645. 4. É datada de Macassar a 14 de Abril de 1644, 
e consta de 7 paginas. (Livraria do Archivo Nacional, Rela- 
çdes da Índia. vol. 2. num. 13). 

1450. P. Fkancisco de Sousa, jesuíta, natural da Ilha 
de Taparíca. E. Oriente Conquistado a Jesu Christo pelos Pa- 
dres da Companhia de Jesus, da Provinda de Goa. Part, 1. 
Na qual se contém os primeiros vinte e dois annos doesta Pro- 
vinda. Lisboa, na Officina de Valentim da Costa Deslandes. 
1710. foi. Part. 2. Na qual se contém o que se obroudesde 
1564 até 1585. Lisboa, na mesma Officina. 1710. foi. 

1451. P. Gabriel de Mattos, jesuíta, natural da Vi- 
digueira. E. Relação da perseguição que teve a christanda- 
de de Japão, desde Maio de 1612 até Novembro de 1614 ,• 
tirada das Cartas annuaes que se enviaram ao Padre Geral 
da Companhia de Jesus. Lisboa, na Officina de Pedro Craes- 
beeck. 1616. 8. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, a Real 
d'Ajuda, e a Livraria do Archivo Nacional). 



2ta 



BIULIOGUAPHIA HISTÓRICA 




. ^ l'152. Fr. Jacinto dk Deus, franciscano, natural de Ma- 
cau. E. Vergel de' Mantas e Flores da Provinda da Madre 
íie Deíts^ dos Caprichos Reformados da índia Oriental. Lisboa, 
na Officina de Miguel Deslandes. 1690, foi. 

1453. P. Jerónimo José da Matta, hoje bispo de Macau. 
lE,. 3fernoriõí sobre ai Missões Portuguesas na China, offere- 
cida aos Senhores- Deputados da Nação. Disboa, na Typogra- 
phia de José Baptista Morando. 1839, 4. Tem I 5 paginas. (*) 
"1454. Fa. João DE Santo ânbuosio, franciscano, natu- 
ral de Vianna do Alénitejo. E. Breve e Distincta Relação da 
sedição popular que, na Cidade de Jerusalém, se levantou^ 
contra os Religiosos de S. Francisco, que habitam e veneram 
os sagrados vestígios de nossa Redempção. Lisboa, na Officina 
de Miguel Maneseal. 1716. 4. Dezoito paginas de impressão. 

1455. Fr. João Baptista de Santo António, procura- 
dor geral da Terra Santa, natural da villa de Basto. E. Pa~ 
raizo Seráfico plantado nos Santos Lagares da Redempção, 
regado com as preciosas correntes do Salvador do Mundo Jesu 
Christo, guardado pelos filhos do Patriarcha S. Francisco, 
com a espada de seu ardente zelo. Pari. I. Em que se des- 
crevem os principaes Santuários em que residem os Religiosos 
Franciscanos ; com. varias noticias hidoricas e geographieas do 
mesmo paiz, memorias do seu governo antigo^ e outras cousas 
dignas de attenção. Lisboa Occidental, na Officina de Domin- 
gos Gonçalves. 1734, foi. Pari. 2. E>n que se descreve a guer- 
ra sacra ale a tomada de Jerusalém ^ o estado do governo de 
seus reis até Guido de Lusignano, e perda da Santa Cidade ; 
nmtivos d''esla perda ; vaticiniòs do Restaurador dos Santos 
Logares, o Santo Padre Francisco; summario das idti- 
mas urmadas dos Cruzados, que intentaram a restauração 
do reino de Jerusalém ; estabelecimento do Patriarcha Se- 
ráfico, e da sua Religião na Ásia, com especialidade pa- 
ra guarda e culto do Santissimo Sepulchro, e mais Loga- 
res Santos. Lisboa, na dita Officina. 1741. foi. Part. 3. 
Mm que se descrevem as eleições e governos de trinta e dois 
Guardiães do Monte Sion; com os casos peregrinos e memorá- 
veis que no mesmo tempo succederam no Mundo, pelo espaço 
de \M annos, que comprehende o de \^2S até 15 \ 5. liishoa, na 
Officina dos herdeiros de António Pedroso Giilrao. 1749. foi. 
Da terceira parte d'esta obra deixou de fazer menção o Ab- 
obade Barbosa. 

■ 1456. Fr. Joao das Ghagas, commissario geral da Ter- 
ra Santa, natural de Guimarães, fez imprimir; Verdadeira e 
ítuUvidua ReTação do que se tem obrado em Constantinopla 
sobre a reedificação do Templo do Santo Sepulchro de Jesu 



'OinUGUEZA. 



277 



Chrislo, siluaJo na Santa Cidade de Jerusalém, Sfc, Lisboa 
Occidental, na Officina deJosé Mjincscal. 17^2. ,4.., Consta, 
de 4:í paginas. E traduzida do italiano. (*) ^ • -.•, i,?, 

1457. Fu. João dos 1'razeres, comniissario geral .da,. 
Terra Santa, publicou ; Fiel Copia das Relações que a Santa 
Cudodia da 7 erra Santa mandou a Roma : uma da origem j.^ 
progresso, e fim da sublevação que fizeram os Santões, rníí^isj-- 
tros da jusiii^a, e o povo de Jerusalém contra os Religiosos da^ 
Terra Santa, em o anno de 1746 ,• c outra da cruelisaima. per^ 
seguiçuo urdida e fomentada pelos gregos scismaticos na ditaVU, 
dade Santa de Jerusalém, e em Damasco, no anno de 17AS\ 
contra os mesmos Relicjiosos Observantes, e contra iodos os.Ca^ 
tholicos que na mesma Terra] Santa professam a verdadeira^ 
Fé Catholica Romana. Lisboa, na Officina de Miguel Mar^ 
nescal da Costa. 1750. 4. Deve accrescentar-se á ^i6/io<^çca 
Ijusitnna, .» ',>í íOi^;r; 

1458. P. Jorge BE GocVEA, jesuita, natural de Lisboa, ^^rí 
Relação da ditosa morte de quarenta e cinco Chrisfãos, que eni. 
Japão 7norr eram pela confissão da Fé Catholica, em Novem-\ 
hro de 61À. Tirado de um processo aidhentico. Lisboa, na Of-. 
ficina de Pedro Craesbeeck. 1617. 8. (Bibliotheca Nacional, 
de Lisboa, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). ',,.^v 

1459. JosE Freire de Montarroyo Mascarenhas, iíb 
Innoccncia insultada, ou Noticia da barbara atrocidade co^. 
que os negros mahometanos, sem outro motivo mais que o adio 
que ieem aos professores da Fé de Christo, insultaram o Convçit^^ 
to da Concei('ão que os Missionários de S. Francisco teem nj^ 
Cidade de Maj nines', colhida de varias Cartas chegadas çí''a,v, 
quelle paiz. Lisboa Occidental, na Officina de Pedro Ferreii;acv.»^ 
1728. 4. sem o nome do auctor. Consta de 12 paginas. (%)■ 

14()0. D. Lrrz ds Cerqueira, bispo do Japão, natural 
de Alvito. E. Relação da morte que seis chrisiãos Japões pade- 
ceram pela Fé de Chrhto. Escripta c enviada a Etrei aos2ô 
de Janeiro de 1604. E impressa em'folhas coladas, s*^gundoo 
uso das impressões da China, e nao declara o nome do Impres- 
sor. Consta de quarenta paginas. 4. D'el]a existe um exemplar 
no Archivo Nacional da Torre do Tombo. ,, ,, 

1461. Luiz FrÓes, jesuíta, natural de Beja. E. Ca/íaeípr 
Padre Lvis Froes da Companhia de lesvs, Km a qual da re- 
lação das grandes guerras, alterações ^' mudanças que ouue 
nos Reynos de lapão, Sç da cruel perseguição que o Rey vniner- 
sal aleuantou contra os padres da Companhia , ^\contra a Chris- 
tandade. Ajuniou-se também outra do Padre Organtino dcí. 
onesma Companhia, que escreueo daspartesdo Miaco. Impre^-y 
sas com licença de S, Alagestade, Sç do Conselho Geral do San- 



278 



B1BLI0GKAI»H1A HISTORiCA 



cio OJficio, 4' Ordinário. Por António Aluarez Impressor. Jiu 
no 1589. 8. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). Sabiu reimpres- 
sa com este este titulo : Relação das grandes alterações &Ç mu-- 
danças que ouue em os Reynos de lapão nos annosde 87 . Sf 88. 
E da perseguição que o Bey detodoo lapão leuantou contra a 
Christandade. E da grande Fé, ^' constância dos Christãas. JLn- 
uiada ao muito Beuerendo Padre Geral da Companhia de le- 
svs pelo Padre LuisFroes. Ajtmtouse outra Carta do Padre 
Organiino da mesma Companhia. Com licença dos superiores 
impresso, em Coimbra por António de Barreira, impressor da 
Vniuersidade, 1590. 4. Doesta edição se esqueeeir o Abbade 
Barbosa. Consta de 126 paginas. (Livraria do Archivo Nacio- 
nal). Anda também na Segvnda Parte da» carias de lapão, de 
falhas 187 a 225. foi. 

1462. P. Manoel de Campos. E. Relação da prisão e 
morte dos quatro veneráveis Padres da Companhia, Bartholo- 
meu Alvares, Ma^mel de Abreu, Vicente da Cunha, portugue- 
zes, € João Gaspar Cratz, alemão.^ mortos em ódio da Féria 
Corte de Tunkim, aòs 12 de Janeiro de 1737. Com uma breve 
summa do principio d"* esta perseguição, e do seu primeiro efeito ; 
tirado tudo das Cartas e Relações dos Missionários e Cathequis- 
ias que cultivam aqu ti la gloriosa iffmao. Lisboa Occidental, na 
Officina de António Isidoro da Fonseca* 1738. 4. sem o nome 
do auctor. 

1403. T. Manueí. BE Coimbra, natural de Óbidos. E* 
JBreve Relação do ilkistre martyrio do venerável Padre João de 
Brito, religioso professo da sagrada Companhia de Jesus, resi" 
dente na Missão de Madure, reino dos Maratás, o qualpade-^ 
CQU a 4 de Fevereiro de 1693. Lisboa, na Impressão de Bernar-» 
do da Costa de Carvalho. 1695. 4. Consta de 8 paginas. 

1464. Masuel da Cruz, presbvtero, natural de Lisboa. E. 
De quão proveitosos são os Padres Carmelitas Descalços na Índia 
Oriental, ao serviço de Deus e d^Flrei, Lisboa, por Antoni» 
Alvares. 1639. 8. Consta de 27 folhas numeradas de uma s& 
parte. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

1465. P. Manuel Ferreira, jesuíta, natural deLisboa. E. 
Noticias Summarias das perseguições da Missão de Cochinchina^ 

principiada e continuada pelos Padres da Companhia de Jesus. 
Lisboa, na Officina de Miguel Manescal. 1700» foi. sem o no- 
me do auctor. 

1466. P. Manuel ba Veiga, jesuíta, natural de Viliavi- 
çosa. E. Relação geral do estado da Christandade de Ethio- 
pia ; reducçãò dos scismaticosj entrada e recebimento do Pa- 
iriarcha D. Aj^onso Mendes; obediência dada pelo imperador 
Selião Segued, com ioda a sua corte, á Igreja Romana; e 



POUTUGUliZA. 



â7^ 



cio que de novo siiccedeu no descobrimento do Thyhct, a que 
chamam Grão Catayo ; composta e copiada das Carias que 
os Padres da Companhia de Jesus escreveram da índia 
Oriental, nos annos de 1624, 1625 e 162G. Lisboa, por Ma- 
theiís Pinlieiro. 1023. 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 
D'ella possuímos um exemplar. 

1467. D. Makiâ Antónia de S. Boaventura e Me- 
nezes, natural de Lisboa, traduziu na lingua materna í 
Hi&toria da Igreja do Japão, e m q ue se dá noticia da primeira 
entrada da Fé n''aquelle Império ; dos costumes d'aqnella 
nagão, suas terras, e cousas muito curiosas e raras, para os 
eruditos estimáveis, e parn todos gratas. Escripia cm fran- 
C€Z pelo Padre João Crasset, da Companhia de Jesus. 'Pom. I. 
Lisboa, na OíVicina de Manuel da Silva. 1749. 4. Tom, 2. 
Ibi, na mesma Officina. 175 1. 4. Tom. 3. Ibi, naOfíicina 
do Manuel Soares. 1755. 4. com estampas. Dos tomos 2. e 
o. doesta traducçao deixou de fazer memoria o Abbade de 
Sever. 

1468. Fr. IMiGUEL DAS Almas Santas, franciscano, 
natural do termo de Valença do Minho. E. Clamores feitos 
ao Ceu, suspiros dados na Terra Santa de Jerusalém; la- 
grimas e tormentos com que na Palestina acabam as vidas 
os filhos do Seráfico Padre S. Francisco que residem n''aquelles 
Santos Lagares ; graças que lhes são concedidas, e a seus 
òemfeitores, com cuja diligencia e esmolas se conservam j 
mercês com que são premiados, e outras mais importantes no- 
ticias. Esta obra, segundo escreve Barbosa, sahiu pela pri- 
meira vez á luz : Porto, na Ofíicina Protetypa Episcopal. 
1739. 8. Foi reimpressa; Lisboa, na Officina de Miguel 
Manescal da Costa. 1755. 8. edição de que se não faz me- 
moria na Bibliotheca Lusitana. 

1469. Fk. Miguel da Purificação, franciscano, na- 
nuralde Tarapor, no Estado da índia. E. Rela^jão defen-^ 
siva dos filhos da índia Oriental, e da Provinda do aposto- 
lo S. Thomé, dos Frades Menores da líegular Observância 
ãa mesma índia. Barcelona, en la Eraprenía de Sebastião 
e João Matbeva. i640 4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

1470. P, Nicolau Pimenta, jesuíta, natural de Santa- 
rém. E. Carias que o Padre Nicolau Pimenta, da Compa^ 
nhia de Jesus, Visitador nas partes do Oriente da mesma 
Companhia, escreveu ao Geral d''ella a 26 de Novembro do 
anno de 15 99, e ao í. de Dezembro de 600; nas quaes, en- 
tre algumas cousas notáveis e cu)iosas que conta de diversos 
remos, relata o successo da insigne vicioria que André Fur- 
tado de Mendonça alcançou do Cunhale, grande perseguidor 

36 



280 



BIBLIOGRAPIIIA IlISTORICAr 



, a. Mrt Academia Real das Sciencias, e a do 



cln Fé e christandade da índia, e cruel inimigo d\iquelle 
Estado. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1602. 8. (Livraria 
das Necessidades, a d 
Sr. Conselheiro Macedo) 

1471. P. Sebastião de Magalhães, jesuíta, natural 
de Tanger, tiaduziu ; lidarão do estado politico e espiritual 
do Império da China, pelos annos de 1659 até o de 1666-, 
escripta em latim pelo Padre Francisco Rogemont, da Com- 
panhia de Jesus, Missionário no mesmo Império da China. 
Lisboa, na Officina de João da Costa. 167í>. 4. sem o no- 
me do traductor. 

1472. Fr. Simão da Luz, religioso dominico, natural 
de Lisboa. E. Breve Relação do insigne martyrio de treze 
Religiosos da Ordem de S. Domingos, da Provinda de Nossa 
Senhora do Rosário das Filippinas, que padeceram no Im- 
perio do Japão, pela pregação do Santo Evangelho, desde o 
anno de 1617 até o de 1624. Tirada da historia que d''ellcs 
compoz em castelhano o R. P. Fr. Melchior Mançano, Com- 
missario do Santo Officio nas ditas Ilhas, e Provincial que 

foi da mesma Provinda, Sfc. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1630, e não 1624, como escreve o Abbade de Sever. 8. Cons- 
ta de 51 folhas numeradas de uma só parte. (Livraria do 
Sr. Conselheiro Macedo). 

1473. D. Vicente Barbosa, theatino, natural do Re- 
dondo. E. Compendio da relação que veio da índia o anno 
de 1691 a Elrei D. Pedro II. da nova Missão dos Padres 
Clérigos Regulares da Divina Providencia na Ilha de Romeo. 
Lisboa, na Officina de Manuel Lopes Ferreira. 1692. 4. Do- 
ze paginas de impressão, sem o nome da auctor. (Bibliotheca 
Nacional de Lisboa. Papeis Varias ^, Livraria do Archivo 
Nacional, Relações da índia. vol. 2. num. 21). 



1474. Ao Governador e Capitão General Ayres de Salda- 
nha de Menezes e Sousa, os Religiosos da Companhia de Je- 
sus, sobre o Collegio, Missões, e Seminário de Angola. Ijisboa, 
na Officina de João da Costa. 1680. 8. Consta de 24 pa- 
ginas. (Bibliotheca Nacional de Lisboa)^ 

1475. Carta de edificação, gloriosos trabalhos dos Mis- 
sionários da Companhia de Jesus na Missão de Madure, e 
maravilhosos successos que Deus n''ella obrou no anno de 1738. 
Lisboa, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1763. 
(aliás 1743). 4. D'ella possuímos um exemplar, assim co- 
mo das três seguintes. 



PORTLGUEZA. 



Carta de edificação^ gloriosos trabalhos dos 3Ji&sionarios 
da Companhia de Jesus un Missão de Madure^ e maravilho- 
sos successos que Deus n''ella obrou no anno de 1740. Lisboa, 
na Officina Silviana. 1746. 4. 

Carta de edificação, gloriosos trabalhos dos Missionários 
da Companhia de Jesus na Missão de Madure, e maravilho- 
sos successos que Deus n''eUa obrou no anno de 1743. Lisboa, 
na dita Officina. 1747. 4. 

Carta de edificação, em que se referem os gloriosos traba- 
lhos dos Missionários da Companhia de Jesus na Missão de 
Madure, e maravilhosos successos que Deus n''ella obrou até 
o anno de 1745. Lisboa, na Officina de Manuel da Silva. 
1753. 4. 

1476. Carta do Excellentissimo e Rcvereiídissimo Dispo 
de Pekim, D. Fr. Alexandre de Gouvea, ao Dlustrissimo e 
lievercndissimo Dispo de Calandro, sobre a introducgão e 
progresso do christianismo na Península da Coréa, desde o 
anno de 1784 até o de 1797. Lisboa, em a nova Officina de 
João Rodrigues Neves. Í808. 8. em latim e portuguez. 
D'ella possuimos um exemplar. 

1477. Cartas qve os Padres e Irmãos da Companhia de 
lesus, q andão nos Reynos de lapão escreuerão aos da tncs- 
ma Companhia da índia, e Europa, des do anno de 1549. 
ate o de 66. Nellas se cota o principio, socesso, e bôdade da 
Christandade daquellas partes, e vários costumes, e idola- 
trias da gentilidade. Impressas por mandado do Illustrissimo 
e Reuerendissimo Senhor Dõ loão Soarez, Dispo de Coim- 
bra, Conde de Arganil. Sfc. Foruo vistas por sua Senhoria 
Deuerendíss. e Impressas cõ sua licença, e dos Inquisidores, 
em Coimbra em casa de António de Marijs. Anno de 1570. 
e no fim; Impresso em Coimbra em casa de António de Ma- 
ris Impressor, e liureyro da Vniuersidade. Acabouse no mes 
lulho, de mil e quinhentos e setenta. 8. Consta de cccccclxxv. 
folhas numeradas em uma s6 face, além de vinte sem nume- 
ração. D'esta copiosa e raríssima collecçao vimos um exem- 
plar na Livraria das Necessidades (vol. ^^), e outro trun- 
cado na Bibliotheca Nacional de Lisboa. Ha outra edição 
do mesmo anno, e com o mesmo titulo, em formato de quar- 
to, cuja subscripção diz o seguinte : Foy impressa a presente 
obra na muy nobre e sempre leal cidade de Coimbra em ca- 
sa de António de Maris Impressor e liureyro da Vniuersida- 
de. Acabouse o derradeyro dia do mes de Agosto, do anno 
do nacimêto de nosso Senhor lesu Christo, de mil e quinhen- 
tos, e setenta. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livraria 
do Sr. Conselheiro Macedo, e a do Ex, 
Mello Manuel). 



282 BIBLÍOGRAPIIIA HISTÓRICA 

1478. Cartas do lapam nas qvaes se trata da chegada 
á quellas partes dos fidalgos lapões que ca vieruo^ da muita 
Christandade que se fez no tempo da perseguição do tyrano, 
das guerras que ouue, ^ de como Quambacudono se acabou 
de fazer senhor absoluto dos 66. Reynos que ha no lapão, 
Sf de outras cousas tocantes ás partes da índia, ^' ao grão 
Mogor. Com licença da mesa geral da Sãcta Inqvisissaõ, ^ 
de sua 3Iagestade, Sf do Ordinário. Em Lisboa. Rni casa 
de Simão Lopez. 1593. 8. Constam de 64 folhas numeradas 
em uraa só face. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). D^elias 
possuímos um exemplar. 

1479. Cartas qve os Padres e Irmãos da Companhia de 
lesas escreuerão dos Rfijnos de lapão Sç China aos da mes- 
ma Companhia da índia, Sf Ewopa., dcsdo anno de 1549. 
ate o de 15 80. Primeiro 'Pomo. Nellas se conta o principio, 
socesso, <^* bondade da Christandade daquellas partes, ^ vá- 
rios costumes, Sf falsos ritos da gentilidade. Impresws por 
mandado do Rtuerendissimo em Christo Padre dom Pheoto- 
nio de Bragança Arcebispo d'' Euora. Impressas com licença 
4* approitavão dos SS. Inquisidores <^* do Ordinário. Mm 
Euora por^3Ianoel de Lyra. Anno de M. D. XCVIII. foi. 

Segvnda Parte dos cartas de lapão que escreuerão os pa- 
ares, Sf irmãos da companhia de lesvs. Sabiu sem folha de 
roslo. foi. i)a primeira e segunda parte d'estas Cartas exis- 
tem exemplares na Bibliotheca Nacional de Lisboa, e na Ueal 
d'Ajuda, nas Livrarias do ârcliivo Nacional, e da Acade- 
mia Real das Scicncias. (a) 



(a) Das Cartas de edificação que andam impressas, tras- 
ladadas de portuguez em castelhano, daremos noticia n^esta 
nota, para completarmos a serie das que temos examinado, 
e são as seguintes.' 

Copia de vna carta que embio de la Índia el padre En- 
rriqiic Enrriquez, dela compania. de lesu ai padre maestre 
Simon preposito de la dicha cõpania en Portugal, y alosher- 
manos de lesu de Coimbra, tresladada de Português encaste- 
llano. Recebidas el ano de. M. I). LI. Consta do oito quar- 
tos de papel, sem números nas paginas, e não declara o lo- 
gar da impressão, nem o nome do Impressor. (Bibliotheca 
Nacional de Lisboa). 

Copia de vnas cartas embiadas dei Brasil, por cl padre Nó- 
brega dela companhia de Jesus : y atros padres queestan debaxo 
de SM obediõcia : ai padre maestre Simon preposito de la dicha 
co-mpaTiia en Portugal: y aios padres y hermanos de Jesus 



POKTtGUEZA 



283 



1480. Conquisiasna índia cm apostólicas Missões da Com- 
panhia de Jesus, soccorridas pelo Ceit com milagrosos siicces- 
sos cm credito da Fé, e estrago da idolatria, até o anno de 
1744. Lisboa, na Officina de Manuel da Silva. 1750. 4. 

1481. Noticia certa de um successo acontecido no Império 
da C/iina, aonde se referem os tormentos, trabalhos e niar- 
iyrios (jiie alli padecem, os Catholicos, e os qne passou o mui- 
to ileverendo Padre Pr. João de Santa Maria, religioso da 
Ordem de S. Domingos, e onde também morreram marty- 
rrs o Iilustrissimo Bispo de Maricastro, da mesma Sagrada 
lieligião, e outros religiosos, líishoii. 1757. 4. Stíte paginas 
do impressão. 

1482. Relação summa7-ia da prisão, tormentos, e glorio- 
so martyrio dos veneráveis Padres António José, porttiguez, 
e Tristão de Attimis, italiano, ambos da Companhia de Je- 



âe Coimbra. Tresladadas de Português en Castellano. Re- 
cebidas cl ano de M. D. LI. Constam de vinte e sete pagi- 
nas sem numeração, e não declarara o logar em que foram 
iinpressas, nem o nome do Impressor. 4. (Bibliotheca Na- 
cional de Lisboa). 

Copia de vnas cartas dei padre mestre Frãcisco, y dei pa- 
dre M. Gaspar, y oiros padres dela compania de lesu, que 
cscritiieron de la índia a los hermanos dei colégio de lesus, 
de Coimbra. Tresladadas de Português en Castellano. Rece- 
bidas el ano de 31. D. Ij. Constam de trinta e duas paginas, 
sem nota do logar da impressão. 4. A gravura do fronstis- 
])icio é aberta era madeira. (Bibliotheca Nacional de Lis- 
boa). 

Copia de vtias Cartas de algunos padres y hermanos dela 
compania de Icsiis que escriuieron dela índia, lapon, y Bra- 
sil aios padres y hermanos dela misma compania, en Portu- 
gal trasladadas de português en castellano. Puero recebidas 
el ano de mil y quinientos y cincuenta y cinco. Acabar onse 
a treze dias dei mes de Deziember . Por loan Aluar ez. Ano. 
M. D. IjV. Esta coUecção é impressa em caracteres gothicos, 
e consta de trinta e três folhas sem numeração. 4. A tarja 
do frontispicio é aberta em madeira. N'ella vem transcrip- 
ta uma mui curiosa carta de Fernão Mendes Pinto, datada 
do Collegio de Malaca a 5 de Abril de 1554. Começa : De- 
terminado tenia charissimos hermanos . . . acaba : Nuestro 
senor nos haga dignos a todos q por su amor suf ramos mu- 
chas tribulaciões y muerte para que en la gloria sea perpe- 
tua nuestra vniòn y bienaucnturança. D'elle sao também j 



284 



BIBLIOGUAPHIA HISTÓRICA 



SUS, da Vice Provinda da China. Lisboa, na Officina de 
Francisco da Silva. 1751. 4. Consta de 38 paginas. (*) 

1483. Relação (Funesta e Lamentável) dó que succedeu 
em 30 de Abril de 1756, na Cidade Marítima de Jafa, qua- 
t-enta milhas distante da Santa Cidade de Jerusalém^ causa- 
do por uma tumultuosa revolução de arábios e turcos contra 
os Religiosos Menores do Seráfico Padre S. Francisco^ da 
Família da Observância, a quem está entregue a custodia e 
guarda dos Santos Lagares de Jerusalém e Terra Santa; 

fielmente traduzida da língua italiana. Lisboa, na Ofíicina 
de Miguel Rodrigues, 1756. 4. Ibi, na Officina de Miguel 
Manescal da Costa. 1757. 4. Onze paginas de impressão. 

1484. Relações Summarias da alguns serviços que fize- 
ram, a Deus e a estes Reinos os Religiosos Dominícos nas 



ao que parece, as noticias qne n'este curioso livro se offere- 
cem ao leitor com este titulo : Informacion de algunas cosas 
acerca delas costúbresij leyes dei Reyno dela China que vnhõ- 
bre que alia estuuo captiuo seis anos, coto en Malacha enel 
collcgio, dela compania de Jesvs. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa). 

Copia de algunas cartas que los padres y hermanos de la 
compania de lesvs, que andan en la Lídia, y otras partes 
orientales, escriuieron a los de la misma compania de Por- 
tugal. Desde el ono de M. D. LVII. hasta et de Ixj. Tres- 
ladadas de Português en Castellano. Impressas en Coimbra 
Por loan de Rarrera. 1562. No fim tem a seguinte subs- 
cripção : Acabaronse de emprimir las presentes cartas^ en la 
muy noble ciudad de Coimbra, por luan Aluarez, impressor 
dei Rey nuestro : S. aios veynte y nueue dias dei mes de 
Abril, de mil y quiniStos y sesenta y dos annos. 4. Esta col- 
lecção, de que possuimos um exemplar, foi publicada pelo P. 
Manuel Alvares, jesuita. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

Copia de las Cartas que los Padres y hermanos de la Com- 
pania de lesvs que andan en el lapon escriuieron a los de la 
misma Compania de la índia, y Europa, desde el ano de 
M.D.XLFIIl. que comêçaron, hasta el passado de LXIIL 
Trasladadas de Portogues en Castellano. P con licencia im- 
pressas. En Coimbra. Por luan de Rarrera, y luan Alua- 
rez. M.D. LXV. e no fim: Enpressas ê Coimbra por luan 
Aluarez èç luan de Raerrra impressores dela vniuersidad ano 
de 1564. 4. Foram publicadas pelo jesuita Cypriano Soares. 
D'esta collecção possuimos também um exemplar. (Bibliothe- 
ca Nacional de Lisboa). 



POUTUGUEZA, 



285 



partes da índia Otiental, íiVsíes annos próximos passados. 
Lisboa, por Lourenço Craesbeeek. 1635. 4. São três Re- 
lações, e constam ao todo de 35 folhas numeradas de uma 
so parte. A primeira é de Fr. António da Encarnação, da 
Ordem dos Pregadores, e a terceira de Fr. Miguel Rangel, 
bispo de Cocbim. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, e a Li- 
vraria do Archivo Nacional). 

1485. Summario f Breve] dos Conventos, Igrejas, Copei- 
las, e Logares Santos que a Sagrada Religião dos Frades 
Menores da Observância tem a seu cargo em a Cidade de 
Jerusalém e Terra Santa, e do direito com que os possue e 
habita ; e dos grandes e excessivos trabalhos que padecem os 
Meligiosos que alli estuo ; e dos tributos que pagampara que 
os deixem morar alli os turcos, e por ter com a devida de- 
cência aquelles Santos Logares. Lisboa, por Vicente Alvares. 
1617. 4. (^Livraria do Ex.""'^ D. Francisco de Mello ManuelJ. 
Ibi, na Officina de António Craesbeeek de Mello. 1665. 4. 
Ibi, na Ofíicina de João da Costa. 1670. 4. Ibi, na Offi- 
cina de Miguel Deslandes. 1698. 4. Vinte e oito paginas de' 
impressão. Sahiu mais accrescentado com este titulo : Me- 
lação Summaria e Noticiosa dos Logares Santos de Je- 
rusalém, e dos mais de que na Terra Santa e Palestina 
esta de posse, em que tem muitos Conventos e Hospícios, a 
Religião dos Frades Menores da Regular Observância do 
grande Patriarcha S. Francisco • sobre o direito com que 
adita Religião os pussue ; dos grandes tributos que alli se 
pagam ; dos muitos e intoleráveis trabalhos que seus Religio- 
sos alli padecem, não só dos infiéis turcos, senão também dos 
scismaticos gregos^ tudo afim de sua inteira e devida conser- 
vação . hhhoã , n:i Officina de Migiiel Manescal. 1706. 4. (*) 
Ibi, na mesma (Jfficina. 1709. 4. Ibi, nade Miguel Ma- 
nescal da Costa. 1747. 4. Estas sete edições sabiram por 
diligencia dos diíferentes commissarios geraes que n'ellas 
vem designados. A Bibliotheca Lusitana dá noticia das que 
se imprimiram em 1665 e 1670, citando mais quatro. (1621, 



1642, 1686 e 1716 



que 



nao vim os. 



âS6 



BIBLIOGRàPHIA BlSTORICá 

TITULO 6/ 



NOTICIA DAS INQUISIÇÕES D ' ESTE REINO, E SUAS CONQUiSTAS, 



1486. D. FliANCisco DES.Ltiz. Escreveu: Discurso so- 
bre a verdadeira epocha do estabelecimento do Santo 0/ficio 
da Inquisição em Portugal, Sahiu no tom. 3. paíç. 224 e se-- 
guiiites da Revista Litteraria, Porto, na Typographia Com- 
mercial. 1839. 8. 

1487. Manubl Borges Carneiro. E. Appendix sobre 
o* operações da Santa Inquisição Fortugueza. Lisboa, na 
Typographia Lacerdina. 1820. 8. sem o Dome do auctor. Ê 
a segunda parte do opúsculo que tem por titulo : A Magia 
e mais superstições dcsinascaradas. 

1488. Fr. Manuel de S. Damas», franciscano, natu- 
ral de Amarante. E. Verdade elucidada, e falsidade conven- 
cida, de cujas demonstrativas conclusões conúa com evidencia 
haver tido a Santa Inquisição Lusitana dois Inquisidores (?e- 
raes successivas, ambos com o nome de Fr. Diogo da Silva, 
um> da Sagrada Religião dos Mínimos de S. Francisco de 
Paula, outro da Seráfica Religião dos Menores de S. Fran- 
cisco de Assiz', o Menor com o caracter de Bispo de Ceuta, 
o Minimo sem. o tal caracter ; este a idtimo antes da cr cação 
do Supremo Tribunal, aquclle o primeiro depois da sua crea- 
^ão. Lisboa Occidental, na Ofâcina da Musica, 1730. foL 

1489. Fr. Pedro Monteiro. E. Catalogo dos Deputa- 
dos do Conselho Geral da Santa Inqnisi{^ão , depois de sua re- 
novação feita por Bulia do Summo Pontífice Paulo III. 
dada aos 23 de Maio de I53t>, governando tsie lieino o Se- 
reníssimo Rei D. João III. Sahiu no tem. 1. da Collec. 
dosDocum. e Mem. da Academ. Real da Hlst. Fort. Lis- 
boa Occidental, na Offieina de Pascboal da Silva. 1721. foi, 

Noticia Geral das Santas Inquisições d^tste Reino e suas 
Conquistas ^ Ministros e Officiaes de que cada uma se com^- 
põe. Sahiu impressa no tom, 3. da dita Colíecçãa. Ibi, na 
mesma Offieina. 17:23. foi. 

Catálogos dos Inquisidores, Deputados, Promotores, e JVo- 
iarios da Inquisição d'' Évora. 

Catálogos dos Inquisidores, Deputados, Promotores, e No-^ 
tarios da Inquisição de Lisboa. 

Catálogos dos Inquisidores, Deputados^ Promotores^ eNo- 
tarios da Inquisição de Coimbra. 



ͻ0RTLGIJEZ.4. 28*7 

Todos estes Catálogos andam impressos no dito forno. 

Catalogo lios Inquisidores^ Deputados^ Notarias e ^judanlei 
da Inquisição de Goa. Sahiram no tom. 4. da dita CollecçCio. 
Ibi, na mesma Officina. I'y24. foi. 

Origem dos Hevedores dos Livros e Qualificadores do San- 
^^ ^^ffi-cf-^i com o Catalogo dos que tem havido nas Inquisi- 
ções d^sie Reino. Acha-se impresso no dito tomo. 

Catalogo dos Secretários do Conselho Geral^ ÍJhcrivães da 
Camará de Sua 3Iagestade. Sahíu no tom. 5. da dita Col- 
lecção, Ibi, na mesma Oflicina. 1725. foi. 

Historia da Santa Inquidi^uo do Reino de Pottugal e 
suas Conquidas. Part. 1. Da origem das Santas Inquisições 
da Chridandade^ e da Inquisição anHga que houve n''esie 
Reino^ com os seus Inquisidores Geraes. Liv. 1. M'n que s-: 
mostra a origem da Santa Inquisição^ e seu primeiro Inqui- 
sidor Geral o Patriarcha S. Domingos, e de como este im- 
pugnou e destruiu a heresia dos Albigenses • de outras Inqui- 
sigõcs que fez, e Inquisidores da sua Ordem que nomeou. Lis- 
boa, na Ofricina Silviana. 1749. 4. grande. Liv. 2. Ba San- 
ta Inquisição antiga que houve n^este Reino desde o Senhor 
Mei I). Afonso II, até o governo do Senhor D-, João III. 
e nos mais de Hespanha até o d'' Mirei Catho/ico D. Fer- 
nando ; e dos Concilios Geracs, Scismas e Heresias que por 
estes tempos houveram na Igreja. Ibi, na dita Ofncina. 1750. 
4. grande. 

1490. RoMUÁLDO Glohysio Fíieire. E. Descripção fú- 
nebre das exéquias que a Inquisição de Goa dedicou á me- 
moria do Eminentíssimo Senhor Nuno da -Cunha de Atayde^ 
Presbyiero Cardeal do titulo de Santa Anaslasia, do Conse- 
lho de Edado de Sua Magestade Fidelíssima, Inquisidor Ge- 
ral dos Reinos e Senhorios de Portugal. Lisboa, na Offici- 
na de Mií^ael Manescal da Costa. 1753. 4. 



1491. Collectorio das Bulias, Cartas, Aluarás, e Provi- 
sões Reaes que contém a indituição e progresso do Santo Of- 
ficioem Portugal:, vários Indultos e Privilégios que os Sum^ 
mos Pontífices e Reis doestes Reinos lhe concederam. Impres- 
so por mandado do IHustrissimo e Reverendíssimo Senhor 
Bispo D. Francisco de Castro, Inquisidor Geral, do Conse- 
lho de Edado de Sua Magestade. Em Lisboa, nos Estáos, 
por Lourenço Craesbeeck. 1634. foi. 

149^. Historia completa das Inquisições de Itália, Hes- 

37 




BIBLIOGRAPHIA HISTOÍtlCA 

panha, e Portugal. Lisboa, em a novaTypographia Maigíensfí . 
1821.4. Ibi, na mesma Typographia. ]822. 4. com estampas. 

1493. Regimento do Santo Officioda Inquisição dos Hei- 
nos de Portugal, recopilado por mandado do lUustrissimo e 
Jteverendisiimo Senhor D. Pedro de Castilho, Inquisidor Ge^ 
ral e Vicerei dos Reinos de Portugal. Impresso na Inquisi- 
ção de Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1613. foi. 

1494. Regimento do Santo Officio da Inquisição dos Rei- 
nos de Portugal, ordenado por mandado do Illuslrissimo e 
Jleverendissimo Senhor Bispo D. Francisco de Castro, 7/i- 
guisidor Geral. Impresso em Lisboa, nos Estáos, por Ma- 
nuel da Silva. 1640. foi. Sahiu também no tom. 2. áa. Nar- 
rativa da perseguição de Hyppolito José da Cosia. Londres, 
por W. Lewis. 1811. 8. 
, 1495. Regimento do Santo Officio da Inquisição dos Rei-' 

nos de Portugal, ordenado com. o Real Beneplácito e Régio 
Auxilio pelo Eminentissimo e Reverendíssimo Senhor Car- 
deal da Cunha, Inquisidor Geral n''estes Reinos, e em todos 
o% seus Domínios. Lisboa, na Officina de Miguel Manescal 
da Costa. 1774. 4. grande. Sahiu reimpresso no tom. l.da 
Narrativa da perseguição de Hyppolito José da Costa. Lon- 
dres por. W. Lewis. 1811. 8. e ultimamente, precedidode 
uma Introducçâo por José Maria de Andrade : Coimbra, na 
Imprensa da Universidade. 1851. 8. 

496^ Relação exaclissíma, instructiva, curiosa, verda- 
dadeira, e noticiosa do procedimento das Inquisições de Por- 
tugal, presentada ao Papa Innocencio XI. pelo Padre An- 
tónio Vieira, da Companhia de Jtsus. letrada pela experiên- 
cia do que passou na de Coimbra, em três annos que n''ella 
esteve prezo. Adiante vão outros dois papeis do mesmo Padre, 
com cujo nome se conhecerá a subtileza e curiosidade com que 
foram feitos, Sfc. Juntos por um Anonymo. Em Veneza, na 
Officina de João Moretin. ITóO. 8. Dois dos referidos pa- 
peis sahiram do novo com este titulo: Noticias recônditas do 
modo de proceder a laquidção de Portugal com os seus pre- 
zos : Informação que ao Pontífice Clemente X. deu o Padre 
António Vieira, ^c. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1821. 
8. Veja-se também a seguinte obra, attribuida ao judeu 
portuguez David Neto; Noticias recônditas y posthumas dcl 
procedimienio de las Inquisiciones de EspanaUy Portugal con 
sus presos. Divididas en dos Partes: la primera en idioma 
portuguez, la segunda en castellano ; dedusidas de Autores 
Catholicos, Apostólicos y Romanos, eminentes por dignidad 
ò por letras. Obras tau curiosas como instructivas, compila- 
das y anadidas por un Anonymo, En ViUa Franca, (palias 
em Londres). 1722, 8. 



POkTUGUEZA 

TITULO 7. 



289 



MEMORIAS E ESCBIPtOÍ RELATIVOS AS ORDENS MILITARES. 



1497. Fr. Agostinho de Santa Maria. Escreveu: His- 
toria Tripartita ^comprehendida em ires T^ractados, No primei' 
ro se descrevem as vidas e os gloriosos iriumphos dos Santos Mar- 
lyres Ferissímo^ Máxima^ c Julia^ Padroeiros de L,isboa, c 
eh Real Mosteiro de Santos ; no segundo se dá noticia da 
vinda e pregação do /Jpostolo Santiago ás Hespanhas, do 
principio e origem de sua esclarecida Ordem, e de seus no- 
bilissimos Mestres até a sua separação , e eleição dos 3íes- 
ires portuguezes ; no terceiro se descrevem os princípios do 
lieal Convento de Santos, e a noticia de suas illustres Com.- 
tncndadeiras, desde o anno de 1212 até os nossos tempos. Lis- 
boa Occidental, na Officina de António Pedroso Galrão. 
1724. 4. 

1493. Alexandre Ferreira, académico da Academia 
Real da Historia Portugueza, natural do Porto. E. Suppte- 
mento Histórico, ou Memorias e Noticias da célebre Ordem 
dos Templários, para a Historia da, admirável Ordem de 
Nosso Senhor Jesu Christo. Part. I. Tom, 1. e 2. Lisboa 
Occidental, na Ofdcina de José António da Silva. 17.35. 4. 
grande. 

Memorias Históricas de algumas Ordens Militares, Os 
dois exemplares que vimos constam de 504 paginas. Umd'el- 
les traz folbas de rosto cora este titulo : Historia das Ordens 
Militares que houve no Reino de Portugal, escripta pelo 
Doutor Alexandre Ferreira, Deputado da Meza da Cons- 
ciência e Ordens, e Académico Real, cuja impressão se sus- 
pendeu por ordem da mesma Academia, 4. grande. Tracta 
das Ordens de S. Miguel da Ala, da Espada de Santiago 
cm Fez, dos Namorados, da Madre Silva, e da Setta de S. 
Sebastião. (Livraria do Archivo Nacional, e a do Sr. Con- 
selheiro Macedo). D'esta obra deixou de fazer menção o Ab- 
bade de Sever. 

1499. António Jose Xavier Monteiro. E. Formulá- 
rio de Orações e Ceremonias para se armarem Cavalleiros, 
e se lançarem os hábitos das Ordem e Milicias de Nosso Se- 
nhor Jesu Chrido, Santiago da Espada, S. Bento de Avis:, 
e S. João de Malta. Porto, na Officina de João Ag-athon. 
1798. 4. ^ 

1500. António Pereira, freire conventual da Ordem 



^m 



BIBLIOGRAl»HIA HISTÓRICA 




de Santiago, natural de Pereira. E. Compendio e declaração 
da regra e estahdos da Ordem Militar de Santiago. Coim- 
bra, na Officina de Manuel Dias. 1659. 8. 
150Í, 



Fn. Bernardo da Costa, freire conventual da 
Ordem de Clirisfo, e chronisfa geral d'ella. E. Hidoria da 
Militar Ordem de Chrido. Tom. 1. Coimbra, na Ofiicina 
de Pedro Ginioux. 1771. 4. 

1502. Bernahdo Fernandes Gayo, deu á luz r Rela- 
(;ão da morte e etderro do Rmineníissimo Senhor D. Fr. 
Aídonio Blanuel de Filhena, Grão Mestre da Religião do 
Sanlo Sepuichro de Jerusalém^ que vulgarmente se chtir.xd 
de Malta. Lisboa Occidental, na Officina Joaquiníana da 
JMusica. Í737. 4. Dezcseis paginas de impressão. 

1503. D, CaííLOS ds Noronha, natural de Lisboa, fez 
imprimir; Regra da Cavallaria e Ordem Mililar de S. 
Bndo de Aviz. Lisboa, por Jorge Rodrigues. 1031. foi. 

1504. Fr. Damião das Neves, prior do Convento de 
Ihomar, e geral da Ordem deChristo.E. Compendio da re- 
gra e definições dos Cavallciros da Ordem de Nosso Senhor 
Jesu Chrisfo, com alguns -Breves Apostólicos e Privilégios Reacs 
a meima Ordem concedidos. Lisboa, por Jorge liodriguea, 
1607. 4, 

1505. Dionísio Miguel Leitão Coutinho, freire con- 
ventual da Ordem de Christo. E. Refutação da Ailegagãa 
Jurídica em que o Mxcellentisnmo e Meverendissimo D. Jo-^ 
sé Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho, Biipo de Per-^ 
nanibiicoj eleito de Bragança e Miranda, pertenden mostrar 
serem do Padroado da Coroa, e não da Ordem Militar de 
Christo, as igrejas, Dignidades, e benefícios dos Bispado^ 
do Cabo de Ii(jador para o Snl, em que se cornprehendem os 
Míápados de Caba Ferde, S. Thomê., Angola, Brasil, ín- 
dia e China. Lisboa, na Impressão Regia. 1806. 4. Sahiu 
de novo com um Commentario d'aquelle distincto Prelado: 
Ibi, lia Ofiicina de António Rodrigues Galhardo. 1803. 4. 

1506. D. Félix António db Christoforo de Alos, 
membro da Arcádia de Rorna, e sócio correspondente da 
Sociedade Litteraria Tubuciana de Portugal. E. Memorias 
Historico-Poiiiico-Militares de Malta, e da Soberana Ordem 
de S. João de Jerusalém:, desde a sua prÍTueira insiituição 
até o a7ino de 1803. Lisboa, na Officina de Simão Thad- 
deu Ferreira. 1803. 4. 

1507. Fk. Isidoro Bariieira, religioso da Ordem de 
Cliristo, natural de Lisboa. E. Regra do glorioso Padre 
S. Bento , Abbade, Confessor, e Patriarcha de iodas as Re- 
ligiões. Dada aos Freires da Ordem de Nosso Senhor Jtaií 



K. Escudo dos Cavallei- 
na Officina de António 



PORTUGUEZA. 291 

Christo^ c traduzida de latim em poriugucx, na forma que 
primeiro foi approvada e confirmada pelos Summos Poniifi- 
tes, quando a mesma Ordem se reformou. Lisboa, por Pe- 
dro Craesbeeck. 162.'}. 4. Coimbra, na Officina de José Fer- 
reira. 1703. 4. edição de que não faz memoria a Bibliothe- 
ca Lusitana. 

1508. Fíi. Jacinto de Deus. 
ros í/as Ordens Militares. Lisboa, 
Craesbeeck de Mello. 1670. 4. 

1509. João »a Cunha Neves de Carvalho, sócio da 
Academia Real das Sciencias de Lisboa. E. Memoria sobre 
o Convento da Ordem de Christo em ^Fhoinar. Lisboa, na 
Typographia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos. 
Úteis. 1842. a. e no Panorama^ Jornal luitterario. 

1510. José Anastácio de Figueiredo. E. Historia da 
Ordem do Hospital, hoje de Malta, e dos Senhores Grão- 
Priores d'*ella em Portugal, fundada sobre os documentos 
que podem supprir, confirmar, ou emendar o pouco, 'incerto, 
ou falso que d''ella se acha impresso; servindo incidentemente 
a outros muitos assumptos com geral utilidade. Part. 1. v4lê 
á morte do Senhor Rei D. Sancho II. Lisboa, na Officina 
de Simão Thaddeu Ferreira. 1793. 4. 

Nova Historia da Militar Ordem de Malta, e dos Senho- 
res Grão-Priores d''ella em Portugal. Port. 1 . ^té á morte 
do Senhor D. Sancho 1 I. refundida sobre a primeira edição 
de 1793. Part. 2. Até á morte do Senhor Bei D. Diniz, 
Part. 3. Alé os nossos dias, com um copioso índice Geral, 
Lisboa, na dita Officina. Í800. três tomos. foi. 

1511. José Guedes Pinto de Carvalho, conimenda- 
dor da Ordera de Malta. E. Memoria da Historia Politica 
e Mditar da Soberana Ordem de S. João de Jerusalém, des- 
de a sua fundação até o anno de 1821, tirada, dos melhores 
auctores. Lisboa, em a nova Impressão da Viuva Neves e 
filhos. 1821. 8. 

. Segunda 31emoria da Historia Politica e Militar da So- 
berana Ordem de S. João de Jerusalém, e do seu grande 
Santo S.João Baptista. Lisboa, na dita Impressão. 1822.8. 

1512. D. José Joaôuim da Cunha de Azeredo Cou- 
tinho. E. Allegação Jurídica na qual se mostra que são do 
Padroado da Coroa, e não da Ordem Militar de Christo, as 
Igrejas, Dignidades e Beneficias dos Bispados do Cabo de Bo- 
jador para o Sul ; em que se comprehendem os Bispados de 

Cabo Verde, S, Thomê, Angola, Brasil, índia, até á China, 

Lisboa, na Officina de António Rodrigues Galhardo. 1804.4. 

Copia daAnalyse da Bulia do Santíssimo Padre Júlio III. 



292 



DIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 




ãe 30 de Dezembro de 1550, que comlUue o Padrão daS 
Beis de Portugal, a respeito da união, consolidação e iiicor^ 
poração dos Mestrados das Ordens Militares de Chrido, de 
Santiago, e de Aviz com os Reinos de Portugal. Londres, 
impresso por T. C. Hansard. 1818 8. com o reti*ato do 
auctor. 

1513. D. JosE Manuel da Camará, freire da Ordem 
de Santiago. E. Discurso sohre o voto de castidade que pro- 
fessam os Freires Conventuaes da Ordem Militar de Santia- 
go da Espada, Rio de Janeiro, na Impressão Regia. 1815. 
4. Lisboa, na Officina de António Rodrigues ^Galhardo. 
1817. 4. 

1514. Fr. JosE DA PuiUFicAçÃo, religíosodominico, aca- 
démico da Academia Real da Historia Portugneza, natural 
de Setúbal. E. Catalogados Mestres e Adminiúr adores da il~ 
lustre e antiquíssima Ordem Militar de Aviz. Sahiu no tom. 2. 
da Collec. dos Docum. e Mem. da Acodem. Real da Hist. 
Pori. Lisboa Occidental, na Ofíícina de Paschoal da Silva. 
1722. foi. 

1515. Fr. Lucas de Santa Catharina. E. Catalogo 
dos Mestres da Ordem do Templo, Portuguezes, que tive- 
ram e exercitaram este titulo e cargo n''esta Coroa Portu- 
gueza, e em outras de Hespanha. Sahiu no tom. 2. t/a Co//ec. 
dos Docum. e Mem. da Academ. Lisboa Occidental, na Of- 
ficina de Paschoal da Silva. 1722. foi. 

Catalogo dos Grão-Priores da Crato da Ordem de S João 
de Malta. Acha-se impresso no tom. 4. da dita. CoUcccão. 
Lisboa Occidental, na Officina de Paschoal da Silva. 1724. 
foi. 

Apologia Analytica sobre o Mosteiro das Religiosas de Es- 
tremoz de S. João da Penitencia, de que resolveu certo au- 
ctor que não era do habito e profissão de Malta. Sahiu no 
tom. 9. da dita Collec^ão. Lisboa Occidental, na Officina de 
José António da Silva. 1729. foi. 

Memorias da Ordem Militar de S. João de Malta. Tom, 
1. Lisboa Occidental, na Officina de José António da Silva. 
1^34. 4. grande. 

1516. Paschoal JosJe de Mello Freire, sócio da Aca- 
demia Real das Sciencias de Lisboa, natural da Villa de 
Ancião. E. Dissertação Histórico- Jurídica sobre os direitos e 
jurísdicção do Grão Prior do Crato, e do seu Provísor. Lis- 
boa, na Impressão Regia. 1809. 4. 

1517. Fr. Paulo de Vasconcellos, D. Prior da Or- 
dem de Christo, natural de Aveloso, fez imprimir: Instruc- 
§ão de como se ha de dar posse do Mestrado da Milícia de 



PORTUGUHZA. 293 

Nossa Senhor Jesu Christo, e de como se hade celebrar Co' 
piiulo Geral da mesma MiUcia. ^Virada dos autos das posses 
que se deram aos Senhores lieis d''esles Heinos, e dos Capi- 
iidos que se celebraram pelos mesmos Senhores. Offerecido 
oo muito alto e poderoso Rei e Senhor D.João IP^. Lisboa, 
por Manuel da Silva. 1649. 4. (Livraria das Necessidades, 
n a da Academia Ueal das Scieiícias). O Abbadc Barbosa 
níio teve noticia da impressão d'esta obra. 



1518. Coltecçuo Geral dos antigos e modernos privilegias 
concedidos successivamente á Sagrada e Militar Ordem de 
S. João do Hospital de Jerusalém, e confirmados pelos Se- 
nhores Reis de rortiigal, Lisboa, iia Typo2;raphia Silviana. 
1032. foi. ^r & 1 

1519. Definições e Estatutos dos Cavalleiros e Freires 
da Ordem de Nosso Senhor Jesu Chista^ com a historia 
da origem e principio d''ella. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1628. foi. Ibi, na Officina de João da Costa. 1671. foi. 
Lisboa Occidental, na Ofâcina de Paschoal da Silva. 1717. 
foi. Lisboa, na Officina de Miguel Manescal da Costa, 
1746. foi. 

1520. Noticia curiosa da instituição da nova Ordem Mi- 
litar da Cavallaria da Torre e Espada, estabelecida pelo 
Príncipe Regente. Lisboa, na Lnpressao Regia. 1809. 4. 
Seis paginas de impressão. (*) 

15;í1. Privilégios da Religião de S. João de Jerusalém, 
novamente confirmados por Elrei D. Filippc 11. Lisboa, por 
Jorge Rodrigues, 1608. 4. Consta de 15 folhas numeradas 
de uma só parte. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). 

1522. Privilégios concedidos e confirmados por Elrei D. 
João F. á Ordem e Milicia da Sagrada Religião de S. João 
do Hospital de Jerusalém de Malta, em 3 de Dezembro de 
1723, sendo Grão Mestre da mesma Religião o Eminentíssi- 
mo Fr. D. António Manuel de Vilhena, da Nação Poriu- 
gueza, e Grão Prior n^sie Priorado de Portugal o Sere- 
nissimo Senhor Infante D. Francisco, ^"c. Lisboa Occiden- 
tal, na Officina de Theotonio Antunes Lima. 1737. 4. Lis- 
boa, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1744. 4. 
e ultimamente: ibi, na Regia Typographia Silviana. 1814. 
foi. 

1523. A regra e diffinçoões da ordem do mestrado de 
nosso senhor jhu orpo. Acaba a folhas /, com as seguintes pala- 



294 



BlfiuOGaAPHlA HlSTORíCá 



vras : Scriptns estas dcfimgões em a nossa villa de tomdr d 
oyto dias do mes de Dezêbro y^nionio carneiro o fez anuo de 
nosso senhor lesu xpo de inill e quinhentos e ires. Não traz 
nota do anno, nem do legar da impressão, mas é geralmen- 
te attribuidá ao Impressor Valentim Fernandes, assignando- 
se-lhe o anno de 1504. 4. gothico. A tarja da folha do ros- 
to e aberta em madeira, assim como a do verso da mes- 
ma folha, onde por baixo da cruz da Ordem se vê uma 
esphera. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livraria do 
Sr. Conselheiro Macedo e a do Ex."^" D, Francisco de Mello 
Manuel). Sahiu reimpressa com o mesmo titulo, posto que 
escripto com alguma variedade, por este modo : ^J regra e 
diffinçQÕes da ordem do mestrado de nosso senhor lestichristo. e 
no fim, a folhas xlix: Scriptas estasi definçoões em a nossa vil- 
la de tomar a oyto dias do mes de Dezembro. António car^ 
neiro o Jez anno de nosso senhor lesu xpo de mil e quinhen- 
tos e ires. Esta edição também nao aponta nem o anno nem 
o Ioga r da impressão. 4. gothico. (Bibliotheca Nacional de 
Lisboa, e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). 

1524. Regra: statutos: e diffinçoès : da ordem de San- 
cliaguo. A subscripção diz o seguinte: Esta obrafue empri^ 
inida em, Seiuual : por mi Herman de kempis alemã: Enel 
anno de Mil qtnnhêtos e noue. E se aeauo a treze dei mesl 
de Dezembro. Consta de C^¥/^ folhas, impressas em caracte- 
res gothicos a duas columnas, e numeradas em uma só face^ 
além do rosto e prologo. No verso da segunda folha do mes- 
mo prologo vem estampada a figura do Santo aberta em ma- 
deira, foi. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Livraria do Ar- 
chivo Nacional, a do Sr. Conselheiro Macedo, ea doEx."'í^ 
D. Francisco de Mello Manuel). 

1525. Regra, e staiutos da horde daiijf. Â subscripoão 
diz o seguinte; Esta obra foy emprimida em Al me rim per 
Uermam de campos alemã Bombardcyro dei Rey nosso se- 
nhor, em. o anno de mil quinhentos e dezaseys. E se acabou 
a treze dias do mes dabril. Consta de setenta e três folhas, 
impressas em caracteres gothicos a duas columnas, das quaes 
8Ó sessenta e três são numeradas com algarismos romanos de 
lettra maiúscula. A figura de S. Bento que vem estampada 
antes do prologo, na segunda folha do livro, é aberta em 
madeira, foi. (Bibliotheca Publica d'Evora, e a Livraria do 
Sr. Conselheiro Macedo). 

1526. REgra e statutos da ordem de Santiago. No fim 
tem as seguintes palavras : Foy impressa esta copila^am per 
Germão galharde Francês, Na muy nobre e sempre leal çi" 
dade de Lixboa : aos vinte quatro dias do mes de Setembro 



POUTCGDEZA. 



29S 



Anno de M. D, e. xl, A qual foy vista e emêãada pello ba- 
charel Pêro Machado caiialleyro da ordê de Santiago : e 
promotor da justiça da dita ordê. A quê ho dito carrego foi 
encomêdado. A tarja do frontispício, e as gravuras que 
andam estampadas no corpo da obra sao abertas em madeira. 
4. gothico. (Livraria do Sr. Conselheiro Macedo, e a do 
Ex.'"o D. BVancisco de Mello Manuel). Dois annos depois 
foi reimpressa com este titulo: REegra e statutos da or- 
dem de Santiago, eno fim: Foy impressa esta copilagam per 
Germão Galharde Francês. Na muy nobre e sempre leal ci- 
dade de Liixhoa : aos quatro dias do mes de Nouembro Anno 
de. 31. D. xUj. 4. gothico. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, 
e a Livraria do Sr. Conselheiro Macedo). Sahiu pela tercei- 
ra vez com o mesmo titulo, e com a seguinte subscripção : 
Foy impressa esta copilagam per Germão galharde francês. 
Na muy nobre e sempre leal cidade de Lixboa : aos quinze 
dias do mes de lunho. de. M. D. xlviij. 4. gothico. Esta 
edição traz no frontispício uma portada de gravura em ma- 
deira, mui semelhante á que vimos em uma das edições dos 
Lusíadas de 1572. (Bibliotheca Nacional de Lisboa). D'ella 
possuímos um exemplar. 

1527. Regra, estatutos, definições, e reformação da Or- 
dem e Cavallaria de Santiago da Espada, Lisboa, na Offi- 
cina de Miguel Manescal. 1694. foi. 



38 



296 



BISLIOGRAPKIA HíiTOilfiA 



TITULO 8.* 

TIDAS E ELOGIOS DE SAT^TOS, E VARÕfeS ÍLLOSTRES EM TIRIUDE, 
DO REii^O DE PORTUGAL E SUAS CONQUISTAS. 



J52B. Fr. Agostinho xís Saiíta Maria. Escreveu: 
Historia da vida admirável , e das ac(-6es prodigiosas da ve- 
nerável 31adre Soror Brizida de Carito António, filha espi- 
ritual singularissima do venerável Padre António da Concei- 
ção, Abbadessa do muito religioso Convento de Santa Brizi- 
da, das Madres Inglezas, do %\lio do Mocambo em lis^oa, Lis- 
boa, na Officina de António Pedroso Galrao. 1701. 4. 

1529. P. Andhs BE Bauros. E. Vida do apostólico 
Padre António Fieira, da Companhia de Jesm, chamado 
por antonomásia o Grande, declamado no mundo por prín- 
cipe dos Oradores fívangelicos, Pregador incomparável dos 
Auguúisaimos Reis de Portugal, varão esclarecido em virtu- 
des e lettras, divinas e humanas, restaurador das 3Iissões do 
Maranhão e Pará. Lisboa, na nova Officina Silviana. 
1746. foi. 

1530. Aní)tiÉ de ReZknde. E. Ha Sancta vida, e re- 
ligiosa conversão de Fr, Pedro Porteiro do Mosteiro de Sanct 
Domingoi de Kvora. Acaba : F<^y visto este Compendio per 
hos muitos magníficos, e reverendissimos Seíiores hos Seríores 
Meestre Fr, Mttnocl da Veiga, e ho Doctor Diogo Mendes 
de Vasconcellos Inquisidores, em, este Arcebispado de Évora 
por ho Cardeal Inffante nosso Senor, e per sua auctoridade 
que aquy vay interposta, Andree de Bttrgos Cavalleiro da 
Casa do dito Seíior, e seu finpre'i.sor ho imprimia em Évora 
no mez de Octnbro do ano de 1570. 4. Doesta edição nos 
deu noticia o Ai)bade de Sever, na sua Bibliothecn Lusita- 
na, cujas palavras copiamos. Anda reproduzida no Mos íSanc- 
torum de Fr. Diogo do Rosário. 

1531. F». António de Almada, eremita de Santo Agos- 
tinho, natural de Lisboa. E. Desposorios do Espirito, cele- 
brados entre o Divino Amante e sua Amada Esposa, a ve- 
nerável Madre Soror Blnriannn do Rosário, religiosa de 
veu branco no Convento do Salvador da Cidade d'' Évora. 
Lisboa, na Ofôcina de Manuel Lopes Ferreira. 1694. 4. 

1532. António Alvar íís de Carvalho, presbytero, na- 
tural de Barcellos. S. Vida da gloriosa Infanta Satita Qui- 
téria, Virgem e Martyr, raro prodígio da graga, natural 
da augusta e nobilíssima Cidade de Jiraga, Primaz das Hes- 
panhas. Lisboa, na Officina Deslandesiana. 1712, 24. 



rourtaiiuzá 



297 



1533. Fr. António de S. Bernardino, íranciseano, 
natural de Beja. V^. l^ractado do nascimento^ vida e morte 
do Doutor João Pissarro, Prior da Igreja Parochial de S. 
Nicolau da Cidade de JLisboa. Lisboa OccideJital, na Offl- 
cina de Miguei Rodrigues. 1741. 4. 

1534. António Caetano do Amaual, E. Vida e optts- 
culos de S. Martinho Brochnrense^ impressos pela primeira 
vez n''este Ileino por cuidado e ordem do Excellentissitno e 
Reverendissimo Senhor D. Fr. Caetano Brandão, Arcebispo 
Primaz. Ajuidarn-se no fim d a vida do Santo algumas notas^ 
corno peqjienas dissertações, para ilhisíração de alguns pon- 
tos da mesma vida, oii da Disciplina das Igrejas da Hespa- 
nha ri^aquelle tempo; a tradiicção dos opúsculos em portuguez^ 
€ discurso preliminar a cada u?n ; notas e licções variantes. 
Lisboa, na Typograpíiia da Academia Real das Sciencia&. 
1803. foL 

Vida e regras religiosas de S. Fructuoso Bracharense^ 
impressas pela primeira vez n'*cste Itev.io ;, com íraducção em 
vulgar e 7iotas, de mandado do MxceUentissiino e Reveren- 
díssimo Senhor D. Fr. Caetano Brandão^ Arcebispo Fri- 
tnaz de Braga. Ajuntam-se por Appendix as Actas do ter- 
ceiro Concilio Bracharense, e monwnentos pertencentes á vi- 
da do Santo, e trasladação de suas relíquias. Lisboa, na im- 
pressão Regia. 1805. foi. sem o nome do auctor. 

Memorias para a Hidoria da vida do venerável Arcebispo 
de Braga D. Fr. Caetano Biandão. Tom. i . e 2. Lisboa, 
na Impressão Regia. 1818. 4. sem o nome do auctor. 

1535. António Caetano de Sousa. E. Agiologio hu- 
sitano dos Santos, e Fardes lUnstres em virtude .^ do Reino d<t 
Portugal e suas Conquistas. Ihm. 4. Lisboa, na Oftícina 
Silviana. 1744. foi. Comprebende os dois mezcs de Julho e 
Agosto, com os seus commentarios. 

1536. António Carvalho de Parada. E. Diálogos 
sobre a vida e morte do muito religioso Sacerdote Barthoh- 
meu da Costa, Thesoureiro-mór da Sé de Lisboa. Dirigidos 
ao Illustrissimo e Reverendissimo Senhor D. Miguel de Cas- 
tro, Arcebispo de Lisboa. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 
1611. 4. 

1537. Fu. António Corrêa, trino, natural de Lisboa. 
E. Fama Posthuma do venerável Padre Fr. António da 
Conceição, religioso da Ordem da Santíssima Trindade. 
Lisboa, na Officina de Henrique Valente de Oliveira. 1658.4. 

1533. Fr, António da Madre de Deus, religioso da 
Província d' Arrábida, natural da Vilia de S. Martmbo. E. 
Elogio do preclarissim.0 fundador da Arrábida, o venerável 



298 



BIBUOGRAPHIA HISTÓRICA 



Padre Fr. Martinho de Santa Maria, prodigioso cenobita 
d'' este sagrado Promontório, e gloria immortal da mesma 
Provinda, Lisboa, na Officina dos herdeiros de António Pe- 
droso Galrão. 11'50, 4. (@) (O) 

1539. António Pereira de Figueiredo. E. Elogio do 
Padre Francisco Manuel, Preposito da Congregação do Ora- 
tório de Lisboa. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Rodrigues. 
1764. 4. (@) (©) 

1540. Fr. António do Sacramento. E. Vida da vene- 
rável ãladre e Serva do Senhor Soror Joanna Luiza do Car- 
melo, religiosa da Terceira Ordem de S. Francisco^ no Real 
Mosteiro de SanVAnna de Lisboa. Lisboa, na Ofíicina dos 
herdeiros de António Pedroso Galrão. 1751. 8. 

1541. P. António da Silva, jesuita, natural d'Aveiro. 
E. Sol do Oriente S. Francisco Xavier, da Companhia de 
Jesus, dó qual como em breve mappa descreve os dez annos 
de sua milagrosa vida no Oriente. Lisboa, na Ofíicina de 
António Craesbeeck de Mello. 1665. í?4. 

1542. P. António Wever, natural de Lisboa. Ft. Elo- 
gio da vida e virtudes do reverendo Padre Francisco Ma- 
nuel, da Congregação do Oratório doesta Corte, Lisboa, na 
OfÊcina de Francisco Luiz Ameno. 1764. 4. (@) (O) 

15 43. Fa. Apollínario da Conceição. E. ILcco So- 
noro da clamorosa voz que deu a Cidade de S. Sebastião do 
Rio de Janeiro, em o dia 18 do mez de Outubro de 1747, na 
saudosa despedida do Irmão Fr. Fabiano de Christo, F,njer- 
•meiro do Convento de Santo António da tnesma Cidade ,• de 
cuja vida adornada de virtudes se expõe uma summaria no- 
ticia. Lisboa, na Ofíicina de Ignacio Rodrigues. 1748.4. (^) 

1544. Fr. Bento da Ascenção, abbade do Real Mos- 
teiro de Santa Maria de Pombeiro, natural de Arrifaoa. E. 
Vida e inartijrio da insigne Virgem e Martyr prodigiosa 
Santa Quitéria, Serenisãma Infanta de Portugal, no Mon- 
te de Pombeiro Interamneme. Lisboa Occidental, na Ofíi- 
cina Ferreiriana. 1722. 8. 

1545. Fr. Bsrnardo de Santa Maria -Rosa, fran- 
ciscano, natural de Biezãofrio. E. Espelho de perfeição re- 
ligiosa, composto do chriúal da innocente vida da Madre So- 
ror Guiomar Thereza do Cenáculo, religiosa que foi no Mos- 
teiro de Santa Clara de Amarante. Coimbra, na Ofíicina 
de Luiz Secco Ferreira. 1750. 4. 

1546. BoA-vENTURA Maciel Aranha. E. Cuidados da 
inorte e descuidos da vida, representados nas Vidas dos San- 
tos e Santas, dos Varões Illustres em virtudes, e Veneráveis 
Servos de Deus que, como refulgentes Astros e liisidissimos 



POllTUGUEZA. 



299 



Planetas , esmaltaram o etéreo firmamento da igreja Lu- 
sitana, Tom. t. Lisboa, na Ofíicina de Francisca Borges de 
Sousa. 1761. foi. 

1547. Braz Luiz de Abreu, natural de Ourem. E. 
Sol nascido no Occidente, podo ao nascer do Sol : Santo /4n- 
tonioy Portuguez. Epitome histórico e penegyrico de sua ad- 
mirável vida e prodigiosas acções. Coimbra, na Officina de 
José Antunes da Silva. 1725. foi. 

1548. Fr. Caetano do Vencimento, carmelita, natu- 
ral de Lisboa. E. Fragmentos da prodigiosa vida da muito 
favorecida e amada Esposa de Jesu Christo^ a venerável Ma- 
dre Dlarianna da Purificação, religiosa Ctirmelita Calçada 
no Seminário de almas santas, o reformadissimo Convento da 
Esperança da Cidade de Beja. Lisbja, na Officina de An- 
tónio da Silva. 1747. 4. 

1549. Diogo Monteiro, presbytero, natural de Lisboa, 
traduziu do castelhano : Compendio da vida, virtudes e mi- 
lagres do beato Padre Francisco Xavier^ reVgioso da Com- 
panhia de Jesus, Apostolo da índia Orientai. Lisboa, por 
António Alvares. 1620. 8. 

1550. DíOGo Fip.Es Cinza, presbytero, natural da Villa 
de Alpadrinfia. E. Fida, martyrio, e ultima trasladação do 
Martyr S. Vicente. Dirigido a D- Lopo de Azevedo e Men- 
donça, Almirante de Portugal. Lisboa, por Pedro Craes- 
beek. 1620. 8. - 

155!. Domingos DíAs Seixas, presbytero, natural da 
Villa de Santa Marinha da Serra da Estrella. E. Memorias 
da vida e virtttdes da Madre Soror Aana de S. Joaquim,, 
religiosa professa da Ordem da Santíssima T- indade^ elu- 
cidadas com reflexões m,ydicas. Coimbra, na Ofíicina de An- 
tónio Simões. 1740. 4. 

1552. Estevão de Liz Velho, natural de Setúbal. E. 
Exemplar da constância dos Martyres, em a vida do glorioso 
8. Torpes, mordomo e valido de Nero -^ na qual se expõe 
desde o seu nascimento até o seu glorioso triumpko, e relata 
a vinda prodigiosa do seu sagrado corpo a este Reino, á Vil- 
la de Sines, cÇc. Lisboa, na Ofíicina de Miguel Manescal 
da Costa. 1746. 4. 

1553. Fernando Pereira de Bkito, natural de Villa 
Viçosa. E. Historia do nascimento, vida, e morte do vene- 
rável Padre João de Brito, da Companhia de Jesus, Mar- 
tyr da Ásia, e Protomartyr da Missão de Madure. Coimbra, 
no Real CoUegio das Artes. 1722. foi. 

15 54. P. Fernando de Q^ueiroz, jesuita, natural de 
Canavezes. E. Historia da vida do venerável Jrmão Pedro 



300 



BIBLiOeRAPHIA HISTÓRICA 



de Basto, Coadjutor temporal da Companhia de Jesus; e da 
variedade de successos que Deus lhe manifestou. Lisboa, na 
Officina de Miguel Deslandes. 1689. foi. 

1555. Fr. Fortunato de S. Boaventura, deu á luz ; 
Vida e milagres de Sanlo António de Lisboa^ obra de um 
auctor anonymo, porém da Ordem dos Frades Menores, 
posta em linguagem, e enriquecida de notas criticas e históri- 
cas, Coimbra, na Imprensa da Universidade. J830. 3. 

1556. Fkancisgo Affonso de Chaves e Mello. E. 
A Margarita Animada. Idéa moral, politica e histórica de 
ires estados, discursada na vida da venerável Margariia de 
Chaves, natural de Ponta Delgada, da Ilha de S. Miguel, 
Lisboa Occidental, na Officina de António Pedroso Galrão. 
1723. 8. 

1557. P. FiiANCísco Alvares VicTORio, natural de Ser- 
hache do Bom-Jardira. E. J^ida e acções memoráveis do ve- 
neravel D. Fr. Bartholomeu dos Martyres, Arcebispo e Se* 
fihor de Braga, Primaz das Hespanhas ; extrahidados escrip- 
tos de Fr. Luiz de Granada, Fr. huiz de Cacegas, Fr. Luiz 
de Sousa, e Luiz Munos, Part, 1. Lisboa, na Officina dos 
herdeiros de António Pedroso Galrao. 1748. 4. Pari. 2. Ibi 
na dita Officina. 1749. 4. ' 

1558. Francisco António da Matta e Faria. E. Elo^ 
gio do muito reverendo Padre Mestre Fr. João de Nossa 
Senhora , religioso de S. Francisco em a Província dos Al- 
garves. Consultor do Santo Officio, Missionário Apostólico e 
Chronista da sua Reli'gião. Lisboa. 1758. 4. sem o nome do 
Impressor. (©) 

1559. Fr. Francisco de Aracoeli, franciscano, natu- 
ral do Porto. E. Norma viva de Religiosas. Tractado his- 
tórico e panegyrico, em que se descreve a vida e acções da 
Serva de Deus a Madre Leocadia da Conceição, religiosa 
no recoleto Mosteiro da Madre de Deus de Monchique, Lis- 
boa, na Officina de Miguel Manescal. 1708. 4. 

1560. Francisco Carvalho da Silva, familiar do San- 
to Officio, deu á luz : Vida do admirável Padre S. Theoto- 
nio. Cónego Regular, e primeiro Prior do Real Mosteiro de 
Santa Cruz de Coimbra; traduzida do latim e addicionada. 
Coimbra, na Tjpographia da Academia Litúrgica. 1764. 8. 

1561. D. Francisco Gomes do Avelar, bispo do Algar- 
ve, natural dologar do Matto, termo da Vilia d' Alhandra. 
E. Compendio da vida de S. Vicente, Martyr. Lisboa, na 
Regia Officina Typograpbica. 1795. 4. 

1562. Francisco Gomes de Seôurira, presbítero, na- 
nural da Freguezia de Santa Maria de Achete, 'termo de 



PORYUGUEZA. 30l 

Santarém. E. Fida do Padre António de Almeida Villa No» 
va, chamado vulgarmente o Padre dos Terços^ reformador 
(jtie foi do meihodo de resar cm voz alta o terço de Nossa Se- 
nhora, fundador da Irmandade da Fia Sacra^ Sfc Lisboa 
Occidental, na Ofíiciníi de Miguel Rodrigues. 1735. 8. 

15G3. Francisco José Freire, traduziu do latim; Fi- 
da do venerável Padre Bartholomen do Quental, fundador 
da Congregação do Oratório nos Reinos de Portugal. Lisboa 
Occidental, na Officina de António Isidoro da Fonseca. 1741.8. 

1564. r. Francisco de Santa Maria. E. Jacinto 
Portuguez. Fida, morte^ e heróicas acções do venerável Pa- 
dre António da Conceição, religioso da Sagrada Congrega- 
ção de S. João Evangelista. Lisboa, na Officina de Fran- 
cisco Villela. 1677. 4. 

1565. P. Francisco do Nascimento Silveira, E. Pom- 
beiro Interaninense illustrado pelo martyrio e milagres da 
preclarissima Firgem Santa Quitéria, Bracharense. Lisboa, 
na Officina de Simão Thaddeu Ferreira. 1803. 8. 

1566. Francisco de Sousa da Silva Alcoforado re- 
bello. E. Fida de Soror Ignez de Jesus, religiosa conver- 
sa no Convento da Annunciada doesta Cidade de Liiboa, in- 
signe em virtudes. Lisboa Occidental, na nova Officina de 
Mauricio Vicente de Almeida. 1731. 8. 

1567. Francisco Xavier, presbytero. E. Clamores do 
Ceu aos corações da Terra. Pomo primeiro. Relação nbbre- 
viada da exemplar vida e obras da venerável esposa de Je- 
su Christo a muito reverenda senhora Sor Phereza Julia- 
na de S. Boaventura, religiosa do muito nobre Mosteiro 
de Santa Clara, d''esta Cidade de Lisboa, e fallecida em 2 de 
Fevereiro de 1750. Lisboa, na Officina de Francisco da Sil- 
va. 1752. 4. Deve accrescentar-seá B?7>/iof^eca Lvsitaría. 

1568. D. Francisco Xavier do Rego, clérigo regu^ 
lar, natural de Lisboa. E. Fida de Santa Victor ia, Fir- 
gem e Martyr Portugueza, Padroeira da Cidade de Córdova, 
Lisboa Occidental, na Officina da Musica. 1721. 4. 

1569. Fhancisco Xavier da Silva. E. Relação da 
vida, inorte, e prodígios do muito reverendo Padre António 
da Fonseca, Monge de Nossa Senhora do Monte do Carmo. 
Lisboa, na Officina de Manuel Soares. 1755. 4. Consta 
de 8 paginas. Deve accrescentar-se á Biblioiheca Lusitana. 

1570. Fr. Isidoro Barreira. E. Historia da vida e 
martyrio da gloriosa Virgem, Santa Iria, Portugneza nossa, 

freira da Ordem do Patriarcha S. Bento, natural de Na- 
bancia, qne hoje é a notável Filia de Phomar, em o Reino 
de Portugal. Lisboa, por António Alvares. 1G18. 4. 



302 



BIBLIOGBAPHIA HISTÓRICA 



1571. Fr. Jeronymo de Belém. E. Fida juitíficada 
morte preciosa, virtudes e milagres do Padre Fr» José de 
SanV Anna, filho da Santa Provinda dos Algarves, da regu- 
lar observância do Padre S. Francisco, Lisboa, na Offici- 
na de Miguel Manescal da Costa. 1743. 8. 

Olivença lllustrada pela vida e morte da grande Serva 
de Deus Maria da Cruz, filha da Terceira Ordem Seráfica, 
e natural da mesma Filia de Olivença, Lisboa, na Ofâcina 
de Miguel Manescal da Costa. 1747, e não 1748, como es- 
creve Barbosa. 4. 

Pregador Mariano, instruindo na vida, e desenganando na 
m.orte. Fida e principaes acções do Padre Fr. João de Nossa 
Senhora, chamado vulgarmente o Poeta, Qualificador do 
Santo Officio, e filho da Provinda dos Algarves, Lisboa, 
na Officina de Miguel Manescal da Costa. 1760. 4. 

1672. Fu. JoÂo Franco, religioso dominico, natural 
de Lisboa. E. Fida portentosa da Serva de Deus D. Tho- 
inazia de Jesus, Terceira professa da Feneravel Ordem de 
S. Domingos, que habitou m.uitos annos no Convento do 
Salvador d"* esta Cidade de Lisboa, onde falleceu no dia 26 
de Maio do anno de 1755. Lisboa, na Officina de Miguel 
Manescal da Costa. 1757. 4. Ibi, na Officina de Francisco 
Borges de Sousa. 1757. 8. D'esta edição se esqueceu Diogo 
Barbosa Machado, na sua Bibliotheca Lusitana. 

1573. P. JoÂo DE Lucena, jesuita. E. Historia da Fi' 
da do Padre Francisco de Xavier, e do que fizer ão na ín- 
dia os mais Religiosos da Companhia de lesu. Composta pelo 
Padre loam de Lucena da mesma Companhia Português 
natural da Filia de trancoso. Impressa per Pedro craesbeeck 
Em Lisboa Anno do Senhor 1600. foi. Este titulo é aberto 
em chapa de metal. Sahiu reimpressa: ibi, na Officina de 
António Gomes. 1788. quatro tomos. 8, 

1574. Jorge Cardoso, presbytero, natural de Lisboa. 
E. Agiologio Lusitano dos Santos, e P ardes Ilhtstres em vir- 
tudcp do Reino de Portugal e suas Conquistas. Tom. 1. Lis- 
boa, na Ofâcina Craesbeeckiana — a mesma edição — 1651 
e 1652. foi. Tom, 2. Ibi, na Officina de Henrique Valente 
de Oliveira. 1657. foi. Tom. B. Ibi, na Officina de António 

"Craesbeeck de Mello. 1666. foi. Estes três tomos compre- 
hendera os mezes de Janeiro a Junho, com os seus commen- 
tarios. 

1575. D. José Barbosa, traduziu do latim .* Breve 
Narração da admirável vida e prodigiosa morte do beato Pe- 
dro Negles, Eremita, natural de Lisboa. Lisboa Occidental, 
ua Officina de Manuel Fernandes da Costa. 1738. 8. 



PORTUGUEZA. 



303 



Elogio do muito reverendo Padre Pedro Alvares.^ da 
Congregação do Oratório. Sahiii com o Sermão que pregou 
o dito Padre nas exéquias da Condessa do Redondo. Lisboa, 
na Officinade António Isidoro da Fonseca. 1742. 4. 

1576. Fr. JosÉ Caetano, carmelita. E. Memorias da vi- 
da e virtudes da Serva de Deus Soror Maria Joanna^ re- 
ligiosa do Convento Real do Santissimo Sacramento do Lou- 
riçal, da primeira Regra de S. Francisco, Lisboa, na Ofíi- 
cina de Miguel Rodrigues. 1762. 4. 

1577. JosE Caetano de Mesôuita e GIuadros. E. 
f^ida do venerável Padre Fr. Agostinho da Cruz, religioso 
da Provinda d"* Arrábida. Lisboa, na Regia Officina Typo- 
graphica. 1793. 8. Tinha sabido á frente das Obras Poéti- 
cas do mesmo venerável Padre. Lisboa, na Officina de 
Miguel Rodrigues. 1771. 12. 

l^ida do venerável Padre Fr. António da Madre de Deus, 
religioso da Provinda d"* Arrábida, Lisboa, na Regia Offi- 
cina Typographica. 1793. 8. 

1578. JosE Clemeiíte, da Congregação do Oratório. E. 
f^ida da venerável Madre Phereza da Annunciada, religio- 
sa do Convento da Esperança da Cidade de Ponta Delgada, 
na Ilha de S. Miguel. Lisboa, na Officina de Francisco Luiz 



Ameno. 1763. foi. Ibi, 



na Regia Officina Typographica. 

1824. 



1797. 4. Ibi, na Officina de Lino da Silva Godinho. 
4. Ibi, na Typographia Carvalhense. 1840. 4. 

1579. D. JosÉ Maria de Mello, bispo inquisidor ge- 
ral. E. Fida e Obras da Serva de Deus a 3íadre Marian- 
na Josefa Joaquina de Jesus, religiosa Carmelita Descalça do 
Convento de Santa Phereza, do logar de Carnide.Jjishoa, na 
Regia Officina Typographica. 1783. 8. sem o nome doauctor. 

1580. Fr. JosÉ Pereira de Sant"'Anna. E. Fida da 
insigne Mestra do Espirito, a virtuosa Madre Maria Perpe- 
tua da Luz, religiosa Carmelita Calçada do exemplaris%imo 
Convento da Esperança, da Cidade de Beja, onde acabou a 
vida temporal no dia 6 de Agosto de 1736. Lisboa, na Offi- 
cina dos herdeiros de António Pedroso Galrão. 1742. foi. 

1581. José Pereira BayÃo. E. Portugal glorioso e il- 
lustrado com a vida e virtudes das bemaventur idas Rainhas 
Santas Sancha, Phereza, Mafalda^ Isabel, e Joanna. Lis- 
boa Occidental, na Officina de Pedro Ferreira. 1727. 4. 

Fpitome Chrono-Genealogico e Critico da vida, virtudes e 
milagres do prodigioso Porfuguez Santo António de Lisboa, 
illuslrado com ponderações t elogios em lingua castelhana, 
pelo Padre Mestre Fr. Miguel Pacheco, religioso da Ordem 
de Christo • de novo reformado e accrescentado com, muitas 

39 



sm 



BIBLIOGUAPfíU HISTÓRICA 




noticias e circumstancias maravilhosas de sita vida, e varias 
prodigios novos. Lisboa Occidental, na Officína de António 
de Sousa da Silva. 1735. 8. 

1582. Fr. José de Santa Rosa, franciscano. E. Fida 
e martyno dos hemavenlurados sete Marlyres, que pela con- 

fissão da Santa Fé de Jesu Chrisio derramaram o sangue, e 
sacrificaram, suas innocentes vidas na Cidade de Marrocos, 
em 4 de Julho de 1585. Lisboa, na Officina deMio-.uel Ma- 
nescal da Costa. 1761. S. ° 

1583. Lourenço AnastAsio Mexia Galvão. E. Com- 
pendio da vida da gloriosa Virgem e Mariyr Santa Iria, 
religiosa da Ordem de S. Bento, Lisboa, na Officina de 
Miguel Manescal da Costa. 1763. 8. sem o nome do auctor. 

1584. Fr. Luiz DOS Anjos, chronista da Ordem de Santo 
Agostinho, natural do Porto. E. Jardim de Portugal, cm 
(jue se dá noticia de algumas Santas e antros mulheres illus- 
tres em virtude, as quaes nasceram e viveram, ou estão se- 
pultadas n''este Reino, e suas Conquistas. Coimbra, por Ni- 
colau Carvalho. 1626. 4. 

15 85. Fr. Luiz d' Apresentação, carmelita, natural de 
Mertola. E. Fida e morte do Padre Fr. Estevão da Puri- 
ficarão, religioso da Ordem de Nossa Senhora do Carmo da 
Provinda de Portugal. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 162Í.4. 

Extracto dos processos que se tiraram sobre ávida e morte 
do venerável Padre António da Conceição, religioso da Con- 
gregarão do bemaveniurado S. João Evangelista, d''csle 
Jteino de Portugal. Lisboa, por António Alvares. 1647. 4. 

1586. Fu. Luiz de Sousa. E. Fida de D. Fr. Bartho- 
lomeu dos Martyres, da Ordem, dos Pregadores, Arcebispo e 
Senhor de Braga, Primaz das Hespanhas ; com a solemni- 
dade de sua trasladação, por Fr. Luiz de Cacegas^ da mesma 
Ordem, e Chronista d''ella na Província de Portugal; refor- 
mada em cstih e ordem, e ampliada em siicccsios e particu- 
laridades de novo achadas. Impressa em Viatuia, á custa da 
mesma Villa, por Nicolau Garvaliio. 16 19. foi. Sahiu de 
novo: Pariz, na Officina de António fíoudet. 1760. dois to- 
mos. S. Lisboa, na Officina de Miguel Rodrigues. 1763» 
dois tomos. 8. Ibi, naTypoi^rapíiia llollaudiana. 1818. dois 
tomos. 8. e ultimamente : Tom. 1. Ibi, na mesma Tj^po- 
graphia. 1842. 8. 

1537. Manuel de Couto. E. Fida de Simão Gomes, 
Çapatciro. Lisboa, na Officina de Manuel Soares. 1754. 4. 
bete paginas de impressão. 

1588. Fr. Manukl de Figueiredo. E. Fcco da Santi- 
dade continuado no immcmorial culto do beato Gonçalo de 



PORTUGUEZA. 30^ 

Imagos, da Ordem de Santo Agostinho, da Provinda de Por- 
tugal ; agora mais expressivo e mais sonoro na sentença da 
sua continuação e approvação ; repercutido no cpitome de sua 
santa vida, exemplar em virtudes, portentosa em milagres, 
e c tornada em panegy ricos. Lisboa, na Officina de Ignacio 
Nogueira Xisto. 176,5. 8. 

1589. Fr. Manuel jde Figueiredo. E. Resposta que 
deu a um Marechal das Provindas do Norte^ sobre o berço 
do Papa S. Dâmaso o primeiro do nome. Tiisboa, na Offici- 
na de Francisco Luiz Ameno. 1793. 4. Dez paginas de im- 
pressão. (*) 

1590. Manuel da Fonseca, jesuíta, E. Fida do vene- 
rável Padre Belchior de Pontes, da Companhia de Jesus, da 
Provinda do Brasil. Lisboa, na Officina de Francisco da 
Silva. 1752. 4. 

1591. P. Manuel Godinho. E. Fida e morte do vene- 
rável Padre Fr. Anionio das Chagas, Missionário Apostóli- 
co nyste Reino, da Ordem de S. Francisco, fundador do 
Seminário de Faratojo. Lisboa, na Officina de Miguel Des- 
landes. 1687. 4. Lisboa Occidental, na Officina de Miguel 
Rodrigues. 1728. 4. Lisboa, na Officina de Francisco Bor- 
ges de Sousa. 1762. 4. 

1592. P. Manuel Lopes Vogado. E. Breve NoUda 
da virtuosa vida da Serva de Deus Francisca Marques, viu- 
va, Tercdra da Ordem do Seráfico Padre S. Francisco, na- 
tural da Provinda do Alemtejo, na Aldeã do Reguengo, ter- 
mo da Filia de Monsaraz. Lisboa, na Officina de António 
Kodngues Galhardo. 1770. 8. 

1593. Fk. Manuel de S. Luiz, franciscano, natural 
de Villa Franca da Ilha de S. Miguel. E. Fida da venerá- 
vel Madre Francisca do Livramento, Abadessa que foi no 
Mosteiro de Nossa Senhora du Esperança, da Cidade de Pon- 
ta Delgada, da Ilha de S. Miguel. Lisboa Oriental, na Of- 
ficina Augustiniana. 1731. foi. 

1594. P. Manuel de Macedo, da Congregação do Ora- 
tório, natural da Nova Colónia do Sacramento. "'E. Elogio 
do Padre Francisco Pedroso, da Congregação do Oratório 
de S. Filippe Nery, Confessor do Rd Fidelissimo D. João F, 
Lisboa, na Ofacina Silviana. 1752. 4. grande, em no- 
i«e de Manuel Pereira de Macedo de Vasconcellos. 

Elogio de João Frederico, Presbytero Secular da Congre- 
gação do Oratório de S. Filippe Nery, na Cidade de Lisboa , 
Lisboa, na Officina de Francisco Luiz Ameno. 1755. 4. 
sem o nome do auctor, (@) 

1595. P. Manuel d^ Veiga. E. Tradado da vida, 



m 



BIBLIOGRAPKIA HISTÓRICA 



virtudes, e doutrina admirável de Simão Gomes, Portuguez, 
vulgarmente chamado o Çapateiro Santo. Dirigido á Senho- 
ra D. Anna de Ijancastre, Commendadeira do Real Con- 
vento de Santos o Novo, da Ordem de Santiago. Lisboa, 
por Matheus Pinheiro. 1625. 8. Ibi, na Officina de Fran- 
cisco Villela. 1673. 8. edição de que não teve noticia o Ab- 
bade de Sever. Lisboa Occidental, na Officina de Pedro 
Ferreira. 1723. 8. Lisboa, na Officina de José Filippe. 
1759. 8. 

1596. Fr. Martinho be S. José, franciscano, fez im- 
primir ; Vida da Serva de Deus Soror Isabel do Menino Je- 
sus, Abadessa que foi do Mosteiro de Santa Clara de Porta- 
legre, escripta pela mesma venerável religiosa, de mandado 
de seus Padres espirituaes. Lisboa, na Officina de José da 
Gosta Coimbra. 1757. 4. Deve accrescentar-se á Bibliotheca 
JLusitana. 

1597.^ Fít. Maurício da Cruz, religioso da Província 
d'Ârrabida. E. Elogio do Irmão Fr. Ardonio de Santa Ma- 
ria d"^ Arrábida, religioso leigo da Provinda do mesmo no- 
me, chamado vulgarmente o Descalço, natural do logar de 
Talhão, termo de Palença do 3íinko. Lisboa, na Officina 
de Manuel Coelho Amado. 1758. 4. (@) 

Elogio do Irmão Fr. Sebastião da Conceição, religioso 
leigo da reformadissima Provinda de Santa Maria d'' Arrá- 
bida, natural da Filia das Alcáçovas. Lisboa, na dita Offici- 
na. 1753. 4. (@) 

Elogio do Irmão Fr, Manuel Convertido, Sacerdote, na- 
tural da Granja nova, termo da Villa de Ocanha de Salze- 
das. Comarca e Bispado da Cidade de Lamego, benemérito 
filho do Real Convento de Mafra. Ibi, na dita Officina. 
1759. 4. (@) 

Elogio do Irmão Fr. Manuel da Madre de Deus, Con- 
fessor, chamado vulgarmente o Coimbra, natural da Villa 
do Rabaçal^ Bispado da mesma Cidade. Lisboa, na Offici- 
na de Miguel Rodrigues. 1759. 4. (@) 

1598. Fr. Miguel de Azevedo, chronista da Ordem 
do Carmo. E, Blemorial das instructivas palavras e edifican- 
ies obras da muito virtuosa Madre Marianna da Purificação, 
natural de Lisboa, religiosa do Carmo observante no Con- 
vento da Esperança de Beja. Lisboa, na Officina de Simão 
Thaddeu Ferreira. 1802. 8. 

1599. Miguel Lopes Ferreira, traduziu do castelha- 
no : Mpilome da vida, acções e milagres do glorioso Santo An- 
tónio de Lisboa, illusirado com breves ponderações, e accres- 
ceniado com elogios, com que celebraram a este Santo j Suni' 



■ar^ 



>OhTUGUii/A. 



307 



vios Poiítifkes, Cardeacs, Padres antigos^ e outros graves 
aiictores^ composto pelo Padre Mestre Fr. Miguel Pacheco, 
religioso da Ordem de Christo. Lisboa Occidental, na Offl- 
cina Ferroiriana. 1732. 8. 

1600. Nicolau Agostinho, natural do Pedrógão peque- 
no. E. Relação summaria da vida do lllustrissimo e Reve- 
rendissimo Senhor D. Theotonio de Bragança, quarto Arde- 
bispo d"* Évora. Évora, na Officina de Francisco Simôeis. 
1614.4. (Bibliotheca Nacional de Lisboa, Papeis Varias-^). 

1601. P. Nuno da Cunha, jesuíta. E. Prevê Compen- 
dio da vida e santa morte do venerável e devoto Padre Dio" 
go Monteiro^ da Companhia de Jesus. Sahiu com as Medita- 
ções dos Altributos Divinos^ do mesmo venerável Padre. Ro- 
ma, na Officina de Angelo Bernabo. 1671. 8. 

1602. Paschoal Ribeiro Coutinho, natural de Lisboa* 
E. A nova Phenix mais que entre incêndios renascida, empe- 
gos perpetuada, Santa Iria', sua vida e mariyrio, sua mor- 
te e sepultura. Lisboa, na Officina de António Pedroso Gal- 
rão. 1704. 8. 

1603. Fu. Pedro da Cruz Zuzarte, carmelita, natu- 
ral d"* Abrantes. E, Trasladação do venerável Padre Fr. 
Edevão da Purificação, Portuguez, natural da Villa de 
Moura, religioso Carmelita da regular observância, cha- 
mado vulgarmente o Santinho, com addiçôes ao Livro de sua 
vida, Sfc. Lisboa, na Officina de Henrique Valente de Oli- 
veira. 1662. 8. 

1604. Pedro lÍENRiauES de Abreu, licenciado em 
Cânones. E. Fida e martyrio da gloriosa Santa Quitéria, 
e de suas oito Irmans, todas nascidas de um parto, Portu- 
guezas, e Protomartyres de Hespnnha j com, um discurso so- 
bre a antiga Cidade Cinania. Coimbra, na Officina de Ma* 
nuel de Carvalho. 1651. 4. 

1605. Pedro Lobo Correa, natural de Lisboa, tradu- 
ziu na lingua portugueza, e addicionou ; Nascimento, vida e 
morte admiráveis do grande servo de Deus Gregório Lopes, 
Portuguez, natural da antiga Villa de Linhares. Lisboa, 
na Officina de Domingos Carneiro, 1675. 8. 

1606. D. Rodrigo da Cunha. E. Summaria da vida e 
morte do lllustrissimo Senhor D. Fr. Partholomeu dos Mar- 
tyres, Arcebispo e Senhor de Braga, e Primaz das Hespa- 
nhas. Anda nas três ultimas edições do Cathecismo d'este 
venerável Prelado. Lisboa, na Officina de Henrique Valen- 
tim de Oliveira. 1656. 4. Ibi, na Officina de João Galrão. 
1684. 4. edição de que não fez memoria o Abbade de Se- 
ver. Ibi, na Officina de Miguel Rodrigues. 1764. 8, 



30S 



BIBLIOGIUPHIA HISTOBIGA 



* ?r Vf* Sebastião d^Abreu, jesuíta, natural do Cra- 
to. ^. rida € virtudes do admirável Padre João Cardim 
da Companhia de Jesus, Portuguez, natural de Vianna dl 
Alemtejo. Évora, na Officina da Universidade. 1659. 4. 

1608. p. Sebastião Monteiro da Vide, arcebispo da 
Bahra, natural de Monforte. E. Hhloria da vida e morte 
da Madre Soror Fictoria da Encarnação, religiosa profes- 
sa no Convento de Santa Clara do Desterro, da Cidade da 
m^fna. Roma, na Estamparia de João Francisco Chracas. 

1609. P. Sebastião do Rego, da Congregação do Ora- 
tório, natural de Neura, no Estado da índia. E. Fida do 
venerável Padre José Faz, da Congregação do Oratório de 
*. húxppelSeryda Cidade de Goa, na índia O rientoL fun- 
dador da laboriosa 3Iissão que os Congregados d\sla Casa 
l^etn a sim €onia na Ilha de Ceylão. Lisboa, na Ofacina 
bilviana. 1745. 4. 

'^'2i* f/,^^^^^^ Cardoso Pacheco, natural de Tran- 
coso. E. Fida e milagres da venerável Madre Soror Fran^ 
€isco da Conceição, religiosa exemplarissima no Mosteiro de 
Santa Clara da Filia de Trancoso. Lisboa Occidental, na 
Ulíjcina de António Pedroso Galrâo. 1738. 4. 

161K P. SiMÂo Dí5 Vasconcellos. E. Fida da Padre 
João <rjhneida, da Companhia de Jesus, na Provinda do 
Jiranl. Dedicada ao Senhor Salvador Corrêa de Sá e Be- 
nevides, dos Conselhos de Guerra e Ultramarinos de Sua Ma- 
jestade. Lisboa, na Officina Craesbeeckiana. 1658. foi. 

Continuação das maravilhas que Deus é servido obrar no 
MUado do Brasil^ por intercessão do mui religioso e peni- 
tente Servo seu o Feneravel Padre João d' Almeida, da Com- 
panhia de Jesus. Lisboa, na Officina de Domingos Carneiro. 
1662 Consta de oito meias folhas de papel sem numeração. 
^I^ida do venerável Padre José de Anchieta, da Compa- 
nhiade Jesus, Taumaturgo do Novo Mundo, na Provinda 
do Brasil. Lisboa, na Officina de João da Gosta. 1672. foi, 
1612. D. Thimoteo dos Martyres, cónego reo-ular, 
natural de Coimbra, traduziu na língua materna : Fida do 
òemaventurado Padre S. T/ieotonio, primeiro Prior do Real 
Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, de Cónegos Regulares 
do Patnarcha Santo Agostinho. Escripta em latim por um 
religioso contemporâneo, discipulo do mesmo Santo, e tradu- 
zida em nosso vulgar portuguez • Juntas as vidas de outros 
í>antos € Santas, collegidas de diversos e graves Auctores. Of- 
ferecidas ao grande Padre S. Theotonio. Coimbra, na Im- 
prosaSo de Manuel de Carvalho. 1650. 4. 



PORTUGCJEZA 309 

IGt.^. D. Thomaz Caetano de Bert. E. Fida do ve- 
nerável Padre D. Alberto Maria Ambivevi^ Clérigo Regu- 
lar. Lisboa, na Regia Officina Typograpliica. i782. 8. 

1614. VicTORiNO José nx Costa. K. Historia abbrevia- 
da da vida, martyrio e trasladagoes: do invictissimo Martyr ^ 
Levita S. ricente. Lisboa Occidental, na nova Officina de 
Mauricio Vicente de Almeida. 1734. 4. Consta de 12 paginas. 
Sahiu em nome de António Vicente. 



1615. O Cavalheira Christão, Dialogo sobre a vida, vir-- 
iudes e acções do Senhor Manuel José Soares de Brito, Ca- 
valleiro professo na Ordem de Chrislo, Lisboa^ na Officina 
de Pedro Ferreira. I76I. 8. 

1616. Compendio (Breve) da vida e ac(.ões do venerável 
Servo de Deus Fr. António da Conceição, vulgarmente cha^ 
mado Fr. António do Lumiar, religioso da Santa Provinda 
d"" Arrábida. Lisboa, na Officina de Francisco Borges de 
Sousa. 1753. 8. Ibi, na mesma Officina. 1763. 4. 

1617. Compendiada admirável vida da venerável Ma- 
dre Maria do Lado, Lisboa, na Officina de Miguel Rodri- 
gues. 1762. 4, 

1618. Co mpendio da prodigiosa vida , exempla res virtudes ^ 
e portentosos milagres do Proiosanto de todo o Reino do Al- 
garve, e novo Thaumaiurgo de Portugal, o glorioso S. G >?%- 
calo de Lagos, da esclarecida Ordem do grande Patriarcha 
Santo Agostinho, da anllniissima Provinda de Portugal. Lis- 
boa, na Regia Officina Typographica. 1778. 8. 

1619. Compemíio da vida admirável do Thaumaiurgo 
Portugiiez Santo António de Lisboa. Dedicado á candura e 
pureza do mesmo Santo. Lisboa, em a nova Impressão da 
Viuva Neves e Filhos. 1824. 3. Ibi, na Impressão Resia. 
1833. 8. y f o 

1620. Elogio da vida e morte do ireneravel Padre Ma- 
nuel da Costa, dignissimo Vigário que fui da Parochial Igre- 
ja de Santa Maria de Achete, no termo de Santarém. Lis- 
boa, na Officinade Francisco Borges de Sousa. 1761. 4. (^) 

16:21. Epilogo das heróicas virtudes de S. Goldrofe, Có- 
nego Regular, Prior do antigo Mosteiro de S. Pedro de Ar- 
ganil, do Bispado de Coimbra. Coimbra, nu Imprensa da 
Universidade. 1784. 8. 

1622. Historia verdadeira da exemplar vida e morte de 
Fr. Sebastião da Conceição, religioso leigo no Convento de 



310 



niBLlOGRAPHIA HISTÓRICA 



Nossa Senhora da Serra d'' Arrábida. Consta de 7 paginas, 
séin nota do anno nem do logar da impressão. 4. 

1623. Historia ( Breve J da vida do Padre Fr. António 
da Madre de Deus^ religioso Rlenor da Província d'' Atra- 
hida. Lisboa, na Ofíicina Patriarchal. 1777. 8. 

1624. Historia da vida e martyrio da gloriosa Virgem 
Santa Comba, Portugueza. Tirada do Tiactado dos Santos 
Cónegos Regulares, e de outras Memorias. Lisboa, na Ofíi- 
cina de Simão Thaddeu Ferreira. 1783. 12. 

1625. Historia da vida da Virgem e Martyr Santa Cla- 
ra, e da trasladarão do seu glorioso Corpo, e prodigios que 
n''ella se manifestaram desde a Cidade de Roma dté a Igreja 
do Senhor do JBomfim, nos subúrbios da Cidade do Porto, 
em que se acha collocado, e onde se festeja no primeiro Do-' 
mingo de Setembro cada anno. Porto, na Imprensa de Gan- 
dra. 1826. 12. 

1626. Relação (Breve) da vida e morte prodigiosa da 
Madre Soror Maria Jóanna, quefalleceu a 25 de Março de 
1754, no Convento do Lonriçal. Lisboa, na Officinade Ma- 
nuel Coelho Amado. 1754. 4. Consta de 12 paginas. 

1627. Summario (Breve) da feliz morte do venerável 
Padre Mestre Fr. João de Vasconcellos, da Ordem dos Pré- 
gadores. Lisboa, por Manuel da Silva. 1652. 4. Consta de 
16 paginas. 

1628. Vida de S. João de Deus, Portuguez ; escriptape- 
lo Padre Pedro Ribadeneyro, e traduzida em vulgar . Lisboa, 
por Domingos Carneiro. 1691. 4. Ibi, na Ofíicina de Ber- 
nardo da Costa Carvalho. 17 19. 4. consta de 36 paginas. 

1629. Vida e martyrio da Gloriosa Santa Comba, Vir^ 
gem e Martyr Portugueza. Com.posta pelo Padre D. Thi- 
moteo dos Martyres, Cónego Regular de Santo Agostinho, 

filho do Convento de Santa Cruz de Coimbra, e natural da 
mesma Cidade. De novo nccresceniada com unias reflexões 
históricas e moraes. Coimbra, na Ofticiaa de José Antu- 
nes da Silva. 1734. 12. E reproíliicção da queanda impressa 
comaVidado bemaveniurado Padre S. Theotonio^ acima men- 
cionada. Ignoramos o fundamento com que o anctor da Bi- 
bliotheca Lusitana attribuo este opúsculo a D. Bento de 
Santo Agostinho, cónego regular, que apenas n^eile figura 
como censor. 

1630. Vida, ultimas acções, e morte do muito reverendo 
Padre Fr. João de Nossa Senhora, Missionário Apostólico, 
Chronista da sua Ordem, e observante religioso da Ordem 
de S. Francisco da Provinda dos Algarves. Consta de 12 pa- 
ginas, sem o nome do Impressor. 4. 



imi[ii\rni\ 



ADDITAMENTO. 



Julgámos acertado fazer resenha n'este logar de al- 
gumas obras, relativas ao assumpto de que tractâmos, 
cujos títulos extrahimos das fontes que vão indicadas, 
sem comtudo afiançarmos a existência de todas ellas, 
por isso que nos sahiram baldadas as diligencias para 
havermos os exemplares que procurávamos. Seguimos 
a ordem alphabetica sem attenção ás matérias. 



1633. P. André Gomes, jesuíta, natural de Coimbra. 
Escreveu: Relação das festas que a Provinda de Portugal 

fez nas Canonisações de Santo Ignacio de Loyola, e S. Fran- 
cisco Xavier. Lisboa, por António Alvares. 1623. 8. (D'es- 
ta obra faz menção Diogo Barbosa Machado na sua Siblio- 
theca Lusitana. 

1634. D. António, Prior do Crato, filho do Infante D. 
Luiz, conipoz; Cartas escriptas de Pariz, a 22 de Agosto de 
1595, ás Magestades d''Elr€Í Christianissimo Henrique //^. 
Rainha de Inglaterra^ Estados Geraes^ Conde Mauricio^ 
Princeza de Orange^ e Conde de JEUssex. Paris, chez Jean 
Micard. 1607. 12. em francez e portugiiez. (Idem). 

1635. D. António Alvares DA Cunha. E. RehcUião de 
Ceilão. Lisboa, por António Craesbeeck de Mello. 1689. 4. 
(Idem). 

1636. António Fernandes Franco, natural dos Aço- 
res. E. Relação do lastimoso e horrendo caso que aconteceu 
na Ilha de S. Miguel, em segunda feira 2 de Setembro de 
1630. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1630. foi. (Idem). 

163T. António Gomes. E. Fida de Santa Isabel. Évo- 
ra. 1625. (Idem). 

1638. Diogo do Couto. E. Falia que fez, em nome da 
Camará de Goa, a André Furtado de Mendonça, indo por 
Governador da índia, em successão do Conde da Feira D. Juãj 



314 



BIDLIOGRAPHIA HISTÓRICA 



Pereira^ dia do Espirito Santo de 1609. Lisboa, por Vi- 
cente Alvares. 1610. foi. (Idem). 

1639. Diogo Pires Cinza. E. Prosápia dos Reis de 
Portugal. Lisboa, por Giraldo da Vinha. 1622. foi. (Idem). 

1640. Fr. Dcarte de Araújo, geral da Ordem de 
Cliristo, natural de Thomar. E. Vida de Santa Iria, Vir' 
gem e Martyr. Coimbra. 1597. 4. (Idem). 

1641. P. Duarte de Sande, jesuita, natural de Gui- 
marães. E. Itinerário de quatro Principes Japonezes, man- 
dados á Santidade de Gregório XIII. e de tudo quanto lhes 
succedeu na jornada, até se restituirem ás suas terras.^ Ma- 
cau, no Collegio da Companhia. 1590. 4. (Idem). O Abba- 
de de Sever com a indicação supra pretendeu talvez dar no- 
ticia da seguinte obra : De Missione Ijegaíorvm Iaponen~ 
sium ad Romanam curiam, rebusq ^ in Europa, ac totó iti-' 
nere animaduersis Dialogvs ex ephemeride ipsorvm Legato- 
rvm collectvs, 4' ^^ sermonem latinvm versvs ah Eduardo de 
Sande Sacerdote Societatis Jesv. In Macaensiportu Sinici re-^ 
gni in domo Societatis lesv cum facidtate Ordinarij, &Ç Su- 
periorum. Anno. 1590. 4. de que vimos exemplares na Bi- 
bliotheca Nacional de Lisboa, e na Livraria do A rchivo Na- 
cional da Torre do Tombo, impressos em papel da China. 

1642. P. Francisco Aranha, jesuita, natural de Ar- 
ronches. E. Serie dos Reis de Portugal, com suas pátrias, 
idades e morte$. Uma folha ao largo, sem logar, nem anno 
da impressão. (Idem). 

1643. P. Francisco Rodrigues, jesuita, natural de 
Monte-mór o Velho. E. Catalogo dos Religiosos da Compa- 
nhia de Jesus que foram martyrisados e m>orlos no Japão, pe- 
la Fé de Christo, em os annos de 1632 e 1633-. Dedicado ao 
Núncio Campegio. Madrid, por André de lã Parra. 1633. 
foi. (Idem). 

1644. Fr. Gonçalo dk S. José, religioso franciscano 
da Província de S. Thomé. E. Jornada que Francisco de 
Sonsa de Castro, Fidalgo da Casa de Sua Magestade, fez 
ao j4chem, com uma importante Embaixada, enviado pelo 
Ficerei da índia Pedro dn Silva, no anno de 1638. Goa. 
1642. 4. sem o nome do Impressor. ( Jdem). 

1645. D. João de Castro. E. Jjunta do Discurso so- 
bre a vida do sempre bem vindo e apparecido Rei D. Sebas- 
tião, o Encoberto, dirigido aos Prés Estados ; em a qual se 
adverte de como Elrti de Hespanha se houve depois que o 
teve cm seu poder. Pariz. 1602. 8. (Idem). 

1646. D. João de Santa Maria de Jesus, cónego re- 
grante, natural da Certãa. E. QuisHos sobre as acções do 



PORTUGUEZA 315 

Senhor Rei T). Affonso Henriques^ em ordem á sua cano- 
nisação. Lisboa, por José da Costa Coimbra. 1752. 12. 
(Idem). 

1647. Jorge Cardoso. E. Relação da fundação do Con- 
vento da Madre de Deus, de Religiosas Franciscanas, situa- 
do fora dos muros de Lisboa ; e das graças e privilégios que 
lhe concederam os Summos Pontífices. Lisboa. 1629. 4. 
(Idem). 

1648. Fr. Manuel das Chagas, E. Relação da enfer^ 
midade e morte do venerável Padre Fr. Domingos de Jesus 
Maria, religioso da Sagrada Ordem de Nossa Senhora do 
Carmo. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1630. 8. (Idem). 

1649. Fu. MíGUEL Rangel, dominico, e depois Bispo 
de Cochim, natural de Aveiro. E. Memorial a Mirei acer- 
ca das Missões do Oriente, que ri^elle faziam os Religiosos da 
Ordem de S. Domingos. Consta de 8 paginas, e nao declara 
o logar da impressSo. foi. — Outro sobre o mesmo assumpto, 
Lisboa, por Giraldo da Vinha. 1624. foi. (Idem), 



1650. Recopilação (Breve) dos principios, continuaçãOj 
e estado da christandande da China. Lisboa, por Paulo Craes- 
beeck. 1642. 4. (Vem citada a folhas 152 da Bibliographia 
Histórico- Lusitana Fontesiana , manuscripto existente na 
Bibliotheca Nacional de Lisboa. 4. com a numeração B ■^). 

1651. Relação do caminho que fez da Pérsia o Embai- 
xador do Grão Sofi, e das honras que lhe fizeram nos reinos 
e senhorios por onde passou, oté chegar a este Reino de Por- 
tugal. Lisboa., por António Alvares. 1602. 8. (Vem citada na 
dita Bibliographia, a folhas 86* no Catalogo dos Livros que 
se. hão de ler para a continuação do Diccionario mandado 
publicar pela Academia Real das Sciencias de Lisboa, e nas 
Memorias para a Historia da l^ypogrophia Portugueza), 

1652. Relação verdadeira que relata o estado em que fi- 
cou, no anno cZe 1623, o Estado da índia. Lisboa, por Pe- 
dro Craesbeeck. 1624. ^D'ella se faz menção a folhas 151 
verso do Catalogo das Obras e Monumentos da Historia de 
Portugal e Castella, do anno de 1580 a 1668. 4. manus- 
cripto que possuímos). 

1653. Relação da milagrosa viciaria que alcançou D. 
Francisco Souto Maior, Governador da Fortaleza de S. Jor- 
ge da 3Iina, contra os rebeldes hollandezes. Lisboa, por Jor- 
ge Rodrigues. 1628. (Vem mencionada a folhas 130 do dito 
Catalogo). 




BIBLIOGRAPHIA HISTÓRICA 

654. Relação verdadeira e breve da tomada da Villa 
de Olinda, e logar do Recife^ na Costa do Srasil^ pelos re- 
beldes de Hollanda. Lisboa, por Mathias Rodrigues. 16 30. 
foi. (Veja-se a Bibliographia supra, folíias 99. Catalogo ma.- 
nuscripto,^ folhas 151 verso). 

1655. Relação da grande victoria que os Portuguezes al- 
cançaram contra elrei do Achem, no cerco de Malaca. Lis- 
boa, na Officina Craesbeeckiana. 1630. foi. [Bibliographia 
manuscripta, folhas 88 verso). 

1656. Relação breve e mui verdadeira da grande e ma- 
ravilhosa victoria que Deus Nosso Senhor foi servido dar aos 
moradores da Rha do Corvo, contra dez poderosas naus de 
Turcos. Lisboa, por Matheus Pinheiro, 1632. foi. (Ibidem, 
folhas 102). 

1657. Relação de uma famosa victoria que D. Fernan- 
do Mascarenhas, Governador da Cidade de Tanger, alcan- 
çou dos almocadens. Lisboa, por António Alvares. 1635. 
foi. [Ibidem, folhas 80 verso). 

1658. Relação de tudo o que passou na Ilha Terceira 
pela acclamação do Senhor D. João IF'. Lisboa, na Offici- 
na de Domingos Lopes Roza. 1642^ (Veja-se a Gazeta do 
mez de Abril do dito anno. Vem igualmente citada no frag- 
mento impresso do tom. 2. dos Fastos da Lusitânia). 



I^xplicaçao aoH iSíg^iiacf» c Atobrcvialuraiii. 

E. quer dizer Escreveu; no fim das obras a. 4. foi. indi- 
cam o formato em oitavo, quarto, ou jolio ; as subdivisões 
em doze, dezeseis, vinte e quatro ou trinta e dois, também 
vão designadas por algarismos ^ as demais abbreviaturas por 
triviaes não carecem de explicação. 

Gluanto aos signaes de que nos servimos, onde quer que 
se encontrem, significam que um exemplar da publicação 
cujo titulo ahi se trauscreve anda em alguma das seguintes 
collecções, a saber : 

(*) Faz parte da coUecçao de papeis vários que possuí- 
mos, com o titulo de Miscellaneas Portuguezas, Dezoito vo- 
lumes. 4. 

[^) Veja-se na Livraria do Archivo Nacional da Torre 
do Tombo a collecção de papeis avulsos que tem por titulo 
Campanha de Portugal. Sete volumes. 4. 

{Q) Anda na collecção que hoje existe na Bibliotheca 
Nacional de Lisboa, com o mesmo titulo de Campanha de Por- 
tugal. Quatro volumes. 4. 

(S>J) Faz parte da collecção que possuímos, com o titulo 
de Papeis vários pela acclamação do Senhor D. João IV, 
tJm vol. 4. N^esta collecção acham se igualmente reunidas 
as primeiras oito Gazetas que se publicaram em Portugal, 
das quaes a mais antiga, única que tem folha de rosto como 
qualquer livro, traz o titulo seguinte : Gazeta em qve se re- 
latam as novas todas qve ovve nesta Corte, e qve vieram de 
varias partes no mes de Nouembro de 1641. JLisboa, na Of- 
ficina de Lourengo de Anueres. Consta ao todo de seis quar- 
tos de papel. A ultima refere-se ao mez de Junho de 1642. 
Dizem que estas Gazetas sahiram da penna do Chronista- 
mór Fr. Francisco Brandão. 

{W) Vide na Bibliotheca Nacional de Lisboa : Relações 
Varias de 1703 a 1707. Um vol. 4. com a numeração ^g. 

{fá) Acha-se na collecção que possuímos, com o titulo de 
Papeis vai ios pela invasão dos Francezes, Dois volumes. 4. 

{©) Anda na Collecção de Elogios, que hoje existe na 
Livraria do Archivo Nacional. Oito volumes 4. 

(O) Faz parte da collecção que possuímos, com o titulo 
de Elogios e Orações Fúnebres. Sete volumes, 4. 



índice dos auctores. 



num. 



480 



li38 



Aboim (Joaquim da Nóbrega Cão de) 

Abrantes e Caslro (Bernardo José de) 

Abreu (Braz Luiz de) 

Abreu (Fr. Fernando de) 

Abreu (José Manuel de) 

Abreu (Pedro Henriques de) 

Abreu (P. Sebastião de) 

Abreu e Lima (Luiz António de). Vide Vis- 
conde da Carreira. 

Abreu Mousinho (Manuel de) 

Abreu Vidal (Manuel José Gomes de) 

Accursio das Neves (José) 

Acenbeiro (Christovão Rodrigues) 

D. Affonso Mendes. 

Fr. Agostinho de Santa Maria. i345. 
1528. 

Alarcão (Ruy de Figueiredo de) 

Albuquerque (Aífonso de) 

Alexandre de Gusmão. 

Almada (Fr. António de) 

Almada (Francisco Vaz de) 

Almeida (António de) 87. 722. Í23L 

Almeida (D. Francisco de). Vide Conde de La- 
vradio. 

Almeida (Jeronymo de) 

Almeida (D. João Theotonio de) 

Almeida Garrett (João Baptista da Silva Leitão 
de) 

Almeida Jordão (Francisco de) 

Almeida Mascarenhas (D. Francisco de) 



477. 

637. 
1547. 
1236. 

485. 
1604. 
1607. 



951. 

493. 
Í0Í3. 

14. 
1437, 
1497. 

235. 

891. 

369. 
1531. 
1063. 
1298. 



649. 

739. 

1239. 



41 



320 

Almciíla Portugal (D. António de). Vide Mar- 
quez de Lavradio. 

Almeida Portugal (D. Pedro Miguel de). Vide 
Marquez de Alorn?). 

Aios (D. Félix António de Christoforo de) 

Alvarenga (Manuel José Corrêa e) 

Alvares (P. Francisco) 

Alvares (Fr. Joào) 

Alvares de Almada (André) 

Alvares de Carvalho (António) 

Alvares da Costa (Joào) 

Alvares da Cunha (D. António) 315. 

Alvares Victorio (P. Francisco) 

Álvaro Velho. 

Alvim Pinto (José Corrêa de Mello e Brito de) 
12S4. 

Amador Patri-ío. Vde Cardoso de Azevedo 
(Marti m) 

Amador Pátrios > de Lisl) ja Vide Freire (Fran- 
cisco José) 

Amaral (António Caetano do^) 2. 



Amaral (P. Pn 



udencio 



do) 



Ambrósio Machado. Vide Bnrbosa (D. José) 
Ambrósio Machado de Ahrcu. Vede Barbosa 

(D. José) 
Andrade (P. António de) 
Andrade (Frar.cisco de) 
Andrade (Francisco José de) 
Andrade (Jorge Freire de) 
Andrade (José fgnacio de) 
Andrade (José Maria de) 
Andrade (Lucas de) 
Andrade Barroco (Fr. Plácido de) 
Andrade a Silva (José Bonifácio de) 
Fr. Angelo dos Serafins. 



1506. 

399. 
ÍOOO. 

i32. 

991. 
1532. 
li 47. 
1635. 
1557. 

892. 
116k 



781. 

434. 
1534. 

858. 
928. 

328. 

895. 

142. 

741. 

390. 

930. 
1495. 

221. 
1270. 

483. 

894. 



321 



Annmiciagão (P. Loiíronga Juislinii-no án) 

Annunciavâo Justiniano [D. Diogo da) 

Aiitonil (André João) 

D. António, Prior do Crato. 

Fr. António de Santo Agostinho. 

Fr, António de S. Bernardino. 

António Coelho. 

António da Costa Valle. Vide Cosia (Vicio- 
rino José da) i^- 

António Dias da Silva e Figueiredo. Vide Fi- 
gueiredo (Fr. Manuel de) 

Fr. António da Encarnação. 1291. 1442. 

P. António Leite. 

António Lopes. Vide Cosia (Victorino José da) 

António Lucas Velaxi Mareco Gama. Vide 
Mexia Galvão (Lourenço Anastácio) 

Fr. António da Madre de Deus. 

Fr. António da Piedade. 

F^r. António do Sacramento. 903. 

António Vicente. Vide Costa (Victorino José da) 

Aranha (P. Francisco) 

Araújo (Fr. Duarte de) 

Araújo (Luiz António de) 

Araújo e Castro (Filippe Ferreira de) 

Araújo Estaco (Jorge de) 

Araújo e Sousa (Gonçalo José de) 

Argote (D. Jeronymo Contador de] 

Arraes de Mendonça (D. Pedro) 

Ascenção (Fr. Bento da) 

Assumpção (Fr. Matheus da) 

Assumpção Brandão (Fr. Matheus da) 

Atayde (D. António de) 

Atayde e Azevedo (Luiz Innocencio de Pontes 

Aucourt e Padilha (Pedro Norberto de) 

Avellar (D. Francisco Gomes do) 



076. 



748. 



494, 



99L 

1075. 
1484. 
1349. 
1370. 



1175. 
1538. 
1293. 
1540. 
i6!4. 
1642. 
I6U). 
1072. 
1118. 

226. 
1139. 
1247. 
1 400. 
1 544. 

231. 

. 070. 

1099, 

440. 

332. 
1561. 



3^^ 

Ayres do Casal (P. Manuel; 

Ayres Varella. 

Azeredo Coutinho (D. José Joaquim da Cunha 



de' 



837. 



Azevedo (D. Joaquim de) 

Azevedo (Luiz António de) 

Azevedo (Fr. Miguel de) 

Azevedo (P. Nicolau da Maia de) 

Azevedo Pinto (Mathias Pereira de) 

Azurara (Gomes Eannes de) 131 

Oacellar (António Barbosa) 

Balsemão de Sousa Coutinho (Vasco Pinto 

Baptista Domingues (Joào) 

Barào d'Eschwefie (Guilherme) 

Barbosa (Duarte) 

Barbosa (D. José) 13. 52 63. 328 

Í309. Í39Í. 1575. 
Barbosa (D. Vicente) 
Barbosa Machado (Diogo) 
Barbosa Machado (Ignacio) 

1384. 
Barbuda Telles (Rogério) 
Barradas (P. Manuel) 
Barreira (Fr. Isidoro) 
Barros (P. André òe) 



1002. 
316 



928, 



158. 374. 
37. 326. 383. 919. 



Barros (JoSo de 



1507. 
808. 1376. 
145 

Barros e Vasconcellos (José Joaquim Soares de) 

D. Fr. Bartholomeu dos Martyres. 

Bayào (José Pereira) í. 97. 116. 170. 172. 

Fr. Belchior de Sant^Anna. 

Beltrão (João Duarte) 

Benta do Ceo (Maria) 

Berford (Sebastião Gomes da Silva) 

Bermudes (D. João) 

Fr. Bernardino da Silva, 



845. 
202. 

1512. 

44, 

765. 

1598. 

232. 

444. 

1138. 

. 801. 

70. 

210. 

826, 

910. 

1162. 

1473. 
1111. 

1141. 

1207. 
1074. 
1570. 
1529. 
, 920. 

146. 

156. 
1581. 
1297. 
1249. 
1330. 

862. 

lOOS. 

12. 



323 



385, 
491. 



26. 127. 
13. 732. 



115. 



Fr. Hernardo da Cruz. 

Fr. Bernardo de Santa Maria Rosa. 

Berredo (Bernardo Pereira de) 

Bezerra de Lima (Joào António) 

Biancarcli (Theodoro José) 

Borges de Barros (,íoào) 

Borges Carneiro (Manuel) 

Borges Pr.checo (Diogo) 

Botelho (Bernardo de Brito) 

Brandão (Fr. António) 

Brandão (Fr. Francisco) 

Brito (Fr. Bernardo de) 

Brito (Paulo José Miguel de) 

Brito Alào (Manuel de) 

Brito Freire (Francisco de) 

Brochado (José da Cunha) 

Brum da Silveira (Manuel José de Arriaga) 

Cabral (P. Jorge) 

Cabreira (José de) 

Caetano de Bem (D. Thomaz) 102. 787 

1338. 1613. 
Caetano de S. Boaventura (Fr= António) 
Fr. Caetano da Piedade. 
Fr. Caetano do Vencimento. 
Calado (Fr. Manuel) 
Caldas Barbosa (Domingos) 
Caldeira e Artur (Miguel Lopes) 
Calmon (Francisco) 
Camará (D. José Manuel da) 
Camará (Paulo Perestrello da) 
Caminha (António Lourenço) 
Caminha (Pêro Vaz de) 
Caminha e Menezes (António Telles da Silva) 

Vide Marquez de Rezende. 
Campello de Macedo (Joào) 



852. 
1363. 

817. 
116.5. 

779. 
1390. 
1070. 
Í27S. 

1290. 
1M6. 
1548. 

846. 

735. 
1199. 

433. 
1513. 

784. 
1350. 

856. 



211 



324 



Campos (José x\lexaDdre de) 

Campos (P. Manuel de) 118o. 

Campos (P. Manuel de) 

Campos Moreno (Diogo de) 

Cândido Lusitano. Vide Freire (Francisco José) 

Canto e Castro (Luiz Meirelles do) 

Cardim (P. António Francisco) 1053 

Cardoso (Jorge) 1374. 

Cardoso (P. l.uiz) 767. 

Cardoso de Azevedo (Marlim) 

Cardoso Castello Branco (Manuel Joaquim) 

Cardoso Pacheco (P. Simào) 

Fr. Carlos de Mello. 

Carneiro de Araújo (Paulo) 

Carvalho (Fr. Jorge de) 

Carvalho e Camões (Thaddeu Luiz António 

Lopes da Fonseca) 
Carvalho da Costa (P. António) 
Carvalho Mascarenhas (João) 
Carvalho e Mello (Sebastião José de). Vide 

Marquez de Pombal. 
Carvalho e Menezes (Joaquim António de) 
Carvalho de Parada (António) 195. 

Carvalho da Silva ^Francisco) 
Carvalho e Silva (Ovidio Saraiva de) 
Carvalho e Sousa (António Vicente de) 
Carvalho e Sousa (Ignacio de) 
Casado Giraldes (Joaquim Pedro Cardoso) 478, 
Casal (D. Fr. Gaspar do) 
Castanheda (Fernão Lopes de) 
Castanheira (Alexandre de Abreu) 
Castanhoso (Miguel de) 
Castello Branco (Bernardo José de Lemos) 
Castello Branco (Joaquim António de Lemos 

Seixas) 



661. 
1462. 
1396. 

814. 

128. 

770. 
1443. 
1647. 
1257. 

781. 

668. 
1610. 
1353. 

330. 

220. 

1272. 

723. 

1068. 



1009. 
1536. 
1560. 

495. 

9. 

1246. 

757. 

160. 

912. 

720. 
1025. 
1106. 

656. 



Mtarf 



325 



Castello Branco (Luiz Gaspar dc/ 1179. 
Castello Branco Figueiroa (Anlouio do Conto de) 317. 
Castilho (António de) 140. 897. 
Castilho (António Feliciano de) 4. G33. 
Castilho (José Feliciano de) 1016. 
Castro (D. João de) ' 168. 1645. 
Castro (D. Joào de) 921. 
Castro (Joào Baptista de) 750. 
Castro Menezes (Ignacio Pitta de) 772. 
Castro e Sousa (António Daníiaso de) 726. 
Cenáculo (D. Fr. Manuel do) 88. 1186. 
Centazzi (Guilherme) 648. 
Cerqueira (D. Luiz de) 1460. 
Cerqueira Pinto (António) 371. 1271, 1346. 
Chaves (Halthasar Manuel de) 905. 
Chaves e Mello (Francisco Affonso de) 738. 1556. 
Chelmicki (José Conrado Carlos de) 1015. 
Chermont (Balthasar de) 11. 
Cirne de Sousa (Pedro Vaz) 233. 
Clemente Botelho (Gaspar) 1245. 
Clementino Maciel (Joaquim António) 832. 
Codina (Manuel Joaquim Pedro) 669. 
Coelho de Almeida (Joào) ' 327. 
Coelho de Carvalho (Francisco) 1381. 
Coelho de Freitas (António) 1347. 
Coelho Gasco (António) 724, 
Coelho da Graça (Manuel) 39o. 1022. 
Coelho de Mello (D. José Mascarenhas Pa- 
checo Pereira) 1 171. 
Coelho da Rocha (Manuel António) 57. 
Conceição (Fr.ApoUinario da) 809. 1234. 1295. 1543. 
Conceição (Fr. Cláudio da) 15. 467. 1354. 
Conceição (P. José da) 1356. 
Conceição (Fr. Manuel da) 223. 
Conceição (Fr. Nuno da) 1083. 



126 
1021. 

822. 

64i. 



725, 



FernandoV 109. Í24. 



m 

Conceição Veloso (Fr. José Marianno da) 
Conde da Ericeira (Segundo) 
Conde da Ericeira (Terceiro) 56. 1 

Conde da Ericeira (Quarto) 35. 381. 

1136. 
Conde de Lavradio. 
Conde de Monsanto. 
Conde de Porto Santo. 
Conde de Villar Maior. 
Cordeiro (P. António) 
Corrêa (Fr. António) 
Corrêa (Duarte) 
CQrrea (Filijjpe Nery) 
Corrêa (Pedro Lobo) 
Corrêa de Lacerda (D. 

1(17. 
Corrêa de Mesquita {Simà^) 
Corte-Real (Anlonio Moniz Yiarreto) 
Corte-Real (Joào Moniz) 
Costa (Fr. Bernardo da) 
Costa (Diogo da) 
Costa (Francisco José da) 
Costa (P. José Leite da) 
Costa (Victorino José da) 149.948. 991. 1370, 
Costa e Andrade (JoàoAntonio da) 1066. 
Costa de Barbosa (Fernando António da) 
Cost§ Coimbra (José da) 
Costa Júnior (Félix José da) 1062. 

Costa Pereira (FJypolito José da) 
Costa e Sá (Manuel José Maria da) 849. 

Costa e 3aboya (Manuel Ferreira da) 397. 441. 
Coutinho (Fiiippe Nery da Silya) 
Coutinho (D. Gonçalo) 
Coutinho (Gonçalo Vaz) 
Couto (António Maria do) 463. 



870. 
. 999. 
1181. 
1135. 

1123. 
1238. 

996. 
1197. 
1348. 
1537. 

911. 

432. 
1605. 

324. 

1030. 

727. 

654. 
1501, 

907. 

1126. 

1393. 

16í4. 

1149. 

ilí6. 

95. 

1115. 

36. 

1191. 

1262. 

23. 

1003. 

162. 
1100. 



527 



Couto (Diogo do) 908. 1060. 1112. 

Couto (Manuel de) 

Couto de Sampaio (P. Salvador do) 

Craesbeeck (Francisco Xavier da Serra) 

Craesbeeck de Carvalho (Francisco José da Serra) 

Craveiro (Tiburcio António) 

Cruz (Luiz Félix) 

Cruz (Manuel da) 

Cunha (Manuel da) 

Cunha (D. Manuel da) 225 

Cunha (P. Nuno da) 

Cunha (D. Rodrigo da) 1271, 

Cunha Mattos (Raymundo José da) 672. 

Cunha Soiitomasor (João de Mello e Sousa da) 

Curado Garro (Lopo) 

Cyriaco da Silva (Pedro) 

Damiào de Fróes Perim. Vide Fr. JoSo de S, 
Pedro. 

Fr. Damiào das Neves. 

Dantas Barbosa (D, José) 

Dantas Pereira (José Maria) 

David Neto, 

D(-l!a Nave (Anfonio Vicente) 

Dias de Carvalho (Gonçalo) 

Diogo AíFonso. 

Diog-o Manuel Ayres de Azevedo, F^'íl5 Tavares 
(P. Manuel) 

D. Diogo da Piedade. 

Diogo Soares de Meireíles. Vide Monteiro (P» 
Manuel) 

Fr. Domingos do Espirito Santo. 

Dorotheo d' Almeida. Vide P, Theodoro d Al- 
meida. 

D. Duarte (Infante) 

Duque de Cadaval, 

4« 



I3B7. 
486, 762. 



1638 

1587 

945 

1213 

28 

69 

1020 

146Í' 

396 

. 226, 

Í60L 
1606 
1027 
1 1 53, 
84 L 
854, 

1154. 
Í504. 
1392. 
1170, 
1496. 

807. 

I 6 1 . 

108. 

1195. 
20, 

1192. 
I4'í7. 

Í2I2. 

201,. 

1143, 



Egydio Albofíiós de Macedo.- Vide Argole (D. 

leronyoio Contador de) 
Escobar (Fr» Áolooio ãe) 
Esiaço (Gaspar) ^ 
' Eslaço do Aroarai (Melchior) 
Esiaço da Silveira (Síoiao) 
Fr. Eslevâo de S^oi'Aí]gelo. 
Estevão Preto. 
Falcão (José AQastacso) 
Faria (Rodrigo José de) 
Faria e Castro (Damião Antooío de Lemos) i6 

1110. 
Fauslsoo José da Madre de Deus. 
Felayeiras (João Bapiisia) 
Felizardo Fortes (P. Ignacio) 
Feo Cardoso do Casleflo Branco e Torres (João 

Carlos) 
Fernaodes Fraoco (António) 
Feroaodes Gajo (Bernardo) 320. 

Feroandes Monleiro (Pedro) 
Fernandes Pioheiro (José Feliciano) 
I). Fe\,ri;!aíído da Eocaroaçao. 
¥r. Feniaodo da Soledade. 



Feroao Momera de Figueiredo. 



Vtãe Fr. Ma» 



íioel Home 01. 
Feroâo Lopes. 
Ferrei ra ( Ale i a od re) 
Ferreira (■?. Manuel) 
Ferreira (Migusl Lopes) 
Ferreira Borges (José) 
Ferreira da Gosta (Veríssimo Âolooio) 
Ferreira Leonardo (iVIafíuel) 
Ferreira Lobo (Boque) 
Ferreira Hkchado (Simão) 
Ferreira de Ma lios (José) 



.1203, 



847. 



7 IH, 
J07. 
745. 

108f. 
86o. 

Í300, 
186. 
48L 
403= 
43 L 

6iL 
1150. 

827. 

J006. 
1636. 

33 L 

83 k 

1237c 

I30L 

227. 

111. 125. 

1498. 

I46S. 

IS99. 

C>62. 

498, 
n88. 

23 k 

866. 

39L 



Ferreira de Seabra (Manuel) 

Ferreira da Silva (Silvestre) 

Ferreira e Sousa ((bernardo Aveliíio) 

Fiallu) Ferreira (António) 

Fignitiere (Jorge César de) 

Figaiiiere e iMorào (Joaquim César de) 

Fif^uciredo (José Anastácio de) 

Figueiredo (Manuel de) 

Fi-ueiredo (Fr. Manuel de) 58, 97. 13 

"l2r>3. Í320. ÍJ6k 1589,. 
Figueiredo (Fr. Manuel de) 
Figueiredo (Pedro José da) 99, 176. 
Fonseca (P., Francisco da) 
Fonseca (Fr/ Joào Marianno de Nossa Se 

do Carmo) 
Fonseca (João Mendes da) 
Fonseca (José Gonçalves da) 
Fonseca (.\lanuel da) 
Fonseca Magalhães (Rodrigo da) 
Forjaz de Sampaio (Adriào Pereira) 
Fr. Fortunato de S. Boaventura. 9â, i!2L 
Fs-agoso (Jacinto da Moita) 
Francisco de Abneu. Vide Styenm de, 

(Manuel) 
Fr. Francisco àe AracíBii. 
Fr> Francisco de S, João Marcos. 
D. Francisco Manuel de Mello. 
Francisco de Mello, 
D. Francisco de Nossa Senhora. 
Fr. Francisco da Porciuncula. 
P. Francisco de Santa Maria, 33, 

Fr. Francisco de Santiago. 
Fr. Francisco do Santíssimo Sacra íiiento. 
Francjsc.) Xavier Freire de Aodrade. Vide 

teiro (P. Manuel) 



77G, 



no. 

398. 
l. 148. 

1075.. 

377 
ohora 



1588. 
, 7 40. 



476. 
1251. 

836. 
1390» 

673. 



ím4. 

!30i 



mi 



mê 

Franco (P, Aiítonio) 

Franco (Fr. João) 

Franco Èarreto (João) 

Freire (D. Arítoiiio da Visitação) 

Freire (Fraocisco José) 27. Í28. 43i. I!â7, 

Freire de Andrade (Jacinto) 

Freire de Carvalho (André) 

Freire de Carvalho (José Liberato) 

Freire de Mello (Francisco) 

Frias (Âiiionso João de) 

Fróes (P. Luii) 
Galvão (António) 

Gfílvào (Duarte) 

Galvão de Lacerda (Gonçalo Manuel) 

Galvão Pereira (Anloiiio Mexia Footo) 

Gama (Filsppe José da) 

Gansa Lobo (D, Francisco de Figueiredo da) 

Garção de Mello (Daniel) 

P. Gaspar Affonso, 

¥r. Gaspar de S« Beroardioo 

Fro Gaspar da Cruz, 

Fr. Gaspar da Madre de Deus, 

Gaspar dos ileis. 

Gavy de Mendonça (Agostinho de) 

Glohysio Freire (Komnaldo) 1208. 

Godinho (P. Manuel) 937, 

Godinho Cardosf) (Manuel) 

Godinho de Heredia (Manuel) 

Godinho de Niza (Jercovrao) ' 

Góes (Díuniào de) |22. 

Gomes (P. André) 

Gomes (António) 

Gomes de Brito (Bernardo) 

Gomeg Carneiro (Diogo) 

Goraes da CruE (José) 



1292. 
1572. 

212. 
líOi. 
Í563. 
1142. 

370. 

661, 

900. 
1/iGL 

899. 

90, 

1 1 40, 

464» 
1 i 1 9.^ 

325. 

813, 
106?. 

917. 

918, 

825. 
I3S3. 

990. 
1 190. 
J59f. 
1076, 

938. 
I í i6. 

fiL 
J633. 
J637. 
1058. 

9^^9. 
1169. 



331 



Gomes de Sequeira (Francisco) 

Fr. Gonçalo de S. José. 

Gonçalo Vaz. 

Gonçalves dos Santos (P. Luiz) 

Gonzaga (P. Luiz) 

Gouvea (Fr. António de) 

Gouvea (D. Caetano de) 

Gouvea (D. Jorge de) 

Gouvea Pinto (António Joaquim de) 5 

Gregório de Almeida. Vide Vasconcellos (P. 
Joào de) 

Guerreiro ( Afifo nso) 

Guerreiro (P. Bartholomeu) 81 í. 

Guerreiro (P. Fernão) 

Guerreiro (P, Francisco) 

Guimarães (Isidoro Francisco) 

Guimarães e Freitas (José de Aquino) 

Gusmão (P. João de) 

I). Henrique (Cardeal) 

Ir. Henrique de Saoío Antooio. 

Henrique Dias. 

Herculano de Carvalho (Alexandre) 

D. Inofre Chirino. Vide Sousa Castello Branco 
(Pedro de) 

Jaboatào (Fr. António de Santa Maria) 

Fr. Jacinto de Deus. 1452. 

Jacinto Machado de Sousa. Vide Barbosa Ma- 
chado (foiíacio) 

D. Jayme, Duque de Bragança. 

D. Jayme de Mello. Vide Duque de Cadaval. 

Jeronymo de Andrade. Vide Ferreira Leonar- 
do (Manuel) 

Fr. Jeronymo de Belém. 1306. 

Fr. Jeronymo Emiliano. 

Jerónimo Estoquete. 



1562. 
1644. 

186. 

844, 
1395. 
1444. 
1109. 
1458. 

634. 

219, 
153. 

1445. 

1448. 

948. 

828. 

927. 
1386. 

163. 
1303. 
1065. 



402. 

805, 

1508. 

919. 
1004. 



1 1 88. 
1571. 
1144. 
1145. 



si 



38 



j. 



Fr. Jeronymo de S. José 

Fr* Joào de Saritj Ambrósio, 

Fr. Jorio Baptista de Santo Antónia. 

Jo-lo Bero:!rdí) da Uocím. 

Fr. J âo de S Boaventura» 

Jo.r.) d.' Gurvalho. Vide 'Cosia (Vicíorlno Jjsé 
da) 

Fr. J.íilo das rjmgas» 

P. Jíào Ghevalier. 

P. Joàí) Co!. 

Fr. .foâí) <lc Jesii Chrisío. 

D J(»ri',) de Nossa Se:]hora da Poria» 

Fr. Joàí) de S. Pedro. 

Fr. Lnio do Sacra rsirnto. 

]) Joào do Santa Maria de Jf\s- s. ■ 

Fr. Joa(|síim de Santo Agostinho. 

Fr. J.,aqisiííi Hodrigiies, 

Joaffui.o iÍHlrio.yes Pimenta. ViãeCemcuh (D. 

Fr. Mao^iel do) 
feí-Aí-carsio de Tavares. Vide Morganti (Bento) 
Fr. José Gaelana. 
José Clemente. 
D. José de Faro. 
Fr. José de Jesus Maria. 
Fr. José de Jesus Maria. 
1). José Maria de Mello. 
Fr. José de Santa Kosa. 
Jnliào da Gost^ (António) 
Kopke (Diogo) 

Lacerda (Manuel de Castro Corrêa de) - 
Lagrange Monteiro de Barbuda (Clau «io^ 6"]^ 
Lavanha (.íoâo Baptista) 167.' 920. 

Leal (Jí)sé Joaquim) 
Leal (Manuel Pereira da Siiva) 



1307. 



i%. 



63!. 

iVò± 

922. 
í2o2. 
í 1 5 l, 

UJi6. 
43. ili. 

HoO. 



|f8G. 
1055. 
1576. 
I 578. 
ÍÍ6Q. 
1310. 
I3IL 
1579. 
1582. 

801. 
17, 

492, 

955. 
1067. 

761. 
1265. 



Leandro Borca Cáceres c Faria, lide Corrêa 
de Lacerda (I). Fernando) 

Fr. Lefío de S. Thomaz. 

Leitão de Andrade (Víiguel) 

Leilão e Carvalhosa (Manuel Francisco de Bar- 
ros e Sousa da i^lesquita de Macedo). Vide 
Visconde de Santarém. 

Leilão Coutinho (Dionisio Mi<?uel) 

Leitão Ferreira (Francisco) 29. 379. 1128. 

Leitào da Silva (Francisco) 

Lemos (Jorge de) 

D. Leonardo de S. José. 

Leonardo Ta es. 

Lima (D. Luiz Caetano de) 39 1 

Lima Bezerra (Marsue! Gomes de) 

Lisboa (Balíhasar da Silva) 

Li4i()a (1). Fr. Chnslovào de) 

Lisboa (José da Silva) 

Liz Velho (Fslevào de) 

Lobo (D. Fraííci>co Alexandre) 613. 

Lobo Boíeibo (Fraoeisco da Gama) 

Lopes (Joaqisim José Pedro) 46, 

Lopes de Lima (José Joaquim) 

Lopes Rocha (António da Silva) 

Lopes \'ooado (P. Manue!) 

Loureiro (Manuel José Gomes) 

Lousada de Araújo e Azevedo' (Manuel Feli- 
cissimo) 

Fr. Luras de Santa Calharina. 1176. 1315. 

Lucena (Affonso de) 

Lucena (P. Joào de) 

Lucena (Vasco Fernandes de"! 

S. Luiz (1). Franrisco de) 30. 93. 1Í2. 129. 
742. 915. 1129. íii'2. 124L 1486. 

Fr, Luiz dos Anjos, 



333 

324 

1314. 

175. 



1505. 
1250. 

206. 

925. 
1394. 

933. 
, 7í)6,r 

778. 

810. 

203, 

489. 
1552. 
11*22. 

640, 

658. 
1018. 
^ 635. 
1592. 
, 939, 

936. 
1515. 



1584, 



Fr. Luiz d'Apresentaçl!o, 1585. 

D. Luiz da Cunha. 439. 

Fr. Luiz de Jesus. 1316. 

Macedo (Ignacio José de) 39. 

Macedo (Joaquim José da Cosia de) 45. 
Macedo (P. José Agostinho de) ' 6. 660. 1160. 

Macedo (P. Manuel de) 1594. 
Macedo e Albuquerque (Diogo Rangel de) 375. M 13. 

Machado (Bento José) 1352. 

Machado (José da Silva) 932. 

Machado de Castro (JoaquiíB) 435. 

Macie! (Fiiippe) 11 20. 

Maciel Aranha (Boaventura) ' 1107. i^l6. 

Madeira Torres (Manuel Agostinho) 773. 

Magalhães (João Luiz de) 1250. 

Magalhães (Joaquim António de) 646. 657. 

Magalhães (P. Sebastião de) 1471. 

Magalhães de Gandavo (Pêro de) 855. 

Magdalena de S. Pedro ^(Soror Maria) 1331. 
P. Manuel de Almeida Corrêa. Vide Çoode da 

Ericeira (Quarto) 1136. 

Fr. Manuel de Santo Ambrósio. 1 183. 

Fr. Manuel do Bom Jesus. 775. 

Fr. Manuel de S, Caetano Damásio 1318. 

Fr. Manuel das Chagas. 1397. 1648. 

Fr. Manuel de Coimbra. 1463. 

Fr. Manuel da Croz. 22 íi, 

Fr. Manuel de S. Dâmaso. 1488. 

D. Manuel da Encarnação, 1260. 

Fr. Manuel da Esperança. 1319. 

Manuel Fernandes. 1261. 

Fr. Manuel Homem. 227. 

Fr. Manuel de S. Luiz. 1593. 

Fr. Manuel de Santa Luzia. 1321. 

Fr. Manuel de Maria Santissima. 1322. 



?.n 



Manuel Pereira de Macedo de Vasconceilos 

Vide Macedo (P. Maouel de) 
Fr. Manuel de Sá. í 326, 

Fr. Manuel do Sepulchro. 
P. Manuel da Veiga. 1466. 

P. Manuel Xavier. 
Fr. Marcos de Lisboa. 

D. Maria Antónia de S. Boaventura e Menezes 
Soror Maria Baptista. 

Marinho de Azevedo (Luiz) 222. 769. 

Mariz (Pedro de) 66. 

Marques (Manueí) 
Marques Moreira (P. João) 
Marques Pinto (João) 
Marques Kezende (Manuel) 
Marques Salgueiro (P. Diogo) 
Marquez de Alegrete. 400. 

Marquez de Alorna. 
Marquez de Lavradio. 
Marquez de Pombal. 
Marquez de Rezende. 

Marquez de Valença (Segundo) 380. 

Marquez de Valença (Terceiro) 55. 147. 

Fr. Martinho do Amor de Deus. 
Fr. Martinho de S. José, 
Martins de Araújo (Miguel) 
Míirtins Ferreira (José) 
Blaríins Pereira (Anlonio) 
Mascarenhas (P. Ignacio) 
Blascarenhas Melo (José Diogo) 
P. í\talhias da Maia. 
Matta (P. Jeronyroo José da) 
Matia e Faria (Francisco António da) 
Matííís (P^ Gabriel de) 
Mattos Corrêa (Joaquim José Gonçalves de) 



1398, 

1079. 

1595. 
91! 

1328. 

1467. 

1329. 

1180. 

1368. 
229, 
213, 
830. 



336 



Matioso (Luiz Montez) - 1ÔT3. 

Fr. Maoricio da Croz, 

Maiímo Vaz Botelho e Vedras. Vide Sousa 
Mexia (Bartbolomeu de) 

Medeiros Corrêa (João de) 83!. 

Meirelles (Manuel Antooio de) 

Mello de Castro (lulio de) 

Mello Freire (Paschoaí José de) 

Mello Pereira (Diogo de) 

Bfelroezi (Angelo Amado) 

Mendes Pinto (Fernão) 

Mendo Trigoso (Sebastião Francisco de) 86 í 
Í028. 1209. 

Mendonça (Jeronymo de) 

Mendonça (José Lourenço Domingues de) 

Mendonça Falcão (Agostinho de) 

Pdenezes (D. Aleixo de) 

Menezes (Bento António de) 

Memies (D. Fernando de) 

Menezes (D, Fernando de). Vide Conde da 
Ericeira (Segundo). 

Meneies (D. Francisco Xavier de). Vide Con- 
de da Ericeira (Quarto), 

Menezes (José Homem de) 

Menezes (D, Luiz de). Vide Conde da Ericei- 
ra (Terceiro). 

Meneses (D. Manuel de) 

Menezes da Magalhães (Igoacio de Sousa Li- 
ma e) 

Mesqoila (Manoel Jacome de) 

Mesquita Peresirello (Manoel de) 

Mesquita e Quadros (José Caetano de) 1163. 

Meiia GahSo (Loorenço Anastácio) il75. 

Mklosi (Paolo) 

Fr= Miguel dois Almas Saoias. 



1359- 
1597- 

1105, 

1 í 52. 

935, 

1174 

1516. 

18. 
428. 
913. 
946. 

165. 
53. 
718. 
155. 
430. 
159. 



66. 



172. 

472, 
228. 

1077, 

1577. 

1583. 
671, 

1468. 



1264. 
1245. 
Í33B. 



D. Miguel da Encarnação, 
Miguel de Moura. 
Militno (José Joaquim) 
Moniz de Carvalho (António) 
Monforte (Fr. Francisco de) 
Monforte (Fr. Manuel de) 
Montarroyo Mascarenhas (José Freire de) 
S3S. 929. 1017. 1168. 1255. 1398 
Monte Alverne (Fr. Francisco do) 
Monteiro (Diogo) 

Monteiro (P. Manuel) 60. 1192 

Monteiro (D. Nicolau) 
Monteiro (Fr. Pedro) 
Monteiro e Azevedo (João António) 
Monteiro da Vide (D. Sebastião) 
Monteverde (Emilio Achilles) 
Moraes Mendonça (Manuel António dej 
Moraes Pereira (Fraocisco Raymundo de) 
Moraes Silva (António de) 
Moreira de Mendonça (Joaquim José) 
Morganti (Bento) 373. 731. 

Motia Feo (Luiz da) 

Moura (Fr. José de Santo Antooio) 926. 

Moura Coutinho (José Joaquim de Almeida) 
Moura e Lemos (Luiz António lonocencio de) 
Mousinho de Albuquerque (Luiz da Silva) 661 
Nascimento (P. Francisco Manuel do) 
Nascimento Silveira (P. Francisco do) 
Natividade (Fr. José da) 
Nery Xavier (Filippe) 
Neves de Carvalho (Joào da Cunha) 
Neves Sampaio (Manuel Henriques' da§) 
Nicolau Agostinho. 
Fr. Nicolau Dias. 
P. Nicolau Pimenta. 



743. 
438. 

24 



1268. 
Iâ02. 

437. 

197. 
1310. 
1323. 
. 392. 
59. 
i!3i 
1549. 
1324. 
1269. 
1489, 

474 

1608. 

22, 

774. 

916, 
6. 36. 
1069. 
1055. 
1182. 
1014. 

603. 

490. 
. 772. 

141 
1565. 
1358, 
. 914. 
1509, 
1024 
I600-. 

tas. 

Í4T0. 



338 



D. Píicolao de Saoia Maria. 

Hobrega (Anlonio Isidoro da) 

Norooba (D. Carlos de) 

Worooiía (D. Feroaudo de). Vide Coode de 

Monsaoto. 
Norooba (Fr. Henrique de) 
Noronha (D. Maoiiel de) 
Horooha (O, Sancho de) 
Nunes da Ciirslia (João) 
-Nunes Franklin (Fraiicisco) 
Nuoes do Leão (Doarie) 21 

Oliveira (Antí)nio de) 
Oliveira (Christovao Rodrigues de) 
Oliveira (Joào de) 
Oliveira fFr. Nicolau de) 
Oliveira (Nicolau Pedro de) 
Oliveira Oaslos (Masiiiel losé de) 
Oliveira e Dauo (JoSo Carlos de Saldaoba de) 
01i\eira e Daiui (José Sebastião de Saldoiiba) 

605, 
Oliveira Ferreira (Mao^iel de) 
Oliveira Freire (Âoíonio de) 
Oliveira Kolao (Jorge Gaspar de'i 
Osório (Fr. Christovao) 
Osório (D. Jeronymo) 
Paes Viegas (António) 
Paiva de Aodrade (Diogo de) 
Fr. Paotaleao d'Av8Íro, 
Panialeão da Silva. 

Passos (José da Silva, e Manuel da Silva) 
Paulo Dias de Niza» Vide Cardoso (P. Luiz) 
Paulo de Porlalegre. 
Fr. Paulo do Rosário. 
Pedegache (Migoel Tibério) 
Fr. Fedro de Jesus Maria José, 



1333, 

372. 

1 503. 



113= 

329. 

186= 

214. 
II 32-. 
, 736. 

994. 

73 i 
I387< 

783. 
1203. 

ô50« 

653. 

488. 

1323. 

728< 

758, 
1299, 

166. 

198. 

9U. 
Í399. 

666. 
1257. 

136. 

853. 

ím%. 

133^ 



339 



Pegas (Manuel Alvares) 

Pereira (António) 

Pereira de Brito (Fernando) 

Pereira de Castro (Gabriel) 

Pereira da Cruz (P. Francisco) 

Pereira de Figueiredo (P. António) 7. 88. 429. 
1101. 1233. Í539. 

Pereira de Lacerda (João António de Lemos). 
Vide Visconde de Juromenha. 

Pereira do Lago (António Bernardino) 

Pereira Rei (Alberto) 

Pereira de Sant'Anna (Fr. José) 1312. 

Pereira da Silva (José do Nascimento) 

Pimenta de Aguiar (Albino) 

Pina (Kuy de) lOL 1!7, 

Pina e Proença (Martinho de Mendonça de) 

Pinheiro (António) 152 

Pinheiro (D. Diogo) 

Pinheiro (D. Kodrigo) 

Pinheiro Ferreira (Silvestre) 

Pinheiro Furtado (Èosebio Cândido Cordeiro) 

Pinto de Carvalho (José Guedes) 

Pinto Pereira (António) 

Pinto Pizarro (Rodrigo) 674. 

Pinto Ribeiro (Joào) ' 215. 1155. 

Pinto Rodrigues (Antooio Patrício) 

Pires Cinza (Diogo) Í550. 

Pizarro e Araújo (José de Sousa Azevedo) 

Portugal (D. José Miguel João de). Vide Mar- 
quez de Valença (Terceiro). 

Portugal e Castro (D. Francisco Paulo de). 
Vide Marquez de Valença (Segundo). 

Portugal e Castro (D, Miguei Lúcio Francis- 
co de) 

Poyares (Fr, Pedro de) 



1360. 
1500. 
1553. 
1244. 
1355. 
Í054. 



802. 

1375. 

1580. 

393. 

631 
, 137 

782, 
- 186.. 

123. 

177. 

676. 

610. 
1511, 

901 
1206. 
1253. 

729. 
1639. 

840. 



40L 
78S. 



.140 



Prado (Fr. Joào de S. José do) 387, 

Prazeres (Fr. João dos) ' 1457. 

Purificação (Fr. Ântoiíio da) 1294. 

Purificação (Fr, José da) ' ÍBÍ4, 

Purificação (Fr. Miguei da) ' 1469. 

Queiroz (P. Fernando- de) 1554. 

Quiotella (Ignacio da Costa) 38. 

Fr. Rafael de Jesus. ' 68. 859. 

Rafael de Sá Bayesca eMontarrôyo. Flde Cos- 
ta e Saboya (Manuel Ferreira da) 397. 

Baogel (P. Francisco) ' 1449. 

Bangeí (Manuel) ' 1078, 

Bangel (Fr. Miguel) Í484. 1649, 

Balíoii (Jacome) 40. 

Bebelío (P. Amador) 1439. 

Eebello (Francisco de Sousa da Silva Alcofo- 
rado) 

Bebello da Costa (Agostinho) 

Bebello Leite (Braz José) 

Bebello Veloso (João) 

Bego (Pedro Vaz) 

Hego (P, Sebastião do) 

Beiende (André de) ' !39, 72 L I 

Bezende (Garcia de) 



bafria (André de Albuquerque) 
beiro (António Pedro) 
beiro (João) 
ibeiro (João Fedro) 

beiro (Joaquim António) 

beiro (P. Matheus) 

beiro Coutinho (André) 

beiro Coutinho (Paschoal) 

beiro Dosguiníiaràes (Francisco) 

beiro de Macedo (Duarte) 

beiro de Sampaio (Francisco Xavier) 



1566. 

719, 
1108. 

216. 

333. 
Í609, 

530. 

130, 

194. 
1377. 

923. 

752. 
1010. 
1367. 

893. 

1602. 

94. 

91. 323. 

744, 823. 



41, 



341 



8. 806. 
61. 



334, 863. 



902. 



Ribeiro dos Santos (António) 

Rocha (Fr. Manuel da) 

Rocha e Mello (Caetano José da) 

Rocha Peniz (José Ignacio da) 

Rocha Pitta (Sebastião da) 

Rodrigues (P. Francisco) 

Rodrigues (Manuel) 

Rodrigues (Miguel) 

Rodrigues de Almada (P. António) 

Rodrigues de Brito (Joaquinti José) 

Rodrigues das Chagas (Cypriano José) 

Rodrigues da Gosta (António) 318. 

Rodrigues Freire (José) 

Rodrigues Leitão (P. Manuel) 

Rodrigues Pereira (Isidoro) 

Rodrigues da Silva (Estevão José) 

Roger (José) 

Romualdo António. 

Roquete (José Joaquim) 

Rosa (António Joaquim da) 

Rosa (Fernando António da) 

Rosado da Cunha (Luiz António) 

Ruy Fernandes. 

Sá (Joaquim Francisco de) 

Sá (José António de) 

Sá e Menezes (João Rodrigues de) 

Saldanha da Gama (António de). Vide Conde 

de Porto Santo. 
Salgado (Fr. Vicente) 
Salgado de Araújo (João) 
Sampaio (António da Silva) 
Sande (P. Duarte de) 
Sant'Anna Braga (Fr. Manuel de) 
Santa Martha (Theodosio de) 
Santa Rita Carvalho (Antooio Feliciaido de) 



Si. 482. 



I2T4. 



1102. 

1193. 

10o9. 

1256. 

1211 

1643. 

230. 

943, 

199. 
47. 

998. 

995, 

839. 
1266. 

473. 

468. 

931 

860. 

838. 

462. 

376. 

842. 

786. 
10Í2. 
1161 

217. 



1339. 

2!8. 
1103. 
1641. 
1362. 
1213. 

898, 



173, 



■ÍÍ94. 



Santos (Fr^ João dos) 

Santos (Fr. Manuel dos) 62, 

Santos Ferreira (João de Sousa dos) 

Sarmento (Fr. Sebastião) 

Sarre (P. José António de) 

Seabra Pimentel (Fr. Timotheo de) 

Seabra da Silva (José de) 

I). Sebastião (Elrei) 

Seixas (Doníiingos Dias) 

Sepúlveda (Francisco Xavier Gomes de) 

Sequeira (Francisco de) 

Serafins Pitarra (Francisco Xavier dos) 

Severim de Faria (Manoel) 63. 174.- 

Silva (P. António da) 

Silva (Elias Alexandre e) 

Silva (Joaquim Roberto da) 

Silva (José Joaquim da) 

Silva Brandão (Joaquim José da) 

Silva Corrêa (Pedro da) 

Silva Freire (Manoel Thomaz da) 

Silva Giraldes (José Firrain;) da) 

Silva Lopes (João Baptista da) 

Silva Paes (Sariliolomeu José da) 

Silva Pimentel (P. Marcellioo da) 

Silva Rego (José António da) 

Silva e Sousa (P. Luiz António da) 

Silva Sootomaior (Caetano José da) 

Silva e Veiga (Manuel Francisco da) 848 

Silveira (Fr. António da) 

Silveira Lara (Manuel José da) 

Fr. Simão Coelho. 

Fr. Simão da Luz. 

Simões Boussado (Manoel) 

Soâres (P. Diogo) 

Sonres (Fr. Joaqpim) 



1007. 
1327. 
11 57o 
1401. 

436. 

236. 
1313. 

178. 
1551. 

471. 
1001. 
66. 
1267. 
1541. 
1061. 
1389. 

48 i. 

389. 
1026. 

443. 

1 1 67. 

650. 75Í. 

906. 
1080. 

759. 

8i3. 
1235. 
1190. 

121. 
64. 
1336. 
1 i72. 
1365. 
1380. 

479. 



343 



1 

42. 754. í 

1317. 1 

64. 

1184. 1 



Soares de Abreu (Christovao) 

Soares de Avellar (Filippe Nery) 

Soares Lima (João Pedro) 655. 

Soares da Silva (José) 

Soares de Sousa (Gabriel) 

Soares Soutomaior (Garcia) 

Soares Toscano (Francisco) 1 

Solano Constâncio (Francisco) 

Sousa (D. António Caetano de) 3. 35. 803. 
992. 1232. 1535. 

Sousa (Feliciano Joaquim de) 

Sousa (P. Francisco de) 

Sousa (Fr. João de) 

Sousa (Fr. Luiz de) 

Sousa (Manuel de) 

Sousa (D. Manuel Caetano de) 

Sousa (Pêro Lopes de) 

Sousa Bacellar (Manuel da Gunba de Andrade e) 1 

Sousa Caria (João de) 388. 1 

Sousa Castello Branco (Pedro de) 67. 

Sousa Coutinlio (D. Francisco Innocencio de) 

5ousa Coutinho (Lopo de) 

Sousa Coutinho (Matheus de) 65. 

Sousa Falcão (Luiz Francisco Soares de) 1 

Sousa Farinha (Bento José de) 

Sousa de Macedo (António de) 200. 

Sousa Mexia (Bartholomeu de) i 

Sousa Monteiro (Dâmaso Luiz de) 

Sousa Monteiro (José Maria de) 

Sousa Pereira (Pedro de) 

Sousa Tavares (António de) I 

Sousa Vaz (Francisco de Assiz e) 1 

Soutomaior (Jorge de Sá) 

Soutomaior e Castro (Lourenço de Mesquita Pi- 
mentel) 

44 



321. 
642. 
753. 
133. 
824. 
208. 
135. 
820. 
896. 

815. 
450, 
008. 
586, 
940. 
259. 
857. 
187. 
156. 
402. 
378. 
934. 

98. 
178. 
730- 
319. 
105, 
639. 

54. 
100. 
351. 
124. 
169. 

764, 



Souto Rodrigues (João José do) 475. 

Soveral (Fr. Roque do) 1369. 

Stockler (António Nicolau de Moura) 465. 

Stockler (Francisco de Borja Garção) 25. 469. 1125. 

Tavares (P. Manuel) 1195. 

Tavares de Brito (Francisco) 821. 

Tavares de^ Carvalho (Manuel)'" ,^ 1366. 

Távora (Álvaro Pires de) ^ 1098. 

Teixeira (Fr. Domingos) '' 1114. 

Teixeira de Aguiar (Dionisio) 89. 

Teixeira de Carvalho (Manuel) 442. 

Teixeira Feio (Bento) 1056. 

Teixeira Pinto (Bento) 1057. 

Telles (P. Balthasar) 997. 1296. 

Telles da Silva (Manuel). Vide Marquez de Ale- 
grete. 

Telles da Silva (Manuel). Vide Conde de Vil- 
lar Maior. 

Tenreiro (António) 904. 

P. Theodoro d'Almeida. 1212. 

D. Timotheo dos Martyres. 1612. 

Fr. Thomaz de Aquino. 1337. 

Thomaz Xavier Muzeda e Lobo. Vide Sousa 

Mexia (Bartholomeu de) 1105. 

Tojal da Silva (D, Manuel do) 1198. 

Torres de Lima (Luiz de) 171. 

Trigoso de Aragão Morato (Francisco Manuel) 32. 470. 
647. 1130. 

Trovão e Sousa (José de Oliveira) 1071. 1173. 

Valentim Fernandes. 947. 

Valeriano da Costa Freire. Vide Barbosa Ma- 
chado (ígnacio) 1141. 

Valle (Joaquim Rafael do) 659. 

Varella (Joaquim José) 755. 

Varnhagen(FranciscoAdolphode)737. 816. 857. 1015. 



3i5 



Vasconcellos (P. Ignacio da Piedade e) 
Vasconcellos (P. João de) 
Vasconcellos (João José Pinto e) 
Vasconcellos (Luiz Mendes de) 
Vasconcellos (Fr. Paulo de) 
Vasconcellos (P. Siníião de) 867. 

Vasconcellos Mascarenhas (José Maria) 
Velasco de Gouvea (Francisco) 
Velasques Sarmento (D. José de Alarcão) 
Velez Guerreiro (João Tavares de) 
Veloso 6 Gama (Miguel Marcellino) 
Veloso de Lyra (António) 
Ventura da Silva (Joaquim José) 
D. Veríssimo. 

Vicente de Gusmão Soares. Vide Sá e Mene- 
zes (João Rodrigues de) 
Vieira (P. António) 
Vieira de Araújo (Manuel António) 
Villasboas (Francisco de Paula) 
Villasboas e Sampaio (António de) 
Villela da Silva (Luiz Duarte) 7G8. 1Í77. 
Visconde da Carreira. 
Visconde de Juromenha. 
Visconde de Santarém. 59. 1002. 

Wever (P. António) 
Xavier (Francisco) 
Xavier de Alcáçova (Gonçalo) 
Xavier Botelho (Sebastião) 496. 67o. 

Xavier de Mattos (João) 
Xavier Monteiro (António José) 
Xavier de Oliveira (Francisco) 
Xavier do Rego (D. Francisco) 
Xavier da Silva (Francisco) 
Xavier da Silva (P. Francisco) 
Zuzarte (Fr. Pedro da Cruz) 



747. 

219. 
1151. 

771. 
1517. 
1611. 

487. 

207. 
49. 

924. 

851. 

201. 

756. 

788. 

217. 

808. 

1361. 

1133. 

10. 

1258. 

1019. 

749. 

1023. 

15i2. 
1567. 

746. 
1029. 
1158. 
1499. 
1137. 
1568. 
1569. 

382- 
1603. 



:<fi: 



índice das matérias. 



PARTE PRIMEIRA. 



TITULO 1.** Memorias e Escriplos relativos em ge- 
ral á Historia atestes Beinos ......... pag. 1 

TITULO 2.** Chronicas e Memorias dos Senhores 
Conde D. Henrique, e da Rainha D. Thereza ; 
D. Affonso Henriques, D. Sancho I. D. Affon^ 
so 11. D. Sancho 11. e de seus fdhos . 20 

TITULO 3.° Chronicas e Memorias dos Senhores J), 
Affonso HL D. Diniz, e da Rainha Santa Isa- 
bel ; D. Affonso IV. D. Pedro /. D. Fernan- 
do, e de seus filhos. 24 

TITULO 4.° Chronicas e Memorias dos Senhores 
Z). João I. D. Duarte, D. Affonso V. D. João 
II. e de seus filhos. .................... 27 

TITULO 5.° Chronicas e Memorias dos Senhores D. 
Manuel, D. João III. e de seus filhos 33 

TITULO 6.° Memorias d'*Elrei D. Sebastião, do 
Cardeal D. Henrique, e da usurpação dos Fi- 
lippes de Castella 38 

TITULO 7.° Memorias e Escriptos do reinado do 
Senhor D. João /F. . . . 47 

TITULO 8.° Memorias e Escriptos do reinado do 
Senhor D. Affonso VI. Noticias relativas ao 
Senhor D. Pedro II. e seus Sereníssimos filhos. 67 

TITULO 9.** Memorias do reinado do Senhor D. 
João V. e Noticias de seus Sereníssimos filhos. 77 

TITULO 10.° Memorias e Escriptos do reinado do 
Senhor D. José. 87 



348 

TITULO 11." Memorias e Escriptos relativos ao 
reinado da Senhora D. Maria I. e ao do Sc- 
nhor D. João VI , , . . , . . . . . . . ...... . . . . 93 

TITULO 12.° Memorias e Escriptos relativos ao 
Senhor D. Pedro IV. ao governo da usurpação, 
e ao reinado da Senhora D. Maria II, 113 

PARTE SEGUNDA. 

TITULO 1.° Antiguidades. Descripção geographica 
e topographica do Reino de Portugal^ e Illias ad- 
jacentes ; relação de suas Provindas, Comarcas, 
Cidades, Yillas, Monumentos, ele. ...... pag, 127 

TITULO 2."^ Memorias e Escriptos relativos á Ame- 
rica. . , . . . . 142 

TITULO 3.° Relações e Noticias da Ásia 159 

TiTDLO 4.° Memorias e Noticias de Africa 185 

TITULO 5.° Saccessos trágicos, marítimos e ter- 
restres : Relações de Naufrágios, Terremotos, ele, 197 
TITULO 6.° Vidas e Elogios de Varões Illustres 
; Portuguezes 20o 

PARTE TERCEIRA. 



TITULO 1.° Memorias Ecclesiasticas das differentes 
Dioceses do Reino e Ilhas adjacentes : Catalogo 
de seus Rispos, etc. . pag, 233 

TITULO 2.° Chronicas e Memorias das Ordens Re- 
ligiosas: Fundações de Conventos ^ ele 244 

TITULO 3." Historias e Relações das Imagens que 
se veneram em Portugal, e suas Conquistas. . . 2o6 

TITULO 4.*' Relações de festas pelas canonisações 
de Santos '. Procissões, ele 262 

TITULO 5.^ Relações das Missões : Cartas Edifi- 
cantes, ele 271 



349 

TITULO 6.° Noticia das Inquisições d'este ReinOy e 

suas Conquistas 286 

TiTCLO 7.° Memorias e Escriptos relativos ás Or- 

dens Militares 289 

TITULO 8° Vidas e Elogios de SanloSf e Varões 
lllustres em Virtude^ do Reino de Portugal e 

suas Conquistas. 296 

Additamento 313 

Explicação dos Signaes e Abbrematuras 317 

Índice dos Auctores 319 



*<i,.iw.; j* (>• 



Sobremaneira grato ás honrosas expressões com que 
alguns jornaes lilterarios da capital se dignaram re- 
commendar ao publico este livro, pedimos vénia para 
transcrever em seguida os artigos que a elle se refe»* 
rem, tributando a seus auctores os nossos maiscordeaes 
agradecimentos pelo benévolo acolhimento que lhes me- 
recemos. 

Eis o que se lia na Revista Universal, num. 4, de 
21 de Outubro de 1841: 



tí Bihliographia Histórica Portugueza, ou Catalogo Methoãi' 
CO dos Auctores Portuguezes , ele. Tão pouco lidos andara os 
antigos escriptores portuguezes que muitas pessoas ha, não 
de todo hospedes nas lettras, que apenas pelos nomes os co- 
nhecem, sem que possam dar relação nem ao menos do ti- 
tulo de suas obras. Grave mal, por certo, e mui de lamen- 
tar, exclama com justa rasão um iííustre contemporâneo, é 
tal, e tão ingrato desamor áquelles que assim lidaram em 
suas doutas vigílias, ou para nos transmitlirem as heróicas 
façanhas de nossos antepassados, ou para nos doutrinar com 
virtuosos conselhos, ou para nos consolarem com um brado 
de poesia de mais singelas eras, ou, finalmente, para nos 
herdarem sua seiencia, que muita, e boa, a tiveram. . . Sa- 
bemos, sim, quaes são os documentos em que estribam glo- 
rias aiheias ; ignorámos quaes sejam os da prppria, ou se os 
conhecemos é porque estranhos no-los apontam, viciando-os 
quasi sempre. Symptoma terrível da decadência de uma na- 
ção é este; porque o é da decadência da nacionalidade, a 
peior de todas; porque tal symptoma só apparece no corpo 
social quando esíe está a ponto de dissolver-se, ou quando 
um despotismo ferrenho poz os homens ao livel dos brutos. 

A falta de noticia dos auctores portuguezes que tractaram 
da historia nacional, concorre em grande parte para a igno- 
rância quasi absoluta de nossas cousas, que, não sem ver- 
gonha o dizemos, entre nós predomina. Já o nosso Barros 

45 



lamentava o desprezo d'estcs bons estudot quando dizia : «nâo 
louvámos muito a homens que dão rasão de toda a historia 
grega e romana, e se lhes perguntaes pelo rei passado do 
reino em que vivem não lhes sabem o nome.» 

Desejando o nosso amigo o sr. Jorge César de Fignniere 
trazer a mocidade estudiosa ao conhecimento e familiaridade 
dos nossos escripíorcs, sobre este importante assumpto, tem 
emprehendido, começado, e já mui adiantado o livro cujo 
titulo propozemos, onde depois de fazer menção de todos os 
escriptores que Iractaram em geral da historia d'esteR.eino, 
com o titulo por extenso de suas obras e edições, dá noticia, 
em capítulos separados, de todas as chronicas, memorias e 
historias relativas aos Senhores Reis d'este Reino, e seus 
Sereníssimos filhos, segundo a linha da successão. Em se- 
guimento refere os auctores que escreveram das nossas an- 
tiguidades, assim como da descripção geographica e topo- 
graphica do Reino; relação de suas províncias, comarcas, 
cidades, villas, etc. Osescriptos e memorias relativos á Ame- 
rica ; as relações e noticras do Oriente ; as memorias e no- 
ticias de Africa, occupam capítulos separados, como tam- 
hem as relações de naufrágios; as noticias e memorias acer- 
ca das Ordens Militares ; as vidas e elogios de varões illus- 
tres portuguezes. Designara-se os auctores que escreveram 
noticias e memorias para a Historia Ecclesiastica d'este Rei- 
no ; as chronicas das extinctas Ordens Regulares; as histo- 
rias e relações das imagens que se veneram era Portugal ; 
fundações de igrejas, Mosteiros, Casas professas, etc. ; e fi- 
nalmente as Cartas e Relações do Japão, Ethiopia, índia, 
etc. 

O publico ajuisará d'este grandioso trabalho pelo que 
d'elle deixamos succintamente denunciado. 

Se o sr. Figaniere não escreve a biographia dos auctores, 
nem tracta do mérito relativo de suas obras, como seria para 
desejar, é porque, mais aconselhado de sua consciência de- 
licada, e por ventura escrupulosa, do que de amor próprio, 
entende que tão vasta empreza só muitos homens, pondo em 
commum grande cabedal de préstimo e boa vontade, a po- 
deriam devidamente levar a cabo. Como quer que seja, os 
materíaes que elle já tem reunido e ordenado; o bom sys- 
tema com que procede ; e o seu génio perseverante e in- 
cançavel no trabalho, nos deixam com bons fundamentos es- 
perar que todos os litteratos festejarão o apparecimento de 
tao curioso livro, que a muitos outros antigos dará resurrei- 



cio, c grande auxilio deve de ser a quem para o diante ha- 
ja de estudar ou escrever assumptos históricos.» 

A png. 152 do Bibliopbilo, num. 3, do mcz de Ju- 
nho de 1849, acha-se impresso este paragrafo: 

«Mencionaremos com honrosa distincção uma obra do sr. 
Jorge César de Figaniere, zeloso bibliophilo, que tem por 
titulo : Bíbliographia Histórica Portugucza, ou Catalogo Mc- 
thodico dos au£tores Portuguezes, etc. Este precioso manus- 
cripto, que contamos começar a publicar no seguinte nu- 
mero do nosso Jornal, e que chega até o anno de 1842. « 
da mais escrupulosa exactidão, e de summa importância.» 

A Revista Universal Lisbonense, num. 32, de 16 
de Maio de 1850, expressa-se nestes termos; 

«Ha obras iitterarias, creaçõcs da imaginação e dolalenío, 
que a seus andores grangeiam nome e popularidade, com 
pequeno trabalho de composição, comparativamente a outros 
escriptos; e n'este caso eslão as poesias, em que o estro se 
levanta acima do obscuro enxame da mediocridade: outras 
ha, de mui laboriosa tarefa, que demandam a perseverante 
applicação de estudos, de averiguações, de consultas, e nas 
quaes se desvela o compilador para- não ser ommísso, receo- 
so de o ser á proporção quevae fazendo novos descobrimen- 
tos. O assiduo architecío de taes obras é a abelha industrio- 
sa, que prepara os favos para outros saborearem folgadamen- 
te. Não costuma, porém, ser coroada logo de applausos tão 
prestadia diligencia ; o tempo mostrando a necessidade de 
recorrer a escriptos d'esta natureza, lhes dá realce e preço. 

Convencidos d*esta verdade, e de que o simples annuncio 
de um livro ulíl não basta para que seja procurado, delibe- 
rámos escrever algumas linhas para indicar a valia d'esse 
que o sr. Figaniere vae publicando, e até ás Tolhas, para 
ser menos custosa a acquisição. Cumpre, portanto, apresen- 
tar o plano da Bihliographia Histórica Portugucza, que é 
distribuida segundo as seguintes secções geraes, e respecti- 
vas subdivisões. » 

Aqui transcreve o inâulgenle auctor do artigo o In- 



dice das matérias, quevae impresso a pag. 347 d'este 
volume, e continua : 

«Por esta siimmaria indicação facilmeE5te se conhece o pres- 
tante serviço que o sr. Figaniere tem feito aos portuguezes 
que, dignos d'eslenorae, presam a historia veneranda e glo- 
riosa da pátria. 

E não só todos os seus compatricios era geral lhe devem 
agradecimentos, porque lhes poz nas mãos as chaves dos the- 
souros históricos, porém mais particularmente os litteratos, 
que ou não tinham, ou só á custa de enfadonhas indagações 
podiam haver conhecimento dos auctores que lhes cumpria 
consultar. Ignoravam-se até os titulos de muitos livros: as- 
sumptos ha que ninguém se lembrava que fossem traclados 
por escriptores portuguezes. Quantas biographias, viagens, 
relações, descripções, etc. , jazem nas estantes das bibliothe- 
cas, vedando o esquecimento que os estudiosos podessem 
sacudir-lhes o pó! Pois de tantas cousas, algumas apenas 
curiosas, e muitas summamente interessantes, nos facilita 
noticia o catalogo melhodico que se intitula BiUiographia 
Histórica Poríugueza. 

Na epocha presente que o romance histórico adquiriu tan- 
ta yoga, e alguns engenhos teem feito tentativas felizes, apro- 
veitando assumptos nacionaes, grande vantagem tirarão os 
modernos escriptores de folhearem a Bibliographia, que lhes 
apontará as fontes d'onde poderão extrahir informações acer- 
ca de personagens, festas publicas, usos, costumes e trajos, 
bera como de um sem numero de particularidades de tem- 
pos antigos. O auctor dramático, o antiquário, o diplomáti- 
co, o que tracta controvérsias históricas ou politicas, em 
summa todos carecem de auxiliar a sua memoria com este 
livro, ou de procurar n'elle espécies novas. 

Para os curiosos a BiUiographia abre novos mananciaes 
de leitura, e, o que muito vai, de leitura portugueza, o que 
fará que melhor se entendam e se apreciem as cousas pátrias, 
e mais se introduza e fortaleça o habito da locução propria- 
mente portugueza, que tão desfigurada tem sido no século 
actual pelas consequências da aturada licção de escriptos 
estranhos. Não será este o menor serviço do penoso trabalho 
do sr. Figaniere. 

Poderá de futuro pór-se o remate a esta obra, sem fallar- 
mos nos addicionamentos que o iempo traz comsigo, corri- 
gindo quaesquer descuidos, ou reparando algumas ommissões 



involiuitaiias, por quanto o auctor não tem pretcnções de 
que o seu trabalho seja complelissimo ; nem uma academia 
inlo>ira, quanto mais ura homem só, poderia ter semelhante 
jactância. Todavia, pelo que vimos, aíTirmâmos que é assaz 
copioso. Em nossa opinião, o complemento da Bihliographia 
seria um catalogo, igualmente melhodico, dos auctores por- 
tuguezes, que não são poucos, nem para desestimar, que es- 
creveram nas linguas latina e castelhana sobre a historia 
d'este Reino e seus Domínios.» 

Finalmente a Seníiana, nuníi. 32, do mez d'Agosto 
de 1850, diz o seguinte: 



«A Bihliographia Histórica Portugueza é de tão reconheci- 
da utilidade que juntamos a nossa recommeudação á da Re- 
vista Universal, e mais jornaes litterarios, que tamanhos elo- 
gios lhe teceram, não só pela importância da obra, como 
pelo seu auctor. » 




rag. 


. Lin 


10 


IO 


14 


40 


21 


29 


30 


23 


47 


16 


64 


34 


65 


3 


•70 


16 


5Í 


29 


•73 


19 


91 


39 


93 


10 


101 


23 


103 


4 


5? 


8 


109 


20 


111 


19 


5» 


2 3 


116 


11 


136 


38 


149 


4 


151 


10 


)? 


44 


157 


3 


167 


27 


169 


40 


218 


36 


228 


28 



246 
25 8 
266 



. lUrros. 

Torre de Tombo 
Portugal 

D. FliANCISCO 

Chronica 

portos 

General 

em 21 de Setembro 

naiurol de^ForretNovaSy 

António 

243. 

da execrando 

Maria 

occlamação 

hixilio 

Saíiiu 

resdeito 

1814. 

1814. 

Duque 

Histórico 

auctentica 

do Parahíba^ 

e impressa 
Occidental, 
ludice, 
1761. 

Conselheiro deEslado dos 
Negócios do licinoy 



27 no Porto 

13 Companhia de Portugal, 

40 na Lisboa, Typographia 

35 D. Francisco 

44 secrilego 

25 Sehora 



impressa 

Oriental, 

índice 

1760. 

Conselheiro 

Ministro e Secretario 
de Estado dos Negocia 
do Reino j 

no Porto, por João Ro- 
drigues, 

Companhia de Jesus, na 
Provinda de Portugal, 

Lisboa, na Typographia 

P. Francisco 

sacrilego 

Senhora 



274 29 causas 

278 6 Christãas, 

291 24 Port. 1. 

294 23 aeauo 

299 6 penegyrico 

305 16 Vida e mor le 



308 19 Francisco 

309 5 Martyr, Levita 
315 20 christandande 
317 8 trauscreve 



cowscts 

Christãos. 

Fart. I . 

aeawo (acabou) 

panegyrico 

Fida, virtudes, e morte, 
com opinião de Santi- 
dade, 

Francisca 

Martijr e Levita 

christandade 

transcreve 



Por inadvertência deixaram de ir notadas nos lagares com- 
petentes as seguintes obras, a saber ; 

Pag. 10, depois do num. 40. 

Joio Carlos Feo Cardoso deCastello Branco eTor- 
KES, E Manuel de Castro Pereira da Mesôlita, escre- 
veram: Resenha das Famílias Titidares do Reino de Por- 
tugal, acompanhada das noticias biographicas de alguns in- 
dividuou das mesmas Famílias. Ltisboa, na Imprensa Nacio- 
nal. 1838. 8. grande, sem os nomes dos aucíores. 

Diccionario aristocrático, contendo os Alvarás dos Foros 
de Fidalgos da Casa Real, que se adiam, registados nos Li- 
vros das Mercês, hoje pertencentes ao Archivo da Torre do 
Tombo, desde os mais antigos que n''elles ha até os actuaes. 
Tom. 1. Lisboa, na Imprensa Nacional. 1840. 4. Foi pu- 
blicado pelo primeiro dos referidos auctores. 

Pag. 14, ao num. 59. 

Memorias Chronoh gicas authenticas dos Alcaides-mórcs 
da Filia de Santarém, desde o principio da Monarchia até 
o presente. Lisboa, na Typographia de R. J. de Carvalho. 
1825. 4. Vinte e nove paginas de impressão. 

Na mesma pag. antes do num. 60. 

Fr. Manuel da BIealhada, franciscano. 'K. Noticias de 
Portugal. Vejam-se as que o auctor compilou na obra inti- 
tulada: Promptuario Histórico, distribuído em. varias series, 
em, que se oferecem aos curiosos os principaes noticias d i His- 
toria Sagrada, Ecdesiasiica, Politica, e Civil. Pari. 1. e 2. 
Coimbra, na Qfíicina de Francisco de Oliveira. 17 60. 4. 
Part. 3.e4. Ibi, na Officina de Luiz Secco Ferreira. 1762. 
4. Part. 5. 6. e 7. Ibi, pelo dito Impressor. 1764. 4. 



Pao-, 85. logo (lopois do num. 41í>. 

Relação (Ahhreviada) da JLmhaixada que a Seicniísima 
Maqcstade do Senhor D. Jouo V. Itei de Portugal, man- 
dou ao Imperador da China e Tartaria fum-Chiu, peh sen 
■'Embaixador Alexandre Meiello de Soma Menezes, ^c. Veja- 
se a obra intitulada : Colherão e acolha de bons ditos e pen- 
samentos moraes, políticos, e graciosos. Lisboa, naOfficinade 
Francisco Borges de Sousa. 1779. 8. de pag. 127 a 171. 

Paf. 102, antes do num. 527. 

Manifesto ou Exposição fundada e justificativa do procedi- 
mento da Corte de Portugal a respeito da França, desde o 
principio da Revolução atéáepocha da invasão de Portugal ; 
e dos motivos que a obrigaram a declarar a guerra ao Im- 
perador dos Francezes, «^c. Rio de Janeiro, na Impressão Re- 
gia. 1808. foi. 



N.B. As Instrucções citadas apag. 18, sob num. 80, de- 
viam ir adiante, pag. 73, antes do num. 341, por isso que 
pertencem ao Titulo 8.*" 



■-^--'^ 




07-a^-